Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email:
idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Dilma na Rede
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Escreva, Lola, escreva
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Liberal libertário libertino
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro







selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« Crônica: Mineiro no Rio :: Pag. Principal :: Desde Buenos Aires - Revelación de mi identidad »

quarta-feira, 24 de agosto 2005

Esses estranhos seres vegetarianos, ou porque eu amo a Argentina

Essa foi minha primeira conversa aqui em Buenos Aires. Eu juro que não estou inventando. Alguma licença poética sim, mas tudo o que se segue é verdadeiro.

01 da manhã de terça-feira. O avião da TAM aterriza no meu conhecidíssimo aeroporto de Ezeiza, depois de um vôo muito turbulento, em que pela primeira vez na vida tive medo de que um avião caísse (desde terça há um dilúvio em Buenos Aires). Macaco velho, passo direto pelos táxis das grandes companhias e vou direto à entrada do aeroporto, onde algumas furrecas velhas de particulares se oferecem para levá-lo ao centro por 40 pesos (um táxi de empresa cobra até 70). Entro no carro. O taxista engata primeira, segunda, terceira, e eu puxo assunto. Segue-se o diálogo.

Eu: como vai o país, amigo? Faz quatro anos que não venho.
Taxista: A mesma merda. Isso aqui não muda nunca.
Eu: Como não muda? Eu vim em 2001 e o país estava desmoronando!
Taxista: Desmoronar é nosso estado natural.

(gargalhada do blogueiro; primeiro reencontro com o humor argentino; lembrança, num flash, de todas as razões que me fazem amar a Argentina)

Eu: A última vez que vim foi um pouco complicado, porque trouxe uma amiga gringa que era vegetariana.
Taxista: Vegetarianos são os que torcem para o Gimnasia Esgrima de Jujuy ou aqueles caras dessa nova seita que aparece na televisão?

(outra gargalhada do blogueiro; a palavra "vegetariano" soa tão insólita na Argentina que por um momento hesito: será que ele fala sério? será que ele realmente não sabe? opto por continuar com a brincadeira)

Eu: Vegetarianos são membros de uma nova e estranha seita que não come carne.
Taxista: Como? Os caras só ficam comendo frango?
Eu: Não. Nem frango eles comem. Nem peixe. Existem alguns mais radicais, chamados "vegans", que não comem nada derivado de animal. Ou seja, não comem queijo, nem ovos, nem tomam leite.
Taxista: Uai, então comem o quê? (sempre que eu disser uai neste post, entenda-se que o original foi tchê)
Eu: Comem pão, legumes, verduras.
Taxista: E depois?
Eu: Depois de quê?
Taxista: Depois da entrada, uai?
Eu: Digamos que para eles a entrada é a comida toda.
Taxista: Bem que eu falei com o padreco lá de Jujuy, a igreja fica com essas viadagens e agora estão só perdendo fiéis para seitas estranhas. Aqui na Argentina a sua amiga comeu o quê?
Eu: Comia pizza de brócolis.

(gargalhada do taxista)

Taxista: O sr. é um argentino muito gozador.
Eu: Eu não sou argentino.
Taxista: Como não é argentino?
Eu: Eu sou brasileiro.
Taxista: Sei, o sr. é um brasileiro de Corrientes e Callao (duas ruas do centro de Bs. As.)
Eu: Não, meu amigo, eu sou brasileiro mesmo. Eu falo assim porque leciono literatura argentina, venho muito aqui, aprendi direitinho.
Taxista: Bem que me avisaram em Jujuy. Esses portenhos são todos loucos. Adoram fingir que são outra coisa.

(gargalhada do blogueiro, que hesita: o taxista está de gozação? Tiro meu passaporte brasileiro? Deixo prá lá)

Taxista: Existem vegetarianos no Brasil?
Eu: São uma seita ainda sem muita aceitação. Mas existem.
Taxista: E no Brasil existe pizza de brócolis?
Eu: Eu nunca vi. Mas existe pizza de tomate, de azeitona. Há outras coisas que os vegetarianos podem comer.
Taxista: E o que vocês comem para bater aquelas faltas de curva por cima da barreira?

