Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email:
idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro







selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« Sobre a última tamancada no deutschefreguês :: Pag. Principal :: Suruba de Blogs »

segunda-feira, 27 de junho 2005

Conversas com a Militância do PT em São Paulo

(os links abaixo são da Folha e só estão disponíveis para os assinantes do jornal ou do UOL)

No momento, minhas posições políticas podem ser resumidas assim: elas desagradam boa parte dos meus amigos e agradam gente que eu não quero agradar. Paciência. Deixar de pensar o que penso, não posso. E pelo que tudo indica, o descompasso é temporário. Cada vez menos amigos estão dispostos a defender o governo Lula e a situação calamitosa em que a invasão dos Delúbios deixou o Partido dos Trabalhadores.

Na semana que passei em São Paulo pude conversar com alguns militantes históricos do PT. Eu gostaria que todos os que esbravejam é complô da imprensa, é culpa da Folha de São Paulo e da Veja! tivessem a oportunidade de conversar com esses militantes. Falo dos militantes honestos, da base, não dos comissários, burocratas e delúbios.

Foi triste ver o estado de desmoralização, melancolia, falta de alternativas dessas pessoas que dedicaram, em alguns casos, trinta anos de suas vidas à construção do PT (sim, porque em 1975 o núcleo do que seria o PT já se gestava no movimento sindical).

Conversei, por exemplo, com X, metalúrgico de 1973 a 1980, e desde então militante do PT, e também com Y, intelectual e filiado ao partido desde a primeira hora. Protejo seus nomes porque elogios vindos de uma pessoa como eu, que já chutou o pau da barraca com este governo, só pode prejudicar a luta duríssima que essas pessoas ainda livram no interior da máquina sequestrada pelos delúbios.

A Y eu dizia:

- bicho, como vocês vão fazer campanha nos movimentos sociais em 2006? Não há nada a apontar, não há um único índice social que tenha se movido minimamente, não há uma única realização social que diferencie este governo.

-é, Idelber, vai ser foda. O mais provável é que seja uma campanha como foi a da Marta, totalmente "profissionalizada", terceirizada, e que eles só chamem a militância no caso de terem medo de perder. Eu não tenho que encarar os movimentos sociais. Imagine o cara lá do movimento de bairros, vai dizer o quê? A Marta pelo menos tinha realizações de verdade.

X, que voltava do ato em "defesa" do PT ao qual compareceu toda a cúpula e ministros petistas, relatava duas coisas insólitas.

- Havia uns caras de 2 metros de altura do meu lado gritando Delúbiô! Delúbiô!

Agora uma singela pergunta para os leitores do Biscoito: que cidadão da República de Pindorama gritaria Delúbio! Delúbio! em público hoje em dia a não ser que estivesse sendo pago para isso? Não satisfeita em contratar cabos eleitorais pagos e defenestrar a militância (para depois chamá-la no desespero para "defender" o partido quando o bicho pega), não satisfeita em arregimentar sindicalistas [expressão usada originalmente e retirada às 15:30 depois de diálogo abaixo com leitor André: "contratar mercenários"] para gritar palavras de ordem em defesa de José Dirceu no Congresso Nacional, a cúpula contrata capangas para entoar em coro o nome de bandidos. A esse ponto chegamos.

Segundo relato escabroso de X:

- Na hora em que Eduardo Suplicy foi falar uns caras ensaiaram umas vaias.

Ironias de Pindorama: em qualquer lugar deste Brasil em que ele apareça, do Oiapoque ao Chuí, o senador Eduardo Suplicy será aplaudido. Exceto, claro, num ato de "defesa" do Partido dos Trabalhadores convocado pela claque de José Dirceu. Poucas horas antes, no show de Wynton Marsallis no Ibirapuera, Y havia se encontrado com Suplicy, que panfletava.

Y presenciou uma cena bem típica: uma mãe e uma criança passavam pelo lugar. A criança perguntou: “mãe, ele é político do PT?” Resposta da mãe: “sim, filha, mas não é bandido como os outros não”.

Enquanto isso, para os que continuam no interior do Partido dos Trabalhadores, José Dirceu - que nunca foi representante de movimento social nenhum, que sempre foi "expressão da máquina partidária" como bem disse Paulo de Tarso Venceslau (expulso do PT em 1997 depois de denunciar um esquema de corrupção envolvendo um amigo de Lula) - continua tirando onda de representante de uma suposta "ala progressista" do governo.

Um sujeito que é representante do que de pior existe no ex-Partido dos Trabalhadores.

Um sujeito capaz de dizer que participou e não participou de uma coisa.

Um sujeito que, num momento em que o Brasil passa a limpo a sua história, nega até mesmo a uma pesquisadora um depoimento sobre sua trajetória pessoal. Por que será?

Um sujeito que, depois de arquitetar e tramar durante meses a expulsão de três parlamentares, é capaz de chegar na reunião da Executiva Nacional e, com a cara lavada que só possuem os verdadeiros calhordas, dizer eu não tenho nada com isso.

Um sujeito capaz de se disfarçar e mentir para a própria esposa durante anos.

