Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email:
idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro







selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« Primeiras impressões da votação em Wisconsin :: Pag. Principal :: Perguntas que a imprensa americana não fará, 1 »

quarta-feira, 20 de fevereiro 2008

Décima vitória consecutiva de Obama

Desde que os irmãos Bush nos roubaram a eleição de 2000, eu prometi nunca mais fazer previsões em política. Mas o fato é que ficou difícil, muito difícil para Clinton. Quem sabe o Alon ou o Rafael possam me ajudar a lembrar alguma eleição – no Brasil ou em qualquer outro lugar – em que tenha havido uma virada de 30 pontos em duas semanas. Porque foi exatamente isso que Obama fez em Wisconsin, no coração da base clintoniana. Há 15 dias, Clinton chegou a liderar por 13 pontos.Obama venceu ontem por 58 x 41, num estado em que a população negra não passa de 4%. Talvez não fique claro de imediato para o leitor brasileiro a dimensão desse resultado. Para efeitos de comparação, imagine Lula vencendo José Serra por 7 x 3 em Higienópolis e nos Jardins. Ou, não importa, imagine Alckmin enfiando 7 x 3 em Lula no estado de Pernambuco. Foi mais ou menos isso o que aconteceu em Wisconsin ontem, numa primária em que 58% do eleitorado era feminino e 92% branco.

Digamos, então, que o Biscoito está preparado para fazer a seguinte afirmação: as chances de Hillary conquistar a indicação democrata para a presidência dos EUA são comparáveis às do São Paulo ser rebaixado para a segunda divisão no Campeonato Brasileiro deste ano. Para alcançar Obama, ela teria que vencer Ohio, Texas e Pensilvânia por diferenças de 65 a 35, o que simplesmente não parece possível neste momento. No próximo dia 04, votam Ohio, Texas e Rhode Island.

Em futuros posts, vou tentar explicar o que me parece que aconteceu aqui nos últimos meses. É verdade que a campanha de Obama tem mobilizado – particulamente entre os jovens – uma energia que há décadas não se via na política americana. Mas também é verdade que poucas vezes na vida vi uma campanha tão incompetente como a de Hillary Clinton. Até mesmo uma campanha razoavelmente administrada teria sido suficiente para ela, dada a grande diferença de reconhecimento entre os dois nomes e a colossal diferença de poder entre os dois grupos dentro do Partido Democrata.

Mas a campanha foi enterrada pela estratégia de ignorar os lugares onde sofria derrotas (não oferecendo parabéns ao vencedor e nem mesmo agradecendo seus voluntários), pelo recurso à sistemática negatividade (as pesquisas de boca-de-urna em Wisconsin mostraram uma imensa rejeição a essa estratégia, um dia depois de que a campanha de Clinton tirou da cartola uma incrível acusação de plágio contra Obama) e pela desqualificação dos estados vencidos pelo senador de Illinois (com argumentos do tipo: assembléias não contam, estados com população negra não contam, estados republicanos não contam etc., até o ponto em que Wisconsin, que é a epítome do estado que, segundo essa lógica, deveria “contar”, terminou rejeitando-a) .

Na quinta-feira à noite há um debate na CNN. Dentro do campo de Clinton há um intenso debate acerca da estratégia. Reforçar os ataques pessoais contra Obama ou dar outro giro, enfatizando os planos e as qualidades da senadora? A briga em torno disso é tremenda: ainda existe – acreditem – um setor da campanha argumentando que a estratégia negativa funcionou, pois a margem de Obama havia sido maior na Virgínia do que foi em Wisconsin! Quanto a Obama, tudo o que ele precisa fazer no debate é não prometer bombardear o Canadá.

PS: O Biscoito saúda Digby, blogueira pró-Hillary que já está pronta para unir forças em torno de Obama para o que verdadeiramente importa, que é derrotar a máquina republicana. Ao longo desta campanha, Digby se firmou como a melhor analista política democrata na blogosfera, mantendo sanidade e ponderação ao longo do processo. No Daily Kos, a fascinação com Obama às vezes prejudica bastante a percepção da realidade. E o clintoniano Left Coaster, que era um bom blog, já não posta do planeta Terra há meses. Em breve, faço um post sobre o terrível legado desta campanha sobre a blogosfera progressista gringa. O saldo não é positivo, não.