(gargalhada do blogueiro)

Eu: A gente come pão de queijo.
Taxista: E o que é pão de queijo?
Eu: É uma espécie de medialuna com mais fermento, outro tipo de farinha e mais tempo no forno.
Taxista: O Brasil é um país muito estranho.
Eu: Bota estranho nisso, meu amigo.
Taxista: E eu só digo isso porque sei que o sr. é um portenho que está tirando onda com a minha cara.

(chego ao Hotel Hispano, na legendária Avenida de Mayo, gargalhando).

PS: Nesta noite de quarta-feira, estarei em La Bombonera assistindo o tira-teima da Recopa Sul-americana entre Boca Juniors e Once Caldas, da Colômbia. Se eu não aparecer aqui no blog até sexta-feira, por favor mandem notícias ao Itamaraty, porque eu vou com a camisa do Galo.



  Escrito por Idelber às 01:27 | link para este post | Comentários (51)


Comentários

#1

Adorei o diálogo com o taxista! Puxa, deve ter sido tortura mesmo levar uma vegetariana para a terra do churrasco.

Bjs,

Leila em agosto 24, 2005 2:31 AM


#2

Caramba Idelber,

Vc consegue colocar no ponto certo os diálogos. Ri muito aqui como diálogo entre vc e o taxista!!

Ganhaste um fã!!

Abraço!! e bom jogo!!

Jose Viana Filho em agosto 24, 2005 2:32 AM


#3

Eu entendo seu amor pela Argentina. Eu não conheço a Argentina mas amo a Inglaterra do mesmo jeito. Acho que quando conhecemos um país, no primeiro momento vemos o diferente, mas depois de um tempo, começamos a ver o igual, afinal somos todos humanos. Finalmente, conseguimos olhar para o diferente, não como uma excentricidade, mas como uma particularidade que torna qualquer que seja o povo ou o país, especiais.

Daniela Menezes em agosto 24, 2005 8:42 AM


#4

Pizza de brócolis, blerghhh. abs

Afonso em agosto 24, 2005 9:31 AM


#5

Agora todas as vezes que me perguntarem porque eu sou vegetariana eu vou responder que é porque eu torço pro Gimnasia Esgrima de Jujuy;)

Juliana em agosto 24, 2005 10:39 AM


#6

Pizza de brócolis se acha de monte em Florinanópolis. Felizmente se acha todos os outros sabores também.

Ah, e só com você falando espanhol pro assunto não acabar em futebol. Toda vez que entrei num taxi na Argentina, falando um portunhol sem-vergonha, o taxista começava na hora a falar de futebol.

Ricardo Antunes da Costa em agosto 24, 2005 10:40 AM


#7

Além do diálogo fantástico, não perde a (quase) coincidência: sabias que o estádio do Gimnasia se chama 23 de Agosto? ;)

tiagón em agosto 24, 2005 10:42 AM


#8

Tô adorando esse diário de bordo...
Beijos

Fefê em agosto 24, 2005 10:45 AM


#9

Eu faço parte desta estranha seita e te digo que existe pizza de Brocólis, escarola e outras folhas mais. E você deveria experimentar que é bom. Deliciosa viagem hein? Bju.

Simy em agosto 24, 2005 11:15 AM


#10

rs... hilária a história... adorei o blog... []´s

danj em agosto 24, 2005 11:45 AM


#11

Cara, você está aos poucos conseguindo quebrar meu preconceito com a Argentina, que eu não conheço. A única portenha que era minha amiga, a conhecida produtora musical Florência Saravia, fazia questão de dizer que era brasileira. "A Argentina é um país triste, de pessoas tristes". Demorou para eu relaxar. Outro portenho que conheço, namorado de uma amiga, diz que o portenho é o carioca da Argentina. Naquele dia, tive de concordar.

