Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email:
idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro







selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« Secar Parreira: Tarefa de todo amante do futebol :: Pag. Principal :: Obama's walking the walk »

sexta-feira, 13 de março 2009

Teses sobre o conto, de Ricardo Piglia

RP.jpgI

Num de seus cadernos de anotações, Tchékhov registra esta anedota: “Um homem, em Montecarlo, vai ao Cassino, ganha um milhão, volta para casa e se suicida". A forma clássica do conto está condensada no núcleo desse relato futuro e não escrito.

Contra o previsível e o convencional (jogar-perder-suicidar-se), a intriga se coloca como um paradoxo. A anedota tende a desvincular a história do jogo e a história do suicídio. Essa cisão é chave para definir o caráter duplo da forma do conto.

Primeira tese: um conto sempre conta duas histórias.

II

O conto clássico (Poe, Quiroga) narra em primeiro plano a história 1 (o relato do jogo) e constroi em segredo a história 2 (o relato do suicídio). A arte do contista consiste em saber cifrar a história 2 nos interstícios da história 1. Um relato visível esconde um relato secreto, narrado de modo elíptico e fragmentado.

O efeito de surpresa se produz quando o final da história secreta aparece na superfície.


V

O conto é um relato que encerra um relato secreto. Não se trata de um sentido oculto que depende da interpretação: o enigma não é outra coisa que a história que se conta de um modo enigmático. A estratégia do relato está posta a serviço dessa narração cifrada. Como contar uma história enquanto se está contando outra? Essa pergunta sintetiza os problemas técnicos do conto.

Segunda tese: a história secreta é a chave da forma do conto e de suas variantes.

VI

A versão moderna do conto que vem de Tchékhov, Katherine Mansfield, Sherwood Anderson e do Joyce de Dublinenses, abandona o final surpreendente e a estrutura fechada; trabalha a tensão entre as duas histórias sem resolvê-la nunca. A história secreta se conta de um modo cada vez mais elusivo. O conto clássico à la Poe contava uma história anunciando que havia outra; o conto moderno conta duas histórias como se fossem uma só.

A teoria do iceberg de Hemingway é a primeira síntese desse processo de transformação: o mais importante nunca se conta. A história secreta se constroi com o não dito, com o subententido e a alusão.


VII

[...]

O que teria feito Hemingway com a anedota de Tchékhov? Narrar com detalhes precisos a partida e o ambiente onde se realiza o jogo e a técnica que usa o jogador para apostar e o tipo de bebida que toma. Não dizer nunca que esse homem vai se suicidar, mas escrever o conto como se o leitor já o soubesse.

VIII

Kafka conta com clareza e simplicidade a história secreta, e narra sigilosamente a história visível até convertê-la em algo enigmático e escuro. Essa inversão funda o “kafkiano”.

A história do suicidio na anedota de Tchékhov seria narrada por Kafka em primeiro plano e com toda naturalidade. O terrível estaria centrado na partida, narrada de modo elíptico e ameaçador.

IX

Para Borges a história 1 é um gênero e a história 2 é sempre a mesma. Para atenuar ou dissimular a essencial monotonia dessa história secreta, Borges recorre às variantes narrativas que oferecem os gêneros. Todos os contos de Borges estão construídos com esse procedimento.

A história visível, o jogo na anedota de Tchékhov, seria contada por Borges segundo os estereótipos (levemente parodiados) de uma tradição ou um gênero. Uma partida no armazém, na planície entrerriana, contada por um velho soldado da cavalaria de Urquiza, amigo de Hilario Ascasubi. O relato do suicídio seria uma história construída com a duplicidade e a condensação da vida de um homem numa cena ou ato único que define seu destino.

X

A variante fundamental que introduziu Borges na história do conto consistiu em fazer da construção cifrada da história 2 o tema do relato.

Borges narra as manobras de alguém que constroi perversamente uma trama secreta com os materiais de uma história visível. Em A morte e a bússola, a história 2 é uma construção deliberada de Scharlach. O mesmo acontece com Acevedo Bandeira em O morto; com Nolan em Tema do traidor e do heroi; com Emma Zunz.

