Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email:
idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro







selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« Ufa! Mas não tem resenha :: Pag. Principal :: Sobre a democracia unicameral »

sexta-feira, 28 de setembro 2007

Mais um blogueiro ameaçado por político

sakamoto.jpg Leonardo Sakamoto, jornalista, doutor em ciência política pela USP, coordenador da ONG Repórter Brasil e um dos maiores conhecedores da realidade do trabalho escravo no Brasil (e há tempos recomendado cá neste blogroll), foi ameaçado de processo na tribuna do Senado Federal no dia 25 de setembro. A senadora Kátia Abreu (PFL DEM-TO), conhecida líder da bancada “ruralista”, reagiu a uma simples informação – a de que ela votou de acordo com os interesses de latifundiários flagrados no uso de trabalho escravo – com uma ameaça de processo sobre o jornalista. O discurso da senadora, como costuma acontecer nesses casos, foi um arrazoado de incorreções:

Disse a digníssima na Tribuna do Senado: Sr. Leonardo Sakamoto, dono do site Repórter Brasil, financiado por recursos públicos, como consta no Contas Abertas, o senhor recebe dinheiro público para financiar o seu site e me acusa dizendo: A Senadora é uma das maiores opositoras do combate ao trabalho escravo contemporâneo. Quando Deputada Federal, defendeu os produtores rurais flagrados cometendo esse tipo de crime e atuou contra. Quero dizer-lhe, de público, que vou processá-lo por calúnia e difamação. O senhor é um irresponsável que mama nas tetas do Governo, que financia esse site irresponsável, o qual não tem crédito.

Na sua contudente resposta, Sakamoto refuta ponto por ponto:

1) Uma organização não-governamental, com diretoria e estatuto devidamente registrados, não tem dono e sim associados que elegem uma diretoria, da qual faço parte. Não sou proprietário de nada na Repórter Brasil.

2) A senadora cortou a frase que escrevi. A sua íntegra é a seguinte: "A senadora é uma das maiores opositoras do combate ao trabalho escravo contemporâneo. Quando deputada federal, defendeu os produtores rurais flagrados cometendo este tipo de crime e atuou contra a aprovação de leis que contribuiriam com a erradicação dessa prática". A matéria na íntegra pode ser lida clicando aqui.

Um exemplo: No dia 11 de agosto de 2004, 326 deputados federais aprovaram, em primeira votação, a proposta de emenda constitucional que prevê o confisco de terras em que trabalho escravo for encontrado, considerado uma das bandeiras da Comissão Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo. A então deputada Kátia Abreu e mais nove parlamentares posicionaram-se contra. Depois disso, a PEC 438/2001 não foi colocada em votação em segundo turno devido à pressão realizada pela bancada ruralista da Câmara dos Deputados, o que tem beneficiado os fazendeiros que utilizam mão-de-obra escrava. De acordo com parlamentares e entidades que atuam no combate ao trabalho escravo, a senadora Kátia Abreu foi uma das mais atuantes para que isso acontecesse.

3) Ao contrário do que informou a senadora Kátia Abreu, eu não mamo "nas tetas do governo". Ou seja, eu não "colho benefícios financeiros ilícitos de empresa ou administração pública" (conforme o dicionário Houaiss). Essa sim é uma declaração passível de um processo por calúnia e difamação. Meu cargo na direção da Repórter Brasil não pode ser, nem é, remunerado, como manda o estatuto da entidade.

Como se lembram os que acompanharam este blog na época da campanha eleitoral, processos judiciais de senadores contra blogueiros já têm história e triste memória no Brasil. O Biscoito empresta sua solidariedade irrestrita a Sakamoto, deixa a sugestão de que os eleitores do Tocantins escrevam à sua senadora com pedidos de esclarecimentos e convida os amigos blogueiros a repercutirem a notícia.

