Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email: idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro




selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« julho 2007 :: Pag. Principal :: setembro 2007 »

quinta-feira, 30 de agosto 2007

Aniversário de dois anos do Katrina

(este é um artigo meu que foi publicado este mês na revista Teoria e Debate, sob o título de "Katrina e o Fracasso Ético em New Orleans"; é um pouco mais longo que um post "típico", mas pode ter interesse para quem quer acompanhar a situação em New Orleans dois anos depois do furacão Katrina)

DSC01805.JPG

No histórico bairro negro do Lower Ninth Ward, situado a leste do canal de drenagem que conecta o Rio Mississippi e o imenso Lago Pontchartrain -- os dois corpos de água que limitam a cidade de New Orleans pelo sul e pelo norte --, a história do sr. J.R. não é tão original, exceto pelo extremo de tragicidade. Em 26/08/2005, sexta-feira, ouvira no rádio que o furacão Katrina poderia atingir a categoria 5, a mais alta. A desocupação da cidade era fortemente recomendada. Mas aos 65 anos de idade, sem automóvel, cartão de crédito ou dinheiro poupado, e com a esposa numa cadeira de rodas, a saída era quase impossível. O sr. J.R. decide permanecer e enfrentar a tempestade, a exemplo do que sempre fizera. Apesar de violento, o Katrina não causou maiores destruições além das esperadas quedas de árvores e fiação elétrica. Com estoques de comida e água, a família se sentia preparada. Na segunda-feira, a ruptura dos diques inundou em poucas horas essa que é umas das regiões mais baixas de New Orleans. A subida rápida da água no Lower Ninth Ward forçou J.R. a tirar a mulher da cadeira de rodas, mas mesmo seus consideráveis 1,90m não foram suficientes para evitar a tragédia. J.R. vê sua amada morrer submersa depois de escapar de seus braços. Pior de tudo, sobrevive a ela.

Só as histórias do Katrina como a de J.R. que eu, morador de New Orleans desde 1999, ouvi ou reconstruí comporiam um panorama aterrador, que um conhecedor da democracia americana contemplaria estupefato. Constatar que a caracterização do Katrina como “tragédia natural” é falsa e simplificadora não requer reviver teorias conspiratórias inspiradas na enchente de 1927 (quando, sim, dinamitou-se um dique com intenções genocidas, como demonstrado na narrativa clássica sobre essa enchente, o livro de John Barry, The Rising Tide: The Great Mississippi Flood of 1927 and How it Changed America). A inundação, destruição, diápora e confisco vividos a partir de 2005 pela população pobre de New Orleans, muito especialmente sua maioria negra, se remontam a causas que incluem o desfinanciamento federal da manutenção de diques, o descaso administrativo, o aparelhamento de cargos por trambiqueiros da turma de Bush e, depois da ruptura dos diques, uma deliberada, criminosa negligência. Não o “fenômeno natural Katrina”, mas ações e omissões humanas, políticas que o antecedem e o sucedem produzem uma diápora interna de centenas de milhares de americanos, massivo confisco de terras, quase limpeza étnica e destruição de uma das cidades mais originais do país, a New Orleans excêntrica e anti-puritana onde Bush havia amargado uma derrota por 82 x 18, a cidade multicultural, negra, francesa, caribenha, mulata, hispânica, católica e bruxa que o fundamentalismo religioso do Partido Republicano e o conservadorismo contemporâneo nos EUA sempre viram com uma curiosa mescla de horror e inveja. A cronologia de alguns fatos políticos coloca-o em contexto.

