Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email:
idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro







selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« Links :: Pag. Principal :: Matança em Virginia Tech »

segunda-feira, 16 de abril 2007

Sobre o aborto

É muito promissor para o debate sobre a descriminalização do aborto o editorial (link para assinantes) publicado pela Folha de São Paulo neste domingo, no qual o jornal se compromete com a causa que une feministas, ativistas dos direitos humanos e boa parte dos profissionais da saúde, além de outros setores da sociedade civil. As pesquisas indicam que a maioria da população brasileira ainda é contrária a mudanças na legislação atual, que só permite o aborto em casos de estupro e de risco à vida da gestante. Mas também é verdade que este é um tema que ainda não foi abertamente debatido na sociedade brasileira com a profundidade que merece.

O sucesso dos que defendemos o direito da mulher escolher interromper sua gestação legalmente, com segurança e assistência médica dependerá, eu acho, de alguns fatores:

1. Rechaçar a etiqueta de “abortistas’: ninguém é “a favor do aborto”. Quem já conheceu uma mulher que passou pela cirurgia (e quem não conhece?) sabe que ela sempre representa um momento difícil, duro, de escolha penosa. Reduzir o número de abortos realizados no país é do interesse de todos. É uma pena que os que defendem a manutenção da criminalização do aborto não se mostrem muito preocupados em formular políticas para reduzir os 1,1 milhão de abortos realizados anualmente no Brasil, preferindo a via fácil do discurso moral e da pregação da abstinência que, já está provado, não funciona (link via Hermenauta).

2. Dirigir-se com especial atenção à população religiosa, apontando que, como demonstram as Católicas pelo Direito de Decidir, a identificação entre um feto de algumas semanas e uma vida humana é bem recente na história da Igreja. Não há nenhuma base científica para essa identificação. Quem se preocupa mesmo com a vida deve se perguntar: a proibição da cirurgia e a criminalização da gestante que a ela recorre é realmente uma defesa da vida? Mesmo? Pense bem, amigo católico.

3. Cobrar coerência dos que defendem a manutenção da criminalização da cirurgia. Se se trata da “eliminação de uma vida”, ora, os que a praticam e as que recorrem a ela teriam, por coerência, que ser julgados como assassinos. Quantos estão dispostos a encarcerar como homicidas as mulheres que recorrem ao aborto?

4. Entender que a descriminalização do aborto é uma peça num conjunto de medidas de prevenção e de educação sexual que são as únicas que podem alterar o triste quadro atual, de mortes e seqüelas ocasionadas por abortos de fundo de quintal.

5. Combater a desinformação. Num lamentável artigo (link para assinantes) escrito para a Folha, o deputado Luiz Bassuma (PT-BA), cometeu o seguinte disparate: Em 1988, ainda se questionava nos meios acadêmicos e científicos sobre o instante em que a vida tem origem. Hoje, com os avanços extraordinários da genética e da embriologia, não há espaço para qualquer dúvida: a vida começa no exato momento da concepção. Obviamente o deputado não cita nenhum geneticista ou embriólogo para apoiar tão descabelada afirmativa. O blog deixa aqui o desafio público para que ele nos cite qual é a base científica da afirmação de que a vida “começa no exato momento da concepçào”.

O resultado do plebiscito recente em Portugal é animador. A batalha é morro acima, sem dúvida. Mas vale a pena.

Texto anterior do Biscoito sobre o tema: Todo o apoio ao projeto de descriminalização do aborto.



  Escrito por Idelber às 05:29 | link para este post | Comentários (39)


Comentários

#1

Estou prestando a maior atenção nessa discussão agora no Brasil. Devo, porém, com muito pesar, contar para vocês que aqui na Holanda, fez parte do programa da nova coalizão um item que dificultará o aborto por aqui. Tudo por causa da União Cristã (sigla CU, ha ha ha), partido que cresceu muito nas últimas eleições. Eles afirmam que é melhor a mulher levar a gestação até o final e depois dar a criança para a adoção !!!!!! Já estão rolando mudanças em relação ao casamento entre homossexuais, tipo o funcionário público agora pode alegar razões religiosas para não celebrar a união. Também querem mudar os protocolos da eutanásia, para inviabilizá-la na prática em favor de terapias contra a dor e quejandos. Enfim, estou torcendo por um nível de discussão mais alto do que esse exemplo que você mencionou da vida começar na concepção. abs

Márcia W. em abril 16, 2007 7:25 AM


#2

A discussão é extremamente positiva e um ponto à favor do novo ministro da saúde, que levantou a bola. Mas a idéia do plebiscito me parece equivocada. Aind precisaríamos de uns 50 anos para testemunhar um plebiscito que legalizasse o aborto no Brasil. As dicussões têm que caminhar para o Congresso Nacional. Ali talvez haja alguma chance.

