Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email:
idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro







selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« Estadão x blogs: Acorda, professor! :: Pag. Principal :: Vários »

terça-feira, 11 de setembro 2007

Fernando Henrique Cardoso: Entrevista à Piauí

fhc.jpgPor um puro acidente, não resenhei aqui A arte da política, o último livro de Fernando Henrique Cardoso, que li com muito gosto e proveito. A resenha não saiu, mas outras vezes aqui no blog eu toquei naquele que considero ser um dos paradoxos deliciosos do Brasil: não costuma haver ninguém, entre os que vociferam contra “Lula, o analfabeto”, que tenha lido um livro de Fernando Henrique Cardoso. Eu, como leitor assíduo do príncipe sociólogo (para uma discussão mais longa com ele, ver o capítulo 2 desse livrinho), não posso deixar de notar este curioso dado com algum deleite. A recente matéria da Piauí com FHC triplica a ironia do fato.

Foi pelo belo post da Mary W que cheguei no texto de João Moreira Salles, uma das melhores, se não a melhor matéria já feita com FHC. Ela foi realizada na esteia da estadia de FHC nos EUA, em Brown University, Providence, estado de Rhode Island (um dos cumes do brasilianismo daqui). Tomo a liberdade de recortar e colar alguns trechos, com comentários. Em itálicos, a Piauí:

A América, para ele, é como a madrinha excêntrica, que provê — convive-se com ela mais por necessidade que por gosto. Naquele dia, o ex-presidente se queixava dos hábitos alimentares de seus anfitriões: “Essa coisa de comer com as mãos, eu não sei fazer isso. E eles gostam de conversar enquanto comem sanduíche. Eu digo não: ou eu falo, ou eu como”.

O trecho estabelece o ritmo da coisa: para FHC, erudito “europeu” (ainda que “mulato” e “com pé na cozinha”, segundo sua própria definição), a América é uma sorte de bárbara terra onde semi-civilizados nouveaus riches comem com as mãos e falam enquanto se alimentam. Na verdade, não há muita sociologia que prove que a taxa de gente que fala enquanto come seja mais alta aqui que em qualquer lugar. É, sim, comum o brown bag lunch, onde intercala-se o falar e o comer. A frase de FHC ligeira, mal-intencionadamente, confunde as duas coisas.

Em tempos de rebuliço político na América Latina, pedem-lhe cada vez mais que opine sobre Chávez. Lula deixou de ter graça nas universidades americanas. “Ele perdeu pontos quando decidiu ser sensato. A sensatez não apaixona. Lula não quebra, Chávez quebra. Esse pessoal de esquerda gosta dos nietzschianos. Lula é cartesiano — a seu modo, pelo menos. Está sempre do lado do senso comum.”

Nota-se aqui o sociólogo aventurando-se em terreno pouco conhecido, a filosofia, e comentendo ali o erro contra o qual se funda a filosofia: tomar a aparência pela essência, o que as coisas parecem pelo que elas são. Chávez “tem arroubos” e daí FHC o associa a Nietzsche. Lula é político e conciliador, daí o sociólogo-profissional-filósofo-amador associa-o ao cartesianismo. A verdade é, claro, o contrário: quem sabe de cálculo e auto-reflexividade é Chávez, quem sabe de vontade de poder é Lula. Essa é umas das razões das surras de urnas e popularidade que os tucanos e FHC levam de Lula ultimamente: tratam-no como um mero cartesiano.

Fora do país, o ex-presidente firmou um contrato de cinco anos com a Universidade Brown. “Eles me pagam um dinheirão, 70 mil dólares por ano, com a obrigação de eu passar no mínimo quatro semanas aqui. Tirando os impostos, dá uns 5 mil por mês. Faz as contas, é muito bom. Antes recebi um convite de Harvard, não aceitei. Brown me pagava o dobro. A Ruth ficou indignada. Mas é Harvard!’ Eu disse: ‘Ruth, a essa altura do campeonato, eu não preciso de glórias. Preciso é de dinheiro’.

