Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email: idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro




selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« março 2007 :: Pag. Principal :: maio 2007 »

segunda-feira, 30 de abril 2007

Galo campeão mineiro de 2007

Qual a grande diferença entre os pequenos ou médios e os verdadeiramente grandes? Ela não reside tanto no cavalheirismo do saber perder, mas no ganhar com classe. Por isso Parreira e Zagallo jamais chegarão aos pés de Telê Santana. Em décadas recentes, um pequeno time da colônia italiana que já passou por meia dúzia de nomes veio a desbancar o América-MG como maior aspirante a rival do Clube Atlético Mineiro, o único grande time do povo de Minas. Tendo ganhado alguns títulos, o ex-Palestra e ex-Yale abusou do direito de exibir a falta de classe de quem ainda não vence com naturalidade, não está acostumado a ganhar, não chegou ainda a ser grande.

galo.gif

No começo deste Campeonato Mineiro, quando o Atlético perdeu os dois primeiros jogos e estreou na lanterna, o Sr. Perrela declarou que o Galo tomara "gosto pela segunda divisão", que deveria cuidar-se "para não ir disputar a segundona do Mineiro", que o ex-Ipiranga jogaria com a equipe júnior: típicas declarações de clube que ainda não é grande, que tem o complexo próprio àquele que somente aspira a ser rival de. Tratava-se de um Campeonato Mineiro que o ex-Ipiranga disputaria quase totalmente em BH e ao redor, enquanto o Galo visitava as fronteiras com ES, SP, RJ e GO. Eles falaram, falaram, falaram. Menosprezaram o primeiro campeão de BH, de Minas, do Brasil, primeiro a encantar a Europa, primeiro e único do mundo a bater a Seleção Brasileira.* Oh, quantas vezes queimarão a língua antes de aprender que o apelido Galo Vingador não é gratuito? Já se esqueceram da lição do Campeonato Brasileiro de 1999? Abusaram do direito de exibir sua condição de novos ricos e de demonstrar, com declarações apressadas, seu ressentimento e inveja da mais respeitada do Brasil:

massa.jpg

A vingança foi doce. Neste que é o único grande clássico brasileiro com um diferencial histórico de quase 50 chapuletadas a mais de um lado sobre o outro, ficou claro outra vez qual é a ordem natural das coisas. A diferença agora é que o Galo restaurou a ordem com um massacre marcado por algo que eu, pelo menos, jamais havia visto no futebol: um goleiro ir ao fundo da rede para buscar duas bolas numa só viagem. Senão vejam este inacreditável vídeo, no qual Fábio, o guarda-metas ex-ipiranguista, entra, talvez, para a história do futebol como o único arqueiro a ir buscar a bola do quarto gol com a do terceiro ainda lá no fundo do barbante.

galo-4.jpg

Em vez de ocupar os tradicionais 2/3 do Mineirão que, mais uma vez, ocupou ontem, a massa alvinegra preencherá 90% do estádio no jogo da entrega das faixas, domingo que vem. Será um espetáculo inesquecível. Salve, Galo Metal. Salve Tristão, Doutor Cláudio, Dolabela, Mineiras, Uai.

Galo, campeão mineiro de 2007.

Atualização. Eis aqui a imagem inédita na história do futebol, a de um goleiro buscando bolas de dois gols:
fabiofrangueiro.jpg
O piti completo do goleiro Fábio pode ser visto nesse vídeo.

* Atualização II: Artur Perrusi me corrige com razão: O Santa Cruz também já venceu a Seleção Brasileira. Foi por 2 x 1, no dia 10 de outubro de 1934. Valeu, Artur.



  Escrito por Idelber às 02:28 | link para este post | Comentários (40)



domingo, 29 de abril 2007

Na bola de cristal

Previsões do Biscoito para as finais que começam hoje:

Em São Paulo, dá Santos.

No Rio, dá Botafogo.

No Rio Grande, dá Grêmio.

No Paraná, Paraná Clube.

Em Minas, Galo.

Ou seja, o blog aposta na lógica, contra as zebras. Semana que vem vocês me cobram.



  Escrito por Idelber às 01:46 | link para este post | Comentários (9)



sexta-feira, 27 de abril 2007

O bule emprestado

Slavoj Zizek escreveu recentemente um livro intitulado Iraq: The Borrowed Kettle, no qual relata a divertida sucessão de silogismos de pé quebrado que antecederam a invasão do Iraque. O momento número 1, de princípios de 2003, rezava que o Iraque possuía armas de destruição em massa que colocavam um “perigo claro e iminente” não só para Israel como também para os estados ocidentais democráticos. O que fazer, então, quando em setembro de 2003 David Kay, o próprio oficial da CIA encarregado da busca, reconhece que o país havia sido revirado pelo avesso mas as armas não haviam sido encontradas? Passa-se ao segundo momento: mesmo que Saddam Hussein não tenha nenhuma arma de destruição em massa, ele está envolvido com (deals with) a al-Qaeda, autora dos ataques do 11 de setembro. A guerra seria necessária para impedir tais ataques no futuro. O que fazer quando o próprio presidente Bush reconhece, em setembro de 2003, que “não há evidência de que Saddam Hussein estivesse envolvido com os ataques de 11/09”? Ora, passa-se ao terceiro momento: mesmo que não tivesse armas e nem estivesse envolvido com a al-Qaeda, Saddam era um perigoso ditador que representava uma ameaça ao seu próprio povo....

A mentirada inventada pela junta bushista como justificativa da guerra de rapinha no Iraque replica, para Zizek, a estrutura de uma anedota contada por Freud para ilustrar a estranha lógica dos sonhos. Um sujeito empresta um bule a um amigo. Recebe de volta o bule danificado. Ante a reclamação do dono, retruca:

1. Eu jamais tomei nenhum bule seu emprestado.
2. Aliás, eu lhe devolvi o bule inteirinho!
3. Inclusive, quando você me emprestou o bule, ele já estava estragado!

Pois bem, o blog hoje abre sua caixa de comentários para que você crie a sua própria variação desse joguinho de afirmativas incongruentes que é o relato freudiano do bule emprestado. Histórias que contenham Mangabeira Unger, Zagallo, Reinaldo Azevedo ou Galvão Bueno terão preferência :-)



  Escrito por Idelber às 05:23 | link para este post | Comentários (17)



quarta-feira, 25 de abril 2007

5 coisas para se fazer em BH

mineirao1.jpg Como o Biscoito só adere aos memes para os quais ele não é convidado, aqui vai minha contribuição ao mais recente que anda circulando por aí, o das “5 coisas para se fazer na sua cidade”. Quem levantou a bola foi o camarada Ian Black. A Cynthia completou, com dois posts imperdíveis sobre Boi... quero dizer, Goiânia. Eu tenho duas cidades, mas sobre New Orleans já escrevi bastante ultimamente. Aqui vão 5 dicas quentes do que fazer em Belo Horizonte:

1. Mercado Central: Se você não conhece, bem, sinto informar: você não sabe o que é Belo Horizonte. Não, não é um mercado como qualquer outro. É uma espécie de museu de tudo, o excesso mais obsceno, a hipérbole em estado puro. Localizado numa construção enorme, que ocupa um quarteirão inteiro naquele que era o centro da BH original – a Praça Raul Soares – o mercado é uma orgia de sons, cheiros, sabores. Encontra-se tudo para comprar, desde um avestruz até um alfinete persa, passando pela maior coleção de cachaças de Minas Gerais (no site do Mercado, clique em "lojas" e delicie-se). Nos bares que ocupam as entradas, montanhas de seres humanos se aglomeram tomando cerveja em pé, com o copo no balcão. Quem vê de longe não entende por que alguém tomaria cerveja naquelas condições. Misturam-se os que estão terminando a noite com os que estão começando o dia. Dica de um “insider”: Dadá Maravilha passa por lá aos sábados e pontifica sobre as problemáticas sem solucionática.