Roberson em abril 16, 2007 9:51 AM


#3

Considero animador que o assunto esteja sendo finalmente discutido. O Brasil considera aborto tabu grave, ninguém conhece, ninguém fez, ninguém viu. As reações à palavra "aborto" lembram um pouco as mesmas que suscitavam "divórcio" ou "gay" no início dos anos oitenta. Uma pessoa de minha família era mulher divorciada em 1980, ela tinha dificuldade até para ser recebida na casa das pessoas e em clubes na cidade. Os gays, também, depois de muito apanhar, conseguem finalmente ousaram dizer o próprio nome e hoje lutam por dieritos civis. Mas, veja, se nos oitenta o número de divorciadas era pequeno, o número das que hoje já abortaram é imenso. Essas mulheres só têm coragem de confessá-lo a si próprias. Os mais conservadores, que atacam a prática em público mas não hesitam em que suas filhas ou esposas abortem um feto indesejado, baseiam seus argumentos nisso: culpa. Parabéns por ventilar por aqui uma questão essencial para todos, defensores ou contrários. Sabemos que conehcer o problema é o primeiro passo para resolvê-lo.

Cássio em abril 16, 2007 10:45 AM


#4

Idelber:
A discussão quase sempre acaba por esclarecer pontos de uma questão, como a do aborto. O problema, no meu entender, é que quem é contra a sua descriminalização não quer o debate, mas fazer prevalecer a opinião dele. É uma questão importante e deve, mesmo, sem debatida, mostrando que nada tem a ver de religião, mas de escolha pessoal.
Ah! E só agora descobri que estou nos seus links. Muito obrigado. É uma honra.

Lino em abril 16, 2007 10:55 AM


#5

Idelber,
o presidente do PT aqui na Bahia, Marcelino Galo, escreveu ontem um artigo no jornal A Tarde que termina assim "...Que o nobre deputado (Bassuma) se remeta às resoluções partidárias e se enquadre nelas a fim de representar os votos que recebeu e à sigla à qual é filiado, sob pena de responder em comissão de ética à transgressão cometida até agora. Sim à vida. Sim à legalização do aborto".

Franciel em abril 16, 2007 11:09 AM


#6

"O problema, no meu entender, é que quem é contra a sua descriminalização não quer o debate, mas fazer prevalecer a opinião dele." - Lino.

"Mas a idéia do plebiscito me parece equivocada. Aind precisaríamos de uns 50 anos para testemunhar um plebiscito que legalizasse o aborto no Brasil." - Roberson.

Quem não quer o debate, cara pálida?

Ricardo Antunes da Costa em abril 16, 2007 11:16 AM


#7

Acredito que esta seja "A" questão do feminismo atual, a que menos avançou nesses anos todos. O mais importante de se discuti-la é tentar descontruir alguns argumentos que o senso comum adota, sem parar para refletir sobre eles.

1. Que ser a favor da descriminalização é ser a favor do aborto – o que é ridículo, não existe uma pessoa "a favor do aborto", aborto é sempre uma solução limítrofe e dolorosa. Achar que, ao discriminalizá-lo, vai haver um bando de mulheres correndo para clínicas de aborto é o mesmo que achar que regulamentar o casamento gay vai fazer um monte de heterossexuais mudarem sua orientação.

2. Quem tem convições religiosas que não permitem o aborto, que não o pratique. Daí a querer proibir o acesso ao aborto a TODAS as mulheres me parece uma afronta ao Estado laico. Imagina se daqui a pouco os evangélicos radicais resolvem que é pecado as mulheres usarem saias e cismam que isso deve ser proibido por lei? Ou se eu fundo uma seita que acha que cinema é coisa do demo e pressiono o Estado a proibir as salas de exibição? Portanto, qualquer argumento pode ser válido neste debate, menos os argumentos religiosos. O Estado não pode se pautar por crenças individuais: isso é para orientar a SUA vida, não a legislação de um país.

