Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email:
idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro







selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« Advogada evangélica se recusa a entrar na vara :: Pag. Principal :: Faltou combinar com os russos »

quarta-feira, 04 de abril 2007

Os 100 melhores romances em língua espanhola dos últimos 25 anos

bolaño.jpg
O maldito canonizado: Roberto Bolaño emplacou 3 romances entre os 100 melhores do mundo hispânico no último quarto de século.

A revista colombiana Semana recentemente jogou lenha na fogueira das discussões literárias hispano-americanas ao reunir 81 críticos, jornalistas e escritores para eleger os 100 melhores romances em língua espanhola dos últimos 25 anos. Como sempre no caso dessas listas, o único interesse é brincar, comparar gostos e descobrir novos títulos. Jamais se chegará, claro, a nenhum acordo nem mesmo sobre o que constitui um grande romance. A lista dos 25 primeiros colocados, com as respectivas sinopses, encontra-se aqui. As 75 obras seguintes, acompanhadas só do nome do autor, país de origem e data de publicação, estão aqui.

Quatro escritores foram recordistas de citações, com três obras cada: o colombiano García Márquez, o espanhol Javier Marías e, surpreendentemente para quem conhece o tradicional predomínio da poesia sobre a prosa no país, os chilenos Diamela Eltit e Roberto Bolaño. Este último, inclusive, emplacou seus três romances entre os 15 primeiros, dois deles no top 5 – prova definitiva da rápida canonização desse insólito e talentoso escritor que, até poucos anos antes de sua morte em 2003, permanecia quase desconhecido até entre seus compatriotas.

Os 15 primeros colocados foram:

1. El amor en los tiempos del cólera. Gabriel García Márquez.
2. La fiesta del Chivo. Mario Vargas Llosa.
3. Los detectives salvajes. Roberto Bolaño.
4. 2666. Roberto Bolaño (um inesquecível mega-romance, mais longo que Um defeito de cor, da Ana).
5. Noticias del imperio. Fernando del Paso.
6. Corazón tan blanco, Javier Marías
7. Bartleby y Compañía, Enrique Vila-Matas
8. Santa Evita, Tomás Eloy Martínez
9. Mañana en la batalla piensa en mí, Javier Marías
10. El desbarrancadero, Fernando Vallejo
11. La virgen de los sicarios, Fernando Vallejo
12. El entenado, Juan José Saer
13. Soldados de Salamina, Javier Cercas
14. Estrella distante, Roberto Bolaño
15. Paisaje después de la batalla, Juan Goytisolo.


diamela.jpg
Minha amiga Diamela Eltit ficou bem na fita e emplacou três romances: Lumpérica (58 lugar), El cuarto mundo (67) e Los vigilantes (100).

Tendo lido uns 80% dos romances listados na enquete e sendo fã incondicional de dezenas de outros que nela não entraram, dou meus pitacos. Quem sabe não há algum editor brasileiro atento por aí.

1. Entre os 25 primeiros, só 16 são latino-americanos, o que significa que a literatura espanhola está grosseiramente sobre-representada (são 34 romances ibéricos no total). O fato se explica, pelo menos parcialmente, pelos melhores canais de distribuição de que desfruta a literatura espanhola. Na Colômbia é bem mais fácil encontrar livros dos espanhóis Muñoz Molina e Enrique Vila Matas que dos argentinos Alan Pauls (que só emplacou uma entre as quatro obras primas que já publicou) e Sergio Chejfec (que nem foi lembrado), romancistas a meu ver muito superiores.

2. Considero o romance que ficou em 12 lugar, O enteado, de Juan José Saer, infinitamente melhor que aquele que acabou abiscoitando o primeiro, O Amor nos Tempos de Cólera, de García Márquez.

3. Dos 100 livros listados, só 23 são argentinos. O país, que há décadas produz a mais variada e rica prosa de ficção da língua espanhola, merecia umas 40 citações pelo menos. Alguns dos argentinos ausentes da lista do Semana que eu incluiria são: El vértice (Gustavo Ferreyra), Dos veces junio (Martín Kohan), Segundos afuera (Martín Kohan), El desamparo (Gustavo Ferreyra), El dock (Matilde Sánchez), El desierto y su semilla (Jorge Barón Biza), En breve cárcel (Sylvia Molloy), Montserrat (Daniel Link), Lenta biografía (Sergio Chejfec), Boca de lobo (Sergio Chejfec), El pudor del pornógrafo (Alan Pauls), Wasabi (Alan Pauls), Como me hice monja (César Aira), Santo (Juan José Becerra) e Cuerpo a cuerpo (David Viñas).

