Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email: idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro




selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« agosto 2007 :: Pag. Principal :: outubro 2007 »

sexta-feira, 28 de setembro 2007

Mais um blogueiro ameaçado por político

sakamoto.jpg Leonardo Sakamoto, jornalista, doutor em ciência política pela USP, coordenador da ONG Repórter Brasil e um dos maiores conhecedores da realidade do trabalho escravo no Brasil (e há tempos recomendado cá neste blogroll), foi ameaçado de processo na tribuna do Senado Federal no dia 25 de setembro. A senadora Kátia Abreu (PFL DEM-TO), conhecida líder da bancada “ruralista”, reagiu a uma simples informação – a de que ela votou de acordo com os interesses de latifundiários flagrados no uso de trabalho escravo – com uma ameaça de processo sobre o jornalista. O discurso da senadora, como costuma acontecer nesses casos, foi um arrazoado de incorreções:

Disse a digníssima na Tribuna do Senado: Sr. Leonardo Sakamoto, dono do site Repórter Brasil, financiado por recursos públicos, como consta no Contas Abertas, o senhor recebe dinheiro público para financiar o seu site e me acusa dizendo: A Senadora é uma das maiores opositoras do combate ao trabalho escravo contemporâneo. Quando Deputada Federal, defendeu os produtores rurais flagrados cometendo esse tipo de crime e atuou contra. Quero dizer-lhe, de público, que vou processá-lo por calúnia e difamação. O senhor é um irresponsável que mama nas tetas do Governo, que financia esse site irresponsável, o qual não tem crédito.

Na sua contudente resposta, Sakamoto refuta ponto por ponto:

1) Uma organização não-governamental, com diretoria e estatuto devidamente registrados, não tem dono e sim associados que elegem uma diretoria, da qual faço parte. Não sou proprietário de nada na Repórter Brasil.

2) A senadora cortou a frase que escrevi. A sua íntegra é a seguinte: "A senadora é uma das maiores opositoras do combate ao trabalho escravo contemporâneo. Quando deputada federal, defendeu os produtores rurais flagrados cometendo este tipo de crime e atuou contra a aprovação de leis que contribuiriam com a erradicação dessa prática". A matéria na íntegra pode ser lida clicando aqui.

Um exemplo: No dia 11 de agosto de 2004, 326 deputados federais aprovaram, em primeira votação, a proposta de emenda constitucional que prevê o confisco de terras em que trabalho escravo for encontrado, considerado uma das bandeiras da Comissão Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo. A então deputada Kátia Abreu e mais nove parlamentares posicionaram-se contra. Depois disso, a PEC 438/2001 não foi colocada em votação em segundo turno devido à pressão realizada pela bancada ruralista da Câmara dos Deputados, o que tem beneficiado os fazendeiros que utilizam mão-de-obra escrava. De acordo com parlamentares e entidades que atuam no combate ao trabalho escravo, a senadora Kátia Abreu foi uma das mais atuantes para que isso acontecesse.

3) Ao contrário do que informou a senadora Kátia Abreu, eu não mamo "nas tetas do governo". Ou seja, eu não "colho benefícios financeiros ilícitos de empresa ou administração pública" (conforme o dicionário Houaiss). Essa sim é uma declaração passível de um processo por calúnia e difamação. Meu cargo na direção da Repórter Brasil não pode ser, nem é, remunerado, como manda o estatuto da entidade.

Como se lembram os que acompanharam este blog na época da campanha eleitoral, processos judiciais de senadores contra blogueiros já têm história e triste memória no Brasil. O Biscoito empresta sua solidariedade irrestrita a Sakamoto, deixa a sugestão de que os eleitores do Tocantins escrevam à sua senadora com pedidos de esclarecimentos e convida os amigos blogueiros a repercutirem a notícia.

Minha aposta é que depois da resposta de Sakamoto e do desagravo do Senador Nery ao jornalista, a Senadora Abreu não volte mais ao assunto. Mas permaneçamos atentos ao desenrolar dos eventos. Em todo caso, minha convicção é que isso só vai deixar de acontecer quando os parlamentares e membros do Executivo perceberem que a força da internet já é tal que os custos políticos de ficar ameaçando blogueiro serão altos demais para valer a pena. Com a palavra, a turma que é criativa com banners e que esteja disposta a compor uma caricatura da senadora pefelê, nos moldes do grande sucesso que foi o Xô, Sarney.

(notícia via Blue Bus via Querido Leitor)

PS 1: A Revista Bula, em parceria com o Laboratório de Pesquisas de Opinião Pública e de Mercado da UEG/GO, pediu a 400 usuários de internet que indicassem os melhores blogs do Brasil e publicou o resultado. Com muitíssima justiça, Pensar Enlouquece ficou em primeiro. Meus agradecimentos a quem participou e votou cá neste blog.

PS 2: Belo texto do Hermano Vianna sobre hip hop (via Blog vermelho do hip hop).

PS 3: Maravihoso post da minha amiga Lucia Malla sobre a bendita readaptação do ex-expatriado.

PS 4: Aos participantes do Clube de Leituras do Borges: confirmado o tema do papo de quarta-feira. É o conto "Emma Zunz" (disponível na internet em português e no original)



  Escrito por Idelber às 02:03 | link para este post | Comentários (26)



terça-feira, 25 de setembro 2007

Ufa! Mas não tem resenha

unger_left_propose.jpg Acabei de ler o livro do Ministro do Longo Prazo, o Roberto Mangabeira Unger, What should the left propose? [O que a esquerda deveria propor?]. Li não porque acompanhe Unger -- é o primeiro livro dele que leio -- nem porque esteja no campo de estudos dele, mas por pura vontade de resenhar algo diferente aqui no blog, que poderia ter alguma relevância, sei lá, para debates brasileiros.

Mas confesso que ficou impossível. Alguém aí já leu? Hermê? Catatau? Mauricio? mary w? Arranhaponte, Marcos, leram? Ju, Laura? Sergio Leo? Pedrão? Se não leram, pois leiam. Ou tentem. A geringonça está disponível inteira na internet.

Meu amigo Michael Bérubé já desmontou o livro numa resenha publicada na revista Dissent, infelizmente não disponível online. Eu não saberia como fazê-lo, sinceramente.

Claro que a última coisa que um acadêmico sério deve fazer é dar pitaco na área de outro acadêmico sério, especialmente quando este é um dos líderes da sua disciplina. Mas não resisto: não entendo, mesmo, a fama do Unger. O cara é -- não há dúvida -- um dos poucos brasileiros reconhecidos como líderes da sua disciplina em nível mundial. Não há discussão, por exemplo, sobre o tal critical legal studies (riquíssima escola de reinterpretação do direito) que contorne a obra do Unger.

Aí você lê o livro do cara que supostamente prometeria "alternativas" para a esquerda, e suspira: uai, mas que enrolação! Pelo menos foi a minha reação ao texto. Para que vocês tenham idéia, caras amigas feministas, a solução para a paulatina aniquilação do direito ao aborto nos EUA é... "criar um melhor sistema de ônibus" para transportar mulheres para estados onde o aborto é legal! Assim fica fácil, né? Dá a batalha por perdida e sugere um remendo.

E se algum leitor do blog puder me explicar -- de preferência sem xingar ninguém -- qual era a necessidade política do Lula de incoporar Unger ao ministério (era só para satisfazer José Alencar?), eu também agradeceria, visto que o Lula ficou visivelmente constrangido de tê-lo aí e chegou a avisar à Ministra Dilma: o primeiro pepino você resolve.

A resenha em português desse livro, pois, que algum de vocês aí se sinta interpelado para fazer. Seria um bom espaço para debate.



