Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email:
idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro







selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« Revolução Russa, 90 anos :: Pag. Principal :: Amsterdã, 2 »

domingo, 11 de novembro 2007

Amsterdã, primeiro dia

Para além de todo o auê em torno à cidade, eu sempre quis vir a Amsterdã porque ela se parece com New Orleans. É o outro exemplo, o deles administrativamente bem sucedido, de se realizar essa maluquice: uma cidade que se espraia em caracol, abraçada por corpos de água e situada abaixo do nível do mar. Veja como elas são semelhantes:

neworleans.jpg

amsterdamI.jpg

A respiração da vida urbana das duas cidades é dada pelos canais de escoamento da água. Ao contrário de New Orleans, claro, Amsterdã tem sistemas de saúde e educação impecáveis, um transporte coletivo alucinantemente eficiente, população poliglota. Exatamente como New Orleans, tem uma cultura única, que você não vai encontrar em lugar nenhum do mundo.

A permissividade e tolerância, o erotismo exacerbado, a informalidade sorridente dos holandeses, seu incrível talento com as línguas, a beleza alucinante e compacta da cidade compõem um quadro impressionante. Cidade-vitrine, com certeza. Claro que é possível armar-se de um guia e fazer um roteiro das pontes, museus e tudo mais – pretendo fazê-lo. Mas a essência da cidade se oferece na caminhada ao léu, na qual você vai inevitavelmente trombar com o excesso de opções: arquitetura, pintura, música, comércio, beleza natural, diversão trash ou hardcore, vida cultural e gastronomia para ninguém botar defeito.

DSC03813.JPG

Sempre gostei da Holanda. Os brasileiros da minha geração e das anteriores que aprecia(va)m o futebol sabem o que foi aquela camisa laranja na Copa de 1974 (né, seu Mirto?). O que ela representou de renovação das regrinhas e táticas da brincadeira foi assombroso.

Sempre simpatizei com os holandeses porque nas viagens a outros países aprendi a reconhecê-los: certa informalidade no vestir, mesmo quando chiques (barbas, sandálias e bolsas não são raras), inglês impecável (superior em entonação ao excelente que costumam falar os alemães) e movimento em bando, com sorrisos. Se for loiro, não tem erro: é holandês. As mulheres são bem mais informais, relaxadas que as alemãs ou belgas ou dinamarquesas. Mesmo quem não está interessado em paquera notará.

Sempre adorei o fundamento que organiza a sociedade holandesa, e especialmente este milhão e meio abençoado que vive aqui na Grande Amsterdã: quer se prostituir ou contratar prostituta/o? É legal, tem bairro para isso. Quer fumar sua erva? Vá aos cafés, onde é legal. Quer se submeter a elaborados rituais sado-masô? Há mil e uma opções. Escandaliza-me que nossos liberais e conservadores não defendam uma sociedade com base a estas regras, que me parecem tão óbvias. O apoio maciço a elas continua intacto entre os holandeses.

O sex museum da Damrak 18, perto da Estação Central, é uma parada que eu recomendo: de Valentino à arte da gravura, da pintura à instalação, da fotografia trash à artistica, o museu faz bonito com o tema. Joga com aquele humor que pende para o desconforto com muita gente. Sagaz, bem feito.

Entre as mil e uma atrações de Amsterdã, claro, está o fato de que você encontra (com alguma sorte) uma das cervejas mais elogiadas do mundo, a belga Westmalle (resenha, em inglês). Reparem na textura da espuma:

DSC03818.JPG

Até terça o blog transmite daqui, depois dois dias da cidade universitária holandesa de Nijmegen, uns dois dias do campus da Louvain-la- Neuve, na Bélgica, e no fim de semana de volta a Amsterdã. Se tudo continuar beleza com a conexão.