A Thania, que já trabalhou para argentinos no Arremate, não tem a mesma condescendência. Hoje, na Linha Vermelha, conversávamos sobre quão longe as pessoas podem morar...

- Tem gente que mora em Rondônia.
- E no Acre!
- E até na Bolívia.
- Só não moram na Argentina. Argentino não é gente.

(Podem até não ser. Mas suas amigas na Cobal eram muito bonitas.)

Saída rápida para fugir do rolo de macarrão.

MarcosVP em agosto 24, 2005 12:34 PM


#12

lindo. eu fui vegan por dois anos, depois larguei pq dava muito trabalho. pra mim e pra quem andava comigo. :)

queria mesmo falar com vc e te falar das coisas aqui, mas ainda estou sem tel. quando vc estiver de volta em BH eu dou um jeito de te ligar...

por enquanto, tudo otimo, soh estou lutando pra ver se recebo meu cheque nessa sexta!

abracos

alex castro na bib de tulane em agosto 24, 2005 1:11 PM


#13

Que saudade da minha querida Argentina! Ah Buenos Aires com suas pizzas de brócoli, suas calles belíssimas, suas histórias poéticas, seus Borges, seus portenhos bacanas.... sim, sinto saudade de lá. Aproveito Borges para dizer "A mi se me hace cuento que empenzó Buenos Aires: la juzgo tan eterna como el agua y el aire."
Valeu, bjs
Mônica

Mônica em agosto 24, 2005 2:46 PM


#14

Gostaria de protestar a substituição da expressão Chê! pelo miniero uai!
Respeito o uai! mineiro mas substituir um autêntico Chê!, dito por um taxista nativo é algo que roça a falta de respeito.
Favor fazer um edit do post, senão este aluno começara uma rebolução aqui do fundão.

E gostaria de saber qual a expressão argentina para viadagens? Seria mariconadas? Mariconeos?
O aluno aguarda a resposta do mestre... e a troca dos uais! pelos chês! (Tchês). O uso de Uais! deve ficar restrito aos usuários mineiros.

Piada de argentino:
Ernesto Guevara esta urinando e um argentino olha o "mijador" do mesmo:
- Chê! Que vara!
E desde então ele adotou o Chê! em seu nome.
Argentino gosta de urinar curingando o peru alheio.

o aluno em agosto 24, 2005 2:52 PM


#15

Idelber, genial o diálogo.
Concordo com a Daniela, deixar o preconceito de lado é fundamental. Sou o resultado de uma mistura e tanto: libaneses por um lado; palestinos por outro; meu avô vindo da palestina foi primeiro para o Peru, onde meu pai nasceu, parte da familia está na Bolivia, parte no Chile, eu nasci em São Paulo... Sem os preconceitos dá para conviver, dá para achar graça nas diferenças. Não conheço a Argentina, mas gostaria. Outro país bastante desconhecido entre nós brasileiros é a Bolívia. Este eu conheço um pouco, estive lá e valeu a pena. Bom jogo !

PatriciaSK em agosto 24, 2005 3:18 PM


#16

MarcosVP. É mesmo. Como as pessoas podem estar distantes. Hoje mesmo estive comentando com um amigo do trabalho sobre isso. Tem gente que mora até no Rio (é sério!!). "capital ... do melhor e do pior do Brasil".

Engraçado né! Eu moro no Acre. Entre Rondônia e a Bolívia. Vc sabia que tem gente que mora na Sibéria e no Alasca? Pra nós e para eles, vocês é que estão longe. Longe de nosso umbigo também fica o cérebro. RSRSRSR. Brincadeira.

Poxa Idelber, que diálogo. Claro que foi editado, mas, mesmo assim, só na Argentina mesmo. Posta umas fotos do mítico "bombonera".

É na diferença que nasce o único, o útil e o prazeroso. Veja como somos diferentes das womans. Viva a diferença, seja ela entre pares, mares ou países.

Abraço. Buenos Aires pra ti!!!!