2. Pedacinhos do Céu: é uma das 5 maiores casas de choro do Brasil. Localizado no alto do Caiçara, o bar tem dois andares, mas o quente é chegar cedo (nunca depois das 9) para conseguir uma mesa de frente para a banda. O cidadão honorário de Belo Horizonte, Ausier Vinícius, comanda o show: choro da melhor qualidade, que passeia sempre por Pixinguinha, Waldir Azevedo e Jacob do Bandolim. Nas paredes, fotos de todas as lendas vivas que já passaram por lá. A galeria é um “who’s who” do choro e do samba, de Paulinho da Viola a Beth Carvalho. Os tira-gostos são divinos, mas o foco é a música. Não leve amigos chatos e falastrões. Em certa ocasião, às 2 da matina, depois de uma noite inesquecível, Christopher Dunn escreveu num guardanapo os títulos de 4 ou 5 choros obscuros da década de 1920. A banda tocou um por um, com modulações que brincavam com e reescreviam as versões originais. Chris quase se ajoelhou em sinal de respeito. Se você mora em BH, gosta de música e nunca foi ao Pedacinhos do Céu, eu não sei o que lhe dizer.

3. Chef Túlio: na Silviano Brandão, Sagrada Família. Sem dúvida, um dos maiores cozinheiros dessa terra de cozinheiros. Com mesas na praça, serve pratos de sua invenção, combinações de cozinhas de países diferentes e até iguarias de New Orleans, onde ele esteve fazendo cursos de culinária (a jambalaya do Chef Túlio não faz feio ante as melhores daqui de Nawlins). O lugar está fora do circuito óbvio do turismo em BH e só quem é de lá conhece. As explicações do Chef sobre cada prato são um show à parte. Vá com fome. macacos.jpg

4. Macacos: BH é rodeada de cachoeiras e atrações naturais de todo tipo, mas Macacos ainda é a opção mais deslumbrante. Arraial cuja origem se remonta a fins do século XVII, Macacos é aquela combinação maravilhosa de natureza e cultura. Matos, cachoeiras e montanhas, sim, mas sempre com uma cervejinha por perto. Catedrais e construções históricas, mas sempre com opções de um bom restaurante: há pelo menos oito de alta qualidade. Já anda no radar dos turistas, então se apresse.

5. Mineirão. Não tem Flamengo nem Corinthians. A torcida do Clube Atlético Mineiro é a paixão futebolística em estado puro. Para mim, conhecer uma cidade sempre significou conhecer seu principal estádio. Orgulho-me de conhecer os principais estádios brasileiros, e o Mineirão ainda é meu favorito, por várias razões. Dicas do "insider": escolha um jogo do Glorioso contra uma equipe de fora ou contra o América (a imigração italiana, que deu grandes frutos na Argentina, não foi muito feliz em BH). Tendo a opção, escolha o acesso pela Antônio Carlos. Suba a Av. Abraão Caram e não entre no estacionamento do estádio. Deixe o carro uns dois ou três quarteirões antes do fim da rampa; sempre há vagas. Caminhe até a Churrascaria Farroupilha, peça uma Bohemia e observe a chegada da nação alvi-negra entoando o mais cantado hino de futebol do planeta. O Mineirão tem quatro portões de acesso à arquibancada: 3, 6, 9 e 12. Prefira o 9, já que o 12 foi colonizado pelas "organizadas" (o 3 é reservado para o pequeno clube da colônia italiana). Depois da vitória, o seu carro estará à frente do trânsito. Dê a volta e pare num dos bares da Pampulha, com vista para a lagoa.

Digam lá, belo-horizontinos, do que me esqueci. E você aí na sua cidade, deixe a dica quente e colabore com a socialização da informação.

PS: Feliz aniversário, lindona!



  Escrito por Idelber às 06:52 | link para este post | Comentários (30)



terça-feira, 24 de abril 2007

Performing Brazil, Madison, Wisconsin

DSC03513.JPG
arte do cartaz: Talía Guzmán-González.

Registrar congressos acadêmicos no blog é chato, mas o encontro Performing Brazil, na Universidade de Wisconsin, Madison, não pode passar em branco. Talvez eu me lembre de colóquios de estudos culturais tão bons como esse. Melhores, duvido. Os Profs. Severino Albuquerque e Kathryn Sánchez, além de impecáveis na organização, tiveram a ótima idéia de convidar oito "keynote speakers", abrir um call for papers e, depois de seleção bem feita, montar um programa coerente. Nada que lembrasse os arrazoados em que se transformam os congressos que privilegiam a quantidade. Foram 2 dias de maratonas de 10 horas de banquete intelectual – pontuadas por almoço com cardápio à brasileira, da melhor qualidade, e concluídas à noite com visitas aos excelentes restaurantes de Madison que, além de tudo, servem cerveja local que ombreia com as melhores do mundo.

Contar tudo é impossível, mas aqui vão meus destaques:

Uma incrível apresentação de Bryan McCann, autor do premiado Hello, Hello Brazil: Popular Music in the Making of Modern Brazil, sobre a era do rádio. Sem um único pedaço de papel, demonstrando só com o iPod e a gaita, Bryan examinou desta vez as pouco estudadas raízes da bossa nova no blues. Foi montando uma história alternativa da bossa nova para além da tríade Jobim-Gilberto-Vinícius, com fantásticos exemplos musicais como Horace Silver (née Horácio da Silva, para quem não sabe). Bryan ainda deu, de gorjeta, a melhor explicação da famosa flatted fifth (quinta bemolizada) que já vi. Foi um show de historiografia e análise musical.

Apresentar depois de um cara desses é um pesadelo, mas meu brother e colega daqui de Tulane, Christopher Dunn, entrou e deu outro show: um passeio pelas paródias e brincadeiras visionárias de Tom Zé com o tema do cidadão e da cidadania. Entre os exemplos musicais, “São, São Paulo” no festival da canção e uma performance recente, dos anos 90, de “Identificação”, no Teatro Vila Velha em Salvador, tão inesquecível que é realmente um crime que Chris não tenha subido a joça ao Youtube ainda.

A turma de estudos de música que veio era da pesada e não terminava aí: Jason Stanyek, de Nova Iorque, com gravações de entrevistas e demonstrações musicais, mapeou o já vasto terreno do samba nos EUA. Passou por figuras como Jorge Alabe e Curtis Pierre – ambos com trajetória aqui em New Orleans – e demonstrou, com a competência de musicólogo que também é compositor, as mutações do suíngue (esse curioso monossílabo inglês que os brasileiros transformamos em trissílabo) na diáspora tupinambá daqui. De quebra, Jason emplacou uma bela elaboração do conceito de groove e exibiu um daqueles vídeos de Jorge Alabe em que se tem sensação de que há uma orquestra percussiva tocando. Outra apresentação de babar.

Daniel Sharp, mestre em música com dissertação sobre o mangue beat e doutor com tese sobre a música de Arcoverde, foi de Assis Calixto ao revolucionário Cordel do Fogo Encantado. Com super conhecimento de causa (Dan já virou até nome de crepe por aquelas bandas), deu aula magistral sobre a música do portal do sertão pernambucano.

Outro ponto alto foi a mega revisão da obra de Nelson Pereira dos Santos por Darlene Sadlier, permeada por clips bem escolhidos, que foram tecendo um belo painel da obra de Nelson e me encheram de vontade de rever os filmes que já vi ou assistir àqueles que ainda não conheço. Rebecca Atencio fez uma leitura fina de uma peça que levanta todo tipo de problemas ético-estéticos: Lembrar é resistir, encenada nas dependências do DOPS em SP e ambiciosa (alguns diriam invasiva) em sua manipulação da tour que recebe a platéia pelos corredores do horror.