Borges (como Poe, como Kafka) sabia transformar em anedota os problemas da forma de narrar.


Fonte: Ricardo Piglia, Crítica y ficción (Bs.As., Siglo XX, 1993), pp. 75-79. Tradução I.Avelar. Foto: daqui.



  Escrito por Idelber às 06:08 | link para este post | Comentários (31)


Comentários

#1

O máximo. Gostei tanto que fiquei com vontade de ir atrás do livro, e irei.

André em março 13, 2009 8:43 AM


#2

Muito bom Idelber. Comecei a ler o Piglia faz pouco tempo e é sempre muito animador. O mais engraçado é que o texto dele mesmo não parece fazer essas sobreposições tradicionais entre a primeira e a segunda história.
Aliás, pensando no que ele fala dos inovadores, como o Kafka e o Joyce, lembrei das narrativas curtas do Beckett. Os personagens do irlandês parecem torcer por essa história subterrânea, uma mudança que torça os seus destinos, no entanto, não é isso que acontece. Eles ficam lá, como restos no nada.

Tiago Mesquita em março 13, 2009 9:58 AM


#3

também vou procurar o livro. Valeu.

Renata L em março 13, 2009 12:01 PM


#4

Cacilda, baita post. Especialmente o trecho sobre Hemingway, pois li dois dele recentemente (O Velho e o Mar, O Sol também se levanta).

Engraçado que, ao ler sobre a teoria do iceberg de Hemingway - de que eu nunca tinha ouvido falar (leigo que sou em teoria literária) - me veio exatamente a estrutura de "O Sol...". Quando comecei a lê-lo, custei a progredir porque me parecia sem sentido, modorrento, cheio de detalhes, que serviria como roteiro turístico de Paris. Quando a impossibilidade sexual de Barnes começa a ser sugerida, aí sim a trama dele e Brett, a história secreta, se delineia. O drama de Barnes é apenas sugerido, porque "o mais importante nunca se conta. A história secreta se constroi com o não dito, com o subententido e a alusão." Deixa-se para o leitor imaginar o estado de espírito do narrador quando próximo de Brett, e quando, por exemplo, descreve para ela a arte de tourear, ou mesmo quando percebe que ela quer sair com o toureiro. O amargor da história surge no leitor sem uma palavra sequer claramente voltada pra isso: como se nada tivesse acontecido, Jake narra, frio e seco, que voltou ao bar onde Brett e o toureiro estavam e só encontrou na mesa os dois copos vazios. O leitor imagina o aperto e o desespero de Jake sem que uma palavra seja dita pra isso.

É isso que dá não ter qualquer teoria para entender aquilo que está à nossa frente. Se a teoria pode moldar previamente a visão que se vai ter de uma obra (e isso é um ponto negativo, muitas vezes), por outro lado ela pode revelar aspectos que ficam nebulosos numa leitura despreparada.

Não que eu não tivesse percebido a ocultação proposital do drama de Jake. Percebi, é claro. Mas não consegui racionalizá-la integralmente, perceber todo o seu sentido. Só o fiz quando li esse post e pensei: "mas que porra, é isso mesmo!".

Danilo em março 13, 2009 12:18 PM


#5

Maravilha ler um post desse ao acordar!
Obrigado!

abçs

rabbit em março 13, 2009 1:15 PM


#6

Excelente. Fiquei imaginando como Piglia analisaria o conto machadiano, que pertence, de início, à escola clássica, mas passa, à medida que o estilo do próprio autor sofre metamorfoses, a incorporar elementos da escola moderna, mas sem nunca abdicar totalmente de elementos clássicos nem tornar-se um contista modernista strictu sensu.

http://cinemaeoutrasartes.blogspot.com/2009/03/politica-e-midia.html

Mauricio Caleiro em março 13, 2009 1:22 PM


#7

Que aula! Muito elucidativo.

Guilherme Póvoas em março 13, 2009 2:21 PM


#8

Idelber, esse livro foi traduzido para o português?