PS 2: Não, não tenho nada a dizer sobre a aposentadoria de Fidel. Pelo menos não aqui no blog. A discussão que se armaria já é por demais previsível e eu estou um pouco cansado dela. Eu até poderia tentar fazer uma avaliação mais tridimensional sobre o legado da Revolução Cubana. Mas a discussão descamba, não tem jeito. Até mesmo aqui ela descambaria.



  Escrito por Idelber às 03:50 | link para este post | Comentários (59)


Comentários

#1

É. Parece que a fatura tá liquidada. Há alguma chance da Hillary abandonar a disputa? Me parece dificil, mas queria saber quanto a rumores por aí.

Mando email nos proximos dias sobre a reunião da BRASA e sobre a LASA.

Abração.

Alexandre Nodari em fevereiro 20, 2008 4:43 AM


#2

Acredito que a partir de agora a vantagem de Obama só vai aumentar. Deve ganhar de Hillary mais por incopetência dela do que por mérito próprio, mas penso que não será eleito presidente.

Douglas em fevereiro 20, 2008 6:39 AM


#3

Parabéns, Idelber, pela ótima cobertura e pela profundo e esclarecedora análise sobre essas primárias americanas.

olney em fevereiro 20, 2008 7:16 AM


#4

Beleza de cobertura, Idelber. Posso sugerir? que tal relermos suas impressões acerca do que é possível esperar ou não de Barack Obama na presidência? Iraque, Cuba, Venezuela, Irã, subsídios agrícolas, deficit das contas públicas e vai por aí. A pergunta é: que mudanças são possíveis na eventual gestão Obama?
Mais: qual será o perfil do congresso com o qual ele irá lidar?
Abraços, parceiro.

paulo galo em fevereiro 20, 2008 7:34 AM


#5

Eu já acho que Obama tem mais chances conta os republicados do que Clinton.

Eu já conversei com alguns americanos que normalmente votam vermelho, mas que desta vez estão dispostos a votar em um candidato democrata, desde que este não seja Clinton.

Ricardo Antunes da Costa em fevereiro 20, 2008 8:26 AM


#6

E ela voltou a não cumprimentar Obama pela vitória. Perdeu-se.

Milton Ribeiro em fevereiro 20, 2008 8:40 AM


#7

Primeiro comentário aqui! Antes, no entanto, parabéns pelo ótimo blog, Idelber. Duas dúvidas. Primeiro, Hillary abandona após as primárias do Texas, Ohio e Pennsilvania? Ou será que ela vai levar a disputa para a convencao (o que na minha opiniao seria péssimo para o partido)?
Segundo, alguma chance do Obama vencer no Texas?

Arthur em fevereiro 20, 2008 8:54 AM


#8

Parece que Obama já se firmou como candidato Democrata. Minha pergunta é: quais as chances reais (de acordo com a visão que vc tem daí) de Obama vencer os Republicanos?

Ana Carolina em fevereiro 20, 2008 9:22 AM


#9

Poxa, Idelber... Mesmo sabendo que a coisa vai descambar, arrisque. Anseio muito por um texto seu sobre o legado deixado pela Revolução Cubana. Com a ponderação que é comum aos seus textos. Vale a pena, apesar dos chatos que vão aparecer. Ignore-os. A maneira serena, polida e sábia com que Fidel passou o poder merecia uma atenção de vossa pessoa. Acho que é a primeira vez na história, que um líder político tratado como "ditador" abre mão do poder. Para a decepção de seus detratores, que queriam vê-lo apodrecendo no Capitólio, como um tirano de filme B. Repense sua decisão, estamos todos esperando ansiosamente!

PS - Obama será o indicado de um lado e, acho, McCain do outro. Acho que vai ser uma boa refrega, como há tempos não se via na política internacional. E vai ajudar a mostrar quem é quem, da mesma forma que a disputa entre Lula e Alckmin obrigou as pessoas a se posicionarem. Gosto quando isso acontece.

Bruno Ribeiro em fevereiro 20, 2008 9:42 AM


#10

Caro Idelber,
como o Paulo Galo, gostaria que você discorresse um pouco sobre as possíveis mudanças na política externa americana a partir de uma vitória do Obama. Só não entendi uma coisa no seu excelente post: por que 7X3 e não 6X4?
Um abraço.