Esta foi a parte em que eu caí da cadeira. Peralá. Por partes. Entendo que FHC não é um homem rico. Entendo que FHC ache 70 mil um excelente salário, embora o mui europeu mulato e internacionalmente reconhecido sociólogo tenha se esquecido de acrescentar: para padrões brasileiros. Para padrões universitários americanos ou europeus, está longe de ser. Agora, se Harvard lhe ofereceu 35 mil anuais, ela merecia uma resposta contundente: que os serviços do ex-Presidente do Brasil e sociólogo de renome internacional, com dez livros publicados, não estão disponíveis por um salário que se aproxima mais ao que Harvard paga a um encanador. Até um recém-doutor, beginning Assistant Professor, parte com quase o dobro disso. Decepcionante, presidente. Aceite, claro, a oferta que quiser, mas não ter percebido a ironia sociológica desses números foi revelador.

"Queriam que eu concorresse ao governo de São Paulo. Eu disse: aí eu ganho e no dia seguinte tem rebelião em presídio e prefeito querendo encontro. O Senado é igual. Aquela convivência é muito desinteressante. Chega.” Fala com convicção, parece sincero: depois de trocar idéias com Chirac e Clinton, deve ser meio desanimadora a perspectiva de puxar conversa com Epitácio Cafeteira.

É o eterno pecado de FHC: essa melancolia tropical. O Senado tem, sim, uma maioria de Cafeteiras. Mas também tem uma minoria de senadores respeitáveis, tanto no governo como na oposição. FHC só somaria, com sua experiência e inteligência. Mas prefere esnobar: “estou acima dessa instituição”. Depois não entende por que funciona como espanta-voto.

No meu governo, universalizamos o acesso à escola, mas pra quê? O que se ensina ali é um desastre. A única coisa que organiza o Brasil hoje é o mercado, e isso é dramático. O neoliberalismo venceu. Ao contrário do que pensam, contra a minha vontade.

Algum dia eu gostaria de escutar uma explicação sobre como o neoliberalismo (entendido como a onda de privatizações, desregulamento da economia, etc. que marcou os 1990) triunfou “contra a vontade” de FHC. Em todo caso, FHC e os tucanos têm que decidir: ou defendem ao neoliberalismo que gestionaram e impuseram ou explicam por que ele aconteceu “contra sua vontade”.

Batizaram de Consenso de Washington a constatação de que o Estado estava falido e de que não se pode gastar o que não se tem; se tivessem batizado de Consenso de La Paz, não teria havido problema.

Bom, o tal Consenso de Washington é mais que isso, não é, Presidente ? Não é só a constatação de que o estado estava falido. Essa constatação é quase universal. Há um motivo pelo qual ele se chama Washington e não La Paz. Mas há um pulo enorme daí para a idéia de que o estado faliu por culpa dos gastos sociais e que a receita para a falência é mais privatização -- receituário estilo FMI que, ironicamente, teve sua grande parcela de culpa na falência e desfinanciamento do estado. É o clássico: receitam como remédio o que era a causa da doença para começo de conversa. Aí depois dizem que foi inevitável e “contra sua vontade”. Esperam que o povo acredite.

Nem sabia que dava pra ganhar esse dinheirão todo com uma palestra só. Fiquei cliente do Harry Walker, o mesmo agente do Clinton. Em média, me oferecem 40 mil dólares; ele fica com 20%. Minha vantagem é que eu me viro em quatro línguas, três delas muito bem.

Pára com isso, presidente. O sr. se comunica em três línguas, o que é diferente. “Muito bem”, proficiência superior, não tem em nenhuma das três. É fantástico que o sr. se comunique bem o suficiente para ser um professor visitante na França, nos EUA e na América Hispânica falando a língua deles. Nada de errado em ter isso como motivo de orgulho. Mas por soberba ter se submetido, em território do Brasil, sendo seu chefe de Estado, a capengar no idioma de um presidente estrangeiro foi imperdoável, Presidente. Eu achava aquilo imperdoável. Opinião pessoal, claro.

