Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email:
idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro







selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« Machado de Assis e a Invenção do Pop :: Pag. Principal :: Ultimato ao Galo no Blog »

sábado, 02 de julho 2005

Sobre uma mui urgente conversa entre acadêmicos e jornalistas

Mantenhamos na pauta do Biscoito o projeto de uma importante aliança e conversa que se deve construir: falo da conversa e da aliança entre profissionais da universidade e profissionais da imprensa, "acadêmicos" e "jornalistas", essas duas turmas que com freqüência trocam farpas, mas que hoje, no Brasil, têm muitos interesses em comum e estão começando a se enxergar melhor. Os blogs, a blogosfera, são em parte responsáveis pelo fato de que esse diálogo ocorra hoje em termos mais ricos que os de outrora.

Acadêmicos e jornalistas têm em comum o fato de que são tomados como bodes expiatórios sempre que alguma coisa vai mal com o poder.

Acadêmicos e jornalistas têm em comum o fato de que, com freqüência, são desautorizados, desqualificados in toto, como se todo acadêmico fosse um bolorento preso numa torre de marfim, como se todo jornalista fosse um simplificador e banalizador que não sabe do que está falando.

Acadêmicos e jornalistas muitas vezes se acusaram, mutuamente, de serem exatamente isso que descrevo no parágrafo anterior. Com bastante freqüência protagonizaram brigas recheadas de mal-entendidos.

Mas cada vez mais acadêmicos descobrem a riqueza do trabalho dos jornalistas, e cada vez mais jornalistas descobrem a abertura ao diálogo de muitos, muitos dos profissionais da universidade.

É lógico que não é fácil: os acadêmicos que decidimos transgredir os muros da universidade e defender nossos pontos de vista "aqui fora" enfrentamos obstáculos dentro da academia, sim, a começar por um permanente desprezo pela "popularização" do trabalho intelectual.

E os jornalistas que decidem, também aqui "fora", defender seus pontos de vista e sua prática, enfrentam constantes obstáculos dentro dos meios de comunicação no qual trabalham, e também freqüentes incompreensões "aqui fora".

De minha parte, como mero acadêmico, venho protestar contra a verdadeira busca de bode expiatório que tem acompanhado as trapalhadas do governo federal, sempre disposto a pôr a culpa da crise na imprensa, como se a responsabilidade pelo incêndio no circo fosse do profisssional que o está fotografando.

Em todo caso, neste sábado - que sempre é um dia mais paradão no blog - deixo um post dizendo o óbvio:

Nem todo acadêmico é um neurótico especialista em uma minúscula e irrelevante área, incapaz de dialogar com o resto dos mortais. E nem todo jornalista é um banalizador, como tantas vezes nós, acadêmicos, injustamente pensamos.

O diálogo entre essas duas turmas é de muita importância para o Brasil de hoje.

Por agora, que fique o protesto: tropa de choque do governo, chega de culpar a imprensa pelo desastre sobre o qual vocês estão presidindo. Um pouquinho de humildade para reconhecer os próprios erros faz bem.



  Escrito por Idelber às 03:42 | link para este post | Comentários (16)


Comentários

#1

Idelber, você criou dois times. Acadêmicos Futebol Clube e Clube Atlético Jornalistas. Vai acirrar a rivalidade, se é que não vai criá-la. Como sou novo por aqui ainda não vi nenhum match.

pecus em julho 2, 2005 10:56 AM


#2

Idelber, sou sua leitora recém-chegada, mas já deu pra ver que você tem olhos de águia. Tudo muito bem feito, todo dia uma novidade. Você acaso dorme ?

Tutt em julho 2, 2005 12:10 PM


#3

Desde que isso não implique em passar a mão na cabeça de acadêmicos neuróticos especialistas em uma minúscula e irrelevante área, incapazes de dialogar com o resto dos mortais e de jornalistas banalizadores, concordo! abs

Afonso em julho 2, 2005 1:13 PM


#4

Idelber, valeu o link pro Sergio Leo, esse fera que precisa ser descoberto pelos leitores de blogs brasileiros!