Marco Catalão em fevereiro 20, 2008 10:00 AM


#11

Que pena que descambaria. Mas acho que vai demorar alguns anos até que se possa falar da Revolução Cubana de maneira decente. Uma enorme pena.

Daniel em fevereiro 20, 2008 10:20 AM


#12

Idelber,
quanto à sua pergunta sobre "alguma eleição – no Brasil ou em qualquer outro lugar – em que tenha havido uma virada de 30 pontos em duas semanas", tem um caso recente.
Não sei se vale como exemplo, pois, como é sabido, existem três tipos de pesquisas: as boas, as más e as feitas na Bahia.
Mas, vamos lá.
Há UMA semana da eleição para governador em 2006, o Ibope publicou uma pesquisa dando 17 pontos de vantagem para o ex-governador Paulo Souto. 48 x 31.
Quando as foram abertas (sou de um tempo em que as urnas ainda se abriam), o placar foi o seguinte: 52,89% para o atual governador Jaques Wagner e 43,03% para Paulo Souto.

Franciel em fevereiro 20, 2008 10:44 AM


#13

Idelber, vendo agora o site da BBC Brasil, li que McCain diz que Obama "faz um eloquente, porém vazio chamado por mudança". Hillary também ataca o senador de Illinois: "Não podemos ter um presidente que se vale somente de palavras. Não podemos ter apenas discursos, precisamos de soluções". Você não acha que, com Clinton batendo na mesma tecla que o republicano, o eleitorado democrata tende a rejeitá-la? Não é outra estratégia de ataque equivocada? Abraço!

Sidarta Cavalcante em fevereiro 20, 2008 11:24 AM


#14

Coitada de Cuba. O povo de lá não merece...

Pablo Vilarnovo em fevereiro 20, 2008 11:26 AM


#15

Fidel deveria ser preso pelo simples fato de ter privado o mundo durante décadas de ouvir Belavista Social Club. Só por conta disso poderia ser processado por crimes contra a humanidade!!

:)

Pablo Vilarnovo em fevereiro 20, 2008 11:29 AM


#16

P.S.: Não é Belavista, é Buena Vista...

Recomendo também, Bebo Valdez e Cigala. Um é pianista clássico cubano outro um cantor flamenco. Som da melhor qualidade.

Pablo Vilarnovo em fevereiro 20, 2008 11:30 AM


#17

P.S.: Não é Belavista, é Buena Vista...

Recomendo também, Bebo Valdez e Cigala. Um é pianista clássico cubano outro um cantor flamenco. Som da melhor qualidade.

Pablo Vilarnovo em fevereiro 20, 2008 11:31 AM


#18

Pora, Fidel, é mesmo um escroto. Até hoje ainda não conheço este tal de Belavista.)

Franciel em fevereiro 20, 2008 11:36 AM


#19

Caro Idelber,

Nunca deixei um comentario aqui mas leio seu blog desde que comecou, parou e comecou de novo. Mesmo as eleicoes americanas ficaram agradaveis de se acompanhar. No Guardian ja tinhamos dito que eles deviam faze-la em suplemento separado para ir pro lixo mais rapido. Mas o que eu gostaria mesmo em algum lugar do futuro seria que vc fizesse um comentario sobre o livro "Pedro Paramo" de Juan Rulfo.

Grande abraco e parabens pelo melhor blog que anda por aih...

Sonja em fevereiro 20, 2008 12:28 PM


#20

O Obama fala MUITO bem!
O pior dos mundos já vimos - alguém que fala e faz MUITO mal. Pelo visto ele será o próximo presidente dos EUA pois não consigo ver como um democrata perca estas eleicões.

Samuel em fevereiro 20, 2008 12:48 PM


#21

OK, Alexandre, fico aguardando :-)

Douglas, vira essa boca pra lá, meu caro; mais quatro anos de Partido Republicano a gente não aguenta, não :-)

Obrigado, olney.

paulo e Marco, prometo para breve uma apreciação sobre o que seria uma política externa no governo Obama. Essas coisas são sempre difíceis de prever, é claro. Mas há alguns sinais encorajadores, especialmente considerando a turma que ele escolheu para assessorá-lo. Marco, escolhi o 7 x 3 porque a vantagem de Clinton num lugar como Wisconsin deveria ser até maior que a vantagem do PSDB sobre o PT num lugar como Higienópolis. É só uma analogia, claro.

