Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email:
idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro







selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« Quem é Zinedine Zidane? :: Pag. Principal :: Dia Internacional do Rock e os 20 anos de carreira do Witchhammer »

sexta-feira, 14 de julho 2006

Clube de leituras: Antes do Grande Sertão

Guimaraes.jpg

São fracos os recursos existentes na internet sobre Guimarães Rosa. O Projeto Releituras traz um resumo biográfico mínimo com quatro contos ; há um bom artigo de um professor da medicina da UFMG, um interessante blog de citações e não muito mais. O artigo da Wikipedia não traz nem o essencial e fala de Rosa como “realista mágico,” o que é um chute bem longe do gol: o “realismo mágico”, tal como desenvolvido por García Márquez a partir de uma idéia de Alejo Carpentier em El reino de este mundo (de 1949, quando este ainda chamava a coisa de “lo real maravilloso”) tem pouco que ver com o que faz Rosa, tanto nos contos como nas novelas ou no Grande Sertão. Em Rosa não há formigas invadindo cidades ou mulheres gordas que voam. Não há essa tentativa de produzir um espanto artificial com a realidade: o realismo mágico pressupõe um olhar estrangeiro, alheio ao mundo que se narra, olhar que é a chave para que se produza o efeito "fantástico" ou “mágico”. Em Rosa, todo o contrário: Riobaldo é dali, do sertão, rigorosamente interno ao que narra. O estranhamento que aquele mundo produz não é fruto de um olhar que o vê como exótico. O estranhamento vem das entranhas mesmas.

Há excelentes estudos acadêmicos sobre Rosa, mas a universidade também já tropeçou bastante para falar dele: num colóquio recente, a chamada avisava que "Guimarães Rosa soube conciliar as reflexões e os estilos mais autenticamente brasileiros (ensaismo e oralidade) com as formas narrativas das vanguardas (fluxo de consciência, memória involuntária), como se não existissem ensaísmo e “oralidade” em outros lugares, ou como se as “formas de vanguarda” já não fossem, em 1956, tão “brasileiras” como o futebol. Ou seja, confusão pura. Generalidades sobre o “local” e o “universal” – e a combinação entre eles – são o pão-com-manteiga da crítica roseana. Já não acrescentam muito.

Nos sites de língua estrangeira há alguns chutes na arquibancada também. Um verbete americano fala de “naturalismo” em Guimarães Rosa (aliás, a tradução ao inglês de GSV, The Devil to Pay in the Backlands, é o trabalho de tradução mais horrendo já feito com um grande autor). “Naturalismo”, aqui no caso, está bem longe do justo; “naturalista” é a secura de Euclides da Cunha, autor ainda marcado por determinismos vários. Se no mundo naturalista a realidade se deduz com um grau razoável de certeza a partir de certas determinantes (raça, meio, herança genética), em Rosa tudo é turbilhão e incerteza, não só na cabeça do personagem, mas no tempo e fluxo do próprio texto. Mais inventivo e anti-naturalista, impossível.
gsv-2.jpg

“Regionalista” é outra palavra que aparece com freqüência para designar a literatura de Rosa. Aplicado a ele, o termo mais confunde que explica. O rótulo tem longa história na literatura brasileira, pelo menos desde os romances “regionais” de José de Alencar (como O Gaúcho), e designa aquela literatura (em geral rural) que se dedica não só a retratar uma região mas a criar personagem e problemática supostamente únicos àquele lugar. O regionalismo é uma fábrica de tipos (o vaqueiro, o retirante, a mulata do Recôncavo, etc.). Em Rosa não há tipos, só personagens múltiplos e fragmentados. O cenário de Rosa é, sim, rural e o lugar é tematizado repetidas vezes, mas o movimento é inverso ao do regionalismo: tudo no sertão de Rosa acaba virando mundo e englobando a própria cidade ao qual o sertão aparentemente se oporia. Quanto mais tu entras no movimento centrífugo do redemoinho, mais ele te joga, centrípeto, para o universo.