Um sujeito que, não nos esqueçamos, foi o primeiro chefe da Casa Civil da República Federativa do Brasil a ameaçar com processo judicial um professor universitário por uma opinião (e não foi um reles professor como eu, e sim um fundador do PT e um dos maiores sociólogos da nação, o Dr. Francisco de Oliveira).

Um sujeito que é incapaz de dizer eu não sou corrupto ou eu sou inocente mas, que, ao contrário, só repete não há provas contra mim, com o sorriso nervoso que só ostentam os muito preocupados.

Um sujeito que - por causa de sua ambição de governar São Paulo - foi o responsável direto pela perda da possibilidade de uma aliança histórica entre PT e Mário Covas em 1993, para depois, claro, chafurdar o PT na lama de alianças com Sarney, ACM e cia. em 2002.

Um sujeito que, não satisfeito em ser derrubado por indícios de corrupção e quase levar o resto do governo junto, arregimenta pessoas que agem como capangas para irem ao Congresso e a comícios "defenderem" o seu nome, astutamente confundido com o nome do PT, justo no momento em que ele acaba de liderar o estrangulamento deste último.

Um sujeito que foi o responsável direto pela derrota do candidato da bancada do PT, Virgílio Guimarães, à presidência da Câmara e pela subida de Severino, embora os mal-informados e os mal-intencionados insistam em colocar a culpa na oposição, na imprensa e na torcida da Portuguesa.

Um sujeito que - como vocês sabem - é responsável por muita coisa mais, que não vou dizer aqui porque não posso provar.

Esse é o sujeito que quer se fazer passar por representante das "causas progressistas" no governo Lula. O MST, obediente, repete a fábula oficial.

Enquanto isso, se você ainda se define como simpatizante do PT, evite os atos de "defesa" do partido. Passaram a ser povoados por capangas que gritam nomes de bandidos.

Atualização: Recomendo enfaticamente a entrevista à Folha dada hoje pela mui lúcida socióloga e cientista política (e fundadora do PT) Maria Victoria Benevides.



  Escrito por Idelber às 08:44 | link para este post | Comentários (38)


Comentários

#1

Quequiéisso, Idelber? O trem tá feio mesmo... será a sina de todos os partidos: uma inteligentsia ocupa a burocracia e os ideais que se fodam? Só nos resta não esmorecer na pressão para que as investigações sejam levadas a sério e produzam resultados concretos. Senão...

Cláudio Costa em junho 27, 2005 11:06 AM


#2

Caro Idelber
Após ler as suas palavras em Conversas com a Militância do PT, gostaria de fazer algumas observações, que espero produtivas. Vou a elas:
A maneira que foi criada o Partido dos Trabalhadores, o PT, é notável. Pouquíssimas atividades associativas em nosso país (em qualquer campo) foram criadas de maneira tão capilar e, no primeiro momento, de maneira significativamente fraternal e desprendida. É por isso que cabe, como todos sabemos, a expressão que você usou “construção do PT” !

O passado registra que uma sensação de frustração popular em relação a partidos políticos brasileiros, SEMELHANTE A QUE AGORA VIVEMOS, salvo melhor juízo, SÓ OCORREU quando o antigo PTB (que vinha num crescendo) foi impiedosamente atacado pelas cassações da “redentora” (e posteriormente extinto). Naquela ocasião foi uma ação externa a um partido que embora com significativa participação popular, havia sido criado de cima para baixo. Portanto, me parece que o sentimento de perda em relação aos valores do PT, QUE AGORA SE VIVENCIA, é vamos dizer assim, INÉDITO em nossa história.

E caro Idelber, o que parece que está ocorrendo entre os petistas é uma priorização do problema do Partido sobre a situação do país. Você mesmo fala que “Cada vez menos amigos [entendo que sejam do PT] estão dispostos a defender o Lula”. Mas sintomaticamente há numerosíssimos eleitores que NÃO SÃO militantes do PT, que defendem o presidente Lula [após o Tsunami Delúbio], mas não estão sintonizados na defesa do Partido, mesmo que eles considerem – pelas razões que apresentei acima – que o PT apresentava-se como VERDADEIRO PATRIMÔNIO NACIONAL em termos democráticos!

Sua advertência final mostra uma realidade que nem os mais ácidos críticos do PT (de outros tempos) poderiam imaginar. Creio que todos fomos surpreendidos!
A situação que passamos me parece inédita, mas possível de se resolver, se o presidente Lula olhar para todos os lados e não permitr que os problemas de seu Partido continuem a se misturar com os do país. Acredito que ainda há muito lugar para otimismo!

Paulo Zobaran em junho 27, 2005 11:25 AM


#3

Nunca fui militante do PT, apenas uma simpatizante. Mas neste momento junto-me aos milhões de brasileiros decepcionados com esta pouca vergonha que está tão bem descrita pelo mestre Idelber. Corrupção sempre houve e sempre haverá mas não podíamos imaginar que justamente no PT, um partido que sempre se posicionou como "do bem", estes desacertos fossem atingir tais proporções. Ainda acho que o Lula tem nas mãos uma chance de transformar a crise em oportunidade se souber tomar as rédeas da situação e dar um choque de moralidade no país. De nada adiantam campanhas milhonárias na TV se o próprio presidente não dá o bom exemplo.

