Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email:
idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro







selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« Rodrigo Maia e a tentativa de reciclagem do PFL :: Pag. Principal :: Delete essa delivery, ou, yéndose por las ramas con Aldo Rebelo, perdido no chemin des écoliers: Notas sobre a Weltanschauung albanesa »

quinta-feira, 13 de dezembro 2007

A OTAN e suas atividades terroristas

hoita.jpg Há dois anos, o respeitado historiador suiço Daniele Ganser publicou um livro assombroso. Produto de anos de pesquisa, NATO's Secret Armies: Operation Gladio and Terrorism in Western Europe documenta quase 50 anos de envolvimento da OTAN, em coordenação com a CIA, o Pentágono, o serviço secreto britânico MI6, o serviço secreto israelense Mossad e as polícias secretas de uma série de estados europeus na manutenção de exércitos clandestinos e terroristas em toda a Europa Ocidental. Caracterizada em 1990 pelo jornal britânico The Times como “coisa que parece saída de romance policial”, a operação Gladio (“espada”, em italiano) incluiu assassinatos seletivos, tortura, intimidações e uma série de atentados de terroristas cometidos com o objetivo explícito de incriminar forças políticas de esquerda na Europa. A documentação apresentada por Ganser é impressionante.

Ganser demonstra que a OTAN comandou uma rede clandestina que operava em 18 países: EUA, Reino Unido, Itália, França, Espanha, Portugal, Bélgica, Holanda, Luxemburgo, Dinamarca, Noruega, Alemanha, Grécia, Turquia, Suécia, Finlândia, Suiça e Áustria. Na Alemanha, ela recrutou ex-oficiais da SS. No capítulo dedicado à Itália, Ganser recopila a documentação que prova que o atentado de Peteano, que sacudiu o país em 1972 e foi atribuído à esquerda, na verdade havia sido cometido por um militante de um grupo de extrema-direita. Até aí nada novo, pão com manteiga. No entanto, o que a pesquisa de Ganser demonstra é que esse grupo (Ordine Nuovo) atuava em estreita colaboração com os exércitos clandestinos mantidos pela Organização do Tratato do Atlântico Norte. Ganser também mostra a cumplicidade da OTAN com os atentados de 1954 no Egito, inicialmente atribuídos aos muçulmanos, mas de responsabilidade direta de agentes do Mossad, naquele que ficou conhecido como o caso Lavon.

Não foram poucas as vítimas dessa gigantesca operação terrorista comandada a partir das altas esferas da OTAN (leia-se: CIA, Pentágono, MI6). Só na Itália, foram, no mínimo, 491 mortos entre 1969 e 1980, boa parte deles vítimas de assassinatos ou ataques realizados com o objetivo de incriminar o poderoso Partido Comunista Italiano. Essas brigadas clandestinas também tiveram papel central no apoio a golpes de estado de direita na Grécia e na Turquia, na eliminação de adversários políticos na Espanha e Portugal e no assassinato de Eduardo Mondlane, líder independentista moçambicano. Mesmo a operação já sendo de conhecimento público há anos, somente na Itália, na Bélgica e na Suíça houve investigação formal sobre sua história.

O blog recomenda enfaticamente a leitura de uma entrevista com Daniele Ganser e a visita à sua página pessoal. Agradece ao amigo espanhol Jon Kepa pela dica e deixa uma singela pergunta: em meio às incontáveis resenhas de livros advindos dos Think Tanks conservadores norte-americanos, alguém viu uma única menção a esta obra na nossa imprensa?

PS: Excelente blog acadêmico, vale a visita: Que cazzo.



  Escrito por Idelber às 05:33 | link para este post | Comentários (14)


Comentários

#1

Idelber!
O assustador de tudo isso é que, como o próprio Daniele deixa no ar, estas estruturas não foram desmontadas, estão aí e certamente usando esta estratégia de tensão, dentro de novos conceitos.
Como sempre, ótimo post!
Abraço.

paulovilmar em dezembro 13, 2007 7:34 AM


#2

Pois é, a continuação dessas estruturas é outro mistério, paulo. Perguntado sobre o tema, o Ganser, historiador cuidadoso que é, disse que se recusava a afirmar qualquer coisa, porque sobre o período atual ele não havia pesquisado.

Mas nada garante que elas não estejam intactas por aí.

Idelber em dezembro 13, 2007 7:50 AM


#3

Não tenho dúvidas que as estruturas de apoio estão aí. De um lado e de outro. A Guerra Fria só era Fria no nome.

