Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email:
idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro







selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« Resposta a Renato Janine Ribeiro :: Pag. Principal :: Jean Baudrillard (1929-2007) »

terça-feira, 06 de março 2007

Páginas da Vida

paginas.jpgTodos os apelidos de personagens são roubados de Falzuca ; Marina W já comentou também.

Pressão do público ou fruto do absurdo show de bola do Marcos Caruso: o Francisco ficou mesmo com o avô. Porque não era para ser. A narrativa vinha encaminhando outra coisa: Clarinha com a mãe adotiva, a Densa, e o Francisco com o casal bunitim formado pela Jujuba Traíra e pelo Embuchador D. Pedro I. No final o vovô-pobre-mas-honesto, o Boca de Alma, não só manteve o moleque como levou a Renata Sorrah de quebra.

Para dar verossimilhança à resolução que não era a que a trama encaminhava, Manoel Carlos escreveu um par de capítulos malucos na última semana – onde Jujuba e D. Pedro I, sempre tão razoáveis na novela inteira, entravam na casa de Densa insultando-a por ter escondido a identidade de Clarinha. Era necessário completar a construção da antipatia do público ante o casal, que havia se iniciado meio que sem querer. Levantar a bola para a catarse pró-vovô do último capítulo.

Completinha a parábola, todos os vilões triunfaram. O crime compensa. Sim, porque apesar das aparências criadas pela performance tão brilhante de Caruso, o avô é maligno também, ou não? Pouca gente notou isso. Ora, é o único da novela que dá porrada em mulher, destila ressentimento a cada frase e tem esse estranho jeito de amar o neto, exigindo retribuição e exclusividade – transtorno afetivo narcísico que aparece à beça entre amantes, mas que eu nunca vi, naquele grau pelo menos, entre pai e filho ou avô e neto. É um obsessivo-compulsivo com distúrbio narcisista em último grau, o cabra. Mais cinco anos com aquele avô e o moleque precisará da freudiana braba. Mas Caruso é tão show de bola que nos identificamos. MarcosCaruso.jpg

Os outros vilões todos venceram: Alícia, a PCC (Perua Ciumenta Consumista), vê o ex-namorado bonitão perder os dois processos, esfrega a derrota na cara dele e ainda embolsa uma bolada; Winnits, a Abusada, embolsa metade da grana roubada por Gregui Falcatrua e ainda o relega à posição de amante quando Machadão, o porteiro, ganha na megasena; o Gregui Falcatrua termina onde no fundo sempre quis estar, com grana e na posição de segundo homem de alguma perua. Dona Martha escapa do sanatório e de ter que morar com Boca de Alma e moleque. A única vilã que se dá mal é a Craudétes, a racista-mineira-mas-de-sotaque-Leblon, que morre queimada no ônibus. O buzum ia para BH mas, pelo sotaque, o destino era Juiz de Fora, no máximo.

No racismo a novela derrapa. Feio. Tentou fazer o gesto, mas não deu. Porque o racismo brasileiro pode chegar a cúmulos, mas ninguém – nem mesmo o pior racista – rejeita uma comida porque foi feita com mãos negras. Não no país da servidão doméstica institucionalizada. Não cola. O tema do racismo perdeu verossimilhança ali.

E os dois casais de mocinho com mocinha que a novela prometia para o final? Formaram-se, mas sem nenhum charme: Embuchador D. Pedro I ficou com Jujuba Traíra, mas sem as crianças. O casal fracassou tanto como polarizador de simpatia do público que a última cena do D. Pedro I não foi com Jujuba, mas com a antiga namorada, a megera, comemorando a derrota dele no tribunal. Sem as crianças, a Jujuba perde seu encanto. Ela era o duplo do fantasma de Nanda, um mero eco.

O Capitão Cueca com a empregadinha Big Broda era o casal que dava audiência mesmo. Terminaram casando-se na igreja, claro. Na alegoria incestuosa tupiniquim, o pobre que sabe o seu lugar até ganha a recompensa – o filho do patrão para a Big Broda e a Carmen Opera Bufa, ex-corna e ninfomaníaca monogâmica, para o jardineiro. Mas quem preside sobre a porra toda ainda é o Tide - ninguém sai daquele casarão, que no final das contas é a própria imagem da endogamia. Casam-se, mas não se mudam.