Edk em agosto 24, 2005 3:50 PM


#17

hahahahahhahahahahahaha que delicia idelber! to amando estes seus ultimos textos-cronicas!!!!!
hahahahahahahahhahahahahahahah

márcia em agosto 24, 2005 6:23 PM


#18

Edk,

não se sinta ofendido com o comentário do MarcosVP, viu? Era uma brincadeira, eu juro.

De qualquer forma, achei curioso o nome do seu blog... heheheh

Idelber,

*maravilhoso* o diálogo! Fiquei pensando no sacrilégio de ser vegetariano na terra da parrilla... ai ai ai

Besos,
de la nutria

Thania (A Lontra) em agosto 24, 2005 7:05 PM


#19

Impagável o diálogo. Se fosse inventado não ficaria melhor.
Vou enviar seu link para o Mauro Castro, o taxista que dirige o Taxitramas. Ele tem muitas estórias de taxista pra contar, só que do outro lado do balcão, ooops, do assento.

Viva em agosto 24, 2005 8:04 PM


#20

Ih, tranquilo, tchê! Meu sobrinho esteve en La Bombonera para ver Boca x Inter com a camisa do Inter e está até hoje enchendo o meu saco por aí; ou melhor, por aqui.

Quando algum boludo te perguntar quem é o Galo, basta mostrar-lhes uma lanterna e no pasa nada.

Sensacional o teu taxista. Também adoro o humor deles, gosto ainda mais dos uruguaios, que conseguem ser mais maldosos ainda.

Não esqueça da bomba.

Abraço.

P.S.- Esta coisa de traduzir "tchê" por "uai" é um problema geopolítico de enorme gravidade. Não venha mais ao Rio Grande do Sul.

Milton Ribeiro em agosto 24, 2005 9:00 PM


#21

Simplesmente hilária essa conversa... poderia ter sido escrita por um ótimo contista que qualquer um acreditaria que ela nunca existiu! Um abraço!

sidnei em agosto 24, 2005 9:00 PM


#22

Edk,

Eu peço desculpas pela brincadeira. Realmente não teve graça, mesmo se eu chegasse agora e dissesse que NY é mais distante que o Acre. E Paris também. Aliás, acho que devo desculpas à minha esposa também, já que foi no nome dela que eu falei. No contexto da nossa conversa de hoje de manhã, teve até graça. Aqui não.

Mas era uma brincadeira. Sem qualquer intenção de desrespeito, juro. Eu, que fui um adolescente cearense morando no Rio, sei mais do que ninguém o que é o preconceito e o desrespeito. Se eu não tivesse levado a coisa na esportiva, atirando na cara de todo aquele que me chamou de paraíba o meu espantoso orgulho em ser nordestino, eu teria enlouquecido.

Ainda bem que você também teve bom humor. Reitero minhas desculpas.

MarcosVP em agosto 24, 2005 9:26 PM


#23

Ah, apenas completando, minhas desculpas aos argentinos também.

MarcosVP em agosto 24, 2005 9:27 PM


#24

Venho sempre aqui, pois sei que vou encontrar muitas surpresas, este diálogo dentro do taxi foi hilário. O que reforça ainda mais a idéia de que nossas divergência com os argentinos é uma das maiores idiotices cultivadas no Brasil.
abraços de um catarina que só vê argentino no verão :)


Rubens em agosto 24, 2005 9:36 PM


#25

Diálogo profundamente portenho!

Paulo Zobaran em agosto 25, 2005 1:02 AM


#26

¡Buenísima la transcripción, Idelber! Los diálogos con los taxistas siempre superan a la ficción. Todo bien mientras no te toque un facho que escuche Radio 10 y te hable de la inseguridad, del "hay que matarlos a todos", o de la "lamentable latinoamericanización" de la Argentina en los últimos años (es decir, que niegue que el problema más grave de la Argentina es la pobreza, que subió el crimen porque hay hambre o que se crea no solamente que antes éramos más europeos y ahora en cambio somos más latinoamericanos, sino que además suponga que eso sería algo malo, que nos volvería inferiores). Y sí, es que en mi experiencia la mayoría de los taxistas son bastante fascistas, qué se le va a hacer... no es ninguna novedad ¿no? Si buena parte de los petistas resultaron neoliberales y encima corruptos, ya NADA debe sorprendernos, qué desgracia, qué amargura... (perdón por el desvío, es que lo está pasando en Brasil es demasiado, e intento desahogarme de tanta bronca y tanta decepción).