3. Essa história de "a vida começa no instante mesmo da concepção". Não é engraçado que quem pensa assim não tenha nada contra os tratamentos de fertilização in vitro, que fecundam os óvulos (olha a concepção aí!) depois escolhem alguns para serem implantados e congelam ou descartam os outros?! Por que dois pesos e duas medidas?

Ju Sampaio em abril 16, 2007 11:19 AM


#8

Acho que, assim como aconteceu com o desarmamamento, por maior que sejam os esforços das pessoas pró-escolha, depois do plebiscito vai acabar ficando tudo na mesma. A sociedade brasileira é muito conservadora e, nas camadas menos esclarecidas (mais numerosas também, infelizmente) muito influenciada pelas igrejas, que na quase totalidade defendem esse conservadorismo.
O Brasil é um país meio esquisito. Tem lei que "pega" e lei que "não pega". Jogo do bicho é proibido mas está por aí para quem quiser ver. Como você mesmo disse, o aborto, mesmo sendo proibido, já é feito e ninguém é preso por isso.
Por essa e outras, ou talvez por que eu já esteja é ficando velho mesmo, acho meio que perda de tempo ficar fazendo plebiscito que na prática não vai acabar levando a nada.

Anonymous em abril 16, 2007 11:52 AM


#9

Ôôôps. Esqueci de "assinar" meu comentário anterior. Desculpe a falha.

Dismnésico em abril 16, 2007 11:54 AM


#10

A frase tem um problema ainda mais grave, creio eu.

A rigor, a "vida" não começa no momento da concepção. Ela preexiste ao momento da concepção: tanto óvulo quanto espermatozóide estão vivos, ora bolas.

A tecnologia genética já permite, inclusive, a criação de seres vivos adultos a partir de células somáticas, não sexuais. Dolly, a ovelha clone, foi criada assim, e é uma questão de tempo até que tal procedimento possa ser aplicado a humanos (se efetivamente será é outra história). A consequencia disso é que mesmo células somáticas têm potencial para criar a vida _ e a Igreja Católica ficará na difícil posição de ter que proibir cortes de cabelo e unha, bem como peelings e outros tipos de descamação da pele(afinal, a história de Onan no velho testamento já proíbe o desperdício de células sexuais...).

Então essa não é a melhor forma de conduzir a questão; penso que a verdadeira questão é saber quando começa a vida humana individual daquele ser específico concebido pela união do óvulo com o espermatozóide. Eis porque formo com aqueles que costumam atribuir à formação de um cérebro plenamente constituído o caráter de etapa delimitante para se saber se o feto já pode ser considerado um ser humano individualizado ou não.

Hermenauta em abril 16, 2007 12:23 PM


#11

Oi, Idelber!

Essa discussão é muito interessante, e aqui http://conversa2.blogspot.com/ a autora, uma portuguesa, fala sobre o plebiscito em Portugal e como as coisas acontecem na Almenha. Vale a pena.

Kelli em abril 16, 2007 12:57 PM


#12

Algum anônimo deixou este link lá no blog da Mary W. Como casou de ser o assunto do dia por aqui, roubei:
http://www.apolemicadoaborto.globolog.com.br/

Ju Sampaio em abril 16, 2007 2:46 PM


#13

Acho o aborto uma violência sem fim, abominável, terrível, cruel e profundamente desumana, o que é muito positivo. Talvez sua desumanidade faça com que a sua descriminalização seja ainda mais importante. Proibí-lo é como proibir a camisinha.

Bender em abril 16, 2007 2:47 PM


#14

Um dos pilares do moderno estado de direito é o respeito à vida, então, todas as exceções, como o aborto, a eutanásia, e a pena de morte, são complicadas. A única que eu rejeito sem dó é a pena de morte. O respeito à vida, no velho testamento, incluía a proibição de verter a semente no chão. Pra mim é uma discussão ética, e não científica. Sou absolutamente a favor do aborto.

