Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email:
idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro







selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« Censura na blogosfera do Grupo Folha :: Pag. Principal :: Testes infalíveis para escalar as seleções de todos os tempos »

sexta-feira, 31 de março 2006

No aniversário do golpe, véspera do dia da mentira

serra.jpg

Copiem, circulem (eu tirei daqui).

O vídeo do mentiroso é esse aqui.



  Escrito por Idelber às 20:36 | link para este post | Comentários (35)


Comentários

#1

Meu querídolo, tarso Genro fez algo parecido aqui em POA, declarou que peremptoriamente não renunciaria a prefeitura para concorrer ao governo do Estado, renunciou e deu no que deu. E olha que aqui no sul palavra é honra, o tal fio do bigode, hehehe. Algo me diz que também por isso puxaram o tapete do Serra. Uma coisa há de se reconhecer: o PT muito ensinou e muito pouco aprendeu. hehehe

Elenara Iabel em março 31, 2006 10:03 PM


#2

Que bom que voltou...

sandra em março 31, 2006 11:27 PM


#3

Como se dizia antigamente: "escreveu, não leu, o pau comeu" e agora tem sambinha "(...)o cavaquinho é um trem que carrega a multidão, quem tem jeito se rebola quem não tem bate na mão". Nessa orgia eleitoral não podemos esperar que eles cumpram promessas passadas; não faz parte da índole política nacional.

Luma em abril 1, 2006 9:08 AM


#4

Nao consigo compactuar com a ideia que em política tudo pode, usando disso para embasar um conformismo de alta periculosidade. O serra errou feio pois não cumpriu com sua palavra. Mas quero usar do espaço pra dizer que o Alkimin acabou com ele quando se impos como canditado. No máximo o Serra chega a governador, por que a Presidente, nunca mais!
Ninguem fica com medo do Alkmin?

Cristina Lanzni em abril 1, 2006 11:08 AM


#5

Creio eu, que pior fez o PT.

Ava Verhaal em abril 1, 2006 11:35 AM


#6

Reitero o que a Elenara disse: mr. Genro did the same thing.

Nelson Moraes em abril 1, 2006 12:08 PM


#7

Meu filho de 8 anos faz 1o. de Abril bem melhor....

Beijão.

sandra em abril 1, 2006 2:20 PM


#8

.. bem melhor que o dos políticos.(deixa eu explicar.) :)

sandra em abril 1, 2006 2:22 PM


#9

O PT disse que não roubava.

E deu no que deu. Antes um Serra que não leva em consideração esse documento do que uma Martha que deixa um rombo de dois bilhões e muita, mas muita coisa inexplicada.

As favre com eles.

Lefebvre em abril 1, 2006 2:34 PM


#10

jackie do Tricotando2.blogspot.com mandou eu vir aqui e ver seu post de hoje. Mas , não voto em São Paulo.Esse assunto é com os paulistas.Já me basta ver o governo federal infestado dessas pestes que surgem de todos os lados. Um estado que detem a hegemonia política no Brasil e hoje vemos que é na base do vale tudo.

Blogue da Magui em abril 1, 2006 2:41 PM


#11

Voltou com tudo!
Que bom. Eu estava mesmo sentindo falta de você.

Beijos

Alline em abril 1, 2006 3:53 PM


#12

Lamento pelas generalizações imbecis (expressão redundante) que criticam o "vale tudo" na política em São Paulo. Pestes não brotam de um estado apenas, e não é preciso ir longe para lembrar de Collor, Roberto Jefferson, o casal Garotinho, ACM ou Severino Cavalcanti. Sobre o post: Tarso Genro e Antônio Palocci fizeram a mesmíssima coisa. Caberá aos eleitores julgarem se o ato de Serra é mais condenável que tantas outras lorotas perpetuadas por outros políticos, independentemente de legenda, localização geográfica ou posicionamento ideológico.

Inagaki em abril 1, 2006 4:18 PM


#13

Concordo com o Nagaki. Pior do que generalizações imbecis é julgar a posição pessoal de alguém pelas suas críticas. Se falo mal de A eu necessariamente preciso apoiar o inverso de A.

O documento assinado por Serra é uma inutilidade. Todo candidato que se lança a um cargo está dizendo em teoria "ei, quero governar essa porra, viu? Não vou deixar vocês na mão".

