Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email: idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro




selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« outubro 2008 :: Pag. Principal :: dezembro 2008 »

sexta-feira, 28 de novembro 2008

Lista

Numa possível lista de pensadores dos quais se poderia extrair citações que sustentam leituras antagônicas de suas obras, teriam lugar cativo, certamente:

Friedrich Nietzsche
Jacques Lacan
Gilberto Freyre

Quem mais?

PS: Não vale pôr político na lista, evidentemente. Só pensadores.



  Escrito por Idelber às 19:24 | link para este post | Comentários (73)




Convites e links

Um convite aos paulistanos: O grande blogueiro, músico e nadador soteropolitano Ricardo Cury está lançando o seu livro, Para colorir, neste sábado. Sou velho fã do blog dele e recomendo o evento. Dia 29 de novembro, às 16h, na Livraria Pop, Rua Dr. Virgílio de Carvalho Pinto, 297, Pinheiros, São Paulo.

Um convite aos cariocas
: minha amiga, a jornalista e pesquisadora Carla Rodrigues, tem um artigo no livro organizado por Paulo Cesar Duque-Estrada, Espectros de Derrida, que será lançado no dia 3 de dezembro, quarta-feira, na livraria Argumento, no Leblon, a partir das 19h.

Parabéns ao Cury e à Carla e, quem puder, apareça.

Cardoso convidou e eu também gravei um trecho para o Mil Casmurros, um projeto em parceria com a Rede Globo.

O cartógrafo Thomas Lessman reúne numa só página sua vasta produção de mapas históricos. Aqui, o mapa-mundi de 800 DC, com o Emirado Ummayad ocupando uma enorme maioria do que hoje é a Espanha. Aqui, um outro mapa, do ano 1200, já com os reinos de Castilha e León, que se uniriam depois. Aqui, um belo livro sobre Al-Andalus, a região de controle islâmico na qual judeus, cristãos e muçulmanos viveram em (relativa) paz durante séculos.

Pedro Dória tem boas anotações sobre os ataques em Mumbai, na Índia. Em inglês, há uma cronologia do horror e uma série de links no Juan Cole, que lembra o recente ataque extremista hindu a cristãos no leste da Índia.


Nos EUA, Barbara Walters fez uma baita entrevista com Barack e Michelle:

Na medida em que Obama vai anunciando seu time, eu só consigo me lembrar do final de novembro/ dezembro de 1992, em que Bill Clinton iniciava aquela que seria uma das transições mais caóticas de todos os tempos: uma guerra de facções e interesses “plantava” notícias na mídia como estratégia de conquista de espaço; mulheres, negros, gays, latinos e todas as minorias imagináveis disputavam espaço “proporcional”; havia confusão de porta-vozes; a própria liderança, Bill, não anunciava o time compactamente porque ia usando as vagas para tentar administrar o caos. Um verdadeiro pesadelo para os progressistas, foi o fim de 92/começo de 93. O contraste com o que está sendo a transição de Obama é tão abismal que me excuso de fazê-lo.

Digby não se importa e Josh Marshall tem suas dúvidas. Eu, pelo contrário, achei Chanceler Hillary Clinton uma super escolha, epocal e inteligente (ao contrário do que teria sido escolhê-la para Vice). Hillary tem tudo para desfazer pelo menos parte da lambança dos oito anos de política externa de Bush.

Atualização: E sobre as eleições venezuelanas, quem matou a pau, de novo, foi Mauricio Santoro.



  Escrito por Idelber às 04:23 | link para este post | Comentários (21)



quarta-feira, 26 de novembro 2008

Doações a Santa Catarina

Thiago Berlim e Ricardo Aoki, de Santa Catarina, nos deixam aqui (via Biajoni) os números de contas para doações às vítimas das enchentes.

Contas do Fundo Estadual da Defesa Civil, CNPJ 04.426.883/0001-57:

Banco do Brasil - Agência 3582-3, Conta Corrente 80.000-7
Besc - Agência 068-0, Conta Corrente 80.000-0.
Bradesco - Agência 0348-4, Conta Corrente 160.000-1

São mais de 100 mortos e 60 mil desabrigados no lindíssimo estado barriga-verde. Ajude a divulgar ou deixe lá uma contribuição, se puder.

Atualização: Inagaki, claro, faz o supimpa serviço, inclusive indicando a importante iniciativa do Alles Brau.



  Escrito por Idelber às 12:40 | link para este post | Comentários (13)




Crônica de Thanksgiving

Natal ainda vai. Há algo no etos natalino – aquela história de amar ao próximo – que é bacana. A festa das crianças com o Papai Noel termina sendo, para quem é pai, um momento que vai encontrando seu espaço na galeria das lembranças. É fato que durante o Natal há que se ouvir patacoadas como esta (para assinantes), escritas como se o catolicismo cristianismo fosse uma minoria perseguida no Brasil. Esse tipo de discurso circula sem ser contestado porque, afinal de contas, retrucá-lo seria ofender parte daqueles 70% ou 80% de pessoas amadas que compõem o círculo de intimidade da maioria dos brasileiros ateus.

Mas, aqui entre nós, a pequena comunidade que lê este blog, combinemos: o Thanksgiving é um feriado irredimível.

Comemora um genocídio e escolhe fazê-lo da forma mais anti-ecológica possível, empanturrando-se de comida até o limite. Faz dessa grosseria o objeto das brincadeiras que envolvem o feriado. Marca, para muitas famílias, uma das únicas datas, senão a única, de reencontro, em geral cercada de ansiedade ou pavor de se rever o parente detestado. No cinema americano, há todo um sub-gênero que eu chamaria de Thanksgiving horror. Os mais eruditos que eu na sétima arte poderão fazer a lista.

Nadie rebaje a lágrima o reproche nada do que vai acima. Padeço, mas de ressentimento nunca. Nos meus 18 anos ao norte do Rio Grande, os feriados de ação de graças sempre foram prazerosos; sem excesso, mas fartos; com ótimas companhias e cerveja boa. No calendário da universidade, o feriado de ação de graças precede a última semana letiva. É a oportunidade de finalizar o semestre e o anúncio do desafogo que se aproxima. Nada a reclamar, portanto.

Mas é visível a melancolia mal mascarada que cerca a data. Há uma regressão à fase oral que fica ali, tão claramente pedindo uma leitura freudiana que você tende a rechaçá-la, por óbvia demais: o excesso de comida como denegação e sublimação de uma sociedade fundada no genocídio e na escravidão. Nos ideais de liberdade, autonomia, livre mercado e democracia também, é evidente. Mas esses ideais só surgem no terreno material já arado pelo genocídio e pela escravidão.

Tudo isso costuma fazer dos jantares de Thanksgiving – com ou sem futebol americano ao fundo – uma espécie de grande celebração do esquecimento.



  Escrito por Idelber às 02:27 | link para este post | Comentários (50)



terça-feira, 25 de novembro 2008

Três livros indispensáveis

Sands, Philippe. Torture Team: Rumsfeld's memo and the betrayal of American values (Palgrave, 2008). Este é o livro que detalha como a institucionalização da tortura nos EUA sob Bush foi uma operação meticulosamente dirigida a partir do Ministério de Defesa de Donald Rumsfeld. Como uma espécie de cronista do mal absoluto, Philippe Sands reconstrói a trama dos memorandos, ordens executivas, substituições de pessoal. Vasculha cada reunião de gabinete em que Cheney / Rumsfeld se impuseram sobre Colin Powell. Documenta toda a programação da atrocidade nas mais altas esferas da administração americana, de novembro de 2001 (captura do detento 063 no Afeganistão) à saída de Rumsfeld, já nas ruínas da lambança, em dezembro de 2006. O recheio da história é o memorando escrito por Jim Haynes, advogado e conselheiro do Ministério de Defesa de Rumsfeld, propondo as novas “técnicas de interrogação.” Junto à assinatura de aprovação, o suplemento macabro, o mal na sua banalidade absoluta, a imagem que fornece a capa do livro de Sands: a anotação de Rumsfeld à mão, com a ordem, “defendo 8-10 horas por dia. Por que limitar o período em pé a 4 horas?”

É o argumento definitivo contra qualquer patacoada que se tente sugerir acerca do caráter supostamente fortuito ou ocasional da tortura em Guantánamo e no Iraque. Depois deste livro, não há como não reconhecer: a democracia mais antiga do mundo abriu o século desenhando um programa meticuloso e global de tortura, uma paulatina desmontagem de suas próprias regras militares e constituição, realizada por uma trituradora metódica que tinha seu eixo na Vice-Presidência e no Ministério da Defesa, Cheney e Rumsfeld. A prosa de Sands é factual, pouco adjetivada. O livro é abundamente documentado com notas. Li, confesso, só uns 80% das 250 páginas. Foi mais que suficiente para confirmar que, em muitas interpretações razoáveis dos direitos humanos e do direito internacional, Cheney e Rumsfeld seriam passíveis de aprisionamento por crimes de guerra em qualquer viagem que façam a território não-americano. Se esta é uma hipótese possível ou provável, é outra história. Mas a documentação reunida por Sands é inequívoca. Sands é advogado e esteve envolvido com o trâmite de casos de tortura como os de Pinochet e os dos detentos britânicos de Guantánamo.

