Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email:
idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro







selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« A violência, entre a biologia e a sociologia :: Pag. Principal :: Por que Obama goleou na Carolina do Sul »

sábado, 26 de janeiro 2008

Galo aos sábados: A mística da massa

este texto é antigo e conhecido de muitos. Circulou pela internet como spam e com falsas atribuições de autoria. Publico-o aqui no blog pela primeira vez, como homenagem à torcida do Galo no ano do centenário.

Torcidas, as haverá mais numerosas, mas nenhum séquito futebolístico brasileiro se compara ao do Clube Atlético Mineiro em mística apaixonada, em anedótario heróico, em poesia acumulada ao longo dos anos. "A Massa", como é simplesmente conhecida em Minas Gerais, compartilha com a torcida corinthiana ("A Fiel") a honra de deixar-se conhecer com um substantivo ou adjetivo comum transformado em nome próprio, inconfundível. A Fiel, A Massa: poucas outras torcidas terão realizado tal operação de mutação de um nome comum em nome próprio.

Muito distintas são, no entanto, as torcidas dos alvi-negros paulistano e belo-horizontino. Quem já vestiu a camisa do time do Parque de São Jorge sabe que a Fiel é fiel em sua paixão, não em seu apoio. Na derrota, a Fiel é implacável; não desaparece, como a torcida do Cruzeiro. Está sempre lá. Mas é capaz de crucificar com um pequeno manifestar-se de sua raiva. Na vitória, cobra cada vez mais, e reinstala aí sua insatisfação, cuja raiz quiçá esteja no mal-resolvido trauma dos 23 anos sem título, e do grande pesadelo de duas décadas chamado Pelé. A Fiel é fiel, e sempre o foi, mas sua fidelidade se nutre de um descompasso entre a alma do torcedor e a alma do time.

No caso do atleticano, a alma do time não é senão a alma da torcida. Toda a mística da camisa, das vitórias sobre times tecnicamente superiores (e também das derrotas trágicas e traumáticas), emana da épica, das legendárias histórias que nutre sua apaixonada torcida: nem o Urubu, nem o Porco, nem o Peixe, nem a Raposa, nem o Leão, nem nenhum animal mascote se confunde com o nome do time, com sua identidade, com sua alma mesma, como o Galo com o Atlético Mineiro. E Galo é o nome da torcida (GA-LO), bíssilabo cantável e entoável como grito de guerra que ela eternizou ao encarnar em si o espírito do animal. Nenhum outro time é conhecido por tantas vitórias improváveis só conquistadas porque a Massa empurrou. Quem possui uma torcida como esta, é praticamente impossível de ser derrotado em casa (Telê Santana).

massa1.jpg

Pelos idos de 69 ou 70, o timaço do Cruzeiro já tetra ou pentacampeão entrava em campo mais uma vez e parecia que de novo ia humilhar o Atlético, que já amargava o quinto aniversário do Mineirão sem nenhum título estadual. A superioridade técnica de Tostão, Dirceu Lopes, Natal, Raul, Piazza e cia. era simplesmente incontestável. Mesmo naquele clássico durante vacas tão magras, a massa atleticana era, como sempre foi, maioria no Mineirão. Impotente, ela viu Dirceu Lopes abrir o placar e o time do Cruzeiro massacrar o Galo durante 45 minutos. No intervalo, a massa que cantava o hino do Atlético foi inflamada por um recado de Dadá Maravilha pelo rádio: Carro não anda sem combustível. A fanática multidão encheu-se de brios, fez barulho como nunca, entoou o grito de guerra como nunca, encurralou sonoramente a torcida cruzeirense, e o time do Atlético - infinitamente inferior, liderado pelo artilheiro Dario - virou o placar para 2 x 1 e abriu caminho para a reconquista da hegemonia em Minas, selada com o título estadual de 70 e o Brasileiro de 71. Nenhum dos jogadores atleticanos presentes nessa vitória jamais se esqueceu da energia que emanava das arquibancadas, e que literalmente ganhou o jogo.

