Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email:
idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro







selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« Livros de luto em BH: Morre o alfarrabista Amadeu, aos 92 :: Pag. Principal :: Belo Horizonte em 1949 »

quarta-feira, 15 de abril 2009

Oximoro, nosso tropo

O Brasil é um país em que

a independência ante Portugal foi proclamada por um português,

a República foi proclamada por um monarquista,

o mais radical movimento igualitário foi liderado por um pregador moralizante e religioso,

a Revolução Burguesa foi feita pelas oligarquias,

a eleição republicana-moderna (1930) teve sufrágio mais restrito que a eleição monárquica-imperial (1821),

o mais ilustre gesto de um presidente foi um suicídio,

o racismo é encoberto por um termo ('democracia racial') inaugurado em público pelo maior líder do movimento negro,

a subvenção pública e a estatização floresceram na ditadura de direita,

a redemocratização foi presidida por um homem da própria ditadura,

a discriminação racial é mais visivelmente proibida justo no lugar onde ela mais obviamente se manifesta,

só se removeu por corrupção o presidente cuja única plataforma eleitoral era varrê-la,

a maior privatização foi feita pelo príncipe da sociologia terceiromundista e esquerdizante,

a universalização do capitalismo e o auge dos lucros bancários se dão sob o líder sindical que fundou um partido socialista e ....

numa Praça Tiradentes não há estátua de Tiradentes, mas de D. Pedro I, neto da Dona Maria que ordenara a morte do alferes. Essa incongruência não diz algo sobre o que somos?

O Luiz Antonio Simas, em cujo texto este post se inspira, me lembrou de como começo os fatídicos cursos de "Introdução à cultura brasileira" que às vezes me cabe ditar. Peço que abram o dicionário no verbete "oximoro" e começamos a conversa a partir daí.

Mesmo que Tom Jobim não tivesse feito mais nada, só pela frase o Brasil não é para principiantes ele já mereceria nossa memória.



  Escrito por Idelber às 04:58 | link para este post | Comentários (53)


Comentários

#1

Falando em abrir dicionários, há umas semanas eu estava justamente catando a palavra "oxímoro" no dicionário...

O estranho foi abrir o Houaiss e o Aurélio eletrônicos e ver não há "oxímoro", mas só "oximoro" ou "oximóron". Parece que os romanos transformaram o proparoxítono grego oksúmoron em no paroxítono oxymoru (com "ó" longo, diz o Aurélio).

Por que eu tinha resolvido catar isso no dicionário? Um professor universitário tinha corrigido em público um colega meu que insistia no paroxítono. Achei estranho, nunca tinha ouvido ninguém pronunciar essa palavra como paroxítona.

Cristiano em abril 15, 2009 7:56 AM


#2

Daí um blogue como o meu se chamar oxymore (oxímoro em francês)... Brasileiro que sou, começei a escrevê-lo na França e vejo nele uma metáfora coerente de todas essas contradições sem síntese por você apontadas.
Sinto-me mais uma vez contemplado.
Abraço.

Jampa em abril 15, 2009 8:54 AM


#3

Caro Idelber, e além de todas estas contradições (algumas beiram apenas a curiosidade) o nosso país piora dia-a-dia. A insegurança pessoal é crescente pois as atitudes criminosas são 9cada vez mais) tolerads, havendo corriqueiramente episódios de violência.

Paulo Z em abril 15, 2009 9:46 AM


#4


Só lamento que essa frase de Tom Jobim acabe sendo usada como desculpa p/ a inercia dos setores que deveriam lutar contra os problemas da sociedade brasileira, mas preferem deixar isso p/ depois, afinal é complicado mesmo.

Anderson em abril 15, 2009 10:51 AM


#5

Bem pensado.

Falando em privatização, eis um exemplo de seu "sucesso" e algumas implicações bem concretas e materiais, no bolso e na pele de trabalhadores. O vídeo, de meio minuto, fala por si:

http://g1.globo.com/Noticias/Rio/0,,MUL1085610-5606,00.html

Abraço.