O encerramento foi uma palestra memorável de uma das maiores críticas teatrais brasileiras (senão a maior), Silvana Garcia, que nos brindou com uma visita direto de São Paulo. O tema foi o Oficina, sobre o qual aprendi tudo o que sempre quis saber. Silvana fechou com chave de ouro, exibindo um clip de vinte minutos dessa maratona orgiástica que é a montagem do Zé Celso Martinez Corrêa d’ Os Sertões, de Euclides.

Quando alguém lhe disser que os brasilianistas dos EUA só fazem estereotipar e repetir clichês, sugira uma rápida visita às obras dessa turma e àquelas dos vários outros listados no programa que eu não citei.

Houve muito mais. Não seria exagero dizer que jamais aprendi tanto sobre música e teatro em dois dias. Severino e Kathryn, obrigado. Aos alunos de Wisconsin, especialmente às alunas do seminário de literatura contemporânea da Prof. Ksenija Bilbija, com as quais bati longo papo, aquele abraço pela hospitalidade.

Eu disse que as cervejas de Madison são incomparáveis? Quando for, não perca a Capital Amber e não deixe de ir ao Great Dane. Não perca tampouco um restaurante leste-africano, o Buraka. É isso. Valeu mesmo, Madison :-) Numa semana trágica para a universidade americana, foi inspirador ter o outro lado da moeda em grande estilo.

PS: O camarada Flávio Prada convida para um exercício de reflexão ecológica, inspirado pelo Faça sua parte. Todo apoio cá deste humilde.



  Escrito por Idelber às 05:06 | link para este post | Comentários (11)



domingo, 22 de abril 2007

O melhor e o pior da tecnologia

Adorei estas duas listas:

Os 50 melhores produtos da tecnologia (desde a invenção do primeiro PC).
Os 10 produtos mais insuportáveis

(ambos links via Corinha).

Diga lá, erudito tecno-leitor: o que sobrou e o que faltou nessas listas?



  Escrito por Idelber às 03:39 | link para este post | Comentários (11)



sexta-feira, 20 de abril 2007

Cripta em duas partes

labyrinth2.gif Historinhas zizekianas:

1. Um marido e uma mulher vivem um acordo de que podem manter casos extraconjugais. Se, de repente, o marido vier contar a sua mulher sobre um caso que está tendo, ela terá bons motivos para entrar em pânico: Se é apenas um caso, por que você está me contando isso?

2. Como sabemos, os EUA sempre se utilizaram do assassinato e da tortura contra adversários políticos em várias partes do mundo, através da CIA ou de regimes-gorila instalados via golpes de estado. Se agora estão reconhecendo abertamente que torturam prisioneiros no Iraque, em Guantánamo e alhures, há motivos para se perguntar: o que significa essa admissão? Por que não continuam torturando em silêncio como antes?

3. Um rapaz no velho regime comunista da Iugoslávia chega ao exército e é encaminhado ao escritório para assinar um termo de compromisso de lealdade à pátria, a Tito e ao socialismo. O oficial lhe explica que ele deve assinar a declaração livremente, de sua própria vontade. Mas que se não assiná-la será encarcerado como traidor. O jovem replica: recuso-me. Mas se o senhor me der ordens para tanto, assino na hora. O oficial retruca: a declaração é anódina a não ser que seja assinada de livre e espontânea vontade. Mas se você não assinar, será preso.

4. João e Maria vivem na mais sublime das felicidades em seu amor. Maria diz a João: meu amor é tal que eu faço qualquer coisa que você me pedir. Seja P, Q, R, X, Y ou Z: peça-me e eu farei. João retruca: meu amor por você é tanto que P, Q, R, X ou Y não fazem a menor falta. Eu só preciso de Z. Eu nem preciso de que Z seja tão bem feito assim. Só preciso que você o faça sem que eu tenha que pedir. Porque a essência de Z é que, se ele for feito depois de um pedido, perde todo o significado.

****************************************

Simplificando grosseira, brutalmente, proponhamos: há duas formas de se entender a relação entre as coisas e os signos, a ordem bruta dos fatos e a ordem porosa, heterônoma da linguagem. A turma número 1 acredita que existe a ordem do real e, por outro lado, a ordem da representação - que pode ou não dar conta, e com maior ou menor fidelidade, desse real pré-existente.

A turma número 2, à qual eu me filio, acredita que qualquer alteração na ordem dos signos produzirá algum efeito, por mais mínimo, na ordem dos fatos que aqueles signos supostamente só representariam. A turma 2 acredita que qualquer representação altera a ordem do real, qualquer mapa transforma o território.

Ambos os grupos reconhecem a existência, por um lado, dos fatos e, por outro, de valores através dos quais esses fatos são compreendidos. Mas só a turma número 2 coloca-se a pergunta: a própria distinção entre fatos e valores pertenceria à ordem dos fatos ou à ordem dos valores? A turma número 1 não entende essa pergunta.

O abismo entre as duas turmas é irreconciliável, pois reconhecer a existência do desacordo já implica automaticamente filiar-se à turma número 2. A cisão entre elas seria, então, não uma diferença mas um diferendo: uma cisão que só pode ser nomeada optando-se por um dos lados. Não há uma linguagem neutra na qual a joça possa ser nomeada.

Uma das definições possíveis de democracia é: o labor de se transformar, incessantemente, diferendos em diferenças.

PS: Se você está em algum ponto do meio-oeste americano e se interessa por cultura e literatura brasileiras, seu lugar este fim de semana é aqui. Vem pra cá. O congresso começa hoje. Às 10 da matina, 12 de Brasília, eu entro em campo com a Nação Zumbi. Wisconsin, vou lhes contar, produz as melhores cervejas que já bebi na vida.



  Escrito por Idelber às 02:56 | link para este post | Comentários (35)



quarta-feira, 18 de abril 2007

Matança em Virginia Tech

VT.jpg Na época do furacão Katrina, Virginia Tech recebeu 24 estudantes de Tulane. Sinto gratidão pela acolhida que meus alunos receberam por lá. Os laços entre as duas instituições são estreitos; eu sou professor de várias pessoas que perderam conhecidos ou amigos na matança de Blacksburg, ocorrida nesta segunda-feira. O Departmento de Línguas Estrangeiras, acabo de receber a notícia, foi o mais atingido: perderam dois instrutores e duas salas cheias de alunos de francês e alemão.

Na manhã de terça, meus alunos de graduação, jovens como a maioria das vítimas em Blacksburg, me olhavam com aquelas caras de quem espera uma resposta. Por quê? Eram as mesmas caras que vi depois das matanças de Columbine e de tantas outras, tão freqüentes e tão tipicamente americanas: massacres a tiros sem vínculo com o crime organizado ou com qualquer organização política; sem relação com o tráfico de drogas ou com a vingança; não motivadas por disputas de qualquer natureza. Só um rapaz – em geral solitário e macambúzio – armado até os dentes, invadindo alguma escola na qual, em geral, ele mesmo estuda, e atirando em quem aparecer pela frente, matando quantos puder até ser abatido pela polícia ou cometer suicídio, como foi o caso esta semana em Virginia Tech.