  Escrito por Idelber às 22:54 | link para este post | Comentários (52)




Mais um um papo sobre Borges

Deixemos marcado para a quarta-feira que vem, dia 03 de outubro, mais uma conversa entre vocês e meus alunos no Clube de Leituras do Borges, que tal? Para quem se anima a ler em espanhol, aí vão os links de novo: Ficciones e El aleph. Para os neófitos, não posso deixar de sugerir o excelente livro de Beatriz Sarlo sobre Borges.

Desta vez, com uma semana de antecedência, fica melhor avisado. Quem sabe até ela aparece por aí.

Na terça à noite, então, eu colocaria o post e ao longo da quarta bateríamos papo sobre Borges de novo. Se você tem preferência por algum conto, deixe aí o seu voto.



  Escrito por Idelber às 18:35 | link para este post | Comentários (10)



segunda-feira, 24 de setembro 2007

Lançamento: Boca de lobo, de Sergio Chejfec

chejfec.jpg Vai sair no Brasil mais um notável romance argentino contemporâneo. Boca de lobo (2000), de Sergio Chejfec, será lançado em novembro pela Editora Amauta, em tradução de Marcelo Barbão. O título virou Lugar sinistro em português por decisão do tradutor, que não quis criar ambigüidades.

Paulistas, cariocas e gaúchos poderão ver o próprio Chejfec pessoalmente. Ele deve ir à Feira de Porto Alegre (09/11 a 12/11), fazer um lançamento no Rio (13/11) e outro em São Paulo (16/11). São os detalhes que tenho até agora.

A editora Amauta me convidou para escrever o prólogo de Lugar sinistro. Publico-o aqui no blog também, como aperitivo ao lançamento.

*********************

Relatos da reflexão hesitante

O leitor brasileiro tem agora em mãos um dos momentos chave da obra do notável escritor argentino Sergio Chejfec (1956-), autor de nove romances, duas coleções de poemas e um livro de ensaios. Lugar sinistro, de 2000 (no original: Boca de lobo, que designa ali baldios e vielas escuras, não bueiros), narra a relação intensa mas oblíqua, amorosa mas plagada de tropeços, cúmplice mas não isenta de idealizações, entre um narrador anônimo “que leu muitos romances” e uma operária, Delia, mulher que é a zona-limite, opaca, ante a qual ele exercita sua capacidade de compreensão e de entrega. Escrevendo sobre o romance, Martín Kohan notou que se trata de uma história que “teria correspondido, em outros tempos da literatura, a uma típica fábula do realismo social, com tom de denúncia urgente e mensagem incluída”. Afinal de contas ali estão a fábrica, o subúrbio, a alienação, a relação desumanizadora com a máquina e o olhar fascinado de um não-operário que se aproxima, mas oscila entre o amor e o alheamento. Não se procure aqui, no entanto, uma fábula edificante do engajamento social ou um retrato pitoresco da vida operária. O projeto narrativo de Chejfec, insólito e solitário, se erige sobre as ruínas desses modelos. No Brasil, em particular, as representações contemporâneas da classe trabalhadora na literatura têm se mostrado tributárias de uma previsível estética da “neo-violência”, que não poderia estar mais distante da arte sutil, quase sussurrada de Chejfec. Lugar sinistro seria assim uma resposta – brilhante, me parece – à questão de como dar conta, literariamente, da vida operária, trabalhadora, em épocas de desmoronamento de todo realismo social.

Tal como os patrícios fundadores Domingo Faustino Sarmiento (1811-1888) e José Mármol (1818-1871) ou os romancistas contemporâneos Manuel Puig (1932-1990) e Juan José Saer (1937-2005), Chejfec pertence a uma longa tradição de escritores que produziram literatura inconfundivelmente argentina fora das fronteiras do país. Publicou seu primeiro romance, Lenta biografia, em 1990, ano em que se radicou na Venezuela como diretor da importante revista Nueva Sociedad. A ele se seguiram, além de Lugar sinistro: Moral (1990), O ar (1992) -- sobre um sujeito a quem a mulher abandona e cuja indecisão acerca de segui-la ou não se transforma em eixo do relato --, Cinco (1996), O chamado da espécie (1999), Os planetas (1999) -- a incursão de Chejfec pelo romance pós-ditatorial, narrado por um escritor que abraça a profissão a partir do desaparecimento de um amigo – e Os incompletos (2004), todos escritos durante a estadia do autor em Caracas. Desde sua mudança para os Estados Unidos, em 2005, publicou Baroni: uma viagem (2007), o seu tributo à Venezuela. Além da obra de ficção, Chejfec também é autor dos poemários Três poemas e uma mercê e Galos e ossos, além do livro de ensaios O ponto vacilante. Já é referência indispensável para quem se interessa pelo rico romance argentino contemporâneo.

“Não somos mais que um conjunto de desavenças com a realidade”, diz o narrador de Lenta biografia. Nesse hiato entre a palavra e o real, entre a memória e o fato, Chejfec vai construindo o fascínio de sua tortuosa ficção. É comum em suas narrativas que o narrador volte ao acontecimento, rasure o já dito, reescreva o afirmado. Chejfec pertence a uma linhagem da prosa ficcional argentina caracterizada por uma certa desaceleração reflexiva do relato. Não se trata de que “aconteça pouca coisa” – acontece muito em seus romances –, mas a linguagem estabelece com o acontecimento uma relação que a obriga a experimentar diferentes ângulos para descrevê-lo. A epítome dessa tradição multi-perspectivista é Juan José Saer, que burilara ao máximo o relato (e frase) que procede regressando e picotando o relato (ou frase) anterior. Mas se em Saer ainda permanece um movimento semi-circular ou espiralado de certa grandiosidade, num “eterno retorno” reiterado não só dentro do mesmo relato, mas de um livro para outro, Chejfec mantém a estratégia pensante, mas suas frases, ou pequenos núcleos narrativos, regressam ao material anterior numa coreografia de movimentos mais erráticos e descontínuos. O resultado é uma poderosa reflexão sobre a linguagem e a memória, na qual a ênfase recai sobre a opacidade, o desconcerto, o logro. Não parece haver aqui progressão temporal nas ações. A narrativa tem lugar num tempo espacializado, em que os acontecimentos coexistem como que numa multiplicidade de camadas. Em parte por isso, em parte pela voz sussurrada, meditativa do narrador, os personagens de Chejfec não suscitam catarse ou identificação de qualquer tipo em quem lê. Estamos longe do paradigma dialético da ascensão, clímax e queda.

É próprio dos protagonistas de Chejfec chegarem atrasados à cena que os constitui. Em Lugar sinistro, essa defasagem produz no narrador resultados angustiantes, dado o domínio e a fascinação exercidos por Delia, a operária. Ante a realidade bruta dos fatos, ele pontua seu espanto com recordações do que leu.: “li muitos romances onde o protagonista retorna ao lugar esquecido”; “Empréstimo. Dívida. Li muitos romances que tentam resolver o sentido dessas palavras”; “Li muitos romances em que os personagens estudam os trajes dos outros para conhecer aquilo que as palavras não dizem nem os atos descobrem”; “Li muitos romances onde os cheiros servem para resgatar recordações esquecidas, demonstrando que um laço mais eficaz e verdadeiro se manifesta quando a consciência se abandona à surpresa”. “Li muitos romances onde há pessoas que tiram conclusões arbitrárias sobre os demais”. Uma infinidade de frases com esse mesmo começo se repete ritmicamente ao longo da narrativa, marcando sua respiração. Reiteradas, iluminam alguma zona do contraste entre a história do protagonista e os choques que lhe impõe a experiência com Delia.