Bugliosi, Vincent. The prosecution of George W. Bush for murder (Vanguard, 2008). Aqui está o caso jurídico, apresentado bonitinho, mentira por mentira, falsificação por falsificação. Bugliosi, segundo as pautas do direito internacional, explica o porquê da imputabilidade a George W. Bush tanto de crimes de assassinato como de crimes de guerra. A fabricação de mentiras com o objetivo deliberado de provocar a invasão do Iraque – primeiro o inexistente vínculo Sadam / Al Qaeda, depois as inexistentes armas de destruição em massa – está documentada o suficiente, argumenta Bugliosi, para que o caso de assassinato pelas mortes no Iraque seja cristalino. Em 17/09/2003, Bush reconhece ante advogados que não havia “nenhuma evidência” de que Saddam Hussein estivesse envolvido nos ataques de 11/09/01. Em incontáveis ocasiões depois de setembro de 2003, Bush continuaria a mentir à população americana e sugerir o oposto do que ele mesmo havia admitido em resposta aos advogados. Ao longo do livro, demonstra-se que não foram as “falhas de inteligência” ou “inteligência incompleta ou contraditória” que levaram à desastrada invasão do Iraque. Tratou-se de um plano que já estava na gaveta desde os primeiros anos da administração Bush e que seria implementado não importa qual mentira ele exigisse. Apesar de também bastante documentado, o livro de Bugliosi é escrito numa lingugem mais pop, que traz aquela indignação do senso comum ante a revelação de cada absurdo. Se você tem um amigo com interesse em política e que ainda não está convencido de que este foi o pior pesadelo da história presidencial americana, o livro de Bugliosi é um ótimo presente.

Suskind, Ron. The way of the world. A story of truth and hope in the age of extremism (HarperCollins, 2008). De longe, o mais bem escrito dos três. Combina um exame minucioso da degeneração dos serviços de inteligência americanos – manipulados pela patota que se apoderou da Casa Branca – com o acompanhamento de alguns personagens: um estudante afegão, de intercâmbio, que vai levando sua família anfitriã, no Kansas, a enfrentar-se com os limites do seu próprio progressismo; um jovem de ascendência paquistanesa, formado nas melhores universidades americanas, que passa a viver um pesadelo depois do 11 de setembro; uma advogada abnegada que enfrenta uma montanha de burocracia para tentar rever o caso de um homem injustamente encarcerado em Guantánamo. Suskind vai intercalando essas histórias num relato que se lê como um romance. Mas o livro que não deixa nada a dever aos outros dois na documentação da atrocidade.

Serão três livros fundamentais para o amargo veredito que história reserva para o governo Bush.



  Escrito por Idelber às 06:29 | link para este post | Comentários (21)



sexta-feira, 21 de novembro 2008

20 de novembro e a dívida

lula-candido.jpgPara quem se lembra da época em que Aldir Blanc e João Bosco tiveram que substituir, por causa da censura, “o almirante negro” por “navegante negro” na letra de Mestre-Sala dos Mares, há algo de especial em se ver um presidente operário inaugurando uma estátua de João Cândido, o líder da Revolta das Chibatas, no Rio de Janeiro. João Cândido é daquelas idiossincrasias brasileiras: um negro rebelde, líder e revoltoso em 1910, que vinte anos depois se rende ao charme da Aliança Integralista Nacional, de Plínio Salgado. Em todo caso, um herói popular, especialmente do povo negro, pela memória gloriosa do que fez em 1910.

Foi lendo um belo texto da Cidinha que cheguei, este ano, à minha reflexão anual de todo 20 de novembro: a de que o Brasil é esse compósito singular de uma realidade sistêmica de discriminação coexistindo com a celebração universal da mistura e da mulatez. Em graus variados, em um ou outro discurso, a mitologia da mulatez vai “acolchoando” a realidade da segregação econômica e da discriminação cotidiana. Isso coloca os movimentos negros numa posição particularmente chata, pois sua demanda é vista como ameaçadora de um mito nacional muito querido. Num contexto assim, os movimentos negros estão certos de martelar o fundamental, que é o sistêmico e onipresente abismo racial no Brasil, dos hotéis às agências de propaganda, do elevador à reunião de chefia à blitz policial à sala de aula.

Antonio Risério tem razão que a importação de um paradigma binário americano para se pensar a raça no Brasil pode ser daninha. Mas até aí tem razão. Deixa de tê-la cada vez que permite que sua voz ecoe em conjunto com a cruzada Kamel-Magnoli contra as cotas raciais. Seja lá o que for que você pense sobre as cotas, o fato de que um professor universitário como Magnoli faça da cruzada contra elas o elemento definidor do seu perfil intelectual é triste, muito triste. Por isso, um pensador como Risério, que escreveu um livro absurdamente bom, agora deve manter a nuance e encarar o desafio de seguir pensando fora dessa aliança mais fácil e confortável, com a versão Globo-Veja da mitologia da mulatez nacional.

Não há realidade da mulatez nem singularidade brasileira que contorne o fato de que minha amiga e aluna Renata foi barrada ao tentar visitar meu quarto de hotel, às 20:15, sob a desculpa de que a partir de tal hora não subia ninguém, menos de 24 horas depois de que seu (ex)marido, branco, também aluno e amigo meu, subisse sem problemas às 20:45.

Hotel Rondônia, região ali do Catete, no Rio, se alguém quer saber onde foi.

Isso no Brasil acontece todo dia. Acontece uma vez para cada ocasião em que um profeta anuncia a nossa incomparável singularidade de povo totalmente mestiço.

Este blog, que se orgulha de ter participado desde o primeiro momento do debate sobre as cotas, considera essa discussão, até certo ponto, superada com a aprovação do projeto na Câmara. Que o Senado faça algum remendo numérico nas porcentagens ou não, o mais provável é que se reconheça que a maioria da sociedade brasileira resolveu encarar essa dívida dessa forma, pelo menos por algum tempo. O que é bom.


Links: Blog do Nei Lopes
Blog do Juarez
E se Obama fosse africano, no blog da Cidinha.
O Brasil Negro, da Ana César.
Adeus Césaire, do Salamandro.
O magnífico poema de Ricardo Aleixo sobre a negritude subterrânea em Paris.
Movimento Brasil Nagô.


PS: O Globo fez uma listinha meio furreca de filmes brasileiros sobre o negro, mas se esqueceram – não é mesmo, Rafex e Bia – do melhor deles: It's all true, de Orson Welles.



  Escrito por Idelber às 01:58 | link para este post | Comentários (78)



segunda-feira, 17 de novembro 2008

Balanço da campanha de Obama

A revista Teoria e Debate me pediu um artigo de balanço da campanha de Barack Obama das primárias até a eleição. Segue aí o texto que será publicado no número deste mês da TD. Boa parte é inédita, ainda que não traga muitas novidades para quem acompanhou a cobertura por aqui. Alguns trechos já apareceram aqui no blog anteriormente.


Num artigo para a New Yorker, Ryan Lizza relata que em 2007, no início da campanha das primárias democratas dos Estados Unidos, a CNN e o YouTube promoveram um debate no qual se preguntou a Barack Obama: “você aceitaria se encontrar sem pré-condições, no seu primeiro ano de governo, em Washington ou qualquer outro lugar, com os líderes de Irã, Síria, Venezuela, Cuba e Coréia do Norte, para tentar superar a divisão entre os nossos países?” Obama respondeu: “Sim, aceitaria”. Massacrada por Hillary Clinton e outros presidenciáveis por essa resposta, a campanha discutia as formas de minimizar a afirmação. A equipe se preparava para a guerra do spinning. Obama entrou na conversa de forma peremptória: ninguém massagearia a declaração para desdizê-la. “A idéia de que não podemos nos reunir com Ahmadinejad é ridícula. Trata-se de um monte de sabedoria convencional de Washington que não faz o menor sentido. Não vamos fugir desse debate. Vamos estimulá-lo”, decretou Obama. Em vez de redigir um memorando à imprensa driblando a questão, a equipe escreveu uma nota afirmativa, que passava ao ataque. Foi a primeira troca de fogo aberta com Hillary Clinton. Foi também o momento em que seus assessores entenderam que se tratava de um candidato diferente.

Numa conversa em 2008, uma ativista da campanha de Obama me contava dos planos de derrotar os republicanos na Carolina do Norte, estado que não votava democrata desde 1976. Era mais ou menos como encontrar um comitê tucano convicto de se prepara para derrotar Lula numa eleição direta em Pernambuco. Mesmo Bill Clinton, um democrata sulista eleito duas vezes carregando vários estados do Sul, não vencera a Carolina do Norte. O nativo John Edwards, um democrata conhecido no país, posto que ex-candidato a vice-presidente, abandonou o Senado, já que sentiu que não conseguiria enfrentar o voto conservador na Carolina do Norte. Na era moderna, o único assento cativo do estado no Senado Federal havia pertencido a Jesse Helms, um ultra-reacionário da extrema-direita do já direitista espectro político americano. Ao ouvir os planos da campanha para a Carolina do Norte, eu dei uma gargalhada: “você está me dizendo que um negão democrata de nome Hussein formado em Harvard vai bater o São McCain no estado de Jesse Helms, no coração do Sul segregacionista?” Ela tirou um mapa da gaveta e passou à demonstração: “você conhece a Carolina do Norte. Veja como cresceu a área universitária desde que você morou lá. Agora veja a mudança na demografia do norte do estado de 2004 para cá. Agora veja os números da primárias. Agora observe quantos eleitores nós registramos.” Atônito, eu acompanhava a matemática e reconhecia que fazia sentido. Uma semana depois, saía uma pesquisa que já mostrava Obama virtualmente empatado com McCain na Carolina do Norte. No dia 04 de novembro, Obama colocou o estado na coluna democrata pela primeira vez desde Jimmy Carter.