4. Arrisco-me a dizer que só não inclui La ciudad ausente, de Ricardo Piglia, entre os melhores dos últimos tempos quem não leu o livro. Se você não leu, largue este blog e vá comprá-lo. Existe em tradução (embora conste como esgotado no site da Livraria Cultura).

5. A escolha de La fiesta del chivo, de Vargas Llosa, como o segundo melhor romance hispânico do último quarto de século só pode ser piada. Eu não o incluiria nem entre os 100 melhores romances peruanos. Os mexicanos Carlos Fuentes e Angeles Mastretta, que emplacaram dois títulos cada um, tampouco entrariam na minha lista.

6. A ausência do mexicano Jorge Volpi – pelo menos de seu monumental En busca de Klingsor – é inaceitável.

7. A obra-prima El pasado, de Alan Pauls, que injustamente ficou em 31 lugar (merecia colocação melhor) sai em breve em tradução brasileira pela CosacNaify. Os leitores deste blog que decidirem encará-lo terão uma divertida surpresa lá pela página 300.

Para terminar, deixo duas perguntinhas para que vocês se entretenham na caixa de comentários:

a) Seria interessante saber quais desses romances estão disponíveis em português. Com certeza os de García Márquez e Vargas Llosa, por exemplo, são facilmente encontráveis aí no Brasil. Quais outros?

b) Que livros brasileiros você incluiria numa lista similar, ou seja, num cânone do que de melhor se publicou no romance tupiniquim desde a tragédia do Sarriá?



  Escrito por Idelber às 05:43 | link para este post | Comentários (27)


Comentários

#1

Sinto que o Brasil fica distanciado das listas justamente por causa da língua. O Português nos isola dentro do contexto latino americano.
No minha lista, entraria os brasileiros "Feliz Ano Novo" de Rubem Fonseca e "Mãos de Cavalo" de Daniel Galera.
Beijus

Luma em abril 4, 2007 7:51 AM


#2

"os detetives selvagens" está traduzido e foipublicado pela Comanhiadas Letras!

Maria Andréia em abril 4, 2007 8:34 AM


#3

Li somente uns poucos da lista, mas concordo que La fiesta del chivo, do Llosa, não entraria no meu top 10 de jeito nenhum. Idelber, lembra de uma pequena lista similar feita pelo "Estado de Minas"? Eles na época elegeram os 15 melhores. Veja só: http://odisseia2005.blogspot.com/2005/07/vale-pena-ler-literatura-brasileira.html

Leandro Oliveira em abril 4, 2007 9:54 AM


#4

Não entendo essa fixação com "Duas vezes junho". Eu achei ele bonzinho, e só. Me diverti muito mais lendo A Festa do Bode.

Bender em abril 4, 2007 11:07 AM


#5

pois eu tenho a sensação de que só eu não li ainda o Bolaño, que o Milton já me disse tantas vezes que preciso, preciso conferir.

e tenho que ler Piglia, também, senão a Olivia vai me dar castigo.

boto dois jovens e recentes na lista dos brazucas: O Paraíso é Bem Bacana, do André Sant'anna, e o Corpo Presente do JP Cuenca.

abraço! :-)

tiagón em abril 4, 2007 11:48 AM


#6

Fico felicíssimo por meu querido e amado Bolaño. Eis um escritor que adoro! Há dois livros traduzidos pela Cia das Letras: Noturno Chileno e o citado Os Detetives Selvagens.

Ele merece. Mesmo!

Milton Ribeiro em abril 4, 2007 11:52 AM


#7

Acho que passo por episódio Alzheimer-like:

- Qual o nome do autor de "Armadilha para Lamartine"? Esse é um deles.

- A trilogia de Fernando Monteiro - o terceiro ainda não saiu - e que começa com "O Grau Graumann" e "As Confissões de Lúcio".

- Nenhum Noll.

- "Dois Irmãos" do meu xará Hatoum.

- "O Homem Amoroso" de Luís A. de Assis Brasil e...

... pode ser que eu volte...

Abraço.

Milton Ribeiro em abril 4, 2007 12:04 PM


#8

Não li a grande maioria dos livros desta lista, mas estranhei que A Louca da Casa de Rosa Montero não tenha aparecido ali. Acho esse livro muito melhor que O vôo da Rainha, do Eloy Thomas Martinez, por exemplo.