Pero volviendo al tema, eso sí que estaría bueno: diálogo entre blogeiro y taxista oyente de Radio 10. ¡Ahí te quiero ver!

Muchos besos,

Julieta
PD: y comé mucha carne por mí, con unos buenos tintos, obvio; yo sé que te gusta la birra, pero en este caso tomá vino, no vayas a tomar cerveza (y menos Quilmes!), como hacen acá en Porto Alegre los gaúchos para acompañar el asado, puajjjj, a falta de vinos más o menos pasables.

Julieta em agosto 25, 2005 3:32 AM


#27

Idelber, siga o conselho da Julieta, beba vinho. Lá na argentina eu tomei ótimos vinhos, por preços melhores ainda. Trouxe vários pra casa.

E só uma vez eu cometi o crime que a Julieta mencionou: pedi cerveja para acompanhar a parrilla, mas me arrependi logo em seguida.

A cerveja era Brahma que, convenhamos, posso tomar sempre que quiser aqui no Brasil. Agora experimentar diferentes vinhos portenhos, lá na Argentina, não é todo dia.

Saúde.

Ricardo Antunes da Costa em agosto 25, 2005 10:24 AM


#28

Idelber, para esse leitor que não atravessou fronteiras: o que é medialuna?

Fernando Henrique em agosto 25, 2005 10:52 AM


#29

Eu aposto um dedo do Idelber que medialuna é o que chamamos aqui de croissant...

O que, comparando com um pão de queijo, é praticamente a mesma coisa...;-)

MarcosVP em agosto 25, 2005 11:31 AM


#30

Bom dia amigos!

De fato somos brasileiros, pois estamos aqui fazendo aquelas nossas usuais comparações! No momento é medialuna x pão de queijo!!!

É um falso dilema. Não é verdade???
Medialuna é comum em B.Aires, mas nem tanto na Argentina (Como um todo, pois existe Argentina após B.Aires! Creiam!), já o nosso pão de queijo!

Ainda mais uma questão: a Argentina só não faz boa cerveja se não quiser! O Brasil é importador da matéria-prima argentina para cerveja. Nem sei porque a Quilmes é tão sem graça! mas se não tiver outra e estiver gelada... A Brahma argentina poderia ser até melhor que as brasileiras (Porque a cada cervejaria [fábrica e não marca]corresponde um nível de qualidade! A Bohemia de Petrópolis (quando existia) era OUTRA COISA!!!!)

Resumindo: medialuna é medialuna, pão de queijo é pão de queijo, eu gosto dos dois!!!!SAUDAÇÕES.

Paulo Zobaran em agosto 25, 2005 12:36 PM


#31

na rua florida - reduto de borges - existe uma mega loja TOWER RECORDS. passa lá e compra algo pra mim!
;>)
eu amo buenos aires, especialmente a recoleta.
tome muito TE aí por mim!
:>*

Biajoni em agosto 25, 2005 1:24 PM


#32

Idelber, morri de rir com o taxista. Beijocas

Yvonne em agosto 25, 2005 1:52 PM


#33

Más esta tal de Julieta tem que ser extraditada!
Ela é o "lexítimo" exemplo da prepotência argentina. Vem criticar os hábitos alimentares do povo onde está!
Carne se pode tomar com o que quiser. A cerveja abre o paladar, ou seja, acentua o gosto da carne.
Já os argentino entopem as papilas gustativas com taninos dos vinhos e aquela carne, que eles acham ser a melhor do mundo, pode ser encarada.
Quanto aos vinhos gaúchos brasileiros: estão melhorando. Os argentinos estão regredindo.