Nenhuma testemunha ocular de alguma das façanhas da torcida do Atlético deixou de reconhecer que não há torcida igual. O Galo é o primeiro time brasileiro a alcançar a marca de 10 milhões de torcedores presentes no estádio durante o Brasileirão. Foi campeão de público em dez edições do Campeonato (1971, 1977, 1990, 1991, 1994, 1995, 1996, 1997, 1999, 2001), além de liderar todas as divisões do futebol brasileiro em 2006, com média de 31.622 torcedores por jogo no ano em que a equipe disputou a Série B.

massa2.jpg

Também as derrotas contribuíram para a mística e paixão atleticanas: como em 1998, quando o visitante Corinthians trouxe ao Mineirão sua máquina que se preparava para ser bicampeã brasileira e campeã mundial. O Galo se recuperava no Campeonato Brasileiro, vinha de uma vitória sobre o Grêmio no Olímpico e a Massa mais uma vez lotou o estádio. Com seu toque de bola, o Corinthians envolveu o time atleticano e no meio do segundo tempo já aplicava impiedosos 5 x 0, enquanto tocava a bola, colocava os atleticanos na roda e esperava o fim do jogo. Vendo seu time humilhado por um adversário superior dentro de seu próprio terreiro, a massa se levantou e cantou durante mais de 10 minutos o belo hino, mais alto e com mais amor que nunca. Nenhum jogador presente se esqueceu e um ano depois o Galo devolveria ao Corinthians os 5 x 1 do Mineirão, com sonoros 4x0 no Maracanã.

Só a tragédia de 1950 se compara ao silêncio sepulcral que envolveu o Mineirão em 05 de março de 1978, quando a grande equipe atleticana de Cerezo, Reinaldo, Paulo Isidoro, João Leite e Marcelo perdeu nos pênaltis o título que todos já consideravam seu, incluindo-se, às vezes parece, os próprios adversários são-paulinos. O time do Atlético jogou sem Reinaldo, suspenso num julgamento criminosa e maliciosamente marcado para a última semana do campeonato; foi empurrado pela torcida, mostrou-se muito superior ao São Paulo (como havia feito durante todo o campeonato em que acumulou 17 vitórias, 4 empates e nenhuma derrota), encurralou o adversário durante 120 minutos, mas o gol não saiu. O título foi perdido nos pênaltis, mesmo depois de duas grandes defesas de João Leite em cobranças são-paulinas. Ângelo, um dos craques do jovem time atleticano, deixou a partida quebrado por Neca e pisoteado por Chicão. Nunca mais seria o mesmo. O Galo, base da seleção brasileira de Osvaldo Brandão do ano anterior, saiu de campo vice-campeão invicto, 10 pontos à frente do campeão, com os 11 jogadores abraçados. A Massa recebia aí sua grande tarefa dos próximos anos: realizar o luto pelo enorme trauma. Começou a tarefa no domingo seguinte às 10 da manhã, levando legiões de bandeiras para uma amarga partida contra o Bahia no Mineirão. Nenhuma outra derrota de um favorito no Brasileirão se revestiria de tanta mística apaixonada. A partir daí a Massa acumularia 10 títulos mineiros em 12 anos. Veria o Galo vencer uma legião de torneios europeus (Paris, Amsterdã, Vigo, Bilbao, Ramón de Carranza) e realizar uma seqüência de campanhas sensacionais no Brasileirão, interrompidas na final ou semifinal em jogos fatídicos.

A magia atleticana se encarnaria no seu torcedor mais famoso, Sempre, cujo nome real não se conhece, tal é força do apelido. Durante décadas, Sempre ocupou as arquibancadas do Independência e do Mineirão, com sua bandeira e seus ditos legendários. Nunca deixou de comparecer e nunca vaiou o time, embora chorasse nas derrotas. Foi dos primeiros a entoar o hino composto por Vicente Motta em 1969 e depois aprendido por milhões em todo o Brasil. Abria e fechava o clube diariamente. Participou de epopéias memoráveis da massa atleticana, como num jogo dos anos 50, depois do qual a multidão carregou no colo o artilheiro Ubaldo, de sunga, ao longo dos 5,5 kilômetros que separam o estádio Independência da Praça Sete; como quando 20.000 atleticanos invadiram o Maracanã e empurraram o time à conquista do Primeiro Campeonato Brasileiro, em 1971, sobre o Botafogo de Jairzinho.