Num amor que une uma operária e um protagonista literato como o de Chejfec, seria de se esperar que o autor recaísse em um de dois perigos opostos: a ilusória fusão romântica ou a estereotipada idealização do outro. Na primeira, o intelectual passaria pelo processo de purgação, se despojaria de sua “falsa” cultura livresca e aprenderia com a vida simples dos operários: fábula realista-socialista. A segunda intercalaria fascinação e hostilidade como forma de sublinhar o abismo da distância insuperável, ao fim da qual o outro seria um puro ou um monstro: fábula vanguardista-modernista. Chejfec escreve com notável consciência dessas duas armadilhas. O protagonista não escapa da idealização, mas não deixa de fazer agudas observações sobre a fissura que o separa de Delia. Veja-se o assombro que lhe produzem os empréstimos de roupas entre os operários, parte de uma economia da escassez onde só circula entre eles o que não tem valor de troca -- roupa, ferramentas, utensílios, o próprio trabalho, mas raramente alimentos e jamais o dinheiro. Daí, nota o narrador, que seja mais simples endividar-se com agiotas, em vez de recorrer à ajuda de quem não cobraria juros. As dívidas acumuladas de um operário, F, produzem outra cena que o protagonista contempla com espanto: a entrega a F, pelo grupo inteiro, de uma soma de dinheiro à qual só alguns contribuíram – não se tratava de dividir entre todos o mérito da generosidade, mas diluir num coletivo maior o peso da desonra. Nessas observações ao mesmo tempo sagazes e distantes, o narrador de Chejfec vai construindo uma relação com o outro que é singular – embora não singular o suficiente para que ele se mostre digno desse amor.

Beatriz Sarlo, a crítica argentina que mais atenção vem dedicando à obra de Chejfec, notou com a habitual perspicácia que seus escritos impõem um giro às recentes representações do imaginário urbano. A urbe já não é marcada pela profusão de signos, mas pela ruína, decadência, esvaziamento. Publicado um ano antes do colapso pós-menemista da Argentina, Lugar sinistro assume tons antecipatórios. Apesar de que praticamente não há sinais específicos que remitam a Buenos Aires ou a qualquer outra cidade argentina, o cenário pós-industrial construído pelo romance traz numerosos paralelos com os processos recentes vividos pelo país.

A expressão que dá título ao livro em espanhol, Boca de lobo, designa as zonas baldias, poços de penumbra, blocos de escuridão pelos quais transita o personagem; metaforicamente, também alude à zona de incomunicação e perplexidade que organiza sua relação com Delia. Tragado nessas valas, o amor entre o leitor de romances e a operária termina como costumam terminar, na grande literatura, todos os amores. Desenredar os fios do fracasso é a mais visível, não a mais fascinante das tarefas propostas por este romance.

PS: Também em novembro, o Marcelo Barbão lança seu primeiro romance, Acaricia meu sonho.

Atualização: Barbão acaba de me confirmar que o título em português vai ser Boca de lobo mesmo, o que sempre me pareceu a decisão correta, apesar do ligeiro "desvio de sentido" que ocorre em português.



  Escrito por Idelber às 20:36 | link para este post | Comentários (17)




Dois silogismos de pé quebrado

Lendo alguns arautos da direita brasileira, nota-se algo curioso, que aflorou mais uma vez na polêmica sobre os livros didáticos. A direita brasileira (não toda ela, é verdade) repete insistentemente dois bordões contraditórios entre si. Os colunistas da Veja, por exemplo, deveriam se decidir:

1. Ou o Brasil é um país no qual está em curso uma perigosa doutrinação nos colégios e universidades, onde professores cripto-comunistas manipulam os jovens com conteúdo esquerdista nas aulas.

2. Ou o Brasil é um país no qual o Sapo Barbudo só tem o apoio de desdentados miseráveis que se vendem pelo prato de comida do Bolsa Família, enquanto as pessoas instruídas e bem-informadas votam com a oposição.

Acreditar nas duas coisas fica meio difícil, né? Os dois postulados, não sei se deu para perceber, são contraditórios entre si.



  Escrito por Idelber às 03:24 | link para este post | Comentários (14)



domingo, 23 de setembro 2007

Reinaldo Azevedo, o monoglota

“I am not going to go on a graduate study program at Harvard University,”

disse Lula
hoje ao New York Times.

Tradução de Reinaldo Azevedo, no seu post das 07:17?

Falando sobre o que fará quando terminar o mandato, mandou ver: “Eu não vou para um programa de graduação na Harvard”.

Essa é a turma que se auto-declara "instruída", e faz troça do suposto analfabetismo de quem vota diferente. Agora vamos ver quanto tempo ele vai demorar para consertar, esconder o erro e fingir que não cometeu outra gafe, desta vez de primeiro semestre de CCAA.



  Escrito por Idelber às 20:02 | link para este post | Comentários (31)




Cansei

Sim, amigos, eu aderi ao "Cansei". Mudei-me de casa (finalmente comprei casa em New Orleans) e não carreguei comigo o satélite que trazia o sinal da minha querida Rede Globo. O motivo?

Não suporto mais assistir a jogos de futebol do Brasil. Chega. Vejam só: segundo a Revista Placar, a seleção do atual campeonato brasileiro seria: Rogério Ceni, Coelho, Breno, Thiago Silva e Kléber; Richarlyson, Hernanes, Thiago Neves e Valdívia; Leandro Amaral e Guilherme.

Esses são os melhores do Brasil atualmente. Deixo uma singela pergunta aos meus eruditos leitores de boa memória: haverá um único jogador dessa lista que teria vaga de titular em algum dos 12 principais clubes do Brasil entre, digamos, 1977 e 1980?

Depois da revelação, pela PF, da bandidagem no Corinthians, e da constatação de que o futebol piora a cada dia, este blog, que detesta discursos apocalípticos do tipo antigamente-era-tudo-melhor, acaba de aderir ao apocalipse quando o assunto for futebol. Estamos no fundo do poço.

PS: Ainda sobre futebol, um textículo na Germina deste mês.



  Escrito por Idelber às 01:29 | link para este post | Comentários (16)



sexta-feira, 21 de setembro 2007

Ali Kamel e seu mais recente delírio

Brainwashing-front.jpg Na maioria das vezes, quem grita contra lavagem cerebral ou doutrinação está julgando a inteligência alheia com o metro de que é capaz a própria. Em época de Google, falar de lavagem cerebral em 7a, 8a série – qualquer que seja o conteúdo do livro didático – é passar atestado de completa ignorância da realidade da sala de aula do século XXI, seja no Brasil ou em qualquer lado, em escola pública ou particular.

Estou completando, em 2007, 23 anos de magistério ininterrupto: só parei durante o furacão Katrina. Já ouvi reclamações, algumas, de alunos: por excesso de leitura, por excesso de rigor na correção, por marcação gramatical cerrada. Mas mesmo estando algumas milhas à esquerda de 95% do meu alunado, nunca ouvi reclamação por “manipulação”, proselitismo político ou coisa que o valha– e aqui nos EUA temos avaliações anônimas no final do semestre. A última tese de doutorado que orientei (a vigésima na carreira) foi de um homem extremamente religioso e eleitor de Bush em 2004. Com ele tive um dos diálogos intelectuais mais proveitosos da minha vida professional. Ao longo destes 23 anos, nunca encontrei um professor (ótimo, bom, regular ou ruim) que topasse trocar a experiência de uma boa discussão, debate e implantação de dúvidas e questionamento nos alunos por uma aceitação passiva de um ponto de vista político, por mais caro que lhe fosse o dito cujo.