Essas são apenas algumas das palavras problemáticas que se repetem sobre Rosa. Isso não quer dizer que aqui ou ali elas não possam ser úteis, mas para descrever o que fez Rosa, são redutoras. Como ele renovou a língua mais que qualquer outro autor em português, o léxico da crítica também tardou um bom tempo para começar a dar conta do que acontecia. Ainda falta muito, mas há incontáveis trabalhos de qualidade por aí. Na vastíssima coleção de títulos, três me são especiais:

O volume da Coleção Fortuna Crítica, já esgotado mas facilmente encontrável em sebos e bibliotecas, traz uma compilação de muitos dos melhores artigos já escritos sobre Rosa, por feras como Haroldo de Campos e Benedito Nunes. Vale a pena.

O Léxico de Guimarães Rosa, de Nilce S. Martins, é um trabalho recente, assombroso, organizado em forma de dicionário. São 8 mil verbetes, com todas as invencionices de Rosa. Para quem quer ir fundo, é indispensável.

A Vereda Trágica do Grande Sertão: Veredas, da minha conterrânea (e feríssima) Sônia Viegas, é a mais aguçada leitura filosófica do romance.

Eu estou relendo o livro pela sexta vez, acho. E estou ainda mais assombrado do que fiquei em 1985, quando li pela primeira vez, no colégio.

Na semana que vem começamos uma discussão sobre Grande Sertão: Veredas aqui, organizada o demo sabe como. Talvez possamos fazê-la por assuntos, ao longo de três ou quatro posts, que poderiam tratar de temas como o fáustico (todo o drama da alma e do pacto com o diabo), o amor Riobaldo-Diadorim (que é pano pra manga que não acaba mais) a estrutura do texto e a linguagem (que tal uma coleção de citações do livro?), o rico problema da memória no texto, e o que mais nos der vontade. Provavelmente os assuntos vão se misturar. É a lei do sertão.



  Escrito por Idelber às 04:41 | link para este post | Comentários (27)


Comentários

#1

Muito bom o seu post. Apenas tenho uma sugestão: incluir Zé Bebelo como mais um dos temas -- personagem riquíssimo e cheio de detalhes. Inclusive, há quem diga que Guimarães Rosa se inspirou em Rotílio Manduca, deixando algumas pistas em duas ou três passagens do livro.

Isadora em julho 14, 2006 9:30 AM


#2

"Realismo mágico"? De onde saiu isso? Eu ainda não terminei o livro, mas já deu para notar que não tem nada de mágico. Aliás, ele tem um jeito árido e duro, que nem o couro que a jagunçagem usa.

Idelber, acho que deveríamos dar uma turbinada no artigo do livro na wikipedia. Nem que seja para deixar o livro um pouco mais atraente.

Bender em julho 14, 2006 9:33 AM


#3

Reparei que Riobaldo era fã dele (Zé Bebelo). Lembra que ele sempre se perguntava o que Zé Bebelo faria em determinadas circunstâncias? Ele não pensava no que Medeiros Vaz ou Joca Ramiro fariam, mas sempre em Zé Bebelo. Maximé.

Isadora em julho 14, 2006 9:35 AM


#4

Caro Idelber

Aproveito que você fala sobre Guimarães Rosa para ligar, por vias indiretas, o nome do consagradíssimo escritor ao (atualmente) maior prêmio literário em língua portuguesa. [Peço portanto a sua compeensão.]

O escritor português Luandino Vieira que se diz influenciado por Guimarães Rosa (a quem curiosamente leu na prisão salazarista), recusou recentemente (creio que foi no mês de maio) o prêmio literário Camões (promovido e sustentado por portugal e Brasil)! A recusa a um prêmio por si só pode não querer dizer alguma coisa. Mas recusar um prêmio no valor de 100 mil Euros, é uma coisa notável! tanto no Brasil como em Portugal.

A imprensa brasileira praticamente não tocou na recusa ao prêmio Camões (que creio já existe há uns 12 ou 13 anos). Mas o incrível é que qualquer um que ganhe um Grammy Latino (visivelmente um prêmio dado para a plebe ignara do terceiro ao décimo quinto mundo) consegue as primeiras páginas dos cadernos "B" da FOLHA, do Estadão e de O Globo!

Obrigado.
Voltemos a Guimarães Rosa.