Rafael Fortes em abril 15, 2009 12:09 PM


#6

Existe um livro dos anos 60 escrito por um europeu do leste - Peter Kellerman - Brasil Para Principiantes - se procurar no scribd por "Brasil para principiantes" achas o livro em pdf (se quiseres posso mandar por email). É interessante o visão de um estrangeiro sobre o Brasil e coincide com a frase do Tom e aborda esse tema.
Saudações rubro-negras
DTVox

DTVox em abril 15, 2009 1:09 PM


#7

Ideber,
Também ilustrando esta incongruência e a complexidade do Brasil, há aquela outra frase do Tom Jobim,respondendo jocosamente, quando retornou dos EEUU, à pergunta do melhor local para morar:
"-Nos Estados Unidos é bom , mas é ruim; no Brasil é ruim , mas é bom. "

Mariano em abril 15, 2009 2:06 PM


#8

Acrescento mais uma idiossincrasia nacional à sua lista: a sede da renomada Faculdade de Administração da Fundação Getúlio Vargas (FGV) em São Paulo fica sediada na Av. 9 de Julho, nº 2029.

Para quem não conhece essas paulistices, o dia 9 de julho marca o início da "Revolução de 1932", data cívica mais importante do estado de São Paulo e feriado estadual. A oligarquia paulista – a quem as derrotas costumam subir à cabeça – considera essa tentativa fracassada de derrubar pelas armas o então recém-iniciado governo de Getúlio Vargas como "o maior movimento cívico de sua história".

São Paulo é, até hoje, a única capital de estado brasileira que não possui uma Avenida Getúlio Vargas, embora possua uma Av. Washington Luis (o presidente paulista deposto por Getúlio em 1930).

Como, ao que me conste, a avenida é anterior à Faculdade (ela foi inaugurada em 1938, em plena ditadura do Estado Novo, pelo próprio Vargas), é possível que essa irônica provocação possa ter partido da FGV.

André Borges Lopes em abril 15, 2009 2:13 PM


#9

Genial, André. A sede da Getúlio Vargas na 9 de julho! Eu adoro essas coisas. Bem poderíamos fazer uma compilação, não é?

Já corrigi o "oximoro", que eu havia escrito com acento, como aliás sempre faço, até que alguém me lembra que pelo menos no português brasileiro ela virou paroxítona.

Idelber em abril 15, 2009 2:24 PM


#10

Tem mais: como já disseram, não tem uma Av. Getúlio Vargas em São Paulo justamente por causa do 9 de Julho, MAS ...

... foi Getúlio Vargas que inaugurou a 9 de julho, pode? rs ...

Fábio Peres em abril 15, 2009 3:19 PM


Gustavo em abril 15, 2009 3:19 PM


#12

André, muito bom o seu comentário, apenas uma pequena retificação: o Washington Luiz, ao contrário do que muita gente pensa, não era paulista, mas fluminense de Macaé. Tem até um sambinha satírico de 1926 que menciona este fato:

Paulista de Macaé (samba, 1926) - Pedro de Sá Pereira

Nosso dinheiro, o cruzeiro, / Vai subindo,
Enquanto o câmbio vai caindo, / Dando ao povo o que falar.

E a oposição, / Que não perde a ocasião,
De respeito perde o jeito / E diz que a coisa vai quebrar.

Paulista de Macaé, / O homem de fato é.
E no Palácio das Águias, olé / Com o povo ele pôs o pé.

E a Prefeitura, / Sinecura desta terra,
Contra o qual o povo berra, / Faça chuva ou faça sol,

Tem um paulista / Pra que assista na cidade
Essa grande novidade / Que se chama futebol

E na Central / Que tanto morre altercaçando
E o povo vai camurçando / Direitinho pro Caju.

Se queres favor / Que mais arderam no concurso
Pelo ar vou viajar / Quando chegar o Jahú

Abs,

J.