Tiago Mesquita em março 13, 2009 3:25 PM


#9

Eu sempre quis traduzir essas teses. É a minha teoria favorita do conto. Não está completa a tradução, como se vê pela numeração. Mas o essencial está aí.

Tiago, que eu saiba os romances do Piglia saíram todos no Brasil, mas esse livro não.

Idelber em março 13, 2009 3:48 PM


#10

Na mosca, Danilo. O texto do Piglia fez com você o que pode fazer sempre a boa teoria bem lida -- dar aquela iluminada geral na experiência com o objeto. Piglia captou perfeitamente o efeito que produz Hemingway com suas histórias. "As neves de Kilimanjaro" opera com mesmo princípio também.

Idelber em março 13, 2009 3:53 PM


#11

Idelber, achei a tese VIII brilhante. Da inversão de ênfase. è interessante como isso serve muitas vezes para pensar em outras artes também. Estava pensando numa tela célebre do Piero Della Francesca em que ele faz isso com o espaço perspectivo por exemplo. Nesse quadro, o martírio de Cristo é construído como pano de fundo. O que fica em primeiro plano é a vida indiferente dos negociantes. é muito rico pensar em como formatos diferentes da criação causam inversões de sentido distintas também.
http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/b/b9/Piero_della_Francesca_042.jpg

Tiago Mesquita em março 13, 2009 5:23 PM


#12

Muito bom material!

thanX

Jasão em março 13, 2009 9:20 PM


#13

Idelber e Tiago:

Este texto do Piglia saiu em português como parte do livro FORMAS BREVES, publicado pela Companhia das Letras em 2004, com tradução de José Marcos Mariani de Macedo. Eu também acho essas teses sensacionais! E o resto do livro também é duca! Abraços.

Sérgio Karam em março 13, 2009 10:42 PM


#14

Opa! Fica aí o registro. Obrigado, Sérgio. Ótima notícia mesmo, pois no Formas breves essas teses vêm acompanhadas das "Novas teses sobre o conto", também muito boas. Abraços.

Idelber em março 13, 2009 11:18 PM


#15

Muito bom esse texto. Descobri esse livro em Buenos Aires. Voltei lá só para lê-lo e só não o comprei porque não pôde entrar no pacote. Mas é complicado e artificial identificar regras para o conto, é quase uma ficção também. Seria como impor regras de música clássica ao samba, ao jazz, ao blues, ao rock 'n roll. Pode-se contar várias histórias ao mesmo tempo, três, quatro, cinco, apenas uma, enfim, estou imerso no anticonceitualismo kantiano, base do romantismo... sei lá. enfim, abraço e boa noite.

Miguel do Rosário em março 14, 2009 1:08 AM


#16

Eheh, voltei lá que eu digo, é voltei à livraria. Se tivesse tanta bala para voltar à BA só para ler um livro, pô, estaria curtindo minha caipirinha numa praia do ceará...

Miguel do Rosário em março 14, 2009 2:05 AM


#17

Oba! vou pegar o quanto antes
muito obrigado Sérgio

Tiago Mesquita em março 14, 2009 4:51 AM


#18

lembrei desse post aqui.
acho q foi um dos primeiros q eu li no Biscoito.
vc se lembra dele, não? risos.
enfim. ando sem comentar muito por essas bandas, mas continuo lendo, sempre.
hoje senti vontade de deixar um comentário, just for the old times sake...
abração,

dra em março 14, 2009 5:44 AM


#19

Muito bom, Idelber. Também fiquei mais interessado na tese sobre Hemingway, li alguns dos livros e assisti muitos filmes baseados na sua obra, quase todos apenas corretos. Talvez essa característica do autor de deixar alguns aspectos subentendidos tenha se chocado com o moralismo da época em que foram filmados (penso no Neves de Kilimanjaro e o Sol também se Levanta, nos anos 1950) e ainda com a natureza mesma do modo audiovisual de contar histórias, onde os sentimentos e estados de espírito precisam ser explicitados de alguma maneira para que o público compreenda pelo que as personagens estão passando. O fato é que apesar da Ava Gardner no auge da beleza e da produção grandiosa (bem, talvez esse seja mais um fator contra...) nenhum desses filmes se tornou uma obra-prima. Mas estou saindo do tema.