  Escrito por Idelber às 21:10 | link para este post | Comentários (25)


Comentários

#1

Inesquecível a seleção holandesa, impossível de soletrar o nome de que me lembro Cruiff, é isso? Foi uma revolução no conceito do 4-3-3 estático até então. Ninguém entendeu nada.
Antes do futebol, fascinou-me a estória infantil do garoto que parou a possível enchente que um furo em um dique traría. Devo ter aprendido no Monteiro Lobato.
A organização ótima do laissez-faire social na Holanda levaria a pecha de ghettoísmo no Brasil. São duas cidades que nunca visitei: Amsterdan e New Orleans. New Orleans é mais espalhada, sem uma concentração urbana tão densa quanto a sua irmã européia, é o que o mapa indica. Buen provecho, professor!

tina oiticica harris em novembro 12, 2007 12:54 AM


#2

Esta cidade realmente está muito badalada ultimamente. Já pedalou um pouco? Espero conhecê-la antes que o aquecimento global acabe com ela.
gd ab

JULIO CESAR CORREA em novembro 12, 2007 2:26 AM


#3

esse museu do sexo eh sensacional :)

alex castro em novembro 12, 2007 7:44 AM


#4

putz, adoro a Holanda.
meus pais moraram aí por dez anos (1997-2007, acabam de voltar pro Brasil) e meu irmão ainda mora. mas não em Amsterdam, e sim em Haia.
Nijmegen eu tb conheci, qdo morei aí por uns meses, em 1999. assisti a um festival de música latino-americana em q vi Baden Powell, Lenine e alguns integrantes do Buena Vista Social Club, entre outros menos cotados.
Em Amsterdam, minhas sugestões são uma visita a algum "smart shop" como a The Magic Mushroom Gallery (na Singel 524 ou na Spuistraat 249) ou a Conscious Dreams (Kerkstraat 117) - se não for consumir nada, vale pelo menos a visita antropológica, hehe.
meu coffeshop preferido é o Hill Street Blues (Warmoesstraat 52) - é um dos poucos q tb vende bebidas alcóolicas.
Ah! e se estiver acontecendo algum jogo, não deixe de ir ao Amsterdam Arena. uma vez eu vi um amistoso Ajax x Grêmio lá (1 a 1). é um estádio espetacular!
enfim, agora me bateu uma saudade...
tot ziens!

dra em novembro 12, 2007 9:13 AM


#5

Realmente, esse museu tem o maior bilau que já tive o desprazer de enxergar. E quando sentir falta do nosso idioma, vá jantar no restaurante portugues, na Zeedijk. Boa viagem!

marmota em novembro 12, 2007 9:36 AM


#6

Significou muito, Idelber. Chegava a sonhar com o time da Holanda jogando... Sério!

Milton Ribeiro em novembro 12, 2007 10:09 AM


#7

pois é, tina, como lembrará o Milton, um dos que não entenderam nada foi o Zagallo, que chegou a dizer que os holandeses não faziam gol de fora da área...

andré, e dra, dicas anotadas. valeu a lembrança do futebol. talvez no domingo dê para ver ;)

alex, você teria que visitar, e constatar a antiguidade e banalidade da podolatria;)

Julio, é o meu problema de integração aqui: pedalo mal, mas pelo menos não trombo com ciclistas na via deles, como certos turistas...

Idelber em novembro 12, 2007 2:27 PM


#8

Idelber, estive uma vez em Amsterdã há dez anos - pena que por apenas três dias, pois era compromisso profissional. Claro que deu tempo de conhecer alguma coisa da cidade, e senti exatamente o mesmo que você: uma cidade fervilhante sem ser neurotizante.

Talvez seja assim por causa de tudo o que você descreveu: além de bem administrada e planejada (e de fazer parte de um país bem menos desigual que alguns que nós conhecemos...), há espaços específicos para cada um exercitar suas taras, desejos e desvios de personalidade (todos nós os temos, não adianta negar), sem recriminações.

Depois de ler seu post, deu vontade de voltar para lá... Abraços. (LAP)

Pandini em novembro 12, 2007 2:33 PM


#9

Ah, esses monges trapistas e suas cervejas são mesmo qualquer coisa de onírica.
E concordo com você na simpatia com os holandeses e sua política de tolerância - ainda que, é claro, também tenham lá seus problemas e seus conservadorismos.
A única coisa realmente horrível na Holanda é a língua holandesa, que parece agregar todos os fonemas mais estranhos de todas as outras línguas.
Aproveite!

anna v. em novembro 12, 2007 2:53 PM


#10

anna, é a minha primeira imersão num idioma do qual não consigo nem reconhecer o fim de uma palavra e o começo da outra :-)

e ao contrário do alemão, a fonética é uma tortura. dá para passar um vexame só tentando pronunciar o nome de uma rua.

Pandini, eu imagino o que um especialista em automobilismo sentiu aqui, onde os carros são bicicletas motorizadas, passando por esquinas tão estreitas. Muita civilização mesmo.