Ricardo, esses eleitores que você menciona são exatamente os que decidem a eleição -- os chamados "swing voters", que podem ir tanto para um lado como para o outro. E é ali que a taxa de rejeição à Hillary é imensa.

Pois é, Milton, a campanha parece ter realmente entrado em parafuso. Desta vez Obama revidou, entrando em cena enquanto ela ainda falava. Todas as cadeias de televisão passaram ao discurso dele. A campanha de Obama diz que não foi proposital, mas duvido.

Arthur, obrigado. As chances do Obama no Texas são boas. As pesquisas já dão empate técnico, o que, a julgar pela evolução dos números, sugere possível vitória lá também. Quanto a Hillary possivelmente abandonar a corrida, acho que vai depender dos resultados em Ohio. Se ela não der uma goleada lá, a pressão será grande. Mas os Clintons não costumam desistir fácil. Concordo com você, quando mais isso se arrasta, pior para o partido.

Ana Carolina, as chances são grandes, excelentes mesmo. Não há nada definido, claro, mas o contraste entre os dois é bem grande.

Pois é, Daniel, é uma enorme pena. Mas, como se vê aí, meus medos não são infundados.

Franciel, é mesmo, meu caro, eu não me lembrava desse exemplo da Bahia! Mas ali acho que podemos creditar a coisa à uma pisada de bola dos nossos meios de comunicação e dos institutos de pesquisa, não?

Volto mais tarde para os próximos :-)

Idelber em fevereiro 20, 2008 12:59 PM


#22

Puxa Franciel, foi um lapso.

:(


;)

Pablo Vilarnovo em fevereiro 20, 2008 1:24 PM


#23

Pô, eu também estava esperando seu post sobre Fidel. Até que um sujeito apareceu lá no blog cobrando que EU falasse do Comandante e me disse que você também não ia falar nada a respeito.

Hermenauta em fevereiro 20, 2008 1:29 PM


#24

Sinceramente não vejo sentido nesso oba, oba com o Fidel. Alguém acha realmente que ele perdeu poder? Que ele não continuará a mandar em Cuba?
Só depois de sua passagem para os quintos que talvez, quem sabe, com todas as dúvidas do universo, algo mude em Cuba.

Pablo Vilarnovo em fevereiro 20, 2008 1:34 PM


#25

Como diz mestre Fredric Jameson, os tempos atuais conseguem ser mais anticomunistas do que o período da Guerra Fria.
Para entender a Revolução Cubana, uma dica é o filme "Memórias do subdesenvolvimento", de Tomas Gutierrez Alea. Saiu em DVD recentemente no Brasil.
O engraçado dos jornais brasileiros é que eles usaram o material que seria para o obituário do Fidel Castro. Nem se deram ao trabalho de reescrever os textos.
Outra coisa: o escritor Philip Roth é um dos heróis dos conservadores letrados no Brasil. Ele deu uma entrevista ao Der Spiegel, traduzida pelo Estadão no último domingo, e colocou Obama nas alturas.
Fala Roth: "O que me interessa é o fato de ele ser negro. Sinto que a questão da raça neste país é mais importante que a questão feminista. Acho que a importância para os negros seria enorme. Ele é um homem atraente, é inteligente, é tremendamente articulado. E acho que seria importante para os negros americanos se ele se elegesse presidente".

enio em fevereiro 20, 2008 1:38 PM


#26

*na fila dos que gostariam de ler um post do Biscoito sobre Castro

tiagón em fevereiro 20, 2008 1:51 PM


#27

Pablo:: chega. OK? Você já destruiu dois threads neste blog com sua obsessão com Cuba. Ninguém quer conversar com você sobre isso. Você tem um blog. Faça um post sobre o tema que eu linko aqui.

Idelber em fevereiro 20, 2008 1:57 PM


#28

Sem a menor necessidade.

Pablo Vilarnovo em fevereiro 20, 2008 2:02 PM


#29

Enio, replico seu Philip Roth com o filósofo-pop John Lennon: woman is the nigger of the world. Yes, she is. Think about it. ;-)
(Não que eu torça mais pela Hillary do que pelo Obama, nem vice-versa. Seria como a mosca torcer para ser esmagada por um cavalo em vez do outro - para quem vai se estraçalhar de qualquer forma, tanto faz. Hehehehe)

Idelber, não vamos nos desgastar conversando sobre Cuba em público. Mas um bate-papo por e-mail seria muito bem-vindo. Adoraria saber sua opinião. ;-)

Monix em fevereiro 20, 2008 2:34 PM


#30

Sonja, obrigado pelo comentário tão simpático. É uma coincidência sua sugestão, porque na semana que vem começo a discutir Pedro Páramo com meus alunos de gradução. Vamos se num futuro coloco esse romance na pauta aqui.

