Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email:
idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro







selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« Drops, Viagem :: Pag. Principal :: Galo x Corinthians »

quinta-feira, 26 de maio 2005

A mais nova crise do governo Lula

O governo Lula enfrentou nesses últimos dias mais uma crise de gerenciamento político no parlamento. Depois de um flagrante envolvendo Maurício Marinho, indicado do PTB de Roberto Jefferson para os Correios, a oposição – previsivelmente – passou a levantar a bandeira de uma CPI para apurar as denúncias. A forma como a direção petista lidou com o problema foi um festival de bateção de cabeças.

Eu não tomo a existência dos Waldomiros Diniz e dos Maurícios Marinho como prova de que “político é tudo igual” e que “o PT é igual aos outros”. Não necessariamente. O que se espera de um governo não é que jamais haja um caso de corrupção no primeiro, segundo ou terceiro escalões. O que se espera é que, uma vez substanciada uma denúncia, a apuração seja feita. Se a oposição se apóia num "denuncismo", a melhor maneira de combatê-lo é efetivamente investigar as denúncias reais (e neste caso havia muito mais que uma denúncia: havia provas).

Se o PT tivesse tomado a iniciativa da CPI ou da apuração, ele teria esvaziado a iniciativa da oposição, e de quebra teria se fortalecido para as negociações com o PTB dentro da base do governo. Escolheu o caminho que era, ao mesmo tempo, o menos ético e o mais burro. A direção petista tem usado o argumento de que a oposição quer desestabilizar o governo – o que não deixa de ser verdade – para implementar um projeto autocrático de partido. Justificam absolutamente tudo com o fantasma da volta da direita. Justificam, inclusive, a adoção de métodos que já não os diferenciam da direita.

Depois da aprovação da CPI, ontem no congresso nacional – para a qual contribuíram suas assinaturas 19 deputados petistas e um senador, Eduardo Suplicy – o PT já fala em punição dos rebeldes. Ou seja, o partido que até pouco era considerado o repositório ético da política brasileira pensa em punir parlamentares porque eles apoiaram uma proposta de CPI para apurar uma comprovada cena de propina no governo. Parece inacreditável. O PT no qual eu militei ao longo da década de 80 teria se envergonhado dos episódios desta semana. A Folha de hoje noticia:

A cúpula do PT decidiu que tratará os deputados federais que mantiveram a assinatura no pedido de criação da CPI dos Correios como "bancada paralela", dando início a um processo de punição que pode resultar num novo expurgo de rebeldes do partido. Segundo a direção petista, 8 dos 19 petistas que aderiram acabaram recuando. Sobraram 11, número considerado alto -mais de 10% da bancada de 91 deputados.
Em relação ao senador Eduardo Suplicy (SP), que anunciou que assinaria o pedido de CPI depois de a bancada ter decidido em reunião de manhã que não endossaria a investigação, a cúpula do governo espera que ele desista de concorrer a senador pelo PT. (...) Os 11 deputados que mantiveram o apoio serão internamente responsabilizados pela cúpula do PT como os principais responsáveis pelo fracasso do esforço para retirar as assinaturas. O governo avalia que foi mais ou menos esse o número de assinaturas que não conseguiu reverter.

A política econômica conservadora e o gerenciamento político autoritário e autocrático são minhas duas críticas recorrentes ao governo. No episódio da tentativa de abafa da CPI dos correios, esse gerenciamento político equivocado chegou a um cúmulo de ruptura com os princípios históricos do PT.

