Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email:
idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Dilma na Rede
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Escreva, Lola, escreva
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Liberal libertário libertino
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro







selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« Jabá :: Pag. Principal :: Para discussão do debate Obama-McCain »

quarta-feira, 15 de outubro 2008

Homofobia e falsa indignação

Nos EUA, costuma-se distinguir entre racismo e o que chamamos race-baiting, que é usar o racismo alheio para benefício próprio, geralmente político-eleitoral. Ninguém em sã consciência diria que Bill Clinton é racista, mas parece-me inegável que ele tentou se aproveitar do racismo sulista contra Barack Obama nas primárias democratas da Carolina do Sul. Há que se conhecer o contexto americano para saber tudo o que se escondia na aparentemente inocente frase ah, não se preocupe, Jesse Jackson também ganhou as primárias da Carolina do Sul em 1984 e 1988.

A campanha de Marta Suplicy errou, e errou feio, ao introduzir as perguntas é casado? tem filhos? no final de um comercial em que fazia uma série de indagações legítimas sobre o passado político de Gilberto Kassab. Se existe algum falante de português deste lado do Atlântico que ainda não viu o anúncio, ele está aqui. Não me parece honesto negar que essas perguntas tentavam jogar com a homofobia alheia. Não me parece honesto dizer que “são perguntas como quaisquer outras”. Não me parece respeitoso com a inteligência alheia tergiversar, como o fez Jilmar Tatto (PT-SP), dizendo que “quando vou à periferia, me perguntam se sou casado, essas coisas”. A pergunta claramente tentava induzir uma reação homofóbica. A resposta do grupo LGBT de apoio à Marta, criticando o comercial, foi na veia. Acho que Marta errou uma segunda vez ao não assumir a responsabilidade pelo anúncio, colocando-o nas costas do marqueteiro. Um anúncio veiculado por uma campanha é de responsabilidade do candidato. Se viu ou não viu, se aprovou ou não aprovou, importa pouco. Ela é responsável pelo que sua campanha veicula. Reitero: condeno o comercial e condeno o fato de que Marta lavou as mãos.

Mas é no mínimo curioso ver os dois pesos e duas medidas da mídia brasileira. A Folha de São Paulo dedicou praticamente metade de seu caderno Brasil desta terça a essas duas frases no comercial de Marta. Vejamos qual é o histórico da Folha de São Paulo no respeito à vida pessoal da própria Marta Suplicy. Infelizmente, os links são restritos a assinantes.

No dia 28/10/2002, a Folha publicou coluna de Danuza Leão que dizia: Os estrangeiros usavam camisa esporte, e o único de terno e gravata era Luis Favre, com seu olhar de mormaço. No dia 18/05/2002, o Painel se preocupou em dizer: Depois de cada ato ou inauguração, a prefeita de SP, Marta Suplicy (PT), invariavelmente telefona para Luis Favre. Para relatar como foi o evento. Como se isso fosse notícia relevante. Ou como se tivesse sido notícia no caso de um político homem. O jornal não demonstrou nem meia linha de indignação no dia 10/08/2002, quando Garotinho disse: prefiro falar sobre o assunto com o franco-argentino que é de fato prefeito de São Paulo. Tampouco apareceu indignação alguma no dia 29/10/2001, quando Paulo Maluf se referiu a Favre como “gigolô”. Pelo contrário, o jornal designou a reação dos petistas contra a injúria como “discurso ensaiado”. No dia 15/02/2002, a Folha publicou coluna de Bárbara Gancia que concluía com a monstruosidade: Sabe por que ele é franco-argentino e não vice-versa? Porque não existe argentino-franco.

Não, leitores, essa baixaria xenófoba não saiu na Veja nem na Capricho. Saiu na Folha. O mais respeitado jornal brasileiro.

No dia 21/04/2001, a Folha reproduziu um texto de Cláudio Humberto – sim, aquele mesmo – que continha tantos insultos contra Marta Suplicy e Luis Favre que o Biscoito, simplesmente, se recusa a linkar. Era um anúncio pago de pura difamação, publicado pelo maior jornal brasileiro. Procurem no google. O fato é que o próprio ombudsman sugeriu um “erramos”, que jamais foi feito.

Eu poderia continuar até amanhã de manhã, linkando matérias em que a vida de Marta foi enxovalhada e ridicularizada, numa mescla perversa de sexismo e xenofobia. Que ela seja criticada pelas duas frases sobre Kassab que jogavam com a homofobia alheia. Mas quando será que os mesmos arautos da falsa indignação reconhecerão o seu telhado de vidro? Será que o jornal O Globo tem autoridade para criticar Marta por envolvimento na vida privada do adversário quando esse mesmo jornal, no dia 14/12/1989, publicou esse editorial sobre a infinitamente mais desprezível tática de Collor contra Lula no caso Miriam Cordeiro? No blog do aprendiz de pitbull da Veja, é hora de indignação contra o comercial de Marta. Talvez o blogueiro da Veja tenha se esquecido de que seu histórico de referências a gays e lésbicas é uma coleção de monstruosidades.

Comentando a repercussão do comercial em seu blog sob o título “O milagre de Dona Marta”, Noblat afirma que nunca antes na história deste país os mais destacados blogueiros haviam falado a mesma língua, defendido o mesmo ponto de vista. A lista de links fornecidos por Noblat é, salvo um, de funcionários da grande mídia. Com a exceção de Pedro Dória, não reconheço nenhum deles como “destacado blogueiro”. Suponho, caro Noblat, que há diferentes listas de “destacados blogueiros”. A minha inclui Alexandre Inagaki, Marco Aurélio Weissheimer, Fal Azevedo, Mary W. Certamente não inclui Daniel Piza ou Rosane de Oliveira. Na minha lista de “blogueiros destacados” não houve unanimidade nenhuma. O post mais inteligente, de longe, foi o da Mary W. Outra coisa que talvez valesse a pena dizer a Noblat é que o epíteto “Dona Marta” é insuportavelmente sexista.

Suponho que é consenso entre os leitores do Biscoito que a vida privada de cada um é problema de cada um. Suponho que também seja consensual que, para gays e lésbicas, sair ou não sair do armário é decisão de foro íntimo, que inclui consideração de tantos fatores que a última palavra é sempre decisão pessoal e intransferível. Mas quando há suspeitas de que um prefeito cria uma secretaria de desburocratização para abrigar seu suposto companheiro, a pergunta sobre o nepotismo e a transparência é, sim, de interesse público. A campanha de Marta não soube levantá-la. Espero que a indignação moral contra Marta leve a nossa mídia a um pouco de reflexão sobre o seu próprio telhado de vidro.



  Escrito por Idelber às 03:43 | link para este post | Comentários (191)


Comentários

#1

Ou seja - chamar de perua pode, chamar de viado (ou é veado que escreve?) não pode? Ora, diabos.

As leitoras casadas ou em coabitação podem dizer o quanto é chato quando, para resolver um problema, alguém quer falar "com o dono da casa" ou "com seu marido" - como se uma mulher não pudesse dar conta de lidar com o mesmo problema ou não fosse, também, a dona da casa! (e não "de" casa).

Imagina quando o "problema" vem a ser a prefeitura de uma cidade como Sampa... Haja paciência!

No mais, já disse que não vou com a cara nem de um, nem de outro. Só não gosto de cortina-de-fumaça em eleições ou discussões em geral.

PS - meio off-topic: pôxa, professor, que comentário desnecessário sobre as revistas da ed. Abril: a Capricho tem MUITO mais conteúdo do que a Veja! :P

Anna C. em outubro 15, 2008 4:29 AM


#2

É verdade, Anna. Eu não deveria ter colocado a Capricho em tão má companhia ;)

Idelber em outubro 15, 2008 4:47 AM


#3

Assunto delicado... X é deputada e ex-prefeita de uma grande cidade e sua chefe-de-gabinete é casada consigo. Eu - minha opinião pessoal - acho isso nepotismo, sobretudo porque a mulher era a toda-poderosa da cidade - gozando de cargo público - enquanto a X era prefeita. Até hoje, X é a guardiã da moralidade e falar disso é um tabu nas esquerdas e direitas. Pergunte em Brasília. Ou São Paulo. Ou Paraíba.

Um episódio muito foda, mas muito, foi quando Favre foi contratado pelo Duda Mendonça. Isso foi em 2003 e, naquela época, não havia irregularidade alguma. Era uma contratação, ué, e problema do Duda se der prejuízo. O salário seria de 20 mil/mês.

Em 2005, com o estouro do mensalão, Duda confessou que recebia grana do PT em contas do exterior. Ou seja: pagava seus funcionários - Favre incluído - com o dinheiro petista que chovia em dólares pelas contas gringas.

Não é "segredo de alcova" nem vida íntima. É uma promiscuidade com grana da pesada que passou batida pela mídia. Pouca gente juntou os pontos dessa história.

E, quando começamos a falar em Favre, já dizem "epa, é a vida íntima da Marta", mas às vezes é para falar desse caso do Duda, mesmo - eu honestamente não quero saber de casamento e coisa do tipo.

No mais, vamoquevamo! Abração!

Gravatai Merengue em outubro 15, 2008 4:58 AM


#4

Ótimo post, Idelber. E Gravataí, que chama Marta Suplicy de Marta Vasconcelos (porque isso é uma crítica política, né?), please...

Fábio Carvalho em outubro 15, 2008 5:09 AM


#5

Cara, eu procurei as tais citações monstruosas do Azevedo e só achei coisas do tipo:
"um país com a quantidade de menores abandonados que temos, arbitrar sobre isso me parece quase uma estupidez. Quem está certo de que a adoção de filhos por um casal homossexual é um malefício à criança e à humanidade está moralmente obrigado a escolher o benefício para a criança e a humanidade: adotar uma criança abandonada. Ou basta dizer um não, feliz com seu princípio, e fechar a janela?"
e
"Acho a militância homossexual um porre; esse negócio de querer brincar de papai e papai ou mamãe e mamãe me parece uma desnecessidade e adesão a um padrão superado até das relações heterossexuais. Mas e daí? O que essa gente tem de se meter? Nesse particular, discordo de certa militância conservadora: ninguém tem de se intrometer na decisão de dois indivíduos livres. Se querem fazer uma parceria civil, a lei não pode impedi-los. O “casamento” não sendo celebrado na Igreja — refiro-me a “Igrejas”, em caixa alta (só reconheço algumas) —, por mim, tudo bem. E por que não? Porque aí seria preciso mudar a Bíblia. Parece-me complicado, hehe. Tarde demais para novas palavras reveladas..."

O desdém pela "militância homossexual" é um porre, mas não achei monstruosidades. O que eu estou perdendo?
-
Já a falsa indignação. Considero ela falsa por parte de grande parte dos que estão dizendo, mas como cidadão, estou indignado e não é nem um pouco falso. Uma cidade que se orgulha da diversidade (e eu me orgulho de morar em São Paulo e um dos motivos gigantes é a diversidade) não pode ter uma prefeita que nem brinca com isso.
Aliás, tem um post no meu blog elogiando a Marta, no primeiro turno (ok, eu colei uma citação dela e escrevi embaixo "Fuck Yeah Marta!", mas vá lá, eu nem curto política tanto assim) por ter se posicionado tão a favor do casamento gay em uma reunião com bispos! Quando a intenção da pergunta era claramente "diga sim e perca nossos votos".

Foi ofensivo cara, foi pesado, foi triste. Eu estou pouco me lixando que a mídia esteja falsamente indignado. A *minha* indignação é muito real.

Sblargh em outubro 15, 2008 5:20 AM


#6

Só para esclarecer: longe de mim defender o indefensável, Gravataí. Mas juntar pontos, às vezes, pode ser ilação. Eu não sou responsável pelo dinheiro supostamente sujo que já pode ter remunerado meu trabalho, que sempre foi honesto. E eu já trabalhei num veículo de imprensa imundo (e tem gente honesta trabalhando lá até hoje).

Fábio Carvalho em outubro 15, 2008 5:20 AM


#7

Bah, correção, eu não moro em São Paulo, eu sou de Santo André, cidade vizinha, foi um erro de raciocínio. (eu penso mal. Dá pra ver pela qualidade dos comentário)
Enfim, minha vida toda é em São Paulo. Aqui em Santo André, eu só durmo, uso a internet e sou mesário de eleições em que meu candidato fica fora do segundo turno.

Sblargh em outubro 15, 2008 5:24 AM


#8

No mais, alguns tabus estão aí para ser quebrados, Gravataí. Não gosto de insinuações. X é Luiza Erundina? Se for, a companheira deverá ser demitida, porque o STF vedou nepotismo, ora. Ponto final. É muito possível que a regra anti-nepotismo cometa algumas injustiças, pois há familiares (filhos, primos, tios, cunhados, cônjuges etc) honestos e que trabalham de fato. Por trás de alguns, existe o cabide.

Fábio Carvalho em outubro 15, 2008 5:29 AM


#9

Sblargh, meu caro, dê mais uma procurada lá. São 714 ocorrências. Eu não gostaria de copiar e colar aqui tudo o que já foi dito sobre gays e lésbicas naquele espaço. É muito poluente.

E, para reafirmar o já dito: não tenho nenhuma dúvida que a sua indignação é genuína.

Idelber em outubro 15, 2008 5:35 AM


#10

Discordo de tudo isso. Aliás, querem agora tirar o coro do rapaz por fazerem interpretações deturpadas. Vivemos num País cheio de hipocrisia, e um dos quesitos, até para se conseguir emprego, é ter uma família. Na política não é diferente. É comum vermos fotos de candidatos ao lado de esposas (os) e filhos. As interpretações sim, estas foram erros grotescos.

carlos medeiros em outubro 15, 2008 6:19 AM


#11

Caro Idelber
Acho que você tem razão na maior parte dos episódios em que a vida pessoal da candidata foi, como você diz, enxovalhada e ridicularizada. Porém, O CURIOSO É QUE a própria interessada não se pronunciou PUBLICAMENTE (ou deu ciência pública de medida legal) contra estas pessoas. Diga-se, quase todas com algum poder!
Quando a candidata resolveu em enfrentar uma crítica que lhe parecia ofensa, E JOGOU TODA A SUA FORÇA contra o seu acusador, o episódio SÓ COLABOROU para que ela perdesse a sua re-eleição.
Esta questão de se criar e/ou indicar mulher (marido), companheiro(a), namorado(a), relação estável para cargo dá para manter uma coluna diária! O assunto no entanto é VEDADO. Vida que segue.

Paulo Z em outubro 15, 2008 6:27 AM


#12

Gravata:

No caso da Marta, é muito, muito mais comum que o achincalhe sexista passe incólume pela mídia, sem nenhuma retratação, do que uma pergunta, questionamento ou crítica legítima sobre vínculos empregatícios deixe de ser feita porque "ah, se falamos em Favre, é vida íntima dela".

Aliás, a própria idéia de que algum ataque ao PT ou ao Favre tenha deixado de ser feito por respeito ao casamento da Marta me parece, sendo bem sincero com você, um delírio mais próximo à ficção científica.

Abração.

Idelber em outubro 15, 2008 6:44 AM


#13

Eu não tinha visto o tal comercial, mas havia lido vários comentários sobre isso e fiquei achando que a marta tava chamando o kassab de viado!!! Agora eu vi o filme e fiquei me perguntando: e o resto das perguntas que ela faz? Que ele é viado, todo mundo já sabe e acho que não é problema nenhum para a maioria dos paulistanos que gosta da administração dele (mesmo os conservadores que dizem "apesar de viado é bom prefeito kkkkkkkk). Agora, e o resto? E a história do partido dele? E o que ele fez até chegar aqui na prefeitura? De quem foi aliado? Que tal responder essas outras perguntas? Vamos lá, pessoal que tá defendendo o kassab e atirando na marta, respondam as outras perguntas!!!!

aiaiai em outubro 15, 2008 7:35 AM


#14

E tem mais uma coisinha: quando a erundina disputou as eleições ninguém ficava indignado quando insinuavam (ou mesmo afirmavam) que ela é lésbica (geralmente usavam o termo sapatão)!

aiaiai em outubro 15, 2008 7:49 AM


#15

No caso da Erundina, juridicamente cônjuge não é parente. E acho que a justiça ainda não tem figura para relacionamento homossexual. Todos os chefes de executivo dão cargos para as esposas. Quando o chefe é mulher, ou homossexual não pode?

O Gravataí Merengue questiona que ela seja vista como padrão de moralidade na política? Confere como foram as contas da prefeitura na sua gestão. Terminou com dinheiro em caixa, mesmo tendo feito os maiores investimentos do município em educação, saúde pública e habitação popular. E ela saiu da prefeitura morando no mesmo apartamento de 70 metros quadrados que tinha antes.

Motivou até aquela célebre frase do Maluf, ao herdar a prefeitura: "se tem dinheiro em caixa é por que não fez nada". Aliás, maluf@masfaz ganhou a eleição sobre Eduardo Suplicy, pois a turma do Zé Dirceu preferia dar a prefeitura a um inimigo de fora do partido do que a alguém de outra tendência interna. Diga-se de passagem que a Articulação foi oposição durante todo o governo Erundina.

E não sei por que o Idelber acha a Folha um jornal respeitado. Faz tempo que não é mais.

O rei está nu. Candidato a cargo como esse não tem vida pessoal. O episódio só serve para mostrar para quem a Folha está fazendo campanha, se é que tinha alguma dúvida. A jogada da Marta é suja, mas é legítima - pior é perder a eleição levando esse tipo de pancada e ficando quieta...

André Egg em outubro 15, 2008 8:09 AM


#16

Idelber,

cê devia incluir na lista dos bons blogueiros funcionários da grande mídia o Nassif, o Alon Feuerwerker, o Sérgio Leo, o Juca Kfouri. Deve ter mais...