A campanha Brady para prevenir a violência com armas dá à legislação do estado de Virgínia uma nota C-. Traduzo do site da campanha algumas perguntas relevantes:

Há um período de espera na compra de armas? Não
Há alguma limitação na venda de armas semi-automáticas? Não.
Pode o “attorney general” – autoridade judicial – regular a venda de armas? Não.
As cidades podem responsabilizar legalmente os fabricantes de armas? Não.
Há limitações sobre a posse de armas por menores de idade? Parcial. Não há limites para a venda de rifles ou espingardas para maiores de 12 anos.
Há algum requisito de licença para a compra de armas? Não.
Há algum treinamento para os compradores de armas? Não.
As cidades têm autonomia para estabelecer regras mais estritas para a compra de armas? Não.

E por aí vai. No dia 13 de março, Seung-Hui Cho, coreano residente há anos nos EUA, comprou, na Roanoke Firearms, uma Glock 19 de 9 mm. No dia 09 de fevereiro, já havia comprado uma arma calibre 22. Não se sabe por que um moleque de 23 anos precisaria de uma arma em Blacksburg – que é uma espécie de Conceição do Mato Dentro com uma grande universidade. O lobby de defesa das armas, treinado para manipular os fatos, já saiu dizendo que, se não fosse proibido carregar armas no campus de Virginia Tech, talvez mais alunos tivessem se salvado. Mais um vez, o interesse dos que lucram com a morte tenta extrair dos fatos uma mensagem exatamente oposta àquela que eles transmitem.

A pobre direita brasileira, coitada, quando não especula, no melhor estilo racista, que se houve matança é porque deve ter sido islâmico, encontra-se ocupada em atribuir o poderio econômico dos EUA ao direito de qualquer moleque comprar uma arma semi-automática em menos de 15 minutos – demonstrando assim profundo desconhecimento do próprio país que eles insistem em querer imitar.

PS: ótima cobertura da matança lá no Tiago Dória.



  Escrito por Idelber às 04:58 | link para este post | Comentários (44)



segunda-feira, 16 de abril 2007

Sobre o aborto

É muito promissor para o debate sobre a descriminalização do aborto o editorial (link para assinantes) publicado pela Folha de São Paulo neste domingo, no qual o jornal se compromete com a causa que une feministas, ativistas dos direitos humanos e boa parte dos profissionais da saúde, além de outros setores da sociedade civil. As pesquisas indicam que a maioria da população brasileira ainda é contrária a mudanças na legislação atual, que só permite o aborto em casos de estupro e de risco à vida da gestante. Mas também é verdade que este é um tema que ainda não foi abertamente debatido na sociedade brasileira com a profundidade que merece.

O sucesso dos que defendemos o direito da mulher escolher interromper sua gestação legalmente, com segurança e assistência médica dependerá, eu acho, de alguns fatores:

1. Rechaçar a etiqueta de “abortistas’: ninguém é “a favor do aborto”. Quem já conheceu uma mulher que passou pela cirurgia (e quem não conhece?) sabe que ela sempre representa um momento difícil, duro, de escolha penosa. Reduzir o número de abortos realizados no país é do interesse de todos. É uma pena que os que defendem a manutenção da criminalização do aborto não se mostrem muito preocupados em formular políticas para reduzir os 1,1 milhão de abortos realizados anualmente no Brasil, preferindo a via fácil do discurso moral e da pregação da abstinência que, já está provado, não funciona (link via Hermenauta).

2. Dirigir-se com especial atenção à população religiosa, apontando que, como demonstram as Católicas pelo Direito de Decidir, a identificação entre um feto de algumas semanas e uma vida humana é bem recente na história da Igreja. Não há nenhuma base científica para essa identificação. Quem se preocupa mesmo com a vida deve se perguntar: a proibição da cirurgia e a criminalização da gestante que a ela recorre é realmente uma defesa da vida? Mesmo? Pense bem, amigo católico.

3. Cobrar coerência dos que defendem a manutenção da criminalização da cirurgia. Se se trata da “eliminação de uma vida”, ora, os que a praticam e as que recorrem a ela teriam, por coerência, que ser julgados como assassinos. Quantos estão dispostos a encarcerar como homicidas as mulheres que recorrem ao aborto?

4. Entender que a descriminalização do aborto é uma peça num conjunto de medidas de prevenção e de educação sexual que são as únicas que podem alterar o triste quadro atual, de mortes e seqüelas ocasionadas por abortos de fundo de quintal.

5. Combater a desinformação. Num lamentável artigo (link para assinantes) escrito para a Folha, o deputado Luiz Bassuma (PT-BA), cometeu o seguinte disparate: Em 1988, ainda se questionava nos meios acadêmicos e científicos sobre o instante em que a vida tem origem. Hoje, com os avanços extraordinários da genética e da embriologia, não há espaço para qualquer dúvida: a vida começa no exato momento da concepção. Obviamente o deputado não cita nenhum geneticista ou embriólogo para apoiar tão descabelada afirmativa. O blog deixa aqui o desafio público para que ele nos cite qual é a base científica da afirmação de que a vida “começa no exato momento da concepçào”.

O resultado do plebiscito recente em Portugal é animador. A batalha é morro acima, sem dúvida. Mas vale a pena.

Texto anterior do Biscoito sobre o tema: Todo o apoio ao projeto de descriminalização do aborto.



  Escrito por Idelber às 05:29 | link para este post | Comentários (39)



sexta-feira, 13 de abril 2007

Links

Hoje, só alguns links, para seu prazer navegador:

Um velho leitor do Biscoito e amigo meu, o cientista político Diego Ambrosini (também conhecido como Dra) engrossa o rol dos excelentes blogs acadêmicos com um belo projeto: com vocês, Tentativas de Mitologias.

Eu cheguei a perdê-lo de vista por uns tempos, numa dessas novas dentições pelas quais passam os blogs. Reencontrá-lo foi uma grande alegria; não deixem de visitar Zé Carlos Cipriano, um dos maiores conhecedores da música brasileira, e o seu indispensável Sovaco de Cobra.

Não se trata de blog novo, mas eu acabo de conhecê-lo. O autor é sociólogo, conhecedor do mercado editorial e ainda por cima tem o bom gosto de ser vascaíno. Visitem a Quitanda do Chaves.

Das coisas mais brilhantes e divertidas que li ultimamente na blogofera foi esse texto do Matusca. Não deixem de ler (via Mestre Fábio).

O stalinista já recomendou, mas eu não posso deixar de concordar: o novo projeto de Ricardo Monteiro, Vidas e Imagens, é um olhar brilhante e original sobre o Brasil. Não deixe de passar por lá.

As atualizações não são tão freqüentes como eu gostaria, mas esse é um espaço que você não deve perder de vista: Ecologia Digital.

Poucas vezes vi um blogueiro levar tanta cacetada como Tim O'Reilly na sua última tentativa de elaborar um "código de conduta" blogueira. O problema não é sugerir alguns códigos. O problema é fazê-lo com esse tom de quem quer organizar a internet. A pior parte foi a sugestão de que os blogueiros "assumam responsabilidade" pelo dito pelos leitores, justamente numa época em que se conseguiram algumas vitórias importantes na justiça dos EUA, no sentido de aliviar a responsabilidade jurídica do blogueiro sobre o dito por outrém em seu blog. Via o indispensável Tiago Dória.

Um escândalo do tamanho das gravatas do Henry Sobel num país vizinho: Bryce Echenique, talvez o segundo escritor peruano mais conhecido em sua pátria e no estrangeiro, foi pego no plágio não de um, não de dois, mas de pelo menos oito textos diferentes, copiados de outrém verbatim e publicados em jornais sob sua assinatura. Em sua declaração sobre o assunto, Bryce se justificou remetendo o problema a uma confusão de sua secretária particular. Trata-se de um petardo em cheio que atinge um escritor até então queridíssimo, que praticamente não tinha desafetos. A história completa, com toda a documentação, está no excelente blog Punte aéreo, aqui, , acolá e alhures.