Ao tentar construir a base de sustentação do governo no parlamento, o PT em nenhum momento jogou com o notável mandato popular que Lula recebeu em outubro de 2002. Ao buscar maioria a qualquer custo, acharam que estavam entregando os anéis e, quando se deram conta, os dois braços já haviam ido. No início do mandato, a coalizão PT-PL poderia ter construído um marco bastante sólido de governabilidade, mesmo considerando o fato de que só possui 100 e poucos deputados. Como? Usando politicamente o mandato popular para pressionar o Congresso, para colocar os deputados mais fisiológicos na posição de ter que ceder e votar os projetos de interesse do governo, sob pena de ser execrados pela população e perder a boquinha na próxima eleição. Quando nós, na época na esquerda do PT, falamos da importância de partir do imenso apoio a e admiração por Lula entre a população para negociar no congresso, a tropa de choque delúbica-genoínica se recusou a conversar e veio nos dar aulas de "realismo". "Ingênuos! Não sabem que é necessário negociar? Não sabem que o mundo é mais complicado que os sonhos de vocês?", eram e são as caricaturas usadas para desqualificar as críticas à grotesca política parlamentar adotada pela administração Lula. Fizeram os acordos mais espúrios sem consultar o partido. Começaram a falar em "ala progressista" do PP, "ala progressista" do PTB, e outras asneiras. Viraram escravos da sua própria falta de princípios, reféns de raposas políticas que não têm 5% da representatividade de Lula. Afinal, nesse jogo, os ACMs e Jeffersons da vida são muito mais espertos que os Genoínos. Esse é mais um episódio que demonstra que a direção do PT deveria pensar nas críticas que ela vem recebendo dentro do partido. É a culminação do que poderíamos chamar o “hegemonismo” da direção do PT: conquistar maioria a qualquer custo, bombardeando e alijando, no processo, os “ingênuos” e “idealistas” que se atrevem a protestar.



  Escrito por Idelber às 03:44 | link para este post | Comentários (21)


Comentários

#1

Meu caro Idelmar
Negociar com os partidos de oposicao para montar uma base de sustentacao politica no congresso é uma atitude inescapável no sistema democràtico vigente.
Nem o PT é o Estado brasileiro e nem se governa com "o imenso apoio e admiração do povo por Lula", pois a nossa democracia é representativa e os eleitores, pelo menos a maioria, já esqueceu em quem votou para deputado ou senador

Fraqncisco Edson M. Gomes em maio 26, 2005 7:05 AM


#2

Queria deixar uma receita para que vocês compreendam muito bem o motivo disso tudo.
Junte 505 anos de conversa para boi dormir, acrescente uma pitada de ganância, misture um povo surreal que acredita em Deus mas tem ojeriza a ética. Leve ao forno e misture levemente. Deixe descansar. Enquanto isso faça uma mistura de toneladas de impunidade, quinhentos quilos de poder judiciário corrupto e ineficaz, uma pitada de ingenuidade do povo que vende o seu voto por uma dentadura. Misture tudo, leve ao forno e ponha por cima (para gratinar) um pouquinho de futebol, mulheres peladas, carnaval e muita festa. Leve ao forno e saboreie. E ficamos combinados assim, amanhã todo mundo torcendo pelo Flamengo. Beijocas

Yvonne em maio 26, 2005 9:15 AM


#3

Caro Idelber

Em relação a tal "crise":
- O Genoíno, agora, quando é presidente de um partido no PODER, reafirma-se como POUCO AFEITO a democracia. Talvez ele faça mais pela criação e prosseguimento das crises do que muitos dos ministros desqualificado que existem no nosso governo.
- O Roberto Jefferson continua "atuando", como se estivesse no "Povo na TV".
É isso.

Paulo Zobaran em maio 26, 2005 9:29 AM


#4

Bravo! Belíssimo post com uma análise perfeita.

DaniCast em maio 26, 2005 10:07 AM


#5

Idelmar? Falo como ignorante total do assunto, mas o que me chamou a atenção é que um caso comprovado de corrupção "dependa" de certa boa vontade por parte do governo em se apurar. Voce não acha que casos de corrupção vão além das decisões politicas deste ou daquele partido e sim constituem-se em fatos para ocupação do poder judiciario? Esta impunidade gerada por um sistema sem controles suficientes, não favoreceria estes atos? Acredito que a democracia avança mais quanto maiores são estes mecanismos de controle entre os poderes. A ocasião faz o ladrão, ja dizia minha avó e o PT é constituido de seres humanos, alguns com principios, etica e probidade e outros nem tanto. por isso a necessidade de fiscalizaçao de qualquer açao, de qualquer partido. Penso tambem que se um partido se descaracteriza a ponto de em modo antidemocratico fazer expurgos, tanto melhor para os expurgados que podem e devem criar outro partido. Ate porque acredito na politica como ação transformadora da realidade mas quando o alvo é o poder pelo poder, o que era legitima aspiração passa a ser luta fisiologica sem nenhum vinculo com as ideias geradoras da açao politica. Em outras palavras, um partido nesse momento, deixa de ser partido. Lamentavel o que ocorre no Brasil. Ainda não rasguei minha carteirinha, mas te juro que se pintar o novo partido dos expurgados penso que não exitarei em faze-lo.