Hermê, Bruno, Tiagón, gracias, gracias mesmo. Vou dar uma pensada, mas tenho uma imensa preguiça da montanha de clichês que afloram. Acredito piamente que há dois assuntos impossíveis de se debater racionalmente num blog, ou pelo menos num blog com um pouquinho mais de movimentação na caixa de comentários: Cuba e Palestina.

Sidarta, sim, aconteceu isso com Hillary, acredito. A história do tal do plágio foi o fundo do poço, me parece.

enio, valeu o toque da entrevista. É interessante o comentário dele, inclusive porque o marco raça x gênero não foi, nem de longe, o centro da campanha -- por mais que um setor (minúsculo, é verdade) da campanha de Clinton coloque a culpa pelos seus próprios erros num suposto sexismo dos eleitores (com isso não quero dizer, claro, que esse sexismo não exista).

Monix, puxa, vamos conversar, claro. Mande um email. Como está você com toda essa história?

Idelber em fevereiro 20, 2008 2:59 PM


#31

A ultima vez que tivemos um presidente carismatico y jovem, foi asesinado. Agora e carismatico, jovem e negro num pais onde tem pessoas bem armadas que nao gostam duma coisa assim. Num cachito da minha coracao sempre me preocupo disto.

Mac Williams em fevereiro 20, 2008 3:22 PM


#32

É cedo para dizer que Obama tem dianteira para valer. A "máquina" dos Clinton, assim como a dos Bush, vai funcionar. Para mim, não faz diferença: Clinton, Obama, Kennedy, Roosevelt, todos, todos viram "Wilson", todos são CEO de uma empresa imperial. Quem pisa fora, é rapidamente "enquadrado". Certo JFK?

Armando do Prado em fevereiro 20, 2008 3:30 PM


#33

Caro Idelber, sobre Fidel, basta a citação do nosso Niemeyer: "é preciso ser conseqüente até o final".
saudações, armando

Armando do Prado em fevereiro 20, 2008 3:36 PM


#34

Espremi a cabeça e lembrei da virada do Mario Covas sobre Paulo Maluf em 1998. Abs.

Alon Feuerwerker em fevereiro 20, 2008 3:40 PM


#35

Não ceda à provocação de escrever sobre Cuba. Não vale a pena. Brasileiro não conhece nada de política internacional, até porque o noticiário local é triste de magro e ruim. No blog do Nassif, está uma tortura medonha e deprimente de números a respeito de Cuba.

enio em fevereiro 20, 2008 3:42 PM


#36

Puxa, eu também tô na fila dos que queriam post sobre Fidel, sim. (E sobre a Palestina eu também ia adorar, aliás). Fico com pena de os mais sensatos desistirem de entrar na briga (apesar de entender o cansaço), enquanto a turma deslumbrada repete as mesmas baboseiras, over and over, cada vez com menos medo de parecerem ridículos. (Se for rolar análise por e-mail, Monix e Idelber, me acrescentem na lista, heim?).Beijo.

Ju Sampaio em fevereiro 20, 2008 4:05 PM


#37

Se forem falar de Cuba por e-mail, incluam o meu também. Quero muito saber a opinião de vocês sobre a renúncia de Fidel. E concordo com Ju: é uma pena que os melhores dentre nós prefiram o silêncio num momento tão interessante para reacender o debate sobre questões ainda obscuras sobre a ilha rebelde. Entendo a preguiça e o receio do Idelber. Mas considero que seja um dever. Este blog é muito lido e tem credibilidade. Prestaria um enorme serviço à boa informação, já que a grande imprensa tratou o caso com a superficialidade que lhe é habitual.

Tá vendo, Idelber? Mesmo sem você escrever nada sobre o tema, ele já está sendo discutido por aqui. ;-)

PS: prometo não tocar mais neste assunto. Respeitarei sua decisão.

