Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email:
idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Dilma na Rede
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Escreva, Lola, escreva
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Liberal libertário libertino
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro







selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« Parreira inventa o revolucionário esquema 6-0-4 :: Pag. Principal :: No blog da copa »

sexta-feira, 16 de junho 2006

Ulisses, de James Joyce: Celebração do Bloomsday

bloomsday.jpg

Pausa na Copa porque um valor mais alto se alevanta.

Hoje é o dia em que, no mundo todo, os leitores do mais radical, inventivo e revolucionário romance jamais escrito celebram (de preferência com uma boa cerveja) a Irlanda, James Joyce e Ulysses, a obra-prima. Na blogosfera brasileira, pelo segundo ano consecutivo, o Odisséia Literária pilota as comemorações, com vários posts espaçados durante as quase 24 horas em que tem lugar a ação do livro.

joyce.jpgA história? Nada mais banal. No dia 16 de junho de 1904, Stephen Dedalus, professor de escola secundária, conversa com seu amigo Buck Mulligan, dá uma aula e passeia no rio; Leopold Bloom, vendedor, atormentado por uma possível traição de Molly, sua mulher, toma café da manhã, recebe uma carta de amor endereçada ao seu alter-ego, vai a um funeral, visita um editor de jornal, lancha num bar, olha um anúncio de jornal na biblioteca (enquanto Dedalus discute Shakespeare com amigos), responde a carta recebida, leva porrada de um anti-semita, masturba-se observando duas garotas, encontra-se com Dedalus num hospital, leva-o a um bordel e convence-o a acompanhá-lo até a sua casa; ambos urinam no jardim, Bloom entra e se deita ao lado de Molly, que fecha o romance com um monólogo cheio de pornografia. Fim da história.

Em cada um dos 18 capítulos, aproximadamente uma hora de ação; em cada um, correspondências cheias de ironia com um episódio da Odisséia, de Homero; em cada um, um sistema detalhado de referências a uma ciência ou ramo do conhecimento; em cada um, uma parte do corpo alçada a símbolo; em cada um, uma infinidade de enigmas, jogos de palavras, paródias, trocadilhos, paranomásias, neologismos, arcaísmos, estrangeirismos e todas as operações com a linguagem que você puder imaginar e mais algumas. Foi o romance que inventou essa coisa que hoje parece tão banal: o monólogo interior.

Publicado em 1922 e proibido como “pornográfico” nos EUA até 1933, Ulisses pode até não ser o maior livro jamais escrito, mas com certeza é a resposta mais produtiva à famosa perguntinha sobre qual livro levar à ilha deserta. “Eu coloquei nele tantos enigmas e quebra-cabeças que ele manterá os professores ocupados durante séculos ” disse Joyce sobre Ulisses. Menos de 100 anos se passaram, mas já se sabe que dará trabalho por muito mais.

Não leu ainda? Se domina bem o inglês, há uma fantástica versão em hiper-texto. Antônio Houaiss fez uma já legendária tradução ao português; agora há uma nova tradução, de Bernardina Pinheiro, que eu ainda não li, mas que vem sendo elogiadíssima como texto mais coloquial e picante que o de Houaiss – e portanto, talvez, mais fiel a Joyce.

Não se deixe levar pela fama de "difícil" do livro: poucas vezes escreveu-se coisa tão engraçada, escandalosa, divertida e sexual como Ulisses. Em cada diálogo, cada cena, cada capítulo, mil sentidos. O treco não acaba nunca.

primeira-pagina-ulysses.gifManuscrito da primeira página de Ulisses.

Todo 16 de junho eu sinto saudades de Haroldo de Campos, que comandava as comemorações aí no Finnegans Pub, em Pinheiros, Sampa. Se você está em São Paulo e quer comemorar o Bloomsday, o point é esse. Em Belo Horizonte, poetas e músicos se reunirão no Teatro Francisco Nunes às 18:30 para celebrar “Bloomsday com Rosa” porque afinal Grande Sertão: Veredas, o mais joyceano dos nossos romances, completa 50 anos de publicação.

Links para curtir o Bloomsday:

Odisséia Literária, que vai estar fervilhando hoje, com sucessivos posts.
Texto completo do Ulisses em inglês.
Ulysses for Dummies (Ulisses para idiotas) com quadrinhos hilários.
Pequeno resumo e informações sobre o legado da obra.
Leitura coletiva da obra no blog português Leitura Partilhada.
Mapas, enigmas e histórias relacionados com Ulisses.

Tim-tim, feliz bloomsday para todo mundo, visitem o Leandro e viva a Irlanda.



  Escrito por Idelber às 02:03 | link para este post | Comentários (17)


Comentários

#1

Que pecado professor, ainda não li Ulissess.

Acho que é um bom dia para começar...

Abs.

Edk em junho 16, 2006 3:52 AM


#2

Idelber, eu também ainda não li e tinha o audacioso objetivo de ler no original. Tenho me virado em inglês, mas sempre soube que a hora de ler Joyce no original iria requerer tempo, paciência, disposição e disciplina (para ler e reler e recorrer ao dicionário). Sobram-me as três últimas, sempre me falta o primeiro. Peço, portanto, um conselho ao professor. O que é melhor: ler a versão traduzida e ficar com o gostinho de que não li Joyce de verdade ou continuar esperando as CNTP para ler o original?

Alessandra Alves em junho 16, 2006 11:04 AM


#3

Com certeza ler a tradução, Alessandra. Parece que a tradução da Prof. Bernardina é muito boa, vale a pena. Você sempre pode voltar depois e ler o original também :-)

Idelber em junho 16, 2006 11:19 AM


#4

“Eu queria dar trabalho aos críticos e leitores por 300 anos” disse Joyce sobre Ulisses. Menos de 100 anos se passaram, mas já se sabe que dará trabalho por muito mais.

