Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email:
idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro







selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« Obama, Clinton e política externa americana :: Pag. Principal :: Marcelo de Lima Henrique, o sr. dormiu bem à noite? »

sábado, 23 de fevereiro 2008

Galo aos sábados: Homenagem à maior de todas

Elis Regina tinha mais recursos técnicos e Carmen Miranda teve mais impacto fora do Brasil e em outras artes, como o cinema. Mas a maior cantora dessa terra de cantoras foi Cássia Eller, a atleticana:

cassiaeller5.jpg

Duas das melhores memórias de minha vida são de shows de Cássia. Às vezes ela entrava, parava ante o microfone, virava a cabeça e cuspia no chão, dava uma “coçada no saco” e gritava: Galôôô! Nos shows em Minas Gerais, era delírio coletivo na certa. Tímida e reservada, ela explodia quando subia ao palco. Despretensiosa, ela tinha um conhecimento musical gigantesco. Tudo o que gravava trazia a sua assinatura, inconfundível. Quando gravou “Na Cadência do Samba”, de Ataulfo Alves e Paulo Gesta, deu à canção uma sonoridade blues que fazia aflorar toda uma conversa entre esses dois gêneros musicais. Assim era Cássia: inventava coisas que ninguém havia visto. Depois da invenção, tudo parecia óbvio e cristalino. Não é uma boa definição para o que sempre faz um verdadeiro artista?

Os dois grandes letristas da geração roqueira que se consolidou na década de 80 – Cazuza e Renato Russo – não podiam imaginar que nos anos 90 uma excepcional cantora extrairia de suas músicas sentidos que eles mal puderam entrever originalmente. Cássia tinha sobre sua colega de geração mais badalada pela mídia, Marisa Monte, uma série de vantagens: era uma artista mais autêntica, mais propensa a correr riscos, além de ser uma instrumentista superior. Poucas roqueiras foram tão respeitadas por sambistas. Poucas artistas da MPB foram tão idolatradas por metaleiros e punks. Até na morte ela foi pioneira, quando sua companheira Maria Eugênia venceu a mais justa das batalhas judiciais, pela guarda do filho Chicão, derrotando uma absurda demanda do avô do garoto e abrindo um precedente jurídico importantíssimo para casais de gays e lésbicas no Brasil.

A minha foto favorita de Cássia é a da capa de seu primeiro disco:

disco9.jpg

Também gosto muito do jeito que ela segura o cigarro na capa do segundo:

disco8.jpg

Quando mais "invocada", mais sexy ela parecia:

29cassiaeller3.jpg


E o charme com que ela cantava "Malandragem"?

Na entrega das faixas de campeão da Série B de 2006, contra o América-RN no Mineirão, o Atlético-MG homenageou Cássia Eller com o Galo de Prata, a mais alta honraria concedida a um atleticano. Sua mãe recebeu o troféu, enquanto 60.000 torcedores gritavam o nome de Cássia.

Cássia Eller foi enterrada com um bótom do Galo preso a um lenço laranja amarrado à cabeça. Que ela tenha morrido aos 39 anos de idade é um desses acontecimentos que nos lembram que não existe justiça no mundo.



  Escrito por Idelber às 05:36 | link para este post | Comentários (48)


Comentários

#1

Amo a Cássia também. Vozeirão, ousadia, sensabilidade. Que merda mesmo que ela morreu tão jovem, por ela que tinha tanta coisa a viver e o filhote para curtir/criar, e péssimo para a gente que perdeu a moleca que levava a gente pela mão por uns caminhos surpreendentes. E viva Cássia que me deu motivo para comentar na seção futebolísitca, com todo respeito.
Márcia,
(belzontina-atleticana por parte de pai)

Márcia W. em fevereiro 23, 2008 6:18 AM


#2

Concordo plenamente contigo, Cássia era maravilhosa,Cazuza e Renato Russo os dois grandes letristas da geração roqueira. Afinidade musical de uma geração marcada pela ditadura.
Um abraço

Izabella em fevereiro 23, 2008 8:37 AM


#3

Idelber,
assim como você sou anti-direita, atleticano fanático, admirador da Cássia Eller (ela é a patrona musical do meu casamento) e simpatizante (já entusiasmado) do Obama. Não é à toa que o seu blog está entre os meus favoritos. Provavelmente você trabalha muito em seus afazeres acadêmicos, contudo não posso deixar de dizer que fico frustrado ao não ver novos posts inseridos por você nas minhas visitas mais do que diárias ao seu blog, com o qual me identifico um bocado.
Parabéns.
Paulo Machado

Paulo Machado em fevereiro 23, 2008 8:48 AM


#4

Interessante o "Galo de Prata". Mas qual a razão de ele ter sido dado ao Ajax da Holanda e ao Öis Örgryte Gotemburgo (??) da Suécia?