O Furacão de 70 sentiu seu peso de novo cinco anos mais tarde, na decisão do Mineiro de 76 - quando a Massa, mesmo tendo comemorado só 1 dos 11 campeonatos mineiros anteriores, tomou conta do Mineirão para empurrar uma turma de meninos de 18-21 anos (de nomes Reinaldo, Cerezo, Paulo Isidoro, Danival, Marcelo) a vitórias contundentes sobre o campeão da Libertadores. Estava aberto o caminho para o hexacampeonato de 1978-83.

Se houver uma camisa alvi-negra pendurada no varal num dia de tempestade, o atleticano torce contra o vento. O achado do cronista Roberto Drummond resume a mitologia do Galo: contra fenômenos naturais, contra todas as possibilidades, contra forças maiores, a torcida atleticana passa por radical metamorfose e se supera. Superou-se tantas vezes que já não duvida de nada, e cada superação reforça ainda mais a mística, como uma bola de neve da paixão futebolística. Nenhum atleticano hesitaria em apostar na capacidade da Massa de transformar o impossível em possível a qualquer momento, de fazer parar aquela tempestade que açoita o pavilhão alvi-negro deixado solitário no varal.

Não surpreende, então, o sucesso que tiveram os jogadores uruguaios que atuaram no Atlético Mineiro, do grande Mazurkiewcz ao maior lateral-esquerdo da história do clube, Cincunegui. Se há uma mística de garra e amor à camisa que se compara à atleticana, é a da celeste, não mineira, mas uruguaia. Só à seleção uruguaia a pura paixão por um nome e um símbolo levou a tantas vitórias inacreditáveis, improváveis, espíritas, puramente heróicas. Em 1966, as duas camisas legendárias se encontraram e o Galo derrotou o Uruguai duas vezes (26/04/66 - Atlético 3 x 2 Uruguai, 18/05/66 - Atlético 1 x 0 Uruguai).

Ao contrário das torcidas conhecidas por sua origem étnica (Palmeiras, Cruzeiro, Vasco), por sua origem social (Fluminense, Grêmio, São Paulo), ou por seu crescimento a partir de uma grande fase do time (Santos, Cruzeiro), qualquer menção da torcida do Atlético Mineiro evoca, invariavelmente, a substância mesma que constitui o torcer. O amor ao time na vitória e na derrota, o apoio incondicional, a garra, a crença de que sempre é possível virar um resultado, o hino entoado unissonamente: a legião fanática que ama o Galo acima de tudo sabe que ser atleticano é unir-se num estado de espírito, compartilhar uma memória e fazer da esperança uma permanente iminência.

A massa atleticana é a prova maior de que, mesmo em época de profissionalização total do futebol, do negócio futebol, para o povo brasileiro este é acima de tudo paixão por uma cor, um nome, um símbolo, a memória de um instante que pode ser um gol, um campeonato, um abraço ou um beijo. Galo é o nome que mais radical e verdadeiramente expressa, para tantos milhões de brasileiros, o inexplicável dessa paixão.

PS: O blog deseja boa sorte aos amigos Alex Castro e Lucia Malla em suas novas casas.



  Escrito por Idelber às 05:22 | link para este post | Comentários (43)


Comentários

#1

Todos os relatos e o que ouço quando meu time joga em BH só confirmam o apoio incondicional que raramente é prestado por outra torcida.

Hoje, acho que vou dar uma passadinha na I Impedfest.

Milton Ribeiro em janeiro 26, 2008 8:37 AM


#2

Ainda terei o prazer de acompanhá-lo um dia ao Mineirão, Milton. Deixe meu abraço ao Douglas e à turma do excelente Impedimento.

Idelber em janeiro 26, 2008 8:53 AM


#3

Obrigada, Idelber, pelo apoio amigo de sempre. :)

Beijos a vc e Ana!

