Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email:
idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro







selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« Cordel do Fogo Encantado em BH :: Pag. Principal :: Máxima do Dia »

quarta-feira, 27 de julho 2005

Feliz Aniversário, Telê Santana

tele.jpg

Com um dia de atraso, o blog saúda o 74o aniversário de Telê Santana, comemorado neste dia 26 de julho. Seria exagero dizer que foi o maior técnico da história do nosso futebol? Com certeza, foi o maior entre os que eu vi.

Como jogador, no Fluminense, do alto dos seus 57 kg, inventou uma posição: a do ponta que fecha para o meio, recua, ajuda na marcação e arma o contra-ataque.

Mas as maiores glórias foram como técnico. Três anos depois de encerrada a carreira, em 1965, recebe o comando do Fluminense e leva a equipe ao título do Roberto Gomes Pedrosa de 1969, o Brasileirão da época. Em 1970 assume o Atlético-MG e quebra a hegemonia de 5 anos do ex-Ipiranga, que tentava o hexacampeonato.

Ainda sob a euforia do tricampeonato da seleção no México, a antiga CBD decide organizar o primeiro certame realmente nacional do nosso futebol, o Campeonato Brasileiro. Naquele pioneiro Campeonato de 1971, havia vários favoritos: o Santos de Pelé; o São Paulo de Gérson e Pedro Rocha; o Botafogo de Jairzinho e Carlos Alberto; o Palmeiras de Ademir da Guia; o ex-Ipiranga de Tostão e Dirceu Lopes.

Mas quem papou o título foi o Galo de Dadá.

Obra pessoalíssima de Telê Santana, que forjou uma equipe campeã com 11 jogadores limitados, que sabiam suas funções e seguiam fielmente o seu técnico. Só Telê Santana foi capaz de quebrar a hegemonia do rolo compressor do Internacional, conquistando com o Grêmio - de novo, no comando de um limitado elenco - o histórico Campeonato Gaúcho de 1977.

Na Seleção Brasileira, armou a maior máquina de jogar futebol que vimos desde a era Pelé, o escrete de 1982 - que parecia jogar por música, sempre ofensivamente, surpreendendo o espectador e o adversário com jogadas geniais. Perdeu a Copa de 1982 numa fatalidade e começou aí o absurdo mito do "Telê pé frio".

A corja da CBF, a camarilha da Rua da Alfândega, jamais lhe perdoou alguns pecados: um deles, o de ser mineiro. O outro, o de ser avesso à politicagem e ao conchavo. O terceiro, o de jamais aceitar interferências no seu trabalho. E finalmente o de jamais deixar de denunciar a violência e os árbitros e cartolas coniventes com ela.

Uma vez, perguntaram ao grande Zico se havia algum treinador que jamais havia mandado bater num adversário. Zico respondeu: somente Telê.

Por tudo isso, torci muito pela seleção de 1986, que poderia ter sido a redenção de Telê no comando do Brasil. Mas de novo, numa fatalidade povoada de penais perdidos, o Brasil foi eliminado da Copa e o futebol ofensivo de Telê foi substituído por retrancas e brucutus. Ganhou força o mito do "pé frio".

Assumiu o Galo de novo e, às vesperas da decisão do Campeonato Mineiro de 1988, teve que ouvir durante toda a semana que o ex-Ipiranga já festejava o bicampeonato, pois tinha a melhor equipe e enfrentava um "pé frio". Os garotos do Galo, quase todos oriundos dos juvenis, fizeram um pacto pela vitória por Telê, por amor a Telê. A massa tomou 2/3 do Mineirão, como é de costume nos clássicos mineiros, e gritou o nome do seu técnico ao longo do jogo. Os meninos se encheram de brios e venceram por 1 x 0. Galo campeão mineiro de 1988. Uma multidão esperou Telê para carregá-lo nos ombros.

Mas ainda faltava a grande volta por cima.

Em outubro de 1990, o São Paulo era uma equipe em crise, já há quatro anos sem títulos importantes. Telê assume o Tricolor e em menos de um ano monta o maior esquadrão da história do clube. Naquele time, Telê burilou peça por peça. Um certo lateral direito apenas esforçado recebeu horas e horas diárias da atenção do mestre (especialmente nos cruzamentos) e em pouco tempo se transformou no Cafu depois capitão do pentacampeonato.