Falou-se das mulheres da novela, mas os homens são todos emasculados. O único homem é Tide, o patriarca, essa estranha figura do fálico-quase-virgem: homem que não gerou homens, só mulheres e meninos. A família tem um pequeno probleminha com a reprodução da Lei do Pai. Bem apropriado, então, que não haja rolado nada com a Sônia Braga - que estava de visual medonho. O casal emblema da novela termina sendo, então, a Olhos Arregalados com o Boca de Gato: comportado, o bom mocismo incestuoso (eles são ex-cunhados) continua sentado à direita do pai. Priminhos brincando. Bons modos. O pai fálico-quase- virgem preside a mesa.

Confirmo-lhes, jubilante, que suportei a Regina Duarte durante 6 meses. E ganhei a recompensa: 10 minutos de Eva Wilma, poderosíssima, no episódio final. Vai ser charmosa assim lá longe.

Foi bom seguir uma novela - tenho mantido a minha média de uma a cada vinte anos.



  Escrito por Idelber às 01:30 | link para este post | Comentários (27)


Comentários

#1

Hahaha.. Dessa vez vc foi mais rapido que a Fal, Idelber ;-) To louco pra ler o final dela tbm. Confesso que nao consegui ver a novela toda, as novelas do Manoel Carlos sao insuportaveis.. Mas agora, acompanhando a Fal, todas as novelas valem a pena. No entanto nao perdi o ultimo capitulo dessa, que foi ridiculamente maçante por sinal, e concordo com tudo o que vc disse. Ninguem merece Densa com figurino de shakespeare no ultimo capitulo.. Mas enfim :-D Veja la se acompanha a proxima pra melhorar a media.. Abraço!

Celinho em março 6, 2007 5:09 AM


#2

porra Idelber...
com essa impressionante média de uma novela a cada vinte anos, vc foi escolher justo uma das piores dos últimos vinte anos?
q azar, hein, cara?

abs,

dra em março 6, 2007 10:51 AM


#3

E quem não fica charmoso falando um português impecável, de salto alto e toga passada, penteado Global, numa sala com ar-condicionado no "Leblon"? Imagine o perfume.

Uma boa análise, que transmitiu em palavras a tremenda translocação significante de mais de 100 horas de vídeo. Uma loucura, enfim.

Lucas em março 6, 2007 11:17 AM


#4

Idelber! hahahaha Muito bom!
Sobre o personagem do Caruso: que contradição, heim? A Martha Louca tinha razão, o homem era um traste que não fazia nada, arrumou um empreguinho meia-boca de office-boy da AMA no meio da novela e se acomodou por lá. E no penúltimo capítulo (sei lá) quase estrangulou a mulher!? Que avô e que pai é esse? Maneco é craque em fazer novelas em que todos os personagens são loucos de pedra e precisam de, no mínimo, um Prozac'zinho.
A nova novela é um horror, parece continuação da última, nem o cenário se deram ao trabalho de mudar, e, convenhamos, é cópia da novela da Record... :-P
Beijos

Ana em março 6, 2007 12:04 PM


#5

eu tenho um hábito diferente (que na verdade é uma ausência de hábito): assisto um capítulo de tempão em tempão, ao léu. Volto a assitir a novela, e não mudou muita coisa, hehehe

catatau em março 6, 2007 12:10 PM


#6

Poxa, ninguém gostou da novela?

Idelber em março 6, 2007 1:11 PM


#7

Idelber, estou me matando de rir com esse texto!

Eu estou a uns nove anos de completar meus vinte sem novela, de modos que pulei essa também, não entendi patavina do que você escreveu, mas o texto está tão bom e engraçado que me levou de volta a uma velha máxima a que me apego há muito tempo - um bom texto sobre um assunto que não me interessa é capaz de me prender, enquanto um mau texto sobre algo que me interessa não me prende nem até a metade. O triunfo da forma sobre o conteúdo!

Professor, e nosso clube de leituras, hein?!

Alessandra Alves em março 6, 2007 2:05 PM


#8

Se os caras tem grana pra produção, tem bons autores e bons atores, por que eles fazem merda?
Um amigo meu , atualmente roteirista por lá, foi franco: estão fazendo merda conscientemente, porque creem que algo com melhor nivel não sera consumido...hum..
Quanto ao Manoel Carlos do Leblon, outro dia escrevi sobre ele: me irrita profundamente essa forma "pedagógica" com que ele trata a pancada, acho um nojo.
Quanto a formatação , o fato de ser novela, não acho que seja, por definição boa ou ruim. Não creio que nenhum meio é bom ou ruim por definição.
'NÃO gosto de novela" ou "gosto de novela" me parecem afirmações tão estranhas. Gosto quando é interessante , não gosto quando é lixo.
E só.