Com a sua infinita capacidade de distorcer e enxergar fantasmas, o diretor executivo da Globo, Ali Kamel, assinou um artigo de opinião – chamemo-lo “opinião” para ser generosos, porque nem de análise, nem de leitura, nem de jornalismo se trata – sobre um livro didático que, para ele, é uma perigosa tentativa de fazer nossas crianças acreditarem que o capitalismo é mau e que a solução de todos os problemas é o socialismo, que só fracassou até aqui por culpa de burocratas autoritários. Ao final de uma série de tediosas citações que não passam nem perto de provar o afirmado, Kamel se desespera porque nossas crianças estão sendo enganadas, a cabeça delas vem sendo trabalhada, e o efeito disso será sentido em poucos anos .

Parece brincadeira, mas não é. O chefe dos inventores da enganação televisa moderna no Brasil, o chefe dos aspirantes a ladrões da eleição fluminense de 1982, o chefe dos manipuladores do debate de 1989 nos alerta contra os perigosos efeitos de um livro didático de 8a série que diz que Cuba resolveu problemas básicos de saúde e educação, que Mao era chefe militar e estadista, e que a Princesa Isabel era feia. É o motivo da última revoada de indignação da direita brasileira. Claro que Reinaldinho Azevedo já aproveitou e declarou a guerra santa.

Não resisti e fiz um experimento. Disse a cinco compatriotas, nenhum deles de esquerda e nenhum deles eleitor do atual governo, que o diretor executivo da Globo está conclamando a lutar contra a manipulação esquerdista nos livros didáticos. De todos eu tive resposta essencialmente igual: uma gargalhada satírica ou uma observação acerca do fato de que, afinal de contas, de manipulação eles entendem. Ninguém que tenha experiência real de sala de aula leva a sério, claro, esse papo de lavagem cerebral – a não ser em raríssimos casos e em má fé. Mas um sujeito que há cinco gerações não vê um pedaço de giz se julga no direito de gritar por censura sobre um livro escolhido livremente por milhares de professores.

O livro tem problemas? Não sei. Ao contrário dos funcionários da Veja, não escrevo sobre o que não li. Não julgo livros por citações pinçadas (atualização às 19:11: já acabei de ler o livro e mantenho tudo o que disse). Mas as citações feitas pelo autor, na sua resposta, já mostram que Kamel mentiu. Quero dizer mentiu mesmo, escreveu de má fé. Será que Kamel pinça citações com menções positivas ao maoísmo e se esquece de ler o trecho que diz O Grande Salto para a Frente tinha fracassado. O resultado foi uma terrível epidemia de fome que dizimou milhares de pessoas. (...) Mao (...) agiu de forma parecida com Stálin, perseguindo os opositores e utilizando recursos de propaganda para criar a imagem oficial de que era infalível.” (p. 191) “Ouvir uma fita com rock ocidental podia levar alguém a freqüentar um campo de reeducação política. (...) Nas universidades, as vagas eram reservadas para os que demonstravam maior desempenho nas lutas políticas. (...) Antigos dirigentes eram arrancados do poder e humilhados por multidões de adolescentes que consideravam o fato de a pessoa ter 60 ou 70 anos ser suficiente para ela não ter nada a acrescentar ao país... Será que Kamel escreve de má fé comparável àquela da Globo ao tentar roubar a eleição de 1982 ou ao contribuir para eleger Collor em 1989? Será que atribui intento de manipulador ao livro de Mario Schmitt para esconder suas próprias manipulações, feitas à base de citação seletiva?

Kamel não sabe nem mesmo qual é a acusação que quer fazer ao livro. Ele próprio, no primeiro parágrafo, acusa-o de dizer que o socialismo só fracassou por culpa de burocratas autoritários. Mais adiante, cita o trecho que diz que na URSS os profissionais com curso superior tinha[m] inveja da classe média ... dos países desenvolvidos. Não leu o que citou ou não releu o que escreveu? Ou será que está tentando enganar o leitor?

Notoriamente, de enganação e manipulação da cabeça alheia as organizações Globo e seus chefes entendem, embora felizmente com menos eficácia que antes, dada a democratização paulatina da informação. Em todo caso, os medos de Kamel são infundados: a molecada de hoje não é o Homer Simpson que deseja o âncora do Jornal Nacional. Qualquer livro que tente pintar, para o meu filho de 10 anos, uma imagem rósea de Cuba, que esconda o negativo, vai encontrar questionamento: uai, mas não é um regime de partido único? Uai, mas não perseguem homossexuais? Não há presos políticos? A molecada pergunta, surfa no controle remoto, vai ao Google. Mas claro, Kamel sonha com lavagem cerebral e lobotomia. Deve ser a força do hábito.

No caso do livro em questão, e baseando-me somente nas citações que vi, parece que (atualização às 19:11: baseando-me na leitura feita hoje) há uma estratégia de certa simplificação, da qual eu não comungo, mas muita gente sim. O ideal nas ciências humanas, claro, é que se exponha o maior número de perspectivas possível sobre a história, a política, a cultura, com o maior respeito possível ao que for fato histórico (objetividade total, obviamente, não existe nessas disciplinas). Se o livro de Schmidt contempla esse ideal, não sei (atualização depois da leitura do livro: não, não contempla ao ponto que eu gostaria para um livro de 8a série. Deve ser por isso que saiu da lista do MEC. Mas está longe de ser essa conspiração de lavagem cerebral marxista. Se há algo que se pode condenar no livro, é uma certa simplificação pop dos fatos, não uma ortodoxia esquerdóide. Agora, os que se declaram "sem partido" e "sem ideologia" deveriam refletir sobre o porquê de Kamel desenterrar esse livro para essa campanha Torquemada). Alguns professores acharam que contempla, sim, outros que não. Mas para Kamel isso não é suficiente: o Torquemada de plantão quer banir o livro, iniciar guerra santa; o grande defensor do mercado não quer deixar o mercado escolher.

Que a sociedade brasileira se envolva no tema dos livros didáticos, desde que se continue respeitando as decisões soberanas dos professores sobre o que ensinar. Mas que o futuro nos livre de um mundo onde os juízes da isenção, do equilíbrio e da objetividade seja gente da laia de Ali Kamel e dos colunistas da Veja. Não porque eles sejam capazes de manipular nossas crianças, claro – mas porque as coitadas morreriam de tédio.

PS: Tiquim de paciência hoje. Liberação dos comentários por volta das 13 h de Brasília.

Atualização: Muito boa a colagem de citações com a qual o Hermenauta demonstra o óbvio: pinçando trechos de livros, você sugere qualquer coisa sobre o texto alheio. E, com ampla informação sobre todo o processo de escolha de livros didáticos omitida por Kamel, Luis Nassif põe a última pá de cal.

Atualização II: Que última pá de cal, que nada. O Hermenauta desenterra o texto de onde Kamel requentou a denúncia -- contra um livro, sublinhe-se, que já saiu da lista do MEC. Para completar, mais uma demonstração do tosco método Kamel de distorção via citação seletiva.



  Escrito por Idelber às 02:39 | link para este post | Comentários (62)



quarta-feira, 19 de setembro 2007

A esquerda e a absolvição de Renan

renan.jpg No episódio Renan Calheiros, o que menos importava, para todos os senadores e partidos políticos envolvidos, é se Renan havia recebido dinheiro da Mendes Júnior ou não; se tinha bois voadores ou não; se mentiu para a Receita Federal ou não; se usou laranjas para comprar emissoras de telecomunicações ou não. Isso importa, claro, para a cidadania, que deve exercer o direito de fiscalizar a política. Mas a política mesma não é um ramo da ética nem nunca vai ser. O que não quer dizer que não se deva lutar por mais ética na política. Só significa que àquele que faz do brado pela ética o seu único bordão, sempre cabe perguntar: “ok, e sua próxima proposta, qual é?”