André Egg em outubro 15, 2008 8:11 AM


#17

Foi uma baita pisada na bola. E macula a bonita história política de Marta Suplicy. Não há muito a discutir sobre isso, parece-me ponto pacífico.
Esperar da mídia outra reação que não seja a exploração "radical" dessa asneira é muita ingenuidade.

Roberson em outubro 15, 2008 8:25 AM


#18

Só informando. Em 2006, uma candidata a prefeita de Viseu, no Pará, teve o registro cassado porque era companheira da então prefeita, que não podia mais se candidatar a reeleição. Como todos sabem, a lei impede parentes de chefes do Executivo de se candidatarem ao mesmo cargo. Isso vale para cônjuges. E desde o caso Eulina, para cônjuges do mesmo sexo. Tá firmado na jurisprudência.

MariAlaor em outubro 15, 2008 8:34 AM


#19

E o interessante, Idelber, é que a "ideologia" justifica tudo. Conheço uma pessoa que é muito conservadora e homofóbica. Ridiculariza constantemente os gays.
Vai votar nao Kassab, porque "não suporta o PT". E, apesar da sua homofobia exasperada, ficou indignado com a propaganda da Marta. Logo ele, que não perde oportunidade de ridicularizar os gays.
Entretanto, não criticou a propaganda por causa da insinuação quanto à opção de vida do Kassab, mas por que ela mostra que "o PT definitivamente baixa o nível da campanha", disse.
A "ideologia" realmente justifica os mais tortuosos raciocínios.

Cláudio Freire em outubro 15, 2008 8:35 AM


#20

Também estranhei essa história de cônjuge não ser considerado parente. Para mim isso já estava firmado na jurisprudência.

Obrigado pela informação, MariAlaor.

Idelber em outubro 15, 2008 8:38 AM


#21

no link sobre o Tatto, tem o artigo da Catanhede de ontem. Eu não sabia se ria ou chorava quando li "Marta é uma mulher de vanguarda, tem uma história conectada às boas causas...". A Catanhede NUNCA fez um elogio sequer à Marta ou à trajetória política dela. E com esse episódio ficamos sabendo, né? Que todo mundo admirava demais a Marta e que agora estão desapontados. Dá febre na gente um negócio desse. (no mais. obrigada. e em defesa da Capricho-2)

mary w em outubro 15, 2008 8:58 AM


#22

Na mosca. A EC, aliás, sempre esteve na vanguarda do achicalhe à Marta. E agora está "decepcionada".

Santa hipocrisia.

E é verdade, pisei na bola com a Capricho. Tá reconhecido.

Idelber em outubro 15, 2008 9:08 AM


#23

André Eggs,

A súmula vinculante nº 13, do STF, tem o seguinte texto:

"A nomeação de cônjuge, companheiro ou parente em linha reta, colateral ou por afinidade, até o terceiro grau, inclusive, da autoridade nomeante ou de servidor da mesma pessoa jurídica investido em cargo de direção, chefia ou assessoramento, para o exercício de cargo em comissão ou de confiança ou, ainda, de função gratificada na administração pública direta e indireta em qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, compreendido o ajuste mediante designações recíprocas, viola a Constituição Federal".

Segundo notícia no site do STF, estão excluídas da vedação as nomeações para cargo político, como ministros, secretários estaduais e municipais.

Nomear "parente" como chefe de gabinete, em nenhuma hipótese, é permitido. Nem para juiz, nem para governador, nem para prefeito, nem para presidente, nem para parlamentar.

Só agora me dei conta de uma possível brecha na súmula. Se a união civil entre homossexuais não existe na lei, os gays podem driblar, legalmente, a súmula do STF?

Fábio Carvalho em outubro 15, 2008 9:17 AM


#24

A súmula 13 é de 29 de agosto de 2008.

Fábio Carvalho em outubro 15, 2008 9:20 AM


#25

André, meu querido: foi na arquibancada o seu chute. Eu me lembrava que era uma súmula vinculante, não me lembrava qual era.

Modéstia às favas, este blog tem a melhor assessoria jurídica que já vi. Valeu, Fábio.

Idelber em outubro 15, 2008 9:20 AM


#26

HHoje o artigo do Josias de Souza é uma peça do preconceito, cita os vestidos da Marta, fala do Marido, até de plástica. Eu várias vezes no tópico passado escrevi e cortei por que para mim a mídia em si, mesmo nesse caso é mais preconceituosa com a mulher, seja qual seja.

Sobre a tal baixaria quero lembrar que todos sabemos que nas pesquisas qualitativas informam que associar a Marta ao atual Marido e as razões do seu divórcio são pontos negativos quanto a sua imagem, e no dia da eleição foi comum ler citações do Marta ou de solteira ou do novo casamento, nas rádios naquela noite eu ouvi a Zualê no estúdio da rádio Bandeirantes falando na frente do Suplicy sobre o episódio com subterfúgios menos diretos que a tal peça da Marta.

Retirando o elegante artigo do Gilberto Dimenstein todos os outros artigos revelaram no mais puro preconceito a mulher, frases como sexóloga bem empregado, falava-se do novo Marido etc, foi um festivável maior de grosseria.

Grosseria esta por sinal que não é só aqui no caso Paulin, apesar de ser outra que não simpatizo, existe uma regras que nunca vi mesmo em caso de políticos conservadores serem debatidos na grande mídia, que é o casamento da filha.

Qualquer mulher que entre e galgue espaços na política seja aqui ou lá, tem sempre aquele pretenso artigo intelectual comparando-a a Lady MacBeth, quando existe alguma antipatia do colunista, já li da Erundina, Marta, Hillary, Thatcher etc pena que não guardo os recortes daria uma estudo universitário sobre o preconceito a mulher dessas citadas só gosto de uma, mas todos sofreram ataques apenas por ser mulher foi sim.

Tanto que nas poucas eleições que fui votar sempre voto em mulher, por que sei se alguma prefeita colocar seu amante ou marido vêm críticas fortes, agora se for homem isso é da problema da vida particular que não deve ser mencionada, aí você conhece a (o) competente e se pergunta como a grama ali perto não foi comida.

Marcelo L em outubro 15, 2008 9:23 AM


#27

Idelber,

estou a dias ruminando algo pra escrever sobre essa história.

Acho que você tocou no ponto certo.

Um abraço.

Fernando Serboncini em outubro 15, 2008 9:31 AM


#28

Idelber, eu sei dar ctrl c + ctrl v. Assessoria jurídica é demais pra mim ;o)

Fábio Carvalho em outubro 15, 2008 9:31 AM


#29

Roberson querido,

vc viu o comercial? Então, me ajuda a esclarecer as outras questões colocadas sobre o atual prefeito? Qual é o passado do partido dele? (os caras mudam de nome para a gente esquecer que eles defenderam a ditadura...mas eu não esqueci DEM é igual a ARENA). Vai respondendo às outras questões. Não achei nada de ruim no comercial...se todo mundo precisa saber os detalhes da vida privada da marta, por que não perguntar sobre um detalhe bem normal da vida do kassab? Ela foi casada e casou de novo...tem um filho roqueiro/punk. E o kassab? Já foi casado? Já teve noiva? tem algum filho escondido? mandou a namorada abortar algum filho indesejado? São perguntas comuns, né não?

aiaiai em outubro 15, 2008 9:34 AM


#30

Idelber,

Pensei até em escrever antes aqui sobre o tema, mas achei que você não iria se omitir de opinar.

Minha opinião é idêntica.

Queria apenas fazer um breve acréscimo: nunca esqueci, nunca, um programa Sem Censura na Cultura feito na época da reeleição da Marta, quando perdeu para o Serra.

Era início de campanha.

O tratamento que ela recebeu dos repórteres, que supostamente estavam lá para entrevistar a candidata a prefeita da maior cidade do país, foi lamentável. Foi triste mesmo.

Sua conduta pessoal foi questionada de forma grosseira várias vezes, praticamente a chamaram de vagabunda com outras palavras, bem mais elegantes.

Houve um momento em que eu achei até que ela fosse chorar com um comentário inacreditável de um jornalista do Estado de São Paulo, mas como ela também é carne de pescoço manteve a altivez e deu uma resposta dura. Aliás, deu várias respostas duras, mas era visível o abatimento com o que estavam fazendo com ela. Pensei na hora até se, politicamente, a melhor estratégia não seria se vitimizar, mas admirei sua coragem em não optar por esse caminho.

Pena que a campanha dela tenha optado por esse rumo, mas dá desprezo ver pessoas como Eliane Catanhêde, que participou ativamente do massacre na Cultura, dar lição de moral usando como argumento o histórico de ofensas que a própria Marta sofreu.

Quando à questão do suposto nepotismo, não pensei direito. Mas se fosse para denunciar isso, que o PT metesse o pé na jaca e dissesse claramente que o adversário é homossexual e empregou o companheiro na prefeitura, centrando a crítica no nepotismo. A crítica seria defensável por ser de interesse público, mas como foi feita apenas a opção sexual foi posta em questão, de forma totalmente lamentável.

Abraço a todos.

P.S. O Nassif está com um post muito interessante sobre um depoimento do chefe de segurança do STF, vale a pena o pessoal ler.

Paulo SPS em outubro 15, 2008 9:39 AM


#31

Através do silogismo categórico, e análise do discurso, talvez não fosse possível concluir as insinuações sobre "ser solteiro, etc..." e sua relação com o homoerotismo. Mas, enfim será que não é querer promover uma espécie de "auto-estigmatização" entre "solteiro, sem filhos x homossexualidade"?

Jorge Silva em outubro 15, 2008 9:43 AM


#32

Resumindo:

a) Essa peça de campanha da Marta foi um desastre. Foi tiro pela culatra muito bem dado. De grosso calibre.

b) Se já estava difícil pra Marta, agora parece impossível. Mais, se já tinha a pecha do Relaxa e Goza, agora tem mais essa pro curriculum. Meu achismo é que cola na imagem dela sim.

c) A evolução patrimonial do Kassab, seu envolvimento com empreiteiras, os assassinatos cometidos contra o Plano Diretor da Cidade de São Paulo me parecem pontos muito mais objetivos caso a campanha quisesse atacar o adversário.

d) A Rosane Oliveira é uma excelente blogueira sim. Muito regional. Zero Hora erra feio ao não lhe dar mais destaque e projeção nacional. Acomopanha um pouco e veja o que digo.

Abraços

Pax em outubro 15, 2008 9:47 AM


#33

Nossa, Pax. Vou discordar cordialmente. Acho a Rosane de Oliveira abaixo da crítica.

Idelber em outubro 15, 2008 9:49 AM


#34

Eliane Catanhêde?

"É antiético usar do artifício de uma mentira para conseguir uma informação ou é errado roubar um documento para levar uma informação para uma empresa? Para mim, não". Eliane [Catanhêde] afirmou que "o que vale é deixar que o público saiba o que é de seu interesse".

Querem agravante? Ela falou isso no dia 13 de abril de 2005, uma semana depois do "mensalão" vir à tona na Folha de S. Paulo... para uma platéia de estudantes de jornalismo!

observatorio.ultimosegundo.ig.com.br/artigos.asp?cod=326DAC001

Fábio Carvalho em outubro 15, 2008 9:49 AM


#35

Idelber, não tenho nada a acrescentar ao que você escreveu.

Ah, só pra lembrar: o Kassab vem usando a velha tática sexista do seu padrinho político, Maluf,de chamar a adversária de "dona Marta" (um esclarecimento aos mais exaltados: não estou dizendo que isso justifica aquela propaganda da Marta. Eu só quis fazer um lembrete)

PS: Pela pesquisa Ibope divulgada hoje Quintão está com 61% e Lacerda tem 39% de intenções de votos, quando se considera apenas os votos válidos. Vai ser muito difícil para o "poste" virar o jogo, Idelber.

Bruno Pinheiro em outubro 15, 2008 9:55 AM


#36

Bem, caro Idelber, ficamos empatados pois discordo de alguns de direita que acham teu blog ruim. =)

Abraços !

Pax em outubro 15, 2008 9:55 AM


#37

Não acho a Rosane de Oliveira ruim como blogueira ou como colunista, ainda que eu discorde de suas opiniões aqui e ali. Ao contrário, acho ela atenta. A crítica que tenho é outra: ela também é editora de política de ZH. Aí, o bicho pega.

Fábio Carvalho em outubro 15, 2008 9:58 AM


#38

Pax, você, sempre elegante :-)

Idelber em outubro 15, 2008 10:00 AM


#39

Execelente post, muito embora não tenha visualizado tamanaha homofobia na propaganda da Marta.
Ainda, acho que de fato foi "traída" pelo marketeiro da campanha, pois com todo o seu currículo, incluindo o de sexóloga, jamais colocaria este tom à campanha.
Mesmo que o povo não tenha se dado conta da opção sexual do Kassab, tal questão deveria vir à tona, sem tratá-lo de forma preconceituosa, uma vez que a mídia só encobre sua vida pessoal por ser ele o candidato que irá defendê-los. Pela ventilação desse debate poderíamos [re]ver, quem sabe, a podre função social da comunicação de massa.
A mídia é extremamente resposnável pela manutenção da marginalização e preconceito das 'minorias' em nosso país, porém age de forma seletiva [até nisso], quando o assunto principal é a disputa pelo poder.

Abraço,
Daniela


Dani Felix em outubro 15, 2008 10:00 AM


#40

Concordo em absoluto com o post. Apenas faria uma ressalva; se a campanha tivesse focado no nepotismo, não haveria ai também, subentendido, uma provocação sexista?

fm em outubro 15, 2008 10:15 AM


#41

Marta Suplicy sempre defendeu os direitos civis de todas as pessoas, de todas as orientações sexuais, e defende também o direito a que cada um mantenha sua privacidade. No entanto, como é sabido que o prefeito Kassab criou uma secretaria de estado para abrigar uma pessoa de sua intimidade -- logo ele, do DEM, que defende "corte de gastos do governo" -- achamos que ele deve explicações sobre isso ao povo de São Paulo.

Se tivesse sido assim, Frank, eu não teria tido problema nenhum. O problema é a insinuação.

Idelber em outubro 15, 2008 10:24 AM


#42

Idelber,

Mais uma vez, você resumiu o que eu penso. Mas quero compartilhar uma experiência que relatei lá no blog do PAS.

Teclando com um amigo gay, que mora fora de São Paulo e, portanto, está menos mergulhado na polêmica, a reação dele foi de uma simplicidade desconcertante: "Ora, mas por que alguém deve se sentir ofendido por ser chamado ou por ter insinuada sua suposta homossexualidade? Não está na hora de pararmos, todos, de ler constatação como ofensa?"

Essa colocação, para mim, foi o avesso-do-avesso!

Alessandra Alves em outubro 15, 2008 10:30 AM


#43

Alessandra! Alvíssaras!

Estou sentindo falta de um post-zinho seu sobre as eleições em São Paulo. Faça pra nós?

Idelber em outubro 15, 2008 10:32 AM


#44

ESPERA AÍ!


Nada a comentar sobre a má vontade da Folha em relação à Marta.


Mas tem dois pontos que é preciso deixar claro:

1) Se é para achar que a postura histórica da Folha relativiza a atitude da sua campanha, não posso concordar. Ela não é candidata contra a Folha. É candidata contra o PSDB e o PFL, que nem nesta eleição, nem em 2004, fizeram qualquer ataque pessoal na campanha. Se ela quisesse denunciar publicamente a Folha por ser parcial, poderia fazê-lo (outra discussão é o quanto o jornal de fato influencia o voto - 2006 pareceu indicar que bem pouco, mas essa fica para depois). Entretanto, não era esse o objetivo. Membro da coordenação da campanha afirmou que o objetivo do anúncio era "desestabilizar Kassab antes do debate"(!) Imagine -se como reagiriam os petistas se em 88 Maluf tivesse feito um anúncio como esse contra a solteira e sem filhos Erundina, com o argumento de que queria "desestabilizá-la antes do debate"?


2) Entendo que conduzir buscas por amantes de políticos é, EM QUALQUER CONTEXTO, baixaria. Vamos deixar a vida privada das pessoas de lado, por favor, e parar com a hipocrisia. Desculpe, Idelber, mas essa insinuação de nepotismo é ridícula. A partir do momento que um relacionamento (supondo que exista) não é trazido à luz por aqueles que dele participam, isto NÃO É ASSUNTO PÚBLICO e ponto final - pouco importa se um deles ocupa cargo público, e qual. Alguém aqui é favor então que se promova uma caça às amantes de políticos que porventura ocupem cargos em administrações de qualquer partido? Por esse critério, teríamos que legitimar as insinuações feitas por ACM a Heloísa Helena no Congresso, e tantas outras que os personagens mais sórdidos da nossa política já fizeram contra seus adversários. Uma triste galeria a que Marta e sua turma, infelizmente, parecem querer ingressar.

DB em outubro 15, 2008 10:38 AM


#45

Idelber
Se você se assustou com a edição da Falha de SP de ontem, é porque não viu a de hoje (quarta). Nem os marqueteiros (que, por sinal, faturam milhões com a conta publicitária do governo do estado e da prefeitura - isso não é promiscuidade?) do Kassab fariam melhor. Manchete da capa: Kassab "muitas mulheres querem casar comigo". Ele tem vergonha da sua opção sexual? Ele acha que os homossexuais são "sujos"? Ele não estaria ofendendo os que militam na causa?

Puxa, o tio reizinho comentou aquí...deve estar sentindo (um pouquinho) a falta de nível lá do seu blog, já que está sendo frequentado por seguidores do tio original.

frank em outubro 15, 2008 10:44 AM


#46

DB:

1) Se é para achar que a postura histórica da Folha relativiza a atitude da sua campanha, não posso concordar.

Não, eu não disse isso. Condenei e reiterei a condenação. Duas vezes.

2) A partir do momento que um relacionamento (supondo que exista) não é trazido à luz por aqueles que dele participam, isto NÃO É ASSUNTO PÚBLICO e ponto final.