Em 12/01/2001, o Houston Chronicle citava uma avaliação da Agência Federal de Gerenciamento de Emergências (FEMA) de que um furacão em New Orleans era uma das catástrofes mais prováveis nos EUA, junto com um terremoto em San Francisco e, profeticamente, um ataque terrorista a Nova York. Em 2002, o Times-Picayunne, de New Orleans, realizou uma série de reportagens mostrando o cenário de uma ruptura dos diques e concluindo que “uma grande população de residentes de baixa renda que não possuem automóvel dependeriam de um sistema de emergência pública não-testado para a desocupação”. Em março de 2003 a FEMA foi rebaixada de ministério (cabinet level) a uma mera seção no Departamento de Segurança Interna, já redesenhado em função da “guerra ao terrorismo” . As funções de preparação e planejamento da unidade federal a cargo das emergências passam para um novo escritório. A FEMA passa a ser responsável só por “resposta e recuperação”. No mesmo ano de 2003, Bush nomeia, para a chefia da FEMA, Mike Brown, cuja única experiência administrativa concluíra com renúncia forçada devido ao desastre deixado por ele na Associação Internacional de Cavalos Árabes. Brown vinha suceder Joe Allbaugh, outro sem-experiência nomeado por Bush, que deixara o cargo para criar uma firma de consultoria para empresas que fazem negócios no Iraque. No verão de 2004, coincidindo com estudos e previsões do cenário macabro em New Orleans no caso de furacão seguido de ruptura dos diques, a FEMA recusa os pedidos da cidade de financiamento para mitigar desastres.

A recusa é politicamente carregada e adquire todo o seu sentido quando lembramos que os diques de New Orleans são de responsabilidade exclusivamente federal, administrados e construídos que são pelo Corpo de Engenharia do Exército. Em 2004, o gerente da zona de inundação do condado de Jefferson, vizinha a New Orleans, Tom Rodrigue, declara: “imaginar-se-ia que receberíamos consideração máxima. Estamos mais que qualificados”. Ainda no Jefferson Parish em 2004, o chefe de gerenciamento de emergências, Walter Maestri, comentava: "move-se dinheiro para segurança interna e para a guerra no Iraque, e suponho que nós pagamos o preço”. Quando, em 25/08/ 2005, o Katrina recebeu denominação de furacão categoria 4, o plano de prevenção de catástrofes do governo Bush já havia sido reduzido ao conceito de terrorismo e à manipulação em função da guerra do Iraque. Enquanto isso, nas agências de preparação de emergências, figuras do tráfico de influência e da negociata como Mike Brown ocupavam os postos mais altos.

Depois de uma passagem relativamente tranqüila do furacão, em 29 de agosto romperam-se diques em New Orleans, especificamente no Canal Industrial e no Canal da Rua Londres. Já em 30 de agosto, entulhados num estádio sem água ou comida, 20.000 new orleanianos começam a passar pelo horror do Superdome, onde ocorre um não-determinado número de estupros, tiroteios e mortes por homicídio ou suicídio. O mundo começa a se perguntar: onde estão os helicópteros dessa tão poderosa nação, que podem ir ao Iraque e não chegam a New Orleans? Enquanto circulavam as cenas de cadáveres boiando e de massas humanas de refugiados presos na própria cidade, ninguém menos que o Secretário de Segurança Doméstica – responsável pelo ministério para dentro do qual se movera a preparação para emergências – declarava que não sabia que milhares de pessoas estavam aglomeradas sem água ou comida do lado de fora do Centro de Convenções, 72 horas depois que o fato era de conhecimento do planeta. Em 02/09, o diretor da FEMA, o trambiqueiro Mike Brown, alude à responsabilidade das vítimas, dizendo “não entender” por que as pessoas haviam ficado na cidade. Seguindo-se ao inédito fracasso assistencial do estado, Bush, de férias, solta seu famoso Brownie is doing a great job.

Ante a proliferação de saques – boa parte dos quais absolutamente justificáveis pela situação de vida ou morte em que se encontrava a população depois de alguns dias -- o Exército americano, em texto oficial, faz referência ao início das operações de combate em New Orleans, qualificando os cidadãos americanos lá presentes como a insurgência. Em 03/09, centenas de pessoas ainda eram evacuadas do Superdome, uma semana inteira depois da chegada do furacão. O mundo descobre que incontáveis vítimas, todas negras, tentaram atravessar a ponte que liga New Orleans a Gretna, os subúrbios majoritariamente brancos a oeste do Rio Mississippi, e foram mandados de volta ao inferno da inundação pela própria polícia, a ponta de revólveres e espingardas.