Bruno Ribeiro em fevereiro 20, 2008 4:18 PM


#38

Opa,

E sobre as "falhas" nas transmissoes de tv confundindo o Obama com o Osama ?? Viu a materia na Fox tentando impingir a imagem de muçulmano ? Sera que isso é viagem na maionese ou pode ser uma nova estrategia ??

Acho muito cedo pra cantar vitoria, e principalmente, dizer que o "Foxismo" acabou.

Hasta,

Magrello em fevereiro 20, 2008 4:25 PM


#39

Magrello, voltei justamente por causa disso. Acabei de ver! Difícil achar que foi só um vacilo do depto. de arte, heim?! Pelo jeito, em novembro a coisa vai ser feia...

Ju Sampaio em fevereiro 20, 2008 4:42 PM


#40

Para a desgraça do Brasil, Collor foi um que começou quase nada nas pesquisas e, em poucos meses, teve aquela vitória em 1989.

enio em fevereiro 20, 2008 5:09 PM


#41

Tô na fila de Cuba tbém, inclusive do email.
Mas se continuarmos insistindo Idelber vai acabar fazendo como o tio Rei:"Não deixarei vocês me pautarem, petralhas!"

Daniel em fevereiro 20, 2008 5:19 PM


#42

Ju e Magrello, aguardem coisas do tipo logo que a campanha começar. Se alguém achou que Obama já viu tudo o que tinha que ver em termos de sujeira, está enganado.

Aguardem, por exemplo, investigações sobre a família de Obama no Quênia. Com certeza deve ter algum primo dele metido algo sujo por lá. Assim funciona muitas vezes a máquina republicana: culpado por associação.

Obrigado, Alon, dessa eleição paulista eu tinha pouco registro na memória.

Armando, eu acho que há, sim, alguma margem de manobra. Estreita, é verdade, mas há.

Mac, algumas pessoas estão batendo nessa tecla do medo. Eu acho bobagem. Acho que deveríamos relaxar com isso, e deixar que o Serviço Secreto se encarregue de proteger o cabra.

Idelber em fevereiro 20, 2008 5:21 PM


#43

Ju, querida, sobre a Palestina, sim, eu prometo posts em breve. Aliás ando prometendo há tempos. Mas vou cumprir :-)

Idelber em fevereiro 20, 2008 5:23 PM


#44

Idelber, estive na Bahia na semana passada. Lá, todos com quem eu conversei sobre a "virada" de 2006 foram unânimes: os entrevistados do interior tinham medo de dizer (para quem quer que fosse) que não votariam no candidato de ACM. Daí, o "erro" dos institutos. Assustador, não?

Manuel em fevereiro 20, 2008 5:48 PM


#45

Idelber, a influência dos Clinton dentro do P.Democrata é muito maior do que a influência do Obama. Certo? Certo. Por diversos motivos. Por erros de campanha da Hillary, Obama deve ser o candidato do partido. É claro que os democratas querem voltar à C.Branca? Certo? Certo. Agora pergunto:o Partido Democrata vai usar todo o seu peso a favor do Obama, como usaria se fosse a Hillary? Você vê a Hillary subindo no palanque do Obama, apoiando-o MESMO? E se ela se omitir? e os super-delegados?
Parabéns pelo blog e pela cobertura das eleições aí e concordo que v. deve abordar a saída de cena do Fidel, sim. Se alguém extrapolar, você o enquadra.

Carlos Jansen em fevereiro 20, 2008 7:21 PM


#46

Manuel, conhecendo a Bahia, lhe digo: totalmente verossímil.

Carlos, entendo as premissas, mas há que se ver o que se está definindo como "o Partido Democrata". Se o definimos como a soma de seus membros, o apoio a Obama é majoritário, como vêm demonstrando as votações. Os Clintons (e o chamado DLC, grupo que congrega a direita do partido, e ao qual eles pertencem) têm o controle de boa parte da máquina, mas não da totalidade -- o diretor do DNC (Democratic National Committee), por exemplo, é Howard Dean, ex-governador de Vermont e ex-pré-candidato a presidente, que não é da turma dos Clintons de jeito nenhum. Definido o indicado, todo mundo vai embarcar, é o que acho. Seria muito grande o desgaste de não apoiar um candidato tão popular -- numa eleição contra um direitista nato como o McCain. É certo que as primárias têm sido bem mais "violentas" que o normal. Mas acho que o partido se unifica, sim. Não é do interesse de ninguém rachar.

