Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email:
idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro







selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« Drops do mundo blog :: Pag. Principal :: Violência contra a mulher »

quinta-feira, 24 de novembro 2005

Reflexões sobre o Conto

conto-joyce.jpgconto-borges.jpgconto-poe.jpg


(este é um post antigo, dos primordios do blog, e foi utilizado para uma aula "virtual" aos alunos de Cipy Lopes em Salvador. Vai aí republicado, com poucas alterações, pois acho que pouca gente o conhece).

Os dicionários dizem: conto é uma curta narrativa de ficção em prosa. Hoje em dia, máximo 25 páginas. Mais que isso já vira novela. Mas qual é a essência do conto como forma?

Tomemos o microconto mais ilustre, o do guatemalteco Augusto Monterroso:

Quando ele acordou, o dinossauro ainda estava lá.
* *

O que faz com que o texto de Monterroso seja um conto, apesar das parcas oito palavras, é a presença de duas temporalidades: a do cochilo do cara e a do dinossauro ainda estando lá.
* *

O argentino Ricardo Piglia tem uma tese: um conto sempre conta duas histórias. As diferentes épocas escolhem diversas formas de relacionar as duas histórias.

Para exemplificar, tome-se uma anotação do contista e dramaturgo russo Tchekhov: um sujeito chega numa cidade, instala-se num hotel, vai ao cassino, ganha um milhão de dólares, volta ao hotel e se suicida. Aí você tem um conto porque normal seria o cara ganhar e fazer outra coisa, ou perder e suicidar-se, mas ganhar e depois suicidar-se é insólito. Por ser insólito, o evento dissocia as duas histórias. Há a história da viagem/jogo e a história do suicídio. Pois bem, o que é um conto do século XIX?

O mestre do conto do século XIX é Edgar Allan Poe, que em 1840 e poucos, tiritando de frio na Filadélfia, pobre que só vendo, tendo que queimar a própria escrivaninha para se aquecer, inventou nada menos que a narrativa policial, a narrativa de horror e a ficção científica.

Um conto do século XIX relata a história da viagem, mudança, instalação no hotel, ida ao cassino, vitória e tudo mais de forma a dissociá-la completamente da outra história, a do suicídio. Há uma história visível (a viagem) e uma história secreta (o suicídio).

O bom contista é o que lhe conta a história 1 sem que você suspeite a história 2 que vai explodir no final. O bom leitor é aquele que aprende as manhas dos escritores para esconder a história 2 na história 1. Esse é o jogo gato-e-rato da literatura do século XIX. Autores e leitores se cansam desse jogo por volta de 1910-20, a porra toda explode e começa-se a contar contos de maneira muito diferente.

O que é um conto do século XX? É um relato em que a história 2 (a secreta) já não está embutida invisível na história 1, já não é um enigma que se revelará no final para arredondar a coisa bonitinho. O que faria o escritor moderno com a anedota de Tchekhov?

James Joyce narraria a história da viagem arrastada, sem esperança, tanto que quando chegasse a história do suicídio você já nem ligaria que o cara está se suicidando. Destruição total do efeito catártico.

Hemingway simplesmente não te contaria que o cara suicidou. Daria alguma pista, mas no mais, contaria o conto da viagem. Em detalhes secos, onde tudo é um puro acontecer sem significar. Você terminaria o relato com cara de “Que porra é essa?” porque você poderia até não ter entendido que o sujeito se suicidou. É como se não tivesse acontecido nada.

Kafka é o mais incrível, ele inverteria a história 1 com a 2. Contaria a história da morte como se fosse o mais banal, como se fosse a descascada de uma laranja. O horror seria totalmente transferido para a história 1 – a partida para o hotel – narrada de forma terrorífica e ameaçadora.

Jorge Luis Borges contaria a história 1 como se ela já tivesse sido contada mil vezes. Tudo seria tirado, parodiado de algum lugar. Até que no final o sujeito encontraria no suicídio uma verdade não revelada pelos livros que tinha lido.

Há outras mil variantes, claro.

No Brasil, o mestre em contar a história 1 enquanto esconde a história 2 é Machado de Assis. Muitos conhecem Dom Casmurro ou Memórias Póstumas de Brás Cubas, seus romances famosos. Mas a arte inigualável de Machado está no conto. Para ver algumas obras-primas, é só conferir Papéis Avulsos ou Histórias sem Data.