Aqui nós discordamos totalmente. Ele tem todo o direito de não trazer o relacionamento à luz até o momento em que o companheiro não é empregado por ele com dinheiro público. A partir daí, passa a ser público, sim. A opção, para quem quer manter o relacionamento em segredo, é não empregar o companheiro num cargo público. Nos lugares onde esta questão está amplamente codificada -- nos EUA, por exemplo --, é assim que funciona. Não há nada de errado em eu ter um relacionamento com uma colega de trabalho. Não há nada de mais em mantê-lo secreto. Mas no momento em que passo a fazer parte de uma banca avaliadora do trabalho dessa colega, que vai decidir, por exemplo, se ela terá aumento, tenho que me afastar da situação de conflito de interesses. Simples assim.

Idelber em outubro 15, 2008 10:45 AM


#47

Idelber,

Ela errou. É o que basta.

Sobre a tua nota: quando você traz os erros ou destaca os ataques canalhas produzidos pela grande mídia brasileira pro colo da "Dona Marta", você equivocadamente maquia um cenário que não cabe nessa história e reduz a pó a reputação da candidata, quando a associa nesta analogia.

Da tal grande mídia, espera-se tudo. Mas, nem todo mundo compra ou lê o que ela produz. Felizmente.

O que é abjeto nesse caso específicamente, é constatarmos que uma pessoa que construiu sua trajetória calcada no direito à igualdade, à tolerância, e à defesa dos menos favorecidos, se valha do horário eleitoral gratuito para desgraçar a privacidade alheia.

Outra coisa: quando você ataca os veículos que ecoam as críticas à estratégia escolhida por ela, salvando um ou dois blogueiros, pra não fugir a regra, está sendo injusto com uma parcela da massa crítica que flutua aqui e acolá, que não transigiu do direito de criticá-la. Não cabe imunização.

Quanto ao "Dona Marta" do Noblat, é preciso contemplar uma outra leitura das entrelinhas. O Dona aqui, está ligado à madame Marta que governa pros do quintal. A plebe. Da qual você está bem distante. ;)


Silvio em outubro 15, 2008 10:51 AM


#48

Também acho que a ação de Marta E equipe foi um erro grosseiro, do ponto de vista eleitoral. Mas acho que o problema de fundo está muito mais distante do que o tratado por todos os posts que você sugeriu dos "destacados blogueiros ". Chega a ser risível o embotamento de qualquer postura contrária...

Abs.

Gabriel Ferreira em outubro 15, 2008 10:53 AM


#49

Parabéns Idelber

Arrebentou.

[]'s

Eneraldo

Eneraldo Carneiro em outubro 15, 2008 10:56 AM


#50

Caros

Pensei no seguinte: se a Marta tivesse se casado com um outro Suplicy, bom moço, bom pai, etc, etc, etc ela seria alvo de tantos petardos?
Mais: se ela fosse casada com um zé ninguém de conduta controversa, como a Micarla em Natal, cujo marido parece ser uma figura das sombras e depois tivesse se casado com um Suplicy, qual seria a cobertura da imprensa?

E para terminar: a Marta Suplicy nasceu como aprensentadora ("celebridade"), depois entrou na política, sendo esposa de político de carreira "irretocável" e de casamento celebrado nas esquerdas. Ora, será que a trajetória dela não foi sempre diferenciada, tendo seu marido e sua carreira na televisão como trampolins para a vida política? Pessoas com esse currículo não são exageradamente "cercadas" pela mídia? E depois ela ainda casa com um Favre, que vai ganhar seu dinheirinho com dinheirinho do partido na agência do governo? (para não falar o mínimo).

Eu acho que tem alguma coisa aí, na análise sobre a mídia, que está sendo ortodoxa demais, não sei se esse é o termo, pois não estou sabendo me expressar.

A Marta sempre foi vítima das barbaridades do Maluf, que chamou seu marido de "gigolô" e depois governou com ele. Governou com quem é exatamente o símbolo do preconceito em palavras.

Não sei, mas eu tenho a impressão que a Marta não é exatamente a figura que podemos usar como exemplo para falar dos abusos e preconceito da mídia.

abs a todos

Mariana em outubro 15, 2008 11:08 AM


#51

Idelber, se sabe que a gente discorda muito, mas finalmente alguém falou exatamente o que e pensei nesse episódio todo, graças a deus. Sério, fiquei até aliviada agora, porque não tava aguentando mais a aliança bizarra entre homofóbicos e progressistas em torno da questão. E ninguém, mas ninguém, comentando do sexismo como que tratam a Marta.

juliana em outubro 15, 2008 11:13 AM


#52

Idelber
No comentário #41 você me cita e eu não entendi a quem você está se referindo...

frank em outubro 15, 2008 11:18 AM


#53

Idelber, eu não tenho dúvidas em relação a você.
Me expressei mal.
O que tentei dizer é que tenho certeza que a mídia abordaria a questão do sexismo e não do nepotismo.
Porque, acho que na verdade a mídia não esta interessada em levantar a bandeira da honestidade.
Estou me lembrando de um post aqui do biscoito, em que você aborda o tema:
http://www.idelberavelar.com/archives/2006/09/a_direita_golpista_mostra_suas_garras.php

fm em outubro 15, 2008 11:21 AM


#54

Idelber,

Realmente discordamos totalmente.

Exatamente por este assunto (nepotismo, namoradas etc) ser altamente codificado nos EUA é que é possível, naquele país, tornar esta uma questão pública - pois ela diz respeito, especificamente, aos termos de um contrato assinado pela pessoa. Foi o caso de Paul Wolfowitz no Banco Mundial, que promoveu a namorada "em violação das cláusulas éticas do seu contrato"(http://www.salon.com/opinion/blumenthal/2007/04/19/wolfowitz/). No momento em que o sujeito descumpre o contrato, essa questão - o descumprimento - passa a ser uma questão pública. Se um dia uma lei como essa se aplicar à administração pública brasileira, serei o primeiro a defender o "disclosure" apropriado em todos os casos.

Além disso, não acredito que a sociedade americana, com todos os seus vícios oriundos do puritanismo, seja exemplo para qualquer país nesse tema. Aí entra uma questão cultural. A exploração sórdida de detalhes da intimidade de qualquer um aí não tem paralelo em outro país - nem precisaria lembrar do caso Mônica Lewinsky. Enquanto isso, a imprensa francesa sempre manteve silêncio sobre a "segunda família" de Mitterrand por avaliar, corretamente, que o público não dava a mínima para isso. Realmente aqui estamos no campo da opinião, mas eu tendo a achar que importar o moralismo americano não seria saudável para nossas instituições, nem para qualificar o debate público.

Por fim, a lei brasileira do nepotismo não se aplica a romances, mas a parentes. Kassab é solteiro, o que encerra o assunto até que alguém prove que isso é uma mentira, e que de fato ele é casado e, além do mais, com alguém que possui cargo na sua administração. Neste caso, aí sim, a lei se aplicaria.

DB em outubro 15, 2008 11:23 AM


#55

Idelber, a campanha da Marta atirou no que viu e acertou no que não viu. Pena que a reflexão sobre a divulgação do público e do privado vai, infelizmente, ficar restrita às boas cabeças que escrevem em alguns blogs. A "grande mídia" nunca vai refletir sobre nada. Se julga auto-suficiente demais para isso. Não o fez nem depois da surra que sua campanha histérica tomou nas urnas em 2006... Abraços. (LAP)

Luiz Alberto Pandini em outubro 15, 2008 11:30 AM


#56

Ue, e qdo o caro Idelber coloca uma fotomontagem da Sarah Palin nao ee sexista tb???? Agora fica indignado... vai entender isso. Alias, pq o caro Idelber nao menciona o blog do Gravatai Merengue, do Imprenssa Marron? Laa tem um panfleto apocrifo... Outra coisa, pelo q eu sei o sr. Favre trabalha p/ o PT, pois nao ee assessor da secretaria de assuntos intenacionais e tem um blog q fica a defender a Marta? Entao na me venha c/ essa q ele deve ser preservado.

Odracir Silva em outubro 15, 2008 11:35 AM


#57

Você fez um ótimo trabalho trazendo à tona o que está na cara: o usual nos nossos debates é que ninguém se enxergue, a aponte nos outros erros evidentes em si mesmos. E, como diz o JC no livro do Mateus, não se deve apontar para ciscos nos olhos dos outros sem antes lidarmos com as toras que estão nos nossos. Assim, é xarope ver os preconceituosos de sempre falando do preconceito alheio sem nenhuma autocrítica.

Mas, seja como for, entre um gay no armário e alguém que mete o bedelho na vida privada dos outros, simpatizo mais com o amigo do armário. Se não por outro motivo, porque o armário é dele, não de outra pessoa.

A discussão interessante seria essa que você aponta, do nepotismo, a qual é uma discussão sobre a coisa pública, não sobre a vida privada.

César em outubro 15, 2008 11:39 AM


#58

Outra coisa, pelo q me lembro, foi a Folha q publicou o romance da Marta c/ o Favre, na coluna da Monica Bergamo... e sabe quem a fonte? a propia Marta. Alias, atee a revista Carta Capital, cujo editor Mino Carta foi citado por aqui, escreveu sobre isso ( http://cartacapital.com.br/2005/01/1889 ). E vou alem, nao acho q foi culpa da midia, ou culpa dos protagonistas. Tudo isso virou noticia pq os Suplyci's sao notorias figuras publicas, e o Luis Favre se tornou depois disso.

Odracir Silva em outubro 15, 2008 11:48 AM


#59

Idelber, obrigada pela sensatez do post. Por que a vida pessoal de Marta pode ser esmiuçada e avacalhada, com o silêncio dos atuais indignados, e o contrário não?

Marina em outubro 15, 2008 11:53 AM


#60

Idelber, concordo com 83,27% do que você escreveu. Inclusive, ontem, de forma sintética e caceteira (opa), falei algo parecido lá na intimorata Ingresia.

Mas, vamos às discordâncias. Primeira. "Jornal brasileiro respeitado" é uma contradição em termos. Se é "jornal brasileiro" não pode ser respeitado e vice-versa.

E outra: "Espero que a indignação moral contra Marta leve a nossa mídia a um pouco de reflexão sobre o seu próprio telhado de vidro".

Desculpe-me desapontá-lo, mas esta é uma esperança vã.

abraços.

Franciel em outubro 15, 2008 11:56 AM


#61

Já começo dizendo que não li os comentários...
-o que me causa nojo nesse caso é que veio de uma sexóloga que defende a união entre homossexuais.
um tanto quanto contraditório, não é?
e essa de por a culpa nos marqueteiros não cola, né?
- que eu saiba Favre tbém tem um empreguinho bem arrumado, e já que vc usou a palavra gigolô...
- o que dizer de um"jornalista" da Folha, na sabatina ao candidato perguntar "O sr é homossexual?"
- pior de tudo isso é usar o sobrenome suplicy após ter casado com o amante...
cada um com seu cada qual...

Ah...o Supla é casado? tem filhos?
Francamente...

tina em outubro 15, 2008 12:02 PM


#62

Já começo dizendo que não li os comentários...
-o que me causa nojo nesse caso é que veio de uma sexóloga que defende a união entre homossexuais.
um tanto quanto contraditório, não é?
e essa de por a culpa nos marqueteiros não cola, né?
- que eu saiba Favre tbém tem um empreguinho bem arrumado, e já que vc usou a palavra gigolô...
- o que dizer de um"jornalista" da Folha, na sabatina ao candidato perguntar "O sr é homossexual?"
- pior de tudo isso é usar o sobrenome suplicy após ter casado com o amante...
cada um com seu cada qual...

Ah...o Supla é casado? tem filhos?
Francamente...

tina em outubro 15, 2008 12:02 PM


#63

Afe, olha os argumentos que o povo usa pra defender o Kassab.

Usar o sobrenome do ex-marido é legítimo, não é ilegal. A Luiza Brunet, a Tina Turner se divorciaram de seus primeiros maridos e continuaram usando seus sobrenomes.

Ike em outubro 15, 2008 12:07 PM


#64

Na mosca, de novo! Impressionante: para compreender melhor o que se passa por aqui é preciso ler um cara que "tá lá".
PH

Paulo Heineck em outubro 15, 2008 12:08 PM


#65

Só pra defender meu "chute na arquibancada" lá em cima...

Espiridião Amin passou a prefeitura para sua esposa Ângela Amin. Anthony Garotinho passou o governo estadual para sua esposa Rosinha Mateus. E foi nomeado secretário de segurança pública.

Não entendo bulhufas de leis e súmulas vinculantes. Só sei que no Tribunal de Justiça aqui do Paraná os filhos de desembargadores que trabalhavam de assessores tiveram que sair dos cargos. E foram para o gabinete dos colegas desembargadores...

E o governador Roberto Requião que tem a família toda em cargos, vem enfrentando batalhas judiciais e mantendo todo mundo no lugar que estava.

André Egg em outubro 15, 2008 12:09 PM


#66

Folha jornal respeitado?

Luciano em outubro 15, 2008 12:10 PM


#67

Concordo com tudo. Por isso que não leio mais jornal só o Biscoito!
Parabéns pelo post e pelo DIA DOS PROFESSORES!
Que os mestres continuem te iluminando!
Abraço!

Gui Losilla em outubro 15, 2008 12:29 PM


#68

O q ee isso quemossabi, cume ee q ee o comentario do caro Idelber no post #46?

"Aqui nós discordamos totalmente. Ele tem todo o direito de não trazer o relacionamento à luz até o momento em que o companheiro não é empregado por ele com dinheiro público."

Jaa li nuns blogs e outros lugares as ilacoes sobre isso, mas jaa foi realmente provado q ele ee gay? Jaa foi provado q o Rodrigo Garcia ee o amante dele? Isto foi escrito aqui pelo Thiago Candido, ontem, cujos comentarios ficava a condenar o comercial, mas por outro lado ficava a comentar tal ilacoes (e achando q ee uma tatica genial).

Eu jaa acho q tal ilacao deve primeiro se tornar um fato p/ se escrever tal afirmacao. Do jeito q estaa, aqui do meu canto, parecem ser ilacoes, mas talvez o blogueiro saiba mais sobre o assunto. Alias, caso verdade, talvez seja correto em criticar o prefeito em mentir ao negar a sua sexualidade onten na sabatina da Folha.

Odracir Silva em outubro 15, 2008 12:54 PM


#69

A frase é sua e a opinião também. " Mas quando...., a pergunta sobre nepotismo e a transparencia é, sim, de interesse publico".
Não é não. De interesse público é saber porque o prefeito criou uma secretaria para fazer o que qualquer manual de introdução a Teoria Geral de Administração ensina. Bastava, pois, um exemplar para cada responsável por estrutura organizacional autonoma subordinada ou vinculada a Prefeitura.

T. Junqueira em outubro 15, 2008 1:08 PM


#70

caro idelber

PUTA POST! Queria comentar várias coisas, mas a correria não vai permitir agora. Fica pra depois. Só queria perguntar uma coisa pro Odracir: se ficar provado que o rodrigo garcia NAO é, ou foi, companheiro do Kassab, era só um camarada de chopp e futebol, a história do favorecimento fica menos grave?

Daniel em outubro 15, 2008 1:13 PM


#71

A Folha não é o jornal dos meus sonhos, mas acho respeitável.
A Cantanhêde é um saco.
O Tio Reizinho não escreveu monstruosidades contra os gays. O problemas são os/as reinaldetes. Valem um estudo de massa de manobra e sobre a base social conservadores ou reacionárias do liberalismo brasileiro, a sinuca que ele não consegue (a meu ver lamentavelmente) sair.
Melhor o padrão gaulês que o puritano. Como disse certo personagem de Woody Allen: "cinismo, niilismo, sarcasmo e orgasmo... na França eu seria eleito com essa plataforma".
Eis porque quando falam em Dona Marta eu penso nas tirinhas do Glauco.

João Paulo Rodrigues em outubro 15, 2008 1:22 PM


#72

Corrijo:
A Folha não é o jornal dos meus sonhos, mas acho respeitável.
A Cantanhêde é um saco.
O Tio Reizinho não escreveu monstruosidades contra os gays. O problemas são os/as reinaldetes. Valem um estudo de massa de manobra e sobre a base social conservadora ou reacionária do liberalismo brasileiro, a sinuca que ele não consegue (a meu ver lamentavelmente) sair.
Melhor o padrão gaulês que o puritano. Como disse certo personagem de Woody Allen: "cinismo, niilismo, sarcasmo e orgasmo... na França eu seria eleito com essa plataforma".
Eis porque quando falam em Dona Marta eu penso nas tirinhas do Glauco.
Glauco que publica na... Folha. Hmmmmm....

João Paulo Rodrigues em outubro 15, 2008 1:24 PM


#73

Daniel, acho q se houve um favorecimento ilicito ao Rodrigo Garcia, isto deve ser colocado, e ee grave. Porem, a ilacao (no meu entender) q o Idelber e o Thiago escrevem ee q o prefeito colocou o Rodrigo Garcia pq ee ou era o amante do Kassab, aludindo q o Kassab fez nepotismo. Mas pelo q li atee agora, nem a homosexualidade do prefeito estaa provada.

Odracir Silva em outubro 15, 2008 1:26 PM


#74

é ridiculo sim usar o sobrenome do ex por motivos meramente eleitoreiros . Rodrigo Garcia, que eu saiba foi ELEITO pelo povo...se ele é foi ou será companheiro do Kassab pouco me importa.
Como pouco me importa com quem a Marta dormiu ou deixou de dormir estando casada ou não.
Muito cômodo deixar tudo nas mãos de marqueteiros...uma pessoa que defende um projeto de união civil de homossexuais jamais poderia ter deixado isso passar

tina em outubro 15, 2008 1:28 PM


#75

"se ficar provado que o rodrigo garcia NAO é, ou foi, companheiro do Kassab, era só um camarada de chopp e futebol, a história do favorecimento fica menos grave?"