Pra dar um palpite numa lista de livros brasileiros, eu colocaria Dois Irmãos do Milton Hatoum e Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios do marçal Aquino.

Arnaldo em abril 4, 2007 2:08 PM


#9

Idelber,

Vou ser chato pra c*.

Assim, do jeito que você põe a lista dos livros e seus comentários sobre eles, fica uma coisa muito "argumento de autoridade". Tipo, ah, esse é o livro que o Idelber gosta, esse é o autor que o Idelber despreza, etc.

Seria legal se você mostrasse quais são seus critérios para fazer os julgamentos que fez. Isso permitiria que o eventual leitor "conversasse" mais com seu post e com suas opiniões sobre a lista. Principalmente no caso das pessoas que não leram nem um décimo dos livros ai citados, como é o meu caso (embora eu tenha algumas opiniões ab ovo, como por exemplo a de que é impossível dizer se a literatura da Espanha está super- ou sub- representada se a gente não conhece o número total de lançamentos literários na Espanha vis a vis o resto do mundo hispanohablante). É claro que você sempre poderia dizer que se meu caso é esse eu nem deveria estar lendo este post, quanto mais dando palpite nele. Porém, como disse, eu sou chato pra c*.

abçs

Hermenauta em abril 4, 2007 2:12 PM


#10

Caraca, Hermenauta, se para fazer este post eu já tive que ficar até as 6 da matina, imagine se eu fosse argumentar os critérios!

Mas eu entendo sua ponderação, fica tudo solto mesmo. E gosto de leitores chatos :-)

Idelber em abril 4, 2007 2:16 PM


#11

Sei lá, acho q li pouca literatura (os chamados clássicos). Mas gosto: é q durante um bom tempo tive de ler textos + teóricos, sabe? Me ocorreram só livros de poesia: "Melhores Poemas de Paulo Leminski" (1996) - é o q tenho dele e gosto muitíssimo - e "Trevo" (1988) da Orides Fontella. Muitos dos poemas de ambos foram escritos antes de 1982 (é essa a data inicial válida?), mas outros depois. Abraço. E adorei as indicações do post sobre literatura em língua espanhola. Daqueles só tinha lido o Garcia Marques.

Sibila em abril 4, 2007 2:32 PM


#12

caro idelber. sei que voce odeia vargas llosa porque ele não reza pela ultrapassada cartilha marxista que voce ainda defende. e a crise aérea, grande mestre? genial isso q li:

Lula, o que não aprende nada, discursou e prometeu mais recursos para a Aeronáutica, o que, no contexto, chegou a ser quase ofensivo. Porque é isto: ele acha que, no fim das contas, basta acenar com alguma grana, que as coisas voltam a seu lugar. É o que lhe ensina a sua experiência sindical; essa é a linguagem que fala a Nova Classe Social que está no poder. No fim das contas, ele não concebe que possa haver valores que o dinheiro e algumas prebendas não podem comprar.

quem escreveu essa verdade crisyalina? outro q voce não deve gostar. reinaldo azevedo

belchior em abril 4, 2007 3:06 PM


#13

15 bons romances brasileiros dos ultimos 15 anos (tive que googlar "saria") eu nao consigo dizer nao. se incluir antologias de contos, tem uma ou outra. se incluir obras em portugues de modo geral, aih lobo antunes, saramago e mia couto vao praticamente expulsar os brasileiros da lista... tah dificil...

alex castro em abril 4, 2007 4:32 PM


#14

E eu que achei que o único Roberto Bolaño(s) famoso era o Chaves.

Afonso Andrade em abril 4, 2007 4:45 PM


#15

Ops, corrija-se "me ocorreram por me ocorreu". Faço mtos erros mas pelo menos esse eu consegui perceber. BJ.

Sibila em abril 4, 2007 4:57 PM


#16

Idelber,
Acho que Dois Irmãos é, fácil, o melhor romance brasileiro publicado nos últimos 25 anos, mas a verdade é que eu não leio muita literatura brasileira recente. Um outro livro de que eu gosto bastante é Budapeste. Acho que muita gente tem bode dos livros do Chico Buarque porque não considera possível que um compositor de MPB consiga produzir literatura de qualidade. A questão é que ele consegue. Estorvo também é um livro subestimado
Um abraço,
Marcos

Marcos Matamoros em abril 4, 2007 5:09 PM


#17

Também gosto muito do Dois Irmãos, Marcos. Estaria com certeza na minha lista. E os três romances do Chico também.