Henrique em fevereiro 23, 2008 9:46 AM


#5

Não sou atleticana. Mas se a Cássia era, então o Galo acaba de ganhar a minha mais sincera simpatia!

Ana Paula em fevereiro 23, 2008 10:02 AM


#6

Idelber: a Cássia foi, realmente, tudo isso. Compreendo que você goste mais dela do que das outras. Mas afirmar que ela foi a maior das cantoras desta abençoada terra de cantoras... Acho que você precisa ouvir com mais atenção a discografia da Clara Nunes. Esta sim, cantava com a força de uma tempestade tropical. Abração!

Bruno Ribeiro em fevereiro 23, 2008 10:06 AM


#7

(só uma provocadinha pode, né, Idelber?)
Se vc fica feliz com Cássias e séries Bs* da vida, imagina se torcesse pro Inter e gostasse de Pink Floyd? Banda e time que jamais pisaram numa segundona, hein? hehehe

Abraço, Idelber, todo dia entro no seu blog. Malgrado eu seja daquela leva que veio do Nassif, Pedro Dória, etc., valorizo muito o tipo de site que vc tem, pessoal, variado e inteligente.

*segunda divisão é o nome correto, afinal, ninguém se refere a "série B italiana", "espanhola", etc.

Moses em fevereiro 23, 2008 10:19 AM


#8

A Cássia Eller tinha uma coisa fantástica -- que ela só compartilhava com Elis --, uma sensibilidade sem igual para repertórios. Por isso os novos discos dela eram sempre surpreendentes. Quando a Marisa Monte despontou com aquele disco fabuloso, eu pensei que seria ela a herdeira do dom de Elis, mas coube a Cássia esse papel.

Mas ela certamente não foi a maior cantora do Brasil. É ainda temerário declarar que ela foi a maior da sua geração, pois Marisa Monte, ainda que seja de fato menos autêntica que Cássia e que seus discos não sejam tão bons, é uma cantora mais completa, mais versátil.

Leonardo Bernardes em fevereiro 23, 2008 11:27 AM


#9

Caro Idelber,
Este post deixou-me saudosista. Há 10 anos assisti a um show histórico, no Sambódromo, com Cássia Eller abrindo para Bob Dylan, que abriu para Rolling Stones. Quando Cássia subiu ao palco, pipocaram gritos de Galo na Praça da Apoteose.
Lamartine Babo-América, Lupicínio Rodrigues-Grêmio, Jorge Ben-Flamengo, Chico Buarque-Fluminense, Gilberto Gil-Bahia, CÁSSIA ELLER-GALO: a nossa dobradinha é a mais forte e autêntica. Quando a menina migrou para Beagá, devido ao nomadismo do pai militar, aportou-se no Bairro São francisco, próximo ao Mineirão, onde foi testemunha ocular da geração brilhante do Rei. Aí foi covardia, pois quem era menino, como nós, àquela época, estava fatidicamente "adoecido" pelo pathos alvi-negro.
Saudações nostálgicas!

Homo antiquus em fevereiro 23, 2008 12:35 PM


#10

Olá Idelber,
Vi -ou li, uma entrevista com a Cássia Eller onde ela dizia que sentia um prazer enorme em juntar-se ao coro atleticano, principalmente quando o adversário era o Cruzeiro, e mais ainda quando o goleiro era Raul Plassmann, que na época, decidiu envergar camisas coloridas e não preta como de praxe. E a torcida atleticana não perdoava e entoava o coro chamando-o de 'Wanderléa' eh eh eh.
Mas acho que querem te provocar quando afirmam que a cruzeirense Clara Nunes é melhor que a Cássia : > )

FM em fevereiro 23, 2008 1:45 PM


#11

Ah, nada como um superlativo para criar a saudável polêmica! Claro que Cássia Eller foi a maior cantora de todos os tempos, gente! Estão loucos? :-)

Vamos lá:

Pois é, Márcia, só Cássia mesmo para te trazer para a seção Galo. Mais um pouquinho e a gente te converte :-) Beijos, e abraços alvi-negros para o seu pai.