A gente vive a vida, acha que já viu ou leu tudo, até que aparece uma argentina chamada Julieta e com la "carita de palo" vem criticar o país que a está acolhendo. Cada figurinha carimbada que me aparece!

Gaudério em agosto 25, 2005 2:21 PM


#34

Olha, Gaudério, eu não sei quem você é e não ando com muito saco para apagar comentários, então vou deixar. Mas se o objetivo era conquistar minha antipatia, você conseguiu, vindo aqui atacar minha amiga Julieta.

Vinho é vinho, cerveja é cerveja. Respeito é respeito.

Eu não gosto da cerveja argentina, nem do pão chileno, nem do iogurte brasileiro. Isso não tem nada a ver com desrespeitar ninguém.

Basta ler o comentário dela e o seu para ver quem está sendo grosseiro e desrespeitoso aqui.

E é claro, eu jamais diria - e jamais aceitaria que alguém dissesse no meu blog - que a sua grosseria é "tipicamente" brasileira.

Idelber em agosto 25, 2005 2:45 PM


#35

Idelber,
Nunca fui a argentina, mas noto que taxistas são iguais em todas as nacionalidades, que Mauro Castro do taxitramas não leia isso aqui.

Enfim, hoje é 5ª feira e espero que esteja vibvo ainda depois de ter ido ao jogo com a camisa do Galo.

Um abraço.

Ronzi em agosto 25, 2005 3:52 PM


#36

Genial...
Como as pessoas vivem sem comer pão-de-queijo?! Não consigo entender!! Como todo dia!!!
Boa sorte lá na La Bombonera...é muita coragem...
Beijos

Luninha em agosto 25, 2005 9:13 PM


#37

A srta sua amiga Julieta usou uma onomatopéia (puajj) para representar o nojo por um hábito dos gaúchos.
Tudo bem, o blog é seu, a amiga é sua e eu me voy a la cria. Deixo registrado que achei um desrespeito da Dona Julieta. Caso ela peça perdão, já está retirado minhas opiniões sobre ela.

Gaudério em agosto 25, 2005 9:24 PM


#38

Nossa, esquentou!!! Marcos e Thânia, esquentem não môs fios. O véi aqui sabe que está realmente "longe demais das capitais".

Claro que eu estava brincando e conhecedo-os pelos respectivos blogs sei que não falaram com a intenção de desrespeitar ninguém.

Acho que falta mesmo muito senso de humor no mundo. Ou falta de interpretação melhor, como vemos aqui com seu Gaudério. Tudo bem.

No mais, acho que como vocês, amo a minha terra (apesar de tudo). Mesmo amando o Acre reconheço sua importância no cenário nacional. Acho que sou apaixonado pela Argentina tb (mesmo sem conhecer).Senão por suas (muitas) belezas, pela sua cultura e arte. A primeira vez que pulei aqui no blog do Idelber foi justamente via um post sobre a Argentina.

Abraços para todos e esfriem os ânimos.

Idelber, vc esqueceu de falar do jogo. Como foi?? E as fotos??

Abraço.

Edk em agosto 25, 2005 10:01 PM


#39

Ah!! E bebe vinho, véi. A Ju está certa...

Edk em agosto 25, 2005 10:02 PM


#40

Idelber, escribime y te invito a casa o vamos a beber algo por ahí.
abrazo

sl em agosto 25, 2005 10:08 PM


#41

Eu fui à Buenos Ayres sendo absolutamente vegetariana, foi uma tortura... hehehe...

Denise Arcoverde em agosto 25, 2005 11:15 PM


#42

Olha só o Atrétis, uai.