Johnny em abril 15, 2009 3:24 PM


Johnny em abril 15, 2009 3:28 PM


#14

Bem, então Washington Luiz era paulista embora fosse fluminense :>)
Acho que 'Conselho de Ética do Senado' pode fazer parte da compilação.

fm em abril 15, 2009 4:27 PM


#15


Johnny escreveu:


<<apenas uma pequena retificação: o Washington Luiz, ao contrário do que muita gente pensa, não era paulista, mas fluminense de Macaé>>


Está certíssimo Johnny.


Querem mais curiosidades: Francisco de Paula Rodrigues Alves (Guaratinguetá, 7 de julho de 1848) foi o último paulista a tomar posse efetiva como presidente do Brasil. Foi eleito duas vezes, cumpriu integralmente o primeiro mandato (1902 a 1906), mas faleceu antes de assumir o segundo mandato (que deveria se estender de 1918 a 1922).

Ou seja: há 103 anos um paulista nato não assume a presidência da federação. Os "presidentes paulistas" posteriores – embora tenham construído suas carreiras políticas em São Paulo – são todos falsificados.

Washington Luís Pereira de Sousa (Macaé, 26 de outubro de 1869)

Jânio da Silva Quadros (Campo Grande, 25 de janeiro de 1917)

Fernando Henrique Cardoso (Rio de Janeiro, 18 de junho de 1931)

Luiz Inácio Lula da Silva (Caetés, 27 de outubro de 1945)

Restaram aos paulistas dois presidentes de consolação:

Júlio Prestes de Albuquerque (Itapetininga, 15 de março de 1882), o presidente escolhido na polêmica eleição de março de 1930, estopim da Revolução de 30, que não chegou a tomar posse.

Pascoal Ranieri Mazzilli (Caconde, 27 de abril de 1910), que governou interinamente o país entre a renúncia de Jânio e a posse do vice Jango (25 de agosto a 8 de setembro de 1961) e, pela segunda vez entre o golpe militar e a posse de Castello Branco (2 a 15 de abril de 1964).

Por fim, "nunca antes nesse País" tivemos um presidente paulistano "da gema", nascido na capital de São Paulo. Mais um mote de reflexão para paulistas e paulistanos que consideram já eleito o governador José Serra, o qual – pretensamente – veio da Moóca para quebrar todos esses tabus seculares.

Mas graças a essa tradicional macomunação de Minas Gerais com o Rio Grande do Sul, parodiando Zé Ramalho, sabemos que não será surpresa se o futuro nos trouxer o passado de volta, num semblante de mulher.

André Borges Lopes em abril 15, 2009 4:31 PM


#16

Olha, amigos, a palavra em grego é paroxítona mesmo: Tó oximóron. Caetano que disse uma vez que o Brasil seria o último país a sair do século XIX e o primeiro a entrar no século XXI. Convivendo com meus alunos, sou professor de ensino fundamental, tenho achado isso uma grande verdade.
Não seria isto um oximóron?

josaphat em abril 15, 2009 4:53 PM


#17

É um país de comediantes, de um humor ácido, daquele tipo sarcástico que distorce os fatos e escancara, nítida, claríssima, a inveja impiedosa. A primeira contradição veio com o primeiro português que pisou aqui, já com as intenções de ser mais do que aqueles outros de lá e, nessa mesmo de querer ser mais, inaugurou a primeira contradição: seria sempre menos, já que nunca deixou de olhar pra lá.

Matheus em abril 15, 2009 6:27 PM


#18

E aconteceu de novo: o mais importante blog noticioso do Pará foi obrigado a retirar uma série de postagens do ar, por força de uma liminar judicial.
Quem pediu a liminar foi a família do deputado estadual Luiz Seffer, acusado de abusar sexualmente de uma menina dos 09 aos 13 anos, fato amplamente noticiado pela imprensa local e nacional.
Contra a mordaça dos covardes, defendamos o Quinta Emenda. www.quintaemenda.blogspot.com

HelenaP em abril 15, 2009 10:22 PM


#19

josaphat,

Eu acho que não, no alfabeto helênico, o termo fica ὀξύμωρον, onde essa letrinha que parece um "w" - na verdade, um ômega - representa um fonema que fica entre o "Ô" e o "OU" segundo esse uso que nós damos para o alfabeto latino cá em Pindorama. Mas pouco importa, acho que aqui, muito mais importante do que a eventual acentuação, é o sentido do termo.