As anedotas revelam duas belas novidades representadas pela campanha de Obam: o fim da política da triangulação e o fim do focalismo eleitoral, dois elementos do que poderíamos chamar a política do medo entre os progressistas americanos. Tratava-se, simplesmente, dos dois maiores dogmas do Partido Democrata nas últimas décadas, as crenças de que 1) mover-se para a centro-direita, “triangulando” e manipulando as próprias convicções pela conveniência era a única estratégia política capaz de derrotar os Republicanos; 2) a focalização em três ou quatro estados decisivos (e, dentro deles, em demografias específicas) era a única tática eleitoral viável, posto que os outros estados eram descartados como terrenos democrata ou republicano já sólidos. Como esses dois dogmas tinham a força de lei natural e a pré-candidata que os representava tinha o reconhecimento do nome e a máquina do partido, as primárias democratas pareciam uma cerimônia pró-forma para coroar Hillary Clinton.

Apesar da novidade histórica que poderia representar a eleição da primeira mulher para presidente da super-potência, a perspectiva de uma presidência Hillary não era animadora para o setor mais progressista do Partido Democrata: a combinação entre a disposição de triangular e a estratégia polarizadora de buscar sempre os 50% + 1 fazia da candidatura Hillary uma espécie de mal menor com o qual os progressistas devíamos nos conformar. Esse caráter conservador reforçou-se quando Al Gore decidiu não ser candidato. Hillary se apresentava agora como “candidata inevitável”, a única em condições de derrotar John McCain no voto popular. O argumento em favor da inevitabilidade de algo termina sendo sempre conservador, claro. Hillary abraçou-o num ano em que o eleitorado dos EUA queria, desesperadamente, uma mensagem de mudança, algo novo, uma realidade possível mas ainda não imaginada. Neste ano os EUA queriam, digamos, justamente o oposto do inevitável. Foi seu primeiro erro.

O focalismo do setor dominante do Partido – o chamado DLC, o Conselho de Liderança Democrata, ao qual se vinculam os Clinton –, havia sido defendido com êxito por marqueteiros como Mark Penn, cuja condição de “guru” se baseava numa única vitória eleitoral nos anos 90. Esse focalismo foi responsável pelo segundo erro da campanha de Hillary Clinton, de caráter bem mais básico que o primeiro. Não leram as regras das primárias, não imaginaram que a disputa pudesse passar da Super-Terça (a quarta data das primárias, depois de Iowa, New Hampshire e Carolina do Sul, na qual 20 estados escolhem seus delegados), não se prepararam para os estados que escolhiam delegados através de assembléias. Enquanto isso, a equipe de Obama descobria que uma vitória num estado minúsculo como Idaho (com assembléias) poderia render mais delegados que uma vitória eleitoral num estado populoso como a Nova Jersey. Obama lançou-se a um trabalho de organização que foi também uma revisão no que se entendia por democracia. O voto universal e secreto, nas primárias democratas, coexistia com a democracia organizada e popular das assembléias. Nestas, a vantagem de Obama foi enorme. Na medida em que avançava, a liderança de Obama na contagem de delegados foi carregando também o voto popular, rumo a uma vitória incontestável nas primárias.

Tudo isso conspirou para que Obama conquistasse uma improvável indicação no Partido Democrata. Mas o fundamento mesmo do fenômeno, o ato que possibilitou a vitória e conferiu à “onda Obama” a sua âncora básica foi o posicionamento do jovem senador de Illinois em 2003, quando se colocou a questão política e moral definitiva do seu tempo: a invasão ilegal e criminosa do Iraque, baseada em mentiras fabricadas pela administração Bush. Num momento em que 75% do país se colocava do lado belicista e patrioteiro, Obama teve a coerência e a coragem de ser inequívoco na condenação à guerra. Num ambiente político como o norte-americano do começo da década, não era pouco. Essa foi a condição de possibilidade da candidatura. Logo depois, o discurso memorável na convenção democrata de 2004 o tornaria conhecido de todo o país.

É certo que, ao longo da sua viabilização como candidato, a negritude de Obama foi passando a ocupar um papel de destaque, mesmo que às vezes oblíquo, não mencionado. Ao princípio, entre o próprio eleitorado negro Obama não figurava com índices altos, posto que eles duvidavam da sua viabilidade. Na terceira data da primária democrata, na Carolina do Sul (Obama havia vencido em Iowa e Hillary em New Hampshire), Bill Clinton fez o famoso comentário com desdém sobre a candidatura de Obama: “Ah, Jesse Jackson também venceu a Carolina do Sul em 1984 e 1988...”. Não se tratava, nem de longe, de uma frase racista, que fique claro. Era uma suposição demográfica que Bill tentava usar como tática eleitoral divisionista, como parte da estratégia de inevitabilidade da campanha Hillary. Havia boas razões para se supor que um candidato como Barack Obama -- “inexperiente”, negro, liberal – não seria páreo para um suposto “herói de guerra” e Republicano moderado como John McCain. Mas 2008 não era um ano normal. Saía-se de oito anos da pior – da mais mentirosa, fiscalmente irresponsável e belicamente criminosa -- presidência da história dos Estados Unidos. Perceber essa singularidade epocal foi outro mérito de Obama.

Obama sabia que a questão racial apareceria e ela se instalou quando se desenterraram as declarações incendiárias do seu pastor, Jeremiah Wright, contra a injustiça “na América”. Sendo uma igreja negra, os sermões inevitavelmente continham trechos que testemunhavam a divisão racial profunda do país. Junto com a crítica à opressão, incluíam algumas teorias conspiratórias sobre a disseminação da AIDS ou pontos de vista pseudo-científicos sobre diferenças mentais entre euro- e afro-americanos. A reação de Obama à controvérsia, no discurso de 18 de março de 2008 que ficou conhecido como “Uma união mais perfeita”, foi um salto qualitativo gigantesco na maturidade das discussões sobre raça nos Estados Unidos. Grosso modo, poderia se dizer que foi a primeira vez que um candidato a presidente discursou aos compatriotas como adultos acerca do tema racial.

Falando na Filadélfia e evocando o documento fundador do país e sua grande chaga, a escravidão, Obama fez o contrário do que seria de se esperar numa situação embaraçosa de “culpa por associação”. Em vez de minimizar a polêmica ou descartá-la, discursou sobre as raízes do ressentimento que se via nos discursos de Wright, localizando-as na totalidade da experiência negra nos EUA. Em vez de “triangular” em volta da associação, encarou-a como parte integrante, no bom e no ruim, da sua experiência de vida. Condenou as declarações que julgava equivocadas, mas chegou a dizer que renegar seu pastor seria como renegar a sua avó branca. Ao falar do ressentimento, não deixou de mencionar os brancos pobres que, com freqüência, sentem que sua raça não lhes serviu de nada e que a culpa é dos negros beneficiados por ações afirmativas ou dos hispanos imigrantes que forçam para baixo os salários do mercado. Durante os quase 40 minutos de reflexão, o tom foi de compreensão das feridas raciais do país, mas também de convicção de que a unidade para transcendê-las era a forma de legar um futuro às novas gerações. Depois do discurso, já estava esvaziado de antemão qualquer intento de usar a questão racial como arma divisionista contra Obama.

O uso inteligente da internet e o mapa eleitoral montado pela jovem campanha de Obama fizeram o resto. Na Virgínia e Carolina do Norte, estados “vermelhos” (republicanos) sulistas com mudanças demográficas vinculadas à expansão universitária, Obama compreendeu que suas chances de vitória residiam nas matrículas de eleitores de 18-30 anos e no comparecimento afro-americano massivo. No Oeste, Obama abriu outra frente de vitória em estados vermelhos, ao entender a mudança demográfica do Colorado (o crescimento dos latinos) e manter a infra-estrutura herdada das assembléias das primárias em estados como Nevada. No cinturão industrial do meio-oeste, onde profetas do apocalipse decretavam que Obama não teria chances, pelo racismo dos eleitores operários brancos, seu discurso econômico transmitiu a mensagem que precisava. Ganhou o perene campo-de-batalha de Ohio e, a partir de sua força em Illinois, carregou um estado que não votava democrata desde 1964, Indiana. Com uma proposta de política externa sem histerias bélicas, conseguiu conquistar até o voto cubano da Flórida, velho reduto republicano.

Uma série de perguntas permanecem quanto ao grau de ruptura com o governo Bush de que será capaz Obama. Em todo caso, o que é mais animador na sua figura não é a posição que ele ocupa no espectro político, nem sua raça ou sua “mulatez”, mas a compreensão de que a política é uma prática que não se reduz a uma escolha entre a intransigência ressentida e a triangulação sem escrúpulos.

PS: Este texto também está publicado na Agência Carta Maior.



  Escrito por Idelber às 12:49 | link para este post | Comentários (40)



sábado, 15 de novembro 2008

Na dança da degola

tabela.jpg

Já rebaixado:

Ipatinga-MG, 31 pontos: Que me desculpe o amigo do Vale do Aço, mas eu não poderia rir mais dessa sequência de desgraças. O Ipatinga, o clube, precisava de uma dose de humildade. O ex-pretendente a "segunda força de Minas" foi rebaixado no Campeonato Mineiro e pego no vexame de uma tentativa de suborno a jogadores de um clube infinitamente maior que ele -- o Leão do Bonfim, glorioso tricampeão mineiro de 1932/33/34, instituição que o Ipatinga ainda tem que comer muito feijão para alcançar. Depois, no Nacional, o Ipatinga não deu para a saída. Está mais próximo da Série C que de voltar à A: um triste fim para a soberba e falta de sentido de proporções. Tchau, Itair Machado. Vá fazer piadinha com o Atlético de Três Corações, que é do seu tamanho. O Galo lhe mostrou por que o epíteto Vingador é conhecido no Brasil todo.

Na dança da degola (em ordem decrescente de desespero):

Figueirense. 35 pontos: O Avaí, do meu amigo Joca Wolff, já subiu, numa épica campanha. Depois de uma década sendo sinônimo de "sucesso" em Santa Catarina, o Figueira pode virar time de segunda, justo no ano em que o maior rival chegou à primeira. Ah, a fortuna.