Política é política. Se o ato do serra é deplorável, também o é o de qualquer prefeito, deputado, governador, vereador que renuncia para atuar em outra esfera.

Mas o Idelber não chama o Palocci de mentiroso, nem o Tarso. Lembra-se só do Serra.

Eu nucna gostei de José Serra e nunca votaria nele. Mas acho pior a turma do PT. E eu não vejo que devo votar no menor dos males.

Se ambos são uma bosta, escolho ninguém e ponto. É escolher se quero morrer com uma bala na cabeça ou com a garganta degolada.

Não sou eu o assassino. Ele que escolha, oras.

Lefebvre em abril 1, 2006 5:38 PM


#14

Só um detalhe: este blog falou das incoerências e mentiras do PT aqui, ali, e acolá. Ah, e alhures também.

Idelber em abril 1, 2006 6:14 PM


#15

Os paulistanos que votaram no Serra foram feitos de palhaços infinitas vezes. Ele prometeu uma administração melhor que a anterior (baseada numas análises equivocadas, quando não mentirosas, da administração anterior), prometeu ficar até o fim e agora no finzinho prometeu que o Kassab vai ser um bom prefeito. E deixou na mão a maior cidade do país. Tudo bem que Genro e Palocci fizeram coisa parecida, mas São Paulo precisa MUITO de uma continuidade de políticas, façam-me o favor, cresci no interior e tudo, mas as necessidades de Ribeirão não chegam nem perto das de São Paulo.

Estudei arquitetura e urbanismo, na época da eleição chegava a me dar agonia perceber o tamanho da ignorância necessária para tirar a administração petista do poder e colocar no lugar um sujeitinho que não tinha a menor noção do negócio. A cidade tinha planejamento e projetos, havia um norte a se seguir, e tudo foi jogado fora. Fazendo uma campanha de desinformação e calúnia, o Serra conseguiu provocar a onda de ignorância que o levou aa prefeitura. Tomara que isso não se repita, e aconteça agora o que o papel que ele assinou não fez: o fim de sua vida política.

Daniel em abril 1, 2006 6:37 PM


#16

E mais um detalhe sobre a comparação com a Marta: o mesmíssimo papel foi entregue a ela com a pergunta sobre se ela o assinaria. Ela se recusou a assinar.

Sobre a comparação com Palocci: ele renunciou à prefeitura de Ribeirão Preto chamado pelo virtualmente eleito presidente da República para ser Ministro da Fazenda. Mesma coisa, não é.

Sobre a comparação com Tarso: a saída da prefeitura de PoA foi um erro escabroso, horroroso, que eu critiquei na época. Mas deixava PoA nas mãos de João Verle; não deixava a prefeitura de PoA nas mãos de um malufista processado por enriquecimento ilícito. Mesma coisa, não é.

Idelber em abril 1, 2006 7:23 PM


#17

concordo, idelber. no alvo. minta quem quiser mentir, por que comparações e ressalvas nos impediriam de, ainda assim, chamar um mentiroso público de mentiroso público? mentiroso público, o josé serra, e quem quiser que o defenda...

pedro em abril 1, 2006 9:03 PM


#18

que bom que você voltou!

lucia em abril 1, 2006 10:15 PM


#19

Eu ainda me pergunto como ainda tem pessoas que se espantam quando um político age dessa forma. A maioria dos comentários acima possui algum exemplo igual ou semelhante ao que foi feito, o que prova que não é novidade alguma, um político dizer algo e não cumprir.

Era certo que ele não ficaria na prefeitura até o fim de seu mandato. Tentou ser candidato a presidente pelo PSDB, mas perdeu nas prévias para o Alkmin e agora vai concorrer a governador de SP, ou seja permanecer até o fim do mandato estava totalmente fora de cogitação.

Emerson em abril 1, 2006 10:45 PM


#20

O que eu condeno, acima de tudo, é a assinatura daquele documento. Só um misto de arrogância, insensibilidade e má fé leva um político a assinar um documento daquele.

Política é um eterno jogo de interesses (se possível, dos interesses do povo). Interesses mudam conforme as as circunstâncias e ignorar que as circunstâncias mudam é pura arrogância.

Garanto que muitos que votaram no Serra para prefeito votariam agora para presidente ou governador. Ignorar isso seria insensibilidade (morte) política.