Viva em junho 27, 2005 12:04 PM


#4

Idalber, eu acredito na presunção de inocência. Eu acredito que alguém é inocente até que se prove sua culpa. Acho bonito aquilo que se vê nos filmes americanos: só condenar alguém se não restar nenhuma "dúvida razoável". Não tenho a menor dúvida de que a presunção de inocência é um elemento civilizatório indispensável a qualquer sociedade. Assim, não posso fugir à conclusão derivada: presunção de culpa é barbárie. Fico triste que você tenha entrado nesse bonde.

Sim, pois só a necessidade de mostrar uma culpa que não está provada explica, por exemplo, que se chame os sindicalistas bancários e vigilantes que foram dar apoio ao José Dirceu na sua volta à Câmara de "mercenários". É o que explica também que se deduza automaticamente que um militante ("de 2 metros") que defenda o Delúbio é um "capanga" a serviço de "bandidos" (que é o modo como você chama uma pessoa que está sendo investigada). É a única explicação que eu encontro, enfim, para que você diga que o José Dirceu, uma das principais lideranças do movimento estudantil do final da década de 1960, "nunca foi representante de movimento social nenhum".

Existem muitas outras distorções no seu post. Mas me dá um cansaço muito grande debater com alguém que tem uma facilidade tão grande em transformar atos corriqueiros da política em verdadeiros crimes contra a humanidade. Fico só com os erros grotescos indicados no parágrafo anterior.

A sua ânsia de acusar e prejulgar me faz deduzir que ainda que Jesus Cristo, Maomé, Buda ou Suplicy descessem à Terra e assumissem um cargo executivo, em pouco tempo você também os chamaria de calhordas ou coisa pior.

Abraços,
André.

Anonymous em junho 27, 2005 12:15 PM


#5

André: obrigado pelo seu comentário e seja sempre bem-vindo.

Quanto a José Dirceu e o movimento estudantil: é verdade; eu deveria ter dito "desde os anos 60", ao invés de "nunca". Porque desde a fundação do PT a relação de Dirceu tem sido com a máquina partidária, não com os movimentos sociais. Aceito, portanto, essa correção que você me faz, com a ressalva de que não altera o essencial: colocar Dirceu hoje como representante dos movimentos sociais simplesmente é incorreto.

Quanto às outras, não. "Mercenário" não é só quem embolsa pessoalmente para fazer algo. Não acho que ninguém acredite que aqueles sindicalistas - eram todos sindicalistas? todos eles? - foram lá "espontaneamente" gritar Zé Dirceu é meu amigo/mexeu com ele/mexeu comigo.

Quanto aos capangas presentes no ato em "defesa" do PT: deixei claro no post que não estive lá, mas se há uma coisa que filiados históricos do PT diferenciam com a maior facilidade é um militante de um cabo eleitoral pago. E militante nenhum hoje sairia por aí gritando o nome de Delúbio. Fico, portanto, com o relato dos militantes do PT que continuam lá, lutando em condições duríssimas.

Quanto a Delúbio, não estou pré-julgando: os fatos estão aí, não vê quem não quer. E são fatos que não vêm de hoje: basta perguntar aos sindicalistas que conviveram com ele quando ele era tesoureiro da CUT. Pelo que me consta, não deixou impressão muito boa.

Sinceramente, acho triste defender essa lama como "atos corriqueiros da política". Elegemos Lula justamente para que esses "atos corriqueiros da política" não se repetissem, ou pelo menos fossem coibidos. Ao invés disso, eles se multiplicam.

Há muitos exemplos de pessoas que assumiram cargos executivos e que eu jamais chamaria de calhordas. Muitos mesmo. Abraços,

Idelber em junho 27, 2005 1:11 PM


#6

Clap! Clap! Clap!
Este é meu mestre! Por sito neste blog eu assumo meu papel de eterno aluno.
Seja o post original ou a complementação/resposta a um comentário as idéias estão perfeitamente ordenadas. Parabéns meu Mestre (mesmo sabendo de teus/nossos ares doutorais) prefiro o uso da expressão Mestre para resumir minha admiração. Qualquer advogado, político, verador colca um Dr. na frente do nome, quem batalhou um doutorado sabe a dificuldade de complementar o nome com um "Dr. em ...".

Aluno em junho 27, 2005 2:03 PM


#7

Meus caros

A recordação da participação do deputado José Dirceu no movimento estudantil na década de 60, pode levar alguns eleitores a conclusão que naquela época ele realmente pensava nos movimentos sociais, e pela suas ações de hoje esteja mais sintonizado no que o citado Paulo de Tarso Venceslau chamou de "expressão da máquina partidária". O que fazer? É assim mesmo!

Companheiro, neste filme que você viu, o Delúbio, o Genoíno, o Silvio Pereira, o Marcus Valério, o comandante Molina e outros já teriam ido ao Juiz, confirmado algum grau de culpabilidade e estariam liberados para trabalhar, junto com advogados, para provar a própria inocência!

Aqueles que tem mandato, neste filme que você viu, assim como aqui, talvez tivessem se defendendo na casa legislativa, de forma semelhante a que nós estamos vendo no Brasil! Você falou na "presunção da inocência", mas esqueceu-se das "fortes evidências" que levam um Juiz (como o deste seu filme) a se perguntar o que fazia o seu Delúbio estar em determinadas situações em que foi flagrado. O caso Watergate começou parecido.
Saudações.