Daniel,

Rodrigo Garcia é deputado pelo DEM e ex-presidente da Assembléia Legislativa de SP. É um quadro deste partido. Sua vida pública pode ser criticada por quem quiser (é um país livre), mas qual seria o "favorecimento" neste caso?

DB em outubro 15, 2008 1:30 PM


#76

Oi Idelber,
Concordo com tudo que você disse. No entanto, o que vejo como maior problema é o que a Folha tenta fazer, que é dizer que Marta só é capaz de fazer essas perguntas porque separou-se e casou-se, enfim, porque ela é uma imoral, alguém que não tem mais nada a perder. Mano Brown já disse que a "periferia" não votou na Marta porque ela tinha se separado, e que este fato foi pauta de decisões de votos. Então veja, "a periferia" deve perguntar mesmo se o candidato é casado e isso realmente deve influenciar os votos. E o raciocínio não é sem lógica: se o fulano ou a fulana é casado, tem filhos, a identificação fica mais fácil. Até aí tudo bem, deixe que influencie, que a sociedade é tomada por uma hipocrisia e que o sistema representativo e identificatório é a maior farsa democrática que temos que engolir todos os dias, já estamos carecas de saber. O que está em jogo é uma espécie de moralidade sem fundo: todo mundo quer saber se o kassab é gay ou não, mas isso a imprensa porca deixou para a Marta fazer, e fez, uma burrada. Agora o argumento que permeia toda discussão é "quem é Marta Suplicy para falar"? E isto, a meu ver, é o mais perigoso porque enquanto a folha ou qualquer outro jornal que seja, deixa nas entrelinhas que não importa a orientação sexual de kassab queremos saber das propostas políticas bla bla bla,podemos ler nas mesmas entrelinhas que Marta não vale nada porque "trocou de marido". Se nos EUA essas coisas vêm a público e impedem candidaturas, etc, no Brasil elas também vêm, filtradas pela imprensa, e de forma muito mais violenta.

idelber, acompanho e adoro seu blog, é estimulante.
bj, flávia

Flávia em outubro 15, 2008 1:32 PM


#77

O duro, caro Daniel, ee q toda a eleicao escambou. Agora isto virou o assunto principal. Nem ia comentar mais sobre isso, mas veja os frutos da campanha. Haa panfletos apocrifos q vao do racismo a homofobia, militantes petistas gritam jargoes preconceituosos e agridem eleitores kassabistas. Era isso q a campanha da Marta queria? Tudo isso por uns votos dos eleitores de Santana (como o caro Weis escreveu laa no blog verbo solto do OI). Fala serio...

Odracir Silva em outubro 15, 2008 1:36 PM


#78

só para avisar aos desinformados de que Rosane de Oliveira é titular de uma página inteira no jornal Zero Hora(que até o dia de hoje ainda não havia se pronunciado sobre o problema da Aracruz) em que faz teses mirabolantes sobre seu adversários políticos e sobres seus coligados, entre outras tantas pérolas podemos encontrar na coluna diária de Rosane de Oliveira ampla defesa do envolvimento da governadora Yeda Crusius com as diversas fraudes que tem ocorrido no estado do RS, a tão falada compra da casa da Yeda recebe forte defesa na coluna, sendo capaz inclusive de se sujeitar a publicar um anúncio tentando revelar que a casa custava quase metade do que vale, num anúncio que não se sustentava nem mesmo pelas caracteristicas da casa.
De fato ela é de direita como bem frisou o Pax, mas é mais uma daquelas que finge estar em cima do muro e que sua opinião é despida de fatores políticos.
Quero lembrar que num blog como o Biscoito só entra quem se interessa pelo que aqui é dito, são muitas pessoas que só conhecem o Idelber daqui mesmo, ele não faz parte de um grupo com grande histórico de corrupção que nos coloca todos os dias na nossa mesa colunistas, radialistas, jornalistas com opinião sempre tendenciosa e que depois em cima da fama originária querem se tornar respeitáveis blogueiros.

Roberto Stein em outubro 15, 2008 1:47 PM


#79

"Rodrigo Garcia, que eu saiba foi ELEITO pelo povo...se ele é foi ou será companheiro do Kassab pouco me importa". ( Tina, comentário 74)

Sim, Tina, o Rodrigo foi eleito pelo povo,mas PARA DEPUTADO ESTADUAL e não para Secretário Especial de Desburocratização. Esse cargo Kassab criou especialmente para ele.

Bruno Pinheiro em outubro 15, 2008 1:55 PM


#80

Idelber, há um outro ponto que merece destaque nesse caso: a diferença de condutas entre o Kassab e a Marta, no que toca à exposição de suas vidas pessoais. Sem nem fazer juízo de valor entre qual é a atitude certa ou errada, o que se tem é:

- O Kassab é muitíssimo discreto qto à sua vida pessoal, não se tendo conhecimento de um(a) namorada(o) sequer, nem de qualquer tipo de escândalo na vida privada;

- Já qto à Marta, se formos lembrar os fatos da época do seu divórcio, o que menos houve foi discrição: desde o Eduardo Suplicy chorando pelos cantos até a (suprema) conclusão: a Marta e o Favre tendo sua boda (sic) na capa da Caras.

Concluindo, no caso do Kassab houve uma injusta invasão de privacidade, com fins eleitoreiros; no da Marta, superexposição de privacidade com - detalhe que faz toda a diferença - total anuência e participação das partes envolvidas (Marta, Eduardo e Favre).

Lilia em outubro 15, 2008 2:01 PM


#81

não é a mídia "preconceituosa", não é o PIG (partido da imprensa golpista), e não é a zelite conservadora que são os culpada pelos infortúnios da sra Marta Teresa Smith de Vasconcelos Suplicy,

ela própria é quem mais enxovalha a si mesma (a gramática está certa, professor trotsky?). marta expôs sua vida em diversos momentos e em várias vezes de forma desastrosa.

lembram da grosseria do "relaxa e goza"? palavras proferidas por ela q mais parecia uma bofetada na cara dos cidadãos q penavam com os atrasos nos aeroportos? td bem, os esquerdinhas até deram risada concordando com marta pq aqueles cidadãos eram representantes da zelite e por isso tinham mesmo de se fufú. e aí veio o acidente em congonhas e a frase de marta além de ter sido uma grosseria e um tapa na cara se transformou numa catarrada tubercolosa na história do país.

o bom dessa história é q o PT q antes dizia q eram "santos" e do bem e q baixaria era coisa da direita, se tornou um partido q pratica as mesmas coisas da direita. conchavos com oligarquias, fisiologismo deslavado, assistencialismo demagógico (com uma nova roupagem), corrupção, espionagem, baixaria e violência política.

no brasil varonil todos os partidos são iguais. é tudo a mesma merda. só o trouxas q ainda acreditam em ideologia, ideologia esta muito bem cultivada pelos espertalhões, tanto à direita quanto à esquerda.

joel navarro em outubro 15, 2008 2:10 PM


#82

e o Favre foi eleito pra que mesmo?
e ganhou empreguinho tbém...
acho pior,muito, muito pior...


tina em outubro 15, 2008 2:18 PM


#83

Seria melhor se tivessem questionado quem é o secretário de desburocratização (pra que diacho serve isso?), se o eleitor o conhecia, qual o seu histórico profissional. Daí deixar concluírem se ele recebeu o cargo por mérito próprio ou por ter envolvimento amoroso com alguém.
Mas política não é para puros de coração. Como dizia o Ulisses Guimarães, é necessário tampar o nariz para negociar com certas figuras políticas.

Te em outubro 15, 2008 2:24 PM


#84

Uai, Tina, a Marta empregou o Favre em alguma secretaria ou coisa assim? Por que "pior, muito, muito pior"?

Bruno Pinheiro em outubro 15, 2008 2:24 PM


#85

Bruno Pinheiro, não seria tvz pq o Favre foi trabalhar com o Duda Mendonça, cujo dinheiro foi depositado ilegalmente no exterior pela direção da campanha do Lula? Ou seja, esse mesmo dinheiro sujo pagou o Favre.

Lilia em outubro 15, 2008 2:29 PM


#86

Ah, que susto, Lilia! Achei que a Marta tinha criado uma secretaria especialmente para o Favre...

Bruno Pinheiro em outubro 15, 2008 2:42 PM


#87

Por favor, desde quando não ser casado e não ter filhos é motivo de homosexualismo?

Não percebem que foi apenas uma inversão de valores para evitar a associação da imagem do Pitta com a imagem do Kassab, só isso.

Se alguém te parar na rua e perguntar se vc é casado e tem filhos vc brigaria com essa pessoa? Processaria?

Acho que ninguém que já sabia que Kassab foi secretário do Pitta, se assustou com a pergunta.

A pergunta foi infeliz por entrar no aspecto pessoal de Kassab, mais nada.

Luis em outubro 15, 2008 2:46 PM


#88

Meu ponto é o seguinte, Tina e Lilia. Uma coisa é o cara criar uma secretaria para ser comandada pelo seu companheiro ( se é que é verdade que eles são ou foram companheiros. Estou falando em tese).Isso seria nepotismo. Outra coisa é o marido trabalhar na empresa que faz a campanha de um cara que é do partido da esposa. Isso não é nepotismo. Simples assim.

Bruno Pinheiro em outubro 15, 2008 2:51 PM


#89

Aproveito p/ escrever de novo, ee muito estranho o caro Idelber ficar a criticar em "hipocrisia" e "falsa indignacao" qdo ele jaa postou aquela foto sexista da Sarah Palin. E no comentarios disse q tudo nao passou de uma brincadeira... q foi uma piada c/ uma conotacao politica (deixa ver se entendi, acho q ele quis mostrar q ela pertence ao NRA, mas pq a fotomontagem? sera q ele tem alguma info. q ela gosta de cacar de biquini?). Concordo c/ o post q haa muita falsa-indigacao e hipocrisia em relacao aa Marta, e atee digo q ee verdade em relacao aas mulheres q almejam o poder. A Hillary tb jaa sofreu c/ a misoginia da midia americana (e ai vai dos conservadores da Fox atee os liberais da CNN). Mas a tal indignacao do Idelber no post parece ser mais casuistica do q sincera. Pois se fosse uma mulher q nao ee alinhada c/ os seus pensamentos, ele poderia estar subindo no trem, como fez c/ a Sarah Palin. Seraa q ele nao deveria escrever alguma coisa a respeito?

Odracir Silva em outubro 15, 2008 2:56 PM


#90

É impressionante. Tudo o que poderia existir e ser avaliado sobre como governar a cidade, aspectos já conquistados, aspectos para melhorias, fica tisnado, enevoado por uma tática de campanha eleitoral equivocada. A meu ver não adianta mais buscar algum histórico de candidato, que, a julgar pelo que foi apresentado até aqui, na realidade parece que a disputa é apenas por uma enorme terra arrasada. Não existe nada na Saúde, nos transportes, na Educação, na Cultura. Talvez nem cidadãos. Quem é convocado a não votar em um candidato sob argumentos tão péssimos, só pode estar sendo relegado a plano absolutamente secundário em sua capacidade de decidir livremente. Aliás, os resultados do primeiro turno e os levantamentos para o segundo, já parecem sinalizar a resposta devida

Dawran Numida em outubro 15, 2008 2:59 PM


#91

Caralho Idelber, parabéns pelo post!

Ivan em outubro 15, 2008 3:00 PM


#92

Idelber, meu velho, neste caso não discordo em quase nada de você.

Se a campanha de Marta tivesse tido a coragem de acusar o Kassab de nepotismo, seria mais do que justo.

Também divido a impressão de que muitos dos que estão levantando esta bandeira, agora, não o fariam se fosse a situação contrária.

Mas o problema é que a Marta não tinha esse direito. Ponto. Ela não tinha o *direito* de fazer uma ilação tão covarde, preconceituosa... me faltam palavras. Ela, com a história que ela tem, não podia ter feito isso. Tenho a impressão que este foi um daqueles momentos que definem uma carreira política inteira. E, nesta, a causa da igualdade de direitos saiu perdendo feio, porque Marta nunca mais poderá levantar esta bandeira sem ser imediatamente acusada de hipocrisia.

A responsabilidade é dela.

Pedro Doria em outubro 15, 2008 3:01 PM


#93

Idelber

É jogo sujo questionar a sexualidade de Kassab, ou de qualquer outro candidato adversário, e usar isso como demérito. Manipular o eleitor nos seus sentimentos mais preconceituosos para ganhar votos é desrespeito tanto ao adversário quanto ao eleitor.

Só que esse pecado é perdoável em qualquer um, menos em Marta. Marta, a sexóloga que falava de orgasmo em 1985 segunda-feira de manhã, na TV Globo. Marta, a psicóloga com formação em Stanford. Marta, defensora de minorias. Marta, a enxovalhada pela mídia machista. Por todos esses qualificativos, e principalmente por ter sofrido ataques ela mesma, Marta sabe exatamente o que significa o ataque que ela fez. Marta pisou onde mais deve doer em quem é homossexual, e pisou em si mesma.

Não posso descrever o ultraje pessoal que tive ao ver a propaganda, Idelber. Já tentei, mas é muito maior do que eu conseguiria escrever ou expressar. Como cirurgião, comparo-me com a Marta sexóloga-psicóloga-defensora, e tento me imaginar inflingindo dor em uma pessoa, e sabendo exatamente onde cortar para que mais sangre e mais doa. Marta não teve ética pólítica nem ética profissional, se ainda se considera psicóloga.

A propaganda de Marta teve o poder de galvanizar em mim uma reação só: desejo sinceramente que o candidato do estado civil que não ousa dizer o nome ganhe a eleição, e ganhe de lavada.

Cássio em outubro 15, 2008 3:07 PM


#94

Bela maneira de a gente comemorar o dia do professor. Com uma AULA, de um dos melhores deles. Parabéns aí, meu amigo. Um abração. Maravilhoso post. (Nos EUA tem isso também, de dia do professor? Taí o que eu não sei.)

Ju Sampaio em outubro 15, 2008 3:43 PM


#95

Pois é, professor. Parabéns pelo seu dia. Mas, neste país, canalhice tem nome, sobrenome e apelido. Pessoalmente, entendo como normal os questionamentos, salvo a última pergunta, pelo possível duplo sentido.

Nossa SP não se perde pelos seus eleitos, desde a "Revolução" Constitucionalista: Júlio Prestes, Armando Salles, Adhemar e sua família, Carvalho Pinto, Jânio, Maluf, Pitta e, agora, o protegido do Borhausen e Agripino Maia. Somos realmente o que restou dos grotões.

Armando do Prado em outubro 15, 2008 3:55 PM


#96

marido não é parente!!!

acho pior sim, o Favre ser aspone do Duda Mendonça, muito pior.

tina em outubro 15, 2008 4:02 PM


#97

Odacrir, a 'insinuação' da relação amorosa do Kassab com o R. Garcia não é nova e nem é minha. Veja, o post que o Idelber lincou da nova corja. Ele é de janeiro. E veja nos comentários uma citação de uma resposta do Doria ( http://pedrodoria.com.br/2008/01/28/open-thread-57/#comment-96515 ) sobre o que ele faria se fosse editor de um jornal e tivesse essa notícia em mãos. A questão não é que há uma ilação. há um fato: sim, eles tiveram por tempos um belíssimo (pq sempre fico feliz em ver casais gays que vivem juntos) relacionamento. E que só interessa a eles. Porém, e a partir do momento em que o prefeito usa de seu cargo e poder para nomear seu companheiro para um cargo pública, a questão deixar o fórum íntimo e vira de interesse público. O Mitterrand sempre teve a vida particular preservada pq nunca usou de seu cargo e poder para beneficiar a outra família. Já o Renan Calheiros teve sua vida íntima devassada porque usou seu prestígio político para conseguir dinheiro para sua outra mulher. A linha que separa os casos é tênue e fica ainda mais complicado quando envolve gays, ainda mais num país como o nosso, que ainda não reconhece como iguais os relacionamentos héteros e homos.


Ah, Alexandre, é público que os dois possuem uma fazenda em conjunto no interior de são paulo.

Thiago Candido em outubro 15, 2008 4:04 PM


#98

Completando: ninguém aqui disse que a Marta fez certo em insinuar isso. Seria muito mais ético e politicamente respeitável se tivesse denunciado o nepotismo do Kassab, na época da nomeação.

Thiago Candido em outubro 15, 2008 4:06 PM


#99

Como já disseram aí em cima, acabou a campanha. A despeito de concordar com as críticas a Marta, creio ser revelador da questão do post anterior (multiculturalismo) o fato de que a imprensa e a blogosfera em peso estão debatendo o peso do preconceito de gênero e inclinações sexuais, ofuscando aquela velha política chata, a orientada para projetos de cidades, problemas de desigualdades no acesso a equipamentos públicos, ensino, saúde etc.

João Paulo Rodrigues em outubro 15, 2008 4:07 PM


#100

Enquanto isso, em BH...

ELEIÇÕES 2008
Ninguém segura o Lacerda

As pesquisas diárias que a Vox Populi faz para a campanha de Marcio Lacerda à prefeitura de BH registraram uma nova queda de ontem para hoje. Lacerda caiu mais 8 pontos.


Por Lauro Jardim

Lilia em outubro 15, 2008 4:15 PM


#101

Continuo esperando os defensores do kassab responderem as outras questões colocadas no comercial. Se ele é casado ou tem filhos é um detalhe bobo perto das outras questões:

Sabe de onde ele veio?
Qual é a história do seu partido? (vamos lá, levantem a história até chegar na velha e boa ARENA)
De quem foi secretário e braço direito????
De quem esteve sempre ao lado, desde que começou na política????
Já teve problemas com a justiça????
Melhorou de vida depois que entrou na política????
É casado? Tem filhos? (essa é fácil, ele mesmo disse que não é casado e não tem filhos, mas tem um monte de mulher querendo casar com ele...)