Com Telê, o São Paulo foi campeão dos dois campeonatos mais importantes do país em 1991, o Paulista e o Brasileiro. Em 1992 levou o São Paulo ao título da Libertadores. Ganhou o campeonato mundial interclubes. Trouxe ao seu time outro mineiro apedrejado depois da tragédia da Copa de 1982, o já veterano Toninho Cerezzo. Sob a batuta de Cerezzo, Raí e Telê, o São Paulo repetiu a dose em 1993: campeão da América e campeão mundial. Durante 5 anos no São Paulo, Telê fartou-se de ganhar títulos, de calar a boca dos críticos e de encantar o mundo com o futebol bonito e ofensivo que a seleção brasileira jamais voltou a jogar desde que ele deixou de ser seu treinador.

Vive agora com a saúde bem debilitada, mas cercado, aqui em Minas Gerais, de um amor absolutamente unânime.

Hoje à noite jogam Atlético-MG e São Paulo no Mineirão. Seria uma linda oportunidade para que as torcidas dos dois clubes prestassem uma homenagem àquele que foi o maior técnico de suas histórias.

Evoé, Telê.

Atualização: e quem faz aniversário hoje, um dia depois de Telê (info via Meg) é o mestre e cumpadi Alexandre Inagaki. Parabéns, e muitos anos de vida e saúde.



  Escrito por Idelber às 04:28 | link para este post | Comentários (20)


Comentários

#1

Bonito, bonito. É em vida que se devem prestar as homenagens às pessoas realmente importantes. abs

Afonso em julho 27, 2005 8:31 AM


#2

Ele pode não ter recebido a merecida consagração internacional (exceção feita ao Campeonato Mundial), mas foi, também em minha opinião, o maior de nossos técnicos.

Os melhores treinadores imprimem sua assinatura no time resultante. Os times de Telê eram solidários, rápidos, jogavam bonito e não batiam. Só Luxemburgo (apesar de detestá-lo pessoalmente) e Felipão treinam times que são suas caras no Brasil. Outro super-treinador que vi foi Ênio Andrade, mas todos estes são inferiores a Mestre Telê, não são - foram, no caso de Ênio - poetas, não dizem para não bater e nem são tão ofensivos assim.

No exterior, os times de Fabio Capello sempre me impressionaram para eficiência e feiúra de seu futebol. Este tem uma assinatira em campo. O homem foi campeão com o Real Madrid, o Milan, a Roma e a Juventus!

Fora do país e comparável a Telê, só nosso ídolo Rinus Michels, Idelber. Acho um detalhe verdadeiramente arrepiante este de que jogam hoje SP e Atl-MG. Deveria haver uma homenagem, sim.

Grande abraço.

Milton Ribeiro em julho 27, 2005 11:12 AM


#3

Ah, o Grêmio. Éramos octa-campeões gaúchos e pouca gente sabia como dizer o nono campeonado. Nona? Enea? Pois veio Telê e cortou nossa onda. Com um time de jogadores em fim de carreira (Oberdan, Ladinho, Dirceu, André Catimba, Tadeu Ricci, etc.) e com um jovem (Éder) venceu o Inter em 1977.

Mas eu o perdôo.

Milton Ribeiro em julho 27, 2005 11:16 AM


#4

Idelber,

faltou comentar o modesto e maraviloso Palmeiras de 1979 que o Telê comandou. Esse time enfiou 4 no Flamengo de Zico eliminado o rubro negro em pleno Maracanã nas finas do brasileiro daquele ano. Que palmeirense não lembra desse dia? Baroninho, Pires, Mococa, Esquerdinha, Jorginho....e outros....

E por falar em Palmeiras....esqueci das saudações alviverdes de domingo passado!

Inté!

Umberto em julho 27, 2005 12:41 PM


#5

Hoje em dia sou tricolor, tanto do Sao Paulo quanto do Fluminense devido ao que Tele fez como tecnico e tambem como jogador.

Abraco

Gean em julho 27, 2005 1:12 PM


#6

Telê foi responsável pelo jogo que me fez, pela única e - espero - última vez que eu troquei de time nessa vida: São Paulo x Milan, em Tóquio. Acordei corinthiano e fui dormir tricolor naquele dia.

MarcosVP em julho 27, 2005 1:18 PM


#7

O Milton, sempre brilhante, conseguiu se antecipar a absolutamente tudo que eu ia comentar: ia falar do Grêmio de 77, de Enio Andrade e de Rinus Michels, e que se essa homenagem não sair, será uma grande bola fora (ops) das diretorias. Impressionante!

Aliás, belíssimo e relevante post.

