Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email:
idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro







selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« Por que não engulo Hillary Clinton, por Ana Maria Gonçalves :: Pag. Principal :: Sobre blogs e spam »

quarta-feira, 13 de fevereiro 2008

As primárias do Potomac

Foram realizadas na noite passada as chamadas primárias do (rio) Potomac: os estados de Virgínia e Maryland e o Distrito de Columbia votaram para escolher o candidato democrata. Já se sabia que a vitória seria de Obama. A demografia lhe era favorável: a altíssima população afro-americana do Distrito de Columbia e a concentração de jovens em Virgínia garantia uma boa performance. Mas nem mesmo a campanha de Obama esperava a goleada que aconteceu. No post anterior sobre as primárias, eu citava uma pesquisa da Rassmussen que dava Obama por 55 x 37 na Virgínia, notando que os números poderiam estar exagerados, já que entre a população de trabalhadores blue-collar (proleta) da Virgínia, Hillary tinha boa penetração. E não é que os números da Rassmussen não estavam exagerados, e sim demasiado modestos? Obama ganhou a Virgínia por 64 x 35.

A goleada em DC foi 75 x 24 e em Maryland a diferença foi 62 x 35. A pior notícia para Hillary não é exatamente a diferença, mas a demografia dos votos. Em cada um dos grupos sociais em que Hillary vinha sistematicamente vencendo, Obama virou o jogo. 6 de cada 10 mulheres de Maryland votaram em Obama. 6 de cada 10 mulheres em Virgínia votaram em Obama. Na Califórnia, a vantagem entre o eleitorado latino havia sido chave para Hillary. Em primeiro lugar, acredito eu, porque eles se lembravam da administração de Bill Clinton, onde pela primeira vez os latinos tiveram postos de liderança. Em segundo lugar, pelas conhecidas tensões existentes -- em alguns lugares -- entre negros e latinos. Pois, na Virgínia, Obama carregou o voto latino com quase 60%. Há que se conhecer os EUA para saber a revolução que representa isso. Por pura curiosidade, passei a procurar informação sobre os eleitores de mais de 60 anos de idade, que era o único grupo social em que Hillary ainda ganhava de Obama em qualquer estado. Até mesmo com os velhinhos, entre os quais Hillary costumava vencer com mais de 30 pontos, ela perdeu. Todos os grupos que constituíam a base da candidatura de Hillary vão migrando para Obama.

Para piorar a situação de Hillary, a campanha entrou em parafuso. A coordenadora foi despedida. No seu discurso de ontem à noite no Texas, ela quebrou pela segunda vez uma longa tradição da política americana, ao não oferecer os parabéns a Obama pelas vitórias e nem mesmo agradecer aos seus voluntários no Potomac. Discursou como se não tivesse havido primárias na noite de ontem. Para quem, como eu, acompanhou cinco campanhas presidenciais americanas, é sinal de que o lateral-esquerdo já está na direita levantando chuveirinhos para o volante cabecear: confusão total. Minhas fontes dentro da campanha de Hillary são poucas, mas são unânimes: pegou mal, muito mal. A aposta de Clinton é clara neste momento: ganhar no Texas, em Ohio e na Pensilvânia. Mas na terça-feira que vem falam os eleitores de Wisconsin onde, pelo que parece, Obama já virou o jogo.

Agora Obama já tem uma vantagem de mais de 100 votos sobre Hillary entre os delegados conquistados democraticamente, nas primárias. Como a estas alturas já sabem os leitores do Biscoito, 20% da convenção democrata vem de “superdelegados” -- parlamentares e burocratas no partido -- nos quais Hillary tem maioria. Mas pela primeira vez nesta campanha, Obama já vence no cômputo geral até mesmo depois que consideramos os superdelegados (veja aqui e aqui). Para piorar a situação para a senadora de Nova York, cresce entre os democratas a sensação de que os superdelegados não podem reverter a vontade dos eleitores. Um a um, os superdelegados vão migrando para Obama.

PS: Amanhã, aqui no Biscoito: um texto sobre o que eu considero a votação mais importante do Senado americano nos últimos dez anos – surpreendentemente ignorada pela imprensa brasileira.



  Escrito por Idelber às 02:09 | link para este post | Comentários (19)


Comentários

#1

Nem preciso mais ler os jornais para saber sobre a eleição norte-americana. Você, o Pedro Dória e o André Kenji já me deixam suficientemente informado.

Parabéns pelo trabalho.