Respondam as outras, por favor, depois a gente comenta se a marta foi ou não preconceituosa.

aiaiai em outubro 15, 2008 4:16 PM


#102

Caro Thiago, segui os links, e meu caro, nao vi nada provado ali. A materia mais contundente ee do nova corja... Ali o Reinaldo Alvares escreve:

"O problema é o padrão e o histórico dos dois, sem contar as afirmações dos jornalistas e até de assessores do prefeito".

O q ee isso quemossabi? O q foi provado? Ee nisso q vc e o Idelber se baseiam... Putz. E ainda colocam o Pedro Doria como cumplice... deixa ver o q o PD escreveu:

"Pedro Doria // 28/January/2008 às 13:58

Ricardo Anselmo, eu não queria estar na pele do editor que toma essa decisão. Por um lado, o homossexualismo discreto do prefeito de São Paulo pode (injustamente) prejudicá-lo junto a seus eleitores. Então, não há como acusar o nepotismo sem revelar. É preciso lembrar, também, que primeiras-damas costumam ocupar cargos. Dona Ruth Cardoso, com o Comunidade Solidária, geria um naco da verba pública e ninguém achava isso particularmente imoral.

O que eu faria? Acho que o povo de São Paulo, neste caso, é que tem que decidir se pode ou não pode. Então ele deveria ser informado do casamento que existe de fato entre prefeito e secretário. Mas eu, pessoalmente, não puxaria a campanha. Não me sentiria nada confortável na posição de alguém tirando as pessoas à força do armário. Como política regional não é meu foco e não sou lá muito chegado a uma caça às bruxas, me sinto confortável com a decisão."

E vc achou q o PD corroborou c/ a tese q o prefeito ee gay. Fala serio...

Ah vc escreveu de uma fazenda q os dois possuiam, mas nao li em algum lugar q eles moravam juntos laa, ou q eram casados. Pelo q eu sei sociedade nao ee casamento. Aonde foi q vc leu isso? certamente nao foi no artigo da Folha on line cujo link estava laa no artigo do nova corja.

Se for soo isso q vc tem a mostrar, meu caro, afirmo o seguinte: isto ee ilacao, nao haa, atee agora, fundamento algum p/ mim. E ee a mesma coisa q o Bush c/ o Karl Rove fizeram e ainda fazem.

Odracir Silva em outubro 15, 2008 4:30 PM


#103

Brigadim a quem se lembrou do dia dos professores :-)

Eu nem estava me lembrando. Valeu.

Ju, aqui nos EUA é dia 06 de maio.

Idelber em outubro 15, 2008 4:52 PM


#104

Caro Thiago,
Sobre a sua frase:

"Completando: ninguém aqui disse que a Marta fez certo em insinuar isso. Seria muito mais ético e politicamente respeitável se tivesse denunciado o nepotismo do Kassab, na época da nomeação"

Mas isto nao tira nenhuma duvida qto aa uma certa admiracao pela tatica petista, haja visto o seu comentario ontem:

"O toque de gênio vem de uma coisa que é implícita, que muita gente sempre soube mas nunca se falou abertamente: da orientação sexual do prefeito."

Odracir Silva em outubro 15, 2008 4:53 PM


#105

Vi o filme no youtube pelo link desse blog e me pareceu muito mais leve do que os comentários sugerem. Para quem é de fora e não conhece o Kassab, a insinuação é sutil. Deve ter sido inspirada na campanha do TSE, com o mesmo teor, "conheça bem o candidato antes de votar". Foi uma bobagem da Marta, porque certamente não ganha voto com isso, pode é perder, uma vez que é a madrinha da parada gay. Será que ninguém pensou que a imprensa ia fazer esse barulho? A hipocrisia da imprensa, porém, dá nojo. No fim, foi a grande imprensa que o apóia que tocou no assunto com todas as letras: Kassab, vc é gay? É como se dissesse: vamos te ajudar a derrotar a Marta, mas sabemos da sua vida privada. É uma forma de chantagem, mais uma.

Carlos Alberto em outubro 15, 2008 4:56 PM


#106

Em 2004, Alberto Goldman disse que Marta tinah dois maridos. E que tinha dinheiro na Suíça

LUIS AUGUSTO SIMON em outubro 15, 2008 4:59 PM


#107

Tudo isso no Portal ONNE

Só lembrando que Lula só ganhou quando virou o Lulinha paz e amor...

Roberto Jefferson, ajudando Marta e o PT. Quem diria...
O time de aliados do PT já está entrando em campo para descolar de Marta Suplicy o epísódio de campanha que tentou desmoralizar o prefeito Gilberto Kassab. Roberto Jefferson - presidente nacional do PTB e o homem que jogou tudo no ventilador, no escândalo do Mensalão, atingindo um bom número de “companheiros” do presidente Lula – está ajudando a responsabilizar o marqueteiro João Santana, que costuma atender toda a cúpula do PT, pelo deslize. E saiu dizendo hoje em Brasília: “ Se João Santana fizer o mesmo com a ministra Dilma Roussef, José Serra
pode preparar o terno da posse.” Se eu conheço Serra, esse terno já está mais que pronto... (CG)

Chumbo grosso
Um dos articuladores da campanha de Marta Suplicy à Prefeitura da Cidade de São Paulo disse que as próximas semanas serão de mais polêmica e muita turbulência para o atual prefeito Gilberto Kassab. Segundo esse articulador haverá mais artilharia pesada contra o Prefeito. A intenção é desconstruir imagem do prefeito, custe o que custar.

E se fosse?
Leio hoje que, durante a sabatina da Folha de São Paulo um dos presentes perguntou ao prefeito Gilberto Kassab se era homossexual, e ele respondeu, serenamente, que não. Até brincou, contando que há um monte de mulheres querendo casar com ele. Em primeiro lugar, essa pergunta não se faz. A divulgação da própria opção sexual não é obrigatória. E não deveria ser discriminatória. A pergunta que ninguém fez é: e se fosse? O prefeito de Paris, Bertrand Delanoe, e o prefeito de Berlim, Klaus Wowereit, são homossexuais assumidos e foram eleitos assim mesmo. Adoraria saber o quanto o eleitor paulistano é homofóbico e preconceituoso. O Brasil é aquele pretenso país liberal, ao sul do Equador, onde corre o pecado rasgado cantado por Chico Buarque. Liberal nada! Se fechou os olhos, cínicamente, para as ações dos grão-senhores nacionais nas senzalas e zonas de prostituição, e, até hoje, aos filhos fora do casamento, continua reticente, para dizer o mínimo, no tocante a opções sexuais. Marta Suplicy, que na Câmara defende a união civil de pessoas do mesmo sexo e na campanha tenta desmoralizar quem não é igual, é o retrato vivo do Brasil. (CG)

Ouço em Brasília hoje que o PT nacional já dá como perdidas as prefeituras de São Paulo e Porto Alegre. Acredita ter chances em Salvador e Joinville. E no Estado de São Paulo o partido acha que pode ganhar em Mauá, Guarulhos, Santo André e São Bernardo. E o presidente Lula só irá aonde tiver chances muito seguras de vitórias.

tina em outubro 15, 2008 5:00 PM


#108

Carlos Alberto, você pode achar a insinuação sutil, e isso é questão de ponto de vista. Para qualquer gay essa insinuação é tão sutil como um rinoceronte dentro de uma loja de cristais.

Alessandra Alves, seu amigo gay que não achou a propaganda ofensiva deve viver num mundo cor-de-rosa, com trocadilho. Está muito longe o dia em que ser homossexual no Brasil vai ser tão tranqüilo como ser heterossexual. Há direitos civis que estão sendo recentemente conquistados e são um motivo de acreditar que um Poder Judiciário possa fazer a diferença para o bem, mas é só. E essa camapanha, pela carga negativa que tenta associar A Kassab, colocando todas as acusações de má-administração e nepotismo junto com a insinuação sexual é um grande exemplo disso. Caso nada do que eu digo fosse verdade, ainda haveria um outro ponto que é essencial: ser chamado de gay pode não ser uma ofensa para quem ouve, mas é uma grande ofensa para quem chama. Essa é toda diferença que faz com que um insulto seja um insulto, uma injúria: a agressão de quem fala. Um exemplo simples é eu te chamar de "Dona Maria" quando te ver no trânsito, e dizer que isso não deve te ofender porque você tem que ter orgulho de ser uma Dona Maria - por acepção, uma mulher.

Professor Idelber, desculpe invadir seu espaço para responder a comentaristas, mas se tem coisa estranha no mundo é você ver uma centena de pessoas tentando demonstrar autoridade ao falar sobre uma vivência que elas não têm. Espero poder contribuir, se não com cultura, pelo menos com experiência.

Cássio em outubro 15, 2008 5:12 PM


#109

Idelber, excelente post. A campanha da Marta inteligentemente deixou a coisa de modo muito sutil e dúbio. Não tiveram a mão pesada de Serra/Kassab em 2004, que faloaram - sem repercussão na mídia - em "Dona Marta e seus Dois Maridos". Mais importante que a peça publicitária da Marta é observar a reação da imprensa, desproporcional, despropositada e sem pretendentes quando o ataque era contra o PT.

Ricardo Montero em outubro 15, 2008 5:23 PM


#110

Cássio,
exatamente...
e vindo de quem tem projeto no Congresso a favor da união civil entre homossesuais é mais catastrofico ainda!

tina em outubro 15, 2008 5:23 PM


#111

Idelber, pra constar: "bravos!" ao seu texto, só pra variar.

Acrescento um ponto: me estranha tanto ver a quantidade assombrosa de pessoas que nunca tiveram qualquer proximidade com "causas" ou "comunidades" GLBT e de repente viraram especialistas afiadíssimos no mundo GLBT. "Classe" GLBT homogeneamente indignada com Marta Suplicy???? No que me diz respeito, como pertencete a essa suposta "classe", por favor, tenham o respeito de me incluir fora dessa! Ando sentindo um monte de coisa, mas indignação santa, não, não mesmo.

No mais, não discordo de você quanto ao que diz sobre homofobia e exploração eleitoral de homofobia alheia. Mas acrescento uma dimensão a mais: não é só isso, não. Temos ali, além de tudo que muito se tem falado, a indisposição de uma sexóloga libertária (com muitos serviços prestados à sociedade brasileira e partidária valente, ainda que desastrada, do conselho "relaxe e goze") diante de um cara que parece dissimular, sim, sua condição sexual. Que o modo como foi feito está fora de esquadro e de compasso, talvez esteja, sim, mas não me parece nada ilegítimo esse confronto de natureza moral.

Também não tenho encontrado muita indignação, nem mesmo por parte da tal "classe" GLBT, em relação ao fato de o Kassab ter ido no dia seguinte à "Folha de S.Paulo" dizer redondamente que NÃO é homossexual e "o que há de mulheres querendo casar comigo...".

Ié, a indignação seletiva está correndo adoidada nesta incrível campanha agora com contornos de embate e combate moral(ista). Inclusive por parte de cada um de nós mesmos, não é mesmo?, pois é bem fácil falar da homofobia, do preconceito, do machismo e do racismo dos "outros" do que encarar nossa própria estrutura interna machista-racista-homofóbica, seja cada um de nós homem ou mulher (ou outra coisa), hétero ou gay (ou outra coisa), branco ou preto (ou outra coisa).

Essa balbúrdia que se instalou é importantíssima, muito mais do que anda parecendo no nível raso das coberturas jornalísticas e dos confrontos selvagens de torcidas organizadas.

Abração, companheiro!

Pedro Alexandre Sanches em outubro 15, 2008 5:27 PM


#112

Idelber, o Rodrigo Vianna, repórter da Record escreveu um tópico muito interessante em seu blog, abordando questões que você também abordou.

Junior em outubro 15, 2008 5:30 PM


#113

Pedro Alexandre Sanches

Marta não tem o direito de se sentir incomodada com o suposto armário do Kassab e por isso denunciá-lo, tentando fazer um outing à força. Mais uma vez, a sexualidade de cada um é assunto íntimo, privado. Nem como psicóloga, nem como sexólgoga essa conduta se justificaria.

Da mesma maneira, ninguém tem o direito de se sentir incomodado com o fato de Marta ter sido amásia de Favre enquanto casada com Suplicy.

E se você acha que a Associação GLBT ter oficialmente e sumariamente encerrado suas atividades no comitê da campanha de Marta não é indignação o suficiente, eu não sei dizer o que seria. Não é só porque são gays que eles tinham que ir para a frente das câmeras sapatear de ódio, né?

Cássio em outubro 15, 2008 5:35 PM


#114

Olha, Cássio, mantenho o ponto de vista, sem isentar a Marta. Quem fez o estrago na loja foi a imprensa. Pra pegar a Marta, pegou também o Kassab. Se alguém não sabia do que se tratava, agora sabe. E não vai esquecer. Sendo ou não, Kassab virou gay. A questão é: que importância tem isso para governar São Paulo? É assim que uma imprensa séria deve tratar o assunto. Essa aí quer é isso mesmo, fofoca, escândalo. E, claro, prejudicar a campanha da candidata adversária.

Carlos Alberto em outubro 15, 2008 5:49 PM


#115

Bom, pelo jeito ninguém sabe quem é o kassab, nem conhece a história do DEM. MAS TODO MUNDO SABE QUE O CARA É GAY.

De qualquer forma, nada disso interessa. São paulo vai votar de novo na direita e pronto. Isso também não é tão importante assim para as eleições de 2010, basta lembrar que o fato do serra ter ganho a prefeitura em 2004 nem arranhou o favoritismo do lula em 2006.

aiaiai em outubro 15, 2008 5:55 PM


#116

Caro Carlos Alberto, se fosse um problema de fofoca tudo bem, ficaria naquele fla-flu entre petistas e tucanos. O problema ee qdo incita o preconceito. Vc acho normal q haja militantes petistas gritando chavoes homofobicos? ou entao a aparicao de um folheto apocrifo e homofobico contra o prefeito, alem de um outro panfleto racista. Ee esse tipo de campanha q vc estaa a defender?

Odracir Silva em outubro 15, 2008 5:58 PM


#117

Eu também, quando vi a chamada no Noblat, achei estranho ele chamar aquela turma de blogueiros, à exceção do Dória, e, devo dizer, dele, que durante um bom tempo ficou só no blog. Pensei que ele estava falando dessa turma, o Dória, você, o Hermenauta, etc.

Agora, como é que a Marta nos faz passar uma vergonha dessas? Eu sou um dos que acham que ainda dá pra ganhar. Mas ficou feio.


NPTO em outubro 15, 2008 6:28 PM


#118

Parece-me que a Folha de SP permitiu que se desnudasse uma grande hipocrisia. A Marta perdia votos por ser "advogada do demônio". Descobriu-se que o beneficiário dos votos era o próprio "demônio".

Marco Vitis em outubro 15, 2008 6:56 PM


#119

Idelber:
Quer mais? Você esqueceu das piores coisas. E a entrevista com Monica Dallari a uma semana da eleição de 2004?
http://veja.abril.com.br/271004/entrevista.html.
E este artigo de Barbara Gancia? Na Folha, claro. Leia com atenção, especialmente quanto ao "69". Acho que vale um post sobre isso:
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/fz2704200211.htm.

Paulo Seixas em outubro 15, 2008 7:31 PM


#120

nem maluf, vejam bem, nem maluf q é o rei da baixaria em campanhas políticas fez uma pergunta desse tipo quando ele concorreu com luiza erundina...

não gosto nem um pouco do reinaldinho azevedo, mas ele escreveu uma coisa q é certa e preocupa: esta peça de campanha da sra Marta Teresa Smith de Vasconcelos Suplicy é uma prévia do q o PT vai fazer na campanha presidencial de 2010.

joel navarro em outubro 15, 2008 7:43 PM


#121

Lamento, mas não tem nada de mais no comercial da campanha da Marta, que ví pela primeira vez por indicação sua. Na verdade, eu, se fosse da campanha, se fosse paulistano, tiraria aquela linha com as duas perguntas que têm 'incomodado' tanto os falsos moralistas (embora alí não tenha qualquer insinuação quanto à orientação sexual do kassab) e repetiria todas as outras, com as respctivas respostas, inclusive imprimindo e distribuindo panfletos com o texto. Quanto ao velho Suplici, 'gagazou total', vive tentando agradar a mídia. Ele quer ver o que é bom vire candidato a qualquer cargo do executivo. No senado ele é só a desculpa da mídia. Vamo lá paulistanos petistas, mãos à obra e elejam a MARTA, faça o favor, né!

Edmar C. Lima em outubro 15, 2008 7:52 PM


#122

Putz, essa foi de matar. Acontece em artigos cientificos onde as pessoas citam outros trabalhos, mas nao tem nada a ver. Olha soo a passagem do texto do Idelber:

"Suponho, caro Noblat, que há diferentes listas de “destacados blogueiros”. A minha inclui Alexandre Inagaki, Marco Aurélio Weissheimer, Fal Azevedo, Mary W. Certamente não inclui Daniel Piza ou Rosane de Oliveira. Na minha lista de “blogueiros destacados” não houve unanimidade nenhuma. O post mais inteligente, de longe, foi o da Mary W. Outra coisa que talvez valesse a pena dizer a Noblat é que o epíteto “Dona Marta” é insuportavelmente sexista. "

Sobre os tais blogueiros destacados da lista do caro Idelber, somente a Mary W escreveu alguma coisa sobre o caso da campanha da Marta. Ee soo seguir os links. Nos outros nao haa nada sobre o assunto. Do jeito q o blogueiro escreve, dizendo q nao haa "unanimidade", parece haver uma grande discussao entre os blogueiros listados... pura enganacao. Alias, fazer os outros blogs de cumplice ee dose...