Idelber em novembro 12, 2007 3:35 PM


#11

gostei de conhecer Amsterdam. tudo funcionando impecavelmente, até o motorista do onibus falava inglês e orientou a gente - fui de turma, logo depois da copa 98. e a cidade me deu a impressão de um grande respiro de liberdade. pena que não consegui encontrar nas lojas uma replica da camisa da Laranja mecanica - exemplares esgotados.
ah sim, claro, passei pela Red Lights... ;)

Serbão em novembro 12, 2007 3:37 PM


#12

... e um adendo - episódios como o assassinato do Theo Van Gogh me parecem esporádicos lá, não é?
as ruas me pareceram seguras.

Serbão em novembro 12, 2007 3:38 PM


#13

réplica da camisa de 74 não tem, Serbão. A não ser que exista em alguma loja especial, museu do futebol, sei lá. Nas lojas normais já passei, não tem.

Em compensação tem réplica de qualidade da camisa atual por 25 euros, coisa que em outros países é bem mais caro. Red lights eu ainda não fiz, vai ficar pro fim de semana ;)

Só um bate-perna e entrevistas básicas, claro, porque não é minha viagem ;)

Idelber em novembro 12, 2007 3:52 PM


#14

e, sim, acho que até segunda ordem o lance do Theo Van Gogh é acontecimento totalmente isolado.

Nem a opinião pública sobre a flexibilidade das leis de imigração isso mudou em grande coisa, parece.

Idelber em novembro 12, 2007 4:00 PM


#15

Tá, é oficial: neste minuto (e espero que não dure muito) sinto uma inveja terrível, Idelber. hahaha

Vou elaborá-la melhor. Prometo. Vai virar mais um pontinho na vontade de ir a Amsterdan.

Beba uma Westmalle por mim, digo, por seus leitores. hehe

Boa viagem. =)

Abraços.

Thiago em novembro 12, 2007 4:37 PM


#16

eu conheco bem o museu :), jah estive em amsterdam duas vezes e o visitei nas duas, na primeira com um grupo de adolescentes na epoca pre-internet, quando o museu era muito menos banal do que eh hoje... hj em dia, tudo o que tem lah se encontra na internet, mas mesmo assim eh muito legal... :)

alex castro em novembro 12, 2007 4:57 PM


#17

No te envidio para nada.
Quien puede querer estar en Amsterdam cuando puede estar en St. Louis? Estas maravillosas praderas lo tienen todo, hasta la "museizacion" del sexo no nos es ajena!
saluditos desde aca
paola

paola em novembro 12, 2007 5:30 PM


#18

bueno, en términos de museización del sexo yo sabía ya que uds. no se quedaban atrás :-)

beso cordobés-holandés, paola ;)

thiago, coloque na agenda, porque vale a pena. mais além de qualquer westmalle ;)

haha, alex, eu não sabia que você já tinha feito essa arqueologiazinha básica sobre suas fantasias ;)

Idelber em novembro 12, 2007 5:33 PM


#19

Idelber,
Se você gostar do Rembrandt, vale a pena não apenas ir ao Rijksmuseum como também ao Rembrandt Huis, a casa do Rembrandt que é um museu interessante. Em 2006, nas comemorações dos 400 anos de Rembrandt, eu vi uma exposição maravilhosa lá, mas havia quadros de outros museus também. Se não tiver tempo, o melhor mesmo é andar pela cidade, que é linda
Um abraço,
Marcos

Marcos Matamoros em novembro 12, 2007 6:44 PM


#20

Olha aqui, mineiro safado, clima de erotismo quem procura acha até em convento (aliás, aí é que acha mesmo). Estive nessa cidadezinha aprazível quando meus filhos eram pré-adolescentes, e não vi sacanagem nenhuma (minto, num dos passeios, o moleque me avisa: "olha lá pai", e era uma moça em trajes sumários numa vitrina; havíamos entrado na zona sem notar).
Os holandeses têm até uma palavra, cheia de consoantes daqual me esqueci para traduzir esse espírito relaxado deles (geherst, ghrezt, sei lá). Grande povo, se tivessem nos colonizado, no lugar dos portugueses, quem sabe o que seríamos hoje, quem sabe... talvez o Suriname.

