Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email: idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro




selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
Pag. Principal :: novembro 2004 »

domingo, 31 de outubro 2004

Crônica da Campanha IX - O Planalto prefere a corja?

Deu na *Folha de São Paulo* de hoje: O Planalto e o Itamaraty estariam torcendo por Bush. É a última versão do PT light: quando pior governada a super-potência estiver, melhor para o Brasil O governo do PT acha que, num mundo unipolar, não seria conveniente a única potência ter um presidente forte, carismático e com liderança internacional efetiva. Uma grande potência e um presidente medíocre resultam numa combinação menos agressiva ao equilíbrio mundial. Deixe eu ver se eu entendi: Bush bombardeia o Afeganistão, invade o Iraque sem qualquer motivo, mata 100.000 iraquianos, dissemina o ódio anti-ocidental no mundo árabe, causa um atentado da Al-Qaeda em Madrid, destrói completamente as regulamentações que protegem o meio ambiente, enfurece a população européia, despreza as Nações Unidas, espiona os países membros do Conselho de Segurança, cospe no Protocolo de Kyoto e...... Kerry seria menos agressivo para o equilíbrio mundial? Será que o Sr. Amorim e o Sr. Lula sabem que o bombardeio da fronteira Brasil-Argentina-Paraguai foi discutido na Casa Branca depois do 11/9? Será que eles sabem onde pode estar o planeta depois de mais quatro anos de Bush? Não que eu acredite que o fraseado escolhido pela reportagem da *Folha* (só há paráfrases, não citações diretas de membros do governo Lula) seja necessariamente representativo da posição de todo o governo, mas em todo caso é a segunda vez que se noticia isso, e uma conhecedora dos corredores de Brasília me confirmou que "foi só Bush subir um pouco nas pesquisas para voltarem com a história de que Republicano é favor do livre comércio e Democrata é protecionista." 1. Se o governo brasileiro acha terá melhores condições de comércio com os EUA com Bush, ele está sendo burro e mal-informado. 2. Se o governo brasileiro acha que Bush vai ganhar, e por isso vale a pena fazer uma média-zinha antes, está sendo canalha, irresponsável, além de burro e mal-informado também. 3. Se o governo brasileiro sabe que Kerry vai ganhar e mesmo assim deixa vazar preferência por Bush, está sendo as quatro coisas acima e dando um truque bobo, que na certa sai pela culatra. Mesmo em política externa, sua área forte, o governo Lula faz bastante bobagem. Se você é assinante do UOL ou da Folha, pode conferir a horripilante notícia sobre a preferência do governo do PT, digna de Halloween, clicando aqui. Esse é o partido que eu ajudei a construir. Durma-se com um barulho desses. De volta para a campanha.

  Escrito por Idelber às 14:05 | link para este post



sábado, 30 de outubro 2004

Diário da campanha V - Atualizando a previsão

Aqui no blog ainda não deixei minha previsão, então vamos lá. Depois de revisar os números de hoje ela se mantém a mesma: No Colégio Eleitoral, Kerry 315, Bush 223. No voto popular, Kerry 51.5%, Bush 47.5%, Nader 1%. Kerry leva os três estados-pêndulo grandes, Pensilvânia, Ohio e Flórida. Bush escapa por pouco em Virgínia, mas perde também Colorado e Novo México. Quando se divulguem os resultados de Ohio na terça à noite o planeta já poderá comemorar. Contagem regressiva para o discurso de concessão da corja [link].

  Escrito por Idelber às 13:35 | link para este post




Diário da Campanha IV - Tudo pronto

Tudo pronto para a viagem para a Flórida: céu lindo e claro, anunciando o fim do reinado do tinhoso. Carro prontinho: gasosa, toneladas de material de Kerry, bananas, maçãs, iPod, laptop, romance de Dostoiévski (certeza dura até terça), fotografia dos meus filhos prá dar sorte, telefone de um monte de advogados (not taking any chances), endereço do comitê de Kerry em Pensacola. Em todo o país, os comitês de Kerry foram completamente inundados por voluntários, e têm sido inclusive incapazes de absorver a mão de obra. Pesquisas feitas à noite: Zogby, que ontem dava empate, hoje dá Kerry por 1 ponto. Há movimento. Colorado e Arkansas, estados republicanos, estão perigando ir prá Kerry também. Dos nossos estados, só Michigan é uma relativa surpresa, com um empate que na verdade nos coloca em condições de não perdê-lo, graças à nossa superioridade na boca de urna. Escrevo mais da Florida!! Temos uma Democracia e uma República para reconquistar...