Dito isto, eu acho que o PT – ou a maior parte de sua bancada – cometeu um erro gravíssimo no episódio Renan. Político, não ético. A partir da preocupação legítima sobre a base de sustentação do governo no Senado, não soube adequar-se ao clima do país, responder a ele e utilizá-lo em seu favor. Ficou a reboque da oposição e teve que se contentar, no final das contas, com o discurso de que não foi o maior culpado pela absolvição do grande vilão da política brasileira em 2007. O PT tem 12 senadores e está longe de ter a maior bancada do Senado. O discurso do “não venham nos atribuir a culpa” está, portanto, correto matemática, mas não politicamente.

As respostas da esquerda à não-cassação de Renan Calheiros são um espectro impressionante de opiniões diferentes – o que mostra como é delirante a visão de certos setores da direita que enxergam uma vasta conspiração bolchevique para controlar o Brasil. Senão, vejamos. Paulo Henrique Amorim e Emir Sader insistem na mesma tecla, a de que a absolvição de Renan é uma derrota da mídia golpista. Não discuto que haja setores golpistas na mídia; tampouco discordo de que haja uma tremenda vontade de desgastar o governo Lula; também não discrepo de quem aponta que, ao reperticutir certos escândalos, a grande mídia age a partir de interesses que têm pouco a ver com a “ética” e que vão muito além da busca de audiência. O problema com as análises de PHA e Emir Sader é que são extremamente simplistas. Só enxergam isso. A partir daí, com esse quadro, pintam um cenário onde só há bandidos e mocinhos. Ao contrário dos protestos desses dois contra a fúria midiática anti-Lula durante as eleições de 2006, as atuais análises não repercutem com a população, porque esta sabe que Renan Calheiros representa o que há de pior na política brasileira.

Já o PSOL está no extremo oposto. Quer fazer da ética o seu único diferencial em relação ao PT – e a mensagem simplesmente é rejeitada pela maioria da população. O comentário deixado por um psolista no blog do Emir é emblemático: diz que PSDB e DEM “pegaram carona” nos ataques a Renan, quando o que aconteceu foi justamente o contrário. Foi o PSOL quem pegou carona no discurso moralizante, udenista daqueles que apoiaram o Renan ministro e agora agem como se não o tivessem feito; que apoiaram em 2003 as sessões secretas contra a emenda de Tião Viana (PT-AC) que as tornaria públicas, e agora falam como arautos da transparência (note-se que, segundo Noblat, o próprio DEM reconhece que deu seis votos a Renan: seis de 17; que oposição é essa que não consegue reunir nem 65% de sua bancada para cassar um corrupto aliado ao governo? Quais desses aqui mentiram?). O PSOL perdeu assim a oportunidade de fazer uma oposição genuinamente de esquerda ao governo Lula. Neste sentido, mesmo o PSOL tem sua parcela de culpa na absolvição de Renan: não havia pessoa pior para defender a representação que Heloísa Helena, com seu moralismo histriônico. Entregaram a Renan, de bandeja, o lugar da vítima.

Mas há outras análises de esquerda mais matizadas sobre o fenômeno: a de Marco Aurélio Weissheimer e a de Alon Feurwerker foram as que mais me agradaram. Curiosamente, são análises opostas. Alon inclusive afirma que não teria votado pela cassação, o que decididamente não é o meu caso. Mas ambas são análises políticas da coisa, e por não confundir política com ética conseguem ir mais fundo.

O que eu acho, então, que o PT deveria ter feito? O que fizeram – provavelmente – Suplicy, Paim, Arns e Delcídio, ou seja, votado a favor da cassação. Mas não sem antes negociar politicamente com a oposição sobre a composição da próxima mesa. Querem a cabeça de Renan numa bandeja? Entregá-la-emos. Para nós é uma concessão, já que ele é fiel componente da base aliada. Vocês, agora, que façam as concessões que acharem que devem. Conversemos. Na política, você não é devedor de ninguém a não ser que o credor esteja em condições de cobrar. Um Renan sem mandato é só um cacique regional, mais nada. Enganam-se os que acham que Renan tinha poder de fogo porque “conhece os podres” de vários senadores. Conhece, sim, mas na posição de franco-atirador sem mandato isso importa pouco.

O problema do PT não foi, então, “lama ética”, mas burrice e ingenuidade política. Acumulou outro desgaste desnecessário, com essa esdrúxula opção de liberar a bancada para votar “segundo a consciência”, para depois tentar escapar da culpa. O fato é que falta à bancada petista no Senado um líder, uma figura de peso. Suplicy poderia ter sido essa figura, se a turma de Dirceu não tivesse passado uma década solapando seu capital político no partido. Mercadante também poderia ter sido mas, assustado com os respingos da história do dossiê, prefiriu não fazer política, escondendo-se em cima do muro. E Ideli Salvatti, em definitivo, não tem envergadura para ser líder de nada. O PT se equivocou no episódio Renan não por falta de ética, mas por falta de política. O que – dada a incompetência da oposição – talvez nem importe muito no fim das contas, já que, segundo informa o Alon, a própria oposição está reduzida a torcer para que Tião Viana (PT-AC) assuma o Senado caso Renan caia. . .

PS 1: Depois de dito tudo isto, eu vou aderir, sim, à campanha: Vergonha nacional.

PS 2: Alô, Bahia! Inaugura-se hoje, aí no Pelourinho, o Museu da Música Brasileira.

PS 3: Impossível não linkar: exame para PM no Rio só aceita candidatos com um mínimo de 20 dentes.



  Escrito por Idelber às 01:07 | link para este post | Comentários (16)



segunda-feira, 17 de setembro 2007

Loteria em Babilônia

yseadendo2_cover.jpg(O post que se segue é um convite a uma discussão de "Loteria em Babilônia", de Jorge Luis Borges. Ele vai em espanhol porque os alunos vão passar por aqui. Mas os comentários de todos são bem vindos, claro. Leu “Loteria em Babilônia”, comente, relax, em qualquer língua: português, inglês ou espanhol)

El relato es simple: el narrador nos trae la historia de un insólito lugar, Babilonia, donde la lotería es la parte principal de la realidad . De origen plebeyo, la lotería agraciaba a sus ganadores, al principio, monedas de plata. “Naturalmente” esas loterías fracasaron porque “no se dirigían a todas las facultades del hombre”, sólo a la esperanza. El remedio para ese “natural” fracaso termina siendo la interporlación de algunos destinos adversos en el sorteo.

El leve peligro despierta el interés del público que, en vez de abonar las multas, ya pasa a escoger directamente el encarcelamiento que advenía de no pagarlas. Esa primera aparición en la lotería de elementos no pecuniarios es tratada por el narrador como punto clave en el proceso . Mientras tanto, en los “barrios bajos” una rebelión popular lograba que la Compañía responsable de la lotería “aceptara la suma del poder público”. Un rato después, lograban que la lotería fuera “secreta, gratuita y universal”. La insólita “Compañía” pasa a controlar toda la realidad, o por lo menos pasa a parecer poder estar haciéndolo a cualquier momento.

El narrador tiene prisa, dice que “la nave está por zarpar”. Está partiendo de un puerto que no sabemos cuál es. Justo le alcanza el tiempo para narrar el último estadio de la lotería: la transformación de toda la realidad en materia del azar. El sorteo de una muerte implica el sorteo del verdugo, del instrumento letal, de la fecha, en sucesión infinita –cualquier acto del azar produce infinitos otros, cualquier sorteo implica incontables otros, cualquier intervención de la Compañía demanda numerosas otras.