Idelber,

Analisando friamente, nós vivemos num país bem curioso, aqui, quando muito, o humor ainda salva - ainda que eu não leve isso muito em conta; Os países são produtos da ideologia dominante e servem mesmo é pra dominar e dividir os homens - ou não necessariamente nessa ordem.

Hugo Albuquerque em abril 16, 2009 12:21 AM


#20

E notemos que nosso presidente é de Caetés que, como bem lembra Zé Celso Martinez Correa, é a terra onde se deu a deglutição do bispo Sardinha, data a partir da qual Oswald começa a contar a história do Brasil.

Estamos, segundo o calendário oswaldiano, no ano 455 da deglutição do bispo Sardinha, marco zero da Antropofagia.

Idelber em abril 16, 2009 3:00 AM


#21

Outro oximoro para você, Idelber: em um país com uma das piores distribuições de renda do mundo, com a população completamente analfabeta e abandonada, ainda conseguimos construir uma tradição literária com um ranço edificante muito forte, difícil de se extrair, que aparece principalmente nas manifestações culturais das elites letradas e nos mitologemas propagadas pela Rede Globo de televisão.

Bruno Marcondes em abril 16, 2009 7:04 AM


#22

Mais um oxímoro pra sua coleção, Idelber. É uma placa na praça em frente à base do teleférico do Morro da Urca, perto da Praia Vermelha, no Rio:

http://i641.photobucket.com/albums/uu137/edsonalvesjr/DSCN2884-Cpia.jpg

Atenção para a data: novembro de 1964.

A relação entre exército brasileiro e democracia tem a sua síntese nessa placa.

Rondó em abril 16, 2009 9:50 AM


#23

Essa placa aí é assustadora...

Bruno Marcondes em abril 16, 2009 10:12 AM


#24

Idelber,
Lembrei do Tim Maia:
"O Brasil é o único país onde, além de puta gozar, cafetão ter ciúme e traficante ser viciado, pobre é de direita".
Rá!
Abraço!

Darcio em abril 16, 2009 4:57 PM


#25

Idelber, no meu Liddell & Scott intermediate não consta o vocábulo, o que me leva a pensar que era pouco usado na antiguidade clássica, ou mesmo que tenha sido criado depois, no período bizantino talvez. Mas não tenho certeza. Na página da Perseus, realmente não fica clara a acentuação, conforme se pode ver, já que o circumflexo após o u é provavelmente sinal da elisão do sigma de ὀξύς: [http://www.perseus.tufts.edu/cgi-bin/ptext?doc=
Perseus%3Atext%3A1999.04.0057;query=entry%3D%237
4333;layout=;loc=o%29cu%5E%2Fnitron]
Tanto ὀξύς quanto μωρός são oxítonas.
Há uma outra palavra que não sei que relação possível com a primeira: ῶκύμορος, esta sim, consta em meu léxico.
Como meu dicionário não tem o vocábulo no alfabeto helênico não sei mesmo garantir a certeza.
Se você tem acesso a algum dicionário que traga a palavra com o proparoxítono, assunto encerrado.
Mas o acento no grego é um assunto um tanto difícil mesmo. Não sou grande conhecedor e por isso paro por aqui. E como você bem disse, o importante é o sentido, que é delicioso.
Abraço.

josaphat em abril 16, 2009 9:12 PM


#26

josapaht,

Fui eu que tinha feito a colocação, não o Idelber. Você cometeu um novo engano ao escrever a palavra no alfabeto helênico; é ὀξύμωρον (ÓKSIMÔRON) e não ῶκύμορος (ÔKSIMOROKS). Honestamente não sei a idade do uso do termo - a única dúvida que eu tenho é sobre a pronúncia exata do úpsílon acentuado, acho que é de "i" mesmo. Portanto, acho que oximoro faz mais sentido do que oxímoro, mas não vejo isso como uma coisa relevante.

abraços;-)

Hugo Albuquerque em abril 16, 2009 10:05 PM


#27

digo, "Upsilon" - essa história de acentuação confundiu meus dois neurônios.