Reage à idéia de que a América Latina estaria se voltando para a esquerda: “Não é esquerda, é populismo: o líder falando diretamente com as massas, sem o intermédio das instituições”. Esse é um ponto crucial. Se Chávez é percebido como progressista, imediatamente FHC se torna um conservador, rótulo do qual tenta se livrar a todo custo. Repetirá inúmeras vezes que o populismo é autoritário e regressivo. “Esquerda clássica é o Allende, esse sim queria romper com o sistema capitalista. Chávez opera no nível ideológico. Na prática, ele vende para os americanos e a burguesia venezuelana está ganhando dinheiro”, argumenta

Análise bem fraca, acho eu, prejudicada por esse inconfundível tique de FHC: sendo um político que, fundamentalmente, aplicou um receituário da direita, vira e mexe se arvora a julgar qual é a esquerda autêntica. Populismo não é “falar diretamente com as massas, sem instituições”, Presidente, como se algumas das mais sólidas instituições (como os sindicatos, a burocracia estatal, etc.) não tivessem justamente sido criadas pelos populismos varguista, peronista e congêneres. Populismo, na bibliografia dos últimos 30 anos, Presidente, é um termo que designa a confecção de um certo pacto de classe via estado, seja lá qual for a avaliação (positiva ou negativa, total ou parcialmente) que se tenha sobre ele. Não essa ficção de “comunicação direta”. O Sr. anda com trauma de “comunicação direta”. De qualquer forma, relaxe, porque essa categoria é completamente furada (ok, a sua sociologia não explica o porquê, mas Derrida explica). Chávez parece incomodá-lo, na verdade, porque é um esquerdista que não opera na pobreza. Para o ex-sociólogo progressista do “esqueçam o que escrevi”, esquerdista legítimo é o morto, com palácio bombardeado. Ou o derrotado nas eleições, claro. Qualquer outro é acusado de não ser esquerdista de verdade -- por ele, que está bem à direita no espectro político brasileiro. FHC tem que se resolver: ou se dedica a defender seu legado político ou fica julgando quem são os esquerdistas autênticos. Dedicando-se tão preocupadamente à segunda tarefa, ele acaba se embananando na primeira.

PS: genial post da Lulu alinhavando Kurosawa e Agamben.



  Escrito por Idelber às 23:37 | link para este post | Comentários (21)


Comentários

#1

Caro Idelber, já gastei meu tempo na quantidade suficiente estudando FHC. Tempo que resultou em um trabalho apresentado no IV Colóquio Latino Americano de Economistas Políticos, realizado na Universidade de Buenos Aires, Argentina, em 2004. Como o texto sobre FHC era de sua autoria, fui ler. Note, portanto, que meu interesse não era FHC e sim o seu texto. Logo no início “torci o nariz” quando li “Eu, como leitor assíduo do príncipe sociólogo”. Não desisti e fui em frente. Ainda bem! Na continuação da leitura fiquei me perguntando se essa sua assiduidade era motivada por um certo sadismo. O texto que li mostra a fragilidade argumentativa, a ausência de raciocínio sólido, daquele que é jocosamente (enfatizo o jocosamente) chamado de “príncipe sociólogo”. Sua crítica mais cruel, caro Idelber, foi ao ponto da remuneração menor do que a de um encanador que Harvard ofereceu para FHC. Minha dúvida é se ele não percebeu isso (não duvido da inteligência dele) ou se o argumento para aceitar a oferta de Brown foi mais uma retórica demagógica que ele costuma oferecer aos incultos que, até por isso mesmo, o idolatram. Parabéns, valeu ter lido seu texto.

bensaiddeitapevi em setembro 12, 2007 9:07 AM


#2

Gostei muito dos comentários. A matéria é excelente e com certeza vai aumentar o círculo de leitores da Piauí.

Essa questão da língua me intriga. Todo mundo sabe que o presidente de um país tem que se expressar na língua de seu país, mesmo que saiba outras. No entanto, Fernando Henrique teve a coragem de discursar no parlamento da França na língua deles. O PSDB fez até um spot sobre isso em sua propaganda política.