É isso, Izabela. E Cássia foi também um rito de passagem para eles. Foi uma espécie de saída da adolescência da "Geração Coca-Cola" (outra canção para a qual Cássia inventou sentidos inusitados, aliás).

Paulo, nossa, quanta coincidência! Tem certeza de que você não se chama Idelber? Puxa, atualizações mais frequentes do que eu tenho feito? Você viciou mesmo, hein? Assine o feed, assim não tem que voltar toda hora para ver se tem post novo.

Henrique, não tenho a menor idéia. Se a memória não me falha, o Galo travou um duelo histórico com o Ajax num torneio de verão nos anos 80, naquele tempo em que esses torneios eram muito valorizados. Acho que o clube sueco foi um parceiro. Ou é. De novo, se não me falha a memória.

Ana Paula, bem vinda à família!

Bruno, você tirou da minha boca. A versão original do post era: "junto com Clara Nunes, a maior cantora dessa terra de cantoras". Tenho a obra completa de Clara, ouço sempre; já escrevi sobre ela, inclusive. Será parte do meu próximo livro, com certeza.

Moses, seja sempre bem vindo, meu caro. O Inter é um grande clube, pelo qual tenho muita simpatia. É meu segundo time, neste momento. Mas Pink Floyd???? Nossa, isso eu ouvia entre os 12 e os 14. Depois já passei para Velvet Underground, e nunca mais voltei. Vou lhe conceder uma coisa: The Piper at the Gates of Dawn é um grande disco. Daí para frente, sei não...

Caro Leonardo, que excelente o seu blog. Pois é, trata-se da velha discussão: o/a maior seria algo que definiríamos só pelos recursos técnicos? Ou pelo pacote completo, que inclui postura, impacto artístico, integridade etc.? Não discuto que em termos de estritos recursos técnicos, Elis e Marisa Monte foram superiores. Mas quando olho o "pacote completo", eu ainda mantenho minha hiperbólica afirmativa. Mutatis mutandi, é a mesma razão pela qual considero Drummond um poeta superior a Olavo Bilac ou Cruz e Sousa, por exemplo, que em termos estritamente técnicos talvez tenham tido mais recursos que ele.

Homo antiquus, pois é, a identificação de Cássia com o Galo é muito mais intensa que essas outras que você cita. Até nisso ela foi atleticana: sua identificação era mais intensa. Uma coisinha: ela virou atleticana bem antes de Reinaldo! Aos 9 anos de idade, em BH, ela comemorou o Campeonato Brasileiro de 1971.

Frank, meu caro, de onde você tirou que Clara Nunes era cruzeirense? Tem certeza? Minha impressão é de que ela era alvi-negra também....

Abraços,

Idelber em fevereiro 23, 2008 2:46 PM


#12

Poxa!
Era mais atleticana do que eu imaginava, então.Saiu de BH aos 10 anos, antes de ver o Rei jogar. Estranho. Vi uma entrevista dela em que falava que assistia aos jogos do Reinaldo no Mineirão. Não coincide com a época em que morou aqui.

Homo antiquus em fevereiro 23, 2008 3:09 PM


#13

Não, não coincide. Ela nasceu no Rio em 1962. Aos 6 anos de idade, se mudou para BH. Aos 10 foi para Santarém. Aos 12 voltou para o Rio. Aos 18 se mudou para Brasília.

Mas, onde estivesse, ela dava um jeito de assistir as partidas do Galo. E não era incomum que pegasse um avião para ir a BH ver um jogo.

PQP, é absurdo o amor que eu tenho por essa mulher. Eu não devia nem escrever sobre ela.

