Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email:
idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro







selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« Relato do lançamento carioca de Um defeito de Cor :: Pag. Principal :: Uma frase infeliz sobre blogs »

quarta-feira, 09 de agosto 2006

Blogueiro convidado no Clube de Leituras: Maurício Lara

(meu amigo Maurício Lara é o blogueiro convidado de hoje. Ele nos conta um pouco sobre sua relação com Grande Sertão: Veredas).

O ÚNICO LIVRO QUE EU LI

Tenho a nítida sensação de que li somente um livro em toda a minha vida. E nem foi há tantos anos assim. Foi o único que li e uma única vez. Nunca mais comecei a leitura do princípio e fui até o fim. Como nunca mais parei de folhear, folhear, ler pedaços, rabiscar... Antes achava que tinha lido vários outros; depois, não pude entender mais nada. Depois dele, parecia que pouco ou nada havia para dizer ou para contar. Estava tudo lá no Grande Sertão:Veredas, de João Guimarães Rosa.

Escrevi livros. E nem estou deles livrado, como diria Manoel de Barros. Em todos me vali do Grande Sertão, na epígrafe, no miolo do texto e/ou na inspiração. Um conta a história da eleição presidencial de 1989, a primeira depois da ditadura, que mobilizou este País e em que Fernando Collor de Melo venceu Luiz Inácio Lula da Silva. É um livro-reportagem chamado Campanha de Rua (Geração Editorial, 1994) e tem a seguinte epígrafe: “Uma coisa é pôr idéias arranjadas, outra é lidar com país de pessoas, de carne e sangue, de mil-e-tantas misérias... Tanta gente – dá susto se saber – e nenhum se sossega: todos nascendo, crescendo, se casando, querendo colocação de emprego, comida, saúde, riqueza, ser importante, querendo chuvas e negócios bons...”

Outro fala de câncer. Da doença que eu tive e que marca a ferro a vida de quem com ela convive. Chama-se Com todas as letras – o estigma do câncer por quem enfrentou esse inimigo silencioso e cruel (Editora Record, 2005). Tem epígrafe do Grande Sertão: “Assaz o senhor sabe: a gente quer passar um rio a nado, e passa; mas vai dar na outra banda é num ponto muito mais embaixo, bem diverso do que primeiro se pensou. Viver nem não é muito perigoso?”. E bem no final do livro: “Tudo que já foi, é o começo do que vai vir.” Toda a história do câncer e do livro foi travessia e travessia é Grande Sertão, o que se atravessa é o grande sertão.

Um outro fala de política e da relação da esquerda com o poder. É o romance Em Nome do Bem – uma alegoria da política brasileira (Editora Planeta, 2005). Está lá: “De despiço, olhei: eles nem careciam de ter nomes – por um querer meu, para viver e para morrer, era que valiam. Tinham me dado em mão o brinquedo do mundo.” O poder está no Grande Sertão, como estão Deus, o diabo, o amor, a amizade, o ódio, a vida e a morte. Tudo.

Estão lá, também, Riobaldo, Diadorim e... Otacília, a da “firme presença”. E em torno do livro muitos outros livros, que falam de Riobaldo, de Diadorim e de... Otacília, ainda que muito menos. Como só li um livro, tenho dificuldade em ler os outros, até os que falam daquele único. Fico pensando no mesmo, no de sempre. A ele recorro, folheando ou recordando, quando preciso de uma explicação, de encontrar um Norte, de me inspirar.

Não quero analisar o Grande Sertão, quero senti-lo; não quero refletir sobre o Grande Sertão, quero refletir sobre a vida e ela está lá; não quero pensar o Grande Sertão no banco da academia; quero é mantê-lo na minha cabeceira, como ele está: surrado, quase rasgado, sentido, cheirado, admirado. E para sempre.



  Escrito por Idelber às 01:42 | link para este post | Comentários (16)


Comentários

#1

Perfeito. É essa a impressão que eu tenho às vezes.