El resultado es que cualquiera puede estar ejecutando, “acaso, una secreta decisión de la Compañía”. Ese funcionamiento silencioso del aparato administrador de la lotería (y por lo tanto controlador de la realidad) es “comparable al de Dios” y le confiere al cuento su imagen final, hasta que el narrador, claro, nos recuerda que todo puede ser también un delirio imaginativo creado por la propria Compañía.

Como suele pasar con Borges, el cuento ha producido algunas lecturas que se repiten con unas pocas variaciones. De estas lecturas, dos me vienen a la memoria: una interpretación “filosófica” que lo toma como parábola acerca del azar, como relato acerca del intento de crear la contingencia absoluta (la indecidibilidad completa, el sorteo de todo) y de cómo tal intento termina en una maligna necesidad absoluta, en un Dios lotérico perfectamente tiránico. El segundo acercamiento toma algunos elementos del primero, pero trata de sacarle un sustrato político al cuento: con atención a la fecha de publicación del texto (1941), esa lectura observa el carácter de “Big Brother” de la Compañía lotérica y nota la rebelión “de los barrios bajos” por hacer la lotería “secreta, gratuita y universal” (palabras que, claro, tienen su historia política). A partir de allí esa interpretación subraya el resultado pesadillesco y distópico del impulso inicialmente utópico, egalitario.

Mucho se podría decir sobre estas dos posibilidades, pero las dejo por aquí. Hay, por supuesto, incontables otras lecturas. El blog los invita a compartir su experiencia con “Lotería en Babilonia”, en su lengua de predilección.

Posts relacionados
:
Borges.
Reflexões sobre o conto.
Sobre um conto de Borges.
Literatura argentina: Biblioteca básica.
Cripta em duas partes.

Atualização. Também escreveram sobre o conto:
Alex Castro
Alex Tarrask.
Andre Bittencourt.
Milton Ribeiro.
Donizetti
Adriano.
Ulisses Adirt.
Bender.
Hermenauta.
Marcus Nunes ,
Hélder da Rocha
e.... Biajoni!



  Escrito por Idelber às 02:01 | link para este post | Comentários (37)



sexta-feira, 14 de setembro 2007

Clube de Leituras: Borges

Borges-II.jpg Umas duas gerações atrás fiz um post anunciando outra encarnação do clube de leituras, agora sobre Borges, num bate-bola com o curso de pós-graduação que estou oferecendo aqui em Tulane. Pois bem, se houver alguém por aí com interesse em discutir Borges, fique avisado que a brincadeira começa nesta segunda-feira com “Loteria em Babilônia”, conto que é parte do livro Ficciones, que está disponível na internet em espanhol.

Ao subir uma escada na noite de Natal de 1938, Borges quase arrebenta a cabeça numa janela aberta e passa algumas semanas de cama, com momentos de febre e delírio. Estava longe de ser um desconhecido: já havia escrito três volumes de poemas, cinco de ensaios e pilhas de resenhas de livros e filmes, além de ter reunido uma compilação de “causos” de criminosos. Mas, com a exceção do relato “Homem da esquina rosada”, não havia publicado contos. Em pânico com a possibilidade de ter perdido a capacidade de escrever, decide tentar o que nunca havia feito.

Segundo o raciocínio – típicamente borgeano --, se ele tentasse escrever um poema ou uma resenha e fracassasse, se sentiria completamente derrotado. Se, ao tentar um conto, não saísse nada, o fracasso não significaria tanto assim. Afinal de contas, tentara algo que nunca havia realizado. O fruto dessa tentativa foi “Pierre Menard, autor do Quixote”, conto que dá início à série de relatos pelos quais Borges se tornaria mundialmente conhecido. "Loteria em Babilônia" veio logo em seguida: foi publicado na revista Sur em janeiro de 1941.

Estamos começando a mergulhar nesses contos agora e deixamos o convite para que você se junte a nós na segunda-feira, com um papo sobre “Loteria em Babilônia”, esse relato tão insólito. Se quiser passar o fim de semana com Borges, é só baixar e ler.

PS: Obrigado à conterrânea e extraordinária blogueira Luiza Voll pela entrevista que me coloca em tão ilustre companhia.



  Escrito por Idelber às 18:12 | link para este post | Comentários (17)



quarta-feira, 12 de setembro 2007

Vários

Já está chegando no limite da falta de educação a minha demora em responder a vários memes, menções em lista e recomendações que este blog recebeu por aí, mesmo tendo ficado em hibernação durante boa parte dos últimos meses. Com terrível atraso, aqui vão as respostas com os devidos links:

Onde anda Su?, da gaúcha Suzana Gutierrez, indicou este blog para o prêmio "Blog com tomates" e o também gaúcho Milton Ribeiro nos indicou para o "The Power of Schmooze Award". Obrigado, tchê.

******************

Mesmo em semi-hibernação, o Biscoito apareceu no top 100 do Edney, no top 100 dos mais linkados, no top 50 dos mais lidos por feed e entre os 41 Totosos da Titia! Mas não viramos baralho e nem -- humilhação das humilhações -- entramos na lista dos 50 piores blogs. Sacanagem.

*************

No BlogDay, 31/08, o Redneck, a Daniela , catatau e o Bernabauer indicaram o Biscoito. Thanks!

************
Enquanto os blogueiros do Rio de Janeiro realizam seu Primeiro Encontro (muito bacana, por sinal), os belo-horizontinos realizamos, há duas semanas, o nosso quinquagésimo oitavo, regado a muita cerveja:

DSC03732.JPG

Em pé: Cláudio Costa e Amélia, Ana, eu, Letícia, Fernando. Sentados: Ana Letícia, Fefê e Maurício. Desta vez faltaram as Mothern e o Leandro. Luiza garante que na próxima aparece.

************

Ótima notícia para quem anda descrente da justiça: um certo universalmente detestado garoto-propaganda do (pseudo)jornalismo esportivo foi condenado no processo que lhe moveu Juca Kfouri. Parabéns, Jucão.

**********

Por falar em links, eis uma notícia velha, seguramente já sabida por quem acompanha a internet mais de perto que eu: A Wikipedia passou a colocar o atributo "nofollow" em todos os seus links externos. O que, obviamente, deverá gerar represálias: recusas a linkar a Wikipedia ou links "nofollow" dirigidos a ela também. Alguém anda acompanhando isso? Você, aí, usa links "nofollow"? Em qual circunstância?



  Escrito por Idelber às 22:24 | link para este post | Comentários (18)



terça-feira, 11 de setembro 2007

Fernando Henrique Cardoso: Entrevista à Piauí

fhc.jpgPor um puro acidente, não resenhei aqui A arte da política, o último livro de Fernando Henrique Cardoso, que li com muito gosto e proveito. A resenha não saiu, mas outras vezes aqui no blog eu toquei naquele que considero ser um dos paradoxos deliciosos do Brasil: não costuma haver ninguém, entre os que vociferam contra “Lula, o analfabeto”, que tenha lido um livro de Fernando Henrique Cardoso. Eu, como leitor assíduo do príncipe sociólogo (para uma discussão mais longa com ele, ver o capítulo 2 desse livrinho), não posso deixar de notar este curioso dado com algum deleite. A recente matéria da Piauí com FHC triplica a ironia do fato.

Foi pelo belo post da Mary W que cheguei no texto de João Moreira Salles, uma das melhores, se não a melhor matéria já feita com FHC. Ela foi realizada na esteia da estadia de FHC nos EUA, em Brown University, Providence, estado de Rhode Island (um dos cumes do brasilianismo daqui). Tomo a liberdade de recortar e colar alguns trechos, com comentários. Em itálicos, a Piauí:

A América, para ele, é como a madrinha excêntrica, que provê — convive-se com ela mais por necessidade que por gosto. Naquele dia, o ex-presidente se queixava dos hábitos alimentares de seus anfitriões: “Essa coisa de comer com as mãos, eu não sei fazer isso. E eles gostam de conversar enquanto comem sanduíche. Eu digo não: ou eu falo, ou eu como”.