Idelber em fevereiro 20, 2008 9:03 PM


#47

Idelber, se o problema de escrever sobre Cuba e Fidel é a discussão chata que se seguiria, por favor cogite de escrever um post sobre isso, mas fechado para comentários.

Marcus em fevereiro 20, 2008 9:24 PM


#48

A eleição paulista de 1998 é inesquecível, meu querido Idelber. Pelo menos para nós, paulistas, que a vimos de perto.

Acho que você se lembrará tão-logo eu rememore alguns tristes momentos:

a) Tudo começa com Francisco Rossi (ele, o "segura na mão de deus"!) em PRIMEIRO LUGAR com o slogan "chega dos mesmos";

b) Maluf encosta, ultrapassa, até que Rossi fica para trás;

c) De um certo momento em diante, IBOPE e DataFolha dão Covas como mais próximo de Maluf, disputando com Rossi. Marta vinha atrás.

d) SOMENTE NO DIA DA APURAÇÃO, FICAMOS SABENDO QUE MARTA SUPLICY TINHA QUASE TANTOS ELEITORES QUANTO MARIO COVAS.

Isso mesmo! A petista foi PREJUDICADA por uma escandalosa divulgação de pesquisas obviamente ridículas.

A grande "virada" do Covas não foi sobre Maluf. Foi sobre Marta, mesmo, com o auxílio luxuoso do pandeiro do Ibope e do reco-reco do DataFolha.

Em 2000, Marta estava bombada por essa eleição e Maluf BOMBARDEADO por Pitta. Foi uma surra. Alckmin, nesse mesmo ano, ficou num vergonhoso TERCEIRO LUGAR em SP (pra prefeitura).

O resto é história. E a história é feia como sempre.

Gravatai Merengue em fevereiro 20, 2008 9:25 PM


#49

Idelber, já que a onda é pedir post, vou entrar na fila do Pedro Páramo. É um dos livros que mais gosto.

Guto em fevereiro 20, 2008 11:24 PM


#50

Nessa de viradas de ultima hora, nao me lembro direito, mas acho que foi Janio Quadros X Fernando Henrique disputando a prefeitura de Sao Paulo, que o Fernando Henrique ja tinha ate tirado foto sentado na cadeira de prefeito. Depois que saiu o resultado, Janio mando desinfetar a cadeira hahaha FHC, pra variar, colocou a culpa no PT...foi isso mesmo? faz tanto tempo e meu cerebro anda mal das pernas

julio em fevereiro 21, 2008 3:36 AM


#51

exato, julio: 1985, e o candidato do PT era Suplicy.

Guto, estou achando que Pedro Páramo é uma boa pedida para o Clube de Leituras. Vou lançar a idéia, vamos ver se temos quorum.

Marcus, valeu, estou considerando essa possibilidade, sim.

Gravata, comecei a me lembrar dos detalhes, que coisa aquela eleição, hein?

Idelber em fevereiro 21, 2008 4:36 AM


#52

Idelber,
pois é, eu contei umas semanas atrás lá no PAS que aqui na Batávia já paasou no "jornal nacional" imagens do Quênia, com aquela gente pobre, desdentada, e pior, muçulmana, falando das esperanças deles em relação à vitória do Obama (=invasão africana na terra da oportunidade).

Márcia W. em fevereiro 21, 2008 5:02 AM


#53

Márcia, onde anda o PAS? Que sumido!

(quanto ao Quênia, aguarde; chumbo grosso virá, não se preocupe)

Idelber em fevereiro 21, 2008 5:54 AM


#54

Caro Idelber
Através de suas palavras (e também dos comentários) tenho acompanhado o périplo dos candidatos, EM CAMPANHA, ao longo dos EUA. É muito bacana tudo isso. Mas certamente haverá norte-americanos que apontarão falhas e distorções nesta prática e no processo eleitoral em geral (não estou falando da notória falha que houve na Flórida).
Já aqui em nosso país bastam andanças em São Paulo e adjacências. De fato a oposição verdadeira nas casas parlamentares só existe também naquele estado! Portanto é curioso ouvirmos restrições a H.Clinton quando ela teria dado menos atenção a dois ou três estados. Por aqui se dá atenção a um (1) estado e se esquece os outros vinte e tantos.
Aqui no Estado do Rio, por exemplo, não existem COMO PARTIDOS POLÍTICOS, nem o PT, nem o PSDB. Embora no Estado do Rio, o PT viva HOJE alguns dos seus melhores dias com milhares de militantes empregados em diversos postos.
Idelber, enquanto os EUA mantém essas práticas democráticas (MESMO EVENTUALMENTE COM PROBLEMAS)nós aqui estamos, em carga acelerada, perdendo algumas instituições que PODERIAM garantir a democracia. Hoje há menos oposição parlamentar do que havia no período de governo militar!