O príncipe dos sociólogos parece ser meio deslumbrado. Deve ter achado algo especial ser entendido sem auxílio de tradução pelos deputados franceses. Ele e o PSDB parecem querer provar ao populacho que são algo de especial porque se expressam em outras línguas.

Poxa, professor universitário falar outras línguas é obrigação! Não é algo pra ficar ostentando, é o mínimo indispensável. Mas ostentam mesmo, e influenciam toda uma geração de reacinhas adolescentes, intelectuais-Google que se medem pela quantidade de bobagens que lêem, e não pela qualidade.

Marcus em setembro 12, 2007 9:56 AM


#3

U-A-U! Fui eu que encomendei o post para a Mary W. E acabei ganhando duas aulas!

Ju Sampaio em setembro 12, 2007 11:06 AM


#4

Se me permite humildemente botar a cabecinha pra fora e aparecer, eu direi: nossa, como senti falta disso aqui enquanto você esteve de recesso!

Ana Paula em setembro 12, 2007 2:45 PM


#5

Nunca entendi essa mania de tratarem FHC como um grande intelectual. Além de não ser o intelectual que pensa ser, ele também não ama o Brasil. Pode parecer pueril o que que vou dizer, mas não acredito em presidentes que tenham vergonha ou nojo do povo. FHC quer que a gente se exploda.

Bruno Ribeiro em setembro 12, 2007 2:57 PM


#6

Obrigado :-)

Sobre os 35 mangos para o encanador: exagerei, claro, pero no mucho. E é fato um professor assistente recém-doutor em Harvard (e até mesmo em Tulane!) começa bem acima dos 35, inclusive num departamento proletário como o de Espanhol.

Que em Harvard e no melhor financiado terreno das ciências sociais tenham oferecido 35 a FHC foi um insulto, que ele não o tenha percebido é uma amarga ironia, né?

Idelber em setembro 12, 2007 3:02 PM


#7

Trecho revelador:

O avião pousou às 11 horas em Atlanta, sem atrasos, o que significaria quatro horas de espera. Fernando Henrique buscou uma área tranqüila para rever seus papéis e fazer emendas na conferência programada para dali a dois dias, na Universidade da Carolina do Norte, em Chapel Hill. Sentou-se ao lado de uma senhora que folheava a revista People e chupava um picolé. Meia hora depois atinou que, se era executiva, então dava direito a sala VIP. “E eu sofrendo no meio do povo à toa”, deduz, recolhendo seus papéis à pasta.

(grifo responsabilidade minha, I.A.)

E era um aeroporto, não uma rodoviária.

Idelber em setembro 12, 2007 3:09 PM


#8

Eu até ia deixar os xingatórios a propósito de Renan, apesar de não terem nada a ver com o post.

Mas assinou três nomes diferentes para mandar spam, aí perdeu o direito de ler o blog :-)

Democracia na casa dos outros é refresco, como diz o Rafael Galvão :-)

Idelber em setembro 12, 2007 5:42 PM


#9


Idelber, só uma pequena correção: ele disse que ofereceram a ele 70 mil por ano. Mas é pra ser professor at large. Isto é, na verdade trabalha 1 mês por ano (quatro semanas). De ano em ano, Brown paga 70 mil a FH por um mês de trabalho (Imagino que com todas as facilidades e custos de hospedagem e passagem pagos pela universidade

A comparação com o Assistant Professor seria falha, pois o sujeito trabalha o diabo para ganhar, o que, uns 50-60 mil por ano, trabalhando 8 meses por ano, ensinando dois ou três cursos, tendo que publicar artigos, livro e toda aquela bela pressão do tenure clock. 70 mil pra trabalhar um mês por ano não é mal, embora, eu concorde contigo, que 35 mil de Harvard é pouco para uma "estrela" da sociologia. Já ouvi falar que Harvard tratava muito mal os Assistant e Associate Professors, nunca as estrelas. Mas será que o Amartya San ganha mais de 35 mil pelo trabalho de um mês?