Flavio Prada em maio 26, 2005 10:52 AM


#6

Como petista, a idéia, assino embaixo de cada sílaba sua.

Virginia Munhoz em maio 26, 2005 11:15 AM


#7

Olá,

Apesar de achar que suas críticas, no geral, fogem ao simplismo e maniqueísmo da maioria da imprensa brasileira, sinto enorme receio de se estar engendrando aqui no Brasil uma espécie de "golpe disfarçado". Isso fica cada vez mais claro quando semana sim, semana não, a VEJA publica textos de caráter meramente especulativo, procurando associar o governo Lula com todo tipo de movimentos, digamos, "politicamente incorretos". Sob a chantagem que virou o lema " liberdade de imprensa", veículos como a Folha de SP, Estado de SP, VEJA, Época E etc tomam um viés absolutamente anti-democrático,pois eles sabem que basta uma capa com um título sugestivo para que aquilo se torne a verdade na "opinião pública", pois não há nenhuma perspectiva oposta que possua o mesmo alcance destas mídias.
De fato, também acho que a opção pela CPI teria causado menos problemas ao governo, mas a hipocrisia PSDBista não tem limite. Sob nenhum ponto de vista o governo FH foi mais eficaz ou ético do que o governo Lula.
Espero que o país não confirme o título que o cineasta Sérgio Bianchi deu a um de seus filmes:"Cronicamente inviável"

Jorge Santos em maio 26, 2005 2:16 PM


#8

Mas aí quem tem que apurar e investigar é o Ministério Público, a Polícia Federal e o Judiciário, não uma CPI, que dificilmente chega a algum lugar.

CPI é holofote, não é função de deputado investigar. Ainda mais o tipo de "deputado limpeza" que a gente vê aqui.

André Kenji de sousa em maio 26, 2005 3:43 PM


#9

Concordo com a lucidez de sua análise, Idelber, mas vou mais pela linha simplória de raciocínio que ouvi hoje, feriadão, da boca de um velhinho que vende queijos e doce de leite de porta em porta para complementar sua aposentadoria:

"Falta vergonha na cara ao nosso Presidente!"

Iraldo em maio 26, 2005 4:13 PM


#10

Idelber, embora eu tenda a ser mais favorável a este governo do que você, acho que concordo com a maior parte do que você está dizendo. O que me irrita, de um modo geral, é o hábito de colocar tudo no mesmo plano, esquecendo por exemplo o abismo que há entre escândalos de waldomiros e de correios e outros como, por exemplo, os da dupla Collor-PC, compra generalizada de votos para reeleição de FHC, "privataria" etc. nada a favor dos ladrões de galinha, mas de repente, sei lá, parece que ladrões de galinha são "promovidos" a arautos do apocalipse da corrupção generalizada... pô, ninguém vai comentar que há uma leve diferença entre, sei lá, entregar o controle das comunicações a ACM e PFL e entregar o controle dos correios (cada dia mais pobres nestes tempos de internet, blog, orkut...) a Jefferson e PTB?
pô, concordo, abaixo a corrupção, mas abaixo também a corrupção no modo de abordar a corrupção!...

pedro em maio 26, 2005 4:17 PM


#11

Oi meu querido! Nem me fale no PT. Q. Decepção... Mas temos mesmo que botar a boca no trombone, pq do jeito que as coisas vão, o Lula vai jogar tudo pelo ralo.
Sempre achei que ele deveria governar esse país. Hoje, acho que se ele fosse oposição a vida inteira, seria de maior valia.

