Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email:
idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro







selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« Gracias, Chile :: Pag. Principal :: Times Inesquecíveis que eu vi, III »

domingo, 30 de outubro 2005

Discoteca Básica do Mangue Beat

Para conhecer a melhor música popular feita no Brasil nesta última década, a de Pernambuco:

mangue-3-lama.jpg 1. Da Lama ao Caos, Chico Science e Nação Zumbi (1994): Aqui começou tudo. Alfaias do maracatu misturando-se a guitarras, baixo e bateria. Vocais que exploravam o inusitado parentesco entre a embolada e o hip hop. Distorções à la heavy metal coexistindo com a ciranda e a música eletrônica. Tudo marcado pela poesia visionária de Chico Science. Os brasileiros que viram a performance de Chico e Nação no lançamento desse disco no exterior, no Central Park de Nova York em 1995, jamais perderão o orgulho de serem brasileiros. Fúria combinatória como não se via desde o tropicalismo. O encarte traz o maravilhoso manifesto.

mangue-1-samba.jpg2. Samba Esquema Noise, Mundo Livre S.A. (1994): Tão importante como Chico Science para o movimento, Fred 04 reúne a troupe pela primeira vez aqui e já no título rende um tributo a Jorge Ben Jor. Primeiros registros do que seria seu legendário cavaquinho. Mais roqueiros e mais diretamente políticos, o Mundo Livre S.A. também tem, ao contrário da Nação Zumbi, um pé inteiro no samba. Em "O Mistério do Samba", do disco Por Pouco, eles resumiriam a história: O samba não é carioca / O samba não é baiano / O samba não é do terreiro / O samba não é africano / O samba não é da colina / O samba não é do salão / O samba não é da avenida / O samba não é carnaval / O samba não é da tv / O samba não é do quintal / Como reza toda tradição / É tudo uma grande invenção.

mangue-4-terceiro.jpg3. Terceiro Samba, Mestre Ambrósio (2001): Difícil escolher o melhor disco do Mestre Ambrósio. Fico com este, o terceiro, onde mais se realçam a rabeca de Siba e as letras delirantes, com toques medievais, de Sérgio Cassiano. A base é o forró e a música de cordas árabico-ibérica, mas há de tudo: maracatu, samba, repente e ciranda incluídos. "Saudade" é um samba para carioca nenhum botar defeito. O irresistível baião "Povo" é, na minha opinião, das melhores canções políticas da história da música brasileira.

mangue-5-afro.jpg4. Afrociberdélia, Chico Science e Nação Zumbi (1996): Maturidade atingida, fórmula encontrada: a tríade maracatu-embolada-coco encontra a tríade metal-reggae-hip hop. Com produção superior à do primeiro disco, esse petardo preparava Science para conquistar o mundo. É de morder os lábios de raiva pensar que o cara morreria logo depois, com mil projetos na cabeça. A releitura de "Maracatu Atômico", de Jorge Mautner, marcaria época. Gilberto Gil dá canja numa faixa memorável, "Macô". Não seria exagero dizer que este é o disco mais importante da música popular brasileira na década de 90. Indispensável.

mangue-6-fome.jpg 5. Fome dá dor de cabeça, Cascabulho (1998): Primeira banda forró-punk do planeta. O Cascabulho destila a energia roqueira, metálica e rapeira do mangue beat mas toca, basicamente, baião dos bons, e uptempo. O vocalista Silvério Pessoa (agora em carreira solo e arrasando na Europa) é um show à parte. O Cascabulho explora especialmente a vertente sacana e safada sempre presente no forró. O exigentíssimo público musical de New Orleans se embasbacou com essa banda e lhe deu nota 10 no Jazz Fest de 2001. No título do disco, já toda uma estética.

