Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email: idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro




selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« julho 2006 :: Pag. Principal :: setembro 2006 »

quinta-feira, 31 de agosto 2006

Sentença judicial contra Imprensa Marrom abre perigoso precedente na blogosfera brasileira

Acaba de ser lavrada em São José dos Campos uma sentença judicial que abre um precedente perigosíssimo para a liberdade de expressão na blogosfera brasileira. Para os que acompanham blogs há algum tempo, a história é conhecida. Para benefício dos que por ventura ainda não a conheçam, aqui vai o relato, desde o começo.

Em 2004, um dos sócios de uma empresa de recolocação profissional, cuja reputação pode ser averiguada com uma consulta ao Google, sentiu-se ‘ofendido’ com um comentário publicado no blog Imprensa Marrom, e conseguiu uma liminar que tirou o blog do ar. O Imprensa Marrom logo depois conquistou o direito de voltar ao ar, mas na sua volta já não incluía espaço para comentários. Enquanto isso a ação continuava tramitando. Três detalhes são cruciais para se entender o caso:

1. o comentário havia sido feito por um usuário não identificado num post de mais de seis meses de idade. Ou seja, foi colocado num espaço onde ele dificilmente seria lido, já que é raro que algum leitor de blog leia caixas de comentários tão antigas.

2. a empresa em questão e o sócio que se sentiu ofendido jamais entraram em contato com o Imprensa Marrom pedindo que o comentário fosse apagado.

3. a empresa em questão é a mesma que já havia ameaçado, em termos bem grosseiros, o blogueiro Cris Dias com um processo judicial por causa de comentários publicados em seu blog.

Tudo isso torna o caso extremamente suspeito. O que vocês diriam de uma situação em que um anônimo escreve um comentário ofensivo a alguém num post de seis meses de idade, e quatro dias depois você é surpreendido com uma ação na justiça? Estranho, não? Pois bem, a ação desse senhor contra o Imprensa Marrom foi, na semana passada, parcialmente deferida, com o responsável pelo blog sendo condenado a pagar 10 salários mínimos por danos morais.

O Biscoito Fino e a Massa entende que essa é uma decisão equivocada. Meu argumento não é, obviamente, que se deve possuir o direito de dizer o que quiser sobre os demais nos nossos blogs. Os crimes de calúnia e difamação são previstos no código penal e se aplicam à internet da mesma forma que a outros veículos. No caso em questão, no entanto, parece-nos que a juíza – sem sequer realizar uma audiência – não atentou suficientemente para os fatos de que a ofensa não foi proferida num post do blog, e sim num comentário antigo, e que em nenhum momento foi dada ao blog a oportunidade de apagar o comentário ofensivo. Tive acesso à sentença e, apesar da juíza fazer a ressalva de que a responsabilidade do requerido se mantém, pois que, ao disponibilizar o espaço para divulgação democrática (termo utilizado na contestação) do conteúdo inserido por terceiros, assume o risco sobre as expressões ofensivas veiculadas, não foi dada, neste caso, absolutamente nenhuma chance de que a "ofensa" fosse sanada com um simples apagamento do comentário.

Este blog confia que essa decisão em primeira instância será revertida. Enquanto isso, manifesto total solidariedade ao amigo Gravataí Merengue, responsável pelo Imprensa Marrom. Manifesto também minha compreensão com a recomendação feita pelo Gravataí, de que à luz desta sentença os blogueiros brasileiros retirem ou instalem moderação em suas caixas de comentários. Compreendo a posição dos que optam por essa alternativa, mas o Biscoito continua com sua caixa de comentários aberta, confiante que esse perigoso precedente contra a liberdade de expressão será revertido em segunda instância.

Leituras relacionadas: Aberta a temporada de caça aos blogs, post de Alexandre Inagaki feito na época da liminar que tirou o Imprensa Marrom do ar; Justiça às turras com a Internet, matéria de Alex Castro sobre o imbróglio; Porque os comentários deste blog passarão a ser pré-aprovados antes da publicação, post de hoje de Alexandre Inagaki sobre o episódio; Na mira da justiça, de Rodney Brocanelli; Decálogo dos direitos do blogueiro, cá deste blog.

****************************

PS: E não é que enquanto eu concluía este post fui surpreendido com outra história de lamentável cerceamento à liberdade de expressão na Internet brasileira? Alcinéa Cavalcante, respeitada jornalista e blogueira do Amapá, já recebeu nove representações judiciais do sr. José Sarney, com demandas absurdas como o apagamento de posts do blog e de comentários de leitores, além da aplicação de multas. O "crime" de Alcinéa? Simplesmente o fato de ter fotografado e publicado em seu blog uma charge vista num muro. Pois bem, este blog se junta à enorme rede que decidiu republicar a charge e desafiar o coronel maranhense:

sarney.JPG

Urgente, atualização: nesta sexta-feira as tesouras censoras do coronel Sarney conseguiram, na justiça, uma liminar que ordenava a retirada de seis posts do blog de Alcinéa Cavalcante. Num completo desrespeito aos leitores, o UOL tirou o blog inteiro do ar. Alcinéa se recusa a ser silenciada e já montou um novo blog no blig e outro blog hospedado no exterior. Por favor, ajudem a divulgar.

Atualização 2: O caso Alcinéa já repercutiu no Global Voices Online, com um excelente post de Jose Murilo Junior.



  Escrito por Idelber às 16:34 | link para este post | Comentários (46)



terça-feira, 29 de agosto 2006

Aniversário, furacão Katrina e a hecatombe em New Orleans

vera.jpg
Túmulo improvisado para Vera, que morreu à míngua, na rua: talvez a imagem mais famosa do Katrina. Foto: AP.

Foram oficialmente 1.464 os new-orleanianos mortos na hecatombe que se seguiu à ruptura dos diques depois do furacão Katrina, no dia 29 de agosto de 2005. Os desalojados e refugiados são mais ou menos 250.000, e os diretamente afetados pela catástrofe são ainda mais numerosos. A "reconstrução" da cidade que se seguiu ao desastre vem combinando a forte presença do interesse de empreiteiras, uma deliberada letargia e negligência do governo e de seguradoras na assistência aos refugiados e uma visão "modernosa", "de parque de diversões" do que deverá ser a "nova New Orleans", hoje já expurgada de mais 60% da sua população negra.

Esta visão não se impõe sem resistência, claro, e já são muitas as comunidades (políticas, de bairro, etc.) que se organizam para defender seus direitos mais elementares, como o de ter postos de votação disponíveis no "exílio" ou de enviar seus filhos a uma escola pública em New Orleans. Hoje, enquanto Bush fazia sua 13a visita à cidade desde a tragédia, houve passeatas, protestos e inclusive um jazz funeral, que deixaram claro como New Orleans o vê.

Este post, que relembra o aniversário do furacão que devastou a cidade que chamo de "minha" há 7 anos, traz no final uma ampla documentação, com links a textos em inglês, sobre a metódica agressão política que ela sofreu depois do desastre natural - desastre que só foi "natural" na medida em que uma cidade à qual se negou verbas para as necessárias obras nos diques ficou "naturalmente" à mercê de um furacão da força do Katrina.