  Escrito por Idelber às 11:43 | link para este post




Crônica da Campanha VIII - Aposta

O premiado jornalista Clóvis Rossi cobre a eleição para a *Folha de São Paulo*. Ontem, mencionou em seu artigo que Bush "está na frente" nas pesquisas de Ohio. Na verdade, nas 6 últimas pesquisas em Ohio Kerry lidera em 5 < http://www.nowchannel.com/state/?s=Ohio>. Rossi aceitou uma aposta: se Bush ganha em Ohio eu pago seu jantar mais caro nos EUA.

  Escrito por Idelber às 02:49 | link para este post




Crônica da Campanha VII - Apareceu Big Dog

É a grande notícia do sábado: Bill Clinton apareceu para um comício em
Novo México, estado decisivo nesta eleição.

Lembram dos tempos de Clinton? Paz, prosperidade, respeito internacional. Um presidente que fazia frases completas, não assassinava a língua inglesa cada vez que abria a boca, lia os jornais, era respeitado como líder.

E aqui fala alguém que fez *oposição *a Clinton durante a maior parte de seus dois mandatos, por vários motivos: continuação do bloqueio contra Cuba, intervenção nos Balcãs, concessões aos reacionários na questão dos planos de saúde.

Ah, éramos felizes e não sabíamos! Os anos Clinton hoje parecem um sonho: dezenas de milhões de empregos criados, leis ambientais, aumento da renda da classe média, relativa paz na cena internacional, separação de igreja e estado. Tudo destruído em quatro anos da corja.

A corja odeia Bill Clinton: superior intelectualmente, mais charmoso, mais querido, derrotou-os duas vezes. A corja gastou $70 milhões de dólares conduzindo investigações para tentar destrui-lo. Reviraram oda a sua vida. Cada transação comercial, cada transação bancária. Não acharam rigorosamente nada, a não ser que uma estagiária andava chupando sua piroca de vez em quando. Essa foi toda a base que onseguiram montar para seu grosseiro processo de impeachment.

Junto com Bill Clinton, em Novo México, falou Tereza Heinz Kerry. Mulher notável.

A presença de Clinton hoje é decisiva. Graças a ele, aqui vai outra
previsão. Bush vai perder em Arkansas também.



  Escrito por Idelber às 02:17 | link para este post




Diário da Campanha de Kerry VI - No sol da Flórida

Já estou na Flórida para um trabalho
de boca de urna que parece que será mais tenso e mais perigoso que minha
primeira experiência, a de 1982 para o PT, ainda sob ditadura. É difícil
relatar o processo de intimidação que ocorre aqui, especialmente sobre a
população negra, que apóia John Kerry em proporção quase de 9 por 1. Na
Flórida, a polícia estadual faz visitas para "checar" eleitores; o
Partido Republicano ou o governo estadual envia brutamontes para
questionar o direito de voto de eleitores democratas; listas de cidadãos
que um dia foram presos - por qualquer tipo de problema legal - são
usadas para desqualificar eleitores; cartas são enviadas aos eleitores
dizendo que mudou o lugar da votação; máquinas obsoletas e suspeitas
fazem com que o processo demore horas; 60.000 cédulas desaparecem,
curiosamente de um condado majoritariamente democrata. Vou lhes contar,
mes amis, se a ARENA tivesse feito em 1974 a metade do que faz hoje o
Partido Republicano, talvez tivesse intimidado um suficiente número de
pessoas para ganhar a eleição. Até no Brasil dos militares as eleições
se realizavam com mais privacidade e liberdade que na Flórida de Jeb
Bush. O ex Presidente Carter, que já monitorou mais de 50 eleições pelo
mundo, afirma que as condições na Flórida não apresentam os requisitos
"mínimos" de imparcialidade e liberdade. Mesmo assim, a expectativa é
que vença Kerry. Será difícil impedir que todos os eleitores enraivados
demonstrem seu desprazer com a corja.