Cesar em setembro 12, 2007 7:31 PM


#10

Pois é, Cesar, eu também fiquei pensando no que ele quis dizer com "mínimo de quatro semanas".

Acho difícil que um Professor at Large tenha obrigação de ficar lá só quatro semanas durante o ano. Se for, claro, minha objeção já não se aplica. Mas o texto da reportagem era ambíguo.

Idelber em setembro 12, 2007 7:36 PM


#11

Como minha habitual agilidade, só agora vejo seu retorno, Idelber. Ainda vale bem-vindo atrasado?
abraços.

Franciel em setembro 12, 2007 7:58 PM


#12

eu, que sou por fora de todo tipo de questão acadêmica, também pensei: mas peralá, o sujeito tá ganhando pra passar 4 semanas no lugar. é diferente de um professor que tá lá, "batendo cartão", todo santo dia útil da semana. não dá pra comparar. ou dá?

mauricio em setembro 12, 2007 8:19 PM


#13

Sim, foi o que eu disse acima. Mas isso está ambíguo na reportagem. Não acredito que tenham contratado FHC para dar um curso de 4 semanas com salário anual. Vou tentar dar uma checada :-)

Idelber em setembro 12, 2007 8:23 PM


#14

O ex-presidente deveria ter um pouco mais de juízo e bom senso ao citar a universalização do ensino...
O modo como a educação básica foi tratada e destratada em seu governo, deveria ser motivo de vergonha.

terezinha em setembro 12, 2007 10:07 PM


#15

Caro Idelber
Muito bom o comentário!
É muito interessante ler este texto, especialmente para quem viveu em um país em que os analfabetos eram maioria.
Concordo com a crítica ao Neo-Liberaslimo. Hoje no Brasil a maioria das pessoas e instituições (inclusive o governo) se entrega a pensamentos, ações e vivências neo-liberais.
Creio que a participação de FHC na política brasileira está aceleradamente perdendo peso.
Foi bom ter lido.

Paulo em setembro 13, 2007 9:02 PM


#16

Idelber, parabéns! - por conseguir ler o livro do FHC.

Daniel em setembro 14, 2007 11:26 AM


#17

Finalmente deu "ping" o teu blog. Não gosto do FHC nem do LULA. Acho que não tenho jeito, nem Jesus a essa altura do campeonato. Só o Botafogo e os Titãs.

E me amarro na Piauí. E em você, sumidinho!

tina oiticica harris em setembro 14, 2007 10:11 PM


#18

Idelber, apesar de não saber quando ganha um professor, um sociologo ex-presidente, com sua narrativa descontraida e repleta de ironia, vc me fez apreciar todo o texto, e ainda dar umas risadas...
Idelber perfeitamente cmpreensivel que ele pense ser lula cartesiano....
eu, nunca imaginaria rssss

marilia em setembro 15, 2007 6:48 PM


#19

Idelber, é uma delícia ver que seu recesso acabou, heheheh! Adorei os comentários e a entrevista. Aproveitando, dei uma checada no Jacques Derrida, ele é realmente fantástico. Sempre aprendo quando leio seu blog, mesmo que por alguns minutos. Senti falta deste espaço :)
Um grande abraço!

Ananda em setembro 18, 2007 7:45 AM


#20

Nao gosto fo FHC. Eu acho que FHC recebia ordens diretamente do governo americano.

Ouvi dizer que FHC firmou acordo com a CIA e se comprometeu a seguir a politica de washington.

A missao do FHC foi de nacionalisar todas empresas publicas brasileiras. Se FHC fosse americano ele seria republicano e seguidor do crininoso GW Bush.

Joao em dezembro 28, 2007 1:20 AM


#21

O tom irônico do texto original e dos trechos comentados neste post me soa muito mais arrogante do que ambos os textos sugerem que FHC seja.

Lamentável.

O autor deste blog, ao meu ver, é muito cheio de verdades quando o assunto é FHC / PSDB.

Compreendo. Conviver com certezas por certo deve ser agradável.

É tão bonito ter duvidas...


Rodrigo N. em fevereiro 20, 2011 4:03 PM