Hoje é, de alguma maneira, o aniversário da falência pública, planetariamente visível, do governo Bush - sob cujo leme os Estados Unidos da América assistiram uma de suas mais tradicionais, famosas e singulares cidades morrer à míngua, pedindo pão e água durante uma semana inteira, sem que míseros helicópteros com água fossem capazes de chegar para ajudar, talvez por estarem todos eles ocupados com a verdadeira prioridade do governo Bush, as guerras petrolíferas de rapinha no mundo árabe.

O detalhe agravante é que a cidade de New Orleans havia pedido durante anos a renovação das verbas para restauração dos diques, que só estavam preparados para defender a cidade de furacões categoria 3, numa escala que vai até 5. Não só a negligência e a falta de priorização da obra por parte do governo federal (os diques de New Orleans são responsabilidade do Corps of Engineers, órgão do exército, braço do governo federal) foram gritantes ao longo da reiteração desses pedidos, nos primeiros anos desta década; à falta de qualquer planejamento para o desastre somou-se o total descaso, negligência criminosa que ninguém aqui deixou de ler como racista, que se seguiu à enchente na cidade.

Abaixo vão duas "baterias" de links. Os primeiros são para os posts aqui do Biscoito no ano passado, quando o blog virou crônica e ponto de encontro para pessoas afetadas pela tragédia. Depois segue-se um conjunto de links a textos jornalísticos ou testemunhais sobre o processo vivido por New Orleans desde então. Quem lê inglês terá aí uma boa coleção sobre o assunto.

******************
30/08: New Orleans submersa.
01/09: Emergência em New Orleans.
02/09: Mais notícias da destruição.
03/09: Recados aos refugiados.
04/09: A Negligência Criminosa com New Orleans, em 10 datas.

******************
Documentação e análises do pós-Katrina (textos em inglês, responsabilidade pela paráfrase em português sob a qual se embute o link é minha):

A história do descaso da administração Bush (Washington Monthly).

Músicos lutam e se reorganizam para manter a cultura viva (Guardian).

Negligência e privatização do sistema educacional depois do Katrina (Salon.com)

Balanço e análise demográfica da tragédia "natural", seis meses depois. (Counterpunch)

Todo o fracasso do Corpo de Engenheiros do Exército nas palavras de seu próprio chefe
(Nola.com).

A metódica agressão a New Orleans (Commondreams.org).

O selo musical mais nobre de New Orleans luta para se manter vivo
(Bestofneworleans.com)

Terraplanando a esperança: aos pobres de New Orleans, sem casa (Counterpunch).

Professores públicos despedidos, milhões em ajuda federal canalizados para escolas particulares em New Orleans (democracynow.org).

Relatório (em pdf) baseado em entrevistas com 706 trabalhadores empregados na reconstrução. (National Immigration Law Center).

"Não foi um dos melhores momentos da América", Spike Lee fala sobre o Katrina (nola.com).

Instrumentistas e cantores, na mais rica cultura musical dos EUA, reconstróem suas vidas. (Nola.com).

A incrível história de Bernice Mosely, que tentou voltar
. (Counterpunch)

Economia de New Orleans permanece em coma. (Nola.com)

Art Neville, dos legendários Neville Brothers, tinha jurado não voltar, mas voltou (San Francisco Chronicle).

Bush volta à cena do crime (NYT)

Ex Black Panther Malik Rahim relata: "Isto é criminoso" (New America Media).

************************
Seria fútil tentar consolar os que perderam mais que eu, mas deixo o agradecimento a todos os que ajudaram este blog a ajudar, há exatamente um ano atrás.

Atualização: O blog Shakespeare's Sister fez o fantástico trabalho de compilar tudo quanto é post publicado sobre New Orleans neste aniversário (obrigado a Lucia Malla pela dica; obrigado também a meu amigo Ned Sublette por vários dos links incluídos neste post).



  Escrito por Idelber às 22:54 | link para este post | Comentários (19)



segunda-feira, 28 de agosto 2006

Diadorim

diadorim.jpg O nome de batismo de Diadorim-Reinaldo, Maria Deodorina da Fé Bettancourt Marins, nascida num dia de “11 de setembro de éra de 1800 e tantos”, evoca muita coisa, mas chave mesmo é decompor “Deodorina”, teo + dorón, presente de Deus. Trata-se ali de um presente que Rio-baldo (baldo, segundo Aurélio: falto, falho, carecido, carente, sem naipe) não pode abrir, presente ao qual ele, portanto, não faz justiça, não dá fluência ou circulação, presente que ele não sabe receber.

O leitor em empatia com o narrador – o leitor que caiu no conto simpático do velhaco latifundiário Riobaldo que se justifica – com certeza objetará, e com razão, que Riobaldo amou Diadorim, amou-o verdadeiramente do jeito que lhe foi possível, no limite do que era concebível e aceitável numa sociedade homofóbica onde, afinal de contas, o nome de Deodorina era Reinaldo Aí, claro, entra a tragicidade do personagem Riobaldo, emblematizada no fato de que em sua essência verdadeira, mais profunda, interior ao vestuário, Diadorim era-lhe, sim, possível como objeto de amor que não perturbava suas tão queridas convenções sociais, já que biologicamente mulher.

Mas ser mulher não é uma opção possível para Deodorina numa sociedade onde ela deve vingar a morte do pai, Joca Ramiro. Diadorim, o que só tem pai; Riobaldo, o que só tem mãe. O transgendering de Diadorim (o termo aqui é exato, acho: Diadorim não é andrógino nem muito menos “hermafrodita”) é necessário devido à interdição da jagunçagem à mulher. É ali que Diadorim tem que se provar como o mais valente. Se no meio dos acontecimentos Riobaldo podia achar que “esse menino, e eu [...] éramos destinados para dar cabo do Filho do Demo, do Pactário!” (310), a ironia amarga é que é somente Diadorim quem dá cabo do demo, Hermógenes, na ponta faca, na luta fatal que Riobaldo assistiu impotente e paralizado, já que só sabia atirar. O preço da covardia de Riobaldo é a morte de Diadorim e a revelação de Maria Deodorina. Diadorim, por outro lado, morre como figura definitiva da coragem, emblema da donzela guerreira.

Diadorim é também Diá-adorar, adoração do demo e figura do demoníaco: joga Riobaldo no redemoinho do amor homoerótico e vira cifra, para ele, da obrigatoriedade do pacto. Deus é sempre um; o demoníaco está cifrado no nome de Diadorim como di + adorar, o amor do duplo. O diabo é sempre legião:

...a gente criatura ainda é tão ruim, tao, que Deus só pode às vezes manobrar com os homens é mandando por intermédio do diá? Ou que Deus -- quando o projeto que ele começa é para muito adiante, a ruindade nativa do homem só é capaz de ver o aproximo de Deus é em figura do Outro? ...Deamar, deamo...Relembro Diadorim. Minha mulher que nao me ouça
.

Em livros e artigos sobre Guimarães Rosa, Diadorim tem sido estudado a partir do topos da donzela guerreira (personagem fascinante, claro) ou como figura andrógina do coincidentia oppositorum. Alguns outros estudos recentes fazem observações interessantes sobre Diadorim como figura da poética de Rosa, como emblema da própria paixão do autor pela invenção e pelo desconhecido. Há sempre que se lembrar que o primeiro encontro de Riobaldo com Diadorim – na iniciática travessia do Rio São Francisco liderada por Diadorim com 14 anos, então “o Menino” – ocorre no porto do Rio-de-Janeiro, Janus sendo, claro, a figura do deus de dupla face, dos rituais de passagem.