Marcus em fevereiro 13, 2008 3:45 AM


#2

Sobre a virada em relação às mulheres, há um post interessante sobre o movimento Women for Obama (http://women.barackobama.com/page/content/WFOhome):

- Why So Many Women Are For Barack Obama: http://my.barackobama.com/page/community/post/sarahramey/C4fg

Acho interessante, sobretudo, essa observação de Ellen Bravo: "...So what's tipped so many feminists to Obama? For some, it was when the Clintons began treating him as women are treated -- patronizing him as merely a "good speaker," trivializing his accomplishments, minimizing the importance of his early judgment and risk-taking in opposing the war in Iraq, and using surrogates to demonize his morality."

Nos comentários do link que coloquei aí acima, pode estar uma das explicações: a mobilização pelas ligações telefônicas. Há uma grande diferença entre receber um telefonema de alguém ou da maquininha que vem sendo usada na campanha dos Clintons.

Ana em fevereiro 13, 2008 4:52 AM


#3

A mudança pela mudança parece ter um nome: OBAMA.

Paulo em fevereiro 13, 2008 5:24 AM


#4

Não adianta Idelber, o Obama só perde se a maquina de Billary não conseguir aliciar os superdelegados e adjacencias. A vingança de Bill será enterrar a ambição de Gore (já foi) e agora de Hillary. Opa, comentario maldoso esse. Abs.

Fábio S. em fevereiro 13, 2008 7:38 AM


#5

Idelber: confesso que as eleições americanas pouco me interessam; tenho cá comigo que, ganhe quem ganhar, o sujeito não deixará de ser um presidente dos Estados Unidos e, portanto, continuaremos levando ferro. Evidente que o que acontece lá (aí, no seu caso), reflete aqui. Não é desmerecer a importância do evento, mas sou descrente em relação à mudanças efetivas na maneira de lidar com o mundo. Numa gestão de Obama, os imigrantes negros deixariam de ser tratados como criminosos? Tenha minhas dúvidas. Eu, porém, gostaria que ele fosse o próximo presidente, pelo valor simbólico que sua vitória carregaria.

Apesar de não ver graça alguma nesse processo eleitoral, devo reconhecer a brilhante análise que você tem feito e as informações isentas que tem possibilitado aqui. É, de longe, a melhor cobertura das eleições americanas que tive a oportunidade de ler. Os jornalões devem se morder de inveja.

Outra coisa: quando é que termina essa angústia? Ô eleições complicadas, sô!

Bruno Ribeiro em fevereiro 13, 2008 7:56 AM


#6

Como disse o Democracy in America, um dos blogs da Economist, a Hillary adotou a tática de Giuliani: fingir que as primárias que estão acontecendo não são importantes, não existem, e dirigir todos os esforços a Texas e Ohio (a Flórida dela). Não é difícil prever que o fracasso aguarda Hillary.

Ricardo em fevereiro 13, 2008 8:47 AM


#7

"...o lateral-esquerdo já está na direita levantando chuveirinhos para o volante cabecear: confusão total".

Isto não é apenas uma imagem de confusão total, mas de desespero em fim de jogo. Acho que é isto que queres expressar, não? Tenho certeza de que o Dr. Claudio Costa não discordaria...

Abraços.

Milton Ribeiro em fevereiro 13, 2008 9:13 AM


#8

Parabéns pelo blog
fiquei leitora permanente
OBAMA! OBAMA! OBAMA!

Izabella em fevereiro 13, 2008 10:35 AM


#9

Obrigado, Marcus, e não desapareça, meu caro (e atualize aquele Velho do Farol pra nós lá, pô!).

Pois é, Ana, no caso do uso da tecnologia a diferença entre as duas campanhas é assombrosa. Espanta-me que a campanha de Clinton não tenha sacado como é horrível esse spam telefônico. Ele acaba gerando reações como essa.

Tem nome e sobrenome, caro Paulo. Só não podemos usar o segundo nome do cabra...

Mestre Fábio: é vero. Conhecendo os Clinton, anote aí: não vai sair barato. As retaliações, especialmente sobre as lideranças de base, já começaram.

Caro Bruno, é muito certo o que você diz. No caso da violência policial contra os negros, se passarão anos e anos antes que o problema possa ser resolvido. Mas no caso da política externa, que é o que mais afeta vocês aí no Brasil, acredite em mim: faz uma diferença gigantesca ter um republicano ou um democrata na Casa Branca.