Concordo que a blogosfera é um ambiente ideal para o diálogo entre acadêmicos e jornalistas. Só faltam mais adesões de novos blogueiros das duas categorias. Bjs,

Leila em julho 2, 2005 3:08 PM


#5

Intelectuais e Jornalistas - 19/7/84
Claudio Abramo

"No Brasil, intelectuais nao discutem com jornalistas. Embora isso seja um fenomeno local, restrito, muitos dos meus colegas jornalistas se aborrecem com uma atitude que consideram elitista, daqueles que, erradamente, eles consideram seus colegas. Intelectuais sao intelectuais e jornalistas sao jornalistas. Como no Brasil muitos intelectuais nao se engajaram nos combates travados pela maioria da populacao, ou quando se engajaram, assumiram frequentemente uma atitude assim mesmo distante, e como no Brasil os jornalistas tiveram que tratar do dia-a-dia com tudo o que isso signfica (...), o fosso entre eles foi aumentado, e agora já é tarde. Acho que os intelectuais tem muita razao no seu comportamento, mas acho que nao é bom exagerar.
(...) intelectual jamais se dirige a jornalista diretamente, sempre procura uma maneira elíptica de responder ao que o jornalista escreveu; geralmente, voce escreve uma coisa, um intelectual desses le, concorda ou discorda, ou mais frequentemente, descobre, porque ainda nao havia pensado no assunto, mas só responde se pode escrever um artigo no qual encaixa, disfarcadamente e nao notoriamente, a resposta, que ele faz parecer dirigir a outro intelectual; mas é assim mesmo.
(...) Tenho um amigo que escreveu muito sobre politica e costumes, e que frequentemente me telefona para xingar alguem intelectual: 'Veja', me disse ele outro dia, 'eu escrevi isto aqui na semana passada e há 3 dias o intelectual Fulano escreveu contra o que eu disse, mas nao se refere ao meu artigo, nem ao que eu disse. Encontrou um desvio, o sacana, e está dialogando com outro intelectual, como se eu nao tivesse levantado a questao antes'."

Gabriel em julho 2, 2005 9:20 PM


#6

Bueno, penso que estás com a razão. Acadêmicos e jornalistas devem, mais do que nunca, unir forças para enfrentar a temerosa situação pela qual passamos. Acredito que essa responsabilidade não é só destes, mas de cada um de nós, com suas idéias e disposições em questionar e debater em busca de um novo norte para guiar nossas andanças.

Só para lhe avisar: o Escrever Por Escrever acabou. Podes deletar o linque ali na esquerda.

Rafael Reinehr em julho 2, 2005 10:00 PM


#7

Uma coisita mais: me foi passada uma espécie de "corrente musical", e estou passando a pelota para ti. Se conseguires dominar, chuta!

Rafael Reinehr em julho 3, 2005 12:58 AM


#8

hehehe, Pecus: acho que os dois times já andavam por aí separados há um tempo, como mostra a citação do Cláudio Abramo deixada pelo Gabriel. Citação bem típica, por sinal, de como muitos jornalistas no Brasil viram/ vêem os acadêmicos (por outro lado, de acadêmicos você ouviria que os jornalistas sempre distorcem o que outro falou, procuram sempre o atalho mais fácil, não se informam o suficiente, etc.).

Tutt: durmo sim, sempre oito horas por dia, mas nunca no mesmo horário do dia anterior :)

Leila: de nada, acho que cada vez mais gente vai conhecer o excelente o trabalho do Sergio Léo.

Afonso: kkkkk! você é o chato mais divertido que existe.

Rafael: que morra o velho e nasça o novo! Parabéns pela nova casa (já atualizarei os links); está muito bonita. Tentarei arrematar a corrente. E não me esqueci daquela entrevista, amigo, ela misteriosamente sumiu da minha máquina depois de já quase pronta. Vou refazê-la e lha reenvio, ok?

Abraços a todos,

Idelber em julho 3, 2005 5:27 AM


#9

Caro,

como um dublê de jornalista e acadêmico (ciência política) sou uma espécie de contrabandista entre essas duas fronteiras. Às vezes levo bordoada da polícia dos dois lados, às vezes consigo ser um mensageiro que aproxima um pouco esses dois mundos, que para mim são ambos fascinantes.

Espero que a gente possa seguir adiante colocando jornalistas e acadêmicos para conversar.

Abraços,


Mauricio Santoro em julho 3, 2005 1:16 PM


#10

Maurício, com interlocutores como você dos dois lados a conversa fica muito, muito mais fácil :) Grande abraço,

Idelber em julho 3, 2005 2:38 PM


#11

Isso de o governo não assumir a responsabilidade pelas crises que cria tá enchendo o saco mesmo. É sempre a 'elite', a 'direita', aliadas à imprensa, que querem desestabilizar um projeto 'progressista'. Ora, vá encher o saco de outro! Projeto progressista esse governo não tinha nem antes de ser eleito...

Ismael Grilo em julho 3, 2005 4:27 PM


#12

Idelber, você é o melhor exemplo de que "Nem todo acadêmico é um neurótico especialista em uma minúscula e irrelevante área, incapaz de dialogar com o resto dos mortais." E jogando no time dos jornalistas temos o Noblat, a Cora e o grupo do No Mínimo, só pra citar alguns. Semprew haverá bons e maus profissionais em todas as áreas por isso é tão importante esse seu passo em direção ao entendimento mútuo.