Hugo Albuquerque em abril 16, 2009 10:10 PM


#28

Hugo, difícil discutir o grego aqui em uma caixa de comentários.
Mas eu quis dizer mesmo ὀκύμορος, com kapa k, que significa algo como "uma morte prematura", segundo o Oxford.
Certamente não tem nada a ver com ὀξύμωρον,com ξ, embora tenham sonoridades e radicais iguais e semelhantes. O que complica, em minha cabeça, é que os diferentes dialetos gregos utilizam ora o k ora o ξ ora o χ para a mesma palavra. O eólico adora mudar o k em χ; coisa das dentais. É uma loucura.
Sobre o ômega ω e o ômicron o, como os próprios nomes dizem, têm a ver com a duração da vogal, o ω é um o grande, longo.
O som de u (tal como no português) no grego é feito pelo ditongo 'ou', como no francês.
Quanto ao u/Y, acho que tem o som do u, tal como no francês, ainda, algo como um intermediário entre o i e o u, fazendo biquinho. Hehehe.
De fato, como tu dissestes, o acento, quanto ao sentido, não é relevante, mesmo porque o grego muda o acento ao sabor do ritmo.
Mas para os helenistas como eu, ainda que neófitos e ignorantes, é sempre um prazer, um desafio, investigar essas variáveis, essas sutilezas: são importantes para a poesia. Embora no caso não haja variável ou sutileza alguma; ὀξύμωρον é proparoxítona já estou convencido.
Ainda mais 'complicante' foi minnha falha em ignorar a assinatura de teu comentário, desculpe.
É isto. Valeu colega e obrigado, estarei sempre disposto a investigações sobre o grego antigo e sempre a fim de aprender e partilhar o pouquinho que sabem meus também poucos-sei-lá-inúteis-neurônios. :)
Abraço.

josaphat em abril 17, 2009 12:15 AM


#29

Tu disseste, sempre confundo.

josaphat em abril 17, 2009 12:20 AM


#30

josaphat

De fato, ὀκύμορος(ÓKIMOROS) não tem nada a ver com ὀξύμωρον (ÓKSIMÔRON), como você pode notar, soam bem diferente - lembrando que o k é o K longo, enquanto o χ é o K curto, essa parte é bem sutil mesmo. Já o ξ representa o fonema KS, aí já um pouco diferente. Quanto ao uso do ômega, de acordo, era o que eu já tinha dito no comentário 19, é O longo, quase dando num OU, quase. O ómicron acentuado é Ó mesmo e o não acentuado algo entre o ômega e o ómicron acentuado. Quanto ao upsilon, sim, é isso mesmo, por isso eu falei que acentuação dele o faço, provavelmente, representar um fonema próximo ao I - a acentuação, claro, aqui tem um função igual a do francês, ou seja, determinar se a letra que atua como vogal é aberta ou fechada, portanto, a presença do ômega é o que justifique que o termo, vernacularizado - acho que esse o termo, é isso, Idelber? - seja uma paroxítona em português.

Hugo Albuquerque em abril 17, 2009 1:01 AM


#31

Desculpe, o final ficou confuso:

(...)a presença do ômega é o que talvez justifique que o termo, vernacularizado - acho que esse é o termo, seria isso, Idelber? -, seja uma paroxítona em português.