Minha aposta é que depois da resposta de Sakamoto e do desagravo do Senador Nery ao jornalista, a Senadora Abreu não volte mais ao assunto. Mas permaneçamos atentos ao desenrolar dos eventos. Em todo caso, minha convicção é que isso só vai deixar de acontecer quando os parlamentares e membros do Executivo perceberem que a força da internet já é tal que os custos políticos de ficar ameaçando blogueiro serão altos demais para valer a pena. Com a palavra, a turma que é criativa com banners e que esteja disposta a compor uma caricatura da senadora pefelê, nos moldes do grande sucesso que foi o Xô, Sarney.

(notícia via Blue Bus via Querido Leitor)

PS 1: A Revista Bula, em parceria com o Laboratório de Pesquisas de Opinião Pública e de Mercado da UEG/GO, pediu a 400 usuários de internet que indicassem os melhores blogs do Brasil e publicou o resultado. Com muitíssima justiça, Pensar Enlouquece ficou em primeiro. Meus agradecimentos a quem participou e votou cá neste blog.

PS 2: Belo texto do Hermano Vianna sobre hip hop (via Blog vermelho do hip hop).

PS 3: Maravihoso post da minha amiga Lucia Malla sobre a bendita readaptação do ex-expatriado.

PS 4: Aos participantes do Clube de Leituras do Borges: confirmado o tema do papo de quarta-feira. É o conto "Emma Zunz" (disponível na internet em português e no original)



  Escrito por Idelber às 02:03 | link para este post | Comentários (26)


Comentários

#1

olha, não perco esse clube de leituras por nada desse mundo. dane-se a minha qualificação, kkkkkkkkkkk! bjs

só vai perder se continuar falando em "qualificação"...

cris em setembro 28, 2007 8:10 AM


#2

Essa turma do Senado não toma jeito, é uma pisada atrás da outra.

Depois reclamam quando alguém prega a extinção do Senado (pessoalmente não concordo) ou a redução do seus membros e da duração dos mandatos...

Luiz em setembro 28, 2007 8:13 AM


#3

Idelber, aí vai outro caso de perseguição política a blogueiro. O clã político-desportivo Zé Neves (que todos os tricolores lembram com muito "carinho", pois elevou o Santinha à glória esportiva) ameaçou de processo o blog político Acerto de Contas.

Aqui:
http://acertodecontas.blog.br/economia/blog-no-vai-se-intimidar-com-ameaa-de-processo

Aqui:
http://acertodecontas.blog.br/atualidades/irmaos-neves-tentam-intimidar-blog-acerto-de-contas/

Dada a importância, reproduzi teu texto no blog, certo?

Artur em setembro 28, 2007 9:37 AM


#4

Porra, "Emma Zunz"? A princípio não teria tempo pra entrar na brincadeira do Clube de Leitura. Mas pô, é Emma Zunz... Vou ver se arranjo tempo. :)

Edson Alves Jr. em setembro 28, 2007 9:52 AM


#5

Achei muito curiosa essa notícia. Alguns dias atrás o noticiário mostrou vários senadores com um estranho interesse de visitar propriedades relacionadas com trabalho escravo, em alguns estados. Agora, essa reação da senadora. Parece que algo acontece por debaixo dos panos...

Catatau em setembro 28, 2007 10:32 AM


#6

O que me espanta é ver a naturalidade com que uma senadora da República se mostra publicamente ofendida pela mera notícia de algo que realmente fez, como se o próprio ato de discordar do seu procedimento quando "representante do povo" na Assembléia Legislativa fosse atentatório à dignidade da hoje senadora.
De modo geral, os políticos brasileiros confundem imunidade com impunidade, e mais, acreditam que são absolutamente incontestáveis em quaisquer atos. A esperança é que pelo menos o povo consiga enxergar os absurdos, e que o STF siga atuando no mesmo rumo apontado.
A propósito, não sei se posso citar, mas há excelente texto de Frei Beto no "Pras Cabeças".

Ana Carolina em setembro 28, 2007 11:27 AM


#7

Idelber, meu caro, obrigada pela citação aqui, no seu sempre agradável Biscoito! :)

Beijos!