mangue-7-fome.jpg6. Contraditório?, DJ Dolores (2002): Chico Science sempre teve um pé na música eletrônica, mas quem leva a arte do sampling às últimas consequências é DJ Dolores. Matérias primas da sampleada? Tudo, especialmente o arquivo infinito da música nordestina. Mas também entram ruídos ambientais, narrações de rádio, house. Já no título, um apelo à mistura. Nunca uma rabeca lhe soará tão moderna.

mangue-2-peixe.jpg7. Fique Peixe, Querosene Jacaré (2001): Um dos melhores discos de rock feitos nos últimos tempos no Brasil. O rock sempre foi pilar chave do mangue beat, mas aqui é onde ele se realiza com todo vigor. Sem prejuízo da mistura: você encontrará guitarras distorcidas embalando uma ciranda e sambalanços cujo swing cita claramente Jorge Ben Jor. Uma das pérolas do mangue ainda pouco conhecida no sul maravilha. Há mais rock numa faixa do Querosene do que em toda a obra dos Skanks, Jota Quests e outros abomináveis espécimens do chamado "rock mineiro".

mangue-8-naçao.jpg 8. Nação Zumbi (2002): Quem apostou que a Nação não sobreviveria à morte de Chico se enganou. Jorge du Peixe assumiu o leme e, depois do disco Radio S.A.M.B.A., de 1998, levou a troupe a esse absurdo petardo, talvez o disco mais pesado de toda a discografia mangue. Apesar de pesadíssimo - em ambos os sentidos, roqueiro e maracatúlico - Nação 2002 é melódico, lírico, de audição apaixonante. A sampleagem e a música eletrônica vêm no toque certo, sem se sobrepor às poderosas alfaias, guitarras e baixo. "Blunt of Judah" é daqueles fenômenos da música brasileira: letra meio nonsense, com inglês misturado, que todo mundo aprendeu e canta até hoje.

mangue-9-otto.jpg 9. Samba pra Burro, Otto (1998): Esse descendente de holandeses e índios foi baterista nas primeiras formações da Nação Zumbi e do Mundo Livre S.A. Só isso já lhe garantiria lugar de honra no movimento. Mas esse disco é outra pérola que não pode faltar numa discografia básica: a base é a eletrônica, mas sem agressividade. Muito swing, muita ginga. O título maravilhosamente descreve a ambiguidade do disco.

lenine-1.jpg10. Na Pressão, Lenine (1999): Lenine não é exatamente parte do movimento mangue, mas qualquer antologia de música pernambucana ficaria incompleta sem ele. Letrista, violonista, arranjador, produtor, pensador, músico de incríveis recursos, ele já marcou época na música brasileira. Sobre ele eu escrevi esse outro post. Qualquer um de seus discos serviria aqui, mas escolho Na Pressão pelo conjunto coroado por "Jack Soul Brasileiro", esse manifesto de brasilidade anti-xenofóbica.

Eu poderia citar outros 50 discos pernambucanos indispensáveis da última década (faltou o Cordel do Fogo Encantado, por exemplo). Mas com esses 10 dá para começar.

Salve, Pernambuco.

PS: Este blog foi inaugurado no dia 29 de outubro de 2004. Um aninho completado neste fim de semana. Tim-tim.



  Escrito por Idelber às 23:12 | link para este post | Comentários (40)


Comentários

#1

E o parabéns n é só pro Biscoito. É também pra vc, querido, por mais um niver. E q alegria ver q a música voltou - num belo post - pra celebrar estas datas. Sim, tenho 4 dos cds citados e senti falta de 'Fuá na casa de Cabral'...

Beijos,

Cipy em outubro 31, 2005 4:24 AM


#2

Parabéns pelo aniversário do Biscoito, Idelber!

Muito legal sua discoteca básica de Mangue Beat. Valeu pelas dicas, agorá só me resta correr atrás, e conferir esses discos.

Abraços.

Ricardo Antunes da Costa em outubro 31, 2005 8:44 AM


#3

O aniversário é do Biscoito, mas quem ganha presente somos nós.

boczon em outubro 31, 2005 9:23 AM


#4

Parabéns duplo, então, querido mestre!

