Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email:
idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro







selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« Times Inesquecíveis que eu vi, III :: Pag. Principal :: O Fox-Trotezinho de Bush »

sexta-feira, 04 de novembro 2005

Sobre um conto de Jorge Luis Borges

Fred Murdock era daqueles jovens típicos. Estudantes típicos. Gringo. As más línguas poderiam dizer: tipicamente gringo. Em dúvida sobre o que estudar, recebe a dica: por que não estudar índio? Joga-se à empreitada e passa a viver entre os índios; com o tempo, passa a sonhar em sua língua. Revelam-lhe o segredo da tribo. Converte-se no índio perfeito, antes de voltar à sua universidade para escrever a tese, baseada no invejável conhecimento adquirido. Decide não escrever a tese. Casa, se divorcia e vira bibliotecário.

Este é o argumento de um dos mais curtinhos e fascinantes contos de Jorge Luis Borges, "O Etnógrafo", do livro Elogio da Sombra (1969). Para quem tiver paciência, saiu publicada no último número da Germina minha leitura desse conto: "Borges, a Antropologia e a Escrita do Outro."

Parece que resolveram fazer a incrível burrice de me oferecer uma coluna fixa na Germina e eu, honrado, acabei aceitando. É uma coluna bimestral e a próxima sai em dezembro. Obrigado a Lucia Farias e a toda a turma de lá pelo convite.

**************
nomedacousa.gif


Eu já li e recomendo o delicioso Nome da Cousa, de Fal Azevedo. Já encomendável no email aí de cima.

**************

Está saindo e o lançamento é em Porto Alegre:

bannerdepapel03.jpg

O lançamento do livro de contos do Blog de Papel (São Paulo: Ed. Gênese, 2005) acontece neste dia 12 de Novembro na Feira do Livro de Porto Alegre:

Tarde de Autógrafos, às 15h30, no Memorial do RS com o André Dahmer (Malvados) e com Alê Felix, Milton Ribeiro, Ticcia Antoniete, Ane Aguirre, alguns dos autores representados no livro.

Às 16h30, na sala O Retrato do Centro Cultural Érico Veríssimo, haverá uma mesa de bate-papo sobre Literatura e Internet com a participação do Dahmer, os autores do Blog de Papel e mediação do escritor Armindo Trevisan.

Dia 19 de Novembro rola o lançamento paulistano, na Primavera dos Livros - OCA/Parque do Ibirapuera, se não me engano com a presença de todos os 14 autores.

Foi uma alegria escrever o prefácio desse livro de contos de tantas feras-blogueiras. Obrigado à Alê Felix pelo convite e espero que os autores tenham gostado dos meus dois centavos de tagarelice na primeira página. O livro é muito supimpa, vale a pena.

************

Hoje revisitei um poema assombroso: um petardo feminista em pleno século XVII, nas redondilhas barrocas da mexicana Sor Juana Inés de la Cruz.



  Escrito por Idelber às 02:15 | link para este post | Comentários (25)


Comentários

#1

Idelber,
Esse poema é mesmo fantástico. Como tudo o mais que você me apresentou dela. Obrigada.
E muito sucesso à Fal e ao pessoal do Blog de Papel!
Beijos,
Ana

Ana em novembro 4, 2005 11:44 AM


#2

Eu desejo muito, muito sucesso para a Fal. eu adoro aquela gata.

Eu li seu texto e vou ver se consigo ler o livro.
Não sei se entendi bem já que ainda estou me familiarizando com esta sua linguagem acadêmica. Bom seria muito fácil o Idelber conhecer meu mundo e até escrever sobre ele mas quase impossível acontecer o contrário.
Ah!! sei lá divaguei.
beijoca.

Simy em novembro 4, 2005 1:19 PM


#3

Fiz muito jovem minhas leituras de Borges. Um erro. Deveria voltar a elas.

Que legal que estás na Germina! Ainda estão lá dois velhos artigos meus. Devem estar em "Literatura", creio eu. A S. entrou em contato comigo, mas vou deixando para depois, para depois, para depois...