DSC01778.JPG


Dos 500.000 habitantes da área metropolitana de New Orleans, pelo menos 200.000 ainda não haviam voltado dois anos depois, constituindo uma diáspora inédita na história dos EUA. Enquanto que antes do furacão, 67% da cidade era composta por negros, estima-se que hoje os afro-americanos não perfazem mais que 30% da população. Inicia-se um processo de confisco que inclui a fixação de limites temporais para a reconstrução (sob risco de perda de direitos), a impunidade e a autonomia para as companhias de seguros, a concentração de verbas nas mãos de empreiteiras e a composição de um comitê de reconstrução dominado pelos interesses da especulação imobiliária, da indústria dos seguros e do capital financeiro. A faixa de terra que se estende ao longo do Rio Mississippi – a parcela não-inundada do território, uptown a oeste e downtown a leste – experimenta um renascimento, com preços inflacionados e mão-de-obra latina. Na região residencial que bordeia o lago Pontchartrain, inundada mas habitada pela classe média branca, a liberação de verbas e a reconstrução seguem em velocidade muito maior à do resto da cidade. Em mid-city, região majoritariamente de classe trabalhadora, os sistemas escolar e hospitalar continuam em colapso e há regiões onde alguma vizinhança vai se recompondo, há outras em que não.

Em toda a cidade, proliferam as histórias de horror burocrático e descaso na liberação de trailers pelo governo federal ou no pagamento esperado das seguradoras. O retorno da população negra se dá em números baixos e parte dela se dá conta de que terá não só que se reergueer por conta própria, mas também enfrentar obstáculos políticos para recuperar direitos básicos. Uma das instâncias dessa luta se deu em abril e maio de 2006, nos dois turnos da eleição para prefeito, talvez a primeira da história dos EUA em que a maioria dos eleitores habilitados se encontrava fora da cidade. Tanto Mitch Landrieu, branco e de oposição, como Ray Nagin, negro e de situação (e ali reeleito), eram candidatos conservadores e pouco comprometidos com a população mais pobre. A luta que interessou se deu não tanto por uma candidatura, mas ao redor do direito mesmo de votar. Os negros terminaram sendo 55% dos 113.500 votantes e optando por Nagin em 80%. O surpreendente é que entre os brancos (44% do eleitorado) o voto em Landrieu parou nos 80%. Os cruciais 20% que teve Nagin entre os brancos se devem, em parte, a um curioso apoio de um setor dos republicanos de Louisiana que não detestam Nagin tanto quanto detestam a família Landrieu, da oligarquia democrata local. Mesmo com o fracasso durante o Katrina, Nagin se reelege. Sua figura é um contraditório compósito em que se refletem aspirações legítimas da população local, submetidas, no entanto, a um modelo capitalista selvagem, herdado da sua experiência como empresário de TV a cabo. Num contexto de descapitalização da cidade e de controle da política estadual por máfias e oligarquias, um prefeito como Nagin reduz-se a ser pouco mais que um refém. Mas não foi pequeno o poder simbólico de reeleger o negro que havia dito “poucas e boas” para Bush, e que bem ou mal esteve o tempo todo em New Orleans durante a tragédia.

A população negra, base histórica da cultura e do modo de vida new-orleanianos, se divide hoje, grosso modo, em 1) uma minoria de classes trabalhadora e média intactas, em áreas não inundadas como o Tremé, vizinho do French Quarter e mais antigo bairro negro da América do Norte; 2) uma pequena classe média em uptown, mid-city, e mesmo em áreas mais atingidas como New Orleans leste, que foram capazes de voltar à cidade e se restabelecer; 3) uma imensa massa de excluídos que, desprovidos das únicas posses que tinham (mesmo quando estas incluíam imóveis), lutam pelo direito básico de voltar para o lugar onde sempre viveram todos os seus. Ali, na tragédia dessa massa de quase duas centenas de milhares de americanos, se deixa ver o fracasso moral, ético, humano do modelo de gerenciamento da era Bush.