Mas pouco tratada, na verdade – vejam que interessante - é a questão de Diadorim como desestabilização de uma certa masculinidade sertaneja de longa história ou como, digamos, figura da redefinição dos códigos de masculinidade mesmo. O tema é tão óbvio que pulula, mas há um ponto a partir do qual não se trata dele: Grande Sertão como romance gay. Por que tão poucos estudos sobre a experiência que é especificamente homoerótica ali? Diadorim, afinal, é mulher que vive como homem e é o amor frustrado por esse homem que Riobaldo relata. Diadorim também é di(á) + dor, a experiência do duplo e do demoníaco na dor.

O que Diadorim desestabiliza é tão grande que só depois de umas 4 releituras do romance e da leitura recente de um estudo do Willi Bolle, grandesertão.br, me dei conta de quão orgânicos são os vínculos entre Otacília, o latifúndio, a transmissão da propriedade e a solidez da família nuclear monogâmica heterosexual. Claro, já na primeira leitura fica óbvio que o amor por Otacília é a opção pela segurança e estabilidade de uma relação – forte e amorosa, sem dúvida – socialmente sancionada. Mas Bolle mapeia de uma forma bem interessante toda a trajetória de Riobaldo na segunda parte da seqüência de acontecimentos, posteriores ao pacto, até a sua assunção como chefe e a luta final onde morrem Hermógenes e Diadorim: trajetória de progressiva má fé, soberba e acovardamento, emblematizados no abandono (autoritariamente justificado) de seus comandados, em meio a possibilidades de batalha, para uma visita a Otacília. Isso se fecha na paralisia de Riobaldo, pelo medo, na batalha final. Digamos que esse medo tem raízes bem sólidas numa opção de classe e numa ordem heterossexista compulsória. Diadorim é a força desestabilizadora dessa ordem. Bolle diz bonito, no seu livro:

a figura bissexual de Diadorim é um meio para evidenciar, por contraste, o que há de unilateral e redutor no retrato do povo apresentado por Euclides. O autor d'Os Sertões valoriza o sertanejo apenas como guerreiro - postura sintetizada na frase que se tornou célebre: 'O sertanejo é, antes de tudo, um forte". Quase todos os demais valores culturais das pessoas do sertão - suas práticas religiosas, formas de organização econômica e política, sua fala, sua sensibilidade e, em particular, todo o universo feminino - são relegados à margem ou desprezados (pag. 214-5).

bruna.jpgEu me lembro de que em 1985, quando Walter Avancini fez para a Rede Globo uma mini-série sobre Grande Sertão: Veredas, a imagem de Bruna Lombardi como Diadorim tirava da personagem, para mim, toda verossimilhança: além de “feminina” em excesso, Bruna já era conhecida demais como mulher para que toda a ambigüidade de Diadorim se deixasse entrever. Eu me lembro de pensar que uma atriz desconhecida mas fisicamente bem masculina teria sido o ideal – alguém que ninguém conhecesse, que fizesse justiça ao personagem, que é, afinal, uma figura do desconhecido e do inexplorado, das mil identidades existentes por aí ainda sem representação.

PS: Eu teria mais a dizer sobre Diadorim, mas é hora de arrumar mala. Fiquem à vontade para puxar outros fios de conversa sobre a personagem, ou outras facetas do livro. Sugestão de leitura de hoje: o volume da coleção Fortuna Crítica sobre Guimarães Rosa, que reúne um time de ensaístas de primeira, e o estudo de Bolle citado acima, belíssimo.

PS 2: Nossa próxima tarefa é Terras do Sem Fim, de Jorge Amado, para dentro de algumas semanas, ok?

PS 3: Valeu, Belo Horizonte. O próximo post lhes chegará de Nawlins, onde aterrizo, com a benção dos orixás, na terça de manhã.



  Escrito por Idelber às 01:57 | link para este post | Comentários (18)



sexta-feira, 25 de agosto 2006

Mais uma das nossas muitas histórias de racismo

Cenário: Rio de Janeiro, Zona Sul, agosto de 2006. Hotel três estrelas.

Um casal de hóspedes, branco, recebe suas primeiras visitas durante a estadia no hotel, um casal amigo que chegava; ele, norte-americano, também branco, e ela, carioca, negra. Na entrada do hotel o casal que sobe responde perguntas sobre se ficariam por muito tempo e ouvem algo sobre o regulamento do horário de visitas no hotel. Não dão importância - a alegria do reencontro com o casal amigo que espera acima é grande. O relógio marcava algo como 20:30.

Segunda noite da estadia no hotel, o mesmo casal de hóspedes combina uma farra com um grupo grande de amigos, e um dos que a eles se juntam antes da saída para a rua é o amigo da noite anterior, americano, branco. Veio sem a namorada, a carioca, negra – ela se encontrava com indisposição estomacal. Ao anunciar-se na portaria, foi-lhe dito que subisse, sem que nada lhe fosse perguntado. O relógio marcava 21:30.

Terceira noite da estadia no hotel, o mesmo casal de hóspedes combina com o mesmo casal de amigos uma saída para um restaurante. Agora vêm os dois, ela já melhor da indisposição estomacal da noite anterior. O dado novo em relação à primeira noite é que eles chegam separados, pois vinham de lugares diferentes da cidade.

Ela – carioca, negra – chega não depois de 20:30 e ao anunciar-se na portaria, enfrenta uma bateria de perguntas sobre quanto tempo ficaria, se sabia do horário de visitas do hotel, se “demoraria”. Atônita, responde como pode.

Ele – o americano, branco – aguardado pela namorada e pelos amigos no quarto para a saída ao restaurante, chega não muito atrasado mas em todo caso não antes de 20:45. Anuncia-se na portaria. Sobe sem que nada lhe seja perguntado.

Relato verídico, dedicado singelamente a todos os que, por ingenuidade ou por maldade, dizem – com todas as letras ou meias-palavras – que “não há racismo” no Brasil.


PS: Rosana Hermann descobriu – através de um leitor de seu blog, ah, os leitores de blog, mes amis, não tema nada neste mundo mas tema um leitor de blog! – que o “jornalista” Miltinho Cunha roubou toneladas e toneladas de posts seus, durante tempos, e publicou-os no jornal O estado, de Florianópolis. O caso é de plágio imenso, descarado, burro e comprovado. Ver os posts da Rosana com toda a documentação do roubo aqui e também a nota do Blue Bus e o post de Cesar Valente. Na época em que se comprovou o plágio cometido por Carlos Alberto Parreira, o Biscoito fez esse post.



