Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email:
idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro







selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« Galo aos sábados: O Campeão dos Campeões de 1936 :: Pag. Principal :: Contrate o Duda, Hillary »

sábado, 16 de fevereiro 2008

Adivinhação

Todos conhecem a história de que os esquimós possuem não sei quantos substantivos diferentes para designar a neve, não é mesmo? Pois bem, quais são as três palavras com mais sinônimos dicionarizados na língua portuguesa falada no Brasil?

Deixe primeiro o seu palpite aqui na caixa de comentários e depois descubra a resposta certa de acordo com esse post do excelente blog Fósforo.

Se acertar, não comemore por enquanto, para não atrapalhar a adivinhação do próximo leitor.



  Escrito por Idelber às 12:51 | link para este post | Comentários (29)


Comentários

#1

A resposta mais verdadeira (ainda que cínica) que eu já ouvi de um americano sobre quais seriam os principais motores da sociedade capitalista, branca e patriarcal foi a mesma: "Pussy and money". Como nossa contribuição principal à cultura ocidental é este gingado malemolente do malandro carioca que (mesmo que apenas como inveja ou desejo) existe em todos nós, acrescentamos à receita a recomendação do Cazuza, "algum remédio que me dê alegria".

Paulo Candido em fevereiro 16, 2008 1:14 PM


#2

se não falha a memória, não eram cachaça, diabo e puta?

Cássio em fevereiro 16, 2008 1:28 PM


#3

Eu diria "biscoito", "fino" e "massa", cada um com 12, 9 e 15, respectivamente. Eheheh.

Falando um pouco mais sério, diria diabo, cachaça e homossexual.

Matheus Vinhal em fevereiro 16, 2008 2:18 PM


#4

diabo, dinheiro e... putz, não sei. no clima de "diabo, dinheiro e...", vou chutar álcool.

bruno ( ) em fevereiro 16, 2008 2:23 PM


#5

Nesta caixa, não vou responder comentários, por razões óbvias, né?

Vamos manter o suspense. Enquanto isso, todo mundo visita o Fósforo, porque vale a pena.

Idelber em fevereiro 16, 2008 2:42 PM


#6

eu aposto no Diabo(Guimarães Rosa em Gde Sertão cita dezenas); e nos órgãos masculino e feminino, vulgos Bilau e Xaninha.

Serbão em fevereiro 16, 2008 2:52 PM


#7

Meus chutes: cachaça, dinheiro e certa parte característica da anatomia masculina...! (se bem que cachaça, prostituta e demônio também é uma boa aposta)

Anna C. em fevereiro 16, 2008 2:55 PM


#8

Parabéns a quem lembrou de diabo! Está praticamente empatado com "dinheiro". Acabo de publicar o ranking correto lá no Fósforo! Obrigado, Idelber, e um abraço!

Daniel Brazil em fevereiro 16, 2008 3:47 PM


#9

Estive lendo teu post antigo sobre xenofobia do Deputado Aldo Rebelo. Nos últimos anos notei que existe uma exigência, estimulada pela Capes, de publicação de artigos (papers, como se diz) em língua estrangeira. Do ponto de vista da prática acadêmica (para tornar o trabalho visível, etc.) me parece inevitável publicar em outra língua, mas imagino que muitos autores, especialmente das áreas mais técnicas que estão, desde sempre, inseridas no registro internacional, acabem por desconhecer a riqueza e os recursos estilísticos, etc. da língua portuguesa. Acho esquisito, por exemplo, um aluno brasileiro, que fez tese ou dissertação no Brasil, defender um trabalho escrito em inglês,como, segundo me foi relatado, já aconteceu. Então, gostaria de saber o que pensas dessa questão. Que tipo de compromisso institucional (seja na academia ou nos órgãos públicos) devemos nutrir em relação à preservação da língua portuguesa? A institucionalização da escrita em outra língua no nosso país não representa algum tipo de ameaça?

Flavio Williges em fevereiro 16, 2008 5:28 PM


#10

mas eu adoro um desafio :)))

Vamos lá:

1 - briga (ou um de seus sinônimos)
2 - dinheiro
3 - conversa

meio sem inspiração, neh

Suzana em fevereiro 16, 2008 5:57 PM


#11

Acho que um ótimo candidato para esta contagem é o designativo para o orgão sexaul feminino
Peteca, perereca, prexeca, xoxota, pastel de cabelo, xaninha, buceta, etc²....
O que não foge ainda daquilo que o nosso colega acima colocou, Pussy and Money...
Abraços

Adriano Yamaoka em fevereiro 16, 2008 6:01 PM


#12

Quaqua. Eu já sabia. :)
Era uma diversão da infância. \o/

Rafael em fevereiro 16, 2008 7:03 PM


#13

A resposta mais verdadeira (ainda que cínica) que eu já ouvi de um americano sobre quais seriam os principais motores da sociedade capitalista, branca e patriarcal foi a mesma: "Pussy and money".