Paulo Zobaran em junho 27, 2005 2:16 PM


#8

Li de cabo a rabo e, infelizmente, concordo. Deprimente.

Milton Ribeiro em junho 27, 2005 2:16 PM


#9

Idelber, legal seu prólogo sobre suas posições políticas atuais, essa é uma das (muitas) maluquices deste momento, né? também me sinto na situação esquisita de concordar com a maior parte dos seus argumentos, mas sem conseguir produzir com eles a mesma rede que você constrói.

porque suas indignações encaminham todo o discurso para a fixação do bode expiatório como justificação de tudo. ora o Dirceu, ora o Delúbio, de acordo com isso foi o bode que acabou com tudo, que matou o nosso sonho. com isso não posso concordar, até porque um dos bodes (dirceu) já caiu fora e o outro, segundo você diz, concentra as piores "qualidades" do PT. mas e aí, foram os bodes Dirceu e Delúbio que nos arrastaram ao mar de lama? é aí que acho que não... o mar que estamos vendo aí é a somatória complexa dos dois bodes com todo o resto - o que inclui nossa passividade e alienação diante do governo composto (como se ele fosse ser o "salvador da pátria" da velha novela da Globo), como inclui também Suplicy, Marta, Francisco de Oliveira, eu, você e seu chute no balde, os militantes, os simpatizantes, a oposição, a imprensa que ferve e vende horrores nestes momentos, os fantasiosos que exageram pros lados do "golpismo", as criancinhas ensinadas pelas mães de que petista é tudo bandido etc. etc. etc. - enfim, toda uma arca de noé... cujos bichos, reunidos, fizeram este governo do jeitinho que ele é...

pedro em junho 27, 2005 2:23 PM


#10

Afinal de contas, qual é o Projeto do PT? Ninguém sabe, ninguém viu... a não ser que se conte as mentiras que são contadas sistematicamente nas campanhas. O Lula falou em 10 milhões de empregos, o Serra em três... Se tivesse falado onze, poderia ter levado...

O que quer o PT? Estatização? Aparelhamento do Estado? Era só chegar ao poder?

Pela segunda vez o Lula perde uma ótima oportunidade. Ao invés de aproveitar a crise e criar um ministério de PTistas ou de pessoas acima de qualquer crítica, técnicos, ele se alia ao PMDB, o partido mais governista do mundo.

A primeira vez foi na crise do Severino. Ao invés de realizar a reforma ministerial a seu modo, não, recuou e não fez e ainda quiz dizer que o Severino não manda em nada. Manda sim, pois se não mandasse o Lula teria feito a reforma de qualquer jeito.

Depois de mais de 2 anos de governo, ainda não sei. O que quer o PT?

P.S.: O Lula só não foi atingido ainda, pois estão realizando uma força muito grande para salva-lo. Mas quando for provado que ele sabia do mensalão e o aprovava (sim, pois se não fez nada o aprovava) ele terá sérios problemas...

O que falta nesse país é uma oposição de direita...

Pablo em junho 27, 2005 2:36 PM


#11

Idelber, eu ainda mantenho um restinho de otimismo pelo seguinte, os ideais que levaram à construção do PT ainda existem, no coração da militância ou no dos políticos do partido que não se rebaixam ao jogo sujo da corrupção. Acho que, depois que essa enxurrada passar, os sobreviventes terão a chance de limpar a casa e começar vida nova. O PT para mim não é o Delúbio ou o cabo eleitoral pago; estes são um câncer que deve ser extirpado. O PT para mim são os políticos que conseguem inspirar esperança e confiança no eleitor, aliando compaixão com entendimento da realidade do país. Espero que, após apuradas as denúncias e punidos os responsáveis, esse episódio do mensalão sirva de aprendizado e marco de uma nova fase na vida do PT.

Leila em junho 27, 2005 2:46 PM


#12

Estou realmente pasmo. Nunca imaginei que uma pessoa culta como você, Idelber, ao ser alertado sobre as injustiças que estava comentendo contra pessoas que não conhece, não parasse um segundo sequer para refletir sobre isso, preferindo brigar com os fatos a retificar o que disse.

Foi a imprensa que informou que os militantes que foram apoiar José Dirceu na Câmara eram militantes do sindicato dos bancários e do sindicato dos vigilantes (eu li no iG). Se isso foi espontâneo ou não, depende do que você está querendo dizer com essa palavra. É claro que não aconteceu de 200 pessoas, sem qualquer combinação prévia, "espontaneamente" aparecerem lá para apoiar o deputado. O que aconteceu foi uma coisa comum a qualquer movimento social: mobilização. Lideranças procuram sua base, que convencem amigos e conhecidos, e está feito o movimento. Isso torna essas pessoas mercenários? É claro que não. Eu aceitaria perfeitamente que você mostrasse sua discordância com a atitude daqueles sindicalistas. Mas não foi isso que você fez. Você disse que elas se venderam de algum modo para fazer aquilo. Você atacou a honra de pessoas que você nem conhece.