Lucia Malla em setembro 28, 2007 11:44 AM


#8

Vou por o link -já. Contando ninguém acredita mas quem sabe?
Depois é parabenizar o Alexandre Inagaki, a quem muito devo no meu Universo Anárquico.

Lamento a notícia de mais despotismo. Lembra-me uma canção que Elis cantava, "O Brasil não conhece o Brasil..."

Bom dia!

tina oiticica harris em setembro 28, 2007 12:52 PM


#9

comentário indireto, sobre o "sucesso" do movimento "Xô Sarney". Pessoalmente, consideraria sucesso se tivesse dado certo. Infelizmente, Sarney foi eleito... Acho interessante separar a idéia de sucesso e alcance: o movimento teve um alcance enorme, mas... não teve sucesso no seu objetivo.

elaine em setembro 28, 2007 1:04 PM


#10

è lamentável q dentro de um processo onde políticos foram eleitos pelo voto direto ou democraticamente, ainda possam existir aqueles q defendam o trabalho escravo, meu apoio ao Biscoito e a Leonardo Sakamoto... tem q denunciar... Parabens!!!

Adriano em setembro 28, 2007 3:35 PM


#11

caro idelber. li esse post e imediatamente decidi mandar um email para a tal senadora, cobrando explicações e condenando tal attitude. sua resposta convenientemente ignorou as declarações a respeito do leonardo sakamoto, mas se concentraram em negar que ela seja opositora dos grupos anti-trabalho escravo.

A resposta é um pouco longa, mas vou colar abaixo, caso haja algum interesse. Infelizmente, conheco muito pouco do caso para saber até que ponto o que ela diz é pertinente, mas nao deixa de ser verdade que, à exceção de um ou outro nome, a Comissão Temporária Externa do Senado é composta por políticos de qualidade, ahm, duvidosa. Eis a resposta dela:

Prezado Senhor Pedro,
A Comissão Temporária Externa do Senado foi criada para averiguar as condições da rescisão direta de 1.064 contratos de trabalho na empresa Pagrisa S/A, situada no município de Ulianópolis (PA). Os contratos, legalmente registrados nas carteiras de trabalho dos empregados, foram rompidos após fiscalização do Grupo Móvel de Fiscalização do Trabalho, do Ministério do Trabalho e Emprego, sob alegação dos auditores-fiscais de que a empresa submetia os trabalhadores a condições análogas à escravidão.

A direção da empresa não ofereceu resistência à ação da fiscalização e concordou com as rescisões, comprometendo-se a adequar às exigências da Lei as situações apontadas pelos auditores como sendo irregulares. Entretanto, da acusação de submeter seus funcionários a condições degradantes de trabalho, a empresa defendeu-se e denunciou abuso de poder cometido por alguns dos auditores-fiscais do Grupo Móvel.

A partir dessa denúncia, encaminhada no Senado Federal pelo senador Flexa Ribeiro, do PSDB do Pará, foi instalada a comissão suprapartidária, que no último dia 20 de setembro esteve em Ulianópolis para constatar as condições de trabalho oferecidas pela empresa e ouvir, dos empregados e da comunidade local, as impressões acerca da fiscalização do Ministério do Trabalho. A Comissão é composta pelos seguintes senadores:

* Paulo Paim (PT-RS)

* Sibá Machado (PT-AC)

* Patrícia Saboya (PSB-CE)

* Mão Santa (PMDB-PI)

* Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) – presidente da Comissão

* Romeu Tuma (DEM-SP)

* Kátia Abreu (DEM-TO) – relatora da Comissão

* Cícero Lucena (PSDB-PB)

* Flexa Ribeiro (PSDB-PA)

* Mário Couto (PSDB-PA)

* José Nery (PSOL-PA)

A Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras da Agricultura no Estado do Pará (Fetagri) é uma das entidades locais que descartaram a existência de prática de trabalho escravo ou degradante na empresa Pagrisa, opinião acompanhada pela Comissão Parlamentar da Assembléia Legislativa do Pará instalada para investigar o caso e por diversas outras instituições como OAB, Federação da Indústria e Associação Comercial do Pará.