Hugo Albuquerque em abril 17, 2009 1:04 AM


#32

Caros Hugo e Josaphat, está uma maravilha o papo de vocês (agradecimentos ao Cristiano, lá em cima, que o iniciou e notou mui elegantemente o meu erro). Desculpem a demora. Lamento dizer que não tenho resposta, por não saber grego o suficiente. Talvez o Josaphat tenha atribuído a você, Hugo, um comentário que era meu porque fui eu quem disse que não entendia como a palavra havia "virado" paroxítona em português. "Virar" é um péssimo verbo para se usar aí, porque pressupõe que eu soubesse qual era sua acentuação em grego, coisa que não sei. O que eu tinha em mente era que oxímoron é paroxítona em espanhol, o inglês oxymoron também acentua o y e em outros termos análogos em português -- hipérbole, por exemplo -- a acentuação costuma ser na antepenúltima.

Inclusive,tenho a sensação de que os lusitanos grafam oxímoro (alguém confirma? Estou longe de meus dicionários portugueses). Em outras palavras, na base da intuição mesmo, supus que o "normal" seria que ela fosse proparoxítona.

Mas é só uma intuição, que não substitui, claro, a pesquisa. Abraços.

Idelber em abril 17, 2009 1:02 PM


#33

Infelizmente, Idelber, não há oxímoro ou oximoro que resita ao TSE brasileiro. Roseana Sarney é a nova governadora do Maranhão, ungida pelos juízes, depois de ser recusada pelo povo.

Cesar em abril 17, 2009 4:36 PM


#34

mais um oxímoro que pode entrar pra lista inicial do idelber: alguns jogadores titulares do selecionado nacional(como ronaldinho gaúcho e felipe melo) são reservas em seus respectivos clubes.

marcus em abril 17, 2009 6:28 PM


#35

Idelber,

Meus conhecimentos no idioma helênico também não são espetaculares, na verdade, eu consigo transliterar com alguma eficiência, mas ainda tenho muito o que aprender - muito mesmo.

Como eu expliquei, o grande nó górdio aí é que nem todos os O's que aparecem no termo transliterado em português são a mesma letra no alfabeto helênico; em ÓXIMÔRON, por exemplo, o O destacado é um ômega o que alonga sua pronúncia ao contrário dos outros O's - ómicrons na verdade - cuja pronúncia é como nosso O mesmo - aberto quando acentuado. Isso é o que tornaria justificável pronunciar oximoro, na medida em que o terceiro O é mais longo - curiosamente, o primeiro O deveria ser aberto hehehe

Isso é engraçado porque na língua portuguesa essa questão da abertura - é esse o termo técnico? - da pronúncia de algumas vogais varia de região para região; muitas vezes o O e E tem uma pronúncia completamente diferente e isso não é algo sobre o qual os acadêmicos lusófonos se preocupam muito. Em grego, no entanto, não é assim, do mesmo modo que isso ocorre com o O também acontece com o E - onde sua pronúncia aberta é representada pela letra etá enquanto a fechada se dá por meio da letra epsilon.

Isso interfere curiosamente quando da vernacularização de uma palavra, no caso, oximoro, é como se O fosse um morrinho que alongasse a pronúncia, daí não poder existir acento no I, o que faria a pronúncia dele ficar curta. Mas escrever oxímoro não deve ser considerado errado, se já fomos canalhas a ponto de arrancar o N do final da palavra, que diferença faz mudar o som do O do meio, não é mesmo?

Hugo Albuquerque em abril 17, 2009 6:36 PM


#36

O que não pode mesmo, mesmo mesmo. é confundir oximoro com oxiuro. Não é?

Jampa em abril 17, 2009 9:35 PM


#37

Rá! Mas vejam o mais novo elemento do imbróglio: eu havia confiado no comentário do Cristiano, que me dizia que tanto Houaiss como Aurélio registravam o vocábulo como paroxítono.

Na verdade, não é assim! Pelo menos o meu exemplar do Aurélio registra oxímoro. Ou seja, segundo Aurélio, minha grafia original estava correta! O Houaiss, esse sim, registra oximoro.