Idelber em fevereiro 23, 2008 3:30 PM


#14

Olá caro Idelber,
quem afirmou isso foi Hilton Oliveira 'a esfinge', campeão pelo Cruzeiro em sua estreia no campeonato mineiro de 1959. Ele marcou o primeiro gol dos 3x 1 sobre o Democrata.
Ele começou jogando no time da fábrica Renascenca, onde Clara Nunes e ele trabalhavam.
São palavras dele:
“Eu jogava no time da fábrica Renascença, onde ela trabalhava. Quando fui para o Cruzeiro, a gente continuava se vendo com freqüência, pois ela cantava nas festas da sede urbana, no Barro Preto. Ela era tão apaixonada pelo clube que foi eleita madrinha da bateria que animava o time no Mineirão. Clara não perdia um jogo e sofria até nos mais fáceis, sempre tremendo e roendo as unhas.” (tirei isso de uma entrevista num blog, mas não me lembro o link)
Bem, não me meto nesta 'pelea' mineira.
Pode até ser que ela tenha trocado a camisa, mas meu coração bate bem pelas duas ; > )

FM em fevereiro 23, 2008 3:30 PM


#15

Caraca, Frank, vou atrás dessa informação. Minha impressão era outra. Mas aqui não tenho certeza. Vou checar. Valeu :-)

Idelber em fevereiro 23, 2008 3:32 PM


#16

Caro Idelber,
Você não acha que essa coisa de eleger os melhores não causa um certo desconforto?
Você não acha, por exemplo, que exista um não reconhecimento do que representou Rita Lee?
Ela emplacou várias músicas num tempo em que nem se sonhava, que uma mulher pudesse compôr tocar e cantar.
E olha que nesta época, Elis era viva e Gal e Bethânia eram divas absolutas.
Eu vi a Elís Regina num programa na TV Cultura dizendo que gostaria de ter a presença de palco da Rita. É claro que guardo a distância do tempo m que Elis disse isso.
Rita Lee era e é muito mais competente do ponto de vista instrumental que qualquer moça que surgiu depois da década de 80. Além de ser muito mais criativa.
Eu não vivo assoviando as músicas da Rita Lee, mas acho que exista um certo preconceito por ela ela ser demasiadamente rock' n rol e paulista.
Acho que para ela ser completa, faltou para ela ser gay ;>)

Fm em fevereiro 23, 2008 5:48 PM


#17

Como a Elis, a Cassia era uma não-compositora que carregava cada música com sua personalidade, virando quase co-autora. É difícil ouvir alguma música gravada pelas duas que se supere em qualquer outra interpretação.

A frase de "Certas Canções", do Milton e do Tunai, encaixa-se às duas: "Certas canções que ouço/ Cabem tão dentro de mim/ Que perguntar carece/ Como não fui eu que fiz."

Elis, gremista no Sul, era corintiana em São Paulo

Alessandra Alves em fevereiro 23, 2008 6:09 PM


#18

Indiscutível que Cássia Eller tenha sido a melhor de sua geração. E "melhor", claro, entendo por "minha favorita", já que não sou um aparelho de medir afinação e cacofonias.

Sou um aparelho falível, porém dotado de emoções.

Mas, para ser a melhor do Brasil, complica para Càssia a existência de Maria Bethânia. Ela nos faz chorar ouvindo até "parabéns a você".

Aí um diz "ah, mas ela é intérprete" e eu retruco: "Elis Regina era cantora lírica?"

E assim vamos.

Aliás, nem sei o time da Bethânia. Desconfio que seja o Bahia, pois ela participou da gravação de "Doces Bárbaros Bahia EC" (eu tenho o CD! :D).

* * *

Caetano Veloso, gravando o hino do Bahia em estúdio no ano de 1969, e depois (também em estúdio) no ano de 2003 conseguiu fazer as duas melhores gravações de hino de futebol por artista de música popular (fonte: DataEu).

Fiz a ressalva do "em estúdio" porque, no Barra 69, ele gravou ao vivo (e ficou uma merda, embora obviamente muito emocionante)

* * *

Não brige comigo, mas em MG sou Cruzeiro - por razões do coração. Mas sei que o Galo e o Tricolor são times irmãos naqueles fatores sangüíneos e genéticos que realmente importam aos verdadeiros torcedores: os ídolos.

As torcidas não se parecem, não têm a mesma vibração, não há qualquer similaridade no que é objetivo. Mas ambas AMAM Telê Santana e Toninho Cerezo.

É o bastante para uma irmandade futebolística. O resto é equação de comentarista caga-regra.

E vamo que vamo! :D

Gravatai Merengue em fevereiro 24, 2008 12:10 AM


#19

Sou obrigado a discordar do comentarista FM - e o faço com a cordialidade que este espaço exige -, em razão da seguinte observação:

"Ela (Rita Lee) emplacou várias músicas num tempo em que nem se sonhava, que uma mulher pudesse compôr tocar e cantar."