Paulo em julho 14, 2006 9:49 AM


#5

Idelber, a idéia toda de "regionalismo" sempre me afastou de diversos autores por puro preconceito meu. Acho que foi com São Bernardo, do Graciliano, que mudei de idéia -- percebi que muitas obras que os críticos definem como regionalista acabam sendo significativas até mesmo para nordestinos já distante do mundo de fazendas, engenhos e etc (como é o meu caso).

Quanto ao Rosa, acho correto que o debate seja dividido. Particularmente, gosto muito de um texto do Paulo Rónai chamado "Três motivos em Grande Sertão: Veredas" que, na edição que tenho, serve como apresentação (talvez ele esteja em todas as edições, não sei). O que gosto no texto do Rónai (que é curtinho) é que ele chama a atenção do leitor para o fato de que o sertão do Rosa, além de símbolo -- que é o que o torna universal -- é "realidade viva e concreta, com seus bichos, plantas, gentes e superstições admiravelmente descritos". A capacidade de Rosa para criar belas paisagens é sensacional; o Sertão mineiro, obviamente belíssimo, parece ainda mais encantador no livro.

Rodrigo em julho 14, 2006 11:48 AM


#6

Realmente, Paulo, o atrelamento da midia à indústria cultural deixou pasar uma boa oportunidade para falar do Luandino Vieira, figura exótica, há dez anos recolhido em um mosteiro (o que, dizem, justificaria pelo "franciscanisno" a recusa à grana preta), ex-guerrilheiro, grande poeta. Mas o mesmo não se pode dizer do Rosa, que foi cantado em verso e prosa na imprensa, com belas matérias.

A matéria mais saborosa, porém, não foi escrita agora, mas há anos, pelo José Rezende Jr., no Correio Braziliense, que entrevistou o Manoelzão e o descreveu em linguagem de ecos roseanos. Vale a pena ler, no site dele: www.joserezendejr.jor.br (não tem permalink, tem de clicar em "reportagem" e logo se vê o outro link pra matéria do Manoelzão). O sertão de Rosa virou eucalipi, onde não canta passarinho, nem marimbondo faz barulho.

Espetacular seu post, como sempre, mestre Idelber. Grandes dicas.

S Leo em julho 14, 2006 12:37 PM


#7

grande post, Professor.
diminui um pouco a velocidade na leitura do GSV, mas acompanharei com deleite - estou seguro - os debates aqui no Biscoito.

abs,

dra em julho 14, 2006 12:49 PM


#8

Idelber,

Venho interromper a discussão (na qual disse que estaria e não estou - sinto) porque queria público meu agradecimento pelas suas palavras no SubRosa.
Obrigada!

Beijos,

Silvia Chueire em julho 14, 2006 2:34 PM


#9

"Me alembrei da luzinha de meio mel, no demorar dos olhares dela. Aquelas mãos, que ninguém tinha me contado que assim eram assim, para gozo e sentimento. O corpo - em lei dos seios e da cintura - todo formoso, que era de se ver e logo decorar exato. E a docice da voz: que a gente depois viajasse, viajasse, e não faltava frescura d'água em nenhumas todas as léguas e chapadas... Isso tudo então não era amor? Por força que era."

Fefê em julho 14, 2006 5:13 PM


#10

Proponho também como um dos temas a discutir a religiosidade, o esoterismo, a busca da transcedência. São elementos que permearam a vida do autor e, consequentemente, estão muito presentes em GS:V.
beijinhos,

Ana em julho 14, 2006 6:01 PM


#11

Ai, Ana! Você falou exatamente o que eu queria falar, mas tava com vergonha, de boba que eu sou. Hahahaha.

Ju em julho 14, 2006 6:31 PM


#12

Ah, Ju ;-)
Que bom que você se interessa pelo tema também! Acho um dos mais interessantes em Guimarães. Ás vezes já nem é mais religião, é superstição mesmo, de tão forte que é.