Viva em outubro 31, 2005 10:12 AM


#5

Chico Science é tudibão! Uma cerveja antes do almoço é muito bom pra ficar pensando melhor...
Parabéns pelo blogversário. :-)

Monix em outubro 31, 2005 10:41 AM


#6

Idelber, alguns comentários (e links):

senti falta de um disco importante da cena recifense da primeira metade dos 90, o primeiro da banda Jorge Cabeleira e o Dia em Que Todos Seremos Inúteis. Uma entrevista dos caras, na época do lançamento do segundo disco, pode ser encontrada em "http://www.cult22.com/index.php?command=content&content%5Bid%5D=120" (esse seu template aceita links HTML? na dúvida, vai por extenso mesmo...)

Esse disco é importante pq faz uma ponte com uma geração anterior do rock pernambucano, a geração de Alceu Valença, Zé Ramalho, Geraldo Azevedo e outros nomes menos conhecidos, como Paulo Rafael, Zé da Flauta, Robertinho do Recife e Lula Côrtes.
Pra saber mais sobre essa turma toda (dos anos 70), te indico dois links -

"http://www.abordo.com.br/senhorf/sf3vs/secreta/cenas/recife.htm"

"http://www.facom.ufba.br/pexsites/musicanordestina/index.htm" (q ainda traz boas informações sobre outros expoentes da música nordestina)

Especificamente sobre o disco Paebiru?, de Zé Ramalho e Lula Côrtes, visite -

"http://www.abordo.com.br/senhorf/sf3vs/secreta/lpsrar/paebiru.htm"

Esse disco, raríssimo, parece q foi reeditado por uma gravadora alemã independente, e pode ser comprado na Amazon por cerca de US$ 15. É um disco obrigatório, eu acho. A minha cópia eu baixei da internet alguns anos atrás. Alguma alma caridosa tinha disponibilizado o disco em um site q, infelizmente, já não está mais no ar...

O Paebiru? (a palavra era o nome com o qual se identificavam, no início da colonização do Brasil, supostos caminhos pré-colombianos entre a região do planalto de S. Paulo e litoral brasileiro e o centro do Império incaico - Cuzco e Macchu Picchu - passando pelo Paraguai) encabeça essa outra lista de 10 discos importantes na mistura rock + música regional brasileira, antes do manguebit. o link:

"http://www.velvetdiscos.com.br/conteudo/arquivo/jun/dezmaisum02.htm"

Pra terminar, uma alfinetada... Cascabulho realmente é muito boa, mas dizer q é "a primeira banda forró-punk do planeta"???!!! E os Raimundos, rapaz?

grande abraço, e parabéns pelo primeiro ano do blog,

dra em outubro 31, 2005 11:20 AM


#7

Um tim-tim singelo como só os mineiros sabem ser... Parabéns! :)

Luciana em outubro 31, 2005 12:24 PM


#8

E aí, Idelber. Parabéns peloS aniversárioS! Ótima lista. Fiquei curioso com o "Querosene Jacaré". Não conheço. Vou procurar.
Abração.

Guto em outubro 31, 2005 12:35 PM


#9

O primeiro disco do Raimundos realmente era forró-punk. Muito bom. Mas depois eles se venderam ao sistema! Passaram a tocar "música de rádio".

Ricardo Antunes da Costa em outubro 31, 2005 1:14 PM


#10

Ricardo uma das bandas que eu mais odeio nessa vida é Raimundos.

Idelber dos que você citou conheço Cordel do Fogo Encantado e Nação Zumbi. Fui ao show dos dois aqui em Curitiba mas em casas noturnas pequenas onde não foi possível fazer um Show como o que você viu do Cordel lá em BH. Mas valeu muito. Eu adoro eles.

Parabéns gato e continue nos encantando sempre.
Beijocas.