Leo Vidigal em março 14, 2009 1:43 PM


#20

Agora me lembrei de "Uma Aventura na Martinica", tirado de uma novela considerada menor de Hemingway, "To Have and To Have Not", que ficou mais famoso como o filme onde Humphrey Bogart e Lauren Bacall se conheceram, mas é um belo trabalho do Hawks, embora ele tenha mudado bastante a história, os locais (de Cuba para Martinica) e os personagens na adaptação (o protagonista do livro só tinha um braço, a personagem de Bacall foi inventada para o filme, entre outras coisas).

Leo Vidigal em março 14, 2009 2:03 PM


#21

Ma-ra-vi-lho-so post! Gosto muito do Piglia, mas não conhecia este texto dele. Vou atrás do "Formas Breves", indicação do Sérgio Karam. Obrigada aos dois!

Janaina Amado em março 14, 2009 5:26 PM


#22

Caro Idelber,

essa teoria do conto foi desenvolvida e lapidada com bastante esmero por nosso Hatoum. O seu primeiro e recém-publicado livro de contos (A cidade ilhada) é a prova da apreensão das teses de Piglia. A dificuldade do (bom) conto talvez resida em contar as duas histórias com a tensão necessária. Além de Poe, Joyce, Borges & Cia., acho que G.K.Chesterton fez isso também muito bem na pele do padre Brown. Baudelaire foi um mestre com os seus "Pequenos poemas em prosa", algo entre a crônica e o conto. Ótimo post!

Aleph em março 14, 2009 10:29 PM


#23

Julio Cortazar disse que se o embate entre o texto e o leitor se desse num ringue o romance deveria conquistar a vitória por pontos e o conto, por nocaute.

obrigado pelo texto do piglia, idelber

joêzer em março 15, 2009 12:29 AM


#24

Puxa, é uma grande notícia essa -- obrigado Aleph --, a de que Milton Hatoum retomou esse texto em seu recente livro. Eu tinha notícia da publicação, mas agora sim, vou atrás dela com mais pressa ;)

Idelber em março 15, 2009 2:10 PM


#25

Obrigado por compartilhar. Acredito que a tese - um conto sempre conta duas histórias - se aplica perfeitamente também às crônicas que têm finais surpreendentes.

Roberto Klotz em março 16, 2009 1:44 AM


#26

interessantíssimo!
:>)

Biajoni em março 16, 2009 9:46 AM


#27

Pensando no que o Aleph postou, eu lembrei das estórias do Melville.

Tiago Mesquita em março 16, 2009 5:30 PM


#28

Sabe, Idelber. Tenho pensado nessa coisa toda desde sexta-feira 13. É muita cara-de-pau, mas eu acho que Piglia simplificou muito...

Eu sempre tive uma tese para consumo pessoal. A tese: Tchékhov utilizava a forma-sonata inventada pelos filhos de Bach e consolidada por Haydn. Cheguei a anotar em vários contos dele cada tema ou leitmotiv (motivo condutor), exposição, desenvolvimento e reexposição. É claro que sou um leigo, mas penso que às vezes há três temas: um ou dois claros e desenvolvidos, que são finalizados pelos mesmos ou por outro pressentido ou inesperado. Olha, diria até que Piglia copiou Haydn... (E olha que nem estou ruborizado enquanto escrevo tais absurdos!)

A forma-sonata é assim:

1. Uma introdução que pode ser suprimida (a gosto do autor);
2. Exposição do tema principal (A);
3. Exposição do contratema (B), normalmente em oposição aguda ou discreta a (A): na música este item NÃO PODE sumir, num conto PODE;
4. Recapitulação resumida de (A) e (B): raramente são suprimidas nos contos, às vezes é uam frase introdutória ao;
5. Desenvolvimento: a parte mais complexa da sonata, onde os dois temas discutem, de forma internamente "bakhtiniana", gerando certa instabilidade que fica entre pedir o retorno a (A) ou (B), mas que deixa o leitor desconfiar de (C);
6. Reexposição de um ou dois dos leitmotiven (Tchékhov e os modernos ficam por aqui);
7. Coda. Reafirmação de um dos temas.