Hoje é possível visitar New Orleans, ater-se a algumas regiões, e passar pela cidade sem perceber os rastros do que a cidade foi vítima. Ao longo do Rio Mississippi, tanto na uptown mais moderna como na downtown histórica fervilha uma vida cultural que inclui oferta musical comparável aos níveis pré-Katrina, sempre com 20 a 40 shows dignos de nota mesmo em começo de semana. Já está restabelecida a tradição popular das secondlines, desfiles musicais ao longo da cidade no rastro de uma banda de metais (brass band), em verdadeiras tomadas rituais, festeiras, das ruas. Também há, na contrapartida da efervecência cultural, a diáspora de refugiados, o colapso dos sistemas hospitalar e escolar, a dura realidade das drogas e da violência, o confisco imobiliário contra o povo pobre da cidade, a super-exploração da nova mão-de-obra imigrante.

O pós-catástrofe de New Orleans é produto de uma interação complexa entre esses vários fatores. Se, em algum momento, temeu-se até mesmo uma “morte cultural” da cidade, a ainda pequena porcentagem de seu povo que voltou já pôde demonstrar que o medo era infundado. Se, ao longo das lutas políticas ao redor da reconstrução, chegou a cogitar-se uma cidade “parque temático”, com a museificação da cultura local numa smaller New Orleans (“menor” aqui sendo um eufemismo, no dialeto new-orleaniano de hoje, para “mais branco e menos negro”), já é visível que há forças populares dispostas a resistir, ainda que sem muita representação no corrupto sistema político de Louisiana. Quantos levarão essa batalha, e por quanto tempo, em condições de diáspora e exílio é uma variável fundamental na pugna pelo futuro da mais musical, afro-atlântica, caribenha e “brasileira” de todas as cidades norte-americanas. Que ela se dê em condições tão duras é um testemunho eloqüente de um duro golpe à democracia americana e um retumbante fracasso do modelo de estado imposto na era Bush, ancorado em traficantes de armas e de petróleo, máfias de seguros e organizações fundamentalistas, todos eles hostis, por boas razões, ao que poderíamos chamar a alma de New Orleans.



  Escrito por Idelber às 20:17 | link para este post | Comentários (13)




Alexandre

Morreu Alexandre, o marido e amor da vida da madrinha dos blogueiros brasileiros. Foi na segunda-feira, de parada cardíaca.

A notícia foi um baque para mim. Deu uma raiva danada, sabe? Eu havia aprendido a admirar o carinho e a paixão que os unia. Não conheci o Alexandre pessoalmente, mas tive com ele uma troca de emails que selaram minha admiração para sempre. No Salão do Livro de BH, em 2005, Fal compunha uma mesa redonda comigo e com Inagaki. Os emails em que Alexandre encomendava cuidados com a Fal foram das coisas mais tocantes e lindas que já chegaram à minha caixa de correios – coisa de quem ama de verdade, cuida, se preocupa. Papeamos, como se fôssemos amigos.

Claro que Fal não precisava de ajuda nenhuma. Meu brother bugrino concordará comigo que a minha presença e a dele naquela mesa redonda foram meros complementos para o espetáculo de bom humor e sabedoria dado pela Fal. Mas os cuidados do Alexandre com essa viagem da Fal me marcaram, porque era tudo amoroso demais.

E agora ele está morto. Falzuca, nem sei quando você voltará a ler blogs ou a passar por aqui, mas queria deixar essa recordação. Que você tenha serenidade e tranquilidade para segurar essa barra. Eu e Ana estamos pensando muito em você.

PS: Os comentários do blog passaram a ser moderados. Comente, clique enviar e tenha paciência que a gente libera. Depois comento o porquê da decisão.



  Escrito por Idelber às 00:09 | link para este post | Comentários (12)



segunda-feira, 13 de agosto 2007

Link

Enquanto o Biscoito prolonga só por mais uns dias o preguiçoso recesso, eu não poderia deixar de recomendar o blog do meu amigo e brother Christopher Dunn, que anda bombando lá na Revista Bravo!

Bem vindo à blogosfera, Chris. Mais uns dias e a gente volta.



  Escrito por Idelber às 18:37 | link para este post