Quanto ao "capanga de bandido", a mesma coisa. Eu gosto de fatos, Idelber. Analisar objetivamente as coisas é a melhor maneira de evitar os preconceitos que todo mundo tem, inclusive o Sr. Y. Pois as únicas coisas objetivas que existem "contra" o tal cidadão é o fato dele ter quase 2 metros de altura (porte de capanga, talvez?) e estar gritando o nome do Delúbio. No entanto, até monstros demoníacos como o Delúbio têm familiares, e no caso vários são petistas. Até ele tem amigos no PT, e companheiros no partido, seja da tendência ou da militância sindical. E mesmo entre aqueles petistas como eu, que nem sabem direito quem é o Delúbio, muitos defenderiam espontaneamente qualquer companheiro alvo de linchamento moral. Mais uma vez, é uma atitude da qual você discorda e tem todo o direito de expressar. Mas, novamente, você extrapolou a simples crítica, passando a cometer injúria contra uma pessoa que você nem sabe quem é.

Quanto à liderença do José Dirceu no movimento estudantil, ao menos isso admitiu, mas, no melhor estilo "tá certo, mas vai preso assim mesmo": mudou de assunto, mostrando ser incorreto "colocar Dirceu hoje como representante dos movimentos sociais". O problema é que isso é uma falácia do espantalho, já que nenhum dos seus oponentes, diretos ou indiretos, usou desse argumento, então eles não cometeram incorreção alguma. Aliás, que importância tem isso, no contexto da moralidade? O senador Suplicy, por exemplo, uma pessoa que eu admiro a ponto de ter votado nele na prévia presidencial do PT, nunca fez parte de movimento social nenhum, e isso não retira um milímetro do compromisso moral que ele tem.

Por fim, queria negar peremptoriamente que eu tenha defendido qualquer tipo de "lama". Negar uma entrevista para um perfil pessoal é um ato corriqueiro da política. Não é lama. Pleitear a candidatura para um cargo executivo, mesmo que outros no partido discordem, é um ato corriqueiro da política. Não é lama. Processar alguém por ter sido chamado de corrupto é um ato corriqueiro da política. Não é lama. Aliás, fico até com receio de escrever esse segundo comentário. Do jeito que você se acha no direito de julgar as pessoas, não duvido que passe a dizer que eu sou um mercenário, que estou aqui por interesses inconfessáveis, e outras afirmações do mesmo estilo.

Atenciosamente,
André

André Pessoa em junho 27, 2005 3:46 PM


#13

Pedro: eu concordo com o eixo básico do que você vem argumentando, que é que estamos todos implicados, que Delúbio, de alguma forma, somos nós também, e que a posição do inocente imaculado é muito confortável. D'accord.

Nos posts, o tom meio incendiário e rápido não permite uma análise mais detalhada, e aí fica parecendo que os nomeados são bodes expiatórios. Claro que não são. Claro que foi um processo histórico, etc. etc. Esse processo inclui a expulsão de Erundina em 1993, a opção pela posição, precisamente, de inocente imaculado depois do impeachment do Collor (não participaremos do "governo burguês" de Itamar, foi o que se dizia), o esmagamento do PT fluminense em 1998 e muita coisa mais. Aí é que eu acho que há que se diferenciar entre quem impulsionou esses processos e quem lutou contra eles. Senão a gente começa a confundir Suplicy com Delúbio. Em todos esses episódios muita gente tentou reverter o quadro. Até 2003 eu ainda estava disposto a escrever coisas relativamente otimistas como esta.

Apesar de respeitar o otimismo seu, Leila, acho que esse processo é irreversível, e que ele deve ser combatido de fora. No fundo é a diferença entre acreditar que algo é um tumor removível ou um quadro de infecção generalizada. Olhando de pertinho, acho difícil optar pela primeira opção. Embora continue respeitando muita gente que ainda pensa assim.

Pablo, d'accord, mas acho que oposição de direita o país tem de sobra. O que falta é um governo de esquerda mesmo.

Idelber em junho 27, 2005 3:47 PM


#14

A Erundina não foi expulsa do PT. Ela saiu espontaneamente, reclamando, salvo engano, que não tinha o apoio devido dentro do partido.

André Pessoa em junho 27, 2005 4:04 PM


#15

ao final do governo lula, poderemos identificar tres grandes realizações, frutos da incompetência política que levou a essas alianças com a banda podre do congresso e à grave situação que vive hoje o pt:

1 - a eleição da mediocridade severina para a presidencia da câmara.
2 - a transformação de um notório corrupto em herói nacional - no caso, o roberto jefferson.
3 - a eleição de um espertalhão como garotinho para presidente da república.

todas essas denuncias dilaceraram a alma de petistas,simpatizantes e nao-petistas que votaram no projeto de governo do lula e do pt. se quem simbolizava toda a esperança de renovação dos costumes políticos foi abatido em pleno vôo, não há duvida de que está aberto, de agora em diante, um território imenso para o aventureirismo e/ou messianismo político.

credite-se a merda na qual este pais vai chafurdar cada vez mais nos proximos anos ao autoritarismo do zé dirceu e à arrogancia petista. gostaria que dessa crise emergisse um partido de esquerda inteligente, sensível e fiel a princípios não necessariamente marxistas-leninistas. afinal, se os fins (governabilidade) justificam os meios (mensalão), fazer política deixa de ser tarefa para cidadão e se torna coisa de bandido.

joão em junho 27, 2005 4:25 PM


#16

André: em respeito aos argumentos que você apresentou, eu retiro a palavra "mercenários" e estendo minhas desculpas aos sindicalistas presentes no Congresso, embora discorde radicalmente da posição deles de defender um deputado como José Dirceu.