Portuguesa, 36 pontos: Anda alto no ranking da simpatia por aqui. Se vai subir um Santo André da vida, que fique a Lusa também. Hoje tem um pega-pra-capar com o Fluminense, num jogo de "seis pontos". Depois, duas boas chances de pontuar, em casa, contra Goiás e Sport, ambos já sem ambições. A Lusa fica, oxalá.

Vasco, 37 pontos, um jogo a mais: Seria um castigo dos deuses o Vasco descer justo no ano em que Eurico foi posto pra fora. Em seu favor no ranking da simpatia por aqui está o fato de que, bem, no Rio eu sou Vasco. Contra ele, está o secreto desejozinho de que o Vasco passe pelo purgatório da Série B e volte numa campanha que deixe clara a extensão do desastre que foi a herança de Eurico Miranda. Pode descer à beça depois da rodada deste fim de semana; semana que vem, pega o São Paulo. Reforçando a secação, está, claro, a vontade de ver o Renato Gaúcho pagar pela língua também.

Náutico, 37 pontos: O Náutico chegou a fazer barulho no começo do campeonato, mas daí foi morro abaixo. Contra ele, no ranking da simpatia, há o fato de que os Aflitos são a casa mais problemática -- e possivelmente a de pior gramado -- da Série A. O Timbu tem dois jogos de vida ou morte, contra o Figueira, em Floripa, e contra o Atlético-PR, em casa. Sério candidato à degola.

Fluminense, 37 pontos: No ranking da simpatia, só tem a seu favor os bacaníssimos torcedores como Lucia Malla. De justiça poética, o rebaixamento teria o fato de que o Flu nunca subiu da B para a A jogando bola. Só ganhou a C mesmo, na época do mergulho no inferno. O Flu pega Inter e São Paulo fora de casa, além da desesperada Lusa no Rio. Se chegar à última rodada dependendo só de si, salvar-se-á: o jogo é com o Ipatinga no Maracanã. Mas pode chegar lá já quase rebaixado, ou dependendo de ganhar e secar os outros.

Atlético-PR, 38 pontos: Dos muito ameaçados, é o que está em situação melhorzinha. Tem jogo em casa contra o Vitória (time que não quer mais nada) e chance de confirmar a vaga na última rodada, também em casa, contra o Flamengo. Entre uma data e outra, tem Botafogo no Rio e um duelo do desespero com o Náutico em Recife. Se conseguir bater o Timbu nos Aflitos, praticamente se garante na Série A, já que o Furacão deve conseguir alguns pontinhos em casa.

Santos, 40 pontos: O Santos do meu querido Zé Miguel só cai mesmo numa tragédia daquelas.

Faça aí o seu bolão. A torcida -- não o palpite -- deste blog é Ipatinga, Vasco, Fluminense e, para a última, Figueira ou Náutico. Seria bonito ver a Segundona com dois grandes do Rio.

PS: Eu já quase não escrevo sobre futebol, desprovido que ando (por escolha) de satélite global. Mas continuo lendo e aprendendo com o Balípodo, Impedimento, Futepoca, Além do Jogo, Jucão , PVC e outros ótimos blogs de futebol que há por aí. Vejam este chutômetro do Balípodo, que primor.



  Escrito por Idelber às 01:42 | link para este post | Comentários (74)



sexta-feira, 14 de novembro 2008

Balanço das atrocidades israelenses da semana

palestina-luto.jpg

Acordei com os gritos da minha mãe: “Levanta! Levanta! O exército está aqui!” Meu pai não estava em casa naquela noite [...] Dois soldados me pegaram e me levaram para fora. Aí eu vi que queriam me prender. Fiquei com medo, comecei a chorar e chamei meu tio para ir comigo.

Os soldados algemaram minhas mãos com algemas de plástico, o que doeu muito. Um soldado me agarrou pela camisa e começou a andar e me empurrar. A camisa apertava meu pescoço e eu não respirava direito. Tentei me liberar e ele me deu um soco nas costas e apertou mais a camisa, me sufocando ainda mais. Outro soldado me socou também e puxou meu cabelo quando andávamos. Chorei e gritei por meu tio e meu pai. Os soldados me batiam e diziam “quieto, quieto!” Me levaram para um beco entre as casas, onde há cactos. Estávamos andando perto de uns cactos quando um soldado me empurrou sobre eles. Os espinhos me cortaram nas mãos e nas pernas. O soldados continuaram me empurando e batendo ao longo do caminho.

Segue por um bom tempo o inferno vivido por Muhammad Salah Muhammad Khawajah, garoto de 12 anos espancado e detido pelas forças de ocupação israelense recentemente em Nilin, Distrito de Ramalá, Palestina Ocupada. 12 anos de idade: arrancado de dentro de sua própria casa.

Que não se perca de vista, em nenhum momento, um fato que está amplamente documentado. Se você não está ouvindo falar de Israel na imprensa, o mais certo é que continua a rotina de assassinatos, demolição de casas, violência contra crianças, anexação de terra palestina com o muro, bloqueio naval e terrestre, humilhações nos postos de controle que picotam e enjaulam a terra palestina, agressões e encarceramentos de deputados e observadores internacionais e agora, incrivelmente, a proibição da entrega de comida. Como uma espécie de gang adolescente birrenta e agressiva que se vê de posse de granadas e metralhadoras semi-automáticas, Israel vai desrespeitando, uma por uma, todas as leis internacionais que regulam a convivência com os vizinhos. Violam, inclusive, em níveis inimagináveis, as convenções humanitárias que regem o próprio conceito de ocupação colonial.

É um exemplo inaudito de um estado criminoso o suficiente para não caber nem mesmo no padrão humanitário internacionalmente recomendado às potências coloniais ocupantes. Em meio a tantos crimes, encontra tempo para censurar contatos diplomáticos feitos pela soberana República Federativa do Brasil.

Em Gaza, Israel vai pouco a pouco esmagando a população de 1,5 milhão de palestinos com o fechamento das fronteiras terrestre e marítima, disparos contra barcos de pescadores, proibição da entrada de víveres e séries intermitentes de atos de sabotagem econômica e assassinato político. Um cotidiano de terror vai criando desnutrição, desemprego e desespero. O especialista Juan Cole, professor da Universidade de Michigan, qualifica a situação atual de 3 milhões de palestinos como de escravidão e o bloqueio de comida como crime de guerra.

Se de ética se trata, que fique dito: a ocupação e a escravidão vividas pelo povo palestino representam a questão moral incontornável do nosso tempo. Sem uma solução que termine de vez com a ocupação israelense e garanta ao povo palestino um estado contínuo e viável nas fronteiras internacionalmente reconhecidas, as de 1967, não há vislumbre de paz duradoura para o planeta.



  Escrito por Idelber às 01:47 | link para este post | Comentários (54)



terça-feira, 11 de novembro 2008

Cristovão Tezza: O filho eterno

tezza.jpgVencedor dos prêmios Jabuti e Portugal-Telecom, entre outros, e aclamado pela crítica, O filho eterno (2007), de Cristovão Tezza, leva a representação da experiência pessoal na ficção a um nível de auto-reflexividade raramente visto na literatura contemporânea. O protagonista do romance recebe a notícia de que será pai em meio a uma profusão de golpes à sua auto-estima. Sustentado pela mulher, seu trabalho é a escrita, mas nela fracassa, acumulando cartas de recusa das editoras e notas de eliminações em concursos literários. Na profissão, por outro lado, ele também experiencia a derrota: relojoeiro, seu ofício é, por excelência, anacrônico. Como escritor, ele ainda não é, além de não dar indicação de que poderá vir a ser; como relojoeiro, já não tem razão de existir. Esse intervalo termina se desdobrando numa temporalidade suspensa entre o fantasma da paralisia que espreita, de perto, e o resquício de atividade e iniciativa que lhe resta. Assim se encontra ele quando recebe a notícia de que será pai.

A abordagem desse inominado personagem à vida é um exame hipercrítico e cínico da natureza arbitrária, absurda, lotérica, errática dos fatos (p. 49). Trata-se da história de como o protagonista lidará com a paternidade em meio um colapso de outras zonas de sua masculinidade – história que é narrada numa terceira pessoa singular, original, caracterizada pelo uso do discurso indireto livre em quase a totalidade do volume. O efeito é de proximidade ao pensamento do personagem, já que o narrador fala como se estivesse “dentro” da sua cabeça. Essa vizinhança, no entanto, se inverte na relação do protagonista com o mundo, que é marcada pela distância. Revise-se os grandes mestres do indireto livre, de Jane Austen em adiante, e se encontrará poucos exemplos de exploração tão hábil da tensão entre a hiper-proximidade entre voz narrativa e personagem e, ao mesmo tempo, o hiper-distanciamento entre personagem e mundo. Vemos de perto um homem que só sabe ver de longe. O efeito é o de uma empatia impossível, agônica, entre protagonista e leitor.

No corredor do hospital, esperando a mulher dar à luz, ele fuma, marcha descompassadamente, se angustia. Marcado pelo destempo, ele chega atrasado à cena que o constitui. Só no dia seguinte ao parto, junto aos indefectíveis parentes, ele inteira-se: a criança nascera com Síndrome de Down. O filho eterno é a meticulosa mas sucinta narração desse encontro da paternidade “fracassada” com uma masculinidade já em frangalhos, num mundo em que a Síndrome de Down vai progressivamente adquirindo o caráter de emblema, alegoria de uma outra relação com o tempo, que poderíamos chamar de presente perpétuo.