Pecus em abril 16, 2007 4:03 PM


#15

Caracolis, Márcia, parece que a velha imagem de uma Holanda que era modelo de tolerância e avanços sociais vai ruindo cada vez mais, né? Triste mesmo...

Franciel, alegro-me com a notícia que trazes. Se o deputado Bassuma quer empreender cruzadas contra o direito ao aborto, que procure outro partido. Ele está contrariando resolução do Encontro Nacional do PT. Claro que já saíram manchetes nas filiadas da Globo dizendo coisas como "PT pró-aborto ameaça deputado"...

É dose...

Bem vindos tod@s, volto mais tarde

Idelber em abril 16, 2007 4:25 PM


#16

Aborto já! A maior parte dos problemas enfrentados por este país passam por um controle da natalidade mais rígido. O aborto poderia ajudar. Enquanto casais miseráveis, que não podem se sustentar, continuarem a ter um número inaceitável de filhos, sempre faltará comida, nunca haverá moradia suficiente, nunca haverá saúde suficiente, escola suficiente, emprego suficiente. O país não cresce na mesma rapidez que os pobres vão pra cama fazer filhos. Aborto pra ontem!
gd ab

JULIO CESAR CORRÊA em abril 16, 2007 7:20 PM


#17

Matar um amontoado inconsciente de células com 2 semanas de formação é tão inofensivo quanto cortar as unhas ou os cabelos . . . Atribuir a um punhado de células caráter de pessoa é uma ginástica moralista que não possui objetivo senão a legitimação via legislativa de misticismos anacrônicos, sujando de tribalismo uma discussão que deveria ser racional, unindo no desespero dogmas disfarçados de argumentos com remendos mitológicos neolíticos disfarçados de conceitos.

É o Douglas Donin, mandando muito bem em seu blog, num comentário ao texto de Carl Sagan sobre o aborto.

Idelber em abril 16, 2007 8:12 PM


#18

Eu tenho pânico ao ouvir os argumentos de ambos os lados quando se começa a discutir sobre aborto.

André Kenji em abril 17, 2007 1:59 AM


#19

Idelber,
Torço para que a sociedade brasileira se livre dessa corrente que é a lei contra o aborto, mas acho que é algo que tem que ser insistido e debatido por anos e anos. Portugal teve que realizar dois plebiscitos para que o debate ficasse mais claro e justo e que o "sim" ganhasse..
Em 1997, votaram apenas 31% da populaçao e 50,5 % votou contra o aborto, por isso o parlamento nao avançou com a lei. O debate prosseguiu, ate com mais movimentos pelo "nao" do que os favoraveis mas os resultados foram mais claros: 40% de participaçao e 60% favoraveis à liberaçao.
Foi realmente um avanço que, num pais de tradiçao catolica como Portugal, o aborto tenha passado, provando que com bastante debate, isso tbm pode ser possivel no Brasil.
Ninguem que defende a liberalizaçao quer que todas as mulheres possam fazer abortos a vontade. O aborto é uma violencia para o casal e principalmente para a mulher e os opositores ao aborto - apesar de dizerem que entendem isso - parecem que acham que o aborto vai ser obrigatorio, o que não tem nada de realidade.
Recomendo a quem interessar, o site http://www.medicospelaescolha.pt/ para saberem mais sobre o assunto. Um abraço!

Anonymous em abril 17, 2007 5:28 AM


#20

Desculpe pela falta de identificaçao do ultimo comentario, fui eu ;-)

Celinho em abril 17, 2007 5:30 AM


#21

Pois é, Idelber, enquanto eu não for declarada persona non grata vou continuar contando essas coisas sobre a Holanda. Assim como me incomodam os clichês que existem sobre nós, em geral, negativos, também incomodam esses de pais superprafrentex que a Batavia tem. Mas ãfã, acabei não dizendo o que acho do aborto. Sou totalmente a favor. No mundo ideal, todas as mulheres saberiam evitar gravidez, mas mesmo assim, acidentes acontecem. Parece que todos aqui concordamos que abortar não é um procedimento agradável, nem fisica nem emocionalmente e que uma vez aprovado também não vai ser obrigatório. Me identifico com as idéias do Rawls de conflitos de interesses. Colocando na balança, os interesses da mulher que não quer levar adiante a gestação vão pesar muito mais do que os do feto. E as mulheres e homens que por princípios religiosos ou outros quaisquer não admitem o aborto, que respeitem não pense assim e sejam felizes.

