Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email:
idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro







selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« Poemas de Ana Maria Gonçalves - Homenagem ao Udigrudi :: Pag. Principal :: Sampa »

quinta-feira, 16 de junho 2005

Da lama no ventilador e da lama escondida - Crônica de uma queda anunciada

A verossimilhança não é a verdade. A verossimilhança é essa propriedade que as coisas têm - ou não - de parecerem verdadeiras, de serem críveis. O verdadeiro nem sempre é verossímil, como sabem as vítimas de um tsunami ou de uma arbitragem de José Roberto Wright. Por outro lado, a historinha mais verossímil pode ser a mentira mais deslavada. No episódio do depoimento do Dep. Roberto Jefferson à Comissão de Ética da Câmara há uma divisão clara entre quem está preocupado com a verdade e quem está preocupado com a verossimilhança. Nós nos contamos entre os primeiros. Os últimos ficam, a cada dia, mais nervosos.

A esmagadora maioria da população - este blog incluído - interessa-se pela verdade das acusações de que a alta cúpula do PT estaria envolvida num esquema criminoso de mensalões. Quem até hoje acha que defender a cúpula do PT significa defender o governo, ou pior ainda, o país, parece preocupar-se só com a verossimilhança da acusação, ou seja, com a possibilidade de que seja provada. Ante a ausência de "provas" no discurso de Roberto Jefferson, querem nos convencer que estão respirando aliviados, enquanto aguardam nervosos a próxima acareação.

À uma sociedade que quer saber a verdade sobre algo, a merda no ventilador é sempre preferível à merda escondida. Por isso, discordo radicalmente de Marcelo Coelho que, na Folha, lamentou e disse que se tratava de um dos dias mais "deprimentes" da história republicana. Eu acho que foi um dos dias em que o Congresso Nacional foi mais verdadeiro.

Alguém que tenha assistido o depoimento detalhadíssimo de Roberto Jefferson está disposto a apostar que ele mente e que dizem a verdade os enlouquecidamente nervosos Valdemar Costa Neto e Sandro Mabel? Só quem ainda acha que abafar essa história é do interesse do governo, ou pior ainda, do país.

Desde o começo da crise, a resposta da cúpula do PT tem sido patética. Poucas horas depois das denúncias de Jefferson na Folha, lançaram uma nota inócua, negando algo que nem se havia podido averiguar. A nota teve o lamentável destino de ser implicitamente desmentida pelo próprio presidente Lula, pelo Ministro Ciro Gomes, pelo Deputado Miro Teixeira, pelo Ministro Aldo Rebelo e pelo Ministro Mares Guia, todos eles confirmando que ouviram, sim, menções de Jefferson sobre o mensalão.

Todas as denúncias passam pelo tesoureiro do PT, Sr. Delúbio Soares. Quem lê este blog sabe que há meses - há anos, em outros foros - eu pergunto quem é esse Sr. Delúbio Soares, como chegou a tesoureiro do PT, como acumulou tanto poder e desde quando está lá. Na sua nervosíssima defesa, cheia de contradições (primeiro nega haver recebido presidentes de partidos, depois reconhece), Delúbio colocou seus sigilos fiscal e bancário à disposição da justiça, mas e o telefônico? Ou alguém acha que se paga mensalão com cheque? Se todos os meios de comunicação confirmam que o presidente Lula era favorável ao afastamento do Sr. Delúbio da tesouraria do PT - e se Lula é o grande emblema, o grande símbolo desse partido - como é que a Executiva Nacional pôde ter a cara-de-pau de alardear como uma vitória a manutenção desse senhor no seu cargo?

Tal como no caso Waldomiro Diniz - indivíduo comprovadamente corrupto que operava em nome do governo - o nervosismo é que a coisa respingue no Ministro Chefe da Casa Civil, José Dirceu. Trata-se aqui do grande responsável pelo 'novo PT', o da política entendida como combinação entre truculência, cooptação e conchavo, sob a ética da vitória a qualquer custo. Esse método não é o método histórico do PT. Foi imposto pelos arautos do "realismo". Quando protestávamos, a resposta era sempre: "vocês são ingênuos"; "política é assim"; "estamos aqui para ganhar". Taí o resultado.