Com todo respeito, prezado FM, mas que época foi essa, mesmo? Se estamos falando da Rita Lee ainda viva, ou seja, sua última encarnação, então acho que os dados estão equivocados.

Ela se consolidou como compositora nos anos 70 e 80. Antes dela, houve uma miríade de outras mulheres compondo.

Nem vou entrar naquelas de Chiquinha Gonzaga, pois vão dizer que é apelação, clichê blablabla. Então vamos de Dolores Duran, que compôs com mestres (Vinícius etc), nasceu em 1930 e já cantava aos 15.

Uma estrofe da Dolores, com todo respeito a quem goste de Rita Lee, supera toda a obra da prima de segundo grau do rock brasileiro (já que Celly Campello é a mãe e Wanderléa é a irmã mais velha).

O trabalho como backing vocal dos Mutantes, bem como sua forte vocação para o "pandeirinho meia-lua", fizeram de Rita Lee uma partícipe de grande virada de nossa música.

Ultimamente, porém, sua obra se resume a músicas feitas para telenovelas (obras ricas como "Zazá" - CadÊ zazá, zazá, zazá... - ou ainda o vigor de pôr melodia em versos do glorioso poeta Arnaldo Jabor - sim, aquele).

No fim das contas, acho que Rita Lee é e sempre foi supervalorizada. É o mínimo que se pode dizer de uma cantora que é substituída por Zélia Duncan e crítica e público dizem que ficou tudo bem.

* * *

Dado curioso: o texto mais lido do planeta, a Bíblia, teve sua primeira parte - Pentateuco - escrito por uma mulher, que é chamada de "autora javista". Em termos de "mulheres na literatura" podemos dizer duas coisas: a) a antiguidade é absurda; b) bem que elas poderiam ter escrito uma coisinha melhor, né? Aquele "Gênesis", vou te contar... :D

Gravatai Merengue em fevereiro 24, 2008 12:21 AM


#20

Idelber, que bom que você gostou, chapa.
Olha só, considerando os seus critérios de fato Cássia passa muita gente, mas ainda é um embaraço alcançar Elis. Antes de mais nada, deixe-me fazer coro com o Gravatai.

Maria Bethânia é sem dúvida outro grande obstáculo no caminho de Cássia ao pódio. Aliás, não duvido que possamos passar o resto do ano discutindo isso, mas por acaso eu achei um disco extraordinário da Bethânia, que argumenta melhor do que eu poderia fazer.

Sim, voltando ao meu argumento inicial -- Elis é imbatível. Mesmo considerando aspectos não-técnicos, ela era especial. Como a Cássia (elas têm muitas coisas em comum), ela primava por bons músicos, Elis era ainda uma pessoa expressiva -- o que torna o comentário sobre a Rita apenas uma concessão da modéstia --, ousada, eclética, versátil, tinha caráter forte. Meu argumento, nesse terreno, é o especial da TV Cultura, feito para o programa Ensaio (de 72, salvo engano..), é um tesouro para os que apreciam esse agregado de aspectos técnicos e espontâneos que formata cantoras como Elis e Cássia. Recortei e publiquei no Youtube uma das minhas músicas preferidas. Acreditem, ela põe o dedo no coração da gente.

A Rita é uma matéria complicada, paradoxal, há algo de supervalorizado sim, ela vive da força do seu passado, sobretudo os primeiros anos da carreira solo. Hoje em dia está em franca decadência. Mas ela nunca foi devidamente prestigiada pelo seu papel no rock brasileiro (e na música brasileira com Os mutantes), como também não foram Sérgio Dias e Arnaldo Batista. As músicas e letras deles são coisas incomuns -- hoje nós aplaudimos fervorosamente coisas infinitamente inferiores.

Ó, a conversa tá boa mais o madrugada já vai alta , assim como o nível etílico no sangue (ou sanguíneo no álcool?). Amanhã vejo os contra-argumentos. :)

Leonardo Bernardes em fevereiro 24, 2008 3:32 AM


#21

Gravataí, peraí e ueitamoment! E a gravação do Tim Maia para o hino do América?!?
Falando no Tim, desabafo meio off-topic: odiei o livro do Nelson Motta, achei mó desperdício de biografado, prontoconfesseipontocompotobr...
Idelber, mudaram as estações e Cassia rules!