Simy em outubro 31, 2005 1:34 PM


#11

Ricardo: pois é, os Raimundos realmente "se venderam" depois dos dois primeiros discos (o segundo tb é muito bom).
Outra retificação q eu quero fazer é o segte... o nome certo do "movimento", pelo menos segundo os próprios mentores da parada, Chico Science e Fred O4, era "manguebit" - "bit" de informação cibernética. Qdo a imprensa do sul-maravilha "descobriu" o som de Recife, passou a grafar "manguebeat", com "beat" de batida, e esse nome acabou pegando. Mas, no original, era "manguebit". Vide o site
http://www.manguebit.org.br

dra em outubro 31, 2005 2:26 PM


#12

parabéns pelo primeiro e pelos próximos.

gugala em outubro 31, 2005 2:40 PM


#13

Parabens para o Biscoito. Um ano de Maravilhas. Eu o adoro.

Alcilene em outubro 31, 2005 3:14 PM


#14

Obrigado :) Vocês são tudibão!

Pois é, Cipy, poderia ter entrado o Fuá, também gosto muito dele, mas preferi o Terceiro Samba, mais lírico e apropriado para o dia de hoje, hehe....

Obrigado, dra. Quanto ao Jorge Cabeleira, também gosto muito; como disse, seria possível fazer mais 4 listas dessa com outros nomes.

Obrigado também pelos links. O da UFBA é muito bom como introdução, os do abordo são interessantes, mas para informação completa, é indispensável o livro do José Telles, Do Frevo ao Manguebeat (Editora 34, 2000). Na internet encontram-se "bits" resumidos (heheh) da informação compilada em detalhe por Telles. Nada além do que está no livro.

Retificando a "retificação": é verdade que a primeira ocorrência da expressão é com "bit", mas não é correto que "beat" se firmou a partir da "imprensa do sul maravilha". A ambiguidade dos dois termos esteve presente desde sempre. Já no dia 01 de junho de 1991, muito antes da cena estourar, já há registro da expressão "mangue beat" no Jornal do Comércio de Pernambuco (Telles, p.263), na primeira vez em que o termo "mangue" foi usado para descrever uma cena musical. O primeiro programa de rádio que a veiculou (na Caetés FM) se chamava "mangue beat". Nem Chico nem 04 jamais se referiram a "bit" como o "nome certo". O próprio autor do site citado, Renato L., se refere a "bit" apenas como "designação alternativa".

Respeito quem gosta dos Raimundos, mas prá mim a sensibilidade deles nunca teve nada de punk, e nunca tocaram forró legítimo, me parece.

Idelber em outubro 31, 2005 3:39 PM


#15

Idelber, obrigada pela mensagem de aniversário. E parabéns pra você também, por dividir este biscoito tão fino com a gente. Sobre o post, tive o privilégio de assistir ao Chico Science num de seus shows aqui em BH (nem sei se houve outro), e foi de deixar o queixo caído e os pés doendo de tanto dançar: o cara era MUITO foda mesmo. Salve, mangue!

Ju em outubro 31, 2005 3:40 PM


#16

Obrigado, Ju, companheira escorpiana... Que bom que você teve a sorte de ver Chico ao vivo :)

Dra, sobre o Paebiru, esqueci de acrecentar: é maravilhoso realmente, endosso sua recomendação - mas nos EUA mesmo antes do relançamento da Shadoks (2004), cavucando-se um pouco encontrava-se o LP. Parece que vários dos vinis que escaparam foram parar nos EUA. O CD, claro, está nas lojas por aí, não só na Amazon: acho que ebay, Kellkoo e Best buy podem ter melhores preços. Recomendação endossadíssima. Abraços,

Idelber em outubro 31, 2005 3:51 PM


#17

Um não pernambucano, mas quase, que também poderia entrar na lista seriam os Lampirônicos. Se aproximam muito do som pop? Mas quem disse que isso é ruim?

