Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email:
idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro







selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« Denúncias de fraudes nas primárias de New Hampshire :: Pag. Principal :: A última do judiciário, parte 328 »

segunda-feira, 14 de janeiro 2008

Clube de Leituras: Ariano Suassuna

282595.jpg O Clube de Leituras tem sido uma ocasião para que eu mesmo revisite certos preconceitos. Foi assim com Jorge Amado, autor pelo qual eu nunca havia nutrido muita simpatia e que passei a reler com outros olhos. Aproveitando o fato de que estou dando um seminário de pós-graduação sobre sagas brasileiras, decidi mergulhar agora na obra do paraibano Ariano Suassuna, dramaturgo e ficcionista de quem sempre tive incrível birra, movida pelo meu rechaço à sua concepção purista da cultura brasileira e especialmente por um dos erros aos que essa concepção o levou – a militância contra Chico Science e o Mangue Beat.

Mas a leitura dos primeiros capítulos do Romance d' a pedra do reino e o príncipe do sangue do vai-e-volta já estão reiterando para mim, mais uma vez, aquela velha lição. A literatura tem razões que a ideologia desconhece. Lançada em 1971, esta saga-epopéia ocupa um lugar curioso na literatura brasileira. Acumulou uma certa aura de prestígio e erudição e é vista com reverência em várias comarcas. Continua, no entanto, pouco estudada. Um hipotético historiador ou crítico muito provavelmente não pensaria na obra de Suassuna ao ser perguntado sobre a ficção brasileira do período. Mesmo um estudo panorâmico como Literatura e vida literária, de Flora Süssekind, que passeia por mais de quarenta obras publicadas durante a ditadura, sequer menciona o romanção de Suassuna.

Pois bem, ao longo das próximas quatro semanas eu e meus alunos vamos encarar o calhamaço. Deixo aqui o convite para que você também leia a obra e se junte a nós na discussão. O prazo é razoável: o papo sobre o livro está marcado para segunda-feira, dia 18 de fevereiro, aqui no blog.

Alguém aí se habilita? Ou seremos só eu e meus alunos mesmo? Quem vai encarar?


PS: Meu amigo Leandro Oliveira escreveu um post argumentando que o cenário da discussão literária visto em 2007 na internet difere muito pouco dos outros anos: agressividade e falta de educação nas caixas de comentários, pessoas tentando provar que leram e sabem mais que qualquer outro e nenhuma questão relevante sendo abordada (grifos meus). Deixo nossas discussões sobre Borges (1, 2, 3), Jorge Amado (1,2), Martín Kohan (1,2) e Guimarães Rosa (1,2,3) como subsídios para uma futura revisão, oxalá mais matizada, dessa percepção.

PS 2: Já que de discordar de amigos se trata: meu querido Sergio Leo anda entusiasmado com a Wikipedia enquanto eu preparo, ainda para esta semana, um post intitulado “Por que eu não recomendo a Wikipedia de jeito nenhum”.

PS 3: Se você entende inglês, não deixe de ler a matéria notável feita pelo New York Times sobre os assassinatos cometidos pelos veteranos que voltam do Iraque.

PS 4: O post já está lá embaixo, mas continua o papo sobre o livro de Risério e a questão racial no Brasil (com participações muito especiais de minhas amigas Helê e Monix).



  Escrito por Idelber às 04:40 | link para este post | Comentários (37)


Comentários

#1

Caro Idelber,
O confrontamento literatura/ideologia é verdadeiramente um áporo. Procuro seguir sua premissa de evitar os preconceitos ( não ler Ezra Pound por questões ideológicas seria uma estultície), mas é osso duro, às vezes, principalmente se o autor ainda está vivo para exarar seus fundamentalismos.
Saudações alvinegras!

Mariano em janeiro 14, 2008 7:26 AM


#2

Conte comigo. Pelos mesmos motivos o deixei de lado, por um bom tempo. Pelos mesmos caminhos, talvez, eu o li. Aprendi, creio, dar valor ao que tem valor. Independentemente de opiniões políticas ou outras.
Vamos em frente, grande escolha. É um grande escritor.Abraços.