Meia palavra para bom entendedor: Formei minha opinião sobre o Ministro Dirceu no interior do PT em meados dos anos 80 e essa opinião nunca mudou. Só se reforça a cada dia. Sobre Dirceu, Fernando Gabeira disse, na Veja: Acho que o temor dele é que as pessoas ocupem o seu espaço, que ameacem aquele trono que ele construiu tão duramente, através de tantas reuniões e tanto café frio. Imagine uma pessoa que coleciona sessenta grupos de trabalho!

O discurso de Roberto Jefferson é o da raposa que foi traída, está enfraquecida, já tem pouco a perder, sabe coisas que comprometem muita gente e quer aproveitar as circunstâncias para limpar sua biografia. Um sujeito assim raríssimas vezes mentirá, porque já não lhe interessa a mentira. Foi colocado, pela própria burrice da estratégia do governo, na posição do que pode dizer toda a verdade. É só olhar a história e encontrar outras raposas que, traídas, jogaram a lama no ventilador. Zinoviev e Kamenev, na Revolução Russa, são dois exemplos. Nenhum deles era santo. Mas quando denunciaram Stalin não mentiam não.

Tentar abafar essa história do mensalão desqualificando Jefferson - matando o mensageiro - é a estratégia mais desastrada que se pode escolher. Há hipócritas do PSDB e do PFL utilizando-se do episódio para arvorar-se em paladinos da ética e da justiça? Sem dúvida. Mas os dirigentes do PT vão jogar fora tão descaradamente o bebê da justiça e da ética junto com a água suja da sua defesa oposicionista hipócrita? Quem mais - além de José Genoíno e a tropa de choque - está disposto a defender essa burríssima estratégia?

Se o presidente Lula está realmente esperando para defenestrar Dirceu quando a saída já não pareça uma resposta a Jefferson (como mantém os colunistas que acompanham o caso), talvez essa queda anunciada já esteja chegando com dois anos de atraso.

Para os que ainda insistem que o mensalão 'não pode ser provado', experimentemos uma acareação entre Jefferson / Delúbio, uma quebra do sigilo telefônico de Delúbio e, como sugeriu Fernando Rodrigues na Folha, a quebra do sigilo bancário de todos os saques acima de R$200.000 realizados nos meses de maio, junho e julho de 2004 no Banco do Brasil e no Banco Rural. Aí a gente vê se se pode provar ou não.

PS: É no dia 16 de junho que transcorre a história do livro dos livros, o maior romance do século XX, o enlouquecimento feito livro. Joycianos no mundo inteiro comemoram hoje o Bloomsday. Em Sampa a festa é sempre no Finnegan's Pub, infelizmente já sem o joyciano maior, Haroldo de Campos. Em Belo Horizonte a festa está a cargo do Oficcina Multimedia. Na blogosfera, o Odisséia Literária pilota as comemorações. Drink one for Ireland, drink one for Joy(ce) tonight.



  Escrito por Idelber às 01:58 | link para este post | Comentários (18)


Comentários

#1

Estou tentando postar sobre o Bloomsday há mais de 3 horas. O browser já fechou mais de 4 vezes, os links não abrem, mas agora foi. :)

Acho mesmo que vou comer um pouco de fumaça e dar uma passada por lá. Quem saber eu posso postar sobre isso. Ou vou assistir aula e aproveitar o dinheiro que depositei lá. Oh dúvida cruel.

Bibi em junho 16, 2005 5:17 AM


#2

Idelber,
alinho-me contigo nessa. É preciso acabar com a blindagem sobre pessoas bêbadas de suspeitas.
No ponto da requisição dos saques, a defesa de RJ é capenga. Deixei um post sobre isso lá no blog.

Roman em junho 16, 2005 9:39 AM


#3

Por mais psicodramático (no mau sentido) que tenha sido o Cafajefferson, realmente é muita lama no ventilador prá ser desconsiderada. Que tem, tem! Como você lembrou, há outros episódios históricos em que traídos se tornam 'grandes' traidores e podem mudar o curso da história. Boa a distinção entre verossimilhança e verdade. Esta é que interessa!

Cláudio Costa em junho 16, 2005 10:30 AM


#4

E com uma nova e melhor tradução. O problema é o preço: R$ 79,90!