A retirada da expressão foi feita como manda o figurino, ou seja, indicando a expressão originalmente usada e indicando a substituição.

Continuo mantendo o relato que ouvi de militantes do PT acerca do ato em "defesa" do PT em São Paulo. O seu próprio comentário acerca de que Delúbio "também tem familiares" já diz tudo.

Jamais fiz suposição nenhuma sobre os motivos que movem alguém a comentar aqui. Por favor, sinta-se sempre bem-vindo.

Erundina saiu do PT "espontaneamente" em 1993 mais ou menos como Trotsky saiu "espontaneamente" do PC em 1927. Depois de uma fritura como aquela, um processo oficial de expulsão era supérfluo. Você sabe disso.

Abraço,

Idelber em junho 27, 2005 4:28 PM


#17

Caros amigos: Ainda fatos do passado, a prefeita Luíza Erundina foi fritada em meio a um processo que teve o seu ponto alto em divergências com Luiz Eduardo Green

Paulo Zobaran em junho 27, 2005 4:50 PM


#18

Nessas horas, diante da angústia esquerdista - que infelizmente se transforma em angústia nacional - teria tudo pra estar dando risada... mas a gravidade da situação me impede. Fico no meu canto, com um olhar de quem pensa:

Ah! eu já sabia.

Zelix em junho 27, 2005 5:19 PM


#19

Caros amigos:
Ainda fatos do passado: 1) Sim, o deputado José Dirceu participou de um movimento social na década de 60, o movimento estudantil; 2) Sim, a prefeita Luíza Erundina foi fritada em um processo que teve o seu ponto alto em divergências com Luiz Eduardo Greenhalgh; 3) Sim, a administração petista de Erundina em meio a uma confusão dentro do partido (na verdade não muito bem percebida na época pela Sociedade) conseguiu entre outras coisas, 3.1) confundir a questão do transporte possibilitando que Maluf viesse posteriormente vender a CMTC, 3.2) colocar na berlinda uma das maiores glórias do Brasil, o professor Paulo Freire; 4) Sim, o PTB do deputado Roberto Jefferson votou EM MASSA no 1º turno em Greenhalgh, mas Jefferson afirmou na rádio CBN que o deputado petista não dava bom dia, nem boa tarde pra ninguém no Congresso; 5) Sim, em Brasília é relativamente fácil juntar 200 a 300 pessoas para pequenas manifestações nos centros do poder; 6) Sim, a parcela ideologizada do PT fluminense foi emparedada pela direção petista/paulista, em favor de uma aliança com Brizola e Garotinho. Emparedada em dois tempos, o segundo tempo quando Benedita assumiu; 7) Sim, Wladimir Palmeira também participou do movimento estudantil; 8) Sim, Garotinho chamou o PT fluminense de “partido da boquinha”; 9) Sim, Genoíno falou que o PT JAMAIS iria assinar a “CPI dos Correios”, depois o PT assinou mas não consta que ele tenha pedido desculpas a Suplicy !

Sim todo mundo ERRA, inclusive eu caro Idelber, que “postei” errado - DESCULPE-ME - a mensagem anterior. Mas o incrível é que o José Genoíno, o José Dirceu, o Luiz Eduardo Greenhalgh, o Gushiken, a Marta Suplicy e mais uns dois ou tres iluminados NÃO ERRAM NUNCA! Cuidado Delúbio!

O PRESIDENTE LULA TEM UMA VERDADEIRA PEDREIRA TODOS OS DIAS QUE É ASSUMIR OS ERROS DESTE GRUPO DE PESSOAS!!!!

P.S. – Por uma questão de justiça, devo dizer que o deputado Aldo Arantes por vezes chega a admitir pequenos deslizes dele!

Paulo Zobaran em junho 27, 2005 5:32 PM


#20

No segundo semestre começa a transposição do São Francisco. Obra de bilhões, que diz que irá matar a sede de 12 milhões de pessoas. Engraçado que os canais chegarão em terras de projetos de criação (camarão para exportação). Enquanto isto a 5 km do pujante Velho Chico tem gente morrendo de sede.
Os empreiteiros soltam foguetes, os ambientalistas choram e a população por onde passarão os canais votarão massivamente no executor.
Este é um dos grandes projetos que o governo deixa para iniciar na véspera da eleição.

Aluno em junho 27, 2005 5:50 PM


#21

Olá, Idelber.

Cheguei a este blog por indicação de um amigo e gostei bastante. Trabalho numa ONG e também nós na sociedade civil passamos por um momento difícil. A maioria de meus colegas reluta em criticar o PT e estamos num silêncio constrangedor diante das denúncias de corrupção no governo. Comento a situação em detalhes no meu blog.

Abraços,

Mauricio Santoro em junho 27, 2005 6:27 PM


#22

Só vou comentar para dizer que li e adorei o post, muito bem escrito como sempre. Mas prefiro não me meter na discução...é briga de gente grande!