  Escrito por Idelber às 06:02 | link para este post | Comentários (30)



quinta-feira, 24 de agosto 2006

No Memorial da América Latina, Sampa

Ao lado do terminal da Barra Funda, ocupando quase 85 mil metros quadrados, mais com cara de Brasília que de Sampa, fica o Memorial da América Latina, inaugurado em 1989 e projetado por Oscar Niemeyer. É um complexo de edifícios com aquela marca registrada da utopia modernista brasiliense:

DSC02754.JPGDSC02751.JPG

De longe, o mais interessante é o museu, que cobre três grandes regiões, o Norte/Nordeste brasileiro, a Mesoamérica (México/Guatemala) e os Andes (especialmente Peru e Equador). É um recorte que privilegia áreas indígenas ou não urbanas. À direita, um tablado com bonecos de maracatu:

DSC02668.JPGDSC02674.JPG

Luxo carnavalesco e trabalho em madeira do Nordeste:

DSC02669.JPGDSC02673.JPG

Depois inicia-se o setor meso-americano, com o (para nós) quase ininteligível mundo das alegorias mexicanas

DSC02685.JPGDSC02688.JPG

e suas cosmogonias caveirocêntricas, onde tudo é Dia dos Mortos:

DSC02687.JPGDSC02689.JPG

Ainda na parte mesoamericana, o museu traz algumas peças da região maya - o sul do México (Chiapas, terra dos Zapatistas e dos indígenas, terra onde a Reforma Agrária mexicana nunca chegou) e o altiplano guatemalteco, que é de onde vêm os suéteres e o trabalho em cerâmica:

DSC02701.JPGDSC02702.JPG

A parte andina do museu traz algumas peças equatorianas, mas privilegia mesmo os departamentos de Ayacucho (em quechua: lugar dos mortos; lá se luta a última batalha pela independência hispano-americana, em 1824) e Cusco, ambos no Peru. Desse dois departamentos vêm, respectivamente, o trabalho de tecelagem e o tablado:

DSC02717.JPGDSC02722.JPG

O Memorial da América Latina foi produto, em grande parte, da vontade visionária do maior crítico literário hispano-americano da segunda metade do século XX, Angel Rama, um uruguaio que amava São Paulo. Além do museu, o Memorial contém um auditório, uma galeria de arte, um pavilhão e uma pequena biblioteca, que fiz questão de visitar para ver se recomendava. Não é uma coleção de impressionar, mas tem boas seleções de literaturas argentina e mexicana, além de algumas estantes de história e ciências sociais latino-americanas. A mítica Biblioteca Ayacucho, fundada por Angel Rama na Venezuela e dedicada a lançar edições críticas e comentadas de clássicos latino-americanos, está todinha lá:

DSC02758.JPGDSC02759.JPG


PS sobre outro museu: Também fui ao Museu da Língua Portuguesa, lá na Estação da Luz, mas sem máquina fotográfica. É uma rica coleção de aparatos, vídeos interativos, linhas evolutivas, quadros explicativos: um museu bem high-tech. O destaque é o mapa do Brasil acoplado a vídeos gravados em toda a Federação, que documentam a variação dialetal do português brasileiro. No primeiro andar há uma exposição (não sei se permanente) sobre o Grande Sertão: Veredas, que inclui mapas, reconstituições do ambiente e reproduções gigantescas do manuscrito com as correções de Rosa. Vale a visita, se seus ouvidos conseguirem abstrair os irritantes relinchos, cantos de pássaros e ruídos de água reproduzidos em playback. As explicações históricas sobre a evolução do latim, a hipótese da língua indo-européia e a origem do português são profissionais e bem-informadas. O "panteão" de 100 obras da literatura lusófona é escolhido e organizado por Alfredo Bosi, com a concepção romântico-grandiloqüente que o caracteriza. Nas placas identificatórias há pelo menos um erro: Corpo de Baile, de Rosa, é atribuído a Clarice Lispector. Não encontrei nenhum outro erro. Vale a visita.



  Escrito por Idelber às 00:59 | link para este post | Comentários (21)



terça-feira, 22 de agosto 2006

Links

Pois, começou o programa das Mothern no GNT. Eu adorei assistir o primeiro episódio, o penúltimo que poderei ver antes do regresso a terras gringas. Foi suficiente para testemunhar que o programa tem fôlego para ir longe: um baita material, roteiro ágil, boas atrizes. Claro que a tendência dos que conhecemos as Mothern pessoalmente é ficar comparando, e aí é covardia: as personagens são ligeiramente “histéricas” quando comparadas à sabedoria zen de Ju e Laura. Mas minha única crítica de fundo é que num sitcom com quatro mães, realmente não havia razão para que todas elas fossem brancas. Fora isso, achei um charme o início da série. E acho que ela vai longe.

E só mesmo as Mothern para me fazerem abandonar por quinze minutos um Roda Viva em que Tariq Ali dava um show de bola nos jornalistas brasileiros para assistir o programa da Hebe Camargo! Lá estavam as poderosas, no sofá da Hebe. Outro show.

Encontros de blogueiros, neste país, são realizados com o único objetivo de que o Biajoni possa depois fazer um relato. Nada a acrescentar.

Do bom blog peruano Puente Aéreo vem um interessante post sobre Grandes Fraudes Literárias.

É bem curioso que entre todos os que se escandalizaram com as reações de suposta “censura” aos cartoons islamofóbicos publicados na Dinamarca, não se haja erguido uma única voz que se escandalize porque militantes socialistas são presos na mesma Dinamarca por usar camisetas pró-Palestina.

A trilha sonora do dia foi Vou tirar você deste lugar: tributo a Odair José, um excelente disco de rock, na verdade, com uma linda versão de “Eu queria ser John Lennon,” pela banda carioca Columbia, que eu não conhecia. Baixado lá no Mercado de Pulgas (dica da Luiza e seu belo Favoritos). O disco ainda conta com Mundo Livre S/A, Paulo Milklos, Mombojó, Pato Fu. Tudo bem feitinho. Demorou, mas Odair é cult. Só senti falta de uma versão de "Pare de tomar a pílula".

Milhares de mineiros saem de Governador Valadares, uma cidade de merda, para viverem numa cidade de Boston. As frases são assim, meio politicamente incorretas. Mas algumas são hilárias. Frases malucas.

Alguns blogs amigos já noticiaram que o Grande Sertão: Veredas foi disponibilizado online. Mas nesse link eu ainda não vi nada, só a capa. Alguém sabe o que está acontecendo?

Tenda do Nilo. Rua Coronel Oscar Porto, 638, Paraíso, Sampa. Ali teve lugar uma das melhores refeições árabes da minha vida, de longe minha melhor refeição em Sampa. Como é de tradição entre famílias árabes, a hospitalidade é algo mais. Recomendo.

O programa imperdível de hoje à noite em São Paulo é a mitológica banda Fellini, que toca no SESC Pompéia. Thomas Pappon está na cidade.

Valeu, Sampa. O próximo post lhes chegará de Belzonte.



  Escrito por Idelber às 04:57 | link para este post | Comentários (27)



segunda-feira, 21 de agosto 2006

Histórias de escritor

Histórias de escritor, I :

Roda de escritores na Mercearia São Pedro, em Sampa. Eu, na minha condição de agregado, estou lá com Ana, que recebera convite de Daniela Abade. Terminamos na Sala VIP, olha que chique. Fico conhecendo dois camaradas, a cronista Lucia Carvalho, que experimentou 7 variações na pronúncia do meu nome, e o mítico Pecus, capaz de ser eleito blogueiro sexy sem que ninguém jamais tenha visto foto sua. Passaram pela roda Marcelino Freire, que saiu cedo, com o Jabuti a pesar-lhe sobre os ombros, Ivana Arruda Leite, Indigo, Joca Reiner Terron, Ronaldo Bressane, Daniel Galera, mais um pessoal que não conheço. Também havia um simpaticíssimo, erudito piauiense, cujo nome não aprendi. Como todo piauiense em São Paulo, torce pelo Corinthians.