Odracir Silva em outubro 15, 2008 7:54 PM


#123

Odracir, o problema de interpretação é seu. O meu texto não diz que os outros escreveram sobre o assunto. Diz que a lista de 'destacados blogueiros' do Noblat não é a minha e não é a de muita gente. E que não houve unanimidade nenhuma. Como não houve mesmo. Quer mais exemplos de gente que escreveu? Consulte o Pedro Alexandre Sanches:

http://www.pedroalexandresanches.blogspot.com/

E não preciso de fazer "cúmplices" para ter o respeito de Inagaki, Fal, Marco e Mary.

Calma aí, meu chapa. Quem lê tão mal não está em condições de ficar acusando ninguém de "enganação", não.

Idelber em outubro 15, 2008 8:04 PM


#124

Sei laa ne, meu caro Idelber, mas especificamente na passagem:

" Na minha lista de “blogueiros destacados” não houve unanimidade nenhuma. O post mais inteligente, de longe, foi o da Mary W. Outra coisa que talvez valesse a pena dizer a Noblat é que o epíteto “Dona Marta” é insuportavelmente sexista. "

"O post MAIS inteligente DE LONGE..." deixa eu ver... usou o "mais" ali, nao? nao foi uma comparacao? Se sim, entao estava comparando com o q? Nao, nao li mal nao. O jeito q estaa laa daa esta interpretacao. Se vc escreveu outra coisa, o problema certamente nao foi meu.

Odracir Silva em outubro 15, 2008 8:13 PM


#125

O que tem me divertido nos tópicos é ver como derrepente os comentários de direita se voltaram para os direitos individuais, se preocuparam com a possível homofobia da propaganda, é tão bonito ver como agora eles são defensores destes direitos e antes não eram, mais uma vez tentam usar de uma bandeira que não é sua para defender um dos seus, que na minha modesta opinião não deve ser defendido de nada, afinal eu sempre fui favorável a que as pessoas possam assumir sua opção. Justamente os que agora gritam sempre viram o homossexualismo como doença, é óbvio que na visão deturpada deles ninguém pode chamar o Kassab de doente, é triste!

Roberto Stein em outubro 15, 2008 8:15 PM


#126

errata: quando disse tópicos, quis dizer comentários dos tópicos

Roberto Stein em outubro 15, 2008 8:18 PM


#127

Parabéns, Odracir, pela brilhante demonstração de capacidade de perceber um termo de comparação oculto.

Idelber em outubro 15, 2008 8:20 PM


#128

Obrigado, caro Idelber, soo espero q nao haja tantas comparacoes ocultas em suas criticas literarias. Abcs, Odracir.

Odracir Silva em outubro 15, 2008 8:24 PM


#129

Não se preocupe. Em geral quem lê crítica literária consegue perceber um termo de comparação que se encontra cinco linhas acima.

Idelber em outubro 15, 2008 8:29 PM


#130

É MARTA NO PEITO!


Tá certo que eu dei a idéia, mas o Eduardo Guimarães aperfeiçou. Até domingo vamos usar, dia e noite, um adesivo da Marta (ou broche). Vejam os detalhes em:
http://edu.guim.blog.uol.com.br

Neide em outubro 15, 2008 9:23 PM


#131

Kassab deve expicações? Claro. E considerando que pertence ao partido de Afanásio Jazadzi, que vive chamando os gays de "bando de aidéticos", que já propôs isolar homossexuais em campos de concentração e que tentou acabar com a lei que proibe a discriminação a esse grupo, diria que deve explicações várias.

As perguntas devem continuar, pois quem não tem história pessoal é uma sombra. Desrespeita os que assumem suas histórias de vida e desrespeita o eleitor que vota em embalagens falsas.


Armando do Prado em outubro 15, 2008 10:54 PM


#132

Idelber, eu só sei de uma coisa: ao contrário dos últimos 08 anos, quando sempre anulei meu voto, dessa vez eu voto no kassab.Faço isso por um motivo estritamente pessoal, que com certeza será considerado mesquinho por muitos.Pois suponha que o kassab não é gay, simplesmente não achou (vá lá!)a tal cara metade, e acha que isso não é de interesse de ninguém.Seria um direito dele, certo?Mas não, e aí é que eu entro na conversa, pois "como um cara nessa idade pode ser solteiro, sem filhos?"A resposta é "fácil": hehehe,"com certeza é viado, uma bichona enrustida".Vivo aturando esse tipo de comentário já há muito tempo (e olha que sou mais jovem do que ele - tenho 36) tanto de amigos (quer dizer, ex amigos, pois perdi a paciência com comentários que há muito deixaram de ser só de brincadeira e rompi com todos)e de familiares.Me tiram o direito a ser "diferente", de, no momento, querer estar sozinho e não ter que provar minha masculinidade gastando todo meu salário em algum puteiro da vida.Desculpem, mas não é por alguém ter sido alvo de preconceitos que lha dá o direito de responder na mesma medida, reforçando outros preconceitos.

Júlio em outubro 15, 2008 11:13 PM


#133

Entendo perfeitamente, Júlio.

Idelber em outubro 15, 2008 11:20 PM


#134

Você destacou muito bem, Idelber, o padrão de juízo é descaradamente diverso quando o alvo do julgamento não faz parte do panelinha deles. Esse diferença é, para mim, o principal obstáculo a uma análise política objetiva. De maneira geral, os comentários que circulam por aí são elaborados contando com uma igualdade ficctícia de condições. Sem contar com essa variável toda análise é, de saída, enviesada.

Mas ao mesmo tempo preciso subscrever as palavras de Franciel. "Jornal brasileiro respeitado" e "Mídia reflexiva" são entidades que cabem na mesma categoria das "mulas sem cabeça" e do "saci pererê" :D

Abraços

PS. Assim que o tempo permitir, vou escrever sobre o mesmo tema, a disparidade dos juízos de Gilmar Mendes sobre a liberdade de imprensa, no caso Veja e Carta Capital. Só que aqui as coisas se complicam, pois a impossibilidade de um julgamento objetivo põe em causa a própria realização da justiça.

Leonardo Bernardes em outubro 16, 2008 1:34 AM


#135

Ah, Idelber, vc sabe, eu quero que essa gente toda se dane, com suas cabelas acaju mimoso e suas caras de botox eu só fico bamba quando vc cita o drops e venho aqui ser deslumbradinha e tonta, rá. :o))
Eu tava trabalhando super sério, mas aí a Merryl Streep revolveu dar pro Clint, eu me perdi na tradução e vim fazer ronda de blog que é o que me resta nessa hora da madrugada, mô fio.
Só voto se for em você, professor, saia candidato por qualquer partido (o que é o amor, minha gente), que eu boto minha vida eleitoral em dia e voto (se eu me lembrar como :o))) )
beijos, amor pra vcs dois, saudades e cafunés.

Fal em outubro 16, 2008 2:17 AM


#136

Ana estava assistindo você na TV hoje.

Eu tô guardando para o fim de semana, com cervejinha :-))))))

Beijos, amore.

Idelber em outubro 16, 2008 2:19 AM


#137

Leonardo, meu caro, fico aguardando o post sobre o Gilmarzão.

O Santa Maria já está nos meus feeds.

Idelber em outubro 16, 2008 2:21 AM


#138

Ah, e podem me chamar de cumplice sua que eu jamais me ofenderei, podem chamar, eu sou cúmplice, testemunha, seguidora e se der problema com a desova do corpo à 3 da manhã, me liga que vou de Torresmo e a gente resolve. Deus sabe que vc merece.

Fal em outubro 16, 2008 2:26 AM


#139

off-topic: Idelber, o que explica que o poste do Aécio de repente comece a tomar essa sova que se anuncia nas pesquisas?

Ivan em outubro 16, 2008 2:53 AM


#140

Ivan, vem aí um post sobre BH :-)

Idelber em outubro 16, 2008 3:13 AM


#141

Do “lado de esquerda”, alguns, poucos na verdade, cerraram os dentes e lamentaram. Os demais se dividiram em dois grupos. No primeiro, estão os que defenderam: política é assim mesmo, os fins justificam os meios, nossa moral não é a deles, etc. Praticam, sem o saberem, aquela racionalidade instrumental que foi a tragédia da esquerda no século XX, e que esperávamos superada. Dos demais, um silêncio ensurdecedor.
Mas veio a reação do “lado da direita” e o tom foi encontrado. Primeiro, uma condenação clara, contundente. Em seguida, a denúncia da contradição performática. Pesquisas nos arquivos dos jornais permitem o confronto com atitudes anteriores, vincular o episódio a outras questões... tudo isso desperta reações entusiasmadas. Uns poucos não se conformam: “a minha indignação é real”. Para a maioria, porém, a condenação, ainda que sincera, é rapidamente esquecida: o texto começa no “Mas”. Finalmente, os dois grupos se encontram. O que importa é quem diz, não o que é dito. Àquilo que é narrado, nega-se o assentimento potencial. Difícil reconstruir a esquerda.

Eduardo em outubro 16, 2008 7:25 AM


#142

Boa, Idelber!

Escrevi um post sujo, preconceituoso e cheio de piadas homofóbicas para explicar o que você fez com tanta elegância... "Catiguria é catiguria"!

É uma situação binária, que leva a 1 conclusão:

1 - Kassab é gay: praticou nepotismo
2 - Kassab não é gay: administrou mal, criando uma secretaria sabidamente inútil.

Qualquer opção acima é nociva aos interesses da cidade. E a preferência sexual não tem nada a ver com isso.

Vinicius Duarte em outubro 16, 2008 10:13 AM


#143


Oras, a sra. ex-prefeita errou feio e nao quer assumir? Jogou a culpa nas costas do marqueteiro.
Parece um outro personagem conhecido que diz nunca saber de nada. Tipico dessa gente.

Quanto `a questao moral do assunto, Dona Marta, esta' numa faixa demasiado estreita para poder falar disso. Para os que tem memoria salutar, ela e' mais que carta fora do baralho.


ramiza em outubro 16, 2008 10:53 AM


#144

Não se pode falar de corda em casa de enforcado. Até um mero "Acorda, gente!" vira um rebuliço homérico em mentes paranóicas e projetivas.
A imprensa faz o que mais gosta de fazer: pega a onda e a transforma em tsunami,surfa no factóide da vez, destila veneno e fofocas e ainda põe a culpa nos desafetos de sempre. Elementar, meu caro Watson.

Cafu em outubro 16, 2008 12:45 PM


#145

Na mosca.

Cassol em outubro 16, 2008 12:58 PM


#146

pessoas como a Ramiza e o Júlio me fazem pensar seriamente na vastidão do deserto do Saara, uma pq ainda usa o famoso bordão do Jorge Bornhausen e o outro por acreditar que num blog como o biscoito alguém acredita no truque do 'eu votei no PT mas...' ou 'eu votei nulo mas...' e depois toca-lhe uma opinião de quem nunca saiu dos braços da ARENA.

Roberto Stein em outubro 16, 2008 1:03 PM


#147

Aliás, Idelber:

quando eu trabalhei no Terra, fomos os primeiros a publicar a nota "PSDB critica Dona Marta e seus dois maridos". Houve repercussão na época, mas não esse clamor todo.

Aqui, a nota:
http://noticias.terra.com.br/eleicoes2004/interna/0,,OI352652-EI2542,00.html

Cassol em outubro 16, 2008 1:11 PM


#148

O PIG tem "elevados padrões éticos" de maneira seletiva: fez um tremendo escarcéu com a Miriam Cordeiro, Lurian, "Lulinha Gamecorp", etc, e cala-se diante do filho ilegítimo de FHC, do Jorge "Gestapo" Bornhausen, da sociedade da filha do Serra com parentes do Daniel Dantas, da reunião do DD com o Gilmar, etc.
Sobre o Kassab e o Rodrigo Garcia, a sexualidade é do foro íntimo de cada um. Mas e as empresas que ambos possuem em sociedade?
- R&K Indústria Gráfica e Editora Ltda
- R&K Comércio e Participação Ltda
- R&K Engenharia e Empreendimentos Ltda
- Centroeste Agropecuária do Brasil LTDA.

Johnny Guitar em outubro 16, 2008 1:15 PM


#149

a Marta e sua campanha erraram feio naquelas duas perguntas, isso é ponto pacífico. Mas a ibdignação da imprensa com o fim do comercial é ótima cortina de fumaça para a questão que realmente importa, e na qual tanto a Marta quanto sua campanha estão cobertos de razão: 51% dos eleitores de SP estão votando em um cara que eles não têm a menor idéia de quem é. Um sujeito que construiu sua carreira política escondido nos bastidores, e que agora que veio para a frente do palco, faz questão de esconder seu passado político. Ou vocês acham que a carreira dele começou na gestão Pitta?

Alguém sabe que ele é de São José do Rio Preto? E que tanto ele quanto o Rodrigo Garcia são representantes do pior da elite mais retrógrada e conservadora do interior de SP? Que a carreira dos dois foi construída com o dinheiro e o apoio dessa elite, e atendendo os piores interesses da mesma? Na verdade, "oligarquia" é mais apropriado. Uma carreira cheia de lances obscuros e mal explicados, que valeram uma reputação que leva meus amigos de Rio Preto a comentários como " 'gente fina' esse prefeito de vocês, hein" e "ainda bem que ele foi ser prefeito aí, e não aqui". Amigos, é bom ressaltar, eleitores contumazes de tucanos e pfl's. Um cara que começou a carreira como presidente do Sindicato dos Corretores de Imóveis e tem ligação com a especulação imobiliária, a pior praga para o planejamento urbano de Sao Paulo.

Conhecendo a reputação do figura, nunca achei que ele pudesse ser um candidato viável, mas o fato de estar na frente mostra que o banho de loja que o PFL deu em só mesmo e no Kassab conseguiu enrolar quase todo mundo, e agora mais da metade do eleitorado pretende votar na versão de carne e osso do kassabinho, o boneco inflavel que se espalhou pela cidade. E um boneco inflavel que vai ter maioria na câmara dos vereadores. Um boneco que não tem a menor idéia do que seja urbanismo, que se cerca de uma equipe que também não sabe e que vai conseguir aprovar o que quiser na sua próxima gestão.

Seria bom que todos soubessem que o Kassab de verdade esta mais próximo do prefeito que preferiu não dar nenhum pronunciamento e desaparecer na segunda feira em que o PCC parou SP, ou que desceu a mão no cidadãono posto de saúde, do que do Kssabinho. Mas é claro que nessa época o banho de loja ainda não tinha surtido efeito, então é compreensivel o descompasso entre as imagens de hoje e de então.

Daniel em outubro 16, 2008 1:15 PM


#150

"banho de loja em SI mesmo"
não "em só mesmo"

Daniel em outubro 16, 2008 1:19 PM


#151

Estou aqui em Recife, cheio de trabalho, sem tempo pra nada, mas nas minhas leituras rápidas dos jornais locais, li uma matéria sobre a investida da campanha de Marta contra Kassab,e entre outras sínteses dos comerciais que estavam no ar, a matéria citava esse que termina com "ele é casado? ele tem família", sem nenhum comentário crítico. Aí, pensei: puxa, esse comercial vai dar o que falar, eu nem sabia da solteirice de Kassab (*). Agora, peraí,logo isso, partindo da Campanha de Marta, ela que seria a última política no Brasil a poder fazer uso dessas insinuações maldosas. Com o histórico e o pioneirismo dela em defesa da diversidade, dos projetos de lei nessa área, da defesa casamento homosexual, etc. É uma pena, o que a queda nas pesquisas não faz na estratégia (estrago) de uma campanha?!?
Aí, pensei mais: esse tiro vai sair pela culatra, é um tiro no pé, tem um efeito bumerangue. Minha gente, um comercial desse depõe contra Marta e faz Kassab de vítima, até no eleitorado conservador. Em resumo, noves fora o sutíl veneno do comercial, em se tratando de uma luta política eleitoral, o comercial é muito ruim para campanha de Marta, isso não é estrategia sensata, isso . Passa uma idéia de que, diante da vantagem adversária, toda arma agora é válida, até para mostrar ao eleitorado conservador, que Kassab não é o voto certo para um conservador. Mas gente quantos e quantos homosexuais conservadores não existem por aí? Opção sexual não é sinônimo de opção ideológica de esquerda. Isso não é assunto pra uma campanha, nem muito menos de Marta.
Não discordo em nada dos comentários do blog sobre a grande imprensa que se aproveita, deita e rola contra os candidatos de esquerda, etc, etc.

Mas, eu aqui, sem participar desses debates todo, eleitor de João da Costa (eleito no 1º Turno prefeito do Recife), fiquei pensando no resultado negativo, do estrago para campanha de Marta. Só só isso! Abraço para todos, orlando

Orlando MIndêllo em outubro 16, 2008 2:11 PM


#152

Conheçam o blog "Quem é o Kassab?" e participem da enquete sobre a Imprensa Paulista.

www.quemeokassab.blogspot.com

abs.

Pedro em outubro 16, 2008 3:10 PM


#153

é , legal é a Ministra mandar relaxar e gozar e não querer passar a pagagem de mão pelo raio-x

laura em outubro 16, 2008 3:34 PM


#154

Para mim é claro que há muita gente que não gosta da Marta. Preconceito ou não, isso talvez ajude a explicar as diferenças no tratamento de muitos sobre a vida privada de Marta e Kassab.

Agora, porque há muitos que não gostam da Marta? Não vou perder tempo tentando descobrir, mas posso dizer que de olhar ela falar em debates, eu também antipatizo. Não parece em nada com ninguém com quem eu gostaria de conversar ao vivo.

Talvez isso seja preconceito dos grossos, e ela seja uma gracinha de pessoa. Mas não é a imagem que transmite e azar... Vox populi, vox dei.