Este esquema pode ser reduzido em:

Exposição, desenvolvimento, reexposição, coda.

Mas creio que as duas histórias... Fixas? Duas sempre? Ah, esqueça. São somente o mínimo.

-=-=-=-=-

Detesto ser leigo e discordar. Uma merda isso.

Abraço.

Milton Ribeiro em março 18, 2009 12:19 AM


#29

Roger Callois, escribiendo en frances en buenos aires en 1941, dice [casi directamente a borges y bioy]:

[page 10 :] Quand on entreprit de distinguer le roman policier du roman d’aventures, un fait fut spécialment mis en valeur : c’est […] qu’ils content tous deux la même [page 11] histoire, mais en la prenant à rebours l’un de l’autre. Dans le récit d’aventures, la narration suit l’ordre des événements. Elle va de l’avant vers l’après, du prologue au dénouement. Le déroulement de l’intrigue reproduit la succession des faits ; elle adopte le cours du temps. Au contraire le roman policier semble un film projeté à l’envers. Il prend le temps à rebours et renverse la chronologie. Son point de départ n’est autre que le point d’arrivée du roman d’aventures : le meurtre que met fin à quelque drame qu’on va reconstituer au lieu qu’on l’ait exposé d’abord. Dans le roman policier en effet, le recit suit l’ordre de la découverte. Il part d’un événement qui est un aboutissement et, de cette donnée, remonte aux causes qui ont précipité la tragédie. Il retrouve successivement les différentes péripéties que le roman d’aventures aurait relatées dans l’ordre où elles se sont produites. Il est ainsi très simple de tirer d’un roman d’aventures un roman policier ou inversement : il suffit de les retourner. Ce caractère si particulier est manifeste dans un des premiers chefs-d’œuvre du genre, dont on a justement remarqué la parfaite architecture « pyramidal » : Monsieur Lecoq, de Gaboriau. [… Page 12 / ] De cette inversion du temps, de la substitution d l’ordre de la découverte à l’ordre de l’événement, découle la situation exceptionnelle du roman policier dans la littérature romanesque. Il n’est nullement un récit, mais une déduction. On ne raconte pas une histoire, mais le travail qui la reconstruit. De prime abord, on tente de satisfaire avant tout l’intelligence. Aussi de plus en plus, l’intérêt porté à l’intrigue va-t-il diminuant. Elle devient quasi abstraite, en tout cas squelettique. Chaque jour, le roman policier s’éloigne davantage du roman, c’est-à-dire de la peinture de la vie et des passions, pour se rapprocher de la nature d’un pur problème où l’on glisserait doucement de l’énoncé à la solution. Les qualités qu’on exige de lui sont de caractère toujours plus mathématique. Le raisonnement élimine la sensation.

Juan Caballero em março 18, 2009 1:22 PM


#30

Milton, gostei muito do adendo, que está sendo devidamente processado ;-)

Idelber em março 18, 2009 11:38 PM


#31

Idelber, fui seu colega no curso de graduação, na FALE/UFMG, nos anos 80. Provavelmente, você não se lembra mais de mim. Mas eu me lembro muito bem de você e do seu brilhantismo. Deparei com seu blog há mais tempo, mas hoje retorno a ele, ao pesquisar sobre as "Teses sobre o conto", do Ricardo Piglia. O texto já foi traduzido no Brasil, mas a edição da Iluminuras (no livro Laboratório do escritor) está esgotada. Sua tradução vai ser muito útil para mim e fico feliz em ver o seu currículo brilhante, impecável... seus interesses (o artigo sobre a música mineira...) e tudo o mais que vi/li superficialmente aqui, hoje. Confesso que, pela sua foto recente que encontrei aqui, não reconheceria nunca aquele rapaz meio louro, cabeludo e de barba rala que gostava de rock e era o melhor aluno de sua época. Valeu, cara!

Hércules Tolêdo Corrêa em abril 21, 2009 11:09 AM