Eis que pinta a melhor história da noite: encontrar o próprio livro num sebo. Não é nada traumático e pode até lhe dar aquela ilusão de ter galgado mais um estágio na hierarquia literária. A menos, claro, que o raio do exemplar esteja autografado. Foi a história da noite: escritor que permanecerá inomeado, caminhando por certa capital brasileira, encontra um exemplar de seu próprio livro, dedicado a certa leitora de alguma, digamos, importância, que também permanecerá inomeada; ela o havia vendido ao sebo só rasurando seu próprio nome na dedicatória. Pior parte: a leitora nem sequer havia comprado o livro na noite de autográfos, mas recebido o dito cujo de presente! Imaginem o xingamento que sai da boca do escritor.

Aí, claro, os cérebros dos contistas se põem a imaginar um fim para a história. A que arrancou mais gargalhadas foi: o escritor compraria de novo o próprio livro. Escreveria uma segunda dedicatória. Algo como: “já que a primeira não foi suficiente....”. Colocaria o livro no correio de volta a sua primeira dona, para provável surpresa e terror da leitora.

Histórias de escritor, II (Mesa de debates sobre blogs e literatura)

A Rosana Hermann fala como posta: a mil por hora, com análises, estatísticas, bruscas viradas de jogo. A Bruna Surfistinha foi lúcida e narrou o que foi, para ela, o fetiche do livro, o desejo de ter um livro publicado. Tinha o radar anti-ironia ligado e bem preparado. Olhava com certa desconfiança, natural, para as outras. A Indigo narrou a deliciosa história dos seus sub-empregos, que geraram um belo blog. A Ivana, inspiradíssima, era a que mais se divertia: elencou tudo o que tinha em comum com a Surfistinha, e não era pouco.

Indigo e Ivana concordaram que a escrita destinada ao livro tinha uma nobreza, uma perenidade, um valor, que a escrita do blog não tem. Fiquei curioso para saber mais sobre esse limite, para o escritor de ficção. Porque a tentação de publicar o conto recém terminado no blog deve ser grande. Acho que acabamos concordando que a perenidade é muito mais da satisfação proporcionada pela publicação em formato livro, do que do objeto em si – objeto hoje em dia menos perene, afinal de contas, do que os textos que têm existência eletrônica. A figura mais falada nesse debate sobre blogs foi, curiosamente, o bom, velho, nobre e fetichizado livro.

PS: Um super time de cientistas criou um blog dedicado à área, o Roda de Ciência. A idéia é debater um tema por mês. Este mês o tema é a divulgação científica. A Lucia Malla está participando, então a coisa é fina. Vão lá conferir, ok?



  Escrito por Idelber às 04:50 | link para este post | Comentários (24)



sexta-feira, 18 de agosto 2006

A brilhante proposta de Bárbara Gancia

Tempo fechadão em Sampa, gripe que quase me derruba, pilhas de trabalho acadêmico nem tão prazeroso, eis que lendo a imprensa, encontro o insólito:

Na Itália, só foi possível acabar com o seqüestro quando as autoridades passaram a congelar a conta bancária de seqüestrados, e de suas famílias, para impedir o pagamento de resgates.
(grifo meu, I.A.)

Pois eu sugiro que todos os jornalistas assinem um manifesto afirmando que, caso sejam seqüestrados, eles proíbem terminantemente a exibição de vídeo ou a publicação de texto de interesse de grupos criminosos. Desde segunda-feira venho falando com colegas sobre minha proposta. Até agora, só um se dispôs a assinar o documento.

É Bárbara Gancia (link para assinantes UOL ou Folha), com sua brilhante "solução" para resolver o problema dos seqüestros. Ela se espanta de que só um colega assinou seu manifesto. Eu me horrorizo de que alguém tenha assinado um termo de compromisso de que não aceitará que se negocie a exibição de um vídeo para salvar a própria vida! É dose. Já é testemunho suficiente da barbárie, não a do PCC, mas a dos "justiceiros."

A colunista deveria ler com mais atenção alguns blogs, como o dele e o dela. Quem sabe não lhe ocorreriam outras idéias.



  Escrito por Idelber às 17:22 | link para este post | Comentários (17)



quarta-feira, 16 de agosto 2006

Blogs e Literatura

No sábado, dia 19 de agosto, às 17:00, como parte da programação da Primavera dos Livros aqui em São Paulo, acontece uma mesa-redonda sobre o tema "Blog e Literatura, Blog é Literatura?", com a participação de Ivana Arruda Leite, Bruna Surfistinha, Indigo e Rosana Hermann (dica via Pensar Enlouquece). Aproveitando o ensejo, deixo abaixo o texto que escrevi sobre o assunto para o Salão do Livro de BH deste ano; ele surrupia dois parágrafos de outro texto, lá apresentado ano passado. O resto é novo. Foi escrito para um público que não necessariamente conhece blogs, então relevem as obviedades.

BLOGS E LITERATURA

Se você se interessa por literatura e não tem a menor idéia do que é um blog, ou ainda acredita que blog é coisa de adolescente relatando suas festinhas e namoros, esta é a hora de dirigir o olhar para uma quase silenciosa, mas ineludível experiência literária que vem se gestando na internet. Boa parte da melhor literatura que se escreve hoje no Brasil tem sido produzida ou circulada através da chamada “blogosfera”.

Os blogs são sites pessoais com entradas organizadas em ordem cronologicamente inversa, de forma que, ao abrir a página, o primeiro que se vê é a última entrada publicada pelo autor. Estas entradas são chamadas “posts” e podem ser um texto, uma imagem, um vídeo ou simplesmente uma frase com um link a outro site na internet. Com freqüência os blogs incluem, ao final de cada post, uma caixa de comentários aberta a contribuições dos leitores – tal interatividade é, de fato, uma das marcas registradas da blogosfera. Já há alguns anos protagonistas de uma revolução na internet brasileira (e em países como Estados Unidos, França, China, Irã), os blogs podem ser de vários tipos: jornalístico, esportivo, confessional, político, literário. Limitamo-nos aqui a falar destes últimos.

São numerosos os escritores de poesia e ficção, inéditos ou veteranos, que aderiram a esse formato e abriram blogs. Aqui haveria que se fazer uma diferenciação. Há, por um lado, escritores que se utilizaram do formato blog para disseminar uma produção que já possuíam anteriormente. Chamemos estes de escritores-blogueiros. Por outro lado, há escritores que já se formaram na blogosfera, ou seja, que não tinham uma obra anterior e que foram levados, pelo blog, a publicar livros. Chamemos estes últimos de blogueiros-escritores.