Márcia W. em abril 17, 2007 5:54 AM


#22

O Papa chegando, o aborto sendo discutido. Não é bem o momento. Não seria melhor o pentelho sair e acabar a babação da imprensa? Já estou nervoso. Todas as emissoras mostram a cama do Bento, o vinho que o Bento beberá, o local onde colocará seus santos pés, um saco!

Off-topic: Mais uma mortandade em universidade americana. Te cuida, Idelber. Se aparecer um cara silencioso e esquisito na aula, um nerdzinho no qual pressintas algum desvio, dê nota 10 para ele e diga que o admira. Melhor ser profilático.

Abraço.

Milton Ribeiro em abril 17, 2007 10:13 AM


#23

Poisé, aí é que fico pensando que de saída deve ser definido o termo "vida". Já vi argumentos dos mais diversos, desde que um bebê só se torna humano com a linguagem (então apenas depois de nascido), ou mesmo esse da concepção.

O que ocorre é um grande aglomerado de temas exógenos: morais, jurídicos, científicos... E como você disse a respeito de haverem abortos n fiscalizados no Brasil, o debate fica sempre no nível das idéias, sempre em disjunção com as práticas. Fica um debate meio caduco.

catatau em abril 17, 2007 12:38 PM


#24

Continuando, a questão é precisamente a da definição dos termos: se parto do princípio de que já na concepção há um ser vivo, 'humano' de fato, ou em potencial, a resposta é uma; se assumimos que se deve considerar a formação cerebral, é outra; se a formação cerebral deve implicar o desenvolvimento de uma consciência, mesmo que primitiva, outra ainda. E assim por diante...

No fim das contas, o debate talvez pare numa questão ainda NÃO resolvida: há continuidade ou ruptura entre o homem e o animal, e portanto no desenvolvimento de uma criança? Isso se considerarmos que o direito se inclinaria às opiniões de debates científicos... Geralmente, é o oposto que ocorre.

catatau em abril 17, 2007 2:40 PM


#25

Não há como rechaçar a etiqueta de abortistas: quem defende o aborto já superou a "dificuldade" de tomar uma posição.

É uma pena que os que defendem a prática do aborto não se mostrem muito preocupados em formular políticas para reduzir a gravidez indesejada, como educação básica, controle de natalidade através da educação sexual e difusão de métodos contraceptivos, preferindo a via fácil do aborto da criança indesejada.

A Igreja católica defende a abstinência. Ninguém é obrigado a seguir a orientação católica, mas a Igreja tem o direito de defender seu ponto de vista. Não entendo o porque deste levante contra a Igreja. Mostre-me um cientista ateu que negue que a abstinência é um contraceptivo dos mais eficazes, além de evitar a transmissão do HIV por contato sexual...

O fato de não haver base científica para a identificação do início da vida humana é o maior argumento contra o aborto. A criminalização da gestante que recorre ao aborto é uma defesa da vida da criança. A lei penal não prevê a pena de morte para quem pratica o aborto. Não venha falar das condições das prisões porque não vale. Uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa.
Acho que todos aqui convivem muito bem com a idéia de encarcerar criminosos. Ou não?

As cotas para os negros em universidades também eram para ser uma peça num conjunto de medidas, mas até agora não passam de migalhas politicamente corretas, pois nada foi feito para melhorar a educação como um todo para não precisarmos de reserva de vagas. Estamos no Brasil. Aqui tudo se começa e nada se termina. Se o aborto for legalizado, a coisa vai parar por aí. De uma vez é que o “conjunto de medidas de prevenção e de educação sexual” não sai do papel.

Se a vida não começa no momento da concepção, começa quando? Justamente pela incapacidade da ciência em definir o momento do início da vida, é que se deve defender o direito do embrião. Matar é errado. Quer fazê-lo? Vá buscar alguém do seu tamanho...

A Ju Sampaio levantou uma questão interessante acerca da fertilização in vitro: Na época de sua regulamentação, a população foi informada que óvulos fecundados seriam descartados? Se tivéssemos sido informados desse fato, esse tipo de fertilização teria sido liberado? Tendo a desconfiar que não. Eu fiquei enojado quando sou desse descarte, láááááá trás, quando começaram a discutir a questão das células tronco. Mas essa é uma outra história.