Bender em agosto 9, 2006 10:52 AM


#2

Poxa, por que ao invés de fazer propaganda dos livros dele ele não falou mais do GSV?

Marcelo em agosto 9, 2006 10:56 AM


#3

Lindo o texto! O grande barato do GSV é esse mesmo: ele nos serve em qualquer altura da travessia que a gente esteja.

Ju em agosto 9, 2006 1:07 PM


#4

É isso mesmo, é isso mesmo o que sinto quando quero me referir ao GSV, mas nunca consegui falar.

Cibele em agosto 9, 2006 4:00 PM


#5

Livros bons são assim mesmo, deles a gente não quer se separar. Nunca "se livra" deles, como diz o Manoel de Barros, como você bem lembrou.

Fefê em agosto 9, 2006 6:42 PM


#6

que maravilha esse texto. mesmo porque eu tenho uma relação bem parecida com GSV, de ter lido-sentido o livro, e ter feito umas relações com meu processo de análise. muito mais do que analisar a obra, eu a senti, e foi uma experiência incrível (não que eu não tenha o maior interesse em conhecer as análises sobre GSV, tenho e muito!).

Kellen em agosto 10, 2006 1:27 AM


#7

maurício, qual é a ediçao que está na sua cabeceira, o exemplar surrado, rasgado, ou a melhor palavra pra livro bem usado, espangongado? ponha a foto aqui. adorei o texto.

vera em agosto 10, 2006 1:26 PM


#8

Paulo sabe o quanto a ditadura doeu e dói na carne de todos nós. Mas uma coisa ele agradece ao regime militar que o colocou na cadeia por uns meses. Lá, finalmente, encontrou tempo, vagar, para ler, com o devido cuidado, a inteira atenção, o livro de Guimarães Rosa. A obra foi sua companheira na travessia prisional.

Belon em agosto 10, 2006 6:16 PM


#9

Estou na correria aqui em Paraty, mas queria deixar ao Maurício o agradecimento público (o particular já foi por email) por este texto.

Também fiquei curioso para saber qual é a edição...

Cibele e Belon, bem-vindos ao blog, acho que são os primeiros comentários de vocês, certo?

Fiquei curioso para saber qual é o `Paulo` ao qual o Belon se refere... Talvez eu passe vergonha aqui, mas não me lembro qual foi o `Paulo` preso pela ditadura....

Idelber em agosto 10, 2006 8:17 PM


#10

Substitua o Paulo por outro nome. Vale o da sua escolha. Não é ficção. Se fosse também nada mudaria. GSV nas esquinas, nas travessias, nas leituras, nas noites de insônia. Sempre ali

Belon em agosto 10, 2006 9:38 PM


#11

Pô, mas que beleza de texto!

João Rosa Neto em agosto 11, 2006 2:16 PM


#12

depois deste texto, lindo, vou correndo ler mais um pouco dele. lindo. lindo. obrigada! ;)

albinha em agosto 11, 2006 7:32 PM


#13

Maurício, nunca li nada sobre o Grande Sertão que me servisse tanto, como uma roupa feita sob encomenda. Obrigada por fazer suas as minhas palavras que eu nem disse, mas sabia todas.
Aquele Abraço.

Helena Costa em agosto 12, 2006 12:58 AM


#14

Maurício, vim aqui através do Cláudio Costa, que colabora no LIVROS & AFINS(Http://literaturaagora.blogspot.com). Gostei muito, tua relação com GSV é parecida com a minha, fico com as palavras do Velho Mestre por dias na cabeça. Será que vc deixa que eu publique lá no Livros?
Grande abraço

valter ferraz em agosto 17, 2006 11:06 AM


#15

Oi, Valter, obrigado pela visita e o texto do Maurício, como os meus do blog também, estão sempre em regime copyleft: citando a fonte, republique e cite à vontade. Abraços,

Idelber em agosto 17, 2006 11:01 PM


#16

Obrigado, Idelber vou publicar lá no LIVROS&AFINS.

valter ferraz em agosto 20, 2006 11:47 AM