Nao e soamente a sociedade branca, seguramente o americano com quem falou estava lembrando as letras de NWA com o seu exito "Life Ain't Nothin' But Bitches and Money."

Acho que e "dinero," "diabo" y "bom"

Mac Williams em fevereiro 16, 2008 7:47 PM


#14

Hmmmm... difícil...
Tenho apenas um palpite: bonito.

Marília em fevereiro 16, 2008 8:35 PM


#15

Oba, adivinhação! :)
Muito provavelmente devem ser termos ligados a sexo, drogas e rock'n'roll... vou lá ver.

Gabriela em fevereiro 16, 2008 8:54 PM


#16

ah, já revelaram toda a graça aqui na caixa de coments.


eu aposto dinheiro, sexo, pênis e vagina

thiago em fevereiro 16, 2008 8:56 PM


#17

Flavio: não me parece que exista nada esquisito em que alguém escreva uma tese em inglês sobre Shakespeare em Porto Alegre; ou uma dissertação em espanhol sobre García Márquez no Rio de Janeiro; ou uma tese em francês sobre Flaubert em Manaus. É normal na vida acadêmica. O anormal é que se proíba isso.

Idelber em fevereiro 16, 2008 8:59 PM


#18

ah, já revelaram toda a graça aqui na caixa de coments.


eu aposto dinheiro, sexo, pênis e vagina

thiago em fevereiro 16, 2008 8:59 PM


#19

oi gente!
Vou arriscas: pênis, vagina e sexo
abraço

André em fevereiro 16, 2008 9:33 PM


#20

7caras, pepita e estaca

gugala em fevereiro 17, 2008 1:05 PM


#21

Aposto que uma das palavras é bunda.

Ulisses Adirt em fevereiro 17, 2008 7:55 PM


#22

Acho que deve ser cachaça. Só eu conheço mais de 40 sinônimos para a marvada; branquinha; água-que-passarinho-não-bebe; caninha; aquela-que-matou-o-guarda; bichinha; carraspana; goró; marafo; pinga; venenosa; xixi-de-anjo; sossega-leão; abrideira; água-benta, etc etc etc.

Bruno Ribeiro em fevereiro 17, 2008 8:30 PM


#23

Esqueci de chutar as outras duas palavras: o pênis e a vagina.

Bruno Ribeiro em fevereiro 17, 2008 8:38 PM


#24

Eu acho que é vagina, penis e diabo

aiaiai em fevereiro 18, 2008 8:15 AM


#25


Eu estou certo que as duas primeiras são pênis e vagina, e a outra é que eu não sei. Talvez seja cópula, ou excremento. Uma possibilidade é ânus ou talvez nádegas, sendo mais abrangente.

Ah, também tem a possibilidade de homossexual masculino.

Não sei porque esse pessoal que fala gíria fica inventando nomes para evitar falar os nomes diretamente... ;)

Abraço,
André

André Uratsuka Manoel em fevereiro 18, 2008 8:50 AM


#26

Ah, a única coisa é que essa história das diversas palavras para neve é mito. Eles na verdade têm 2 palavras. O resto são palavras compostas, como se nós disséssemos que "água fria" e "água quente" são palavras diferentes para "água".


André Uratsuka Manoel em fevereiro 18, 2008 9:02 AM


#27

e alguém tem idéia dessas informações em outras línguas pra poder fazer uma brincadeira comparativa?

efeefe em fevereiro 18, 2008 3:25 PM


#28

Reproduzo aqui o comentário-dúvida que deixei no Fósforo:

O estranho é que, se fôssemos seguir o mesmo raciocínio, os índios brasileiros deveriam ter dezenas de termos para qualificar as diferentes tonalidades de verde das nossas matas… Não me consta que haja essa diversidade de verdes no vocabulário deles: alguém tem alguma informação a esse respeito?

Bernardo em fevereiro 19, 2008 9:22 AM


#29

Com certeza é CACHAÇA. Veja os +- 2000 em www.pingaiada.alfenas.net.

messias s. cavalcante em agosto 11, 2009 4:11 PM