Elas não comentam mas, quando fazem seus posts, põem os pingos nos i's.

PS. Se você estiver próximo a Madison, Wisconsin, no próximo fim de semana, não perca este colóquio (veja o programa completo). A conferência de abertura acontecerá na sexta-feira às 10 da manhã e será dada por este atleticano blogueiro, que deixa o agradecimento à Universidade de Wisconsin em Madison pelo convite.



  Escrito por Idelber às 04:46 | link para este post | Comentários (11)



quarta-feira, 11 de abril 2007

Meme das pedras de toque

cartola.jpg O Paulo Roberto Pires, do bom blog Toca Tudo, fez um post recordando um livro do José Lino Grünewald, que colecionava algumas das “pedras de toque” da poesia brasileira: imagens que condensam um universo poético, resumem a obra de um autor, dizem mais que o aparente à primeira vista. Daí o Paulo propôs as “pedras de toque” da letrística da música brasileira popular para ele; os leitores acharam várias outras, muito boas.

Vamos roubar a brincadeira deles? Aí vão algumas das minhas:

Tire o seu sorriso do caminho / que eu quero passar com a minha dor
(Nélson Cavaquinho / Guilherme de Brito / Alcides Caminha, “A Flor e o Espinho”)

Cuidado Saci, cuidado com a toca
Treine bem e não se compromete
Pois esta aposta consiste
Em que você ande
Pelo sítio de patinete

(Jorge Ben, “Sasaci Pererê” - é puro Ben essa estrofe!)

Matou o ciúme que mata
Negou a mentira da nêga
Cantou o remorso num canto
Guardou o seu anjo-de-guarda
Chamou a doideira da chama

(João Bosco / Aldir Blanc, “Escadas da Penha” – parte B, depois da reviravolta)

E a lama come mocambo e no mocambo tem molambo
E o molambo já voou, caiu lá no calçamento bem no sol do meio-dia
O carro passou por cima e o molambo ficou lá
Molambo eu, molambo tu

(Chico Science / Fred 04, “Rios pontes e overdrives”)

Aconteceu um novo amor
Que não podia acontecer
Não era hora de amar
Agora o que vou fazer?

(Dorival Caymmi, “Não tem solução”)

E no anseio da desgraça
Encho mais a minha taça
Para afogar a visão

Quanto mais bebida eu ponho
Mais cresce a mulher no sonho

(Orestes Barbosa, “A mulher que ficou na taça” - adoro esse pseudo-parnasianismo do samba dos anos 30. Cartola foi o mestre disso).

O meu cartão de crédito é uma navalha

(Cazuza / Nilo Romero / George Israel, “Brasil”)

Vou me desacorvardar dizendo não
A um coração que fez só desagasalhar
Quem o abrigou

(Cartola / Hermínio Bello de Carvalho, “Labaredas)

Diga lá, leitor, quais são as suas pedras de toque na música brasileira popular?



  Escrito por Idelber às 05:56 | link para este post | Comentários (33)



segunda-feira, 09 de abril 2007

Deus, um Delírio, de Richard Dawkins

Somos todos ateus no que concerne à maioria dos deuses que a humanidade já acreditou. Alguns de nós só vão um deus além disso.

Eu sou contra a religião porque ela nos ensina a nos satisfazermos ao não entender o mundo.

Bush e Bin Laden estão, na verdade, do mesmo lado: o lado da fé e violência, em oposição ao lado da razão e discussão. Ambos têm uma fé implacável de que estão certos e de que o outro é maligno. Ambos acreditam que, quando morrerem, ascenderão aos céus. Cada um crê que, quando matar o outro, seu caminho ao paraíso no outro mundo será muito mais rápido. O ilusório 'outro mundo' será bem-vindo a ambos. Este mundo seria um lugar muito melhor sem nenhum dos dois. (fonte)


dawkins.jpgRichard Dawkins, biólogo e professor da cátedra de Compreensão Pública da Ciência na prestigiosa Oxford University, talvez seja o ateu mais ilustre do nosso tempo. Pesquisador premiado, talentoso popularizador da ciência e introdutor do termo meme, uma espécie de equivalente cultural do conceito biológico de “gene”, Dawkins é mais conhecido (e atacado) por sua feroz crítica das religiões. Ao contrário dos cientistas que – apesar de ateus ou agnósticos, como o são a esmagadora maioria dos cientistas – estão reconciliados com a idéia de que ciência e religião são empresas que podem coexistir desde que os limites de cada uma sejam respeitados, Dawkins encara as religiões como uma perigosa fonte de obscurantismo que ameaça a busca da verdade, o trabalho da razão e a paz.

A culminação da sua cruzada anti-religiosa (valha o oxímoro) é o livro The God Delusion, que será lançado no Brasil pela Companhia das Letras no segundo semestre. Até onde pude averiguar, o livro deve sair com o título de A Ilusão de Deus, o que é uma tradução no mínimo imperfeita. “Delusion”, em inglês, designa um tipo de ilusão com características patológicas. “Delírio”, neste caso, talvez fosse uma melhor solução. Para piorar, a ambigüidade própria ao genitivo no português pode sugerir que é o não-existente Deus que anda iludido. . . Talvez a tradução mais conforme com as intenções do autor fosse Deus, um Delírio. Atualização: a tradução que saiu terminou optando pelo título que considerávamos melhor; parabéns aos tradutores.

Terminei de ler o livro, com tremenda admiração pela coragem e erudição de Dawkins. A obra poderia ser dividida, grosso modo, em duas partes: uma demonstração cientifica da extrema improbabilidade da existência de Deus e uma tentativa de explicação do porquê da popularidade das religiões ao redor do mundo. A primeira parte do argumento é impecável; a segunda, bem mais fraca.

Alguns dos pressupostos do livro de Dawkins são irrefutáveis. Os ateus e agnósticos formam um enorme contingente humano, mas não encontraram ainda canais efetivos para a defesa de sua visão de mundo. Prova disso é o fato de que qualquer candidato a presidente dos EUA que se declarasse ateu estaria condenado a perder a eleição. Apesar de que é improvável que qualquer amostra de 500 indivíduos norte-americanos instruídos não inclua um ateu, nenhum dos membros do Congresso tem coragem de se declarar não crente – isso implicaria condenar-se a não ser reeleito. Nenhuma pregação da eliminação de um grupo étnico ou sexual seria protegida pela primeira emenda à constituição americana, a que garante liberdade de expressão, já que ela não inclui discursos que incitam o ódio. No entanto, basta que o ódio se apresente como religioso (“a homossexualidade é um pecado!”) para que ele passe a ser aceitável. Ninguém questionaria o direito de qualquer cidadão declarar que o marxismo ou o liberalismo são idéias imbecis, mas qualquer ataque à religião nesses termos é imediatamente qualificado como um desrespeito. A religião desfruta desse curioso privilégio: a livre discussão de seus postulados continua barrada à razão, mais de 200 anos depois da revolução iluminista. Ninguém se referiria a uma criança de 5 anos de idade como "conservadora" ou "liberal", mas fala-se impunemente de "criança católica" ou "criança muçulmana", ao invés do que seria correto, "crianças de pais católicos" ou "crianças de pais muçulmanos". Ninguém tem nenhuma prova de que os religiosos são pessoas mais morais em suas ações que os ateus, mas essa associação automática continua operando em nossa sociedade, com conseqüências desastrosas. Por outro lado, há montanhas de evidências correlacionando o ateísmo a níveis mais altos de informação, preparação científica e QI, mas a palavra "ateu" ainda carrega um terrível estigma. delusion.jpg

Dawkins desmonta admiravelmente a hipótese deísta, mostrando que a ciência da evolução já nos forneceu os mecanismos para entender como a complexidade surge da simplicidade. É óbvio que a ciência não pode provar a inexistência de Deus, assim como não pode provar a inexistência de fadas ou do saci-pererê. Mas a hipótese deísta, de um Deus criador de toda a complexidade do mundo, além de não ser capaz de apresentar qualquer evidência que a sustente, contraria toda a evidência disponibilizada pela pesquisa científica acumulada ao longo dos séculos. A desconstrução que oferece Dawkins das “provas” da existência de Deus são alguns dos momentos mais brilhantes do livro, só comparáveis ao rolo compressor que ele passa sobre a falácia do “projeto inteligente” (intelligent design), máscara pseudo-científica recentemente encontrada pelos criacionistas para tentar conquistar espaço igual ao da ciência nas escolas e que, apesar de generosos subsídios de fundações conservadoras como a Templeton, ainda não conseguiu alistar nem meia dúzia de cientistas sérios em sua defesa.