Axel em outubro 31, 2005 5:23 PM


#18

"...Mas na hora da verdade
Quando passou a cachaça
Seu Cabral sentou na praça
Caiu na reflexão
Disse: "Esta situação
sei que nunca mais resolvo!"
Então falou para o povo:
"Juro que me arrependi
o Brasil que eu descobri
queria cobrir de novo!"
Acho esta Fuá na casa de Cabral uma saborosa crônica sobre o "descobrimento do Brasil". Apesar de baiana, gosto muitíssimo da música de Pernambuco. Acho que porque sou do sertão e cresci ouvindo os cantadores nas feiras, as zabumbas e as bandas de pífanos nas alvoradas dos dias santos, o xote, o maracatu, as cirandas, o forró nas festas populares. Conheci a música de Chico Science através do meu filho - também por isso é bom ter filhos, pra nos ensinar - e, na primeira faixa do disco, me deu vontade de dançar. Não só por causa do ritmo mas porque estava encontrando um som que me era muito familiar. A partir daí, me reencontrei com uma linguagem musical que é muito mais minha do que muita coisa daqui de Salvador. Outro dia vi um show do Silvério Pessoa na Concha Acústica do TCA. Muito bom. Bate o mancá também é um ótimo disco. Tem letras muito politizadas. No show que fui ele levou uma bandeira do MST para o palco. O que acho interessante nesta "nova" música de Pernambuco, além da mistura de ritmos, são as letras. No caso do Cordel do Fogo Encantado, por exemplo, poesias maravilhosos de poetas populares como Zé Limeira, da Paraiba. "Se Zé Limeira sambasse maracatu..."
Bom, tô virando uma comentadeira de mão cheia. Parabéns pelo aniversário do blog e obrigada pelo presente.

Socorro em outubro 31, 2005 5:32 PM


#19

Congratulations, old pal.

Nelson Moraes em outubro 31, 2005 6:03 PM


#20

Parabéns pelo aniversário.

Hoje é dia do Saci, segundo o nosso bravo deputado Aldo Rebelo!

Paulo em outubro 31, 2005 6:38 PM


#21

Feliz aniversario para o Biscoito e para o criador do Biscoito tambem ! Tim-tim :-)

Ana Lucia em outubro 31, 2005 7:15 PM


#22

Feliz Aniversário, Idelber! Agora finalmente você me alcançou nos 37. Bjs,

Leila em outubro 31, 2005 7:53 PM


#23

Merci, amigos leitores, (e blogueiros que leio) Leila, Nelson, Ana Lucia, Abraços, fiel leitor Paulo :)

. . e toda a concordância com Axel (Lampiônicos rule, faltou mesmo) e com Socorro: Fuá é um clássico, a letra é uma super leitura do Brasil ;) tim tim.

Idelber em outubro 31, 2005 8:40 PM


#24

Hei, Idelber
Feliz aniversario pra voce e pro Biscoito!!
Sonia

Sonia Canellas em outubro 31, 2005 10:03 PM


#25

Bom, esses cds nunca ouvi, gosto de rock moderno... Abraços e muito gostoso o blog!

Illusion em outubro 31, 2005 11:13 PM


#26

Congratulations.
Felizes (e muitos) Aniversários!!! O pouco tempo que acompanho o Biscoito me revelou algo estranho que não sei se é compartilhando por "old pals" e leitores mais antigos.
Sinto um misto de cumplicidade e admiração for you teacher and your blog too. I don´t know, I just think. Don´t you understand, do you?

Talvez, seja pelo clima íntimo que se instaura em seus posts e comentários, não sei.
Talvez pelo eclético (poderia ser diferente se NOLA está na veia) e muito bom gosto musical.
Talvez pela sua experiência no magistério ou sei lá.
Mas é isso que sinto. Vc já percebeu que sou leitor assíduo, sem dúvida. Gostaria de te desejar parabéns, felicidades e vida longa aos "biscoitos finos" para as massas...
Abraço.

P.S.: Sempre quis saber se o "biscoito fino" daqui tem algo a ver com "aquele" selo musical homônimo... Parabéns e thanks indeed.