Discordância entre os dois lexicógrafos, pois. E o mais interessante é que nenhum dos dois registra variantes, ou seja, ambos pressupõem a sua própria acentuação como a única correta. Copio do Houaiss:

Oximoro
n substantivo masculino
Rubrica: retórica.
figura em que se combinam palavras de sentido oposto que parecem excluir-se mutuamente, mas que, no contexto, reforçam a expressão (p.ex.: obscura claridade, música silenciosa); paradoxismo
Obs.: f. não pref. oximóron
gr. oksúmoron,ou 'engenhosa aliança de palavras contraditórias', neutro substv. do adj. oksúmoros,os,on 'que sob um aspecto simples encerra um sentido profundo, espirituoso com aparência de ninharia', de oksús,eîa,u 'agudo, sutil, fino' e morós 'embotado, embrutecido; insípido; tolo, louco, doido, sem bom senso'; pelo lat.tar. oxymorum,i 'id'; a prosódia em port. segue preferencialmente a lat., e não a gr.

Idelber em abril 18, 2009 2:00 AM


#38

Contribuindo com um exemplo: os partidos que reúnem a fina flor do reacionarismo e a turma que fazia parte da Arena, apoiando o regime ditadorial, chamam-se Progressista e Democratas. Um exemplo do Partido Progressista (sic) é o deputado federal Jair Bolsonaro, aqui do Rio: http://www.youtube.com/watch?v=N8dPt31ML44&feature=player_embedded

Rafael Fortes em abril 18, 2009 9:49 AM


#39

Idelber,

O que os dois erram, no entanto, é não considerar a outra grafia correta, só isso - ainda que a do Houaiss faça mais sentido.

Hugo Albuquerque em abril 18, 2009 11:38 AM


#40

Já que o assunto ainda está rendendo, dando uma olhada na gramática helênica do Henrique Murachco - que, para interessados, está disponível em pdf no scribd: http://www.scribd.com/doc/5337237/Henrique-Murachco-gramatica-grega-teoria - encontrei a solução para nossos problemas, hehehe:

“Nas palavras gregas proparoxítonas de três sílabas com a penúltima longa, ἀξίωμα, a transcrição para o português se faz para “axioma”, paroxítona e as com a penúltima breve μεταφορά se faz para proparoxítona. A explicação está na prosódia latina, intermediária entre o grego e o português, porque:
O latim não tem acentos.
O latim não tem oxítonas; por isso desloca a tônica das oxítonas gregas de três sílabas para proparoxítonas:
é o caso de μεταφορά > metáfora;
e das oxítonas gregas de duas sílabas para paroxítonas:
é o caso de: ᾠδή > ode;
Nas palavras latinas de mais de duas sílabas, a posição da tônica é determinada pela quantidade da penúltima sílaba:
se a penúltima é longa, a palavra é paroxítona, ἀξίωμα (penúltima longa) > axioma;
se é breve, a palavra é proparoxítona:
ἀκρόπολις (penúltima breve) > acrópole."

Então, como se vê com o exemplo de axioma, o correto será escrever-se oximoro, palavra paroxítona.

Foi?

Ps. Só para esclarecer uma possível dúvida, que não se encontra esclarecida na citação, o deslocamento das oxítonas gregas para proparoxítonas latinas se explica pela tendência natural, segundo os gramáticos, da busca pelo tema (via de regra longe da primeira sílaba), núcleo do significado.

josaphat em abril 18, 2009 3:41 PM


#41

Josaphat, matou a charada, hein? Era disso que eu precisava: uma regra geral que mostrasse como foi a diacronia do processo. Agora sim, entendi direitinho.

O show de bola que você e o Hugo deram nesta caixa é a razão principal pela qual, nos momentos em que desanimo do blog, me lembro de que seria uma loucura fechá-lo: leitores como vocês me enriquecem demais.

Obrigado.

Idelber em abril 18, 2009 7:34 PM


#42

Obrigado a você Idelber, pelo admirável espaço.
E ao Hugo pela parceria.
Valeus!

josaphat em abril 18, 2009 9:17 PM


#43

Pô, valeu, Idelber! E brigadão pela tabelinha, Josaphat.

abraços fraternos ;-)

Hugo Albuquerque em abril 19, 2009 12:05 AM


#44

Outro oxímoro: Reforma Ortográfica imposta por um presidente analfabeto!