Djabal em janeiro 14, 2008 7:42 AM


#3

Pois eu tb alimentava uma arenga profunda com Ariano, pelos mesmos motivos que vc citou, mas fui "convertida" após conhecer a belíssima tese de doutoramento de Maria Thereza Didier "Miragens Peregrinas de Brasil no sertão encantado de Ariano Suassuna", defendida na USP sob a orientação de Willi Bolle. Recomendo a leitura, é impossível não se encantar com aquele estudo. Nem Ariano acreditou no que leu e, como ele mesmo disse, acabou se convencendo que seu trabalho "tem lá suas qualidades" (rs). Acompanharei com atenção o debate. Abs

Conceição em janeiro 14, 2008 8:11 AM


#4

Por falar em discordâncias, Idelber, já eu sempre adorei o Suassuna, exatamente pela maneira espetacular, colorida e sincera com que sdempre defendeu seu purismo; respeito muito os radicalismos que não envolvem repressão ou derramamento de sangue... Comecei há meses a beliscar o Pedra do Reino e confesso que tive enorme dificuldade com o texto gongórico; aguarda, armorial, na cabeceira da mesa; quem sabe desta vez. Ah, e o Suassuna, dizem, chorava aos baldes carregando o caixão do Science, não sei se isso é verdade.
.
Debater a Wikipedia é covardia. Eu a considero uma excelente fonte de referências para dicas de pesquisa; jamais como base segura de conhecimento. Quem sabe, concordamos mais que discordamos nesse ponto; espero curioso seu post, caro mestre.(-;

S Leo em janeiro 14, 2008 9:00 AM


#5

Ola Idelber, tudo bem? Fiquei muito tentada a participar desse mergulho nA Pedra do Reino, porque gosto muito desse romance. É uma viagem ao mais fundo do Brasil sertanejo de mil novecentos e poucos, numa prosa meio caótica, meio Rabelais, meio Cervantes, meio Dante na Divina Comédia... Sensacional.
Acho que pouca gente o conhece e discute, porque o livro ficou fora de catálogo por 30 anos, sairam tres edições em 71, que esgotaram-se rapidamente e depois disso uma outra edição com desenhos do autor, tambem esgotada - só agora as aventuras de Dom Pedro Diniz Quaderna podem ser encontradas nas livrarias.
Trinta anos é muito, uma geração inteira de leitores sem saber da sua existencia...
Além disso é um livrão mesmo, quase 600 páginas, só se propõe a ler quem gosta de desbravar “mares nunca dantes navegados”...

Tenho uma primeira edição autografada por Ariano, que foi meu vizinho e com quem cheguei a conviver - acredite que foi uma experiencia das mais interessantes.
Beijo, parabens pelos seus Clubes de Leitura.

PS - Ariano ficou muito mexido mesmo com a morte do Chico Science. A "briga" era muito mais criada pela imprensa do que de verdade. Os dois se gostavam, pode crer...

BethS em janeiro 14, 2008 10:18 AM


#6

Mestre Idelber, minha humilde contribuição sobre o mestre-mór Rosa:
http://www.alfarrabio.org/index.php?itemid=2712
Abraçãos =^)

Bicarato em janeiro 14, 2008 10:21 AM


#7

Caro Mariano, é isso -- acredito que nossas birras ideológicas tendem a se exacerbar com os autores vivos. Por isso também achei boa idéia reler Suassuna já. Dedicar-lhe em vida a atenção que merece.

Djabal, vamo' que vamo' então, conto contigo.

Conceição, muito obrigado pela dica, já gostei da tese de cara, pelo título. Vou procurá-la, quem sabe a autora não dá uma canja na discussão?

Sergio, agora é a hora então. As primeiras 100 páginas (como as primeiras, sei lá, 50 do Grande Sertão) são bem áridas, sim. Mas é um mundo de riqueza fascinante. Vamos lá, sem preguiça, meu caro. Quanto ao chororô de Suassuna segurando a alça do caixão de Science: acho que fui eu quem lhe contou essa história, não? Mas você está perdoado, estávamos na terceira cerveja ;)

Beth, puxa! Você vai nos ajudar muito, então. Contamos com você. Eu imagino como deve ter sido rico ser vizinha daquele poço de erudição. Além do mais, parece ser um homem muito performático, que encanta ao falar. (Quanto a Science: acho que a imprensa é capaz de superdimensionar fatos, sim, mas por fidelidade à verdade, diga-se: Suassuna escreveu e disse, sim, algumas coisas bem duras; o que não quer dizer, claro, que no fundo ele não admirasse e quisesse bem ao genial moleque do mangue). Contamos com você, Beth.

Salve, Bica! Obrigado. Como você lembra bem no texto, dia 27 de junho vem aí. São 100 anos de Rosa. Seria importante fazer uma festa bonita, vai dizer?