Ricardo, a estratégia de Hillary recebeu elogios do coordenador da campanha de Giuliani ontem. O Talking Points Memo foi na mosca e intitulou a matéria Kiss of Death?

Era isso, sim, Milton, embora eu ainda não queira falar de fim de jogo. Ohio, Pensilvânia e Texas são o equivalente de 30 minutos de futebol com dois bons reservas no banco. A conferir.

Izabella, gracias, volte sempre.

Idelber em fevereiro 13, 2008 11:41 AM


#10

A explicação pra goleada foi muito simples: o tempo e trânsito ontem por aqui, estavam o caos total... a maioria de trabalhadores, que esperava votar a noite, não conseguiu chegar a tempo ou desistiu de ir votar. Eu levei 3 horas num percurso de meia hora. De carro. Imagina a galera que tinha que pegar ônibus?
Mas no geral, Obama estava fortíssimo por aqui. Até o meu marido, que é republicano(pula essa parte, heheheh) estava com fortes inclinações de virar a casaca. Votou no candidato republicano dele, mas até as eleições pra valer, acho que Obama vai conquistar mais um.
E sim, pegou muito mal Hillary simplesmente ignorar a votação de ontem. Os jornais da TV locais meteram o pau... e até os voluntários dela estavam revoltados, porque trabalharam embaixo de tempo horroroso e sequer ganharam um Thank You. Tinha gente rasgando faixa e tudo. Com isso, se ela por acaso cogitar a ser nomeada, perdeu boa parte do eleitorado por aqui.

Claudia Beatriz em fevereiro 13, 2008 11:57 AM


#11

Na mosca, Claudia. Repetiu o gesto da Carolina do Sul: perdeu, ignora o estado e os próprios apoiadores. Se meu candidato fizesse isso comigo, eu rasgaria faixas também.

Quanto à neve como explicação, sei não... Obama ganhou de goleada entre os blue collar também. Você viu a incrível estatística de que ele ganhou até entre as mulheres brancas?

(estou saindo para uma reunião agora, mas vou tentar achar o link...).

Abração, continuemos com esse bate-bola, porque o seu estado é chave em novembro, você sabe disso :-)

Idelber em fevereiro 13, 2008 12:25 PM


#12

Ouch:

http://www.realclearpolitics.com/articles/2008/02/why_hillary_will_lose.html

Before Hillary lost her first primary or caucus, she lost the dialogue with the Obama campaign vis-à-vis the totally misguided decision to focus her message on experience, surrendering the ground of change to her opponent.

The more she tried to emphasize Obama's inexperience, the more she seemed to fence herself into the status quo. That it was the status quo ante of the Clinton years, not the status quo of the Bush administration, made less and less difference as the campaign progressed.

She ran on a message perfect for a Republican primary -- experience -- and abandoned the key to winning a Democratic primary -- the message of change -- to Obama.

André Kenji em fevereiro 13, 2008 1:33 PM


#13

Só para dar ênfase ao que muitos comentaristas já disseram: nunca foi tão emocionante acompanhar prévias eleitorais americanas! Parabéns pela cobertura.

Thiago Luiz Torquato em fevereiro 13, 2008 1:58 PM


André Kenji em fevereiro 13, 2008 2:03 PM


#15

Obrigado, Thiago, volte sempre.

André, olha que bacaninha.

Idelber em fevereiro 13, 2008 2:51 PM


#16

No Globo, notinha sobre o avanço do Barack nesses outros grupos sociais. Sei não, tô achando que, de tanto falar bobagem, o pessoal do Globo resolveu consultar este blog antes de continuar o festival de temeridades.

Theo em fevereiro 13, 2008 6:27 PM


#17

hohoho, não duvido nada, Theo.

Já aconteceu antes, não com o Globo, mas com outro jornal...

Mas está boa a nota do Globo. Só esqueceram de dizer que ninguém no Texas suporta aquele ditado mais ("muito chapéu e pouco gado").

Idelber em fevereiro 13, 2008 6:44 PM


#18

Já atualizei. A reentrada na atmosfera já se completou.

Marcus em fevereiro 13, 2008 7:12 PM


#19

Iuuuuppppiiiii!!! Veja isso, Idelber... Obama lidera no Texas, diz o American Research Group, com 48% contra 42% da Hillary.

Se Obama ganhar no Texas, já era para a Hillary, cuja expressão facial, se perder lá, não será nada hilária...hehe...

Go Obama!

link: http://americanresearchgroup.com/

Marcos em fevereiro 15, 2008 10:55 PM