Márcia W. em fevereiro 24, 2008 5:23 AM


#22

Gravataí, peraí e ueitamoment! E a gravação do Tim Maia para o hino do América?!?
Falando no Tim, desabafo meio off-topic: odiei o livro do Nelson Motta, achei mó desperdício de biografado, prontoconfesseipontocompotobr...
Idelber, mudaram as estações e Cassia rules!

Márcia W. em fevereiro 24, 2008 5:23 AM


#23

Meu caros (e cara Alessandra), hoje não vai haver contra-argumentos, porque a madrugada por aqui também já vai bem avançada e eu tenho -- vejam que coincidência -- que terminar um artigo para uma revista colombiana justamente sobre o problema do valor; como se define o valor; como várias escolas de crítica literária passaram por "puramente descritivas" e esconderam suas valorações etc. De tanto matutar sobre esses textos a noite toda, não consigo valorar mais nada agora :-(

Sobre a Rita, eu concordo com o Leonardo, ou seja, estou a meio caminho entre o Frank e o Gravata: além do trabalho nos Mutantes, eu gosto muito da fase Tutti-Frutti. Há algo legitimamente rock'n'roll ali, uma sonoridade bluesy, ótimas letras, um som despojado, seco. Na fase Roberto de Carvalho eu salvo muito pouca coisa. E hoje em dia, bom, hoje em dia nem pensar.

Idelber em fevereiro 24, 2008 5:26 AM


#24

hahahah, Márcia, não está boa a biografia do síndico? Puxa, estive com o Nelsinho em Parati, ele parecia animadíssimo com o livro!

Idelber em fevereiro 24, 2008 5:27 AM


#25

Ah, e gravação de hino de futebol é Paulinho da Viola cantando o hino do Vasco (além do Tim, claro). O resto é resto.

Aquele Barra 69 é uma podreira de disco.

Idelber em fevereiro 24, 2008 5:29 AM


#26

Idelber

ela tem de facto esse ar malandro e sedutor. mas na minha opinião não é nem de perto a melhor voz do Brasil.interpreta num tom agressivo que retira alguma harmonia, eu acho. vale pela força.
que dizer então de uma Alcione, de uma Elis, de uma Bethania, enfim...o que não falta é escolha, vozes muito melhores que a da kassia. valerá pela contexto, não exactamente pela voz, na minha humilde opinião...

cristina em fevereiro 24, 2008 12:25 PM


#27

bom, que não fique a ideia de que não gostoda Cassia, era até heresia!

acabei de ver uma coisa linda!! olhe aqui:
http://www.youtube.com/watch?v=PtkejvGp0-8

cristina em fevereiro 24, 2008 12:43 PM


#28

Caro Ildeber,

Parabéns de novo.E que tal um bacalhau aos domingos. Começe pelo Jamelão, passe pelo poeta Drumond e vá até o Aldir Blanc. "Há muito tempo nas águas da Guanabara ..." Lembrar do Eurico foi f..., hem?! Viva a Cassia! E porque não o Galo? Abraços. cláudio

cláudio em fevereiro 24, 2008 2:03 PM


#29

Pô, Idelber, você quase me mata do coração com esse post. Sim, saudades da Cássia. É verdade, a vida parece injusta nesse sentido, mas pelo menos pensamos, pois é, tem gente que pode viver muito mais e não fazer tudo o que ela fez, ou não deixar, pelo menos, tanta gente entusiasmada a fazer um comentário sobre ela.

paula em fevereiro 24, 2008 3:17 PM


#30

Oi, Paula, que bom saber que Cássia continua te tocando aí do outro lado do oceano :-)

Idelber em fevereiro 24, 2008 3:42 PM


#31

Professor Idelber Avelar:

Muito obrigada pela oportunidade que me deu para ver a Cassia Keller. Sobre Rita Lee, Arnaldo Dias Baptista, ex-marido e amparo musicalaté Tutti Frutti, mandou ver em entrevista aqui nos EUA.
Dolores Duram foi uma super-compositora. Me amarro nela.
Ouvi o YouTube da Cassia Keller antes de ler opost e ela me lembrou o Cazuza. Justamente o cerne da sua observação. O resto, o CAM e quejandos é gosto pessoal. Além do que, estou de cabeça inchadíssima por causa do meu Botafogo. Foi ligar a TV e vê-lo perder. Por falar em TV, já estou de olho no Red Carpet.
Boa noite, obrigada pelo post.