Abraços,

Idelber em janeiro 14, 2008 1:33 PM


#8

Tinha mais medo de nao entender nada de Guimaraes Rosa do que tenho agora de Ariano entao da pra encarar. Nao entender no sentido de nao ter nada haver comigo hoje, de ser uma leitura focada num outro Brasil longe do Rio de Janeiro, Zona Sul, Classe Media. Grande Sertoes me deu uma rasteira. Entao estou pronta pra levar outra com a Pedra do Reino.

carmen lopez em janeiro 14, 2008 1:48 PM


#9

Oi,carmen, contamos contigo para levarmos uns "tombos" juntos, então (apaguei as duplicações, tá?).

Idelber em janeiro 14, 2008 2:07 PM


#10

tô caçando o e-mail dela pra fazer essa sugestão. depois que sai do recife quase não nos vimos...mesmo assim tentarei. ah! é verdade a história de Ariano chorando no enterro do Science. Na época eu morava lá e vi tudo pessoalmente. Serviu pra reforçar o meu apreço pelo mestre e a idéia de que o respeito a diferença é fundamental. bjs

Conceição em janeiro 14, 2008 4:02 PM


#11

Ah, vai ser complicado, Idelber. Ainda mais se é um calhamaço. Vou pensar se devo mesmo me esforçar a fim de rever meus conceitos a respeito do homem das aulas-show. Se estivesse com menos trabalho...

Mas vamos ver, de repente leio!

Abraço.

Milton Ribeiro em janeiro 14, 2008 4:21 PM


#12

Ah, o Leandro Oliveira deveria participar!

Milton Ribeiro em janeiro 14, 2008 4:23 PM


#13

"A pedra do reino" tem todo reconhecido brilhantismo de Suassuna, mas sofre de um defeito fundamental. Não tem um movimento crescente, já começa lá em cima e não dá uma chance ao leitor de respirar entre as cascatas gongóricas do estilo armorial. O autor procurou um tom épico, longe do envolvimento psicológico e emocional do romance burguês, e encontrou. Mas o resultado decepciona pois é como uma soprano que começasse pela nota mais alta e, não podendo mais subir, ficasse condenada a se repetir durante todo tempo. Nesse ponto, a adaptação da televisão foi muito fiel: um caos barroco com overdose de informações. Mesmo assim é um livro que merece ser lido, vale mais do que 90% do que vemos por aí.

João Carlos Rodrigues em janeiro 14, 2008 4:27 PM


#14

Maravilha, vou participar com certeza! Comprei o livro em novembro passado e ainda não começei a ler, mas vou providenciar isso. Boa escolha, Idelber.

Mudando de assunto: se possível, dá uma olhada num post que escrevi chamado 'Os curiosos partidos dos EUA' -- alguém que atualmente vive nessas bandas deve ter histórias pra contar...

abraços!

João Barreto em janeiro 14, 2008 4:38 PM


#15

Oi, Conceição, obrigado, já estou no rastro da tese. Adoraria ter o email da autora, se você encontrá-lo aí. Ah, e se você presenciou o enterro de Science, depois queremos testemunho!

Milton, se der para encarar, será ótimo. Você é sempre um leitor daqueles especiais. E o Leandro já participou, sim (e brilhantemente), dos debates aqui no Clube.

Muito interessante sua perspectiva, João Carlos. O andamento, o ritmo, é sempre um desafio numa obra assim. Apareça por aí no dia do debate.

Perfeito, João, aguardamos sua presença então. Vou lá ler seu post.

Idelber em janeiro 14, 2008 6:09 PM


#16

Idelber, não vai muito longe: é só lembrar do Monteiro Lobato - um gênio, e que não escrevia só para o público infantil - e sua repulsa ao pessoal da Semana de 22.
E tem esse vídeo imperdível do Ariano Suassuna aqui: http://www.youtube.com/watch?v=rlC6oTcSUa4

Serbão em janeiro 14, 2008 6:33 PM


#17

ah, o vídeo do Suassuna encontrei no http://www.jacarebanguela.com.br/jb/

Serbão em janeiro 14, 2008 6:34 PM


#18

hahahahahahaha!!!!!!

Esse vídeo é a coisa mais hilária que já apareceu aqui no Biscoito.

pUnk e fUnk é o máximo.

Grande Serbão, valeu.

Quem não viu, veja. Sigam o link aí do Serbão.