Luninha em junho 27, 2005 9:04 PM


#23

o problema todo é o presidente ter que assumir a culpa pelo erro alheio?

e por que ele não demitiu as fontes dos problemas assim que eles surgiram? por que ele ficou emburrado e não fez reforma alguma quanto ela mostrou-se necessária? por que as crises sempre aumentam muito mais que o necessário? por que ele continua posando de detentor único da moral e dos bons costumes? por que ele não FAZ algo?

cláudio humberto, em seu site, postou uma anedota interessantíssima sobre o próprio presidente neste domingo. reproduzo-a abaixo:

"A lição do seu Francisco

"Ao afirmar que não existe alguém mais ético e honesto que ele, Lula esqueceu, por exemplo, de Francisco Basílio, humilde servidor da Infraero que devolveu US$ 10 mil perdidos por um turista no aeroporto de Brasília. Levado ao Planalto para um factóide, seu Francisco ouviu Lula dar vexame:
"- ...o normal era ele ficar com o dinheiro!
"Do alto de sua dignidade, seu Francisco observou, humilde e firme:
"- Não, senhor... Eu não quero nada que não seja meu."

taí, apenas um exemplo de um improviso idiota.

Diogo S Lima em junho 28, 2005 3:44 AM


#24

Obrigado, Iraldo! Aí estão os pingos nos i's.

Idelber em junho 28, 2005 4:20 AM


#25

Dr. Idelber Avellar,

É fácil criticar o governo brasileiro possuindo um tenure nos EUA. Se o senhor é tão patriota, por que não desce da sua torre de marfim e vem para o Brasil para ajudar a construi-lo?

Sr. Anônimo: se há uma coisa que não tem nada de "fácil" é um tenure nos EUA. Foi conquistado com 25 anos de trabalho. "Fácil" é vir ao blog dos outros, não participar da discussão no terreno dos argumentos e recorrer ao anonimato para fazer ataques covardes como esse. Eu já desci da minha torre de marfim: estou aqui não só dialogando com os 99% de leitores decentes mas também educando idiotas como você. Na próxima, deixe o nome e aprenda a escrever o meu. E deixe de fazer suposições: nunca jamais em tempo algum eu disse que sou patriota. Essa palavra não aparece no meu blog. É exclusividade de bobões como você. Última coisa: este blog localiza IPs, se você não sabe. Que negócio é esse de vem para o Brasil? E você, o que está fazendo aí em Atlanta, Estados Unidos? Se liga, mané.

Anonymous em junho 28, 2005 4:42 AM


#26

Idelber: Após colocados os pingos nos i's, espero que se prossiga colocando os pingos em outras letras.

Critiquei o José Dirceu, o Genoíno e outros, mas justiça seja feita, não dá prara comparar, você já reparou que tudo em que o Luiz Eduardo Greenhalgh se mete dá confusão?

Paulo Zobaran em junho 28, 2005 7:52 AM


#27

Prezado Anonymous como diria um velho deitado: "a inveja é uma merda".
E se somos tão patriotas: por que este nome em inglês?


Obrigado, Aluno. Deixei minha cacetadinha ali também.

Aluno em junho 28, 2005 11:06 AM


#28

O negócio é por os pingos nos Jotas! Do Dirceu, do Roberto J (que apesar de defecar no ventilador, merece ser investigado), do Inácio Lula da Silva,... se bem que este deve estar preferindo uma pinga. Neste tempos até se poderia entender um traguinho mais forte, pámode de desestressar.

Aluno em junho 28, 2005 11:11 AM


#29

Já me perguntaram: qual o J do presidente?
Ele anda teimoso em admitir certas coisa, feito certos muares que começam com J e terminam com egue.

Aluno em junho 28, 2005 11:54 AM


#30

Um último comentário ao comentário do André, a quem reitero meu respeito e meu agradecimento, por ter vindo debater, com críticas duras e assinando nome e sobrenome. Em um dos casos repensei o uso de um termo graças à tamancada dele e me alegro de tê-lo feito.

Agora, André, que fique corrigido: Zé Dirceu não processou ninguém por acusá-lo de corrupto. Ameaçou, já sendo Ministro-Chefe da Casa Civil, processar o grande Francisco de Oliveira porque este o chamou de espertalhão, adjetivo que eu endosso totalmente como caracterização de José Dirceu.

No mais, tenho muito respeito por tudo o que você disse aqui. Obrigado.

Idelber em junho 28, 2005 10:49 PM


#31

Meus caros

Eu sei que é difícil. Quantos de nós já não fez parte de turmas nos bancos escolares, em turmas de rua ou coisa assim, bem como eventualmente estivemos envolvidos em organizações (de todos os tipos) e em alguns destes casos pensamos estar participando de um grupo de pessoas "incrível"!
As lembranças destas reuniões de pessoas amigas em geral são inversamente proporcionais ao tempo que durou o alegre convívio, ou a institucionalização do grupo de amigos (por exemplo: associação de ex-alunos). Ou seja a institucionalização de ações que se iniciaram com a camaradagem e a identificação de propósitos (não sei por qual razão da natureza humana) prejudica o ambiente anteriormente conquistado.
Digo tudo isso em razão da lembrança da "cristianização" de pessoas como FRANCISCO DE OLIVEIRA e PAULO FREIRE, por parte da organização pela qual eles tanto lutaram! Assisti pessoalmente ao professor Milton Santos, quando cobrado por uma participação político partidária, ter respondido que dentro de um partido ele seria tolhido.
Mais uma vez vejo que o Milton Santos tinha razão.