Viva em julho 3, 2005 4:31 PM


#13

Gramsci já disse que todos somos intelectuais e, agora, a internet confirma que todos somos jornalistas. Acredito que as coisas se ajeitarem é uma questão de paciência :)

Su em julho 3, 2005 11:45 PM


#14

Idelber, quero dar meu depoimento sobre este tópico que só estou lendo agora, antes mesmo de ler o do Lenine. Como jornalista, me identifico plenamente com a questão que você está levantando, e dou meu testemunho particular: como jornalista atraído pela (mas não bem-informado sobre a) academia, sempre me senti rejeitado/desprezado pelo "lado de lá". meus dois livros foram (não sei se realmente ou se premeditadamente) 100% ignorados pela academia - dei nas mãos do Zé Miguel Wisnik o primeiro dos dois ("Tropicalismo - Decadência Bonita do Samba"), mas ele nunca emitiu uma palavra, um sinal sequer que seja. Quanto ao segundo, "Como Dois e Dois São Cinco", diz respeito a Roberto Carlos, e aí o abismo ficou mais brabo ainda.

Claro que dá vontade de resmungar, mas, por outro lado, eu não sei me aproximar da academia se não for com um bloquinho e uma caneta na mão - e, portanto, acho que em parte não devo ficar choramingando por algo que nunca batalhei para ter. fico numa espera meio Godot, sei lá pra quê.

Mas, eis aí razões pr'eu não reclamar: olha você propondo a ponte, lançando a ponte, propondo a aliança. Aceito, orgulhosíssimo, heheeheh!

Quanto aos bodes expiatórios, ok, abaixo todos eles (o que tem sido Roberto Jefferson até agora senão alguém que rejeita com muito talento a fantasia de bode expiatório? isso é algo bacana à beça para aprendermos com ele, quem dera dirceus e genoínos tivessem a ginga de Bob Jeff para recusar o estigma do bode).

Mas, no mais, não compartilho com você a impressão de que se esteja tentando fazer da imprensa o bode (talvez alguns do governo, alguns das "esquerdas" "radicais" - mas esses mais atrapalham do que ajudam na atribuição de responsabilidades à imprensa, né?). Se for isso também vou querer pular fora, tô fora.

Mas tem um outro dado: do alto desse chuveirinho de escândalos que estamos vivendo, tenho aprendido pela primeira vez a tentar entender o naco de responsabilidade da minha profissão e de seus profissionais. tenho aprendido a ter vergonha, por certas razões, de ser jornalista. Tenho me sentido torpe apenas por ser um deles, por ser da mesma classe de certas figuras e certas instituições que agem com a mesma inocência útil de um Bob Jeff (que eu odeio), de uma Heloísa Helena (que eu adoro). a imprensa não pode e não deve aceitar a máscara do bode, mas isso não significa que ela deva ser absolvida como a santa heloiseleninha do pau oco. O moralismo de certos grandes jornais e revistas é idêntica ao moralismo da querida Heloísa Helena - esses veículos, assim como HH e assim como o PT até pouquinho tempo atrás, se supõem perfeitos, infalíveis, imaculados em sua moral supostamente sólida, concreta e intocável. Sorry, mas tenho que dizer: tudo mentira. Como bem diz Bob Jeff, não há anjinhos nem donzelas virgens nessa história toda. E a recusa da imprensa a se assumir não como bode expiatório, mas como co-participante e co-responsável pelas crises e pela ignorância geral da nação em resolver crises, é muito, muito, muito daninha e maléfica para a democracia brasileira como um todo.

(A gente precisava aprender um outro olhar - um outro mundo é possível -, aprender que onde existe um bode expiatório, sempre existe também o anti-bode - a donzela imaculada, que veste esse travesti pelo medo pavoroso que tem de virar bode. a donzela-anti-bode já foi interpretada quase hegemonicamente pelo PT, por exemplo, e hoje está distribuída em vários "atores"-donzelas: Lula, Heloísa Helena, Folha de S.Paulo & seu amante da hora, Bob Jeff...)

pronto, já desandei a falar demais... uma última observação necessária: o que comumente chamamos de "imprensa" também é uma entidade complexa, que unifica "atores" que, a rigor, não deveriam ser confundidos - como, por exemplo, jornalistas braçais e donos de empresas jornalísticas (as posições de uns e de outros são, quase sempre, muito diversas...).

seja como for... viva as alianças, todas elas! que o príncipe e o sapo se reassumam como uma única entidade bipartida!