Estamos no Brasil de 1980, onde “Síndrome de Down” ainda é termo exclusivamente médico. No léxico possível de seu tempo, o seu filho era um mongolóide, vocábulo que carrega essa curiosa herança do colonialismo inglês, que batizou descapacitações com o nome de etnias. A natureza arbitrária, absurda, lotérica, errática dos fatos dera o veredito de trissomia daquele vigésimo-primeiro cromossomo, daquele em particular. A partir daí o protagonista, um pequeno burguês que solta a franga, como bem disse Ney Reis em sua resenha, está condenado ao contato com uma classe que despreza – a dos médicos – e ao mesmo tempo a viver a medicina como desdemonização do mundo por excelência, antídoto definitivo contra as explicações mágicas. A medicina entra no relato de Tezza como confirmação da natureza lotérica da existência.

Um dos primeiros devaneios que visita o personagem é o de que, por tudo o que lera, as crianças com Síndrome de Down morrem mais facilmente e, em geral, mais cedo. O pesadelo talvez não dure tanto, afinal. O leitor tem acesso a essas fantasias monstruosas através de uma voz narrativa que esvazia, de antemão, todo julgamento moral. Só uma gigantesca viseira poderia levar a uma leitura d' O filho eterno como parábola moralizante. O texto, claramente, se recusa a submeter o personagem à prova moral, e opta pela observação da sua labuta de ir compreendendo a amoralidade essencial de todas as coisas. Ele não é, claramente, um “além-homem” nietzscheano. Não vive no mundo afirmativo da alegria. Trata-se, ao contrário, do espécime ressentido e hiper-interpretativo que em língua nietzscheana chamaríamos de “último homem.”

As matérias-primas do romance de Tezza são, portanto, uma masculinidade em frangalhos, a paternidade “fracassada” e depois lentamente reaprendida, e um tempo repartido entre o presente-intervalo (do pai) e o presente-perpétuo (do filho). Nas 220 enxutas páginas, com freqüência se alternam parágrafos que descrevem o período anterior ao nascimento de Felipe -- os anos do pai em Portugal e na Alemanha, como trabalhador ilegal -- e o presente em que vai crescendo o garoto, entre 1980 e 2005. Em algumas ocasiões, o deslocamento temporal se produz, habilmente, no interior do mesmo parágrafo. Os saltos ao presente retratam o aprendizado descontínuo, quebrado, capenga de Felipe, que um dia, acidentalmente descobre o futebol como imagem da contigência, da natureza pendente e inacabada do mundo.

Felipe, 20 e poucos anos, não lê, não escreve, mas viaja na seqüência interminável de páginas da internet. Constrói pastas que nomeia como ATLTEICO ou ALTLETICO, sempre com uma letra trocada (p.217). Procura no Google o ônibus do Clube Atlético Paranaense. Começa a viver as partidas de futebol como experiências que, ao contrário do joguinho da FIFA que ele roda no computador, são imprevisíveis, nesse que é o mais fatalista e contingente dos esportes. A imprevisibilidade do futebol vai dando a Felipe uma idéia de “futuro” e através do conceito de campeonato ele entende o de calendário. O encadeamento de jogos funciona como metáfora inteligível do devir, da passagem do tempo, mesmo que continue uma tremenda confusão sobre o que é Campeonato Brasileiro, Copa do Brasil, Libertadores ou Campeonato Paranaense. Na medida em que Felipe vai vislumbrando algo para além do presente-perpétuo, o próprio protagonista passa a tecer outra relação – ainda precária, mas parcialmente efetiva – com sua existência no tempo e sua condição de homem e de pai.

Esse sutil deslocamento, modesto, limitado, nada triunfante, é o irredutível gesto afirmativo d'O filho eterno, sem dúvida um dos poucos romances realmente extraordinários publicados no Brasil no século que se inicia.



PS 1:

PS 2: Este post é parte de um trabalho bem mais longo, sobre a masculinidade na narrativa brasileira, de Fernando Gabeira – O que é isso, companheiro? (1979) e Crepúsculo do macho (1980) – a Caio Fernando Abreu – Morangos mofados -- (1988) e Cristovão Tezza. Apresento-o (em inglês) nesta quarta-feira no meu ex-lar, a Universidade de Illinois, em Urbana-Champaign, a cujos professores -- especialmente o compatriota Luciano Tosta -- agradeço pelo convite. U of I é uma das melhores universidades públicas dos EUA e dona orgulhosa da terceira maior biblioteca universitária americana.

PS 3: Leonardo Bernardes e Germano dos Santos Leite escreveram bem sobre os últimos (lamentáveis) desenvolvimentos do processo de criminalização do trabalho de Protógenes Queiroz e Fausto de Sanctis. A Associação dos Juízes Federais do Brasil divulgou nota que a Consultor Jurídico insistiu em publicar com o título "Contra o STF", em contradição com o conteúdo do texto, que se limita a defender a independência dos juízes federais antes os recentes ataques ao seu trabalho.



  Escrito por Idelber às 05:58 | link para este post | Comentários (41)



sexta-feira, 07 de novembro 2008

Links

O blog reuniu numa única página e sob uma única tag, A eleição de Obama, todos os seus posts sobre a eleição presidencial norte-americana, desde o dia 08 de janeiro, em que o Biscoito publicou um guia aos pré-candidatos republicanos e democratas. Está tudo lá: a cobertura em tempo real da Super Terça, a arrancada de Obama, a resposta a quem dizia que "ninguém sabia" o que Obama havia feito no Senado, além de toda a série sobre os swing states e a cobertura da vitória final. Está tudo numa só página: A eleição de Obama (obrigado ao César pela idéia).

******

O bom sociólogo Fernando Henrique Cardoso fez algumas coisas razoáveis como presidente, fez muitas coisas bem ruins mas, com certeza, não fez ao regime legal de seu país um dano maior que o de indicar Gilmar Mendes para a Suprema Corte da nação. O blog empresta sua solidaridade ir-res-tri-ta ao Doutor Protógenes Queiroz que, como indicávamos já em julho, virou investigado, pelo simples fato de investigar, dentro da lei, falcatruas dos poderosos. Protógenes conhece o Biscoito. Nossa solidariedade está com você, delegado.

*******

Começou a discussão entre os leitores, portanto não há tempo para que eu elabore mais que isso: gostei demais da indicação que fez Barack Obama, de Rahm Emanuel para chefe de gabinete. É legal ter um sujeito mais tough, negociador durão e partidário como chefe de gabinete. Especialmente se você tem 57 senadores e 259 deputados. Ao mesmo tempo, ao reservar a figura clintoniana para a posição de chefe de gabinete, Obama deixa a área de formulação de política, provavelmente, com a outra corrente, mais inovadora e independente. Gol de placa de Obama. Os republicanos estão borrando nas calças com Emanuel pilotando o gabinete.

******

Antes de elaborar mais sobre isso, quero manter vivas as esperanças de que Susan Rice e Kathleen Sebelius sejam parte do ministério. O extraordinário David Axelrod estará lá, com certeza.

******

James Carville, uma das cabeças da administração de Bill Clinton, acaba de assinar contrato aqui conosco, em Tulane University, para dar um curso especial de ciência política sobre eleições. Já está lotadaço. Estou pensando em pedir autorização para fazer o curso como ouvinte, entre minhas aulas de alemão, e me comportar como um verdadeiro troll, questionando-o sobre o focalismo que impuseram ao Partido Democrata nos anos 90.

******
Peralá, deixem-me entender: o Vanderlei Luxemburgo envia o auxiliar técnico para um jogo oficial do seu clube na Argentina e assiste ao dito cujo comentando para a Globo? Foi isso que aconteceu? Depois perguntam por que não escrevo mais sobre futebol, e culpam a crise do Galo.

*********
Aos leitores que estão começando a se preocupar com o excesso de entusiasmo com Obama: eu terei amplas oportunidades de criticar o gabinete de Obama por aqui, tenho certeza. Já de cara, sublinho os dois únicos momentos da campanha em que eu tive críticas fortes a Obama: a negociação sobre a FISA e a frase sobre Jerusalém na AIPAC. Ambas merecem posts mais longos. Mas, fora isso, eu afirmo, sim, que Obama é o político presidencial democrata mais confiável, do meu ponto de vista, desde Carter.

Desde que Dadá Maravilha era centroavante do Inter, digamos.



  Escrito por Idelber às 01:13 | link para este post | Comentários (70)



quinta-feira, 06 de novembro 2008

Em meio à comemoração, uma derrota importante

É chave não perder de vista as derrotas parciais que tivemos na noite histórica do 04 de novembro. Além da emocionante vitória de Obama, as coisas correram razoavelmente bem nas eleições para o Senado e a Câmara dos Representantes. Mas houve pelo menos uma derrota que me doeu muito. Na Califórnia, estado progressista, foi aprovada por 52,5% a 47,5% a odiosa Proposição 8, patrocinada por grupos religiosos, que estabelece que “somente o casamento entre um homem e uma mulher será reconhecido pelo estado”. Na mesma noite em que ajudou a eleger o primeiro presidente negro da história, a Califórnia deu uma banana para gays e lésbicas.

Vamos aos números.

Eu não gostaria de estar dizendo isso, mas é a pura verdade: o comparecimento massivo do eleitorado negro foi decisivo para a aprovação da proposição. Entre os brancos, o “não” ganhou por 51 x 49, mas entre os negros o “sim” goleou por 70 x 30. Entre os latinos, muito numerosos na Califórnia, o “sim” também venceu, por 53 x 47. Entre as mulheres negras, 75% votaram a favor de se retirar o direito dos gays ao casamento. O eleitorado feminino costuma ser muito mais progressista que o masculino nos EUA, mas nesta questão o voto foi praticamente idêntico. Os jovens votaram massivamente contra a proposição discriminatória. A turma com mais de 35 votou massivamente a favor.