O trecho estabelece o ritmo da coisa: para FHC, erudito “europeu” (ainda que “mulato” e “com pé na cozinha”, segundo sua própria definição), a América é uma sorte de bárbara terra onde semi-civilizados nouveaus riches comem com as mãos e falam enquanto se alimentam. Na verdade, não há muita sociologia que prove que a taxa de gente que fala enquanto come seja mais alta aqui que em qualquer lugar. É, sim, comum o brown bag lunch, onde intercala-se o falar e o comer. A frase de FHC ligeira, mal-intencionadamente, confunde as duas coisas.

Em tempos de rebuliço político na América Latina, pedem-lhe cada vez mais que opine sobre Chávez. Lula deixou de ter graça nas universidades americanas. “Ele perdeu pontos quando decidiu ser sensato. A sensatez não apaixona. Lula não quebra, Chávez quebra. Esse pessoal de esquerda gosta dos nietzschianos. Lula é cartesiano — a seu modo, pelo menos. Está sempre do lado do senso comum.”

Nota-se aqui o sociólogo aventurando-se em terreno pouco conhecido, a filosofia, e comentendo ali o erro contra o qual se funda a filosofia: tomar a aparência pela essência, o que as coisas parecem pelo que elas são. Chávez “tem arroubos” e daí FHC o associa a Nietzsche. Lula é político e conciliador, daí o sociólogo-profissional-filósofo-amador associa-o ao cartesianismo. A verdade é, claro, o contrário: quem sabe de cálculo e auto-reflexividade é Chávez, quem sabe de vontade de poder é Lula. Essa é umas das razões das surras de urnas e popularidade que os tucanos e FHC levam de Lula ultimamente: tratam-no como um mero cartesiano.

Fora do país, o ex-presidente firmou um contrato de cinco anos com a Universidade Brown. “Eles me pagam um dinheirão, 70 mil dólares por ano, com a obrigação de eu passar no mínimo quatro semanas aqui. Tirando os impostos, dá uns 5 mil por mês. Faz as contas, é muito bom. Antes recebi um convite de Harvard, não aceitei. Brown me pagava o dobro. A Ruth ficou indignada. Mas é Harvard!’ Eu disse: ‘Ruth, a essa altura do campeonato, eu não preciso de glórias. Preciso é de dinheiro’.

Esta foi a parte em que eu caí da cadeira. Peralá. Por partes. Entendo que FHC não é um homem rico. Entendo que FHC ache 70 mil um excelente salário, embora o mui europeu mulato e internacionalmente reconhecido sociólogo tenha se esquecido de acrescentar: para padrões brasileiros. Para padrões universitários americanos ou europeus, está longe de ser. Agora, se Harvard lhe ofereceu 35 mil anuais, ela merecia uma resposta contundente: que os serviços do ex-Presidente do Brasil e sociólogo de renome internacional, com dez livros publicados, não estão disponíveis por um salário que se aproxima mais ao que Harvard paga a um encanador. Até um recém-doutor, beginning Assistant Professor, parte com quase o dobro disso. Decepcionante, presidente. Aceite, claro, a oferta que quiser, mas não ter percebido a ironia sociológica desses números foi revelador.

"Queriam que eu concorresse ao governo de São Paulo. Eu disse: aí eu ganho e no dia seguinte tem rebelião em presídio e prefeito querendo encontro. O Senado é igual. Aquela convivência é muito desinteressante. Chega.” Fala com convicção, parece sincero: depois de trocar idéias com Chirac e Clinton, deve ser meio desanimadora a perspectiva de puxar conversa com Epitácio Cafeteira.

É o eterno pecado de FHC: essa melancolia tropical. O Senado tem, sim, uma maioria de Cafeteiras. Mas também tem uma minoria de senadores respeitáveis, tanto no governo como na oposição. FHC só somaria, com sua experiência e inteligência. Mas prefere esnobar: “estou acima dessa instituição”. Depois não entende por que funciona como espanta-voto.

No meu governo, universalizamos o acesso à escola, mas pra quê? O que se ensina ali é um desastre. A única coisa que organiza o Brasil hoje é o mercado, e isso é dramático. O neoliberalismo venceu. Ao contrário do que pensam, contra a minha vontade.

Algum dia eu gostaria de escutar uma explicação sobre como o neoliberalismo (entendido como a onda de privatizações, desregulamento da economia, etc. que marcou os 1990) triunfou “contra a vontade” de FHC. Em todo caso, FHC e os tucanos têm que decidir: ou defendem ao neoliberalismo que gestionaram e impuseram ou explicam por que ele aconteceu “contra sua vontade”.

Batizaram de Consenso de Washington a constatação de que o Estado estava falido e de que não se pode gastar o que não se tem; se tivessem batizado de Consenso de La Paz, não teria havido problema.

Bom, o tal Consenso de Washington é mais que isso, não é, Presidente ? Não é só a constatação de que o estado estava falido. Essa constatação é quase universal. Há um motivo pelo qual ele se chama Washington e não La Paz. Mas há um pulo enorme daí para a idéia de que o estado faliu por culpa dos gastos sociais e que a receita para a falência é mais privatização -- receituário estilo FMI que, ironicamente, teve sua grande parcela de culpa na falência e desfinanciamento do estado. É o clássico: receitam como remédio o que era a causa da doença para começo de conversa. Aí depois dizem que foi inevitável e “contra sua vontade”. Esperam que o povo acredite.

Nem sabia que dava pra ganhar esse dinheirão todo com uma palestra só. Fiquei cliente do Harry Walker, o mesmo agente do Clinton. Em média, me oferecem 40 mil dólares; ele fica com 20%. Minha vantagem é que eu me viro em quatro línguas, três delas muito bem.

Pára com isso, presidente. O sr. se comunica em três línguas, o que é diferente. “Muito bem”, proficiência superior, não tem em nenhuma das três. É fantástico que o sr. se comunique bem o suficiente para ser um professor visitante na França, nos EUA e na América Hispânica falando a língua deles. Nada de errado em ter isso como motivo de orgulho. Mas por soberba ter se submetido, em território do Brasil, sendo seu chefe de Estado, a capengar no idioma de um presidente estrangeiro foi imperdoável, Presidente. Eu achava aquilo imperdoável. Opinião pessoal, claro.

Reage à idéia de que a América Latina estaria se voltando para a esquerda: “Não é esquerda, é populismo: o líder falando diretamente com as massas, sem o intermédio das instituições”. Esse é um ponto crucial. Se Chávez é percebido como progressista, imediatamente FHC se torna um conservador, rótulo do qual tenta se livrar a todo custo. Repetirá inúmeras vezes que o populismo é autoritário e regressivo. “Esquerda clássica é o Allende, esse sim queria romper com o sistema capitalista. Chávez opera no nível ideológico. Na prática, ele vende para os americanos e a burguesia venezuelana está ganhando dinheiro”, argumenta

Análise bem fraca, acho eu, prejudicada por esse inconfundível tique de FHC: sendo um político que, fundamentalmente, aplicou um receituário da direita, vira e mexe se arvora a julgar qual é a esquerda autêntica. Populismo não é “falar diretamente com as massas, sem instituições”, Presidente, como se algumas das mais sólidas instituições (como os sindicatos, a burocracia estatal, etc.) não tivessem justamente sido criadas pelos populismos varguista, peronista e congêneres. Populismo, na bibliografia dos últimos 30 anos, Presidente, é um termo que designa a confecção de um certo pacto de classe via estado, seja lá qual for a avaliação (positiva ou negativa, total ou parcialmente) que se tenha sobre ele. Não essa ficção de “comunicação direta”. O Sr. anda com trauma de “comunicação direta”. De qualquer forma, relaxe, porque essa categoria é completamente furada (ok, a sua sociologia não explica o porquê, mas Derrida explica). Chávez parece incomodá-lo, na verdade, porque é um esquerdista que não opera na pobreza. Para o ex-sociólogo progressista do “esqueçam o que escrevi”, esquerdista legítimo é o morto, com palácio bombardeado. Ou o derrotado nas eleições, claro. Qualquer outro é acusado de não ser esquerdista de verdade -- por ele, que está bem à direita no espectro político brasileiro. FHC tem que se resolver: ou se dedica a defender seu legado político ou fica julgando quem são os esquerdistas autênticos. Dedicando-se tão preocupadamente à segunda tarefa, ele acaba se embananando na primeira.