Além da honra de estar em tua vizinhança dentro da Germina, há muito mais: fico honradésimo de ser prefaciado por ti no livro do Blog de Papel. Ainda não li teu prefácio, espero que tenhas sido bondoso conosco. Porém, quando penso que escreves sobre Borges num dia e MR no outro, minha honra esvai-se para algum lugar indeterminado e tenho vontade de sumir para sempre com minha vergonha.

É o que farei.

Bom fim de semana!

Milton Ribeiro em novembro 4, 2005 3:09 PM


#4

lindo...

volto com calma para falar desse conto do borges.

:>)

(biju na ana)

Biajoni em novembro 4, 2005 4:15 PM


#5

Idelber, eu amei o seu artigo sobre o conto do Borges, a discussão sobre a antropologia... Acho que vou pedir a Prosa Completa de Natal para alguém.

bjs,

Leila em novembro 4, 2005 4:55 PM


#6

Idelber. Eu fiz uma entrevista com a Marina Colasanti para a minha casa, que é esta aqui: www.rabisco.com.br. Se for possível, eu queria ouvir um comentário teu sobre o meu trabalho. Estou voltando a escrever, aos pouquinhos, como a brisa do meu quintal :)

Ana em novembro 4, 2005 9:14 PM


#7

vou ler o conto com certeza e também o seu texto. seu artigo sobre blogs está na minha lista de leituras também, assim que o austríaco-doido-de-pedra me der um refresco. mesmo enrolada, já te elegi um dos meus favoritos. pronto, virei tiete! bj

cristiane em novembro 5, 2005 9:29 AM


#8

Obrigado, amigos :)

Que bom que gostaram do texto. Vou colocá-lo aí no template, como um link permanente.

Ana, achei um barato a entrevista com a Marina Colasanti, legal mesmo :)

Idelber em novembro 5, 2005 11:39 AM


#9

Leila, há uma edição bem boa e barata da Prosa completa em formato de bolso, pela Emecé. Há também uma mais cara, em capa dura, da Obra completa, também da Emecé. São fáceis de achar aí nos EUA. Boa leitura :)

Idelber em novembro 5, 2005 11:43 AM


#10

Simy, o curioso é que um acadêmico que lesse esse ensaio provavelmente diria que ele não é acadêmico o suficiente, heheheh. . .

Idelber em novembro 5, 2005 11:44 AM


#11

Caro Idelber
Outra visão do bibliotecário: que tal a sugestão do acesso ao conhecimento catalogado e sistematizado do seu próprio universo após ter aprendido os princípios do universo dos índios? Sei não...assim fica com um cheiro do velho só sei que nada sei, e incrivelmente simplista. Mas é Borges né?.
Não sei ao certo, não li o texto, somente sua análise aprimorada, e mais não me atrevo a comentar senão com certeza vou escrever besteira.

Abraços
Danilo

Danilo em novembro 7, 2005 8:00 AM


#12

Pois é Idelber só prova que meu vocabulário ainda é muito pobrinho.
Eu li o conto assim como todos os poemas do livro e só posso dizer que me apaixonei.
Tinha lido trechos de poesias dele mas nunca uma completa e ele é simplesmente demais.
já passei em um sebo e comprei um volume de Obras Completas I do cara. Quem sabe assim não entendo melhor? Valeu pela dica gato.
Beijo.

Simy em novembro 7, 2005 12:33 PM


#13

Jorge Luis Borges seria perfeito se fosse brasileiro e nascido em Minas! Besteira...
Tô aqui na terrinha e só assim pra consegui acessar o seu site. Felicidades e sucesso para os blogueiros e votos especiais pra ti, Idelber! Beijus

Luma em novembro 7, 2005 1:23 PM


#14

Idelber, muito obrigada pela delicadeza
:o)))

Fal em novembro 7, 2005 1:46 PM


#15

Quanta coisa boa rolando nos blogs...

lili cheveux de feu em novembro 7, 2005 3:30 PM


#16

Caro Idelber,
Tem um artigo sobre a recuperacao de NOLA la' no nominimo.
Abs.

