Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email:
idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro







selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« Blogagem ao vivo da estréia do Brasil :: Pag. Principal :: Ulisses, de James Joyce: Celebração do Bloomsday »

quinta-feira, 15 de junho 2006

Parreira inventa o revolucionário esquema 6-0-4

parreira.jpgParreira e Golias: separados no nascimento?

Com outras palavras, o Milton Ribeiro já explicou a coisa lá no Verbütsfussballbloge, mas quem achou a expressão exata foi a Mary W: o time do Parreira joga no 6-0-4. Depois do 3-7-0 inventado pelo Geninho no Corinthians, é a grande invenção da tática tupiniquim: um time sem meio-campo. Não pode dar certo mesmo.

Todas as grandes equipes têm uma cabeça pensante no meio-campo, um armador de jogadas. É o velho meia-armador: o Brasil de 58 e 62 tinha Didi, o Brasil de 70 tinha Gérson, o Inter dos bons tempos tinha Falcão, o Galo tinha Cerezzo, o Flamengo tinha Adílio, extraordinário jogador ofuscado pelo brilho de Zico. Não há como armar uma grande equipe sem um cérebro pensante no meio-campo (não, isto não é um pleonasmo: há uma legião de cérebros não-pensantes por aí).

O Brasil de Parreira, tendo em mãos uma geração talentosíssima, joga com dois volantes (Emerson e Zé Roberto), dois meias-atacantes (Kaká e Ronaldinho Gaúcho, este último atuando completamente fora de sua característica), dois centroavantes (Adriano e Ronaldo) e nenhum armador nato. O resultado é que o time não tem meio-campo propriamente dito: ele vira uma sucessão de compartimentos estanques.

Emerson é um bom volante de contenção, mas é incapaz de criar jogadas na saída de bola do Brasil. Zé Roberto até tem algum talento criador, mas no esquema de Parreira ele é destruidor, roubador de bolas e responsável pela cobertura de Roberto Carlos – funções que ele executa bem, mas que não lhe deixam tempo nem energia para criar nada. Quando o Brasil recupera a bola, essas funções ficam nos pés de Kaká e Ronaldinho Gaúcho, que têm que voltar para atuar numa faixa do campo que não é a sua.

Kaká demonstrou raça contra a Croácia e voltou para buscar jogo. Mas aí ele sai de sua característica, que é a arrancada a partir da intermediária adversária. Ronaldinho, recebendo bolas lentas no círculo central e tendo diante de si toda a defesa adversária, jamais será o jogador que conhecemos no Barcelona. Para piorar as coisas, a dupla de ataque é redundante: tanto Ronaldo como Adriano são finalizadores, jogadores de área. Adriano até tentou, mas jamais será capaz de sair da área para armar tabelas. Não sabe fazer isso. Ronaldo andou em campo. Com dois tanques lá na frente e sem meio-campo, não dá. Juca Kfouri disse isso outro dia no blog dele e eu também falei da impossibilidade de que Ronaldo e Adriano joguem juntos exatamente um ano atrás.

De tanto ser chamado de retranqueiro, parece que Parreira, por pirraça, resolveu montar um time com um excesso de atacantes – só na teoria, claro, ele é um time “mais ofensivo”. Termina sendo até um time mais defensivo, porque não consegue manter a bola no campo do adversário.

Muita gente se pergunta por que Ronaldinho Gaúcho – apesar de às vezes jogar muito bem na seleção – não consegue repetir lá as atuações encantadoras que faz no Barcelona. Parreira responde com o papo-furado de que no Barcelona ele brilha porque é a única estrela, e na seleção tem que dividir o palco. Nada disso: ele não brilha porque meia-atacante nenhum vai brilhar recebendo a bola no círculo central, sem arranque e tendo 6 defensores pela frente.

Conclusão clara para quem conhece o plantel da seleção: o Brasil precisa de Juninho Pernambucano, armador nato, que além do mais sabe dar combate. Isso possibilitaria adiantar o Ronaldinho Gaúcho para que ele atuasse na faixa do campo onde ele é o melhor do mundo. Possibilitaria também que a bola chegasse a ele e a Kaká na faixa de campo em que eles arrebentam.

Quem deve sair? Ronaldo, claro. Será que vocês vão achar que é arrogância minha se eu disser que isso é o óbvio do óbvio?



  Escrito por Idelber às 02:16 | link para este post | Comentários (17)


Comentários

#1

Viste o R. Gaucho lançando no vazio mais de uma vez ? Estamos sem armador e com 2 centro-avantes batendo cabeça, ou melhor, barriga.
Quero ver o Ronaldo começar o jogo com a Australia. Se não der mais mesmo p/ ele então banco direto até o fim da Copa. (Ele está com algum problema além de somente o físico. Febre amarela? Como bem disse o Sérgio Faria)

Alemanha suou para arrancar unzinho da Polonia mas jogou pra cacete.

Fábio S. em junho 15, 2006 10:03 AM


#2

Muito bem explicado. Ainda assim, a seleção que você propõe não me parece a ideal, mas a possível com estes jogadores e com o Parreira.

andre lopes em junho 15, 2006 10:21 AM


#3

Ronaldinho Gaúcho chegou ao Barcelona no início da temporada 2003/2004, mas só começou a brilhar no segundo turno, com a chegada de Davids ao time.

O Barcelona começou aquela temporada de forma desastrosa, passou o primeiro turno na ponta de baixo da tabela e, com a chegada do jogador holandês, fez um segundo turno magnífico, e só não levou o título porque o Valência foi regular o campeonato inteiro. Acabou na segunda colocação.