A melhor contística do mundo, para mim, é a da Argentina, infelizmente ainda pouco traduzida entre nós.



  Escrito por Idelber às 02:25 | link para este post | Comentários (23)


Comentários

#1

Bacana a republicação deste post, Idelber. Foi uma experiência e tanto, hein? Educação a distância via blog. Amanhã faz um ano esta aula inovadora. Valeu!!!

Bjos,

Cipy em novembro 24, 2005 5:37 AM


#2

Puxa! Há outras jóias como essa lá no começo do teu blog? Faça-as aparecerem como recapitulações das histórias 1 ou Primeiras Histórias.

Conforme informo no blog, viajo hoje. Na volta, Inter campeão (sei lá como), Grêmio na segundona, Dirceu cassado e Galo salvo. Tranqüilo. Não sei sei blogarei em viagem. Talvez umas linhazinhas...
Como leio todos os teus posts desde...? - vou ter bastante trabalho aqui na volta.

Abração e tchau.

Milton Ribeiro em novembro 24, 2005 6:36 AM


#3

Fiquei pensando sobre como Raymond Carver jogaria com as duas histórias. Gosto muito deste contista seco. Também divaguei sobre Sergio Faraco, que contaria a h1 com as palavras da tragédia/solução/redenção da h2, criando a atmosfera de estranheza que o liga aos teus queridos argentinos, dos quais ele é tradutor.

Para mim, Faraco é o melhor contista brasileiro hoje. Curiosamente, é um cara ultra-platino.

Como vês, a coisa ficou na minha cabeça, tanto que voltei.

Agora é tchau e ponto.

Milton Ribeiro em novembro 24, 2005 8:06 AM


#4

Eu sempre achei que o melhor do Machado eram os contos, mas não tinha visto ninguém falar isso ainda;)

juliana em novembro 24, 2005 9:06 AM


#5

Esse é um texto muito bom! Fiquei pensando como Guimarães Rosa (um contista de primeira) contaria a história! Acho que seria bem semelhante a Borges, mas num espaço diferente!

Maria Andréia em novembro 24, 2005 9:33 AM


#6

Perguntas técnicas:
Existe a "necessidade" de um título para um conto?
O conto não inicia no título?
Um micro-conto não prescisaria de um micro-título?
Ou poderia ter um título enorme, já que o conto em si, é que deveria ser micro.

Gostaria de comentários sobre a necssidade de título nas diversas formas de expressão, até blog tem título para os diferentes post.

O Aluno em novembro 24, 2005 10:24 AM


#7

Amei, principalmente por ter citado Allan Poe e Kafka. You made my day! BTW, Happy Thanksgiving! (resolvi felicitar todos os meus amigos brasileiros só para não perder a piada).

Bibi em novembro 24, 2005 11:39 AM


#8

Interessante é a volta do conto na literatura brasileira contemporânea. A crítica Flora Sussekind fala da "miniaturização narrativa" na última década. Nos anos 80, veio a onda do romance, cujo exemplo é Rubem Fonseca, que deixou a narrativa curta anterior e voltou a ela mais recentemente. João Gilberto Noll escreveu um livro de contos e partiu para os romances. Agora vem publicando textos breves de ficção no Correio Braziliense. Aos poucos, reaparecem os contos. Há várias coletâneas lançadas pelas grandes editoras com escritores brasileiros. Mas a qualidade ainda está abaixo da geração dos anos 70. A professora Beatriz Resende organizou agora o livro "Literatura latino-americana no século XXI" (editora Aeroplano), que traz um contos como de Cesar Aira e de brasileiros como Luiz Rufatto e Sérgio Sant'anna.

enio vieira em novembro 24, 2005 3:38 PM


#9

Bem lembrado, Enio. E do Noll há também as "Instantâneas", publicadas na Folha e depois recopiladas em livro.

Idelber em novembro 24, 2005 4:00 PM


#10

Pois é, Juliana, eu também sempre que os contos são o auge dele, especialmente os de Papéis Avulsos e posteriores. Beijos,

Idelber em novembro 24, 2005 4:02 PM


#11

Vixe, Cipy, já faz um ano??? Este blog está ficando velho. . .

Aluno, não sei, sua pergunta está muito difícil... Mas o próprio Monterroso experimentou com títulos quilométricos também.