Em tempo, ó gran-fanático: Tite cai?

tiagón em julho 27, 2005 2:33 PM


#8

Perfeita homenagem. Eu iria citar tb aquele Palmeiras de 1979 que foi longe nas mãos do mestre... Mesmo antes do meu glorioso São Paulo, um homem com este currículo de vitórias (desde os tempos de jogador) não poderia ser pé-frio nunca. Agora, sobre os 4 anos do São Paulo pré-90, sou obrigado a discordar. Fomos campeões Paulistas de 1987 e 1989 (Paulista que naquele tempo ainda significava muito) e fizemos as finais de Brasileiro de 1989 e 1990. Tivemos sim, em 1990, uma crise que resultou na segunda divisão paulista. Alguém pode dizer se Telê veio depois disso ou era o técnico e foi mantido pela diretoria?

Donizetti em julho 27, 2005 3:13 PM


#9

Belos comentários, obrigado.

É verdade, Marcos. O campeonato paulista daquela época não pode ser descartado como "título sem importância". Telê chegou ao São Paulo em outubro de 1990, depois, portanto, daquela crise; que foi tão braba que houve um jogo entre SP e Ponte Preta no Morumbi assistido por 100 pessoas, onde a torcida da Ponte era maior que a do São Paulo!

Umberto, valeu a lembrança do Palmeiras de 79. Taí outro time burilado por Telê com um elenco limitado, não é? O baile no Flamengo dentro do Maracanã foi inesquecível, lembro daquele jogo como se tivesse acontecido ontem.

É, Marcos, muita gente virou Tricolor no começo dos 90... Obrigado ao Gean pelo testemunho e ao Afonso pelo alô também :)

Tiagón e Milton, obrigado pelos detalhes sobre o Gauchão de 77. Do time do Grêmio de 77, só um jogador (Éder) pode ser considerado craque. E nem era um craque maduro ainda :)

Tiagón, não sei se Tite cai. Ele é respeitado por aqui, e há a consciência de que não se pode esperar milagres. Mas eu não entendo um técnico que deixa Amaral no banco para jogar com Walker; deixa Rodrigo Fabri no banco para jogar com Ataliba. Enfim... saudades de Telê :)

Idelber em julho 27, 2005 3:43 PM


#10

Bela homenagem Idelber.
O Telê me deu grandes alegrias. Um grande técnico de grandes conquistas, em grandes clubes brasileiros.

Paulo Zobaran em julho 27, 2005 4:09 PM


#11

Se - como dizem - toda unanimidade é burra, Telê é a exceção à regra.

Ricardo M em julho 27, 2005 5:23 PM


#12

Eu só posso comentar sobre a seleção de 82, a melhor que o Brasil já teve. O Telê realmente era um técnico excelente, que o torcedor respeitava.

Leila em julho 27, 2005 6:05 PM


#13

OFF TOPIC: oi Idelber, queria apenas avisar Biscoito foi listado, junto com o Smart Shade of Blue, Os Conspiradores e outros, numa relação de blogs políticos publicada em matéria do caderno Link do Estadão.

Marcus Pessoa em julho 27, 2005 8:25 PM


#14

Excelente postagem. Fico tentado a dizer que este é o melhor texto publicado por você. Li-o em voz alta, agora, para uma outra pessoa. Sofri feito um desgraçado de 65, ano da inauguração do Mineirão, a 69, época de predomínio total da bicharada. A redenção veio em 70 e 71, com o grande Telê Santana. Bela homenagem a quem muito a merece. Abraço.

Tristão em julho 27, 2005 9:19 PM


#15

Sem dúvida o melhor de todos...

O mestre sabia das coisas. A propósito, Idelber, acho que a "tragédia do Sarriá" foi "o último suspiro do futebol arte".

O Brasil, com aquele meio de campo (ah! que meio de campo!) ter perdido aquela copa foi muito ruim para o futebol.

A partir dali, isso a meu ver, os times do mundo, e do Brasil particularmente, "europeirizaram" de vez. Renderam-se ao futebol forte, de marcação e "de resultado" jogado na europa desde sempre (exceção: Hungria-1954, Holanda-1974, Holanda-1988, além de Portugal-66).

Aquele time de 82 dava gosto de se ver jogar. O estilo de Telê é o que chamo de "fazedor" (e não criador) de jogadores. Só um técnico genial como o Telê consegue extrair do jogador o melhor que ele pode render. Sabe encontrar a posição correta e o momento certo para ele entrar em campo. (quem não lembra do Juninho no SP?? E do Palhinha??)