Como o Serra não é nenhuma criança, como ele não é nenhum bobo, chegamos à última afirmação. Má fé. A assinatura daquele documento só pode ser interpretada como má fé.

Bear em abril 1, 2006 11:07 PM


#21

Bom dia Idelber.
Ontem quando vi o “papelzinho em branco” com a bobeirinha do Serra”, pensei não vou comentar porque “Quem muito se evita, se convive”, mas hoje pela manhã, acordei com a cabeça limpa e pensei: Qual o significado de um Ministro da Fazenda ser acusado de violar o sigilo bancário de um cidadão? Não, porque, nem mamãe mexia nos meus pertences quando eu comecei a ficar grandinha.
Que Estado é este?

O Serra com a mentirinha singela, para não dizer de outra forma, não consegue sequer desviar por um instante o que pesa na minha mente em relação ao Estado e, tem mais, até o momento “ninguém” veio a Nação para explicar o que está acontecendo. Um crime como violação de sigilo bancário está previsto no Código Penal!!!

Não quero aqui justificar o Serra, mas, juro que com essa dele eu já estava acostumada.

Um abraço

Tania

Tania em abril 2, 2006 8:51 AM


#22

É dificil entender quem quer comparar a besteira que o Palocci fez no caso do caseiro e a bobagem de Serra com essa história de largar a prefeitura.

Palocci, que aliás me parece o pricipal responsavel pelo fato do governo Lula ter sido mais bundão do que deveria, cometeu um crime e pelo que parece vai pagar por isso, se não cumprindo pena pelo menos com um filme queimado pelo resto da vida. Além do mais, ao cometer esse ato, perdeu apoio do Presidente, da PF, do ministro da Justiça, enfim, na verdade o Estado não quebrou o sigilo do tal caseiro, o Estado fez o responsável pela quebra perder todo seu poder e terminou com sua vida política, algo que ainda está para acontecer com o Serra, infelizmente. E, para minha humilde opinião, mais danosa que a quebra do tal sigilo foi a "Carta aos Brasieiros". A quebra prejudicou diretamente o tal caseiro e indiretamente causou uma onda de frustração e desapontamento, mas a tal carta, bem, o próprio nome diz, foi p/ todos os brasileiros. Certamente estamos melhor sem o Palocci. Mas o Serra ainda está por aí, já estou agoniado pensando em tudo que vai rolar nessa campanha dele, toda a mentira e desinformação.

Daniel em abril 2, 2006 2:36 PM


#23

Tânia, tenho certeza de que o Idelber não quis colocar a mentirinha do Serra no mesmo patamar da quebra do sigilo, do mensalão e nem do projeto totalitário capitaneado pelo PT financiado com dinheiro desviado.

Bear em abril 2, 2006 7:12 PM


#24

É engraçado quererem justificar a falta de caráter de alguém, apontando um mesmo ou parecido erro cometido por outra pessoa.

Eduardo em abril 2, 2006 10:25 PM


#25

A declaração de José Serra de que estava deixando a prefeitura de São Paulo seguindo a orientação de seu partido só ressalta (mais uma vez) que os interesses do povo não estão no foco desses "profissionais da política". Subestimam a inteligência e memória do eleitor (pra falar pouco). Pena que nosso voto e´como decreto de um rei....não pode ser revogado!

J. Carlos em abril 2, 2006 11:47 PM


#26

Analisando o futuro político do Serra, esta saída da prefeitura é talvez um mal menor pra suas pretensões futuras, uma delas o sonho de ser presidente.

Segundo pesquisa recente, ele tem uma preponderância bastante grande aos demais candidatos. Assegurada a eleição do Estado, este daria um impulso bastante grande para a postulação presidencial.

Continuar na prefeitura agradaria os munícipes, mas ao mesmo tempo sua exposição se dá em base e prestígio menores, tendo um interregno bastante grande para um cargo de maior estatura, diminuindo bastante o seu cacife para lutar com os demais candidatos do próprio partido. É um quase suicídio para suas pretensões mais arrojadas, e o tempo corre contra ele.

Não quero aqui dizer que o Serra agiu certo ao romper com a promessa, só estou realizando elucubrações se estivesse no lugar dele, sabendo que a política é, infelizmente, quase à base de cotoveladas, onde o calendário eleitoral é perverso para certas pretensões. Isso o impediu, inclusive, de embate arrojado com o Alckmin.