Sinto-me meio idiota em alguns meios nos quais circulo. Sou dos poucos que acreditam naquilo que o Jeff está falando, isto é, que o mensalão existiu. Não tornei-me seu admirador, é claro, mas vi seu depoimento por horas e, pensando em suas circunstâncias, acho que ele não mente na essência, talvez apenas em alguns detalhes que excluem a si e pessoas de suas relações e de seu PTB.

Também acho que foi um dia de franqueza x hipocrisia. Quem não sabe como chegam os recursos de muitas campanhas? Quem não sabe que estes recursos não vão inteiramente para as campanhas ou que retornam aos deputados e assessores na forma de benesses quaisquer? Foi um dia em que até o país pode tomar contato com fatos que não eram explícitos. Raramente ouvimos alguém falar com desprezo em R$ 3.000,00 de óbolo... Enfim!

Enquanto isso, Lula nos dá impostos menores... Interessante.

Grande abraço.

Milton Ribeiro em junho 16, 2005 10:35 AM


#5

Quando li o comentário do Gabeira sobre o Dirceu, a primeira imagem que me veio à cabeça foi a do Chanceler Palpatine.

Sobre o Genoíno, vi uma declaração dele (ao celular, em frente às câmeras) em que ele dizia algo como "isso é uma guerra. nas guerras, vence o mais forte!". Pô, como assim?!

E a reeleição do Lula, hein, será que sai? E mais: será que o PT terá cacife pra negar legenda em 2006 aos que têm votado contra o governo?

[]'s

Diogo S Lima em junho 16, 2005 10:38 AM


#6

Bacana o que você falou Idelber, sobre verdade e verossimilhança. Eu tenho a impressão que muitos não pensam nisso, e mesmo os que levam em conta a verossimilhança, por vezes se enrolam - com toda a razão - entre uma coisa e outra. Afinal o objetivo é esse mesmo, parecer verdade!

Eu tenho a impressão que quando uma reunião, como aquela vista na TV, corre para a questão jurídica, o apelo a verossimilhança aumenta. São os advogados querendo usar seus argumentos.
Mas aquela reunião era política!

Se o objetivo for salvar o deputado RJ, o presidente do PL, o PT, o Genoíno, o Delúbio e aí por diante, a verossimilhança entrará em campo com a camisa 10 e irá jogar (no ataque). Mas se a questão é um melhor caminho para o Brasil, creio que melhor seria a VERDADE!

E então concordo inteiramente com você quando critica a visão de que NADA HOUVE de DEPRIMENTE, em ver uma comissão da Câmara dos Deputados fazer o que tem que ser feito: TRABALHAR QUANDO CONVOCADA.
É isso, os outros pontos que você comentou também foram interessantes. A opinião de Gabeira é para ser guardada!!!

Paulo Zobaran em junho 16, 2005 12:25 PM


#7

O aspecto que mais me chama a atenção é que o mensalão foi criado em prol da "governabilidade". Pior do que o roubo puro e simples é contaminar as instituições com a compra metódica e sistemática de fisiológicos, abrindo brechas para o colapso do estado de direito.

pecus em junho 16, 2005 12:59 PM


#8

Idelber, o que você falou sobre "verdade" me fez ficar pensando na prima-irmã da "verdade", a "mentira"... não parece uma das coisas mais impactantes de agora o modo como a "mentira" está sendo posta à mesa? eu fico olhando ao redor, e a minha impressão vai mais ou menos por aqui, ó: o Lula parece estar mentindo (no pouquíssimo que fala); o PT e o governo estão mentindo, evidentemente; os dois josés, Dirceu e Genoino, parecem mentirosos compulsivos a cada tentativa de defesa (o que lhes resta fazer?); Bob Jeff é a própria personificação da mentira (por mais verdades que conte); o PTB mente (uai, ontem eles não declararam apoio, simultaneamente, ao Jefferson e ao governo Lula? como pode????), o PP mente, o PL mente; o PSDB e o PFL parecem praticar uma modalidade esquisita de mentira, a do silêncio mortiço; FHC mente com essa estranha parcimônia de agora (ou então ele foi premonitório, quando, vidente, anteviu há algumas semanas uma "crise institucional" no brasil?); a imprensa está apinhada de omissões e meias verdades (ninguém vai me explicar qual é a relação entre Aécio Neves, Lula e o tal cargo misterioso em Furnas???); petistas "anônimos" mentem nos blogs políticos para achincalhar tucanos; tucanos "anônimos" mentem nos blogs políticos para avacalhar petistas... e assim por diante, ad infinitum...