Só quem tem espírito de campeão como Telê sempre teve é capaz de arquitetar verdadeiros esquadrões no ataque. Até hoje acho incrível como a Seleção de 82 e o SP Jogavam. Nunca tive dúvidas de que Telê era o melhor.

Infelizmente ele não fez escola. Afinal, é muito fácil jogar fechadinho, dando pancada, tentando evitar tomar gol e partindo para o contra-ataque do que brilhar, encantar, dar show como faziam o Brasil durante a era Pelé e em 82.

Por isso acho que a Tragédia do Sarriá foi tão cruel com o futebol. Quem sabe se o Brasil tivesse ganho aquela copa esse estilo ridículo de se jogar teria se imposto?? O q vc acha??

O futebol-arte só teve novos suspiros com o SP do início dos anos 90. Só com ele. Justíssima homenagem Idelber. Parabéns ao Telê.

Edk.
-----------------
P.S.: Minha única bronca com ele é a mesma do meu pai. Ter insistido tanto no Serginho...

Edk em julho 27, 2005 11:32 PM


#16

Li o comentário anterior. Saindo das amenidades de uma comemoração, creio que o "futebol-arte" reaparece no mundo de tempos em tempos, sempre em virtude de jogadores brasileiros.
Creio que a final da Copa de 2002, bem como este último Brasil x Argentina foram, por exemplo, jogos dentro do futebol-arte.
Talvez precisemos de uma nova conversa em torno da tragédia do Sarriá. Eu tenho a impressão que houve ali um último suspiro de um modo de fazer jornalismo, que glorifica mas não explica. Os jogadores que estavam em campo poderiam assumir uma maior parcela no fracasso daquele jogo. Acho que Zico poderá, em algum dia no futuro, contribuir para entendermos melhor!

O que me parece mais fantástico em Telê é que ele não fazia questão de trabalhar com craques. Mas o jogador tinha que ter amor a bola. E formou grandes times. A frase parece corriqueira mas não é. Telê a partir dos jogadores que possuía formava um time campeão. O fato dele ter transformado Dario e Flávio em artilheiros notáveis, em ter lhes impregnado de confiança, prolongou suas carreiras de jogadores que matavam a bola na canela, mas que tornaram-se um perigo dentro da área.

Sua caracterísitca de não transigir [p.e. sua primeira passagem pelo SPFC] teve poucas exceções. As exceções mais notáveis atenderam pelo nome de Waldir Peres e Serginho!

Paulo Zobaran em julho 28, 2005 3:15 AM


#17

Obrigado ao Marcus pelo link ao Estadão (fomos citados como blog que traz notícias do Planalto???) e obrigado a todos pela mãozinha na homenagem a Telê.

Tristão, fico muito honrado mesmo com a sua leitura.

Bela frase, Paulo, Talvez precisemos de uma nova conversa em torno da tragédia do Sarriá. Com certeza.

Abraços à Leila, ao Edk e ao Homem-Baile também :)

Idelber em julho 28, 2005 2:54 PM


#18

Perdão Idelber. Sei que comentários de comentários são nada bons.
Porém, a final de 2002 futebol-arte? Sei não.
Uma fraquíssima (fraca não, fraquíssima) Alemanha com uma campanha medíocre e jogadores mais medíocres ainda? Ok. Alemanha é a Alemanha, mas, com aquele time...

A atuação da seleção contra a Argentina é outra história. Realmente houve resquícios do grande futebol de outrora. E isso é muito bom. A determinação técnica e tática do Brasil naquele jogo foram exemplares. Claro, não vamos esquecer que as Argentina jogava sem alguns titulares. Mas isso é outra história.

Até.

Edk em julho 28, 2005 2:55 PM


#19

Um minuto de diferença no post Idelber. caramba!!!!

Edk em julho 29, 2005 11:17 PM


#20

tele santana sempre sera o melhor tecnico brasileiro, como foi pele o melhor jogador do mundo, ambos serao sempre lembrados por nos brasileiros.
Eu lembro do Tele em diversas ocasioes, a mais q fica na minha memoria eh a famosa polo vermelha q ele sempre usava em jogos.
TELE SANTANA, os brasileiros; torcedores do fluminense e PRINCIPALMENTE OS SAO PAULINOS, NUNCA IRAM ESQUECER DO SENHOR.

adna dutra em setembro 26, 2005 11:49 AM