Milton Ribeiro em agosto 25, 2005 11:58 PM


#43

Quando vi o comentário do gaúcho (o seu apelido/nome significa "gaucho" mesmo, não é?) não podia acreditar, quis crer que pedir a minha extradição ou chamar-me de cara de pau (em argentino "caradura", não "cara de palo") por rir dos hábitos gaúchos era coisa irónica, piada, mais agora vejo que não era. Incrível!!!! Será que é necessário dizer que adoro passar tempo no Brasil e com brasileiros ou que gosto muito de Porto Alegre mesmo se aquí acompanham a carne com cerveja? Me resisto a crer que as críticas, sobre tudo quando elas tem a ver com temas tão leves como a combinação de proteínas com cevada (não leve mesmo desde o ponto de vista nutricional :), precisem de aclarações, retribuições ou puxadas de saco por parte de quem fala. Sei lá, tal vez deveria ter feito como fazem nos Estados Unidos: esclarecer que estava brincando, dizer "just kidding", mais ainda não entendo qual é a grande ofensa do cara.

Julieta em agosto 26, 2005 12:21 AM


#44

Eu sabi, Idelber. Eu sabia.
Você é um argentino disfarçado de brasileiro pra enganar os gringos do outro hemisfério.

Bear em agosto 26, 2005 12:44 AM


#45

Acho que na realidade (bem real mesmo), o taxista é que era o brasileiro... e vc, o castelhano.
hehehe...muito boa essa tua história, d+

Um Cara® em agosto 26, 2005 1:54 AM


#46

Julieta minha filha, isso é complexo de meia idade. É recorrente em homens com alguma malformação na fase do desenvolvimento intelecto-sexual.

É ridículo ao expormos opiniões (mesmo que leves e inofensivas) termos que nos resignarmos a construir um muro em volta delas.

Como diz o Idelber, vinho é vinho, cerveja é cerveja!! Quanta bobagem. Muita falta de senso de humor.

Como vc poder ver algo parecido ocorreu nesta caixa de comentários sobre o meu Acre e tudo foi levado no maior senso de humor possível.

Acho que que o caos urbano faz com que o povo durma mal ou não sinta prazer direito.

Só isso para explicar tanta falta de senso de humor e tanta autodefesa.

Abraço, Ju.

Edk em agosto 26, 2005 2:11 PM


#47

Eu ADORO a internet.

Só aqui é que podem estar juntos um acreano, uma argentina que mora no RS, uma amazonense(como eu) e um Gaudério não-identificado!

EDK: Não é só o Acre que é longe demais...Manaus também!

Menina-Prodígio em agosto 26, 2005 3:24 PM


#48

A Srta Julieta usa de um artificio muito comum, depois de falar a verdade diz que era brincadeira. Eu não mudo minha opinião: devemos respeitar os anfitriões. Se foi brincadeira, de muito mau gosto, se foi uma verdade (só ela saberá) o Salgado Filho é serventia da cidade que a acolhe e boa viagem.
A grande ofensa: o onomatopéico puajjjj!
Dispensável. Churrasco e cerveja uma grande combinação. Vinho gaúchos, muito bons, não chegam a ser os chilenos, mas colocam muitos argentinos no chinelo.

Valério, o gaudério em agosto 26, 2005 3:30 PM


#49

JU EDK

Se eu não consegui ver a irônia no comentário da Julieta, quem és tu para traçar meu perfil psico-social?
Complexo sexual? Mas que tal? Lendo minha palavras tu opinas sobre minha sexualidade, das duas uma: ou não sabes nada, és uma teórica, ou entendes tão bem de sexo, que pela letra sabe da potência, ou falta dela, alheia.
Para esclarecer as dúvidas, vida sexual na medida, nem demais, nem de menos. No ponto. Três por noite: uma tentada e duas desistidas.

Valério, o gaudério em agosto 26, 2005 3:34 PM


#50

Idelber,

Você já soube de Nova Orleans? A cidade está esperando o grande apocalipse do Katrina.

José Amaro em agosto 28, 2005 10:42 PM


#51

Cheguei aqui através de um link do blog do Sergio Leo e amei a história do taxista. Muito bem escrita e divertidíssima. Soy una enamorada de la lengua española e daria tudo pra lê-la no idioma de Cervantes. :-)

Ana Maria em agosto 30, 2005 3:41 PM