Fiquei sabendo faz pouco que vc desistiu do uol blog e que fez um post comentando isso, citando entre outros, o meu blog. Te agradeço muitíssimo! Estou te linkando lá no palavra p. Beijos! Não nos percamos mais de vista! :))

Ana em maio 26, 2005 4:41 PM


#12

Idelber,

O governo do PT tá que nem o galo: só faz gol contra. A grande exceção mesmo talvez fique por conta da política externa.
Tamos te aguardando aqui na terra da aguardente. Abraços e bon voyage.

Charley em maio 26, 2005 6:07 PM


#13

Ô Charley,
falar em aguardente, entre
a) http://www.gotademinas.com.br/ e
b) http://www.valeverde.com.br/
qual a melhor?
1) Gota de Minas
2) Vale Verde
3) ambas são boas e se equivalem
4) nenhuma presta
5) Charley não sabe.
Abraço,
Roman.

Roman em maio 26, 2005 6:26 PM


#14

Muito boa sua análise. O PT foi uma graaaande decepção. Eu era uma das que achava que o Lula realmente poderia mudar a cara desse país :-(

Boa viagem, espero que você tenha conseguido colocar tudo na mala.

Viva em maio 26, 2005 6:38 PM


#15

Caros amigos.
O mais curioso da questão PT x PSDB é que na cidade do Rio de Janeiro e no Estado do Rio, é que o PSDB é quase inexistente e o PT pouco importante nas eleições majoritárias.

Para muitos e muitos no Rio de Janeiro, o maniqueísmo que vigora nacionalmente poderia até ser bemvindo, isto porque vem se instalando nesta outrora cosmolita cidade um maniqueísmo daquele caráter que estimula o ódio!

O PSDB já teve alguma importância com Marcelo Alencar. O termo "tucano" no Rio só existe por muita repetição da palavra na imprensa (de caráter nacional). Se perguntado na Central do Brasil ou no Maracanã, a palavra "tucano" (com acepção política) é capaz de ser desconhecida pela grande maioria!

O PT na última eleição majoritária lançou o estilo-mal-copiado do mauricinho Bittar. E apesar de ter alguns parlamentares sérios como o Alessandro Molon (não confundir com o outro!), o PT de fato não empolga por ter acabado se tornando leniente com os grupos ora no poder no estado.
Saudações cariocas

Paulo Zobaran em maio 26, 2005 6:54 PM


#16

André, você diz que não é função de deputado investigar. Engraçado que há três anos atrás os deputados e senadores do PT (os mesmos que não assinaram a CPI) pensavam o contrário. Não só achavam que deputados deviam investigar, como consideravam a CPI uma arma importante para desbancar a corrupção. O que se questiona - e aí estou completamente de acordo com Idelber Avelar - é a completa incoerência do PT no que diz respeito à CPI. Esse argumento que você utilizou - de que a PF e o MP estão aí pra investigar - foi o mesmo usado pelos tucanos durante anos e anos de abafa-CPI. Se, de fato, só a PF e o MP podem investigar, por que há a possibilidade da CPI na Constituição Brasileira?

Jorge Santos, você fala sobre um "golpe disfarçado", alegando que certos meios de comunicação como Veja, Época ficam fazendo ligações, a seu ver "especulativas", entra a corrupção na administração pública e o governo Lula. Permita-me discordar, mas quem tem a TV Globo todo dia dando sopa de letrinhas para patuléia no Jornal Nacional, não precisa se preocupar com Veja, Época ou seja lá o que for. Marilena Chauí - que não pode ser acusada de oposicionista - disse em recente entrevista a revista Cult que não assistia a Globo por puro constrangimento, já que achava a Globo mais oficial que o Diário Oficial. Essa acusação de golpismo é extremamente anacrônica. Trata-se de um resíduo esquerdizante no discurso petista. O PT hoje está completamente conciliado com o grande Capital, com a família Marinho, com os Sarneys. Contra os interesses de quem Lula governa? Por favor, vamos abandonar essa retórica mofada do golpismo pois ela não funciona mais. Se alguém, na política contemporânea brasileira, pode ser acusado de golpismo é o próprio Partido dos Trabalhadores. Em janeiro de 1999, logo após a desvalorização brutal do Real, Tarso Genro pediu a renúnica de Fernando Henrique. E começou-se a famosa campanha "Fora FHC!". Se gritar por todos os lados "Fora FHC!" não for colocar em xeque a ordem institucional democraticamente estabelecida - ou seja, golpismo -, eu não sei o que é mais golpismo.