John McCain apoiava a proposição e Barack Obama, professor de direito constitucional, se opunha. A histeria contra o casamento gay foi decisiva para a derrota de John Kerry em 2004 e, neste ano, Obama elaborou uma posição com mais nuances sobre o assunto. Ele não defende o “casamento gay”, mas também não defende casamento nenhum como matéria constitucional. Argumenta que o casamento deve ser deixado para que cada igreja resolva como queira, e que a lei do país se limite a garantir a todos os casais direitos idênticos (de adoção, propriedade conjunta, herança etc.) como elementos de uma união civil.

O problema é o raio da palavra, “casamento”.

Se você colocar numa cédula a idéia de restringir o direito de gays e lésbicas à adoção, herança etc. (ou seja, os direitos que costumam acompanhar o “casamento”), ela não passará, mesmo em estados mais conservadores. Basta definir o “casamento” como “a união de um homem e uma mulher” que a proposição passa, mesmo nos lugares mais liberais. É a mesma idéia, mas dependendo de como ela for formulada, o resultado é distinto. Se, amanhã ou depois, algum grupo religioso maluco resolver emendar a constituição proibindo ateus de serem professores nas escolas primárias e secundárias, a proposição passa, mesmo nos lugares mais progressistas. Esta foi uma das chaves das vitórias conservadoras nas chamadas “guerras culturais” nos EUA: mobilizar os medos e preconceitos da maioria silenciosa.

Para que vocês tenham uma idéia do absurdo da coisa: na mesma cédula em que elegeram Obama e aprovaram a proposição 8, os californianos também aprovaram a proposição 2, que exige gaiolas mais confortáveis para as galinhas. Não, não estou brincando. Siga o link. Na mesma noite em que estabeleceu os direitos das galinhas, a Califórnia decidiu que gays e lésbicas são cidadãos de segunda classe. Este blog não tem nada contra galinhas e porcos e se opõe a quaisquer maus-tratos gratuitos de animais. Mas continua firmemente antropocêntrico.

Ainda há esperanças de que numa nova Suprema Corte – com mais um ou dois juízes nomeados pelo Presidente Obama --, proposições como a número 8 sejam definitivamente declaradas inconstitucionais. Afinal de contas, elas são um tapa na cara da décima-quarta emenda à constituição americana.

Mas essa batalha é morro acima, não há dúvidas. O blog manda seu abraço solidário a todos os seus leitores gays e lésbicas, decepcionado com essa importante derrota.

PS: O nosso leitor Cesar esteve em Grant Park na noite histórica.



  Escrito por Idelber às 04:19 | link para este post | Comentários (70)



quarta-feira, 05 de novembro 2008

Barack Obama eleito presidente dos Estados Unidos. Nasce um estadista

obama-victory.jpg

Ontem à tarde, antes de começar a cobertura ao vivo das eleições, eu fui ao supermercado renovar o estoque de cerveja. Alguns amigos iam passar por aqui e eu queria ter Abitas em quantidade suficiente. Na fila do supermercado, uma daquelas senhoras bem New Orleans, negra, sorridente, com o rosto marcado pelo tempo, me pediu um documento que comprovasse a minha idade. Feliz da vida por ter sido confundido com um garoto de menos de 21 anos, eu entreguei minha carteira de motorista e ela brincou: ah, que legal ter um aniversário no Halloween!

Nos EUA, puxar papo político-eleitoral com um estranho é bem menos comum que no Brasil. Animado pela brincadeira dela, no entanto, eu me arrisquei: Ma'm, I'm feeling pretty good about tonight. Ela retrucou: I'm just hoping and praying. Subitamente tomado pela consciência de que aquela mulher, que quando menstruou pela primeira vez não podia sequer usar os mesmos bebedouros, banheiros públicos e piscinas dos brancos, estava prestes a ajudar a eleger Barack Obama presidente da república, eu comecei a sentir o nó na garganta. Perguntei a ela: did you ever think you'd live to see the day? Não era necessário completar a frase. Ao ouvir a pergunta sobre se já imaginara viver para ver esse dia, ela sabia muito bem a que eu me referia. Respondeu: No, son, I didn't. But God is good. E eu, ateu de carteirinha, desabei a chorar nos ombros daquela senhora negra e crente de New Orleans, que trabalhava por 6 dólares a hora num supermercado na noite de 04 de novembro de 2008, a noite em que nós e Barack fizemos história.

Ela encerrou o papo: fique calmo, meu filho. Vá beber sua cerveja tranquilo.

Como bom atleticano, eu tenho Ph.D. em desgraças e decepções. Uma avaliação mais ponderada dos alcances e dos limites do governo Obama terá que ser feita com calma, dentro de alguns dias – inclusive porque essa avaliação depende das quatro vagas ainda indefinidas no Senado (Minnesota, Geórgia, Alaska, Oregon). Caso os democratas conquistemos essas quatro vagas, o Presidente Obama terá a maioria mágica de três quintos (60 senadores), que garante a aprovação de qualquer projeto sem preocupação com obstruções. Até lá, é hora de comemorar.

É de se comemorar, por si só, o fim do regime mais desastrado, inepto e mentiroso da história da república. É de se celebrar o surgimento de um verdadeiro estadista, um homem que, no pódio da vitória, não esfrega seu sucesso na cara dos outros, não tripudia sobre os vencidos, não joga seus apoiadores contra os seguidores do candidato derrotado, mas opta pelo caminho oposto: a reconciliação, a união, a possibilidade do diálogo. É de se celebrar o fim da premissa de que os progressistas americanos só venceríamos à moda Clinton, fazendo concessão atrás de concessão para a direita. É de entusiasmar ter um líder que entende a internet, compreende o poder das novas tecnologias, tem um visão de futuro. O discurso de vitória de Obama foi o de um verdadeiro estadista.

Eu me orgulho de ter apostado. Desde o primeiro minuto. E me junto à festa da Dona Sarah Obama, no Quênia:

sarah-obama.jpg

Em breve, faço uma análise mais detalhada dos números. Mas adianto que as vitórias de Obama em Indiana e na Virgínia são marcos inesquecíveis. São o coroamento de uma estratégia inteligente, que redesenhou o mapa político dos Estados Unidos. Dificilmente essa garotada de 18 a 25 anos voltará à letargia política em que havia se afundado.

Como alguém que acredita na política – que acredita na desejabilidade e na inevitabilidade da política – e é pai de duas crianças, eu só posso dizer:

Obrigado, Barack.



  Escrito por Idelber às 05:16 | link para este post | Comentários (112)



terça-feira, 04 de novembro 2008

Cobertura ao vivo da noite histórica do Presidente Obama

Este post será atualizado ao longo da noite. Estamos tendo alguns problemas com o servidor, portanto, ao escrever seu comentário, guarde-o num processador de texto e tente de novo caso ele não entre. O problema não é causado pelo excesso de visitas, mas pelo excesso de chamadas ao site (cliques nos links de comentários e pedidos para que se renove a página). Portanto, quem usa leitor de RSS pode acompanhar tudo com este link, que inclui também os comentários. Seu pitaco é importante. Não desanime.

11:48: Até agora, Obama já levou Vermont, New Hampshire (que McCain tinha esperança de vencer), Connecticut, Massachusetts, Nova Jersey, Delaware, o Distrito de Colúmbia (da capital Washington), Maine e Illinois.

McCain já levou Kentucky, Carolina do Sul, Tennessee, Oklahoma.

Até agora, as grandes notícias são as vitórias de Obama na Pensilvânia e em New Hampshire. O resto era tudo esperado. Trata-se agora, basicamente, de confirmar Ohio ou Flórida e sair para o abraço.

12:00
. Fecharam-se as urnas em toda a região central do país e em Nova York. Dentro de uma hora, acho que dá para anunciar o resultado com certeza.

12:03: Para quem está com a televisão ligada: a MSNBC está dando um banho na CNN. Pulem pra lá.

12:04
: Faltam oito estados decisivos. McCain precisa vencer todos os oito.

12:08
. Começaram a chegar os votos de Fairfax County e de Charlotesville, em Virgínia. A diferença, que andava em 10% a favor de McCain, já caiu para 3%. Tentei fazer uma regra de três aqui, para determinar se dava para anunciar vitória. Ainda não dá, mas está com cara boa.

12:17. Os números da Flórida são bons para Obama. A disputa está muito apertada, mas a julgar pela votação de Jacksonville -- que é área militar, de McCain --, dentro de uns 30 minutos dá para ter notícias de lá.

12:31. Alguns leitores me avisam que a MSNBC já declarou Ohio para Obama. Sem ter visto o anúncio deles, o Biscoito está pronto para prever: Obama vencerá Ohio. Por que? Obama lidera sem único voto de Cuyahoga County. Ou eu fiquei doido, ou fiz a regra de três errado, ou o mapinha do NYT está errado. Tirando isso, Ohio é Obama!

12:34. Chegou a hora. Você leu aqui primeiro: BARACK OBAMA É O NOVO PRESIDENTE DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA. Daqui pra frente, é só matemática. Comemorem, porque não tem volta.

12: 47: A coisa na Flórida também está bonita, meus caros. Miami-Dade é território democrata, eu sei. Mas em geral é 55 x 45. Obama está vencendo por lá com 60 x 40. Nas áreas militares, em que McCain esperava ter grande vantagem, a diferença é pequena.

12:55. Uma multidão gigantesca se reúne em Chicago, no meu querido Grant Park, onde até joguei futebol. Meus queridos leitores, eu estou muito, muito emocionado. Este blog já errou muito, mas nesta, modéstia às favas, nós acertamos do começo ao fim. No dia 28 de janeiro, o blog declarou seu apoio a Obama e iniciou a jornada.

01: 06
. Pedro Doria me enche o saco porque McCain venceu na Louisiana. Olhe os votos de New Orleans, Pedro!