Idelber em janeiro 14, 2008 6:41 PM


Idelber em janeiro 14, 2008 6:43 PM


#20

consegui um email dela. se der tudo certo te coloco em contato com ela, ok! testemunho...fui aluna do véio Ariano, com ele aprendi a estudar o humor e me tornei uma contadora de causos, testemunhar eu não sei se saberei fazer...veremos...inté!

Conceição em janeiro 14, 2008 8:06 PM


#21

Idelber,
só você para me fazer ver o Jô. O Ariano é ótimo artista mesmo e sabe usar o palco, né?
Se eu achar um exemplar da Pedra por aqui, escrito com as pétalas da última flor do Lácio eu participo do clube matraqueando se não, só "ouvindo" tudo!

Márcia W. em janeiro 15, 2008 11:29 AM


#22

Idelber, consegui falar com Teca. manda um email que te repasso o contato, ok! abs

conceição em janeiro 15, 2008 12:49 PM


#23

Quando vi o tijolaço, ainda na livraria, quase desisti, mas voltar ao Clube de Leituras era uma das minhas resoluções de ano novo, por isso resisti. Comecei a ler e estou gostando muito. Só me arrependo de ter lido a introdução da Rachel de Queiroz, porque acabei ficando muito influenciada. A mulher foi no ponto, e eu preferia ter achado o caminho sozinha!

Saudações alvi-negras!

Alessandra Alves em janeiro 15, 2008 2:26 PM


#24

Que bom que estás conosco nesta, Alessandra; saudações alvi-negras.

Achando o livro aí, apareça, Márcia :-)

Idelber em janeiro 15, 2008 2:37 PM


João Barreto em janeiro 15, 2008 9:46 PM


#26

Oi Idelber!
Primeiro parabéns pela iniciativa, serei freqüentador assíduo a partir de agora.
Sobre o livro; comecei a ler faz algum tempo e vou retomar com o objetivo de debater de forma mais embasada no dia 18. Não queria opinar agora pra não jogar areia na leitura de ninguém mas devo afirmar que só parei pq na metade do calhamaço eu já não tinha mais fôlego nem tão pouco memória pra remontar os capítulos passados.

Grande abraço!

PH

Pedro H. em janeiro 15, 2008 10:54 PM


#27

Eu já falei que tô nessa, Idelber!
O começo do Pedra foi "pedregoso, espinhento" e difícil de transpor, feito o cenário em que a epopéia (ou romance) se desenvolve: muita informação despejada de uma só vez em cima da gente, com toda aquela genealogia e epítetos (O Alumioso, o Execrável, Dom Isso, Dom Aquilo) e relatos caóticos de acontecimentos. Precisei ler e reler, fazendo um resumo e uma lista de personagens. (Fico abismada com a coragem que certos escritores têm de começar um livro dessa maneira difícil e entalada, correndo o risco de desencorajar a leitura logo de saída! Mas suponho que isso seja um sinal de genialidade...). O sacrifício valeu a pena. Deparei-me com um livro delicioso, exuberante, colorido e - o melhor de tudo - extremamente engraçado! A escrita, principalmente as falas dos personagens, é cadenciada e matreira, mesmo quando "pomposa". Tem tudo a ver com folheto de cordel, obviamente. Aliás, os folhetos são minha parte preferida. Mas a visão de mundo desse livro me incomoda: uma visão patriarcal, violenta, prepotente. E não é uma visão de mundo só dos personagens. É a visão de mundo da obra - pelo menos é o que eu achei até agora (passei um pouco da metade). Vamos ver no que vai dar o resto. Abraço. Regina Rheda.

Regina Rheda em janeiro 15, 2008 10:59 PM


#28

Maravilha, Pedro e Regina. Estamos combinados, então. E fica aí o aviso: o começo é árido mesmo. Depois vai amaciando :-)

Idelber em janeiro 15, 2008 11:09 PM


#29

Ja' que se trata de um semina'rio acade'mico:
algue'm foi buscar a tese da professora candace slater (_stories on a string_) sobre o romance?
esta' fazendo 30 anos. (stanford univ.)

quando estive em recife em 1979 os jovens nao recomendavam para falar com o sr. ariano suassuna...

anjo torto

cap em janeiro 15, 2008 11:23 PM


#30

Tenho, sim, a tese da Candace, Anjo. Estamos agora conseguindo uma tese feita em São Paulo, que tem ótima pinta. Apareça aí com sua sabedoria no debate, Anjo.