e aí me pergunto se não é aí que tá a novidade. tanta "mentira" contada ao mesmo tempo por tanta gente significa que de repente todo mundo deu pra "mentir", orquestradamente? ou significa que todo mundo sempre "mentiu" o tempo todo e que agora a "mentira" não tá colando mais? nesse caso, será que este não é, ironicamente, um momento da "verdade"?

não sei se é, mas quero acreditar que sim... e aí estou com você, este não é o momento mais deprimente da história, não. poderia ser, ao contrário (e dependendo de nós), o início do fim da depressão histórica que nos acomete há 505 anos de tanta "mentira"... (ok, isso é mais uma torcida que uma evidência, mas é que acho que estamos precisando de alguma torcida pra não desmoronar...)

pedro em junho 16, 2005 1:13 PM


#9

Idelber

A Ilíada também é detalhadissima. E nem por isso é verdadeira.

Como eu já disse, se essa história for verdadeira, certamente vão encontrar provas ou indicios. Coisas como gastos incompatíveis com a função do Valdemar, recibos, gravações.

Andre kenji em junho 16, 2005 1:40 PM


#10

Idelber
concordo com vc, mas também com o Marcelo Coelho, precisamente porque se trata de verdades deprimentes. Mas que bom que temos acesso a elas, em outros tempos isso era impossível.
Abração

Luciana Christante em junho 16, 2005 8:11 PM


#11

Caro Idelber, o Zé Dirceu saiu bufando!!!

Paulo Zobaran em junho 16, 2005 8:24 PM


#12

Ah, André, concordamos que detalhismo não é prova de verdade (embora no caso Bob Jeff seja um entre muitos indícios), mas que a Ilíada é verdadeiríssima, ela é. Tanto ou mais que Heródoto.

Pedro: é isso, meu velho. Quando penso naquele depoimento, penso no encontro do Congresso e do Brasil com uma verdade sua (como diz Luciana) e portanto com um momento daquilo que você diz, que "nós somos Lula, nós somos Jefferson". Como você, não acredito nas posições de pureza imaculada, seja no governo, seja na oposição. Espero que você possa vir tomar uma birita com a gente lá na Vila Madalena.

Abraços a todo mundo e happy bloomsday.

Idelber em junho 16, 2005 9:41 PM


#13

fiquei com a impressão que o m. coelho é um pouco petista.

lucia carvalho em junho 17, 2005 10:26 AM


#14

fiím... tava mais fácil falar contigo quando estavas em tulane, vai dizer? já tá em sampa? tem msn aí?

Biajoni em junho 17, 2005 12:33 PM


#15

Ahh, você quis dizer José Roberto Wrong!
abraço!
C.

Cauê em junho 17, 2005 1:12 PM


#16

Ele caiu.

Fernando Henrique em junho 17, 2005 5:40 PM


#17

Será que alguem vai levanta-lo?

Aluno em junho 18, 2005 1:03 AM


#18

Este tsunami todo não me tira da cabeça um episódio que aconteceu bem antes da eleição de Lula, quando o PT confirmou as 'alianças para a vitória'. Uma colega minha do mestrado, petista, me ligou chorando e dizendo que aquilo era o fim do PT.
Eu consolei, pois, mesmo desgostosa, achava que a aliança seria revertida, que era algo como atirar um osso para o cachorro enquanto se passa por ele. Me esqueci que certos cachorros podem largar o osso e, sem mais aquela, morder a bunda da gente...
Está sendo muito difícil avaliar esta crise, pois é preciso considerar que estamos lidando com vários PTs. Nós aqui do sul estamos mal acostumados em termos de PT.
Pelo lado otimista (ou nem tanto) penso que o Lula está diante do que pode ser a sua última oportunidade de tentar dar ao governo o rumo que se esperava (historicamente).
abraço,
Su

Su em junho 18, 2005 1:36 PM