Vivien em março 6, 2007 2:14 PM


#9

Eu gostava, mas achava uma merda. Faz sentido? E ficava constrangido quando resolviam enfiar à força uns jabás de livros e peças, tipo alguém falar do nada "gente, vi uma peça fantástica ontem!" – "É mesmo?? Me conta tudo!"

Acho que o problema não era o texto, era a direção, que tirava dos atores atuações exageradas e falsas – com pouquissimas exceções.

Mas era divertidíssimo acompanhar as viradas mirabolantes que tentavam encaixar na história, além da reação do público, os imprevistos, como atrizes que engravidaram, atores que pediram demissão, atrizes que reclamavam que não faziam nada, etc...

E o Greg virou meu herói. Além de mau-caráter, era tão cínico que perdia a paciência quando alguém chamava atenção dele para as maracutaias que ele fazia.

Daniel em março 6, 2007 2:59 PM


#10

Novela do Manoel Carlos tem dois lugares-comuns:
- Os personagens masculinos são ora coadjuvantes dos femininos, ora fracotes que sofrem nas mãos das mulheres soberanas. Depois de fazer um papel inexpressivo, o Antônio Fagundes disse que nunca mais faria novela do Manoel Carlos;
- O personagem faz vilanias mil a novela inteira mas no final não morre, nem vai pra cadeia, nem fica pobre.

Te em março 6, 2007 8:28 PM


#11

Eu gostei, Idelber, achei de altíssimo padrão, fiquei mais culta e mais sabida, aderi a todas aquelas campanhas politicamente corretas, vou deicar a minha cabela igual a da Fuma, enfim, show de bola. Adorei.
Sua análise está impecável, meu querido. Vc é bom demais. Se quiser assumir o Drops, é seu.

Fal em março 6, 2007 8:59 PM


#12

Está muito do extraordinário mesmo o resumão da Fal. É pa' humilhar os nossos mesmo, môs fios.

Alessandra, querida, clube de leituras não está nos planos imediatos não. Dá um trabalho medonho, e eu ando baiano com o blog :-)

Idelber em março 6, 2007 10:31 PM


#13

Engraçado. Notaram como as novelas da Globo ultimamente andam levando as histórias para o lado Ghost da vida? Vira e mexe é gente que morre e volta, vê alminhas do outro mundo, reencarna e etc. Quanto a mim, esgotei minha quota. Depois do "Inferno de Dante" da Glória Perez em América, eu perdi a motivação para assistir qualquer coisa que envolva o assunto "espiritualidade" na Globo.
Mas eles bem que poderiam fazer o remake de "Espelho Mágico" de preferência envolvendo assuntos barra pesada do meio artístico. A audiência hoje é bem maior que naquela época e creio que muitos conceitos sobre a televisão mudariam. Acho... =)

Ollie McGee em março 6, 2007 10:44 PM


#14

Detalhe que esqueci de mencionar no post: mais de uma pessoa já me disse que muita criança de escola primária no Brasil fica aterrorizada à mera menção do termo "moça bonita"... Começam a ver o fantasma da Nanda da novela e a sonhar com ela. É a rebordosa.

Idelber em março 6, 2007 11:46 PM


#15

"Moça Bonita" é a nova versão da "mulher do espelho"?
Idelber, um dos deslizes do Maneco foi mudar a postura do patriarca Aristides na reta final, de íntegro passou a corrompido.
Beijus

Luma em março 7, 2007 6:42 AM


#16

"Moça Bonita" é a nova versão da "mulher do espelho"?
Idelber, um dos deslizes do Maneco foi mudar a postura do patriarca Aristides na reta final, de íntegro passou a corrompido.
Beijus

Luma em março 7, 2007 6:43 AM


#17

Acompanhei, no século passado, a gravação de um capítulo da novela aquela, que tinha o carlos vereza fazendo de conta que era um Suplicy mais maluco. Travei então conhecimento com esse espécime conhecido como "diretor de novela da Globo". Dá para entender. São escolhidos entre os tais Homer Simpsons para quem o Will Bonner faz o Jornal nacional, aposto. Não tem diretor de novela que dê jeito, qinda se quisesse.