Lucia Malla em janeiro 26, 2008 9:49 AM


#4

Idelber:
Com esta imensa paixão futebolística, tu tens uma enorme vocação para ser gremista.

luiz afonso franz em janeiro 26, 2008 10:08 AM


#5

Idelber,
espero que você mantenha ,durante todo o ano do centenário do Glorioso, esses encontros semelhantes ao da confraria literária do Plínio Doyle (os "Sabadoyles" nas décadas de 60 e 70). Aqui, parafraseando, os "Sabagalos".
Hoje matei saudades ouvindo o LP "Atlético Mineiro-o bom",da gravadora Bemol, com transmissões radiofônicas dos jogos da campanha de 1971 (narrador: Vilibaldo "advinhe" Alves; comentarista:Kafunga)
Abraços!

homo antiquus em janeiro 26, 2008 12:55 PM


#6

Merecido sempre, Lu. Muito sucesso na nova casa :-)

Caro Luiz, esta bodega já homenageou o Grêmio campeão do mundo e campeão da segundona. Mas como sei que vocês gaúchos odeiam quem fica em cima do muro, já vou declarando: no Rio Grande, minhas simpatias são coloradas :-(

O Sabagalo continuará, homo antiquus, e vou adotar o apelido, gostei. Vilibaldo e Kafunga é um belo começo para qualquer sábado. Abração.

Idelber em janeiro 26, 2008 2:17 PM


#7

oh pa, vamos jogar ao galo?
Lá é o lugar onde Galo está sempre com a bola!!!
Vá lá e diga!

http://ossizandros.com.sapo.pt/galoParte2.htm

fm em janeiro 26, 2008 5:05 PM


#8

valeu, chefia. a casa nova já tá bombando, em parte, graças ao seu link :)

alex castro em janeiro 26, 2008 7:08 PM


#9

Frank, esse Galo é falso. A porra toda está em azul :-)

My pleasure, Alex. E pau nos anti-tabagistas.

Idelber em janeiro 26, 2008 7:25 PM


#10

Culpa dos portugueses que não prezam o vermelho de sua própria bandeira.
Se você ficou indignado com o azul, imagine eu com o verde!!!

FM em janeiro 26, 2008 7:37 PM


#11

já que circulou pela internet como spam e com falsas atribuições de autoria, anima colocar ele em CC 2.5, em homenagem ao campeão dos campeões?

Fulcanelli em janeiro 27, 2008 2:48 AM


#12

Fulcanelli, tudo no blog é Creative Commons! (tem tanta diferença assim entre a 2.0 e a 2.5?)

A 2.0 está beleza, não? Pode circular à vontade, é só dizer quem escreveu :-)

Idelber em janeiro 27, 2008 3:05 AM


#13

ô Idelber,
estás bonito e pimpão em página inteira do jornal ABC domingo de hoje.
Para ver, vá a www.abcdomingo.com.br, clique na capa e folheie o jornal até a página 6.

luiz afonso franz em janeiro 27, 2008 8:50 AM


#14

Idelber, não esqueça de mencionar a torcida do Bahia. Nunca conheci torcida tão fanática quanto essa. Você precisa ver, as pessoas são doentes.

Ano passado, salvo engano, ela fez a maior média de público, mesmo na série C. E ficou em segundo lugar quanto ao maior público, perdendo apenas pro Fla-Flu. Embora eu seja corintiano e tenha pelo Galo a simpatia causada por um bom amigo de BH, não consigo ver em outra torcida imagem mais nítida de torcedores fiéis do que a que me dá a torcida do -- como eles dizem aqui -- Baêa.

Leonardo Bernardes em janeiro 27, 2008 11:10 AM


#15

Foi muito bom ter ido à Impedfest. Fiquei conversando só umas 4 horas... Estava ótimo.

Milton Ribeiro em janeiro 27, 2008 3:30 PM


#16

Obrigado, Luiz, ficou bem bacana a matéria -- apesar de terem errado meu nome...

Bem lembrado, Leo. Os números da torcida do Bahia são mesmo impressionantes. Acho que são comparáveis aos do Galo. Mas acho que são só nos números...