01:44. Obama lidera na Flórida com 80% dos votos apurados. Mas, como em Palm Beach, reduto obamista, somente 27% votos já foram contabilizados, o Biscoito está pronto para anunciar: Obama vencerá a Flórida!

01: 52. Uma revolução no voto popular acaba de ser confirmada: Barack Obama, um senador negro formado em Harvard, vencerá as eleições em Virgínia, estado do sul segregacionista. O Biscoito explicou o porquê há algumas semanas.

02: 00. Oito minutos depois do Biscoito, a CNN canta Virgínia para Obama. A última vez que Virgínia votou democrata, Castelo Branco era o presidente do Brasil.

03:00
. A festa começou por aqui. Chega de blogar. Amanhã, mais detalhes desta noite inesquecível.



  Escrito por Idelber às 21:41 | link para este post | Comentários (132)




Pela primeira vez desde 1952, um governo sem Bush ou Dole

kayhagan-ec.jpg

É oficial: na eleição do Senado mais importante da noite -- para o blogueiro, pessoalmente --, a queridíssima Kay Hagan derrotou a outrora poderosa Elizabeth Dole. É o primeiro assento roubado dos republicanos na noite. Rumo à maioria absoluta no Senado.

Pela primeira vez desde 1952, os EUA terão um governo sem nenhum Bush nem Dole.

I'm so proud of you, Kay!



  Escrito por Idelber às 21:27 | link para este post | Comentários (8)




Explicando o mapa do NYT

Alguns leitores estão ficando confusos com o mapa do New York Times. O fato de que um estado esteja vermelho ou azul não significa que ele já esteja decidido. Você tem que olhar a porcentagem de votos que já foram contabilizados e, evidentemente, de onde vêm eses votos.

Este site traz o mapa completo das eleições anteriores, condado por condado, para efeitos comparativos.



  Escrito por Idelber às 21:17 | link para este post | Comentários (4)




Vitória de Obama na Pensilvânia

A NBC acaba de projetar: Vitória de Obama na Pensilvânia.

Isso significa: McCain tem que vencer Ohio.

O Biscoito está pronto para afirmar: se não levar Ohio, McCain perdeu a eleição.



  Escrito por Idelber às 20:50 | link para este post | Comentários (18)




Indiana

Acabei de olhar de onde vêm os 12% dos votos que já foram computados no estado de Indiana. Os números são muito bons para Obama. Não sei se serão suficientes para uma vitória no estado, mas são muito superiores ao que se esperaria de um candidato democrata nesse estado eminentemente conservador.

A região noroeste do estado, mais suscetível à influência de Chicago, e portanto mais obamista, ainda não reportou. No momento, McCain lidera com 50,8%, mas suas regiões me parecem sobre-representadas no número de votos já computados.

Se Obama levar Indiana, será uma longa, longa noite para McCain.

Atualização: No mapinha do NYTimes, observe com atenção a chegada dos números de quatro condados no noroeste de Indiana: Lake, Porter, La Porter e St. Joseph. Destes, só o último já começou a contabilizar os votos.



  Escrito por Idelber às 20:26 | link para este post | Comentários (17)




Um pedido

Um breve pedido, pessoal: por favor, dêem pelo menos 5 a 10 minutos entre cada atualização (cada F5) que vocês solicitarem ao site. Tentei montar um esquema para aguentar o tráfego, mas estamos começando a ter problemas.

Não é o número de visitantes. É a quantidade de F5's simultâneas.



  Escrito por Idelber às 20:16 | link para este post | Comentários (7)




As primeiras urnas

Faltam 30 minutos para o fechamento das primeiras urnas. Os estados que concluem a votação às 10 horas de Brasília são: Geórgia, Virgínia, Vermont, Indiana, Carolina do Sul e Kentucky.

A Carolina do Sul é um dos estados mais vermelhos da federação. Aguarde vitória de McCain. Mas, se quiser brincar de estatísticas, compare a votação de Obama por lá com a votação democrata nas eleições de 2004, 2000, 1996, 1992 e 1988.

Kentucky também é território vermelho. McCain vence, mas algo me diz que será por diferença historicamente pequena.

Vermont será uma goleada memorável de Obama. É um dos estados mais progressistas da federação, e casa do nosso único senador socialista.

Os números que realmente importam virão da Geórgia, de Indiana e da Virgínia. Geórgia é o coração do Sul mais atrasado. Democrata nenhum jamais deu bola para o estado. Obama montou campanha forte por lá e, mesmo que não vença, se conseguir um bom desempenho, já será anúncio de noite feliz. Mesma coisa em Indiana, estado bem conservador, que sempre vota republicano, mas que este ano Barack contestou. Se Barack vencer em Indiana, abra a cerveja, porque será goleada.

E a Virgínia, a Virgínia, a Virgínia, que não vota democrata desde que Castelo Branco era presidente do Brasil, foi a grande novidade da campanha de Obama: ele sacou a mudança demográfica do estado, deu uma banana para a estratégia "focalizada" que havia dominado o Partido Democrata nos anos 90 e chegou ao dia da eleição como favorito no estado.

Uma vitória na Virgínia, e a coisa já se encaminha.

Às 10:30 de Brasília, mais dois estados importantíssimos fecham as urnas: a Carolina do Norte e o decisivo, pai de todos os swing states, Ohio.



  Escrito por Idelber às 19:15 | link para este post | Comentários (10)




Avisos e links

Um breve aviso aos navegantes: trabalharemos aqui hoje somente com os números oficiais da apuração. Não vou nem olhar números de pesquisa de boca de urna. Eles não são confiáveis nos Estados Unidos. Se você lê inglês, dê uma olhada nas dez razões pelas quais você deve ignorar pesquisas de boca de urna aqui nos EUA, do Nate Silver. Claro que você pode deixar comentários com links a pesquisas de boca de urna, mas esses números só me farão ficar mais nervoso do que já estou.

Aí vão alguns links que nos acompanharão madrugada adentro:

Cnn.com: Das grandes cadeias de mídia, é a melhor. A mais confiável, o site mais elegante, com mais recursos. Este ano, eles acrescentaram um quadrinho em que você escolhe as eleições para o Senado e Câmara que quer acompanhar. Eles personalizam a entrega dos números para você.

Talking Points Memo: Eles são, mes amis, tudo o que qualquer blog político gostaria de ser. Revolucionaram a brincadeira. Não têm nenhuma pretensão de "neutralidade" ou "isenção". Trata-se de um site democrata de notícias. Mas a credibilidade é tudo. Eles nem precisam dar fontes, porque o trabalho independente deles, muitas vezes, é a própria fonte. É claro que torcem por Obama, mas se você me apontar um erro factual numa matéria do TPM, eu visto a camisa do ex-Ipiranga aqui no blog.

Daily Kos: Aqui já é um pouco mais complicado. Não os uso como fonte de notícias, mas como termômetro da militância mais entusiasmada. É uma operação gigantesca, no entanto, e sempre vale a pena conferir.

Five Thirty-Eight: A grande novidade blogueira desta eleição. Nate Silver, também eleitor de Obama, revolucionou a tortura dos números. Dá para ficar horas por ali, mastigando estatísticas. O homem é um monstro.

Hullabaloo: A linda, maravilhosa Digby foi um oásis de sanidade nas duríssimas primárias democratas entre Obama e Hillary. Ela apoiava Hillary, mas só ganhou o meu respeito pela forma como conduziu o debate. Ao contrário do Talk Left e do Left Coaster, que nesta eleição viveram sua decadência definitiva.

Red State: Para ver o que anda pensando o lado de lá, evidentemente.

Em lusitana língua, claro, o Pedro Doria estará conosco ao longo da noite.



  Escrito por Idelber às 17:37 | link para este post | Comentários (31)




Fotos para história

Antes de começar a cobertura, aqui vão algumas fotos deste momento histórico. Fiz questão de registrar. Primeiro, a minha matrícula na Secretaria do Estado da Louisiana, com o endereço de onde votei. Se você conhece política americana, verá, pelo meu distrito, que na eleição para o Congresso tive a ingrata tarefa de escolher entre William Jefferson e Helena Moreno (votei nesta última):

registr-inf.jpg


Abaixo, foto tirada pela mesária, antes de que eu cravasse o nome de Obama na cédula:

DSC04150.JPG


Aqui, uma auto-violação da privacidade do meu voto, com X amarelo na chapa democrata:

DSC04154.JPG



  Escrito por Idelber às 16:53 | link para este post | Comentários (16)




Os obstáculos ao voto

Depois do vergonhoso roubo das eleições de 2000 na Flórida e das muitas irregularidades que contribuiram para o resultado de 2004 em Ohio, o mais primitivo e precário sistema eleitoral do chamado Primeiro Mundo passará hoje pela sua prova de fogo. O Partido Republicano, minoritário nas grandes cidades, já tem, há algum tempo, a supressão do voto como um dos elementos centrais da sua estratégia. Este ano não foi diferente, embora, até o momento, não tenha dado muito certo.

Algumas das notícias mais preocupantes até agora são:

* No Novo México, imigrantes recém naturalizados (e portanto americanos em condições de votar) receberam visitas de intimidação de advogados do Partido Republicano.

* Na Carolina do Norte, foram impressos e distribuídos panfletos que avisavam que republicanos deveriam votar no dia 04 (o dia real da eleição) e democratas no dia 05.

* Em vários estados, os eleitores continuam recebendo ligações telefônicas gravadas com informações deliberadamente equivocadas sobre datas e lugares de votação.

* Em Richmond, Virgínia, reduto de Obama, vários eleitores relataram esperas de seis horas na fila de votação antecipada.

* Em Kansas City, Missouri, também reduto de Obama, centenas de eleitores esperaram oito horas para votar, muitos deles tendo recebido informações erradas sobre data e lugar de votação.