Rafael M em outubro 16, 2008 4:45 PM


#155

Eu é que não vou malhar a Marta em companhia de gente como o Reinaldo Azevedo. Onde ele estiver eu estou do outro lado.

André em outubro 16, 2008 5:24 PM


#156

Uma coisa que estranhamente não é comentada por ninguém é a tenebrosa CRASE inventada por Noblat em seu texto sobre o milagre de Marta Suplcy. Nojento, assustador, inconseqüente. Não que ele não possa errar, mas o texto está lá há dias e ninguém o alertou. Internet é isso aí.

"Nunca antes na história deste país os mais destacados blogueiros haviam falado a mesma língua, defendido o mesmo ponto de vista e investido na mesma direção. Pois isso ocorreu ontem - e talvez jamais se repita. Credite-se a proeza a Marta Suplicy, candidata do PT à prefeita de São Paulo, e ao comercial de sua campanha que perguntou sobre a condição civil de Gilberto Kassab (DEM)."

Thiago em outubro 16, 2008 5:54 PM


#157

Não entendi nada. De qualquer forma, eu voto em Marta e sei do passado dos dois. Por isso escolhi ela. Simples assim.

Maria Claudia em outubro 16, 2008 6:10 PM


#158

Laura,
Essa estória da Marta não querer passar a bagagem no raio-X foi inventada pelo Lauro Jardim (Veja!) e replicada pelo Josias de Souza (Folha!) e desmentida, prontamente, pelo assessor de imprensa da Ministra (o Josias, salvo engano puplicou o desmentido). Não houve, absolutamente, nenhum incidente no embarque da Ministra, só mesmo o procedimento de praxe, ou seja, como Ministra de Estado ela tinha que seguir as normas de segurança previstas para os Ministros e não entrar na fila de passageiros.
Sobre o "relaxa e goza", se vc o ouvir sem edições e cortes, dentro do contexto que foi dito, verá que não houve deboche ou desrespeito.O que Marta falou pros viajantes foi que ao chegar ao seu destino, mesmo com atraso e enfrentando as dificuldades dos aeroportos, o turista poderia se divertir e aproveitar.
Nenhum ser humano consegue manter a linguagem sob controle, em situacão de formalidade, 100% do tempo.
Um abraço.

Cafu em outubro 16, 2008 6:20 PM


#159

Em 1998 estava em Maceió, em plena campanha eleitoral. Para minha surpresa, o Estado de Alagoas - que é considerado o cafundó mais atrasado do país, disputando com o Piauí em todos os índices de subdesenvolvimento - tinha um candidato a governador gay, apoiado por uma prefeita idem.
E a cidade toda sabia, o fato já havia sido explorado pelos concorrentes, sem efeito prático.
Ambos estavam no campo da esquerda (PSB) e combatiam os usineiros e a famílía Collor.
Conversando com um vendedor de coco na praia, ouvi a explicação surpreendente:
- Ele é boiola, mas é macho! Enfrenta esses bandido tudo aí!
Ronaldo Lessa foi eleito, e sua companheira de chapa Heloísa Helena virou senadora. Kátia Born concluiu seu mandato sem maiores questionamentos.

São Paulo deveria aprender algumas coisas com Alagoas. Pena que os próprios alagoanos desaprenderam...

Daniel Brazil em outubro 16, 2008 6:20 PM


#160

"Sexista é a Globo que diz no Fantástico que na puberdade nos interessamos pela 1a vez pelo sexo oposto. Gentem, eu dei o cu com 10!"

Paulo Cabral em outubro 16, 2008 6:24 PM


#161


Um detalhe que eu nao conhecia.. Idelber mora em NJ?
Onde?
Summit, Madison, Chatam, Dover, Newark?
E discute politica brasileira nesse tom?

Que raro.

ramiza em outubro 16, 2008 7:06 PM


marcos em outubro 16, 2008 7:51 PM


#163

É verdade. Uma resposta de um então candidato à Presidência em campanha, duas notas de coluna social e uma piada de argentino, depois de dona Marta e seu ex-marido já haviam espalhado para todo mundo da vida particular deles, é realmente comparável à insinuação e exploração da preferência sexual de um adversário...

De fato quem cometeu todos esses absurdos listados não pode se indignar com a exploração eleitoral de uma insinuação de baitolagem.

Um comentário sobre o terno e gravata daquele que não é franco nem no nome que diz ter (ao passo que a esposa usa o sobrenme do ex-marido de quem ele a roubou) é, realmente, tão grave quanto, se não pior.

João em outubro 16, 2008 8:22 PM


#164

Desastres a parte, Serra realmente só pisa na jaca, agora culpou o PT pela greve da Policia Civil em que planeta vive este senhor...Esperemos para ver se vai ter uma notinha contra na imprensa essa bobagem.

Marcelo Luiz em outubro 16, 2008 8:37 PM


#165

Acho que as análises que foram feitos até agora do comercial em que Marta pergunta sobre o casamento e os filhos de Kassab carecem de um elemento essencial: uma pitada de realidade.
É óbvio que em um spot publicitário, cada palavra é escolhida para produzir o efeito pretendido. Portanto, não adianta alegar que a pergunta era inocente. Aí entra a realidade. A pergunta foi planejada para atingir uma parte do público.
Grosseiramente, o grande público é dividido entre aqueles que não aceitam incluir assuntos privados em campanha; aqueles que aceitam, desde que lhes seja conveniente; e aqueles que acham que isso é elemento que influencia a decisão. Faço parte do primeiro grupo. Muitos colunistas e comentaristas que encheram as páginas de jornais e telas de computador de indignação, mas se mantiveram inertes em situações similares, fazem parte do segundo grupo. Os evangélicos, sobre quem o presidente se manifestou, expressando o desejo de não discriminarem Marta, fazem parte do terceiro grupo.
Com a frase, a campanha de Marta muda a equação. Se antes os do terceiro grupo se perguntavam: devo votar em uma adúltera? Agora a pergunta é: voto em uma adúltera ou em um gay? Visto por esse lado, a propaganda foi certeira e a polêmica que produziu apenas amplificou o resultado. É claro que há o efeito colateral. Há a indignação honesta e há aquela hipócrita. É uma questão de custo e benefício.
A reação hipócrita da grande mídia é apenas uma ação coordenada que pode ser chamada de “a inversão de Serra”. Trata-se de desviar o ataque, condenando o autor da ação. Isso foi usado no caso do dossiê dos aloprados e do dossiê dos gastos de FHC. Diariamente, a mídia publica em algum lugar algum documento que é mantido sob segredo de justiça ou de função. Ela jamais de questionou sobre a legalidade ou ética disso, mas, ridiculamente, a mídia jamais publicou o conteúdo do dossiê dos aloprados, sendo este um documento preparado justamente para ser divulgado.
Alega-se que discutir a orientação sexual não é correto, mas que discutir a suposto nepotismo que há em nomear o parceiro para uma secretaria seria correto. Concordo, mas como é que a mídia reagiria se a campanha de Marta perguntasse sobre o sentido de se criar uma secretaria e nomear como secretário alguém que não entende sobre o assunto? Certamente haveria manchetes do tipo “Campanha de Marta insinua que secretário é bofe de Kassab” e toneladas de indignação em seguida. Não há como fugir do roteiro.

de sandálias anabela em outubro 16, 2008 10:31 PM


#166

Uma das descobertas sensacionais desta caixa de comentários é que eu moro em New Jersey e não sabia! O #162 errou só por 2.000 quilômetros :-)

A partir de hoje, há uma regrinha nova: qualquer comentário que questione o meu direito de escrever sobre o Brasil (porque eu moro no exterior durante 2/3 do ano) será apagado e o autor, banido.

Não há o menor sentido em ter aqui comentários que questionem o meu direito de falar. Não acrescentam nada. O objetivo do blog é manter o já conhecido nível de sua caixa de comentários mesmo em época de multiplicação do número de leitores. Se, para isso, eu tiver que expulsar meia dúzia de trolls, eu o farei sem nenhum remorso.

No mais, continuem a discussão tranquilos.

Idelber em outubro 17, 2008 12:35 AM


#167

ai não né cafu...

o relaxa e goza dela é a mesma coisa que estupra mas não mata do maluf...

nota inventada? hum...então tá

só falta agora aparecer um Joe the plumber por aqui

laura em outubro 17, 2008 3:05 AM


#168

Valeu Daniel (150)!

Faltou dizer que quem o colocou no cargo de prefeito foi o menino serra, que se candidatou dizendo que não sairia para concorrer a governador e o fez mesmo assim.

aiaiai em outubro 17, 2008 5:05 AM


#169

Essa (esse) aí do #162 é figura carimbada...

Segundo ela (ele), "sapo de fora não chia", principalmente se o "sapo" coaxa em língua diversa à dela (dele).

Realmente, hoje em dia é necessário estar "no local dos fatos" para se saber o que se passa. Ontem o JN estava no meio do tiroteio entre policiais civis e militares, mas eu consegui me informar sobre a razão do tiroteio.

Vinicius Duarte em outubro 17, 2008 11:43 AM


#170

digo, NÃO CONSEGUI me informar...

Vinicius Duarte em outubro 17, 2008 11:44 AM


#171

Esquecemos que estamos falando de política. Aí esquecemos consequentemente de exaltar os outros questionamentos do VT em questão, que realmente está relacionada a trajetória política do prefeito.
Essa conversa é tola em qquer esfera. Por que o óbvio não se comenta entre os inteligentes.
Os argumentos do Idelber são inquestionáveis para qquer um, seja ele partidário ou não.
Muitas vezes o respeito falha, seja numa campanha política, seja aqui.
Por amor de Deus, qtas boas palavras disperdiçadas.

Paulo Cabral em outubro 17, 2008 2:15 PM


#172

Idelber,

Mais uma vez você "acertou na lata". A propaganda da Marta foi de baixo nível. A intenção foi, mesmo, entregar o atual prefeito, sabendo-se que existe, ainda, muito preconceito com relação à minorias como os gays. Da nossa grande mídia não se poderia esperar outra reação: dois pesos, duas medidas. É lamentável. Porém parte dessa reação é compreensível: ninguém espera apelos tão baixos de uma candidata que sempre defendeu os direitos dos gays.

Carlos em outubro 17, 2008 6:12 PM


#173

Paulo Cabral

Na Idade Média, quando surgiram as primeiras universidades, seu comentário que reza que "Os argumentos do Idelber são inquestionáveis para qquer um" seria dito por uma fórmula mais simples: "Magister dixit", isto é, o mestre disse. O que o Mestre dizia era assunto inquestionável.

Acredito que o Professor Idelber concordaria que evoluímos um pouco desde a Idade Média. Mais: o processo de questionamento constante é o que nos leva mesmo ao conhecimento. Sempre que for respeitosamente, e com um mínimo de fundamento, todos nós que estamos aqui também para aprender, podemos questionar. Desde que eu escrevi aqui pela primeira vez sobre esse assunto, já tive alguns dias para pensar melhor no que os outros depuseram, e pude separar o que é racional do que é sentimento. Não voto em São Paulo, para falar a verdade, eu não voto em lugar nenhum. Mas deixarei de vir aqui, assim como muitos outros deixarão, quando essa caixa de comentários virar o espelho, espelho meu do blogueiro.

Um abraço.

Cássio Borges em outubro 17, 2008 6:18 PM


#174

AMÉM! Mais uma vez, eu digo aliviado: há luz no fim do túnel. Obrigado por ter uma opinião decente em meio a essa palhaçada. Esses jornalecos daqui me entristecem grandemente. Até o Pedro Doria perdeu lá seus pontos comigo pelo 'show' que deu em relação a isso.
-> Vamos começar a ser mais profissionais e encararmos o contexto, ver o outro lado. Se essas são as regras do jogo (a desonestidade, os golpes baixos) encaremos ambos os lados da questão. Demonificar Marta Suplicy só serve a um propósito, e todos nós sabemos a qual propósito.
Enfim, obrigado pela coerência.

Matheus em outubro 17, 2008 7:28 PM


#175

"A minha inclui Alexandre Inagaki, Marco Aurélio Weissheimer, Fal Azevedo, Mary W. Certamente não inclui Daniel Piza ou Rosane de Oliveira. Na minha lista de “blogueiros destacados” não houve unanimidade nenhuma."

Nem poderia haver, pois somente uma blogueira, a tal de Mary W. escreveu algo sobre o assunto.

"Outra coisa que talvez valesse a pena dizer a Noblat é que o epíteto “Dona Marta” é insuportavelmente sexista."

E o Dona Ruth, mulher de FHC também era? Alguém ao longo dos anos de vida dela, durante o mandato do marido por exemplo, manifestou algo nesse sentido?

"Mas quando há suspeitas de que um prefeito cria uma secretaria de desburocratização para abrigar seu suposto companheiro, a pergunta sobre o nepotismo e a transparência é, sim, de interesse público"

Entendo, SE o cara é companheiro do Kassab, SE a secretaria foi criada para abrigá-lo, SE ele é desnecessário. No melhor estilo Veja muitos SE´s e nenhuma prova.

Adhemar Santos em outubro 18, 2008 6:46 PM


#176

Adhemar:

1) Que Rodrigo tem longa história de ser companheiro de Kassab, até os postes de São José dos Campos sabem. Se você não sabe, não posso fazer nada.

2) Que a secretaria foi criada para abrigá-lo, também é sabido.

3) Se a secretaria é necessária ou não, o ônus da prova é de quem criou, não de quem levanta interrogações sobre sua necessidade.

Idelber em outubro 18, 2008 6:52 PM


#177

Idelber

1) Vc colocou no post original "suposto companheiro", no sentido claro de companheiro amoroso, homosexual. A pergunta é: vc tem prova disso ou estas ditas provas estão nos postes de São José dos Campos? Ou foi a Veja que te passou esta informação?

2) Sabido por quem? A necessidade ou não desta secretaria, segundo a estratégia do governo paulista, também está nos referidos postes?

3) Quem criou viu a necessidade de tal, segundo sua estratégia de governo. O ônus da prova, na verdade cabe a quem questiona sua necessidade. Não inverta as coisas.

Adhemar Santos em outubro 18, 2008 7:06 PM


#178

1) No meu manual de jornalismo, uma dezena de testemunhas qualifica, sim, como prova.

2 e 3) A necessidade de criação de um aparato burocrático para "desburocratizar" o serviço, feita por um partido cuja principal plataforma é a redução dos gastos públicos, precisa, sim, ser justificada. Se você tiver essa justificativa, traga-nos, por favor.

Idelber em outubro 18, 2008 7:14 PM


#179

1) No meu também, desde que essas testemunhas tenham nome e suas declarações sejam de boca própria e não de terceiros.

2 e 3) A desburocratização pode ser feita via cada órgão específico (mais difícil, pois há contrariedade dos referidos órgãos em "cortar na própria carne") ou um órgão central, acima, mas sem vínculos com os outros, cuja atuação, justamente por ser independente dos demais, pode ser mais efetiva. Não há ilógica nenhuma nisso, ao contrário. Muito difícil associar a criação dessa secretaria "para abrigar o suposto companheiro" sob essa ótica de necessidade ou não. Portanto, vc tem provas mais, digamos assim, contundentes?

Adhemar Santos em outubro 18, 2008 7:34 PM


#180

1) Pois é. Agora você acrescente, no seu, uma coisinha chamada "sigilo de fonte" e ele fica completo.

2 e 3) Amontoado de sofismas. Uma secretaria foi criada. Quem tem que justificá-la é quem criou. Se o namorado do criador recebeu a direção, a necessidade da justificativa fica mais premente ainda. Volte com justificativas reais para a criação desta secretaria.

Idelber em outubro 18, 2008 8:07 PM


#181

Idelber:

1) Sigilo de fonte é o que a Veja constantemente alega para proteger a origem de seus boatos. E só se dá sigilo a fonte que pede, se a fonte não faz questão, tudo bem. Prova testemunhal só tem valor depois que a testemunha presta o testemunho. Até agora, isso não parece ter acontecido. Mesmo que tenha, o ponto dessa conversa toda não era dizer que não importa se o Kassab dorme sozinho, acompanhado, com mulher, homem ou com os postes de São José dos Campos? Eu pensei que a fase do preconceito tinha ficado lá para trás, derrotada no primeiro parágrafo do seu post.

2) Você não acha que sua afirmaçao "criar uma secretaria para acomodar o companheiro" poderia parecer leviana? Tão leviana quanto "empregar o Favre para não fazer nada às custas do contribuinte"?
E, até onde eu consigo lembrar do meu beabá jurídico, o ônus da prova é do acusador, não da vítima. Claro que você sabe disso, Professor, mas às vezes a emoção mareja os olhos e a gente fala coisas assim sem pensar... E, ademais, você vive há algum tempo nos estados unidos, e não deve lembrar o que é a burocracia brasileira para dizer que precisamos de mais provas ainda de que ela é desnecessária.

Com todo o respeito, mas também com coerência, um abraço.

Cássio Borges.

Cássio em outubro 19, 2008 9:58 AM


#182

Não vou ler os mais de 180 comentários, por pura preguiça mesmo, então, é capaz de alguém já ter falado o que vou escrever.
Idelber o que choca a todos nas perguntinhas preconceituosas da campanha da Marta em SP, é exatamente o fato de ter saído dela. Porque a Marta sempre foi acusada pelos conservadores de ser alguém que defende os gays e seus direitos, e, portanto, alguém moralmente deficiente.
Vida pessoal é pessoal? Pra quem quer vida pública não. Contraditório? Não exatamente. A forma como uma pessoa se conduz na vida privada diz muito de como ela se conduz no mundo. Seus valores, crenças, etc. Então, investigar a vida privada de um político é legítimo. Aí nos EUA os jornalistas usam muito esse tipo de informações.
Ou a vice do partido democrata não anda pagando por isso? Aqui no Brasil, num sistema de valores bem diferentes, isso não tem tanto peso. Mas, ainda tem algum.
A Marta paga um preço por ter se divorciado do Eduardo Suplicy e casado em seguida, especialmente pelo fato de que pesa sobre ela a suspeita de ter tido casos extra-conjugais antes. Isso impede o Suplicy de tentar qualquer coisa maior na política, pois brasileiro é preconceituoso com quem considera corno. E sempre será uma nódoa na vida dela, pois, mais que "perua" ela é vista como adúltera (a palavra q ia usar é outra).
Agora além de tudo é vista também como alguém que usa o movimento gay, mas, na verdade tem preconceitos conta homossexuais. Ou seja, Dona Marta meteu os pés pelas mãos.