A principal crítica feita por Terry Eagleton ao livro de Dawkins – a de que ele ignora as sutilezas da teologia – me parece, por isso, essencialmente injusta. Dawkins escreveu um livro que tenta demonstrar porque a hipótese deísta não se sustenta. Exigir que ele dedique páginas às diferenças entre São Tomás de Aquino e Duns Scott é como esperar que uma crítica racional da astrologia perca tempo debatendo as diferenças entre os astrólogos chineses e os mexicanos. Continuo achando extremamente engraçado que um marxista como Eagleton escreva frases como porque o universo é de Deus, ele compartilha de sua vida, que é a vida da liberdade. É por isso que ele funciona por si mesmo, e é por isso que tanto Richard Dawkins como a ciência são possíveis. O mesmo é verdadeiro dos seres humanos: Deus não é um obstáculo a nossa autonomia e prazer mas, como argumenta Aquino, o poder que permite que sejamos nós mesmos . Qual é a evidência que apresenta Eagleton para sua tese? Nenhuma. É porque é. Porque Aquino disse. É difícil acreditar que alguém possa escrever coisas assim e ainda declarar-se marxista. O pobre Karl deve estar revirando-se no Highgate Cemetery, com seguidores como Eagleton.

O livro também foi criticado por razões, digamos, táticas, ou seja, por “jogar gasolina no incêndio”, como argumenta Marcelo Gleiser, um ateu, nesses dois artigos na Folha (link para assinantes). Muitos acreditam que é melhor concentrar-se na crítica aos fundamentalismos religiosos, ao invés de empurrar todos os crentes para o campo inimigo. Essa é, acredito, a posição dos que reclamam do “radicalismo” ou “intolerância” de Dawkins, como alguns dos leitores dessa resenha escrita por Lucia Malla. Eu concordo com a resposta da Lucia, de que não se deve confundir ênfase com intolerância. Muitas vezes, o ataque ao “radicalismo” de alguém é só uma forma de reconhecer que seus argumentos não podem ser refutados com facilidade.

Há críticas do livro de Dawkins, no entanto, que me parecem atinadas, e Eagleton reproduz algumas delas. Dawkins tem uma tendência a exagerar a influência negativa da religião e a desprezar o papel positivo que ela pode cumprir em algumas situações. Sua análise de fenômenos sociais é grosseiramente unidimensional. Ele chega a declarar, por exemplo, que a abolição da religião representaria o fim dos problemas no Oriente Médio ou na Irlanda, o que é uma brutal simplificação. Qualquer que seja sua posição sobre a ocupação colonial eufemisticamente conhecida como o “conflito israelo-palestino”, a explicação do problema não pode prescindir de uma análise da estrutura política estabelecida a partir da fundação do estado de Israel. Que a religião passe, depois, a simbolizar o conflito para muitos dos atores nele envolvidos não quer dizer que ela seja a causa decisiva. Houve incontáveis contextos históricos nos quais judeus, cristãos e muçulmanos conviveram em relativa harmonia, como por exemplo na Al-Andalus medieval (para detalhes, consultar este livro). Não é correto afirmar, como o faz Dawkins, que a situação semi-colonial da Irlanda ante a Inglaterra se remonte a uma mera rixa entre protestantes e católicos, por mais que essa seja a fachada mais visível do conflito. Ao explicar os ataques terroristas do 11 de setembro como uma mera conseqüência do fundamentalismo religioso, Dawkins ironicamente repete os argumentos da direita religiosa que é sua grande inimiga – desprezando assim a análise da evidência histórica que mostra as raízes políticas do problema.

Em outras palavras, como biologia e cosmologia o livro é impecável e confirma a sólida reputação do autor. Quando ele se move na direção do terreno das ciências sociais e da filosofia, patina. Acho inconcebível que um ateu tente explicar o papel das religiões no mundo sem engajar-se nem uma única vez com Nietzsche, Freud ou Marx. Esses três “pensadores da suspeita” ofereceram ferramentas sofisticadíssimas para a compreensão do problema. Dawkins as ignora e substitui-as por um modelo tosco, mecânico, reducionista, que se limita a explicar a religião como resquício de um modo de pensamento infantil. Mas claro, se Dawkins soubesse tanto de filosofia e ciências sociais como ele sabe de biologia e cosmologia, ele não seria Dawkins. Seria Deus.

Leituras relacionadas
(em português):
Resenha de O Anti-Cristo, de Friedrich Nietzsche, cá neste blog.
O fantasma de Darwin, de José Colucci Jr.
Santa Ilusão, resenha de Hélio Schwartsman na Folha.
Resenha de Renato Zamora Flores, na Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul.
Capítulo de Decompondo o Arco-Íris, de Richard Dawkins.
Resenha de A Escalada do Monte Improvável, de Richard Dawkins.
Portal do Ateísmo.
Entrevista com Richard Dawkins.
Citações de Richard Dawkins.

(em inglês):
The Atheist.
Interview with Richard Dawkins.
Beyond Belief, in the New York Times.



  Escrito por Idelber às 07:08 | link para este post | Comentários (73)



sábado, 07 de abril 2007

Resposta de Paulo Cesar de Araújo a Roberto Carlos

Seis semanas atrás, uma absurda decisão judicial ordenou a retirada de circulação do livro Roberto Carlos em Detalhes, do jornalista e historiador Paulo Cesar de Araújo. Considerando-se a minúcia, o afeto e o rigor da obra do historiador baiano, a infeliz decisão da 20 Vara Cível do Rio de Janeiro representa um golpe sem precedentes na liberdade de pesquisa e de expressão no Brasil.

Neste sábado, Paulo Cesar se pronunciou publicamente sobre o assunto pela primeira vez, e o fez num belo texto: Roberto Carlos precisa de um Tony Blair, publicado na Gazeta Mercantil. É leitura indispensável.

O blog reitera o apoio ao Paulo Cesar e pede encarecidamente ao leitores que não percam de vista os desdobramentos deste episódio.

Atualização: Carla Rodrigues me avisa que o link fornecido no post está levando a outro texto. Pelo jeito, a Gazeta Mercantil ainda não chegou à era do permalink, pois quando da confecção do post o link levava ao lugar certo. Para facilitar, copiei e colei o texto aqui na caixa de comentários.



  Escrito por Idelber às 05:15 | link para este post | Comentários (21)



quinta-feira, 05 de abril 2007

Faltou combinar com os russos

gama.GIF

Eu sou um mineiro apaixonado pelo Rio de Janeiro e pelos cariocas. Como a maioria dos atleticanos, tenho, na Cidade Maravilhosa, simpatias cruzmaltinas. A primeira camisa de time de futebol que tive foi do Vasco da Gama. Não me canso de contar a história do Campeonato Carioca de 1923, em que o bravo time de negros e mulatos do Vasco deu um baile nos quatro grandes (na época o América-RJ era grande) e começou a enterrar a segregação racial no futebol brasileiro, então disfarçada de amadorismo aristocrático.