S Leo em março 7, 2007 5:28 PM


#18

idelber. vamos lembrar com tristeza profunda q no dia 5 de março é a data do falecimento do nosso (seu tambem, com certeza absoluta) grande e inesquecível líder joseph stálin.

mariano em março 7, 2007 5:46 PM


#19

Faça como eu: basta ver o primeiro e o último capítulos, mais algum do meio, para entender a novela inteira. Qualquer novela.

Eu também me espantei com o fato de que no final todos os vilões se deram bem. Deve ser a primeira novela realista da Globo.

Agora diz aí: foste tu mesmo que escreveste este texto? Sei não. :)

Hermenauta em março 7, 2007 11:27 PM


#20

Com a inauguração do shopping no Leblon, creio que Manoel Carlos já tem material para sua próxima novela. Que não será nem melhor nem pior do que qualquer uma que ele já escreveu.
Apesar de ser ficção, algumas contradições incomodam em Manoel Carlos. E desta vez ele exagerou um pouco!
Também em relação aos papéis femininos, parece que nesta novela o autor errou de mão, não conseguindo, por exemplo, emplacar Ana Paulo Arósio.
Vida que segue.

Paulo em março 8, 2007 5:20 AM


#21

Oi,
prazer Fabiano,estava na net,quando encontrei seu blog
fiquei olhando ele,nossa eu fiquei muito encanto,
é muito bom,show de bola.
tenho um blog tb.
e sendo assim gostaria de propor uma parceria comigo,
estou muito afim em poder ajudo-lo essa é minha inteção.
aceita trocar links comigo?

aguardo uma resposta.

olha o meu blogs aqui.

www.up.blog.br


Fabiano, a casa não troca links. Quando visito um blog e gosto, divulgo ou linko sem pedir nada em troca. Infelizmente não foi o caso do seu.

Fabiano Proença em março 8, 2007 5:14 PM


#22

Ah, Idelber, que prazer ler esse teu post. Eu abandonei a novela depois de uns 15 capitulos. Nao aguentei a Regina Duarte. Mas eu estava curiosissima pra saber como tinha sido o final, e estranhamente nao se fala mais em lugar nenhum. Falava-se antes da novela acabar, mas eu nao encontrava nada mais por aih. Morri de rir com teus apelidos apropriadissimos! Ouvi dizer que foi uma das piores novelas de todos os tempos. Pena. Saudade das otimas novelas das 8 pelas quais somos famosos internacionalmente. Saudade da Beatriz Segall de Odete Roitman, do Fagundao de Dono do Mundo... (suspiro)...
Abracos.

Andrea N. em março 8, 2007 5:31 PM


#23

Andrea, obrigado, mas eu confirmo que todos os apelidos (menos o PCC) são de autoria da Fal e cópia minha :-)

Idelber em março 8, 2007 10:33 PM


#24

Não sei se estou mais chata ou mais exigente. O fato é que eu não tenho mais paciência pra novela.
=P

Cissa em março 9, 2007 12:49 AM


#25

Idelber! uma a cada 20 anos... vou começar a pensar seriamente em fazer o mesmo. Essa acompanhei apenas o final, e te confesso...muito indignado com a falta de lógica de alguns personagens (se é que personagem de novela tem lógica). Mas não posso deixar de comentar o estrago das "plásticas" da maioria das atrizes. A "Namoradinha do Brasil" (a Densa) parecia a caricatura do Charada (do Batman) mesmo em momentos tristes ela não conseguia fazer uma cara de pesar...impressionante. E a "Artista Plástica" que veio de Nova York para o Rio apresentar suas obras indefinidamente. Outra coisa que me surpreendeu nas novelas é o frio que faz na Zona Sul do Rio (ou gasta-se muito com energia no ar-condicionado) ninguém dorme sem Edredom...e eu que achava que é aqui no Sul que faz frio...
Em suma. Que droga de novela!!

Gustavo Uriartt em março 9, 2007 12:36 PM


#26

GOSTEI MUITO DA NOVELA GOSTARIA QUE PASSASE DE VOLTA PARA NOS APRENDER MAIS COISAS SOBRE ELA

KAREM em abril 3, 2007 12:35 AM


#27

eu adoro essa novela**fala de mtas coisas importantes como por exemplo ah bulimia, o simdrome de dawn...e muitos outros assuntos!!!logo a novela é super interessante

marisa santos em abril 9, 2007 3:12 PM