No final da mesma temporada, Davids saiu, mas para seu lugar chegou Deco, peça fundamental no esquema do técnico Rijkaard no Barcelona, e de Felipão na seleção portuguesa.

Ou seja, pra Ronaldinho brilhar, alguém tem que carregar o piano no meio-campo. E, na seleção brasileira, o homem certo para fazer isso, com certeza, é o Juninho.

Ricardo Antunes da Costa em junho 15, 2006 10:53 AM


#4

Adicionaria:
Ademir da Guia talvez o mais brilhante armador "de clube" de todos os tempos, já que Didi e Gérson brilharam na seleção. Dirceu Lopes, um dos melhores jogadores brasileiros de todos os tempos.
Mengálvio que foi o armador do Santos no tempo que o time praiano jogava de dois em dois dias, mas que em momentos decisivos teve ao seu lado o volante que 'carregava o piano' como poucos, 'armava como muito poucos' e, vejam só eventualmente 'tabelava' com Pelé!

Sou a favor de que Ronaldo entre jogando.

Paulo em junho 15, 2006 10:57 AM


#5

Bem lembrados o Ademir da Guia, Dirceu Lopes e Mengálvio, Paulo. São nomes que me passaram pela cabeça quando fazia o post.

Você jogaria com a mesma formação que o Parreira tem usado?

Idelber em junho 15, 2006 11:21 AM


#6

¡Si, Se Puede!

Que beleza! O Equador se classificou! Ganhou bem da Costa Rica, e tem até a vantagem do empate contra a Alemanha na decisão do grupo.

Agora é torcer pro Paraguai contra a Suécia.

¡Si, Se Puede!

Ricardo Antunes da Costa em junho 15, 2006 2:24 PM


#7

"Cerezzo" é "phoda".

Rogério Almeida em junho 15, 2006 3:59 PM


#8

e o maior crime do Parreira me parece esse. Tirar o Gaúcho da característica e inviabilizar que ele brilhe. Quem assisti os jogos do Barcelona nao tá reconhecendo mesmo.

mary w. em junho 15, 2006 4:35 PM


#9

(assiste). E minha "soluçao" tambem é o Pernambucano.

mary w. em junho 15, 2006 4:36 PM


#10

Pois é, mary, vamos ver se o Parreira acorda. Hoje a Folha noticiou que ele já confidenciou aos mais "próximos" que Ronaldo pode sair já no terceiro jogo :-)

Idelber em junho 15, 2006 4:44 PM


#11

o pior de tudo é perceber a força que a cobertura da rede globo faz pra que o clima de "sai fora, ronaldo" não transpareça em suas reportagens. em algum momento, um deles até falou que, assim como na copa da frança, o ronaldo resurgirá das cinzas lerdas em que se encontra e brilhará, conseguindo a façanda de se tornar o maior artilheiro das copas...

alguém devia preservar esse moço, respeitar a história dele - que de fato é impressionante. chamar o parreira de lado, na boa e confidenciar a ele o que é óbvio a todos. sim, idelber, é óbvio. mas o parreira nunca vê. ou não quer ver. ou não pode. sei lá...

e agora a austrália. será que seremos campeões com sete gols? campeões e loucos todos? queiram os deuses do futebol que não.

abraço.

Thiago em junho 15, 2006 6:29 PM


#12

Parreira acha que Copa é guerra pra jogar com dois tanques la na frente...Juninho já, Ronaldo nao tem condição nenhuma, parece um amador no meio de atletas profissionais

Penalva em junho 15, 2006 7:51 PM


#13

"Phoda" é o sujeito vir corrigir e ainda corrigir errado. Só para que conste: Antonio Carlos Cerezzo é o nome que consta na certidão, embora muita gente escreva "Cerezo".

Idelber em junho 15, 2006 7:54 PM


#14

Não entendo isso de 6-0-4. Vc falou que o time do Brasil não tem meio-campo e deu uns exemplos anteriores. Só para eu me situar: seria como o Dunga? :)

Isadora em junho 15, 2006 9:09 PM


#15

Não exatamente, Isadora. O Dunga em 94 e 98 cumpria a função que hoje é do Emerson: cabeça-de-área, aquele meio-campista que joga bem na frente dos zagueiros e cuja função é roubar bolas, dar combate. Isso nós temos. O que não temos é o segundo cara no meio-campo: o que recebe as bolas e arma jogadas, lança, cria. É o chamado meia-armador (Didi, Gérson, etc.). Do plantel que o Parreira levou só o Juninho Pernambucano poderia mesmo cumprir essa função com naturalidade. Por isso há tanta gente pedindo a escalação dele.

Idelber em junho 15, 2006 9:49 PM


#16

Eu não concordo que o Émerson e o Zé Roberto não podem ser a saída para o ataque que o Brasil precisa. O problema é que eles precisam ficar muito atrás, assim como acontece com o Ronaldinho. Se tivessem o Gilberto Silva cobrindo, poderiam sair com tranquilidade. Mas o Juninho faria isso com mais qualidade, com certeza.

Mas como eu disse lá no outro blog (o alemão aquele :)), se essa tarefa fosse confiada ao Émerson e ao Juninho, aí sim seria perfeito. Como eu acho que o Zé Roberto não pode sair do time, sobra para o Roberto Carlos.

Locão em junho 16, 2006 2:03 AM


#17

Eu também escalaria o Zé Roberto no lugar do Roberto Carlos, Locão. Aliás, a tua escalação está fantástica.

Idelber em junho 16, 2006 2:05 AM