Você já leu o livro escrito pela Vilma G. R., "Relembramentos - Guimarães Rosa, meu pai"? Dá para entender a influência do religioso, do secreto, do oculto, na vida dele. Muitos assessores dizem que o pegavam muitas vezes andando aflito pelo gabinete, com um terço nas mãos. Mas não praticava apenas a religiosidade católica-mineira pura ;-) Se não acreditava em, pelo menos respeitava tudo o que parecia ter contato com os mistérios...

Interessante... Agora, nesse exato momento em que escrevo esse comentário, dos alto-falantes da igreja daqui de pertinho, começa a soar a Ave-Maria. Guimarães também já disse que muitas vezes a rezava, muitas vezes seguida, sem nem mesmo prestar atenção ao que estava dizendo, e então ela se transformava em um mantra. Ave-palavra, né? Amém!
Beijos,
Ana

Ana em julho 14, 2006 7:00 PM


#13

Notável post, professor. De se guardar.

Também acho interessante tocar, noutra oportunidade, no caso Luandino Vieira. É muito interessante tudo o que houve.

Grande abraço.

Milton Ribeiro em julho 14, 2006 10:28 PM


#14

Alegria de ver os comentários, depois de uma noite de celebração do dia do rock em BH. No sábado volto para bater bola, porque muito há que se dizer sobre o que vocês deixaram por aqui.

Valeu :-)

Idelber em julho 15, 2006 3:49 AM


#15

“Não escrevo, não falo! – para assim não ser: não foi, não é, não fica sendo! (ROSA, 1986, p.559.) Para a coleção de citações e sobre o amor Riobaldo-Diadorim! Sugestão: Que tal propor algo como Guimarães Rosa pode melhorar sua vida, na linha de Como Proust pode melhorar sua vida?, ou seja, um texto irônico-auto-ajuda (isso existe?! se não, passa a existir! Quero ir ao lançamento, estarei na ABRALIC!

Maria Andréia em julho 15, 2006 4:57 PM


#16

Idelber, Prof. Avelar, mineiros e cidadãos do mundo:

1. Segunda vez que assisto final de copa na California, 94 (quando os brasileyruz ficaram em Los Gatos, perto de casa),e 06. Desta vez deu Itália para alegria, relativa, do meu, já muito velho, pai Salvatore Angelo. Mas só se falava em Zidane durante os ultimos dez minutos da prorrogação, pênnaltis, e depois.

2. Mestre Guima e Realismo Mágico: há uns 15 publiquei um estudo sobre, sob medida m/m./ Claro que GS: V nada tem a ver com aquilo, ou muito muito pouco apesar do afirmado em artigo de um prof. gaúcho cujo nome não lembro agora./ Mas tem sim 2, 3 contos que, conforme certa definição "castiça" de realismo mágico, bem que mereceriam serem cogitados sob a rubrica. Na totalidade da oeuvre do Gênio de Cordisburgo é relativamente pouco, mas algo é.

3. The translations of JGR in English of stories are, some, OK, good, better. David Treece has a new version of MEU TIO. Já a "translation" of GS V
é um CRIME. Nem sei que adjetivos usar... Caliban publicou um artiguinho meu sobre JGR mas não incluiu um adendo que tinha comparando um parágrafo "traduzido", outra versão sugerida pelo falecido Jon Vincent, e uma terceira minha. Oh well...

perrone@ufl.edu em julho 15, 2006 7:29 PM


#17

aí, que tal traduzir Guimarães como tópico! Deve ser uma luta!

maria andréia em julho 15, 2006 10:51 PM


#18

Na verdade eu queria saber mais sobre a história do livro que ele mandou recolher - e que miseravelmente acabei de esquecer o nome. Argh. Quando me lembrar volto aqui.
:)

lillith lilli em julho 16, 2006 12:11 AM


#19

Idelber querido, a idéia da discussão é tentadora, mas acho que vou ser uma participante atrasada. Estou grudada no livro da Ana, adorando, e descobri que sou uma leitora um tanto quanto lenta. Já achei que isso fosse defeito, mas hoje em dia até gosto. Páro, penso, releio, volto, choro se for o caso. Grande Sertão é o próximo romance, com certeza. Li quando tinha uns 15, 16 anos. Me encantou, mas tenho certeza de que hoje será um outro e novo livro pra mim. Consigo me lembrar de muita coisa, que é ao mesmo tempo muito pouco. Estou torcendo pra vocês irem beeem deeevaaagarrr :) Beijos.