Flavius em abril 3, 2006 12:01 AM


#27

Ainda resta a esperança dele perder a eleição para governador, o que não é nada difícil.

gugala em abril 3, 2006 8:56 AM


#28

Sem comentário.

pecus em abril 3, 2006 4:59 PM


#29

A propósito de quem mente mais, vai fazer bem a muita gente assistir ao filme Mentiras Sinceras, que aqui tá passando no Cine XIV, no Pelourinho. O filme trata de um triângulo amoroso, mas tem toques interessantes sobre essas histórias de mentiras. De como elas nos interessam ou não a depender da situação.

Socorro em abril 3, 2006 5:27 PM


#30

A política no Brasil está tão decadente que esse tipo de erro do Serra - que é gravíssimo - passa desapercebido e é minimizado. Afinal, Tarso Genro e Palocci também fizeram a mesma coisa (chegaram a registrar em cartório). Afinal, depois de mensalões e "caseirogate", o que pensar de nossos políticos? Depois do abuso de poder por parte de Palocci e das promessas de campanha descumpridas, aonde iremos parar?

Sim, de fato, estamos num mato sem cachorro. Nunca foi tão difícil votar.

J. em abril 3, 2006 6:29 PM


#31

Ah, não adianta. Isso lembra aquela idéia de Nietzsche, de que os pseudo-filósofos se colocam a pensar não usando um pensamento livre, mas sim empregando o intelecto para achar desculpas e justificativas para aquilo em que acreditam.

Quando petistas pouco lúcidos vão 'defender' as mancadas de Brasília, usam o super-ultra 'argumento' de que o PSDB fez pior. Ok, acho que até fez, mas isso não é desculpa.

Assim como não é desculpa - quanto ao compromisso de Serra - dizer que Palocci fez o mesmo (porque não fez, Idelber já mostrou as grotescas diferenças) ou que foi idêntico ao que fizeram Tarso Genro (que deixou um parceiro em seu lugar, não um ex-adversário envolvido nisso e naquilo).

José Serra assumiu um compromisso com seus eleitores. Chegou ao ponto de assinar um documento, e concordar com seu registro em cartório, para depois voltar atrás. Ele poderia muito bem não ter assinado, não ter concordado.

Todos já sabiam das intenções eleitorais de Serra, o tema foi levantado durante a campanha porque era óbvio demais. Tão óbvio que aconteceu.

E voltou atrás porque 'pretende salvar o Estado'? Não, nada disso. Sapateou na bola porque aparece na frente, nas pesquisas.

Mas, se é o preferido do eleitor, é porque o povão não dá a menor bola para esse negócio de 'manter a palavra'. Vamos agora tapar o sol com a peneira? Ora! Palavra não vale nada, nunca valeu.

Pelo menos nestas bandas, nunca valeu coisa alguma. O finado bicheiro Castor de Andrade (foi ele?) deixou para a história a mais perfeita frase a esse respeito: 'aqui, só vale o escrito'.

Na política, porém, nem o escrito vale.

Gravatai Merengue em abril 4, 2006 4:41 AM


#32

Não entendo as críticas. Quer dizer que todos os partidos agora podem fazer caixa dois em suas campanhas e niguém pode falar nada, afinal o PT também fez? Qual é!? De uma hora para outra todos reconheceram que o PT, apesar de tudo o que se descobriu, ainda se mantém moral e éticamente superior ao PSDB e, se "até" alguém do PT fez alguma coisa então é aceitável que alguém do PSDB também o faça?

Elton em abril 4, 2006 7:00 PM


#33

E mais:
Lembrando-se que na campanha eleitoral as propostas de governo do Serra eram basicamente manter tudo o que a Marta estava fazendo (o que não cumpre), só que melhorado, quantos eleitores não teriam preferido votar em Marta se acreditassem que Serra abandonaria seu cargo deixando em seu lugar o malufista safado, daquele partido que só tem safados?

Elton em abril 4, 2006 7:15 PM


#34

Palocci fez o mesmo quando candidato à prefeitura de Ribeirão Preto. E aí?

Alan em maio 15, 2006 11:49 PM


#35

Mas o Palocci pode - ele é do PT e fez em prol do partido.
Partido Totalitário é isso aí - só comete crime e é expulso do partido quem vai contra as decisões do príncipe gramsciano.

Frederico Correa em maio 17, 2006 2:47 PM