pedro em julho 5, 2005 12:44 AM


#15

Idelber, quero dar meu depoimento sobre este tópico que só estou lendo agora, antes mesmo de ler o do Lenine. Como jornalista, me identifico plenamente com a questão que você está levantando, e dou meu testemunho particular: como jornalista atraído pela (mas não bem-informado sobre a) academia, sempre me senti rejeitado/desprezado pelo "lado de lá". meus dois livros foram (não sei se realmente ou se premeditadamente) 100% ignorados pela academia - dei nas mãos do Zé Miguel Wisnik o primeiro dos dois ("Tropicalismo - Decadência Bonita do Samba"), mas ele nunca emitiu uma palavra, um sinal sequer que seja. Quanto ao segundo, "Como Dois e Dois São Cinco", diz respeito a Roberto Carlos, e aí o abismo ficou mais brabo ainda.

Claro que dá vontade de resmungar, mas, por outro lado, eu não sei me aproximar da academia se não for com um bloquinho e uma caneta na mão - e, portanto, acho que em parte não devo ficar choramingando por algo que nunca batalhei para ter. fico numa espera meio Godot, sei lá pra quê.

Mas, eis aí razões pr'eu não reclamar: olha você propondo a ponte, lançando a ponte, propondo a aliança. Aceito, orgulhosíssimo, heheeheh!

Quanto aos bodes expiatórios, ok, abaixo todos eles (o que tem sido Roberto Jefferson até agora senão alguém que rejeita com muito talento a fantasia de bode expiatório? isso é algo bacana à beça para aprendermos com ele, quem dera dirceus e genoínos tivessem a ginga de Bob Jeff para recusar o estigma do bode).

Mas, no mais, não compartilho com você a impressão de que se esteja tentando fazer da imprensa o bode (talvez alguns do governo, alguns das "esquerdas" "radicais" - mas esses mais atrapalham do que ajudam na atribuição de responsabilidades à imprensa, né?). Se for isso também vou querer pular fora, tô fora.

Mas tem um outro dado: do alto desse chuveirinho de escândalos que estamos vivendo, tenho aprendido pela primeira vez a tentar entender o naco de responsabilidade da minha profissão e de seus profissionais. tenho aprendido a ter vergonha, por certas razões, de ser jornalista. Tenho me sentido torpe apenas por ser um deles, por ser da mesma classe de certas figuras e certas instituições que agem com a mesma inocência útil de um Bob Jeff (que eu odeio), de uma Heloísa Helena (que eu adoro). a imprensa não pode e não deve aceitar a máscara do bode, mas isso não significa que ela deva ser absolvida como a santa heloiseleninha do pau oco. O moralismo de certos grandes jornais e revistas é idêntica ao moralismo da querida Heloísa Helena - esses veículos, assim como HH e assim como o PT até pouquinho tempo atrás, se supõem perfeitos, infalíveis, imaculados em sua moral supostamente sólida, concreta e intocável. Sorry, mas tenho que dizer: tudo mentira. Como bem diz Bob Jeff, não há anjinhos nem donzelas virgens nessa história toda. E a recusa da imprensa a se assumir não como bode expiatório, mas como co-participante e co-responsável pelas crises e pela ignorância geral da nação em resolver crises, é muito, muito, muito daninha e maléfica para a democracia brasileira como um todo.

(A gente precisava aprender um outro olhar - um outro mundo é possível -, aprender que onde existe um bode expiatório, sempre existe também o anti-bode - a donzela imaculada, que veste esse travesti pelo medo pavoroso que tem de virar bode. a donzela-anti-bode já foi interpretada quase hegemonicamente pelo PT, por exemplo, e hoje está distribuída em vários "atores"-donzelas: Lula, Heloísa Helena, Folha de S.Paulo & seu amante da hora, Bob Jeff...)

pronto, já desandei a falar demais... uma última observação necessária: o que comumente chamamos de "imprensa" também é uma entidade complexa, que unifica "atores" que, a rigor, não deveriam ser confundidos - como, por exemplo, jornalistas braçais e donos de empresas jornalísticas (as posições de uns e de outros são, quase sempre, muito diversas...).

seja como for... viva as alianças, a dos acadêmicos & jornalistas, e todas as outras! que o príncipe e o sapo se reassumam como uma única entidade bipartida!...

pedro em julho 5, 2005 12:45 AM


#16

Su, muito certo isso de que a internet nos torna a todos um pouquinho jornalistas, né? Vai bem de encontro ao que o Biajoni anda dizendo :)

Abraços, e saudações ao Ismael e à Viva também,

Idelber em julho 5, 2005 4:03 AM