Diante das informações levantadas pelos senadores que estiveram no Pará (Jarbas Vasconcelos, Kátia Abreu, Romeu Tuma, Cícero Lucena e Flexa Ribeiro), a Comissão decidiu aprofundar o trabalho de averiguação da verdade, aprovando a realização de audiências públicas para ouvir todas as partes envolvidas no processo e, posteriormente, emitir um parecer acerca dos fatos ocorridos durante a fiscalização trabalhista na empresa Pagrisa.

Expostos os fatos, este gabinete coloca-se à disposição de Vossa Senhoria para quaisquer outros esclarecimentos que se façam necessários ao entendimento do assunto. Cabe ao Senado Federal, neste caso representado pelos senadores membros da Comissão Temporária Externa, legalmente instituída, exercer um de seus papéis constitucionais, que é o de fiscalizar os atos do poder Executivo, averiguando e denunciando tanto as omissões quanto os abusos praticados pelas instituições do Estado.

Atenciosamente,
Kátia Abreu
Senadora da República - Democratas/TO

pedro em setembro 28, 2007 8:41 PM


#12

Obrigado pela iniciativa, pedro, o blog agradece a publicação da correspondência com a senadora.

Idelber em setembro 28, 2007 9:27 PM


#13

Devo dizer: A resposta da senadora me parece um spam. Texto pronto. Nada, por exemplo, sobre por que votou como votou no dia 11/08/2004.

Idelber em setembro 28, 2007 9:30 PM


#14

Não. Nunca se defendeu Mainardi aqui porque quem assina este blog não confunde direito de livre expressão com o direito à calúnia ou à difamação. Simples assim.

Idelber em setembro 29, 2007 2:02 AM


#15

Em meu comentário anterior mencionei o Alexandre Inagaki não pela campanha Xô Sarney mas pela nomeação (até que enfim) do Pensar Enlouquece, Pense Nisso.

Se a campanha tivesse sido um sucesso eu não seria "patrulheira" ou visigótica (sic) e não receberia outros denotativos singelos pela Net.

Mas é caro processar e nunca mais usarei o :teprocesso: na minha vida. O Professor está certíssimo na triste obviedade da falta de direitos democráticos no Brasil quanto a cartas a congressistas.

Somos duas realidades, dois conceitos. A opinião do Professor Idelber Avelar, com a qual concordo, e aparentes ataques a opiniões aí, piores que nos EUA.

tina oiticica harris em setembro 29, 2007 7:35 AM


#16

Idelber, amigo...
vc é realmente um dos mais corretos e idoneos na suas colocações! Vou linkar esse seu post lá no meu blog,por que é realmente um absurdo.
Quanta ignorãncia e pobreza de espírito ...
um bjão e inteee

marilia em setembro 29, 2007 10:42 AM


#17

Juro que não entendi. Blogueiro deveria estar acima de processos? Das leis vigentes? Se algum deles cometer no blog um crime de calúnia ou difamação (não estou dizendo que tenha sido o caso), não deveria ser processado, exatamente como quem difama ou calunia em qualquer outro meio de expressão pública? O que isso tem a ver com "parlamentares e membros do Executivo perceberem que a força da internet já é tal que os custos políticos de ficar ameaçando blogueiro serão altos demais para valer a pena."?

Não sou jurista, mas acho sim que a senadora pode ter do que reclamar. Ela pode alegar que é contra o trabalho escravo, mas que discordava dos termos dessa tal lei; que duvidava da capacidade desse dispositivo legal como meio de combater esse mal; que a lei tinha propósitos políticos outros etc. (proprietários de terra no Brasil costumam apresentar essa queixa: tudo conspira contra eles e tudo é pretexto para desapropriar suas terras).