PS: genial post da Lulu alinhavando Kurosawa e Agamben.



  Escrito por Idelber às 23:37 | link para este post | Comentários (21)



segunda-feira, 03 de setembro 2007

Estadão x blogs: Acorda, professor!

Ah, o infinito talento da universidade para dar tiros nos pés! A gente tenta defender a danada, compra até debate com amigos, mas não adianta: ela continua fazendo o possível e o impossível para confirmar a fama de prepotente, arrogante e cega ante o mundo ao seu redor. O último exemplo foi o debate sobre responsabilidade e conteúdo digital promovido pelo Estadão, a raiz da malfadada campanha feita pela agência Talent para o jornal, comparando os blogueiros a macacos. O prof. Gilson Schwartz, da USP (tinha que ser da USP!), pagou um grande mico com sua participação e já deve ter percebido isso. A íntegra do debate está disponível no Estadão, mas o Rodrigo Barba também postou uma versão noYouTube:

Sobre a campanha, já não há muito o que dizer depois da enxurrada de posts que ela gerou: particularmente, acho difícil concordar com os que disseram que o Estadão apostou no velho “falem mal, mas falem de mim” como forma de ganhar publicidade gratuita na internet. Mais próximo da verdade estará o Cris Dias, quando opina que provavelmente um executivo encomendou uma campanha que tentasse reverter a perda de audiência dos jornais para a internet e a Talent mandou essa tremenda bola fora.

Na tentativa de remendar, chamaram três blogueiros para um debate: Carlos Merigo, do Brainstorm # 9, a Bruna, do Sedentário e Hiperativo e o Edney, do Interney, além do Pedro Dória. Completaram a mesa João Livi, diretor de criação da Talent; Marcelo Salles Gomes, diretor do Núcleo Digital do jornal Meio&Mensagem, Osvaldo Barbosa Lima, presidente do IAB Brasil (Interactive Advertising Bureau) e o citado Prof. Schwartz, da ECA (Escola de Comunicação e Artes) da USP.

Ficou por aí uma sensação de que faltou traquejo aos blogueiros para questionar mais duramente o Estadão e a Talent sobre a questão da credibilidade. Os jornalistas, publicitário e professor pilotavam o debate e depois de assistir o vídeo ficou difícil escapar da sensação de que os blogueiros estavam ali para legitimar uma “limpada” na imagem do Estadão. Edney deu uma bela resposta a um mal-informado comentário de Schwartz sobre a rentabilidade dos blogs mas, no geral, faltou conflito, especialmente considerando-se que o debate ocorria na esteia de um grotesco ataque do Estadão aos blogs.

O Cardoso ficou putíssimo com a forma como os blogueiros foram engolidos dentro do clima de “cordialidade” que ali, claro, só servia ao interesse de limpar a barra do Estadão. Como apontou o Cardoso, o Gilson Schwartz disse que o “Estadão tinha mais era que descer o cacete mesmo”, que a blogosfera era uma “lixolândia” e ninguém reagiu. Nessas horas, há que se mandar a cordialidade às favas. Eu, pessoalmente, não me importo nem um pouco de ganhar desafetos por escrever o que penso (mas, Cardoso, o Schwartz não é “digno representante e admirador da Blogosfera Intelectual”, seja lá o que for isso: ele é representante dos que acham que toda a blogosfera é um lixo, sem ter lido, claro, nenhum blog).

Não compartilho a percepção do meu amigo Pedro Dória sobre a “falta de relevância” da blogosfera brasileira. Comparações com a blogosfera americana não ajudam, pelas assimetrias que todos conhecemos. Faltou alguém que apontasse que no Brasil já há uma considerável história: blogs que descobriram plágio em discursos de senador (descoberta, por sua vez, depois plagiada pela grande mídia), blogs que foram processados por senadores depois de causar considerável impacto na eleição, blogs que viraram referência para os próprios congressistas sentirem o clima político do país, blogs que, infelizmente, conseguiram derrubar e desfinanciar projetos de pesquisa. Claro que falta muito, que se pode crescer mais, etc. Mas não vejo nenhum “problema de relevância”. As coisas crescem no seu ritmo.

Outra coisa que ficou nítida no debate foi a vontade, tanto do moderador como do representante da Talent, de martelar que a “campanha havia sido mal compreendida”, que “não havia ataque aos blogueiros”, que só se tratava de uma chamada de atenção para a qualidade da informação, etc. Poucas coisas me irritam tanto quanto isso: o sujeito escreve A, 40.000 pessoas entendem e criticam A, e o sujeito volta para dizer que foi “mal compreendido”. Reitere o que disse ou retire o que disse, mas pelamor, não finja que o planeta e a torcida do Corinthians o compreenderam mal. Isso aconteceu também, por exemplo, no caso Janine Ribeiro – que teve a oportunidade de reiterar ou retirar, mas prefiriu dizer que a humanidade não o havia compreendido.

O Prof. Schwartz, claro, deu mais uma bela contribuição para que a imagem pública da universidade continue piorando. Mais que no infeliz uso do termo “lixolândia”, mais que na apropriação infeliz da metáfora dos “macacos”, a ignorância do acadêmico sobre o fenômeno que debatia ficou clara quando pontificou sobre o fato de que, supostamente, o problema dos blogs seria que “todo mundo virou emissor”, num recurso a um modelo completamente ultrapassado de comunicação. Não é no terreno dos blogs que “todo mundo é emissor”. Se há um espaço em que “todo mundo é emissor”, é justamente nas revistas acadêmicas, que só são lidas pelos próprios autores. Caramba, rapaziada: será que ninguém teve presença de espírito para dizer uai, professor, eu achava que todo mundo era emissor naquelas revistas que vocês fazem na USP, que só são lidas pelos que nelas escrevem.

PS: Mais sobre a polêmica:

1. Falso debate, de Hernani Dimantas.

2. A Talent tenta limpar a barra, no Blue Bus.

3. Estadão recua, por Guilherme Azevedo.

4. Um bom resumo, no Anderson Costa.

5. Renato Cruz insiste que a "intenção não foi ofender", esquecendo-se do velho e bom ditado sobre quão cheio de boas intenções anda o inferno.

6. O Blogajuda concorda com o Prof. Schwartz, dizendo que faltam "receptores minimamente inteligentes". É a observação da qual eu mais discordo. Se há uma coisa que não deixa de me encantar nos meus três anos de blogagem, é justamente a quantidade de receptores inteligentes que encontrei.

7. Paulo Bicarato faz uma bela observação: quando um sistema emergente aparece, é porque já está mais que consolidado.

8. Enquanto isso, Ivan Lessa dá show de bola.



  Escrito por Idelber às 01:13 | link para este post | Comentários (38)