Pablo Vilarnovo em dezembro 13, 2007 7:54 AM


#4

Sempre que posso venho aqui no seu blog para ser surpreendido. Gosto muito! Por isso resolvi compartilhar com você minhas idéias. Mas elas não estão escritas, estão cantadas... Dá uma ouvidinha nas minhas músicas e me diz o que acha? Acredito que vc irá se identificar com minhas letras.
Estão em www.thiagocorrea.com
Obrigado pela atenção,
Thiago Corrêa

Thiago Corrêa em dezembro 13, 2007 8:17 AM


#5

Em relação a morte de Eduardo Mondlane, figura praticamente desconhecida dos brasileiros, há algum tempo é pacífico entre pesquisadores, que sua morte foi urdida com apoio de fora de sua organização (que segundo os mesmos estudiosos, era extremamente frágil na época). Mas também é provável que entre seus colaboradores íntimos houvesse agentes (talvez até na sua maioria), com conexões externas ao seu movimento. Nunca li informação que a PRÓPRIA OTAN (ou NATO, como está na capa do livro) estivesse envolvida, outras organizações são eventualmente citadas por algumas fontes. Alguns fatos ocorridos após a independência de Moçambique indicam que um POSSÍVEL acerto de contas em relação a indivíduos (e/ou grupos) teria ocorrido, em virtude DESTE ATENTADO contra a vida de Mondlane. Registre-se que o líder moçambicano teve educação formal na chamada missão suíça e graduou-se nos EUA, onde angariou bastante apoio. O fato é que se uma organização ligada a governos ocidentais eliminou Mondlane, foi a partir daí que a FRELIMO começou a se estruturar melhor.
O curioso de uma acusação contra a OTAN no caso das guerras de libertação em territórios ocupados por Portugal (no caso de Monlane em Moçambique) é que logo no início do conflito em Angola (e também em Bissau), fontes da OTAN (e do governo dos EUA) NO AUGE DA GUERRA FRIA CRITICARAM Portugal por utilizar, nos embates coloniais, armas que eram teoricamente “de uso exclusivo da OTAN”.

P.S. – Se antigas estruturas ainda estão de pé não sei. Mas a morte, em 2002 (mais de trinta anos após a morte de Mondlane), do líder angolano Jonas Savimbi está incluída no rol de eventos misteriosos. Há quem diga que o seu desaparecimento (ou neutralização) interessava a mais grupos/pessoas do que apenas ao governo de Luanda. Ficam as dúvidas.

Paulo em dezembro 13, 2007 8:57 AM


#6

nao sei como eu vim parar aqui no teu blog, soh sei que tudo começou pelo blog do azenha e dai em diante soh fui encontrando blogs de qualidade... as vezes me sinto como neo, que tomou a pilula vermelha e um novo mundo se abriu!!!
como nao estou no brasil, sempre leio o site do uol e da folha, mas procuro noticias por blogs e outras agencias. foi assim que acabei descobrindo uma rede maravilhosa de blogs, como o teu. uma pena que a inclusao digital nao chegou ao brasil, pois seria bem melhor se todos os brasileiros pudessem ter acesso a noticias por outros meios que nao somente o jornal nacional ou pelo menos poder contrabalançar as opinioes da grande midia corporativia com informaçoes coletadas diretamente da rede.
"de toute façon" teu blog eh excelente!!! continue trazendo a nos internautas informaçoes interessantes!

beijo

ps: jah entrei no site do ganser e baixei todos os pdf's pra ler com mais calma.

fabiana em dezembro 13, 2007 9:06 AM


#7

Será que aquelas "prisões secretas" da CIA na Europa, utilizadas para guardar e "amaciar" suspeitos de terrorismo, não seriam uma continuação desse esquema? Faria todo sentido.

Luiz em dezembro 13, 2007 9:40 AM


#8

Caro Paulo, já está estabelecido como fato, há algum tempo, que a bomba que matou Mondlane em 23 de fevereiro de 1969 foi plantada pela seção portuguesa da Gladio. Até aí é fato histórico, que ninguém disputa.

Fabiana, que bacana receber mensagens como a sua. A casa agradece, volte sempre :-)

Pois é, Luiz, linha de continuidade direta com Guantánamo também.

Idelber em dezembro 13, 2007 3:55 PM


#9

Muito interessante esse livro. Não conhecia.

Off Topic: Você viu que o projetinho do Aldo passou na CCJ?

Abraço

Guto em dezembro 13, 2007 4:12 PM


#10

Não a-cre-di-to, Guto. Puta merda. Eu odeio esse projeto. Vamos ter que voltar a fazer barulho sobre esse tema por aqui. Valeu o link :-)

Idelber em dezembro 13, 2007 4:36 PM


#11

Hola Idelber.

Te agradezco los comentarios que haces a propósito de mi, así como la referencia que das de mi escrito que ha servido para que lo visiten y enlacen desde otros lugares.

Como casi todos los que aquí escriben lo hacen en portugués, he colgado en el mismo escrito la versión en portugués así como en inglés y en ruso.

Así espero que sea más fácil de entender para quienes desde Brasil me visitan y a uno que lo hace desde Suecia, a los muchos que lo hacen desde USA y a unos cuantos que también lo hacen desde Rusia.

Un saludo.

Jon Kepa em dezembro 14, 2007 8:50 AM


#12

Riocentro, anyone?

Gabriel Ramalho em dezembro 14, 2007 10:11 AM


#13

Jon, tu gesto de traducir ese largo texto al portugués para facilitar la comprensión de los lectores brasileños, es de una generosidad indescriptible. Gracias.

Idelber em dezembro 15, 2007 5:01 AM


#14

He colgado otro escrito que tiene alguna que otra relación con éste, lo podeis ver en :http://jonkepa.wordpress.com/2007/12/17/la-secta-moon-una-secta-bien-particular/
Saludos.

Jon Kepa em dezembro 17, 2007 3:55 PM