tina oiticica harris em fevereiro 24, 2008 7:28 PM


#32

delber,
na verdade achei que o livro do Nelson Motta deveria se chamar algo tipo: Causos, drogas e músicas em Tim Maia.
Tem uns capítulos que os parágrafos se seguem no maior non sequitur e achei o livro em geral sem organicidade.
Depois me irritou bastante o NM entregar todo mundo que cheirou, fumou ou viajou com o Tim, mesmo quando isso não era nem um pouco relevante. Por exemplo, o que me acrescenta saber que o Marcelo D2 fez aviãzinho para o Tim? Muda musicalmente alguma coisa? E me irritou mais ainda que ele, NM, no livro, nunca deu nem um tapinha ou cheiradinha sequer...hum, sei...
(desculpe, pelo jeito resenheipontocompontobr mas foi você que provocou ;>))))
E aí, já descobriu nesse ínterim o que é o valor? :-))))

Márcia W. em fevereiro 24, 2008 7:30 PM


#33

Marcia W, você lê uma biografia para ouvir música ou saber da vida do cara? Acho o Nelson Motta um mala ao quadrado, mas conseguiu um tom bem fluente ao contar a vida do Síndico. Leitura leve, de verão.

Outro dia comprei um CD de Guilherme de Brito, maior parceiro de Nelson Cavaquinho, co-autor de "A Flor e o Espinho". Estou lá ouvindo tranqüilo, com o ouvido ajustado para o romantismo dark da Mangueira dos anos 50, quando entra a voz rascante de Cassia Eller, fazendo um dueto fuderoso com o velho sambista. Arrepio. Voltei a faixa trocentas vezes. "Erva Daninha" entrou para o meu rol de clássicos eternos e imperdíveis. Recomendo!

Daniel Brazil em fevereiro 24, 2008 7:52 PM


#34

tina e cristina, obrigado (adorei o vídeo) :-)

Márcia, descobri não. Mas descobri por que tanta gente se recusa a discuti-lo... Já é alguma coisa, né?

Aliás, você e o Daniel estão me estimulando a ler a biografia do síndico DJÁ!

Idelber em fevereiro 25, 2008 4:47 AM


#35

Daniel,
achei o livro mal escrito. Leve com certeza, mas na IMHAARO (=in my most humble and almost always right opinion, rs rs rs)foi uma descrição de situações, engraçadas, tristes, ótimas, concordo, mas que no meu entender não serviram nem ao propósito de contar a história do Tim com mais profundidade nem de ir fundo no lado musical dele. Sei que o NM pesquisou praca e por isso mesmo fiquei com a impressão de que ele aproveitou mal a fartura de material. Um outro livro dele que li, passado no carnaval soteropolitano, não me lembro o nome (leitura leve de verão, rs rs) é muito melhor escrito.
Idelber você descobriu algo MUITO importante. Quando der bote na roda.

Márcia W. em fevereiro 25, 2008 6:13 AM


#36

Eu, como não tenho a menor paciência pra futebol, devo confessar que pulo esses posts "Galo aos sábados" sem nem ler, e só não o fiz desta vez porque vi as fotos. Homenagem genial. Viva a Cássia!

Ju Sampaio em fevereiro 25, 2008 10:01 AM


#37

Ô Idelber, o Pink Floyd é uma banda porreta mesmo depois da saída do Syd Barrett...mesmo porque eu acho os solos do David Gilmour maravilhosos - o cara é melodista!
ter o Dark Side of The Moon é obrigatório... até pra rodar em sincronicidade com o filme "O Mágico de Oz"( e essa 'lenda urbana' funciona mesmo)...
abç!

ah, e a Veja, se desculpou pela capa escrota com a "causa mortis" da Cássia????

Serbão em fevereiro 25, 2008 11:24 AM


#38

Serbão, você já viu a Veja pedir desculpas por alguma coisa?

Idelber em fevereiro 25, 2008 11:27 AM


#39

Talvez tenha herdado da múisca erudita um grande amor à técnica. Assim, ainda fico com Elis, mas Cássia era demais e dou-lhe o segundo lugar sem discussão. Ela podia cantar qualquer coisa que era sempre apaixonado e significativo. Foi uma pessoa maravilhosa. Pena que tenha morrido cedo e de forma semelhante à Elis. As duas poderiam estar aí.