Paulo Zobaran em junho 29, 2005 9:31 AM


#32

Excelente, Idelber. Muito bom. Mas talvez os seis ou sete integrantes da Leão da Fabulosa não tenham gostado da brincadeira...

:)

Gravatai Merengue em junho 29, 2005 1:40 PM


#33

Idelber,

apesar da gravidade da crise, gostei de ler o que você escreveu. Como você conhece mais de perto as entranhas do PT, pôde confirmar o que eu, como eleitora "leiga" mas constante do PT desde o primeiro voto pensei sobre a situação do governo Lula.

Fiquei sinceramente de luto quando, no começo do governo, vi que José Dirceu virou o grande Poderoso Chefão do governo Lula, e a Mercadante coube "ajudar o governo no Senado". Após o carnaval de felicidade pela vitória nas urnas, isso já me pareceu mesmo uma certa traição ao que eu como eleitora do PT esperava que acontecesse.

Tenho verdadeiro horror às atitudes desse Sr. desde que tomei conhecimento de sua história pessoal (o já conhecido tchau-e-bênção dado à esposa e filho que teve na cladestinidade) e também assisti sua infeliz atuação em abortar a candidatura de Vladimir Palmeira no Rio de Janeiro, para forçar o apoio do PT à ANTHONY GAROTINHO. Você deve conhecer essa história melhor do que eu.

Considero José Dirceu um dos responsáveis pela situação vergonhosa por que passa o Rio de Janeiro após a subida ao poder dos governadores diminutivos. É claro que o maior (e pior) responsável foi o povo carioca que elegeu essas pessoas. Mas quando Vladimir foi impedido de ser candidato, gente como eu ficou triste e órfã. Eu simplesmente anulei o meu voto. Era impossível votar na indicação que o PT queria me forçar goela abaixo.

Eu estou surpresa comigo mesma ao constatar que estou com saudades de Fernando Henrique e votaria fácil nele em uma futura eleição para presidente.

Beijo!
da Thania (Sra. Pirão Sem Dono)

Thania Thaddeu em junho 29, 2005 2:02 PM


#34

Obrigado, Gravataí e um abraço forte para a Soninha aí também, por favor. Sou cada vez mais fã dela.

Obrigado Thania e sim, apesar de estar nos EUA na época lembro-me bem de como fritaram Palmeira em 1998; naquele momento eu considerei desfiliar-me definitivamente, o que aconteceu em 2004. Mas aquela intervenção e esmagamento do PT fluminense em 1998 acabou sendo uma triste antecipação de todo o sórdido que viria depois. Abração e bem-vinda.

Idelber em junho 29, 2005 9:32 PM


#35

Não gosto do olhar isento e culpa...
É fato, o pt da teologia (o partido de massas) e do centralismo burocrático (turma do Zé), fez o ante-movimento histórico, o que faria o pt do Zé Maria (internacional e permanente)?
Pergunto aos CAMARADAS do BeaM, qual pt construir diante do novo modelo e organização do capital financeiro internacional?
Que mobilidade ou inércia CAMARADAS?
Auto-critica CAMARADAS e muita melancia verde, para sairmos do especifico p/ o geral, pois a historia é movimento, não é GAROTINHO( aprendiz de populista) ou FHC(Banco Mundial ) ou psol para todos.

paulo o batista descrente em julho 1, 2005 7:54 PM


#36

O que está acontecendo com o PT,e realmete lamentavel,para todos aqueles que trabalharam para que este partido fosse o representante dos verdadeiros progressistas do nosso pais.
So não esperavamos as sacanagens dos delúbios e dos dirceus para passarmos esta vergonha.

Agnel 03/07/05

Agnel Ramalho em julho 3, 2005 8:35 AM


#37

Achei de extremo mau gosto a afirmação do Sr.Iraldo em relação a família Tatto. É muito grave as acusações do mesmo. Diria até que o mesmo nutri um ódio sem precedentes a família que muito ajudou nossa região. Respeitar a opinião dos outros é fundamental para a democracia. Agora, afirmar que a família "manda matar", é de um extremismo inaceitável. Os Tatto não chegaram aonde estão matando as pessoas. Chegara a custa de muito trabalho. Inveja mata!

Yolanda em setembro 15, 2005 2:40 AM


#38

Achei de extremo mau gosto a afirmação do Sr.Iraldo em relação a família Tatto. É muito grave as acusações do mesmo. Diria até que o mesmo nutri um ódio sem precedentes a família que muito ajudou nossa região. Respeitar a opinião dos outros é fundamental para a democracia. Agora, afirmar que a família "manda matar", é de um extremismo inaceitável. Os Tatto não chegaram aonde estão matando as pessoas. Chegaram a custa de muito trabalho. Inveja mata!

Yolanda em setembro 15, 2005 2:41 AM