VIDE _New Yorker_ desta semana em que ha' um perfil do neto de James Joyce, que vem negando acesso a tudo manuscritos e cartas etc. assim como autorização de todo tipo para reprodução, citação, etc. Stephen James Joyce o cara se chama e detesta acadêmicos e pessoas bem-sucedidas./ E o filme que nunca mais foi visto nestas paragens?

charles324@hotmail.com em junho 16, 2006 12:04 PM


#5

Verdade, Charles. O neto de Joyce pertence a uma larga galeria de herdeiros preocupados em aparecer e dificultar a vida de quem ama a obra. Inclusive o projeto do Ulisses digital gorou por intervenção dele. É um chato!

(Edk, não há dia melhor para começar!)

Idelber em junho 16, 2006 12:28 PM


#6

Et moi aussi! Estou terminando o post, só vim aqui conferir para ver se tinha alguma coisa relacionada. òtimo post aliás. Beijinhos

Bibi em junho 16, 2006 5:29 PM


#7

tem muita gente, patrioteira, diga-se de passagem, q vê semelhanças entre o magistral ulysses de joyce e o grande sertão veredas de guimarães rosa. mas um enorme abismo os separa. o ulysses é um marco na literatura moderna. inovador em todos os sentidos, cosmopolita, mordaz enquanto o "nosso" guimarães rosa é rural demais, até, diria, provinciano. tudo bem, a exemplo de joyce, existem alguns trocadilhos e palavras coloquiais da lingua "brasileira" incorporadas à literatura. e paramos por aí. mas daí a comparar guimarães rosa a joyce é uma tremenda forçação de barra. os dois estão anos-luz distantes um do outro.

frank em junho 16, 2006 5:36 PM


#8

Voltei só para dizer que mudei o feed que assinava do seu blog. Agora assinei o que você recomenda aqui no blog - embora odeie as atualizações com comentários. Arrumei para não recebê-las. Vamos ver se agora o puto do Bloglines funciona com esse novo feed.

Fui!

Bibi em junho 17, 2006 6:36 AM


#9

"Não se deixe levar pela fama de "difícil" do livro: poucas vezes escreveu-se coisa tão engraçada, escandalosa, divertida e sexual como Ulisses. Em cada diálogo, cada cena, cada capítulo, mil sentidos. O treco não acaba nunca."

Agora vc entrou em contradição: são esses mil sentidos possíveis justamente o que fazem da obra uma obra difícil. ;)

alex castro em junho 17, 2006 2:59 PM


#10

hmmm, Alex, talvez eu não tenha me expressado bem; acho que há duas confusões aqui: polissemia e dificuldade não são sinônimos. Há mil sentidos em L'étranger de Camus também, um romance de leitura simples.

No caso de Joyce, é verdade que Ulisses é difícil. Pacas. A fama é justificada. Mas com "não se deixar levar pela fama de difícil" eu quis dizer: "não deixe de ler só porque todo mundo fica falando (com razão) que é difícil". Só isso. A seleção brasileira pode até ser a melhor do mundo, mas se você entrar em campo contra ela só pensando que ela é a melhor, não vai vencer nunca. Dá uma olhada nesse texto que o Leandro postou aqui e no comentário que eu fiz; veja o que você acha. Abraços,

Idelber em junho 17, 2006 11:55 PM


#11

Oi, Bibi, O feed sem atualização com os comentários é esse aqui, confere?

http://www.idelberavelar.com/index2.xml

(tenho que colocá-lo no template, ainda não fiz isso; beijos)

Idelber em junho 18, 2006 12:26 AM


#12

ih, nem sei mais. Matei o coitado ontem à noite. Esse que você sugere aqui está funcionando. O que eu gostava no outro, quando funcionava, era a ausência dos comentários.
Beijinhos e bom domingo.

Bibi em junho 18, 2006 2:36 AM


#13

Caríssima Bibi

Guimaraes Rosa é provinciano?
E um comemtario pertinente, para uma pessoa "cosmopolitana" possuidora de uma riquíssima linguagem como: uma tremenda forçada na barra.
Sorte de seu professor que tem papagaios, a nao conhecer e a repetir suas lições.

Dá o pé loro..

Julia Andrade em julho 20, 2006 4:11 PM


#14

Julia, a pessoa que fez o comentário sobre o "provincianismo" de Rosa não é a Bibi; o comentário é assinado Frank. Eu, particularmente, achei que não valia a pena responder...

Idelber em julho 20, 2006 5:32 PM


#15


Peço desculpas a Srta Bibi, transferindo a indignaçao do mal comentário feito referente o escritor Guimaraes Rosa. Transferindo a indignacao ao Sr Frank.

Sem mais

Prof Julia

Julia Andrade em julho 21, 2006 7:42 PM


#16

James Joyce é realmente o maior autor do Seculo XX. Seu intricado processo de criação resultou num trabalho cuja decifração é dificil, senão impossível a uma só pessoa. Sua grandeza é justamente esta, porque contar uma estória é fácil, o difícil é contar uma estória de uma maneira totalmente diferente dos demais. Creio que a pesquisa formal é o verdadeiro caminho da nova literatura, qualquer outro caminho é pura repetição do que já fora feito anteriormente. Joyce nos introduz num mundo cuja apreensão não se faz num simples olhar, mas num constante contacto e meditação até que a vista nos torne acostumados àquele mundo que nos é mostrado. El Carmo.

El Carmo em julho 29, 2006 6:02 PM


#17

Ainda não li, MAS SOU FASCINADO PELOS COMENTÁRIOS, muitos que já li. Vou criar coragem, vou ler.
dacorte

derlei corte' em agosto 3, 2006 10:30 AM