Happy Thanksgiving to you too, Bibi. E obrigado pelos links sempre maravilhosos.

Caríssimo Milton, Carver é outro que poderia entrar na lista, né? Eu teria que pensar um pouco sobre como ele narraria essa anedota. E Guimarães também, Maria Andréia.

Abraços,

Idelber em novembro 24, 2005 4:04 PM


#12

Maravilha de aula ! Vou atrás dos links e das sugestões. Concordo com o Milton: se tem mais dessas aulas lá nos primórdios do Biscoito, por favor, reprise. Abs.

PatriciaSK em novembro 24, 2005 4:22 PM


#13

Chegar atrasado só dá nisso. Muito bons seus posts antigos do biscoito. Proponho você reprisar, at least, um por semana, que tal?

Quando vi o retrato do Poe no início tinha certeza que vinha coisa boa. Tive o primeiro contato com Poe no primeiro ano do colegial por intermédio da biblioteca da escola. Imediatamente me apaixonei pelos contos do cara. Então pulei direto ppara os do Borges e daí sigo adorando contos desde então. A rapidez, a precisão, a concisão e a compacta forma do conto me fascinam.

Não sei porque os contos vendem tão pouco no Brasil. Os romances vendem bem mais. Isso me intriga, afinal, temos muito mais excelentes contistas do que excelentes romancistas, in my humble opinion.

Abs.

Edk em novembro 24, 2005 7:07 PM


#14

Maravilha de post!!! Muito bom mesmo! Delicioso de ler e super instrutivo, para blogueiros com pretensoes ou nao... ;-)

Beijoes e até amanha em nossa blogagem coletiva cobre violencia contra mulher.
Vanessa

Vanessa em novembro 24, 2005 7:44 PM


#15

ops, Sobre violencia contra a mulher...

Vanessa em novembro 24, 2005 7:45 PM


#16

Obrigado, Vanessa e Patricia :)

Edk, acho que aí é relativamente fácil explicar. Há uma mentalidade, problemática, claro, mas muito disseminada, de que o conto é uma "arte menor", de que "exige menos" que o romance, que seria supostamente uma forma mais "madura". Bobagem, claro, mas que provoca uma valoração estética diferenciada entre os dois gêneros. A coisa mudou muito nos últimos anos, mas não era raro encontrar editores que diziam que livro de contos era "inviável comercialmente".

Abraços,

Idelber em novembro 25, 2005 3:54 AM


#17

O conto é o trabalho intelectual. O romance o trabalho braçal. [não levem tão a sério :)]

Axel em novembro 25, 2005 12:56 PM


#18

Idelber,
bacana demais o programa da Rede Minas sobre rock e literatura, hein?!
Tive contato com a maioria do pessoal ali, o professor Dolabela, o Thiago Pereira, vizinho de rua...
Só uma pergunta, aliás, duas: onde você gravou seu depoimento? Na escada do seu prédio?rsss

Mudando de assunto e voltando a última: crê no milagre?

Penalva em novembro 26, 2005 12:36 AM


#19

Penalva o depoimento foi gravado nas legendárias escadarias do Teatro Francisco Nunes, heheh.

Quanto ao nosso Galo, estou em compasso de espera.... Quando eu falo de mais dá azar...

Idelber em novembro 26, 2005 2:14 AM


#20

aconteceu comigo:

era uma tardezinha fria, cinzenta. eu sentado - banco de praça. vem uma mulher, 40 e poucos anos. chorava. me pediu um táxi. levantei, chamei o primeiro que vi, conduzi. ela entrou, pediu companhia. no táxi silêncio, mãos dadas, um ou outro soluço. percurso sem curso certo. quase uma hora passada - pediu que o táxi parasse, agradeceu, me deu um beijo, pediu que eu saísse. pela janela do carro ainda disse: moço, toda saudade é uma espécie de velhice.

e agora idelber
me diga lá se vc mata essa

@ em novembro 26, 2005 9:58 AM


#21

parabéns, gostei da forma como tratou de exemplificar o conto do século XIX, com as as possiveis criações de autores famosos do seculo XX.

silvana cosmodias em novembro 26, 2005 11:24 PM


#22

Muito interessante esse post. Nunca havia pensado nessa tese das duas histórias.

Leonardo em dezembro 1, 2005 9:29 AM


#23

Excelente!

Pedro Camargos em dezembro 25, 2005 9:36 PM