  Escrito por Idelber às 02:04 | link para este post



sexta-feira, 29 de outubro 2004

Diário da Campanha de Kerry I

A América ferve. Há 14 anos morando aqui, nunca vi uma mobilização igual. Blogs como o Daily Kos [link]. O responsável pela fratura que talvez este país nunca consiga remendar. Muitos de nós, aqui em New Orleans, vamos sair para a Flórida para ajudar John Kerry nesse estado decisivo. Estado que é, como se sabe, governado pelo irmão do tinhoso, onde a coordenadora do processo eleitoral faz campanha para o tinhoso, e onde as práticas de intimidação e fraude são de dar inveja à burocracia mexicana. Onde os negros são sistematicamente impedidos de votar por artimanhas várias (os negros norte-americanos votam no Partido Democrata numa margem de 9 por 1). Apesar de tudo, as pesquisas mostram vitória de Kerry na Flórida, possivelmente por margem suficiente para que nenhum roubo seja possível. Mesmo depois que 60.000 cédulas eleitorais de um condado majoritamente democrata tenham desaparecido no correio mais eficiente do planeta. Curioso né? Um caixão de cédulas. O correio americano já disse que não tem nada a ver com isso Monitoro a imprensa brasileira: continuam achando que Bush vai ganhar. Não conseguem extrapolar os números distorcidos do Gallup [link] Um especialista em poesía húngara comentou o primeiro debate na /Folha de São Paulo /e nos disse que o gago Bush venceu. No dia 27/10, quando a blogosfera já sabia da vitória de Kerry no próximo dia 2, a /Folha/ nos dizia que a maioria dos "eleitores prováveis" apoiava Bush, sem atinar para o fato de que a categoria de "eleitor provável" do Gallup já foi completamente desbancada [link]. Saio para a Flórida amanhã, mas levarei a laptop e manterei o diário. Meu palpite para o Colégio Eleitoral neste momento: Kerry 315, Bush 223. Será doce ver a corja engolindo seco!

  Escrito por Idelber às 18:30 | link para este post




Contexto e Pesquisas já mostram favoritismo de Kerry

/Lidas com o contexto necessário, as pesquisas recentes já colocam John Kerry como claro favorito para vencer a disputada eleição americana/. Sabe-se que essas pesquisas abarcam os “eleitores registrados para votar” (não todos votam, é claro, já que o voto é facultativo) e os “eleitores prováveis.” Nestes, não estão representados: 1) aqueles não-registrados para votar em 2000; 2) aqueles que declaram seu celular como telefone principal. Dada a massiva campanha democrata, Kerry lidera Bush com 22 pontos entre eleitores registrados entre 2000 e 2004. Lidera 52 a 39 no eleitorado de 18 a 30 anos, de onde sai toda turma do celular não representada nas pesquisas. Bipartidistas e plebiscitárias, as eleições americanas mantém a tradição de que quase em proporção 3 por 1 os indecisos que acabam votando escolhem o oposicionista. Tudo indica que nesta eleição pode ser até mais. O */mínimo necessário/* para que um presidente americano chegue à véspera em condições de vencer tem sido, historicamente, 50% na última pesquisa. Menos que isso, sem chance. A seis dias da eleição, Reuters/Zogby, Democracy Corps, Pew Research, American Research Institute, ABC/ Washington Times, LA Times, CBS e outras pesquisas colocam a situação em estágio desesperador para Bush. As sondagens mostram oscilação negativa de Bush, a partir de um patamar que, a não ser na Gallup *uma vez*, jamais passou de 48%. Várias já mostram liderança de Kerry, o candidato cujo eleitorado já estava de cara sub-representado nas pesquisas. Espera-se um comparecimento recorde às urnas, garantia de ampliação desproporcional do voto a Kerry. Quando se diz 48 a 47, estes números se referem ao voto popular nacional, claro. Como se sabe, eles são termômetros mas não definem a eleição. Considerados os estados-pêndulo (/swing states/) que decidirão o Colégio Eleitoral, a semana decisiva começa com pesadelos para Bush. Na Pensilvânia é tal a liderança de Kerry (53-45 na Survey USA, 49-44 na Keystone) que a equipe Bush discretamente tirou comercias e funcionários de lá. Em Ohio Kerry já liderava com 2 a 5 pontos de folga no dia 26, quando se confirmou que Ralph Nader não reuniu o número de assinaturas necessárias para estar na cédula, o que pende ainda mais a balança para Kerry. Na Flórida Kerry lidera por 3% segundo o ARI e por 2% segundo a Survey USA. Se não mantiver todos os estados “vermelhos” (Republicanos) de 2000 e não ganhar *pelo menos dois* dos três estados pendulares mais importantes, Bush terá que conquistar território “azul” (Democrata) e ganhar Wisconsin e *também* Minnesota, o que parece quase impossível neste momento. Ou seja: mesmo que ganhe (ou roube) a Flórida, Bush tem que ganhar Ohio ou Pensilvânia e manter */todos /*os estados onde venceu em 2000, tarefa também difícil já que há empate ou liderança de Kerry em Colorado e Arkansas (neste graças à entrada decisiva de Bill Clinton na campanha). A uma semana do final, o campo de Bush claramente joga na defesa. Entre os blogs democratas, já há mobilização para garantir que qualquer golpismo morra na fonte. 10.000 advogados democratas espreitam, preparados. Mas pelos números tudo indica que o planeta estará em festa já na manhã do dia 3 de Novembro.