E por último, Pedro, não foi ninguém que igualou o PT aos outros partidos. Foi o próprio PT que fez isso. Além de mimetizar todo o discurso tucanóide das operações "abafa-CPI", os petistas mimetizaram os mesmos métodos espúrios. Só ontem foram liberados para os deputados 47 milhões de reais (26% de todas as despesas autorizadas no orçamento ao longo deste ano). Se isso não for degradante, não sei o que é. Engraçado que você fez uma comparação entre colocar ACM no comando das comunicações e Jefferson no comando dos correios. Quem está no comando das comunicações hoje do governo Lula é um tal de Eunício de Oliveira, um homem que enriqueceu bastante nos últimos anos. E você sabe quem colocou ACM no ministéria das Comunicações? José Sarney, aliado de primeira hora de Lula. Quanto mais você tenta distinguir o ladrão de banco com o ladrão de galinha, mais a galinha se assemelha a um banco.

José Amaro em maio 26, 2005 6:57 PM


#17

Muito bom, muito bom. Mandem bala. Há coisas que eu gostaria de retrucar a vários de vocês, mas hoje será impossível: entre o blog e a mala eu ficaria louco. Mas queria dizer que li todas as mensagens, e várias me fizeram pensar, refletir. Muito obrigado e que siga a conversa. Se o pessoal mais alinhado com o governo quiser morder a isca do José Amaro, fiquem à vontade. Daria um bom debate.

Quando todo mundo aprender a escrever meu nome, então, vai ficar melhor ainda (estou pensando em fazer uma coleção de todas as ortografias diferentes que já pintaram por aqui, hehehe).

Abraço,

Idelber em maio 26, 2005 7:34 PM


#18

Acabo de ouvir um debate entre o presidente Genoíno e o deputado Chico Alencar na Rádio CBN, sobre a chamada "CPI dos Correios.
O presidente Genoíno, sem argumentos, enveredou por uma questão pessoal contra o deputado, externando todo o seu "raivoso" stalinismo primitivo (é primitivo porque é da primeira e mais tosca fase do stalinismo).
Me desculpem, mas o presidente Genoíno dia-a-dia mostra que não consegue conviver com debates e, por conseqüência com a DEMOCRACIA!

Paulo Zobaran em maio 27, 2005 7:32 AM


#19

Pode-se falar muito sobre esse caso e sobre outros também. Mas é mais fácil resumir como falta de bom senso. Se continuar assim, daqui a algum tempo vão querer considerar normal qualquer esquema de corrupção.

Carlos em maio 29, 2005 5:59 AM


#20

josé amaro, gosto dos seus argumentos, acho que você tem razão. mas insisto que vejo o atual governo praticando assaltos ao galinheiro e sendo tratado como grande larápio univesal (enquanto suas qualidades são sistematicamente varridas para baixo do tapete). meu ponto não é, nunca, de defender grandes ou pequenos atos corruptos. eu só acho que nossa decepção bonachona, acomodada e também sistemática, com os governos que não elegemos e com os governos que elegemos, é também parte da ruindade desses governos. meu ponto é que é muito mais fácil se decepcionar sempre, não agir afirmativamente nunca, reclamar sempre, ver o mundo sempre como se não fôssemos parte integrante dele. desse jogo não gosto mais, cansei...

pedro em maio 30, 2005 9:52 AM


#21

Perfeito. Caro Idelber, sua honestidade e coerência não cansam de me causarem espanto. Não preciso nem ressaltar as divergências político-ideológicas que tenho para com Vossa Senhoria, mas, a cada post que leio com análises sobre o atual governo, lembro-me de que estou diante de um "adversário" afeito à verdade, leal, honorífico.

A propósito, gostaria de perguntar ao André Kenji a opinião dele sobre as Comissões Parlamentares de Inquérito (in abstractu, mister frisar) no tempo do reinado do príncipe sociólogo.

Kbção em maio 31, 2005 11:27 AM