Edk em outubro 31, 2005 11:38 PM


#27

Parabéns por todos os aniversários e pelo dia do Saci. Um abraço

Flavio Prada em novembro 1, 2005 3:59 AM


#28

Oi Idelber:

valeu pelo esclarecimento na questão manguebit vs. manguebeat... eu tinha a nítida impressão de ter lido uma entrevista de Fred 04 (há muitos anos, não sei se na época do lançamento do Samba Esquema Noise ou do segundo disco, Güentando a Ôia), em q ele fazia aquela distinção. Mas, pelo jeito, fui traído pela memória (o q não é muito difícil), ou então por um arraigado e inconsciente preconceito de nordestino contra o "sul-maravilha". Mea culpa, mea maxima culpa .
Em todo caso, q tal aproveitar o embalo e nos presentear com aquele post q vc tinha me prometido sobre a especificidade da música dos pernambucanos dos anos 90 na histórica mistura da "linha evolutiva da música popular brasileira" (para usar uma expressão de Caetano)?

abração!

PS: Socorro, legal vc ter dito q talvez se identifique com o som de Pernambuco "pq é do sertão"... eu já vi Tom Zé dizendo a mesma coisa! Como ele é de Irará, dizia q se sentia mais próximo de PE do q de Salvador ou do Recôncavo (especialmente de Santo Amaro, hehe!!). É claro q é fácil ele dizer isso numa época em q a música de Pernambuco é o manguebeat (aprendendo rápido...) e na Bahia é o Axé... Mas eu acho importante fazer essa diferença, pq as pessoas de outros lugares do Brasil às vezes não têm a mesma percepção de q sertão e recôncavo são regiões com culturas diferentes (até a comida é diferente), dentro do mesmo estado. É q o Brasil é muito grande e muito rico culturalmente, e é difícil conhecer tudo... mas sempre é bom aprender mais um pouquinho!

dra em novembro 1, 2005 9:43 AM


#29

Está prometido, Dra :)

Obrigado, SOnia, Flavio, Illusion, gracias pelas belas palavras, Edk :) Claro que entendo, sim...

Idelber em novembro 1, 2005 10:31 AM


#30

Olá Idelber!
Tudo de bom! Como no dia do aniversário do Biscoito, eu estava viajando, passo agora para PARABENIZÁ-LO!

BJS

Shirley em novembro 1, 2005 1:13 PM


#31

Brother contudo que já foi dito neste blog, eu gostaria de citar outro pernambucano que também contribui para nossa MPB, com um trabalho valoroso de composição principalmente, o nome dele é Lula Queiroga.

Adriano em novembro 1, 2005 2:00 PM


#32

Valeu, Shirley, e obrigado, brother Adriano - com certeza Lula Queiroga merece a menção e mereceria estar em qualquer lista. Axé :)

Idelber em novembro 1, 2005 2:08 PM


#33

em primeiro lugar, parabéns! adorei sua seleção, mas no caso só conheço o chico science, o otto e adoro o lenine. aqui em niterói a gente tinha uma rádio alternativa, projeto da universidade federal fluminense (depto de antropologia) que tocava todo esse povo, mas a anatel fez o grande favor de ir até lá e fecha-la. é uma pena que nossa música não seja ouvida nas rádios, a não ser na base do jabá. (quanto à rádio, o ministério das com. já concedeu a outorga, estamos em vias de reabri-la). beijos e muito obrigada pela visita ilustre!

cristiane em novembro 1, 2005 5:20 PM


#34

Idelber, é um barato esta página de sol e chuva.

Leônidas Arruda em novembro 4, 2005 8:58 PM


#35

Idelber, parabéns pelo blog e por você. Sobre o post: os últimos discos do Nação Zumbi têm mostrado o quanto a banda continua se transformando, se reconfigurando, se organizando para desorganizar. Valeu!

Luiz em novembro 4, 2005 11:47 PM


#36

Lenine acabou entrando na vaga do Devotos do òdio.