Valéria em outubro 19, 2008 12:39 PM


#183

Caros Idelber, Cassio e Adhemar

1-Não são os postes de São José dos Campos que saberão algo sobre o Kassab, mas os de São José do Rio Preto, a gloriosa Princesinha dos Grandes Lagos, a 438 km a noroeste de São Paulo – pelas rodovias dos Bandeirantes e Washington Luís – logo depois de Catanduva e pouca coisa antes de Engenheiro Schmidt e Mirassol, e constantemente confundida com São José dos Campos ou Ribeirão Preto, o que mexe com os brios dos nativos toda vez que acontece. E que nos proporcionou, além de Kassab e Garcia, Luiz Antônio "111" Fleury e Amaury Jr. Aliás, Amaury Jr., belo nome para a Secretaria da Cultura na próxima gestão Kassab, não?

2-A Secretaria pode até ser útil, mas quem tem que demonstrar isso é mesmo a Prefeitura, até como forma de dar satisfação sobre onde anda gastando nossos impostos.Ela estava planejada desde a época do Serra, talvez não tenha sido criado especificamente para alocar o Rodrigo Garcia, mas certamente a oportunidade foi bem aproveitada.

3- Apesar de tudo que foi dito aqui nos comments, não tenho certeza sobre a natureza da relação Kassab/Garcia. Garcia é casado com uma antiga colega de escola (para manter a brincadeira do manual de redação, vou manter o anonimato da fonte, mas é alguém que deu aulas para o futuro casal), e Garcia e Kassab tinham uma primeira ligação através da religião – são ambos espíritas, grupo bem forte em Rio Preto. Dá uma leitura interessante praquele vídeo do Kassab com os evangélicos, não?

Mas Kassab e Garcia são aliados políticos, o último com a carreira totalmente criada sob as asas do primeiro (incluindo campanha e arrecadação de fundos conjuntas), amigos de longa data, de famílias que mantêm relações de amizade e religião e sócios em várias empresas - inclusive investigadas por suspeita de enriquecimento ilícito durante a gestão Pitta. A suposta relação homossexual é supérflua para demonstrar o claro favoritismo na hora de escolher o secretário de Desburocratização, não?

Daniel em outubro 19, 2008 4:56 PM


#184

Cássio, com a paciência infinita que tem caracterizado minhas intervenções nesta caixa, reitero:

1) Não se pode confundir testemunha em processo penal com testemunha que fundamenta informação jornalística. O fato de que a Veja use a prerrogativa do sigilo de fonte para disseminar calúnias não quer dizer que o sigilo de fonte deva ser abolido. O que sustenta a informação vinda de fonte sigilosa, então? Ora, a credibilidade de quem a veicula. A informação veiculada aqui -- de que Rodrigo Garcia tem longa história de ser o companheiro de Kassab -- vem de fontes cujo sigilo protegerei. A veracidade dela sou quem assume. Não lhe estou pedindo que acredite. Acredite se quiser. A história do blog, sua credibilidade, está aí, nos arquivos.

2) A afirmação sobre "criar uma secretaria para acomodar o companheiro", não sei se você reparou, vem precedida da oração "há suspeitas de que". Se uma secretaria é criada e imediatamente ocupada pelo companheiro do criador, esta suspeita é reforçada. Nada, absolutamente nada foi dito por Kassab para contradizê-la. Parece-me legítima, em se tratando de órgão até então não existente, e logo depois ocupado pelo companheiro do político que a criou. Isso não tem nada a ver com preconceito contra gays. Tem a ver com nepotismo.

QED.

Idelber em outubro 19, 2008 5:01 PM


#185

1) Sigilo de fonte é uma boa desculpa para criar factóides, estilo Veja, como bem lembrou o Cássio. Credibilidade é algo que se conquista e se MANTÉM com atos compatíveis com a dita credibilidade. Reforçar o argumento com a suposta credibilidade é no mínimo uma falácia. Quem garante que sua fonte, da qual não é mencionado nenhum detalhe, tem credibilidade? Como disse o Daniel "Garcia é casado com uma antiga colega de escola". Em sendo verdade, isso diminui a credibilidade do argumento da sua fonte.

2 e 3) Sim, uma secretaria foi criada e quem a criou a justificou. Cabe a você provar que esta criação foi desnecessária confrontando a dita cuja com as diretrizes governamentais do Kassab. Criar uma secretaria e acomodar um aliado político é normal, já foi feito N vezes pelos mais diversos governos. Resta a você provar a suposta não necessidade da secretaria e o suposto envolvimento amoroso do Kassab. Como falei anteriormente, muito SE (no caso aqui, muito "suposto").

Adhemar Santos em outubro 19, 2008 6:59 PM


#186

"Cabe a você provar que esta criação foi desnecessária confrontando a dita cuja com as diretrizes governamentais do Kassab."

Acho que não cabe ao Idelber, não... Ele deve ter mais o que fazer. Além disso, como o Kassab não tem diretrizes governamentais, fica meio prejudicada a confrontação destas com a secretaria.

E o Idelber já falou ali em cima: criar um instrumento burocrático para combater a burocracia já devia servir de medida da eficácia da tal secretaria.

O fato dos dois não serem "amantes" não deixa essa história menos grave. A relação deles vai além da mera aliança política, envolve famílias, negócios, sociedades e duas carreiras políticas crescendo em simbiose. Indicar seu sócio em várias empresas para uma secretaria que você mesmo criou é menos grave que indicar seu parceiro/marido/namorado?

Daniel em outubro 19, 2008 11:00 PM


#187

Só faltava essa... O sujeito cria uma "secretaria da desburocratização", emprega o amiguinho nela, e ao invés do político mostrar para que serve a coisa, é Idelber que tem que provar que ela não serve para nada. É o mundo pelo avesso!

Adhemar e Cássio, vocês podem até duvidar da credibilidade do Idelber, mas considerando a frequência com que vocês voltam aqui fica difícil de acreditar que vocês não levam a informações dadas por ele bem a sério!

Marcelo em outubro 20, 2008 3:20 AM


#188

Marcelo, o mal é que o cara comenta com o número 189 e não se deu ao trabalho de ler os outros 188.

Se eu duvidasse da credibilidade do Idelber, eu não vinha aqui. Nisso você tem razão. Logo, como permaneço vindo aqui, não duvido da credibilidade do Idelber.

Por outro lado, se eu ou o Idelber fôssemos os donos da verdade, esse blog seria propagada pura e simples (no caso do Idelber) ou contradição (no meu caso). Como ninguém é dono da verdade, o blog pode virar um espaço de opinião com os posts, associado a um fórum, que é a caixa de comentários.

Idelber, a tal da secretaria não sei como funciona. Mas se o objetivo é livrar o Brasil da tradição quatrocentona do cartorialismo português, que serve muito bem para fomentar a corrupção (cada carimbo corresponde a uma propina) eu sou a favor da tal secretaria, desde já. E não seria uma contradição uma Secretaria para podar outras secretarias. Como cidadão eu desejo que o trabalho do Estado seja feito pelo Estado, que foi diretamente eleito. Não acho que seria administrativamente adequado contratar, por exemplo, uma consultoria privada para desburocratizar o Estado.

Ainda sobre a carreira dos dois caminhar pari passu, também não vejo mal nisso. As carreiras de muitos dos companheiros do PT cresceu dessa forma, com um puxando o outro, e assim no mundo inteiro é. Ninguém é uma ilha, muito menos em política.

E sua escorregada de preconceito com os dois "postes de São José" (várias leituras lacanianas possíveis) está lá, professor.

Cássio em outubro 20, 2008 4:23 PM


#189

Isso sim é baixaria, da grossa. "Jornalista" acusando Marta de bissexual e adúltera. Pra estômagos fortes.
http://www.usinadeletras.com.br/exibelotexto.php?cod=50427&cat=Artigos

Júlio em outubro 20, 2008 5:10 PM


#190

Kassab é gay?

A indignação midiática sobre a pretensa homofobia da propaganda de Marta Suplicy tem a esperteza da marquetagem eleitoral. A provocação em torno da biografia de Gilberto Kassab foi reduzida à pergunta sobre seu estado civil e, por extensão, transformada em patrulha sexual. Os adversários de Kassab ganharam a pecha de homofóbicos e ele escapou de maiores esclarecimentos.
Mas, vítima das contradições da hipocrisia, a militância kassabista comete um deslize: foge da idéia de homossexualidade como se ela fosse motivo de vergonha para qualquer pessoa. Uma “insinuação maldosa”, segundo o próprio candidato.
Kassab é gay? Então, pelo bem da causa GLTB e da educação do eleitorado, ele deveria assumir-se publicamente. Kassab não é gay? Pois, caso tampouco seja homofóbico, tem a chance de proferir um belo discurso a favor da tolerância e passar por cima dessas trivialidades. Só não vale agir como se o tivessem chamado de ladrão.
Convém sempre desconfiar das intenções de quem tenta determinar o que é relevante numa disputa eleitoral. Esconde-se nessa atitude o germe do despotismo esclarecido, cuja versão modernizada gerou a paranóia politicamente correta. Quem decide a pauta da campanha é o eleitorado. Seu interesse em bobagens de alcova pode ser lamentado, mas nunca reprimido ou estigmatizado.
A falsa questão da homossexualidade ganhou importância por causa da reação esperta (e homofóbica) dos kassabistas. Se eles achassem o assunto realmente subalterno, não o utilizariam como peça de propaganda para vitimizar seu candidato. E se estivessem imbuídos de verdadeiro espírito democrático, não propagariam esse falacioso purismo do administrador técnico alheio a subjetividades e paixões. É óbvio que a “vida pessoal” do político interfere na sua rotina profissional. A preservação da intimidade não é prerrogativa daqueles que almejam a vida pública.
Quanto mais incômoda parece a transparência, mais necessária ela fica.

Publicado no blog do Scalzilli

Guilherme Scalzilli em outubro 21, 2008 8:46 AM


#191

Ok, perguntar se é casado não pode? Então, pode perguntar POR QUÊ, Kassab criou a tal Secretaria, para seu SÓCIO/AMIGO/COMPANHEIRO/"GRANDE IRMÃO"??

Também não pode??? Então, que tal saber um pouco mais sobre o "relacionamento" dos dois??

07/07/2004 - 07h11
Vice de Serra, KASSAB, diz que situação com a Receita é regular
Publicidade
da Folha de S.Paulo

O deputado federal Gilberto Kassab (PFL-SP), candidato a vice-prefeito de São Paulo na chapa de José Serra (PSDB), disse que sua situação na Receita Federal é regular. Atribuiu o crescimento do patrimônio à sua atividade empresarial em quatro ramos. A seguir, trechos de duas entrevistas concedidas à Folha na última sexta-feira e anteontem.

Folha - O que ocorreu nesse período (1994-1998), como o sr. justifica o acréscimo no patrimônio?
Gilberto Kassab - Antes quero falar que comecei a vida profissional um pouco tarde. Tive a felicidade de não trabalhar enquanto fazia faculdade. Fiz duas faculdades, o curso de engenharia civil na Escola Politécnica e o curso de economia na Faculdade de Economia e Administração. E, até os 26 anos, até o final de 1986, eu não trabalhei. Meu pai me deu essa oportunidade. Comecei minha vida profissional bastante tarde e logo depois, quer dizer, alguns anos depois, dois, três anos depois, eu comecei a ter uma atividade empresarial. E à medida que começou a atividade empresarial, evidentemente, você começa empresarialmente a ter um crescimento compatível com o crescimento empresarial. A cada crescimento, a cada real que aconteceu nas minhas empresas e na minha vida, como cidadão, está tudo justificado e muito bem justificado. Porque sei, como comecei cedo na vida pública, que essa transparência é muito importante.

Folha - A agropecuária que o sr. tem no Mato Grosso do Sul, adquiriu quando?
Kassab - Essa agropecuária era do meu sócio [deputado estadual Rodrigo Garcia] e a gráfica era só minha. Então nós fizemos uma permuta e metade da gráfica ficou com ele e eu entrei com metade da agropecuária e com metade da transportadora que já era negócio da família dele.

Folha - O seu sócio lhe deu parte na sociedade?
Kassab - É uma permuta, em partes iguais e em valores iguais. Não houve nenhum presente de ninguém.

http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u62246.shtml


07/07/2004 - 07h00
Patrimônio de vice de Serra teve salto de 316% em 4 anos
Publicidade
RUBENS VALENTE
da Folha de S.Paulo

Candidato a vice-prefeito de São Paulo na chapa de José Serra (PSDB), o deputado federal Gilberto Kassab (PFL), 43, teve um salto de 316% no seu patrimônio pessoal entre os anos de 1994 e 1998, já descontada a inflação.

No período, Kassab foi eleito deputado estadual e ocupou, por um ano e três meses, a Secretaria de Planejamento de São Paulo na gestão Celso Pitta (1997-2000).

"Sou um empresário bem-sucedido. Foi tudo fruto do meu trabalho. Não fiz nada errado", diz.

Ao se candidatar à Assembléia, em 1994, declarou ao TRE (Tribunal Regional Eleitoral) um patrimônio de R$ 102 mil, em valores da época. Seus bens mais valiosos eram 16 linhas telefônicas, cujo valor virou pó após a privatização das teles, e um Monza, itens que representavam 62% do total.

Quatro anos depois, em nova disputa eleitoral, desta vez para a Câmara dos Deputados, o patrimônio atingiu R$ 985 mil, também em valores da época.

Disse, então, ter metade das cotas de quatro empresas: uma agropecuária de 1.200 hectares em Paranaíba (MS), uma transportadora de cargas com 12 caminhões em São José do Rio Preto (SP), uma empresa de engenharia e uma gráfica, ambas em São Paulo.

O sócio de Kassab nas quatro empresas era o seu ex-chefe-de-gabinete na gestão de Pitta, o deputado estadual e tesoureiro do PFL-SP Rodrigo Garcia, 30.

Nos anos posteriores, Kassab continuou a ter resultados expressivos no seu patrimônio. Somente entre 2002 e 2003, segundo ele, o valor oscilou positivamente 17%.
Na comparação entre 94 e 2000, descontada a inflação, o crescimento do patrimônio de Kassab, avaliado então em R$ 1,5 milhão, foi de 500% em termos reais.

Em dezembro de 2003, segundo a declaração entregue anteontem ao TRE, o deputado atingiu R$ 3,9 milhões de patrimônio, incluindo uma dívida de R$ 500 mil por um terreno. Declarou R$ 500 mil em cotas da agropecuária, R$ 500 mil em cotas da transportadora, R$ 400 mil na empresa de engenharia e R$ 100 mil na gráfica.

Além disso, declarou ser o proprietário de uma casa e um apartamento em bairros nobres de São Paulo -o apartamento, que avaliou em R$ 740 mil, fica atrás do Shopping Iguatemi, numa das áreas mais valorizadas da cidade.

Nas suas declarações de bens, Kassab não detalhou os ativos de suas empresas, cujo valor real é muito superior às cotas do capital social informadas ao TRE.

A fazenda, com 1.600 cabeças de gado, e a transportadora, com 30 caminhões, somam cerca de R$ 8,5 milhões em ativos, segundo Garcia, sócio de Kassab. O total corresponde a R$ 4 milhões em terras, R$ 1 milhão em gado e R$ 3,5 milhões na transportadora.

Na declaração ao TRE, sem discriminar os ativos, as duas empresas aparecem valendo apenas R$ 2 milhões, divididos entre os dois sócios (Kassab e Garcia), uma diferença de R$ 6,5 milhões.

O corretor de imóveis rurais de Campo Grande (MS) Roberto Dias avaliou, em tese, que as terras de uma agropecuária como a de Kassab, na região onde está situada, valem hoje entre R$ 5 milhões e R$ 6 milhões. O gado valeria R$ 750 mil.

Kassab disse que sua ação empresarial começou em 1995. Dois anos depois usou cotas de duas pequenas empresas que possuía para se associar a Rodrigo Garcia.

Para entrar na sociedade, o deputado disse ter desembolsado também cerca de R$ 540 mil, sendo que parte (R$ 200 mil) teria sido emprestada pelo seu pai. Os desembolsos ocorreram entre setembro 1997 e 1998, no período em que foi secretário de Pitta. Ele afirma ter ficado devendo outros R$ 150 mil para Garcia.(POR QUE SERÁ, HEIN???? PELA SECRETARIA, TALVEZ...)

Os dois débitos, com o pai e com Garcia, teriam sido saldados em 1999.

Indagado sobre como poderia ter acumulado dinheiro entre 94-96, Kassab sugeriu que possa ter sido fruto de economias de seu salário como deputado estadual. kkkkkkkkkk Seria melhor ele dizer que foi PAPAI NOEL...QUEM GANHA MUITO, GASTA MUITO...que pilhéria, e isto foi em 2004, IMAGINE AGORA, QUE SEU CUMPANHEIRO/SÓCIO RECEBEU UMA "SECRETARIA"...

Por ano, ele recebia aproximadamente R$ 110 mil em valores líqüidos. "Eu morava com meus pais até poucos anos atrás e comecei tarde minha vida empresarial."

Colaboraram GUILHERME BAHIA e RICARDO WESTIN

http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u62245.shtml

Odete em outubro 21, 2008 11:39 PM