Por falar em amigas de Elis, aqui no RS ocorreu um fenômeno engraçado. Rita Lee virou colorada e diz isso também fora de Porto Alegre. Li na Folha: "agora sou colorada!". ????? Pensava que era algo que valia apenas quando vinha aqui.

Então, termina seus shows com a camiseta do Inter e ganha presentes e mais presentes do clube e da torcida a cada visita. Não deixa de ser curioso.

Milton Ribeiro em fevereiro 26, 2008 8:24 AM


#40

Grande Cássia Eller!
Que coincidência, ela e Clara Nunes morreram quase com a mesma idade: Clara estava prestes a completar 40 anos quando morreu. Passei os olhos na sua biografia e me deu vontade de ouvi-la cantar de novo.

Te em fevereiro 26, 2008 11:35 AM


#41

Idelber, voltei aqui porque este post me fez pensar sobre a dimensão trágica das grandes cantoras brasileiras.
boa parte delas teve morte prematura - Carmen Miranda, Elis, Dolores Duran, Sylvinha Telles, Maysa, Cassia Eller, Clara Nunes...
acho que rende um outro post...

Serbão em fevereiro 26, 2008 12:58 PM


#42

Olha, musicalmente, ok. E não duvido que fosse boa pessoa também.

Mas uma vez vi um show dela no Canecão, fui tomar umas no Cervantes depois e para minha surpresa ela ocupou com sua trupe a mesa à minha frente. E pior, ficou sentada diretamente diante de mim. Vou te dizer uma coisa, ela dava medo.

Hermenauta em fevereiro 26, 2008 6:03 PM


#43

Milton, difícil reconciliar ser corinthiano e colorado depois de 2005, né?

Te, eu também vejo Cássia e Clara muito juntas -- é curioso, porque os estilos são tão diferentes. Mas há algo na história delas que as aproxima, não é?

Serbão, sugestão anotadíssima. É curioso que a coisa vai além do Brasil: Billie Holiday, Janis Joplin etc.

Já imagino, Hermê. No álbum de retratos da Folha Online há uma sequência de fotos incrível: ela vai do "feminino" mais singelo a uma daquelas fotos em que ela parece zagueiro-central de um time do Felipão. Era uma camaleoa.

Idelber em fevereiro 26, 2008 8:13 PM


#44

gosto de Cassia, Mas nao comparem Elis com ela, por favor, A Cassia e otima mas nao chega nem ao pes de Elis. Isso e Fato! Elis E a Maior Cantora Brasileira de todos os tempos ate hoje...

Nat em março 11, 2008 2:27 PM


#45

Claro que a cassiaeller foi a cantora mais liberal, rebelde e louca do Brasil. Mas por outro lado ela era tudo de bom, era pura alegria, suas loucuras eram saudáveis nunca fez mal a ninguem sem contar a linda família. Parabens Eugênia Eller pela vitória. Vida longa a você e seu lindo filho Chicao.

clo em novembro 15, 2008 12:21 PM


#46

Na verdade, a Cássia Eller foi homenageada com o Galo de Prata em um jogo contra o América-MG (Galo 4 a 3), pela Copa Sul-Minas (de 2002, se não me engano). No intervalo, o Sideral e outros artistas atleticanos cantaram músicas como O Segundo Sol e Malandragem, acompanhados pelo coro da Massa.

Irismar em dezembro 30, 2009 8:28 AM


#47

Olá, Idelber.
Agora que percebi que este post é de Fev-2008. Cheguei aqui através de uma nota sua no blog do Nassif. De qualquer maneira, o que eu ia perguntar é se você tem conhecimento de algum registro da Cássia Eller cantando o hino do Atlético. Li em algum lugar que ela sempre cantava o hino no shows que fazia em Minas, talvez exista alguma gravação perdida por aí...

Irismar em dezembro 30, 2009 9:35 AM


#48

Eu sou fã incondicional da Cássia Eller, chorei qdo ela veio a falecer. Mas ela continua viva em nossos corações, pois sou Atleticano, toda vez que assisto o meu galo jogando eu me lembro dela.
Eu queria mto conseguir um vídeo qdo o galo fez a homenagem a Cássia, por favor me ajude, como eu faço para conseguir?
abraço Francisco 16/06/2010

Francisco Xavier em junho 16, 2010 7:25 PM