Rafael Lima em novembro 7, 2005 1:37 PM


#37

Oi professor,

estou com uma dúvida e preciso da sua ajuda.
É sobre um texto atribuído a Oscar Wilde. Preciso, com alguma urgência, ter certeza se é mesmo dele.
O texto é o seguinte:
Escolho meus amigos não pela pele ou outro arquétipo qualquer, mas pela pupila.
Tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante.
A mim não interessam os bons de espírito nem os maus de hábitos.
Fico com aqueles que fazem de mim louco e santo. Deles não quero resposta, quero meu avesso.
Que me tragam dúvidas e angústias e agüentem o que há de pior em mim.
Para isso, só sendo louco. Quero-os santos, para que não duvidem das diferenças e peçam perdão pelas injustiças.
Escolho meus amigos pela cara lavada e pela alma exposta. Não quero só o ombro ou o colo, quero também sua maior alegria. Amigo que não ri junto não sabe sofrer junto.
Meus amigos são todos assim: metade bobeira, metade seriedade. Não quero risos previsíveis nem choros piedosos.
Quero amigos sérios, daqueles que fazem da realidade sua fonte de aprendizagem, mas lutam para que a fantasia não desapareça.
Não quero amigos adultos nem chatos. Quero-os metade infância e outra metade velhice.
Crianças, para que não esqueçam o valor do vento no rosto e velhos, para que nunca tenham pressa.
Tenho amigos para saber quem eu sou. Pois os vendo loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos, nunca me esquecerei de que "normalidade" é uma ilusão imbecil e estéril.
( Oscar Wilde.)

Muito obrigada.

Um abraço

Beta

Beta em novembro 7, 2005 9:43 PM


#38

Idelber,
Curto + de Mundo Livre e Otto que Nação Zumbi, mas jamais negaria a importância deste pra música brasileira.
Agora, que maldade chamar o Skank de 'abominável', ou, pior ainda, colocá-lo no mesmo saco que o execrável e insuportável Jota Quest.

Darcio em novembro 8, 2005 9:47 AM


#39

Parabéns atrasado vale?
Poxa, não tenho a lista toda, vou ver se Papai Noel me dá...:)

Giu! em novembro 9, 2005 3:57 PM


#40

Caro Idelber, gratificante ver vossa senhoria falar do som da minha terra. Carái, o samba Esquema Noise é foda mesmo! Acho que depois dele o Fred 04 (que conheço pessoalmente) perdeu um pouco a mão, exagerando no panfletarismo e tal. A alquimia do primeirão nunca mais foi encontrada, apesar de várias boas músicas nos demais discos. Uma pena. Quanto ao Chico, acho o Afrociberdelia superior ao Da Lama ao Caos, até mesmo por ter um mosaico maior de influências, se é que me entendes. A banda estava mais madura. Costumo ter uma opinião um tanto quanto herética a respeito da Nação, acho que o som deles melhorou muito depois da morte de Chico. Veja bem, com o Chico era massa, mas sem ele a coisa ficou ainda melhor. Não sei explicar, acho o Du Peixe melhor letrista e parece que a banda tornou-se mais coesa, afinal a figura do mangueboy-mor ofuscava um pouco o grande talento dos demais. Também notei a falta do Jorge Cabeleira e da Banda Eddie, que recentemente lançou um disco bacaninha ("Original Olinda Style"). Como o rótulo mangue bit é bem elástico, há ainda o Sheik Tosado (O China lançou um disquinho legal) e o Devotos (banda de público fiel por aqui). Legal ter lembrado do Querosene Jacaré (o maluco do Ortinho parece que tá pra lançar algo novo). Confesso que não gosto muito da música do Otto (do figuraça é impossível não gostar...), mas acho que ele tem talento. Como citasse Lenine, caberia falar sobre o "pai" de todos, Alceu Valença, proto-manguebit na veia. E, por fim, lembrar que os frutos ainda estão a aparecer, como dá provas a meninada do Mombojó.


Abração

Kbção em novembro 10, 2005 2:35 PM