* Em muitos estados, os absentee ballots (cédulas para votação pelo correio) requisitados com antecedência não chegaram.

* Na Pensilvânia, o Partido Republicano tentou mas não conseguiu forçar a ONG ACORN a ceder os nomes de 140.000 eleitores que eles haviam registrado (nomes que certamente seriam usados depois para prática de intimidação eleitoral).

* Em Ohio, continua no ar o programa de rádio que anuncia que Obama mandaria os judeus para câmaras de gás.

* Em vários estados, as milícias dos Minutemen mandarão gente às urnas para contestar o direito ao voto de quem ... hmmm... não pareça americano.

O Talking Points Memo traz toda uma lista de tentativas de supressão do voto em 2008. Este, mes amis, foi um bom ano. Nem queiram saber o que é um ano ruim.


PS: Considerando o entusiasmo com Obama em New Orleans, a minha própria espera na fila de votação deve ser bem longa. Chegando de lá, eu inicio cobertura ao vivo das eleições, provavelmente no comecinho da noite, horário de Brasília.

PS 2: Na legendária cidadezinha de Dixville Notch, em New Hampshire, que mantém a tradição de reunir-se à meia-noite do dia da eleição, todos os 21 eleitores registrados já votaram. O povoado, que vota Republicano desde 1972, desta vez escolheu Obama por 15 x 6.

PS 3: É meio constrangedor ver um senador brasileiro dar palpites sobre Obama sem sequer saber escrever o nome do candidato. Em vez disso, Demóstenes deveria nos explicar a história do grampo fajuto.



  Escrito por Idelber às 01:58 | link para este post | Comentários (43)



segunda-feira, 03 de novembro 2008

Madelyn Payne Dunham (1922-2008)

madelyn.jpg

Eu sempre achei bonito o jeito em que ela fecha os olhos nesta foto.



  Escrito por Idelber às 19:55 | link para este post | Comentários (14)




Os últimos números

A última pesquisa do Gallup mostra Obama 53%- McCain 42%.

Não, este blog não acredita que Obama vencerá por 11 pontos. Em todo caso, é simbólico que a pesquisa da CBS desta semana tenha confirmado o assombroso número: George Bush é o pior presidente da história (pdf) na avaliação popular, desde 1952, quando essas pesquisas sobre a aprovação da Casa Branca começaram a ser feitas.

Saiu a bateria de pesquisas finais dos estados decisivos. Ela não é ruim para McCain, considerando-se a situação dos últimos dias. Mostra empates em Ohio e Missouri e McCain na frente por um ponto na Flórida e na Carolina do Norte. Lembre-se: para ser eleito, McCain precisaria vencer em praticamente todos os estados hoje considerados swing states.

Ohio, Flórida, Pensilvânia, Carolina do Norte, Virgínia, Colorado, Novo México, Nevada, Minnesota, Wisconsin, New Hampshire, Montana, Indiana e Dakota do Norte: estes são os estados que o Biscoito acompanhará com lupa.

Se Obama confirmar a Pensilvânia e vencer em mais um dos grandes, babau.



  Escrito por Idelber às 16:59 | link para este post | Comentários (11)




Kay Hagan pode fazer história na Carolina do Norte

Ninguém, nem mesmo o Partido Democrata, acreditava. O assento da Republicana Elizabeth Dole no Senado Federal era um daqueles assentos cativos. E eis que nos últimos dois meses a Democrata Kay Hagan fez isto com as pesquisas:

Neste mapinha do New York Times dá para se avaliar a possibilidade de que os Democratas conquistemos as importantíssimas 60 cadeiras que garantiriam ao Presidente Obama uma maioria à prova de filibusters.

Agora escutem esta: caso se confirme a vitória de Kay Hagan na Carolina do Norte, será a primeira vez desde 1952 que os Estados Unidos terão um governo federal sem nenhum Bush ou Dole em qualquer um de seus ramos.

É a eleição menina dos olhos deste blog, a que decidirá uma das vagas da Carolina do Norte no Senado.



  Escrito por Idelber às 13:35 | link para este post | Comentários (16)




Previsão de comparecimento recorde às urnas

O Instituto Gallup acaba de ajustar sua previsão de comparecimento do eleitorado americano às urnas para as eleições deste ano. A previsão agora é de que vote 64% da população em idade de votar.

Caso se confirme a previsão do Gallup, terá sido o maior comparecimento dos últimos cem anos.



  Escrito por Idelber às 03:10 | link para este post | Comentários (5)



domingo, 02 de novembro 2008

There's never been anything false about hope: A 48 horas de um encontro com a História

obama.jpg

(fonte, via Mary)

O futebol americano trabalha com um conceito de "desrespeito ao adversário" que é exatamente o oposto do nosso futebol. No nosso ludopédio, nenhum time cabeça-de-bagre pode se queixar caso o seu adversário continue atacando e buscando o gol numa partida em que já está vencendo 9 x 0. Respeitar o adversário é seguir tentando marcar o décimo. O desrespeito, claro, seria a embaixadinha no meio-campo (em 1991, o Primeiro Campeão Brasileiro e Único Clube do Planeta a Derrotar a Seleção Tricampeã do Mundo deu uma dessas belas demonstrações de respeito ao adversário, ao continuar buscando gols num jogo contra o Caiçara-PI, que terminou 11 x 0, naquela que é, se não me falha a memória, a maior goleada da história da Copa do Brasil).

Os esportes americanos -- especialmente o basquete e o football -- têm outra compreensão do que é respeito. A expressão run up the score designa esse ato de continuar buscando pontos numa partida que está, por exemplo, 42 x 7. Esse ato pode ser considerado despeitoso caso você continue lançando passes de 30 e 40 jardas e enfiando touchdown atrás de touchdown num jogo em que você já está vencendo por 28 ou 35 pontos. "Respeitar o adversário" aqui seria justamente "fazer a embaixadinha no meio-campo" (usar jogadas que esticam o tempo e não atacam) para deixar o relógio correr.

"Respeito" ao adversário significa, então, coisas opostas no futebol americano e no futebol futebol. Já pararam para pensar nessa curiosa diferença? Max Weber e Jean Baudrillard, para citar dois bichos de espécies bem distintas, teriam muito a dizer sobre a sociologia desse desacordo.

Foi essa a diferença cultural que me ocorreu quando fiquei sabendo que Barack Obama lançou uma barragem de comerciais no estado do Arizona, o quintal de McCain. Certamente a escolha pode ser interpretada como uma tremenda demonstração de arrogância. Mas Barack não tem culpa se a última pesquisa do Arizona mostra uma vantagem de McCain de apenas dois pontos no seu próprio estado.

A série de swing states publicada pelo Biscoito, que já focalizou Ohio, Flórida, Michigan, Virgínia, Carolina do Norte e Pensilvânia, acabou sendo interrompida pela absoluta fúria com que Obama, durante algumas semanas, transformou swing states em estados azuis, e estados vermelhos em swing states. A coluna amarela do Pollster, por exemplo, só lista estados que votaram em Bush em 2004, incluindo-se, holy fuck, Indiana, Geórgia, Montana e Dakota do Norte.

Em todo caso, o blog ficou devendo análises de Colorado, Nevada e Novo México, que são estados que conheço bem menos. Eles foram a outra novidade avalassadora da campanha de Barack, junto com -- esta sim -- a "jogada de gênio" de entender as mudanças demográficas de Virgínia e Carolina do Norte. Quanto a Indiana e Geórgia, meu Deus, eu até os conheço bem, mas nunca imaginei que fossem virar swing states.

É verdade que algumas pesquisas dos últimos três dias mostram ligeiro movimento na direção de McCain. Pela primeira vez em muito tempo há uma pesquisa que o coloca na frente em Ohio, Missouri e Carolina do Norte. Mas a batalha para ele é morro acima.

Há muita confusão entre os especialistas para determinar exatamente qual a porcentagem do eleitorado que se aproveitou da possibilidade de votar antecipadamente. Já vi estimativas que colocam esse número na casa do 27%, o que é extraordinário. Tradicionalmente, o voto antecipado favorece os Republicanos, porque a faixa etária nele sobre-representada costuma ser de idosos. Este ano, no entanto, o voto antecipado favorece Obama por mais de 50%.

Apesar de que a Louisiana é estado quase certo para McCain, aqui em New Orleans houve uma monstruosa acometida do eleitorado negro às mesas de registro de eleitores. Além de ter um compromisso importante na terça às 11:30 am (3:30 de Brasília), eu devo gastar umas duas a três horas para votar. A partir das 18:30 de New Orleans, 10:30 da noite em Brasília, estarei por aqui.

Ao longo da cobertura, vou prestar bastante atenção a algumas eleições para o Senado também, que determinarão se os Democratas terão ou não uma maioria de 60 x 40, que é a necessária nos EUA para passar legislação sem poder ser incomodado por filibusters. Se você entende inglês falado, essa explicação do incomparável Josh Marshall coloca a coisa em perspectiva. A corrida por uma das vagas de Minnesota no Senado, na qual o comediante Al Franken, Democrata, pode surrupiar o assento do Republicano Norm Coleman, será acompanhada com especial carinho por aqui.

Para relembrar o começo da jornada, aqui vai um comercial que fez história:

A programação do blog para as próximas 72 horas é:

* na Segunda, devo publicar vários posts pequenos, diferentes dos normais por aqui. Uma linha, um comentário, um link.

* na Terça à noite, chegando da cabine de votação, eu inicio uma cobertura em tempo real, para a qual você está convidado. Passe a madrugada de Terça para Quarta comigo -- e com o Pedro Doria -- porque a experiência será memorável.

PS
: Se você ainda não leu, dê uma olhada no meu Barack Obama e o possível fim da política do medo.



  Escrito por Idelber às 16:45 | link para este post | Comentários (20)