Enfim, que ser contra o tylenol não significa ser a favor da febre.

Mas acho engraçada essa grita de "querem calar os blogueiros". Desculpe a crueza, mas me parece o maior autodeslumbramento.


Virgílio em outubro 1, 2007 8:05 AM


#18

Idelber, o excelente comentário do Virgílio demonstra que não é verdade que "quem assina este blog [você] não confunde direito de livre expressão com o direito à calúnia ou à difamação".

O que eu enxerguei foi exatamente isso: que a condição de blogueiro daria uma espécie de salvo conduto para se caluniar políticos, especialmente se eles forem conservadores ou direitistas.

Mesmo se eu não tivesse lido a defesa da senadora, eu consideraria o comentário inicial do Sr. Sakamoto uma palhaçada. O que ele tenta é simplesmente criminalizar o voto dela no parlamento. A mensagem velada que ele passa é a seguinte: "se você não votar concordando com o que eu penso, você é um criminoso". Em síntese, nada diferente do que o Diogo Mainardi faz, ou então outros articulistas reacionários da grande imprensa.

Não há "ameaça" por parte da senadora. Seria ameaça se ela dissesse "eu vou te pegar" ou coisa parecida. Pra mim, não há nada mais civilizado do que resolver na justiça esse tipo de coisa.

André Pessoa em outubro 1, 2007 10:13 AM


#19

Estou aqui pois conheci esse blog atraves do Pedro Dória e do L.Sakamoto....dez!
Vez por outra darei uns pitacos por aqui...muita paz a todos e vamos lutar para acabar com essa porcaria de trabalho escravo de uma vez por todas!

HRP Reloaded em outubro 1, 2007 1:24 PM


#20

Bom, eu adoraria que o Virgílio me assinalasse qual é o trecho do meu texto que pressupõe salvo-conduto de calúnia para blogueiro. Por mais que eu procure, eu não acho.

No caso em questão, a senadora votou contra uma emenda que regulamentava o confisco de terras onde se comprovou a existência de trabalho escravo. Sakamoto interpretou o voto dela como um voto que se alinha com os interesses de quem se beneficia de trabalho escravo.

E por isso ele merece um processo na cabeça, movido por uma senadora com imunidade parlamentar? Vixe.

Idelber em outubro 1, 2007 3:22 PM


#21

Cara, acho que deveria rolar um Google Bomb nessa senadora. Apontar o nome dela para uma página que denuncie essa situação.

Bender em outubro 1, 2007 9:08 PM


#22

É só criar que a gente ajuda a repercutir :-)

Idelber em outubro 2, 2007 12:51 AM


#23

O maior sonho dos maus elementos é calar os cidadãos.
Ah, Idelber, esses políticos estão cada dia mais descarados, despudorados, gananciosos e abusados.
Linkei teu post.

Alcinéa Cavalcante em outubro 2, 2007 3:24 PM


#24

Idelber, a "clonagem" do seu texto em http://parlamentando.blogspot.com/ sem autorização e sem crédito é passível de processo. No Tribunal de Pequenas Causas é ganho líquido e certo.

um abraço!

Sergio Fonseca em outubro 11, 2007 2:24 PM


#25

Obrigado, Sergio, imagino que sim. Mas é bobagem, não vale a pena o desgaste. Nestes casos, a perda de credibilidade de quem faz já é reparação suficiente :-)

Idelber em outubro 11, 2007 2:28 PM


#26

Eu acho mesquinha essa atitude de deputado de levar tudo o que dizem a respeito deles para o lado do mal só para fazer o discurso do "estão me atacando". Eles sempre acham um jeito de dizer isto e gostam de botar nego na justiça mais para divulgar publicamente que foi atacado do que por realmente acreditar que foi prejudicado. Acho um teatrinho meio irritante... lembra quando o Maluf processou (ou quis processar, não acompanhei) o RPM?

Klein em junho 7, 2008 11:51 PM