Hildo em abril 20, 2009 10:37 AM


#45

"o brasil é o país onde a exceçao virou regra".

joao em abril 21, 2009 8:13 PM


#46

Essa frase é do Sérgio Buarque de Holanda, e não do reaça do Tom Jobim.

Cappacete em abril 22, 2009 4:01 AM


#47

Parece que as diferentes edições do Aurélio se contradizem. A minha versão é o "Novo Dicionário Eletrônico Aurélio versão 5.0".

Registra somente "oximoro", sem acento, e "oximóron"

Cristiano em abril 24, 2009 11:26 PM


#48

Acho que você não entendeu. Se não fôssemos contraditórios, não seríamos o que somos, mas norte-americanos, franceses ou ingleses. Nem seguiríamos a máxima de Oswald de dar pérolas aos porcos, como o título de seu blog se apropriou.

LUIZ CLAUDIO em julho 31, 2009 12:40 AM


#49

Que coisa mais linda é esse povo discutindo grego! E depois dizem que brasileiro é ignorante, analfabeto...

Inês em agosto 12, 2009 5:03 PM


#50

A proposito da discussão ,vimos no CIBERDÚVIDAS: Não devemos dizer /oximóro/, mas sim oxímoro, porque deriva da seguinte palavra grega também esdrúxula, que se enuncia assim: ‘oxy´moros, -os, -on’ (masc., fem. e neutro). A palavra grega ‘ oxy´moros, -os, -on’ (de ‘oxy´s’, «arguto» + ‘mórón’, «estúpido», que quer dizer «engenhosa aliança de palavras contraditórias») entrou em português como palavra grave ou paroxítona? Mas devia ter entrado como palavra esdrúxula ou proparoxítona.
É neste ponto que divirjo dos dicionários acima citados, discordando por isso, também, dos meus distintos colegas Fernando Peixoto da Fonseca e D’ Silvas Filho.
Se vem do grego ‘oxy´moros, -os, -on’, palavra esdrúxula, é como tal que deve dizer-se em português: oxímoro.
Se o vocábulo estivesse difundido generalizadamente na nossa língua, então, sim, o bom senso aconselharia a termos de aceitar a acentuação grave. Mas como é palavra do domínio das pessoas cultas, entendo que ainda vamos a tempo de fixá-la como manda a etimologia: oxímoro. Até soa melhor!...

Att
JAT

Teixeira em novembro 22, 2010 3:07 PM


#51

André Borges Lopes em abril 15, 2009 2:13 PM

O Presidente Vargas inaugurou a avenida 9 de julho em São Paulo, fazendo as pazes com os paulistas, fez essa homenagem.

Miguel em fevereiro 3, 2011 2:07 AM


#52

Mais um Ildeber...
O Amazonas (igualmente a Amazônia) sempre teve a "fama" de "terra sem negros", no entanto Manaus foi a primeira capital a ser "comandada" por um negro (Bernardo Sena, durante a Cabanagem), também teve o primeiro Governador negro (Eduardo Ribeiro, filho de escrava, em 1892) , o primeiro Juiz negro (Monteiro Lopes, na mesma época e que depois se tornou o primeiro deputado federal preto da república, pasmem pelo RS...), Ah! o estado (juntamente com o Ceará) foi o primeiro a Abolir a escravidão (isso 4 anos antes da Lei áurea e após campanha abolicionista de 17 anos..., quando 10% da pop. da capital ainda era escrava...) e hoje não há festa caseira em que não tenha vatapá... :-)

Juarez Silva (Manaus) em fevereiro 3, 2011 5:18 AM


#53

Caro Idelber, acho que você irá adorar mais essa descoberta digna da série Ali "Não somos racistas" Kamel:

https://picasaweb.google.com/lh/photo/9Tl2e3HRpp1Vdj5S0-vf3Q?feat=directlink

Fonte: IstoÉ de 2/2/2011, pág. 26.

Blog da Coroa em fevereiro 3, 2011 10:40 AM