Beleza, Milton, não vejo a hora de conhecer o pessoal :-)

Idelber em janeiro 27, 2008 5:06 PM


#17

Flamengo, Corinthians, Galo e Bahia são as grandes torcidas em termos de comparecimento a estádio.
A Revista Placar (edição 1.250) compilou todos os públicos no Brasileirão, de 1971 a 2002, e esses quatro clubes ficaram bem à frente dos outros.
na Wikipedia tem um pouco mais de informação sobre isso.
no mais, parabéns por essa nova seção do Biscoito, que tá ótima...
abs,

dra em janeiro 27, 2008 5:18 PM


#18

PS: Idelber, é verdade. Se a nossa torcida tivesse a capacidade q tem a Massa do Galo para reverter resultados adversos, já tínhamos derrubado a direção do clube depois daquela passeata...

dra em janeiro 27, 2008 5:32 PM


#19

Ótimo link, dra. Como detalhe, só o Galo e o Flamengo lideraram o Brasileirão em público em anos em que a equipe não chegou nem mesmo à semifinal.

A Massa fez isso em 1995.

Idelber em janeiro 27, 2008 6:08 PM


#20

Idelber duas coisas totalmente não relacionadas: primeira, já votou no Bibi's box no Bloggies 2008? Segunda: você tem ou conhece algum livro com uma boa receita de gumbo com chocolate ou cacau? Estou verde de vontade de uma receita assim.
Beijinhos e até mais!

Bibi em janeiro 27, 2008 10:40 PM


#21

putz. seu post me fez *babar* de vontade de ver o galo jogando no mineirão.

lu em janeiro 28, 2008 12:18 AM


#22

Lu, é uma experiência e tanto. Ponha na agenda aí :-)

Bibi, estou indo votar agora! É tanto concurso que a gente esquece... Quanto à receita, não.. Tem certeza que se faz isso? Acho que não combina, né? Gumbo com doce? rs

Idelber em janeiro 28, 2008 1:00 AM


#23

AH, não é chocolate ao leie, é chocolate meio amargo, e com cacau eu tenho certeza de que fica bom. :)

Obrigada pelo voto. ;)

Bibi em janeiro 28, 2008 2:14 PM


#24

Tá parecendo que o Galo vai ser mais um time a sofrer com a maldição do centenário. Começo de ano tenebroso pro time.

Rodrigo em janeiro 29, 2008 11:47 AM


#25

Camarada, adoro seu blog, mas outro dia fiquei puto lendo, nos arquivos, um post seu contra o Flamengo. De qualquer maneira, vejo que vc sempre tem uma justificativa, um roubo aqui, um julgamento fajuto acolá, para justificar os fracassos do Galo. Olha que tenho até simpatia pelo Galo. E sei que, em futebol, não dá para levar tudo tão a sério. Mas digressiono só para provocá-lo um pouquinho. Em 1987, quando derrotamos o esquadrão montado por Telê Santana, onde estava o roubo? Quando Renato Gaúcho foi agarrado por João Leite e mesmo assim fez o gol? O árbitro deveria ter invalidado o gol e dado pênalti?

João Arruda em janeiro 29, 2008 4:39 PM


#26

Putz, deveria ter revisado antes. Justificativa para justificar é dose. Mal aê.

João Arruda em janeiro 29, 2008 4:41 PM


#27

Caro João.

Não. Em 1987 foi limpo e na bola.

Idelber em janeiro 29, 2008 5:42 PM


#28

E o lance que eu disse, do último título limpo do Flamengo ter sido o tricampeonato de 1955 era, claro, uma boutade, um exagero deliberado para provocar :-)

Idelber em janeiro 29, 2008 5:44 PM


#29

Imaginei, imaginei. Não esperava de vc arroubos de garoto de playground como costuma acontecer no Gravataí Merengue - que é um blog que leio bastante, também. Nesse caso, torcerei até para uma disputa cabeça-a-cabeça entre o Urubu e o Galo no próximo Brasileirão. Grande abraço.

João Arruda em janeiro 29, 2008 6:51 PM


#30

Idelber,

Não sabia que o texto era seu... Realmente ele circulou por aí assinado por vários outros autores :)

De onde surgiu tamanha devoção ao Clube Atlético Mineiro? E como essa paixão se perpetuou inabalável até hoje? Não tenho dúvidas que o caminho da resposta passa pelas glórias, pela formação popular do clube, mas principalmente como vc citou em seu texto, pelas TRAGÉDIAS...