Nohay em abril 17, 2007 4:43 PM


#26

Ótimo o raciocínio do Douglas Donin, levantado pelo dono da casa. Poderíamos utilizar deficientes mentais como cobaias para medicamentos. Sejamos racionais: que desperdício foi a morte de Terry Schiavo! Ela não era nada mais que um punhado de células, que poderiam ser utilizadas para o bem da humanidade. Aliás, os judeus também. Pelo menos assim pensavam certos pesquisadores nazistas...

Nohay em abril 17, 2007 4:51 PM


#27

T O D O O A P O I O ! ! ! ! ! !

D E S C R I M I N A L I Z A Ç Ã O

D O A B O R T O

J Á !

Sibila em abril 17, 2007 5:23 PM


#28

Debate necessário.
Não acredito que com a tual cúpula no governo (com excessão do ministro que deu a partida para o debate), conservadora no geral e retrógrada em questão moral, o assunto avance no âmbito da legalização.

Paulo em abril 17, 2007 6:03 PM


#29

"É uma pena que os que defendem a prática do aborto não se mostrem muito preocupados em formular políticas para reduzir a gravidez indesejada, como educação básica, controle de natalidade através da educação sexual e difusão de métodos contraceptivos, preferindo a via fácil do aborto da criança indesejada."

Na verdade, Nohay, quem é contra a difusão de métodos anticonceptivos são os anti-abortistas. Basta ir lá no blog do Reinaldo Azevedo ver como ele se horroriza à visão de uma camisinha.

Acho que está bem claro que os pro-choice são isso: pro-choice. Não existem, ao que eu sabia, pró-abortistas, mas sim pessoas que acham que essa difícil decisão deve ser tomada pela própria pessoa, e não por outras em seu nome. A idéia de que todos devem ter acesso aos meios para evitar em primeiro lugar que as coisas cheguem a esse ponto é dada como pressuposto por quem é pro-choice, e costuma ser combatida pelos conservadores.

Ou seja, você está pregando no deserto.

Hermenauta em abril 17, 2007 6:58 PM


#30

nessas horas sempre gosto de citar um anúncio que foi veiculado em nova york por volta de 2000/02:

«70% dos comitês anti-aborto é contituído por homens. 100% deles nunca estiveram gråvidos».

simples assim...

elaine em abril 17, 2007 7:46 PM


#31

Só mesmo quem nunca, jamais, em tempo algum teve que se confrontar com a dura decisão de abortar ou não abortar um feto pode chamar a coisa de "via fácil".

Idelber em abril 17, 2007 9:59 PM


#32

Hermenauta, se um colega de trabalho atrapalha minha ascenção profissional, posso dar um tiro na cara dele? A turma que defende o aborto - vá lá, o "direito de escolha" - está pregando isso: a criança vai atrapalhar minha vida, puxa vida, vou fazer um aborto e bola prá frente...

Claro que, para muitas pessoas, a decisão de abortar não é fácil, mas é falso afirmar que elas estão decidindo sobre sua própria vida. Estão decidindo dar cabo de uma outra vida.

Prof. Idelber, não quero parecer grosseiro, mas você não sabe se eu tive ou não de me conforntar com possibilidade de abortar. Por outro lado, você acha que pregar moral e abstinência é fácil? Tente fazer isso e vai levar bordoada de todos os lados. Mas não cabe ao Estado pregar a moral e a abstinência. Essa é a funçao da Igreja. O Estado deve prover educação e planejamento familiar.
Será que é tão difícil?

Nohay em abril 18, 2007 10:31 AM


#33

Acho, Nohay. Acho que pregar abstinência com a genitália alheia é muito fácil. Facílimo.

Tente, para variar, abrir um blog, manter a caixa de comentários aberta e escutar gente comparando a mulher que decide abortar um feto no seu próprio corpo com nazistas que matavam judeus.

Aí talvez fique mais clara a diferença entre o fácil
e o difícil.

Idelber em abril 18, 2007 11:58 AM


#34

Prof. Idelber, é meu último comentário. Desculpe-me por tê-lo ofendido, parece que o debate é aberto apenas para quem é favorável ao “direito de escolha”, eu é que estou no lugar errado.