Há diferenças importantes entre os escritores-blogueiros e os blogueiros-escritores, mas em nenhum dos dois casos o blog é um mero veículo que distribui um produto que permanece independente do formato através do qual é disseminado. Pelo contrário, a natureza da forma altera o conteúdo: é próprio dos blogs que a escrita seja dinâmica, rápida, interativa e sujeita a críticas permanentes. Isso acaba gerando uma literatura de caráter distinto, afeita ao aforismo, à blague, à interpelação a quem lê; propensa a antecipar qual será a reação do leitor; acostumada à revisão e à correção públicas; dotada de um constante impulso metalingüístico, de reflexão sobre si própria; e, fundamentalmente, vinculada de maneira orgânica com a experiência. Não é raro que um blog interrompa o fluxo de posts sobre seus temas principais para fazer uma observação sobre a vida particular: um comentário sobre um desengano amoroso, um lamento por uma tragédia pessoal, a convocação de uma festa. Pouco a pouco, vai se tecendo ali um personagem de ficção, que os leitores acompanham mais ou menos como acompanhamos uma telenovela, com as diferenças importantes de que o enredo traz uma relação direta com a experiência daquele que escreve e de que o final da história nunca está determinado de antemão.

Recentemente, a editora independente Gênese (que é de propriedade de uma blogueira, Alê Felix) lançou uma coletânea de contos de vários autores reunidos no coletivo Blog de papel, onde se pode comprovar a variedade e qualidade da ficção produzida nos blogs. A produção literária tanto dos blogueiros-escritores como dos escritores-blogueiros já é vasta: entre estes, destacam-se o poeta e cronista Fabrício Carpinejar, o ficcionista Marcelino Freire, o romancista Santiago Nazarián, as prosadoras Ivana Arruda Leite e Cintia Moscovich. Entre aqueles, podem ser citados Ana Maria Gonçalves que, através de seu blog, publicou um primeiro romance, Ao lado e à margem do que sentes por mim, em edição de autor, para logo receber um contrato da Editora Record para seu segundo livro, Um defeito de cor; Daniela Abade, que publicou seu primeiro romance, Depois que acabou, pela editora Gênese e em seguida lançou o segundo, Crônicos, pela Ediouro; Daniel Pellizzari que, além de escritor, é fundador da editora Livros do Mal; Daniel Galera, autor de obras que antecederam seu atual sucesso na Companhia das Letras, Mãos de cavalo. Há inúmeros outros exemplos que poderiam ser citados, mas com os links fornecidos acima já dá para começar. Acredite, você vai se viciar e nunca mais vai crer que só se produz literatura com papel, capas e lombadas.



  Escrito por Idelber às 14:09 | link para este post | Comentários (34)



segunda-feira, 14 de agosto 2006

"Motherns indicadas para o Prêmio Nobel"

. . . pode ser uma manchete por aí nos próximos anos. Quando for, diga que você leu aqui primeiro. É o que falta para a Ju e a Laura.

mothern2.jpg

Depois de serem capa da Ilustrada, destaque na Fal, entrevistadas na Marília Gabriela (reprise nesta terça 22:30, quarta 4:00 e 15:00 e quinta 10:00), as Mothern foram tema de bela matéria-post no Global Voices Online. O post é imperdível.

Está chique o suficiente ou quer mais? Não acabou. O programa Mothern começa sábado no GNT, 20:30.

Eu poderei dizer, hohoho, "eu era amigo delas quando eram 'só' blogueiras, autoras de um livro e criadoras de uma das comunidades mais inovadoras da Internet brasileira".

Parabéns, Ju e Laura. Leitores: telinha ligada no sábado para a estréia da série. Vale a pena, né?



  Escrito por Idelber às 18:03 | link para este post | Comentários (22)




Lançamento de Um defeito de cor em São Paulo!

lançamento-sampa.jpg.

Convite aos amigos paulistanos: Ana Maria Gonçalves autografa Um defeito de cor nesta quarta-feira, a partir das 18:30, na Livraria da Vila - Rua Fradique Coutinho, 915, Vila Madalena, tel (11) 3814-5811.

Se você é são-paulino e quer ver a final da Libertadores, não se avexe. O evento deve acabar antes das 21:30, e com certeza o chopinho blogueiro que se seguirá pode ser marcado para um bar com televisão.

Eu, que não me importo muito com campeonatos como a Libertadores e a Série A do Brasileirão, estarei lá com Ana. Para quem quiser ajudar na divulgação, aí vai o selinho.

Vai ser muito bom rever São Paulo. Aguardamos os amigos lá na Livraria da Vila.



  Escrito por Idelber às 06:31 | link para este post | Comentários (11)




Evento imperdível em BH

Belo-horizontinos: hoje, às 19:30, há um evento imperdível, parte da programação do Salão do Livro. Reúnem-se para uma mesa redonda sobre o tema "A literatura em tempos de repressão política" o escritor argentino Martín Kohan e a ensaísta brasileira Paloma Vidal (PUC-RJ). Se você acompanha este blog há mais de dois meses, já leu uma discussão sobre a obra de Kohan e uma entrevista com ele. Paloma é ex-blogueira (sim, eles existem) e sabe tudo sobre o assunto. Eu aparecerei por lá.

Kohan já está por aqui, foi entrevistado hoje e já deve ter provado seu primeiro frango com quiabo.

Antes, às 18:30, o entrevistado é João Gilberto Noll. O Salão do Livro acontece na Serraria Souza Pinto. Vale a pena.



  Escrito por Idelber às 06:13 | link para este post



sexta-feira, 11 de agosto 2006

De Paraty, em memória de Jorge Amado

jorge.jpg
Charge de Jorge Amado: Estado de São Paulo.

Não na condição de professor, escritor ou autor de nada, mas de namorado de uma autora da Record, participei ontem do jantar oferecido pela editora aqui em Paraty. Pude conhecer outro ídolo meu, o ensaísta, historiador e romancista britânico-paquistanês Tariq Ali, um dos analistas mais argutos do mundo contemporâneo e crítico dos mais incisivos da máquina assassina israelense (se você não conhece a obra de Ali, comece com Confronto de fundamentalismos, livro chave para se entender a política de hoje). Também estava presente no jantar o ficcionista gente-boa Marcelino Freire, que acaba de ganhar o Prêmio Jabuti pelo seu livro Contos Negreiros. Muito simpático, o Marcelino. Parabéns, eita danado!

Mas a honra mesmo da noite foi poder conhecer membros da família Jorge Amado. Acho que o grande saldo desta Flip, para mim, será o desejo de participar da reabilitação de Jorge Amado dentro da universidade. Fazem-se muitas críticas à universidade brasileira e eu considero a maioria delas injustas. Mas neste caso, os críticos têm razão: a universidade – muito em especial a academia paulista – é a grande responsável pelo fato de que a obra de Jorge Amado tenha sido encarada com desprezo pelos estudiosos de literatura no Brasil. Aqui eu faço meu mea culpa: durante anos eu repeti essa cantilena.

Para a obra de Jorge Amado os críticos literários brasileiros sempre reservaram os piores epítetos: popularesca, folclorista, superficial, estereotipada, panfletária. Os pouquíssimos que se dedicam ao seu estudo são, em geral, vistos com condescendência (parabéns por remar contra a maré durante tantos anos, Eduardo de Assis Duarte). O meu testemunho não é nada especial: para me formar em Letras tive que ler toneladas de Marx e Freud, mas nem uma única linha de Jorge Amado – e olha que eu assistia aulas de manhã e à noite e me matriculava em tudo quanto era eletiva disponível.