  Escrito por Idelber às 16:58 | link para este post




Diário da Campanha de Kerry III - Números, lindos números

A primeira coisa para se entender uma pesquisa de opinião numa eleição presidencial americana é a seguinte: a eleição é plebiscitária contra o ocupante do cargo. Os indecisos costumam tender para o oposicionista na proporção 3 por 1. Qualquer presidente que chegue à tentativa de reeleição com menos de 50% na última pesquisa, está frito. Em cima disso, agregue-se o fato de que nas pesquisas que enfocavam os "eleitores prováveis" não foram representados nem os eleitores registrados entre 2000 e 2004 (esmagadora maioria Democrata, graças à intensa campanha de registros para tirar Bush) nem os eleitores que declaram seu celular como telefone principal (jovens, a maioria Democrata). Dito isso, entenda-se: empate ou vantagem de um ou dois pontos de Bush nas pesquisas, se ele tem 46 ou 47 pontos, *significa na verdade dianteira de Kerry. *Por isso a corja está desesperada, já se deu conta da derrota. Os números de hoje são lindos: PITT dá empate quando ontem dava vantagem de 3 pontos de Bush; Zogby dá empate quando ontem dava vantagem de 2 pontos de Bush. Para piorar a situação do caubói, Kerry lidera com folga em Pensilvânia e com boa margem em Ohio. A vantagem de Kerry na Flórida parece suficiente para superar todas as fraudes. Um estado que se contava como certo para Bush, Colorado, parece que vai mudar de coluna. Todos os números estão disponíveis aqui [link]. Saio prá Flórida para a boca de urna mais feliz da minha vida. New Orleans prepara a festa. Até já. **

  Escrito por Idelber às 02:51 | link para este post




Diário da Campanha de Kerry II - Movimentos de supressão do voto

O Partido Republicano lidera a mais feroz campanha de supressão do voto da história desta República. Claro, até os anos 50 os cidadãos negros estavam *completamente privados do direito de votar* Aquela proibição - odiosa - era legal, e derrubá-la custou uma rebelião contra a lei. Hoje, a rebelião contra a lei a patrocinam não os que lutam por justiça, mas sim os racistas, os escrotos, os falcões, os horrorosos. Na Flórida, a polícia estadual tem feito visitas regulares a bairros pobres e negros para "checar" o passado dos eleitores. 60.00 cédulas desapareceram. Listas de ex hóspedes do sistema penitenciário - devidamente purgada de brancos e latinos pró-Bush - infringem o direito eleitoral de dezenas de milhares de negros. Máquinas que exigem 14 passos para votar para presidente são enviadas para os distritos democratas [link]. O Partido Republicano de hoje, que envergonharia Abraham Lincoln, intimida os eleitores de Ohio com exigências de que o registro esteja impresso num certo tipo de papel e dissemina boatos telefônicos e impressos sobre uma falsa mudança da localização das urnas [link]. O que acontece aqui, meus amigos, faz os capangas do PRI mexicano e do ACM baiano parecerem Fantasminha Pluft. A documentação completa do esforço de supressão eleitoral da equipe de Bush - que está consciente de que quanto mais gente aparecer para votar, maior será a vitória de Kerry - pode ser lida em Daily Kos [link].

  Escrito por Idelber às 00:37 | link para este post