Qualquer ser humano é um punhado de células. Só disse que o fato dessas células terem ou não consciência não serve como parâmetro para discutir a validade do aborto. Nunca houve comparação de mulheres com nazistas que matavam judeus. Médicos nazistas fizeram experiências científicas com judeus por considerá-los inferiores, mutatis mutandis, do mesmo modo que o Douglas Donin pensa sobre os fetos.

Nohay em abril 18, 2007 3:13 PM


#35

Ofendeu não, Nohay, de forma nenhuma. Prova de que o debate está aberto para todos é que você continua bem vindo e pode postar como quiser.

Até mesmo para dizer que não há diferença entre uma mulher que aborta, no seu próprio corpo, um feto de milímetros de diâmetros e, por outro lado, experimentos nazistas com judeus.

Até mesmo para esse tipo de comparação a caixa continua aberta.

Idelber em abril 18, 2007 4:18 PM


#36

Nohay,

Seu problema é esquecer que vivemos em um mundo de 4, e não apenas 3, dimensões.

E você, claro, está abusando das falácias lógicas. O boi que você come também é um aglomerado de células. O rabanete também. O cabelo que você corta de vez em quando tem DNA humano, bem como as unhas. Pra não falar do enorme arsenal de excreções e secreções humanas. Então a propriedade "aglomerado de células" não é o suficiente para caracterizar a identidade individualizada humana.

Hermenauta em abril 18, 2007 4:48 PM


#37

Comparar um embrião humano com um fio de cabelo ou um pedaço de unha também é um abuso.

Por mais que um fio de cabelo tenha DNA humano, se eu deixar meu cabelo crescer, não vai sair outra pessoa dali. No máximo uma bela colônia de piolhos.

Se eu deixo minhas unhas crescerem, na melhor das hipótses sou chamado para coadjuvante dos filmes do Zé do Caixão.

O ponto é que, um embrião humano é um ser humano, mesmo que nos estágios primordiais de desenvolvimento. De um embrião humano não nasce um carneiro, um um panda ou uma girafa. Do embrião nasce um ser humano.

Não tem cérebro ainda? Dê-lhe mais alguns dias, logo ele terá. Não tem pulmão? Tenha paciência. Afinal você não esperou anos para ter pelos pubianos, pros seus seios crescerem?

Portanto, no fundo, tudo se resume a uma simples questão. Quem acredita que um embrião humano não passa de um "amontoado de células", equivalente a um fio de cabelo ou um pedaço de unha, pode ser a favor da descriminalização.

Mas para quem, como eu, acredita que o embrião já é sim um ser humano, e acredita que a vida humana deva ser protegida e preservada, vai ser contra. Sempre.

Ricardo Antunes da Costa em abril 19, 2007 9:20 AM


#38

Hi, my sites:
44c1884897f179d396fb34c24b732128

Great boys em fevereiro 1, 2008 11:15 AM


#39

Poucas palavras sobre o tema:

1) Quem diz que defende uma vida, ao ser contrário ao aborto, condena duas vidas: a do feto e a da mãe que se arrisca num aborto malfeito. Defender o aborto é defender a vida sim! A vida digna, a vida humana.

2) Aborto não é questão de foro íntimo, é questão de saúde pública. Não importa se você faria ou não. Tem gente fazendo e morrendo assim mesmo, independente da sua consciência, da sua fé. Você vai mesmo condenar essas pessoas em nome da vida?

3) Dizer que existem outros métodos contraceptivos e que as pessoas têm que estar conscientes quando fazem sexo é uma grande ilusão. Mesmo o SUS distribuindo pílula e camisinha gratuitamente, a maioria das pessoas não faz uso disso. A maioria das pessoas que precisam de aborto nem sabem o que é pílula, muito menos o que é "consciência". Nunca tiveram educação sexual na vida.

4) Pensem nos bebês jogados nas lagoas e por cima de muros por aí... Se houvesse aborto, eles teriam sofrido bem menos. Um embrião, até a 12a semana de gestação, não tem sistema nervoso, portanto não sente, não respira, não tem dor, não vive.

É isso aí.

Bárbara em janeiro 21, 2011 8:26 PM