Claro que li Jorge Amado – pouca coisa, uns 7 ou 8 romances – mas sempre com a sensação de estar lendo algo de pouca importância. Enquanto isso, seus livros continuavam vendendo milhões e agradando leitores mundo afora. Pois bem: eu saio desta Flip com uma vontade danada de participar de um esforço de reabilitação de Jorge dentro da universidade. Para isso, claro, vou usar o blog no que eu puder.

Portanto, queria deixar com vocês a proposta de que depois do Grande Sertão – sobre o qual ainda haverá dois ou três posts, pelo menos – nós nos dediquemos a ler um romance de Jorge aqui no Clube de Leituras. Meu voto é para Mar Morto, mas estou aberto a sugestões.

Alguém tem depoimentos, casos, relatos, opiniões sobre o genial bruxo baiano? Ontem ele teria feito aniversário: nasceu no dia 10 de agosto de 1912.

Evoé, Jorge.

Atualização 1, na segunda-feira: Maria João Amado, neta de Jorge Amado, que topou participar do clube de leituras conosco, também é blogueira!

Atualização 2: baseado em todo o dito aqui e a mim por amigos, gostaria de começar com Terras do sem fim. Terminando o papo sobre Rosa combinamos datas.



  Escrito por Idelber às 15:31 | link para este post | Comentários (42)



quarta-feira, 09 de agosto 2006

Uma frase infeliz sobre blogs

No Brasil, todos os blogs importantes estão ligados a instituições de mídia.
(Carlos Haag, no penúltimo parágrafo dessa matéria sobre blogs publicada na Revista da FAPESP).

A matéria até que não está ruim. Mas essa frase foi de lascar. Dêem uma lida na matéria e digam aí o que acharam.

(obrigado a Paulo Fontes pelo link).



  Escrito por Idelber às 01:51 | link para este post | Comentários (29)




Blogueiro convidado no Clube de Leituras: Maurício Lara

(meu amigo Maurício Lara é o blogueiro convidado de hoje. Ele nos conta um pouco sobre sua relação com Grande Sertão: Veredas).

O ÚNICO LIVRO QUE EU LI

Tenho a nítida sensação de que li somente um livro em toda a minha vida. E nem foi há tantos anos assim. Foi o único que li e uma única vez. Nunca mais comecei a leitura do princípio e fui até o fim. Como nunca mais parei de folhear, folhear, ler pedaços, rabiscar... Antes achava que tinha lido vários outros; depois, não pude entender mais nada. Depois dele, parecia que pouco ou nada havia para dizer ou para contar. Estava tudo lá no Grande Sertão:Veredas, de João Guimarães Rosa.

Escrevi livros. E nem estou deles livrado, como diria Manoel de Barros. Em todos me vali do Grande Sertão, na epígrafe, no miolo do texto e/ou na inspiração. Um conta a história da eleição presidencial de 1989, a primeira depois da ditadura, que mobilizou este País e em que Fernando Collor de Melo venceu Luiz Inácio Lula da Silva. É um livro-reportagem chamado Campanha de Rua (Geração Editorial, 1994) e tem a seguinte epígrafe: “Uma coisa é pôr idéias arranjadas, outra é lidar com país de pessoas, de carne e sangue, de mil-e-tantas misérias... Tanta gente – dá susto se saber – e nenhum se sossega: todos nascendo, crescendo, se casando, querendo colocação de emprego, comida, saúde, riqueza, ser importante, querendo chuvas e negócios bons...”

Outro fala de câncer. Da doença que eu tive e que marca a ferro a vida de quem com ela convive. Chama-se Com todas as letras – o estigma do câncer por quem enfrentou esse inimigo silencioso e cruel (Editora Record, 2005). Tem epígrafe do Grande Sertão: “Assaz o senhor sabe: a gente quer passar um rio a nado, e passa; mas vai dar na outra banda é num ponto muito mais embaixo, bem diverso do que primeiro se pensou. Viver nem não é muito perigoso?”. E bem no final do livro: “Tudo que já foi, é o começo do que vai vir.” Toda a história do câncer e do livro foi travessia e travessia é Grande Sertão, o que se atravessa é o grande sertão.

Um outro fala de política e da relação da esquerda com o poder. É o romance Em Nome do Bem – uma alegoria da política brasileira (Editora Planeta, 2005). Está lá: “De despiço, olhei: eles nem careciam de ter nomes – por um querer meu, para viver e para morrer, era que valiam. Tinham me dado em mão o brinquedo do mundo.” O poder está no Grande Sertão, como estão Deus, o diabo, o amor, a amizade, o ódio, a vida e a morte. Tudo.

Estão lá, também, Riobaldo, Diadorim e... Otacília, a da “firme presença”. E em torno do livro muitos outros livros, que falam de Riobaldo, de Diadorim e de... Otacília, ainda que muito menos. Como só li um livro, tenho dificuldade em ler os outros, até os que falam daquele único. Fico pensando no mesmo, no de sempre. A ele recorro, folheando ou recordando, quando preciso de uma explicação, de encontrar um Norte, de me inspirar.

Não quero analisar o Grande Sertão, quero senti-lo; não quero refletir sobre o Grande Sertão, quero refletir sobre a vida e ela está lá; não quero pensar o Grande Sertão no banco da academia; quero é mantê-lo na minha cabeceira, como ele está: surrado, quase rasgado, sentido, cheirado, admirado. E para sempre.



  Escrito por Idelber às 01:42 | link para este post | Comentários (16)



domingo, 06 de agosto 2006

Relato do lançamento carioca de Um defeito de Cor

Aqui vai um mini relato do lançamento de Um defeito de cor, da Ana, na quinta-feira passada. Sim, mini, porque só uma câmera nas mãos de Federico Fellini poderia relatar tudo o que foi a festa e, especialmente, a reunião blogueira que se seguiu, no Belmonte do Leblon.

O público foi muito bom. Poderia ter sido melhor, se a Record não tivesse se esquecido de imprimir os 2.000 convites que havíamos encomendado para os congressistas da Abralic. O interesse pelo livro da Ana na universidade já é bem grande, e muitos professores e estudantes que ainda não criaram o salutar hábito de visitar blogs não ficaram sabendo. Mas a casa estava cheia, a Ana passou umas duas horas e meia assinando livros e a grã-sociedade blogueira compareceu em peso.

ana.jpg
Ana assinando um exemplar do romance. Foto: Nababu.

Para mim, o lançamento tinha um ingrediente especial, porque eu iria conhecer uma ídola minha. Conhecer ídolos é sempre um negócio complicado. O grande escritor argentino Alan Pauls tem páginas memoráveis sobre o desastre que foi o encontro com seu ídolo Manuel Puig - que escreveu livros hilários mas que, como pessoa, era ranzinza e cheio de manias. Pauls se preparou mas não adiantou: a cada frase, o desconforto aumentava. Era uma gafe atrás da outra. Pauls saiu dali jurando nunca mais ir conhecer um ídolo ao vivo.