Se voc~e estivesse com crianças e não como mineirinho erudito em terra de experiências antropológicas, eu lhe sugeriria alugar uma bicicleta, como recomenda o Julio aí em cima, e sair pela rota das flores (vai dizer que é um programa meio gay, é? Cadê aquele seu liebralismo todo aí do post?). E, quando cansar de ver p*taria, recomendo também a casa do Rembrandt, experiência ímpar. E, claro, chovo no molhado: o museu Van Gogh, para não falar dos grandões aí.
Divirta-se e não engasgue com a cerveja, como minha inveja gostaria, Idelber!!!

S Leo em novembro 13, 2007 2:30 PM


#21

Oi, Marcos, o Rembrandt (e o Van Gogh) estão na lista para o fim de semana, quando volto a Amsterdã (já estou em Nijmegen).

Sergio, aprendi essa palavrinha, cheia dos sentidos especiais: é gezellig.

E veja que o Paulo Leminski, num grande livro, chegou a imaginar o que teria acontecido se os holandeses tivessem colonizado o Brasil...

Idelber em novembro 13, 2007 6:29 PM


#22

Gezellig, é isso! É a baianidade holandesa, parece. Esse do Leminski não conheço, mestre Idelber, vou pergutnar detalhes ao tio Google. E insista na bicicleta! É algo inimaginável por aqui, andar tranquilo de bicicleta pela estrada...

S Leo em novembro 14, 2007 3:55 PM


#23

Sergio, o texto em questão é Catatau, romance de 1975 em que Leminski imagina que René Descartes veio ao Brasil com os holandeses que invadiram o Nordeste no século XVII. Descartes teria provado uma certa "erva" e carnavalizado geral. É um absurdo de brilhante, esse romance.

Idelber em novembro 16, 2007 1:08 AM


#24

uma vez fizeram ao Evaldo Cabral de Mello essa pergunta sobre como seria ao Brasil se os holandeses nos tivessem colonizado.
ele, primeiro, disse q esse negócio de imaginar "como seria" a história se não tivesse sido do jeito q foi não era coisa séria, era mero exercício de imaginação, sem base empírica nenhuma e coisa e tal.
mas aí deu sua opinião: em primeiro lugar, provavelmente não haveria "Brasil", mas um nordeste holandês e um sul-sudeste português. em segundo lugar, esse nordeste holandês provavelmente seria como uma África do Sul, invadida pelos ingleses no século XIX e com políticas de apartheid no século XX...
o argumento dele é interessante, pq lembra q as misérias q as companhias colonizadoras holandesas espalharam pelo mundo, no sul da África e na Indonésia...
a gente gosta de imaginar a Holanda pelo filtro cor-de-rosa alaranjado da liberdade q vemos hj em dia, mas no mundo colonial a coisa era bem mais sombria...
abs,

dra em novembro 16, 2007 3:33 PM


#25

Oi Idelber! Que surpresa ver um post a respeito do país onde moro na primeira vez que visito seu blog! Muito interessante. Queria apenas comentar uma coisinha à toa, talvez nem relevante, mas enfim.... tudo bem que a maconha na Holanda é legalizada para consumo. Só que o comerciante Holandês, dono de Coffee Shop, não pode possui via legal de comprar a maconha pra vender. A única via de entrada da maconha é por tráfico mesmo. Ela é legal para o consumidor final, mas a entrada da droga no país e a compra em grande quantidade é ilegal e passível de penalidade. Plantá-la em casa também é ilegal.

A respeito da prostituição, acabou de sair uma pesquisa do CBE (nosso IBGE) que diz que mais da metade das prostitutas em Asmterdã trabalham em regime de semi-escravidão; geralmente são do Leste Europeu e caem no conto do dito-cujo: se lhes oferecem trabalho de garçonete, mas quando chegam aqui têm seus passaportes confiscados e são forçadas a se prostituir. O governo Holandês diz que vai fazer alguma coisa a respeito... mas nada foi feito até agora.

E pra terminar de acabar com o mito da tolerância, a Holanda é internacionalmente conhecida como o país com as mais severas leis de imigração no mundo. Além disso, descendentes de turcos e marroquinos (cujos pais foram chamados para vir morar aqui nos anos 70 para trabalhar como garis, faxineiras, etc) sofrem de grandíssima dificuldade de acesso ao ensino superior e, evidentemente, ao mercado de trabalho. Sem contar em toda a história de repulsa ao islã, e tal e coisa.

E quanto à simpatia, bem... eu partilho outra opinião :). Mas aí já é mesmo questão de gosto. Perdoe o comentário longo, não pude evitar. Muitos abraços e prazer em lê-lo.

Lid em dezembro 6, 2007 9:58 AM