A lista que o Leandro linkou é muito boa. Eu teria coisas a acrescentar, mas praticamente nenhuma a excluir. É um bom antídoto ao pessimismo do Alex.

Idelber em abril 4, 2007 6:27 PM


#18

Milton, o autor de Armadilha para Lamartine é Carlos Sussekind. Só que o livro é de 1976, se não me engano.

Você se lembra, Milton, que nosso primeiro contato foi através de um comentário meu a um post seu sobre Bolaño?

Idelber em abril 4, 2007 6:31 PM


#19

Ser informado sobre as mais variadas listas é coisa que o cidadão do século XXI não poderá mais se furtar. Mas cá entre nós caro Idelber, nada mais neo-liberal e globalizante (globalizante no pior sentido) do que estas listas!

Achei curioso que ‘La fiesta del Chivo’ tenha obtido colocação tão importante, e não tome isso como uma provocação por favor. Mas depois dessa eu recomendaria que você compre um bilhete de loteria. A probabilidade, no caso da loteria, está a seu favor.

Paulo em abril 4, 2007 7:09 PM


#20

Não lembrava, Idelber. Legal, muito legal.

Cara, off-topic: Eu gostaria de chamar tua atenção para alguns posts publicados no Cidades Crónicas, principalmente os do moçambicano Nelson Saúte.

Poderias dar uma olhadas nestes?

http://www.verbeat.org/blogs/cidadescronicas/arquivos/2007/02/a_minha_vida_esta_naquela_mala.html

e

http://www.verbeat.org/blogs/cidadescronicas/arquivos/2007/04/miquelina_angela_e_amelia_jere.html

Abraços.

Milton Ribeiro em abril 4, 2007 10:39 PM


#21

Antonio Muñoz Molina también tuvo tres novelas en la lista: #17 El jinete polaco, #27 El invierno en Lisboa y #35 Plenilunio. La que me gustó más era Plenilunio; no creo que haya sido traducida a ningún otro idioma todavía. La ausencia de La ciudad ausente de Piglia es impensable.

Mac Williams em abril 7, 2007 11:23 PM


#22

Compartilhamos o gosto pela literatura latino-americana. Acho que você já postou um texto meu aqui. Por isto e por aquilo, e por seu interessante blog, está linkado no meu http://laoutra.blogspot.com
bjs, tudo de bom

Maria Alzira em abril 20, 2007 10:06 AM


#23

Compartilhamos o gosto pela literatura latino-americana. Acho que você já postou um texto meu aqui. Por isto e por aquilo, e por seu interessante blog, está linkado no meu blog
bjs, tudo de bom
MA

Maria Alzira em abril 20, 2007 10:07 AM


#24

bom d ++

Anonymous em junho 13, 2007 4:31 PM


#25

Great boys
5ddd37feaa1b321b9a57ff6df9a7ea8c

Thanks boys em fevereiro 1, 2008 4:09 AM


#26

Um ano depois (só estou lendo O Passado agora)...

Sou da categoria "sempre te leio, nunca comento", mas vim aqui revirar seu blog atrás de algum comentário - seu ou de outrém - sobre essa bendita aparição no livro. Gargalhei ao ler, mesmo porque a visão que Rímini (ou Alan rs) tem de você é completamente oposta a que tenho. Você já se pronunciou alguma vez sobre isso? Se sim, me mostra onde? Vocês conhece o autor mesmo? Deve ser uma história ótima :D

Abraços!

Priscilla Fogiato em maio 4, 2008 7:34 PM


#27

Os 15 primeros colocados foram:

1. El amor en los tiempos del cólera. Gabriel García Márquez.
2. La fiesta del Chivo. Mario Vargas Llosa.
3. Los detectives salvajes. Roberto Bolaño.
4. 2666. Roberto Bolaño (um inesquecível mega-romance, mais longo que Um defeito de cor, da Ana).
5. Noticias del imperio. Fernando del Paso.
6. Corazón tan blanco, Javier Marías
7. Bartleby y Compañía, Enrique Vila-Matas
8. Santa Evita, Tomás Eloy Martínez
9. Mañana en la batalla piensa en mí, Javier Marías
10. El desbarrancadero, Fernando Vallejo
11. La virgen de los sicarios, Fernando Vallejo
12. El entenado, Juan José Saer
13. Soldados de Salamina, Javier Cercas
14. Estrella distante, Roberto Bolaño
15. Paisaje después de la batalla, Juan Goytisolo.

sanara em abril 20, 2009 2:51 PM