Felizmente, eu acho que escolho melhor os meus ídolos. No quesito ídolos-blogueiros eu estou, como dizem os gringos, three-for-three. Conheci o Inagaki e foi memorável. Conheci a Bibi e foi um barato. Na quinta-feira eu conheceria a terceira ídola, uma das responsáveis involuntárias pela existência deste blog, a Marina W do blowg. Ela tem, junto com a Mary W, a dicção, a respiração de frase que eu mais admiro na blogosfera. Foi, eu acho, o primeiro blog que li de cabo a rabo, junto com o Catarro Verde e o Por um Punhado de Pixels. Se você gosta de visitar o Biscoito, agradeça a ela, porque foi ali naquela leitura que me veio o click. O encontro foi fantástico. Ela é um encanto: fina, discreta. Tem aquele olhar de quem absorve muito mais do que aparenta.

Mas as grandes estrelas da noite foram as Duas Fridas. Eu sinto muita empatia com elas: política, estética, cultural, tudo. Demos tantas risadas juntos que a sensação era de que eu as conhecia há anos. A Monix, divertidíssima e cheia de histórias interessantes de sua viagem a Cuba, é Fluminense. O Luciano - o Diego das Fridas - compartilha minhas simpatias cruz-maltinas. A Helê é inteligente, espirituosa, linda, bem-humorada mas, como todo ser humano, não é perfeita.

O Alex Castro apareceu na UERJ e me deu carona ao Leblon. Dirige bem, nem parece aquele louco do blog. No começo, o único que eu pensava era: se o Alex encher o saco da minha ídola eu tiro esse gordo da mesa a tapas. Mas que nada. Combinaram super bem. Ao seu estilo, Alex ofereceu os materiais de seu inconsciente para deleite geral. A frase favorita foi: ´eu não sinto ciúmes`. Provocou risadas céticas em toda a mesa. Alex também arrancou gargalhadas com uma de suas perguntas irrespondíveis: ´por que de um homem a gente diz que ele está despirocado e de uma mulher dizemos que ela está embucetada? Por que não empirocado ou desbucetada? Alguém aí tem alguma teoria?

E a emoção que foi ver o Bruno? Para quem não sabe, o Bruno foi diagnosticado com câncer. Ao invés de se esconder, não falar no assunto e evitar a palavra, Bruno fez do seu blog um diário da luta contra o tumor. Encarou a quimioterapia. Batalhou, se cuidou e está curado! O cabra está mais forte, sorridente e alto astral que nunca. Lição de vida.

Tomei um susto danado quando apareceu o Gejfin, que eu já conhecia de fotografias. Eu sabia que ele estava no Rio, mas a ficha não havia caído. Dizem que pronunciei certo o nome dele, mas até agora eu não sei o que disse. Conversamos pouquíssimo, porque por mais que tentássemos, não conseguimos arrastá-lo para o bar. Eram 9 da noite e o Internacional de Porto Alegre ia jogar a semifinal da Libertadores. Livros e encontros blogueiros são importantes, claro, mas há coisas que só acontecem de 20 em 20 anos. Ele foi pra casa ver o jogo, perdoado.

O Marcos VP e o João Nababu também passaram por lá. Ambos trabalham na UERJ, vejam só, e eu não sabia. O João nos salvou mais uma vez, porque eu esqueci a máquina fotográfica. As fotos do João estão aqui. Com o Marcos eu estava ligeiramente sem graça, por não ter até hoje terminado de ler o manuscrito que ele me passou na última vez que vim ao Rio. Culpa minha, não do manuscrito.

Também conheci a Telinha, muito rapidamente. Até o Capitão Gravatá passou pela livraria, embora não tenha nos acompanhado ao bar. Tinha mais um monte de gente com quem não conversei. Foi isso.

PS 1: A próxima noite de autógrafos de Um defeito de cor é em Parati, durante a Flip, no sábado à noite. O lançamento em São Paulo acontece 16 de agosto, na Livraria da Vila. Eu e Ana estaremos em Sampa do dia 15 ao dia 22. Amigos blogueiros, reservem a noite do dia 16 para nós, ok?

PS 2: A discussão sobre Grande Sertão: Veredas não acabou, tá? Depois do Rio e antes da viagem a Sampa vou encontrar tempo, em BH, para fazer mais um post sobre o livro. Quero falar um pouco de Riobaldo-Diadorim.

PS 3: Os amigos são-paulinos estão putos da vida com a jornalista Milly Lacombe, que acusou - sem provas - Rogério Ceni de falsificar assinatura com uma proposta do Arsenal. Não vou comentar o assunto porque não vi, mas quem quiser pode falar.

PS 4: Tem blog novo, de qualidade, no meu blogroll: Brincar de viagem. Vão lá.

PS 5: Se há algo mais lindo neste planeta do que o Rio de Janeiro num dia de sol, eu não conheço. E olha que eu tenho mais milhas acumuladas que muito piloto por aí.



  Escrito por Idelber às 04:11 | link para este post | Comentários (31)



quinta-feira, 03 de agosto 2006

É hoje!

ana-lan%E7amento2.jpg

A Ana está surpresa, acho, e encantada com a admiração e atenção que a universidade está começando a dedicar a Um defeito de cor. A coisa chegou a um ponto que nunca vi: foi convidada a falar na Abralic (que, por sinal, está indo super bem, mostrando mais uma vez que é o melhor congresso de literatura da América Latina: obrigado, UERJ).

O lançamento de Um defeito de cor acontece nesta quinta, a partir das 19:00, na livraria Argumento, do Leblon (Rua Dias Ferreira, 417).

Antes disso, às 14:00, eu falo sobre Machado e a música na Abralic, no 11o andar da UERJ.

Falando em música, a excelente revista colombiana Número acaba de publicar um dossiê sobre música brasileira que vale a pena ser lido, e não é pelo meu artigo.

Todos os leitores cariocas estão convidados à minha fala de tarde e ao lançamento de Ana de noite. A quinta-feira promete.



  Escrito por Idelber às 04:18 | link para este post | Comentários (27)




Apontamentos para um livro futuro

Sempre que venho ao Rio revisito uma idéia. Entender a cultura brasileira é entender dois padrões migratórios. O nordestino que vai para São Paulo e o mineiro que vem para o Rio.

Sim, porque isso é o Brasil. Gaúchos e amazônicos migram pouco; viajam para dentro de si mesmos, o que é uma de suas maravilhosas características.

Mas voltando ao assunto, um dia quero escrever sobre isso: a construção da cultura brasileira na viagem de Minas ao Rio. A lista é legião: só na música, Ary Barroso, Ataulfo Alves, Mílton Nascimento, Clara Nunes, João Bosco.... Na literatura, Drummond, Pedro Nava, Fernando Sabino, Paulo Mendes Campos, Hélio Pellegrino, Autran Dourado....

Na política os nomes são legião também. Alguém se habilita a contribuir com a lista?



  Escrito por Idelber às 03:59 | link para este post | Comentários (28)




Será?

sao-paulo2.gif X internacional_rs.gif

Não seria bonito? Que pena que vou perder o jogo do Internacional nesta quinta. Mas é por uma causa mais que nobre. Quem vir o jogo desta quinta e tiver boas observações, deixa-as aí. Boa sorte ao Inter.



  Escrito por Idelber às 03:41 | link para este post | Comentários (7)