Paulo em fevereiro 21, 2008 8:21 AM


#55

PS2: Falando em "análise tri-dimensional" sobre Cuba e Fidel, leiam o que Carlos Alberto Montaner (escritor cubano exilado em Madri) escreveu sobre o tema.
É importante ler até o fim e daí tirar conclusões.
Click em
http://www.estado.com.br/editorias/2008/02/21/int-1.93.9.20080221.19.1.xml?

Islander em fevereiro 21, 2008 9:53 AM


#56

Alexandre: nunca vi coisa mais sem educação em toda a minha vida! É como se você entrasse na casa de uma pessoa para agredí-la. A internet ainda é um veículo democrático, no qual as pessoas podem escolher o que lêem, onde lêem, o que escrevem, onde escrevem. Um blog não é um jornal, com suas pautas "obrigatórias". Aliás, o legal dos blogs é justamente refletir as idéias, opiniões, vontades, convicções, etc, do seu blogueiro. Portanto, um comentário como o seu, além de extremamente deselegante, é um atentado contra o direito de expressão do Idelber e demais participantes deste blog (e ainda acompanhado de ridículas ofensas particulares).
Idelber: quando quiser, pode apagar, afinal o blog é seu. Desculpe, mas não agüentei...

Ana Carolina em fevereiro 21, 2008 10:41 AM


#57

Ana, provavelmente ele não poderá ler seu comentário, porque já teve o IP bloqueado. É o único leitor já banido daqui na história do blog. De 6 em 6 meses ele volta para uma aparição especial.

Já é parte do folclore do blog :-)

Idelber em fevereiro 21, 2008 10:47 AM


#58

Idelber!
Não tenho comentado mas não passo um dia sem vir te visitar. Tenho procurado buscar tudo que posso sobre Obama, para formar uma opinião mais consistente sobre ele, porém o material mais antigo que encontrei foi de outubro de 2006. Mas, tendo em vista sobre o que tenho lido, penso que ele representa muita mudança, sim. Não só pelo fato de ser negro, mas também, por suas posições polêmicas, para padrões americanos:
reafirmou em discurso, a sua intenção de iniciar a retirada militar do Iraque e de fechar a base militar de Guantánamo, em Cuba, se ganhar as eleições de novembro de 2008.

Num fórum sobre política externa em Portsmouth (New Hampshire), o senador também expressou sua intenção de aplicar uma política de aproximação diplomática com governantes de países hoje considerados adversários dos Estados Unidos."Nossa capacidade de liderança vem sendo reduzida por nossas próprias bravatas e pela recusa a falar com países que não são de nosso agrado", criticou.

Em discursos anteriores, Obama, disse que está disposto a se reunir com governantes de Cuba, Venezuela, Coréia do Norte e Irã, países abertamente antagônicos à política externa americana.Sobre o Iraque, o senador do estado de Illinois criticou "uma equivocada guerra que nunca deveria ter sido autorizada".
Ele prometeu que, se eleito, iniciará a retirada das tropas americanas a partir de março de 2009. Já declarou-se a favor do Software livre, reconhecendo a verdadeira importância dos padrões abertos". Só isso já nos faz crer em novos ventos!
Por favor corrija-me se estou errado.

Quanto a El Comandante, um ótimo artigo esta no link abaixo:
http://www.thenation.com/doc/20070514/forum (descobri no Blog do daniel Lopes).

Não participei do último clube de leitura (já estou apertando o meu cilício), por motivo de força maior (férias em Florianópolis), mas já estou querendo Pedro Páramo, também.
Abraços

paulovilmar em fevereiro 21, 2008 9:46 PM


#59

Está certíssimo, Paulo. Sobre a história legislativa do Obama, ver este link, que é bem informativo.

Idelber em fevereiro 21, 2008 10:04 PM