Laura em julho 16, 2006 1:16 AM


#20

Vou ter que ir devagarinho nas respostas :-)

Lillith, acho que você deve estar pensando em Magma, não? O livro não foi exatamente "recolhido": o manuscrito ganhou o concurso da Academia Brasileira de Letras em 1936, mas Rosa nunca quis publicá-lo em vida. A edição é póstuma...

Charles Perrone, que é autor de vários livros sobre a cultura brasileira, incluindo-se aí ensaios sobre Rosa, foi quem falou antes. Obrigado, Charles. Eu adoraria ver a tradução nova de David Treece para "Meu Tio, o Iauretê". Contozinho difícil, aquele...

Sobre o tema do esoterismo, que a Ana e a Ju levantaram, o estudo clássico é o excelente livro de Consuelo Albergaria, Bruxo da linguagem no Grande sertão : leitura dos elementos esotéricos presentes na obra de Guimarães Rosa.

Sergio, excelente mesmo o link para a matéria com o Manuelzão. Obrigado :-)

Idelber em julho 16, 2006 5:13 AM


#21

Ana e Idelber, boas dicas de leitura, tks!
Na sexta-feira comprei "Metafísica do Grande Sertão", do Francis Utéza. Ainda tô no começo, mas, putz, aí tem pano pra muitas mangas.... Delícia!
E quanto mais eu leio, mais eu relembro a Adélia Prado:
"...] tudo que invento já foi dito/ nos dois livros que eu li:/ as escrituras de Deus,/ as escrituras de João./ Tudo é Bíblias. Tudo é Grande Sertão."

Ju em julho 17, 2006 11:32 AM


#22

se eu nao ler essa porra, vc vai me bater, neh?

alex castro em julho 19, 2006 12:21 AM


#23

Sim, especialmente depois que você fez lobby por ele aqui na caixa de comentários :-)

Idelber em julho 19, 2006 7:21 PM


#24

Já está decidido quais serão os próximos livros?

Arko em julho 19, 2006 7:45 PM


#25

Sinto-me envergonhada porque considero rudimentar meu conhecimento sobre literatura, mas por outro lado, é muito tentador lançar um comentário, afinal, adoro Guimarães. Tudo sobre ele me interessa.
"Quem mói no aspr´o não fantaseia."
"Quem muito se evita, se convive."
Esta denominação "realismo mágico"... Não sei, porque as frases acima não têm nada de mágicas, são a realidade nua e crua, assim como foi descrita a passagem de procurar o rabo do macaco que eles íam comer. Realmente, falar sobre a obra de Guimarães é um desafio. Eu que modestamente li 3 vezes, não compreendo bem e, menos ainda lembro completamente do que li e entendi. Diadorim : Mulher-jagunço que se comporta como homem? Diadorim, sempre tão firme e disposto. Diadorim (diabo adorado! que não pode ser adorado?) Sofri as 3 três vezes que li a passagem que trata da morte de Diadorim. No fundo, sempre mantenho a esperança que Diadorim não morra. Queria que aquele amor deles de qualquer maneira tivesse final de conto de fadas e fossem felizes para sempre.

Tania em julho 20, 2006 8:00 PM


#26

Tania, que comentário bacana. Eu acho que você compreende bem por onde vai a coisa sim :-) Esse desejo que você sente, de voltar e rasurar, refazer o passado, é bem central no livro, e na forma como Rosa vê o mundo né ?

Idelber em julho 20, 2006 8:19 PM


#27

Idelber, obrigada pela dica. Então este é um dos elementos centrais: a angústia de refazer o passado. Realmente, Riobaldo ficava narrando cheio de interrogações-caminhos-descaminhos. Cada dia gosto mais desse tal de Rosa. E sobre o tal do realismo mágico, o que você tem a dizer? Como você classificaria o estilo Roseano? Na carta ao Conde (Sagarana), ele (Rosa) diz que rezou para se livrar de rótulos, normas, preconceitos etc.

Anonymous em julho 21, 2006 3:04 PM