Wagner em novembro 7, 2005 3:53 PM


#17

Estamos em um momento de produção literária na blogosfera nacional. E isso é muito foda.

Ronzi em novembro 8, 2005 11:52 AM


#18

Oi professor,

Estou com uma dúvida e preciso da sua ajuda.
É sobre um texto atribuído a Oscar Wilde. Preciso, com alguma urgência, ter certeza se é mesmo dele.
O texto é o seguinte:
"Escolho meus amigos não pela pele ou outro arquétipo qualquer, mas pela pupila.
Tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante.
A mim não interessam os bons de espírito nem os maus de hábitos.
Fico com aqueles que fazem de mim louco e santo. Deles não quero resposta, quero meu avesso.
Que me tragam dúvidas e angústias e agüentem o que há de pior em mim.
Para isso, só sendo louco. Quero-os santos, para que não duvidem das diferenças e peçam perdão pelas injustiças.
Escolho meus amigos pela cara lavada e pela alma exposta. Não quero só o ombro ou o colo, quero também sua maior alegria. Amigo que não ri junto não sabe sofrer junto.
Meus amigos são todos assim: metade bobeira, metade seriedade. Não quero risos previsíveis nem choros piedosos.
Quero amigos sérios, daqueles que fazem da realidade sua fonte de aprendizagem, mas lutam para que a fantasia não desapareça.
Não quero amigos adultos nem chatos. Quero-os metade infância e outra metade velhice.
Crianças, para que não esqueçam o valor do vento no rosto e velhos, para que nunca tenham pressa.
Tenho amigos para saber quem eu sou. Pois os vendo loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos, nunca me esquecerei de que "normalidade" é uma ilusão imbecil e estéril."
( Oscar Wilde.)

Muito obrigada.

Um abraço

Beta

Beta em novembro 8, 2005 2:17 PM


#19

Professor, (may I call you this way??)

Curioso como certa vez usei argumento semelhante em um trabalho de antropologia quando fazia Comunicação Social (fiz um ano em meio e desisti). Claro que não tinha o brilhantismo nem do Borges, nem da sua leitura, mas, como tinha acabado de ler o conto e como não gostava muito de Antropologia (e muito menos do professor) escrevi algo um pouco mais ácido e com boa dose de veneno.

Claro que não sou tão ácido com a Antro hoje. Mas agradeço a memória do excelente contista que Borges era, sua concisão cirúrgica e precisão eram sublimes.

Não foi burrice nenhuma da turma da Germnina e sim muita persipcácia.

Congratulations professor.
Big hug!!

Edk em novembro 8, 2005 7:08 PM


#20

germina

(como hacai)

sempre maduro

sempre incompleto

valeu, mestre, pela dica

@ em novembro 8, 2005 10:59 PM


#21

Professor,

Devo admitir que nao entendei o ponto do conto. Eu li seu artigo na Germina e fico ainda mais confundido. Como sabe, no entanto, esse fato nao me vai parar que eu opine. Eu queria acresentar que eu pensava que Borges quis fazer comentarios sobre a quao vazias podem ser as vidas americanas. Eu achei raro que ele usava um americano em vez de um originario dum pais do qual ele identifica mais como argentina ou os paises da europa occidental. Bom, em tudo caso, so tenho um entendimento rudimentar do subjeito assim que tal vez essa analise e demais basico.

Roderick em novembro 9, 2005 3:03 AM


#22

E você vem pro lançamento em SP? :)

Giu! em novembro 9, 2005 3:58 PM


#23

Não vai rolar, Giu, infelizmente ;)

Idelber em novembro 9, 2005 4:45 PM


#24

Ei! Volta!

Abraço.

Milton Ribeiro em novembro 9, 2005 6:49 PM


#25

Amigos, desculpem o sumiço - foi acúmulo de trabalho :)

Idelber em novembro 10, 2005 1:12 AM