"Só a tragédia de 1950 se compara ao silêncio sepulcral que envolveu o Mineirão em 05 de março de 1978"

Nunca esquecerei este silêncio... (detalhe: nasci em 83)

Sds

Daniel em janeiro 30, 2008 12:27 AM


#31

Caro Daniel, o trágico 5 de março foi meu primeiro jogo no Mineirão.

Mas depois vieram muitas alegrias.

Você é do movimento 105 minutos? Seja sempre bem vindo aqui no blog! Todo sábado tem Galo neste ano de centenário.

Idelber em janeiro 30, 2008 1:04 AM


#32

Belíssima matéria.
verdadeira e forte: assim como a TORCIDA DO GALO (em maiúsculo)!!!
Abração

Luiz Otávio
Conselheiro lafaiete

LUIZ OTÁVIO DA SILVA em fevereiro 3, 2008 1:58 PM


#33

Um belíssimo texto, capaz de desvendar um mistério: a torcida do Galo não gosta de futebol, gosta de Atlético. E exerce esse gosto com amor de mãe.

Fred Melo Paiva em fevereiro 7, 2008 10:12 AM


#34

Nao costumo adicionar sites ao favoritos... mas o seu foi adicionado com gosto.
Parabens por expressar algo inexpressavel , a paixao...
Mesmo por anos e anos de fases ruins , derrotas escabrosas e poucas alegrias , sinto que meu amor pelo galo simplesmente aumenta e aumenta exponencialmente .
Percebi meu caro que acima de tudo , acima ate mesmo dos gols esta a felicidade de ver meus filhos entoando o hino do galo no nosso templo sagrado, assim como meu velho pai teve ao me ver fazer o mesmo.
Portanto acima de tudo e por termos alma alvi negra , nao fujo das batalhas pela minha paixao .
Amanha estarei novamente presente.
Ele ganhando ...ele perdendo ... sou alvi negro de coraçaõ!!

Reginaldo em março 22, 2008 5:32 PM


#35

desculpa pela pontuação e acentuação ..

Reginaldo em março 23, 2008 7:26 AM


#36

Belíssimo e apaixonado texto! Queria ter a mesma verve para falar do meu Tricolor.

Talvez apenas não utilizasse a enxurrada de palavras do tipo "magia", "mística", "alma": prof. Idelber, descobri sua religião!

Nada como um post depois do outro.
Grande abraço

Karl em julho 16, 2009 8:39 PM


#37

Qualquer coisa que eu dissesse aqui atrapalharia o post. Esplêndido!!
=*

Maíra em julho 16, 2009 9:34 PM


#38

Texto muito interessante. Muito bom pra refletir sobre o Galo. Obrigado pela dica. Saudações Atleticanas.

Eduardo Ferreira em julho 25, 2009 1:12 AM


#39

O Galo Tem Uma Historia Que nenhum outro time tem.
Por Isso escolhi o CLUBE ATLÉTICO MINEIRO Como Time Do Coraçao.

"Se houver uma camisa alvi-negra pendurada no varal num dia de tempestade, o atleticano torce contra o vento."

Joao em setembro 19, 2010 10:54 AM


#40

Continua choro... sempre no mesmo tom, ou seja, menosprezando outros times ou agremiações. Escrito, seja por quem for, num momento de tristeza ou desespero.

Emerson em setembro 20, 2010 2:09 PM


#41

O Galo é uma religião e a Massa é o conjunto de seus fiéis.

Nenhuma outra agremiação tem o que o Clube Atlético Mineiro tem.

E tenho dito!

Harley Coqueiro em dezembro 29, 2010 4:47 PM


#42

O Galo é uma religião e a Massa é o conjunto de seus fiéis.

Nenhuma outra agremiação tem o que o Clube Atlético Mineiro tem.

E tenho dito!

Harley Coqueiro em dezembro 29, 2010 4:47 PM


#43

A torcida do cruzeiro é bem maior do que a do galo, mas a torcida do atlético é mais presente mesmo, mas isso se deve ao preço do ingresso, pois no jogo do atlético/MG o ingresso é barato, já no jogo do cruzeiro o ingresso é carissimo.
Mas nos clássicos a torcida do cruzeiro é maioria sempre.

max em fevereiro 15, 2011 6:06 PM