Idelber em janeiro 15, 2008 11:36 PM


#31

Olá Idelber, tudo bem? Bom, somente agora pude comentar sobre o post. Certamente o modo como expressei minha frustração com o cenário vigente além de necessitar de mais matizes, comente grande injustiça não somente com os bons sites que fomentam discussões relevantes, mas também os leitores inteligentes que os encontram. Peço desculpas, um momento ruim, fruto de um e-mail grosseiro, amigos sendo tachados de estúpidos pelo fato de apenas discordar de um ponto de vista e tantos comentários de pessoas que, apesar de bastante instruídas, revelam a necessidade de aprender elementares boas maneiras. Uma pena para aqueles que buscam o contato com outros para descobrirem novos pontos de vista.

Infelizmente tem me faltado tempo por uma série de boas mudanças pessoais e agradeço sua gentileza ao classificar como "brilhantemente" minhas participações. Espero poder não somente acompanhar, mas também comentar o grande livro do Suassuna desta vez. Um grande abraço.

Leandro Oliveira em janeiro 16, 2008 9:17 PM


#32

Caro Leandro, nem faziam falta as desculpas: foi só mesmo uma "provocação" bem humorada, dessas que só nos permitimos com os amigos. Sei que você esteve em comarcas onde a discussão andou descambando, e para uma pessoa sempre gentil e ponderada como você deve ser frustrante mesmo.

Acho que na discussão de obras escritas por autores vivos, que muitas vezes estão acompanhando o próprio debate, é normal que às vezes a conversa fique um pouco volátil.

Contamos com suas observações sempre lúcidas no papo sobre Suassuna. Sei que deve estar ocupadíssimo mas, caso se anime, é sempre um prazer contar com você. Um abraço fraterno,

Idelber em janeiro 16, 2008 9:58 PM


#33

É uma bela obra a se visitar. Ariano Suassuna tem um estilo próprio, pelo seu comportamento extremamente crítico, até me admirei ao ler em sua biografia que sua obra já tinha sido base para artigos no exterior, mas a qualidade de sua obra é algo que intriga, a simplicidade com que ele narra os acontecimentos parece, muitas vezes, ir de encontro à maestria de sua obra (ou quem sabe seja justamente isso que a justifique).

Delirose em janeiro 23, 2008 12:27 PM


#34

Adorei o Blog vocês tem algo sobre a graphic novel WATCHMEN, seria interessante ver um artigo seu sobre esta obra!

Alberto em janeiro 29, 2008 12:12 AM


#35

...Oi Idelber, tava passando e procurando outra coisa, bati nesse post sobre Ariano, e mais uma vez... ele é uma pessoa próxima da minha família, minha prima Adriana trabalha com ele há anos, ela e Ricardo (seu marido) tem uma ligação muito forte com Ariano e, como não podia deixar de ser, com seu universo. Ricardo é artista gráfico e faz muita coisa de "inspiração armorial". Ele é uma pessoa interessantissima (e com um sotaque igual ao da minha avó paraibana). Assisti a uma aula-espetáculo, uma aventura fascinante.
Quanto à tese citada por Conceição, sua autora (Maria Thereza Didier) é alguém com quem convivi muito na infância, nesse mundo de primos de primos de primos que só acontece no nordeste (ou talvez no interior de Minas...). Fiquei feliz ao saber da tese. Vou procurar.

Renata L em janeiro 4, 2009 4:26 PM


#36

Sou eu a tal prima... Repassarei os comentários a Ariano. Ele vai adorar ler todos, todos. Pra quem ficou curioso: ele e Chico eram amigos. Ariano, acompanhado por Antônio Nóbrega, foi a um show de Chico, aqui no Recife. "Devia a visita a ele", diria depois. Coerente, como tudo o que ele faz, eu penso. Mesmo para os que discordam, mesmo para os que o amam. Coerente e leal.
Adriana
* Vou perguntar a Têca (Maria Thereza Didier) se posso liberar o e-mail dela. Ela está prestes a parir, João chegará a qualquer instante.

Adriana em janeiro 4, 2009 6:34 PM


#37

por favor me der literatura de cordel das peças o rmnce da pedra do reino;a caseira ea catarina;ea conchambrança de quaderna. as peças sao se ariano suassuna eu gosto muito das peça dele porfavor alquem me ajude a fazer essas literaturas de cordel? eu agradeço quem me ajudar.

mirelle em junho 11, 2009 2:59 PM