Mas confesso que vibrei muito ontem quando o Gama marcou, aos 48 minutos do segundo tempo, o gol que eliminou o Vasco da Copa do Brasil. Não foi por birra com Romário ou com a festa preparada para o seu (segundo suas contas) milésimo gol, que acabou, de novo, não saindo. Foi simplesmente porque eu não suporto a imprensa esportiva do Rio de Janeiro. Alguém precisa avisá-los que a capital mudou para Brasília e que as transmissões ocorrem em cadeia nacional.

Eu me lembro de jogos entre, digamos, Flamengo x Grêmio ou Fluminense x Internacional em que o telespectador da Globo tinha a nítida sensação de que Grêmio e Internacional eram equipes estrangeiras. A transmissão de Vasco x Gama feita ontem pelo Sport TV (e veiculada aqui nos EUA pela Globo Internacional), com narração de Milton Leite e comentários de Paulo César Vasconcelos, foi dessas coisas que insultam a inteligência de qualquer um que tenha concluído o ensino primário.

Não me refiro à torcida descarada pelo gol de Romário. Ela é natural. Tampouco implico com as análises táticas que tratam o jogo como se somente uma equipe estivesse em campo – “o Vasco não está conseguindo fazer isso”, o “Vasco precisa fazer aquilo”. Já estou acostumado com isso também. Onde a miopia do comentarista carioca via incapacidade do Vasco havia simplesmente um esquema de marcação que se aproveitava da obsessão dos cruzmaltinos com o milésimo de Romário. Até aí tudo bem. Normal.

Mas as declarações do comentarista PCV, de que o Gama “estava felicíssimo” com um empate por 1 x 1 que o eliminaria da Copa do Brasil e “comemoraria” a eliminação (talvez porque os boçais do Centro-Oeste devessem ficar felizes de serem eliminados sem derrota) foram tão insultantes e tão contraditórias com o que se observava no campo que eu me peguei torcendo contra a minha segunda maior paixão futebolística. Só para contrariar.

O Gama havia empatado com o Vasco no DF em 2 x 2 e, portanto, o empate em 1 x 1 no Rio o eliminava da competição, já que o gol na casa do adversário é o primeiro critério de desempate na Copa do Brasil. Várias vezes durante o jogo o comentarista PCV disse: “O Gama vai comemorar o empate”, “o Gama está feliz com o resultado”, “o Gama só quer enervar o Vasco” e outras pérolas de bairrismo rasteiro. Dei-me ao trabalho de fazer estatísticas: o Gama teve mais posse de bola, chutou mais vezes a gol, teve mais escanteios e jogadas de linha de fundo que o Vasco. Algum erudito leitor pode me explicar como uma equipe dessas está “feliz com o empate”?

Até o juiz resolveu dar uma mãozinha. Praticamente não houve paralizações no segundo tempo, mas Sua Excelência resolveu dar 4 minutos de acréscimos, na esperança de que alguma bola espirasse para Romário. O feitiço virou contra o feiticeiro. 48 do segundo, falta contra o Vasco, tirambaço de Marcelo Uberaba, bola no ângulo, gol do Gama, 2 x 1, Vascão fora da Copa. Bem feito.

Na saída, os jogadores do Gama desabafavam: Deus é justo. Vocês ficam fazendo festa antes da hora, levaram ferro! O pior é que nenhum dos nossos ilustres jornalistas esportivos pareceu entender que o desabafo era contra eles, mais que contra o clube cruzmaltino.

galo-3.jpg PS: Antes do recente confronto entre Atlético-MG e América-RJ pela Copa do Brasil, as duas equipes haviam se enfrentado 36 vezes, com vantagem de uma vitória para os cariocas (12 x 11, com 14 empates). Isso bastou para que o Ameriquinha estampasse em seu site que o Galo era “freguês”. Como o Santo André ano passado, o Ameriquinha descobriu a diferença entre um time grande e um time pequeno. E a importância de não se abrir a boca antes da hora. Especialmente contra o Galo. Bye bye. Galo nas oitavas, invicto há 11 jogos.

PS2: Alguém aí sabia que o pai de Pelé jogou no Galo?

PS3: Enquanto isso, o Campeão do Mundo vive seu inferno astral, cujas raízes estão explicadas aqui, por quem entende do assunto.



  Escrito por Idelber às 04:28 | link para este post | Comentários (17)



quarta-feira, 04 de abril 2007

Os 100 melhores romances em língua espanhola dos últimos 25 anos

bolaño.jpg
O maldito canonizado: Roberto Bolaño emplacou 3 romances entre os 100 melhores do mundo hispânico no último quarto de século.

A revista colombiana Semana recentemente jogou lenha na fogueira das discussões literárias hispano-americanas ao reunir 81 críticos, jornalistas e escritores para eleger os 100 melhores romances em língua espanhola dos últimos 25 anos. Como sempre no caso dessas listas, o único interesse é brincar, comparar gostos e descobrir novos títulos. Jamais se chegará, claro, a nenhum acordo nem mesmo sobre o que constitui um grande romance. A lista dos 25 primeiros colocados, com as respectivas sinopses, encontra-se aqui. As 75 obras seguintes, acompanhadas só do nome do autor, país de origem e data de publicação, estão aqui.

Quatro escritores foram recordistas de citações, com três obras cada: o colombiano García Márquez, o espanhol Javier Marías e, surpreendentemente para quem conhece o tradicional predomínio da poesia sobre a prosa no país, os chilenos Diamela Eltit e Roberto Bolaño. Este último, inclusive, emplacou seus três romances entre os 15 primeiros, dois deles no top 5 – prova definitiva da rápida canonização desse insólito e talentoso escritor que, até poucos anos antes de sua morte em 2003, permanecia quase desconhecido até entre seus compatriotas.

Os 15 primeros colocados foram:

1. El amor en los tiempos del cólera. Gabriel García Márquez.
2. La fiesta del Chivo. Mario Vargas Llosa.
3. Los detectives salvajes. Roberto Bolaño.
4. 2666. Roberto Bolaño (um inesquecível mega-romance, mais longo que Um defeito de cor, da Ana).
5. Noticias del imperio. Fernando del Paso.
6. Corazón tan blanco, Javier Marías
7. Bartleby y Compañía, Enrique Vila-Matas
8. Santa Evita, Tomás Eloy Martínez
9. Mañana en la batalla piensa en mí, Javier Marías
10. El desbarrancadero, Fernando Vallejo
11. La virgen de los sicarios, Fernando Vallejo
12. El entenado, Juan José Saer
13. Soldados de Salamina, Javier Cercas
14. Estrella distante, Roberto Bolaño
15. Paisaje después de la batalla, Juan Goytisolo.


diamela.jpg
Minha amiga Diamela Eltit ficou bem na fita e emplacou três romances: Lumpérica (58 lugar), El cuarto mundo (67) e Los vigilantes (100).

Tendo lido uns 80% dos romances listados na enquete e sendo fã incondicional de dezenas de outros que nela não entraram, dou meus pitacos. Quem sabe não há algum editor brasileiro atento por aí.

1. Entre os 25 primeiros, só 16 são latino-americanos, o que significa que a literatura espanhola está grosseiramente sobre-representada (são 34 romances ibéricos no total). O fato se explica, pelo menos parcialmente, pelos melhores canais de distribuição de que desfruta a literatura espanhola. Na Colômbia é bem mais fácil encontrar livros dos espanhóis Muñoz Molina e Enrique Vila Matas que dos argentinos Alan Pauls (que só emplacou uma entre as quatro obras primas que já publicou) e Sergio Chejfec (que nem foi lembrado), romancistas a meu ver muito superiores.

2. Considero o romance que ficou em 12 lugar, O enteado, de Juan José Saer, infinitamente melhor que aquele que acabou abiscoitando o primeiro, O Amor nos Tempos de Cólera, de García Márquez.

3. Dos 100 livros listados, só 23 são argentinos. O país, que há décadas produz a mais variada e rica prosa de ficção da língua espanhola, merecia umas 40 citações pelo menos. Alguns dos argentinos ausentes da lista do Semana que eu incluiria são: El vértice (Gustavo Ferreyra), Dos veces junio (Martín Kohan), Segundos afuera (Martín Kohan), El desamparo (Gustavo Ferreyra), El dock (Matilde Sánchez), El desierto y su semilla (Jorge Barón Biza), En breve cárcel (Sylvia Molloy), Montserrat (Daniel Link), Lenta biografía (Sergio Chejfec), Boca de lobo (Sergio Chejfec), El pudor del pornógrafo (Alan Pauls), Wasabi (Alan Pauls), Como me hice monja (César Aira), Santo (Juan José Becerra) e Cuerpo a cuerpo (David Viñas).

4. Arrisco-me a dizer que só não inclui La ciudad ausente, de Ricardo Piglia, entre os melhores dos últimos tempos quem não leu o livro. Se você não leu, largue este blog e vá comprá-lo. Existe em tradução (embora conste como esgotado no site da Livraria Cultura).

5. A escolha de La fiesta del chivo, de Vargas Llosa, como o segundo melhor romance hispânico do último quarto de século só pode ser piada. Eu não o incluiria nem entre os 100 melhores romances peruanos. Os mexicanos Carlos Fuentes e Angeles Mastretta, que emplacaram dois títulos cada um, tampouco entrariam na minha lista.

6. A ausência do mexicano Jorge Volpi – pelo menos de seu monumental En busca de Klingsor – é inaceitável.

7. A obra-prima El pasado, de Alan Pauls, que injustamente ficou em 31 lugar (merecia colocação melhor) sai em breve em tradução brasileira pela CosacNaify. Os leitores deste blog que decidirem encará-lo terão uma divertida surpresa lá pela página 300.

Para terminar, deixo duas perguntinhas para que vocês se entretenham na caixa de comentários:

a) Seria interessante saber quais desses romances estão disponíveis em português. Com certeza os de García Márquez e Vargas Llosa, por exemplo, são facilmente encontráveis aí no Brasil. Quais outros?

b) Que livros brasileiros você incluiria numa lista similar, ou seja, num cânone do que de melhor se publicou no romance tupiniquim desde a tragédia do Sarriá?



  Escrito por Idelber às 05:43 | link para este post | Comentários (27)



terça-feira, 03 de abril 2007

Advogada evangélica se recusa a entrar na vara

entrandonavarapt2.jpg

Roubei daqui.



  Escrito por Idelber às 05:24 | link para este post | Comentários (18)



segunda-feira, 02 de abril 2007

Agora vai

cigarettes.jpgAquele que é atualmente o meu blog brasileiro favorito, o Contemporânea, publicou um post recomendando “O Último Cigarro”, novela recente de Henri-Pierre Jeudy publicada aí no Brasil pela Editora Sulina. O post da Carla veio bem a calhar porque esta é a semana em que vou ganhar essa batalha; estou convicto.

Não sei se vou reviver a Fenomenologia da Fumaça aqui no blog, porque afinal de contas quem já traiu o apoio dos leitores uma vez (até um leitor de direita que me enviava “hate mail” tinha vindo se solidarizar), não tenho cara-de-pau de pedir ajuda aqui de novo. Mas enfim, aos 38 anos de idade, 23 de fumante, filho de pai morto de câncer aos 59, a hora é agora. Sim, Biajoni, Rafael, Nelson, Renata: abandoná-los-ei. Sem virar um ex-fumante chato, obviamente.

Aproveitei o ensejo para revisitar um dos meus livros favoritos. Se você entende inglês, leitor (fumante ou não), adquira em algum momento essa obra-prima: Cigarettes are Sublime, de Richard Klein. É a melhor resposta para quem diz que a crítica literária não anda produzindo nada de interessante.

A história de Richard é incrível: ele havia chegado ao topo da profissão de professor universitário sem jamais escrever um livro. Construiu sua reputação escrevendo artigos, fundando revistas, organizando antologias e dando palestras pelo mundo. Chegou a professor titular de literatura francesa em Cornell University, uma das universidades mais prestigiosas dos EUA. Fundou diacritics, a revista que foi o ó do borogodó em teoria literária nas décadas de 80 e 90. Mas nunca havia escrito um livro.

Até que a pressão se tornou insustentável: Richard, você tem que escrever um livro. Ele aproveitou a luta contra o cigarro e produziu um belíssimo tratado sobre a mortalidade, alinhavado por uma análise do papel do tabaco na cultura ocidental, uma leitura de seu lugar no cinema de Hollywood, uma avaliação do seu estatuto simbólico no existencialismo e uma interpretação daquele que é o grande romance moderno sobre o último cigarro, A Consciência de Zeno, de Italo Svevo. Traduzo do livro de Richard:

Fumar cigarros está permanentemente associado à idéia de suspender a passagem do tempo ordinário e instituir um outro, mais penetrante, em condições de resignação e indiferença luxuriosa, pelas quais a sensibilidade poética sente irresistível atração (p. 8)

A introdução do tabaco na Europa do século XVI correspondeu à chegada da Era da Ansiedade, o começo da consciência moderna que acompanhou a invenção e a universalização dos livros impressos, a descoberta do Novo Mundo, o desenvolvimento dos métodos científicos, racionais e a conseqüente perda das certezas teológicas medievais (p.27)

O cigarro encontra condições propícias em tempos de crises políticas ou tensão social. No entanto, somente no Segundo Império Luis Napoleão, um usuário compulsivo de todos os tipos de tabaco e homem de cinqüenta cigarros por dia, legitimou o seu uso pela aristocracia. James B. Duke e sua máquina depois o tornariam democrático (p.41)

Até hoje, em muitos países, qualquer um, de qualquer classe, pode solicitar fogo a qualquer outro, e o pedido de um cigarro nunca é recusado. . . O mais miserável mendigo tem direito de pedir fogo ao rei, e ele não poderá recusar (p.86).

O paradoxo de Zeno explica o delicioso gosto que tem, depois que você começou a parar, aquele cigarro que você fuma para provar que é livre para fumar sem se viciar de novo
(p. 98)

No prefácio, Richard explicava porque a escrita desse livro havia sido decisiva para sua vitória definitiva contra o cigarro. Se há algo que qualquer fumante ou ex-fumante sabe, é que não há receita universal: cada um tem o seu método. O de Richard foi fazer uma análise minuciosa do cigarro em suas dimensões literária, histórica, cinematográfica. O prefácio é eufórico. Exala um odor de missão cumprida. O livro foi um sucesso estrondoso e é até hoje o volume mais vendido de todo o catálogo da prestigiosa editora universitária de Duke.

Dois anos depois, estive com Richard e lhe dei os parabéns. Ele abriu um sorriso, agradeceu, enfiou a mão no bolso, tirou um cigarro e acendeu. Havia voltado a fumar.

O que não acontecerá com este blogueiro.

Atualização: Extra! Extra! Existe edição brasileira do livro de Klein: Cigarros são sublimes, publicado pela editora Rocco (valeu, Bruno!)



  Escrito por Idelber às 07:05 | link para este post | Comentários (20)