Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email:
idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro







selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« Leticia Wierzchowski: A Casa das Sete Leticias, por Marcelo Backes :: Pag. Principal :: O blog da Petrobras e o desespero da mídia »

sábado, 06 de junho 2009

Um blog aos sábados: Palestina do Espetáculo Triunfante

Uma das regrinhas que organizam o blogroll d'O Biscoito Fino e a Massa é a eliminação dos links a blogs não atualizados há, digamos, três meses. É uma forma de manter as recomendações em dia e abrir espaço para novos interlocutores que chegam. Essa regra possui uma única exceção, um blog atualizado pela última vez em junho de 2008 e que aqui continuará para sempre: Palestina do Espetáculo Triunfante. A exceção se apóia num motivo bem simples. Eu considero Katarina Peixoto a inteligência mais fulminante que já blogou em língua portuguesa.

maiomeiaoito.jpg



Poesia e filosofia mantêm, sabemos desde Platão, um vínculo difícil e acidentado. Nos textos de Katarina, jóias raras, acontece essa coexistência entre o aríete poético e o pensamento mais rigoroso. Trata-se de um acontecer, mesmo, cintilante. Se você cochila, passa batido.

É verdade que os textos de Katarina não são para todos. Não porque você tenha que ser Mestre em Filosofia como ela, ou conhecer em minúcias a tradição que vai de Heráclito a Nietzsche, como ela, ou manter disposição de luta por justiça social comparável à dela – pouquíssimos seres humanos se comparam a Katarina nesse quesito. Os textos não são para todos porque eles pressupõem que o leitor se entregue à intempérie da linguagem; que esteja disposto a revirar até a última gota cristalizada de medíocre senso comum que nos habita.

Nada do que fiz aqui na cobertura da eleição de Obama se compara às poucas linhas que escreveu Katarina na noite histórica: Porque hoje, nesta noite, os profetas do apocalipse e das variantes deterministas rastaquera estão mudos. Devem estar. Porque os charlatães internacionais e os trapaceiros de balcão – engordurado – de falsas idéias e palavras de aluguel estão sem audiência [...] Porque quando a possibilidade soa como um átimo, esse átimo merece eternidade. Se não se entende, com essas palavras, a significação histórica da eleição de Barack Obama, desculpe-me, mas eu não saberia explicar melhor. Talvez outra frase de Katarina ajude: a gramática da possibilidade pode ser um acaso feliz na história, mas é preciso saber cavá-lo, nem que seja no céu, ou na ponta de um iceberg.

A Palestina é, sobretudo, um blog corajoso, escrevendo sobre Chávez, usando a fábula para a análise política, fazendo crítica cinematográfica ou literária. Leia O Piauí da Revista não existe. Leia a defesa das cotas. Leia esse extraordinário texto sobre o sertão. Leia O dia em que descobri que sou suda. Leia a reflexão sobre o Fórum Social Mundial. Trata-se do oposto daquele jornalismo filistino pretensamente neutro, que quer sair-se bem com todo mundo, manter-se equidistante entre as escolhas políticas, só conseguindo, no final, ficar equidistante entre a barbárie e os que a resistem – sendo cúmplice útil daquela, portanto. Não. No texto de Katarina, você encontrará, em bom português, a tradicional “cara a tapa”, a coragem de dizer: A abertura do inventário de Maio 68 constitui fraude porque seu atestado de óbito insiste, por incrível que pareça, em não existir.


paraibavaledosdinossauros.jpg


Leitora de Spinoza, Katarina sabe que a moral é universalizável, mas a política nunca o é. Diferença tão simples não exigiria, supõe-se, tanta tinta e tantos bytes, mas não há confusão mais daninha para o Brasil de hoje. É essa a confusão que permite que zumbis do espetáculo triunfante como Regina Duarte e Ana Maria Braga possam traficar cantilena moralizadora como se fosse alternativa política.

Katarina deixou de blogar, mas continua traduzindo dezenas de textos para a Agência Carta Maior, do inglês, do francês, do espanhol. Uma busca com seu nome retorna 129 ensaios. Pura generosidade de quem coloca seu vasto saber a serviço dos demais. Como sabemos, tradutores só são lembrados quando erram. E Katarina, como tradutora, não erra nunca. Mas, aqui, esse seu trabalho também não foi esquecido. Obrigado.

Amiga, não tome este post como um pedido para que volte a blogar. Você sabe o que faz. Aqui, neste cantinho da internet, a Palestina estará para sempre. Como você disse uma vez, nenhum continente nos separa.


Atualização: Eis que chega via César, do Animot, a notícia de que é hoje o casamento de meus amigos Katarina Peixoto e Marco Aurélio Weissheimer. Esse encontro foi uma vez definido por Katarina com uma expressão que, acredito eu, até ele gostaria de ter inventado para definir seu encontro com ela: um tiro certeiro na lua. Tim-tim e felicidades. Vocês merecem.



  Escrito por Idelber às 06:01 | link para este post | Comentários (23)


Comentários

#1

Assino embaixo, Idelber.

Eu conheci o blog através das suas recomendações e me surpreendi. Nas primeiras referências, alusões a Lebrun, o que, por si mesmo, já é um sugestivo critério de inteligência e capacidade. A Katarina parece herdeira de uma tradição francesa de prosa e pensamento. Uma maneira rigorosa de pensar aliada a um cuidado quase literário com as formas de expressão. Sinal de sofistição e sensibilidade incomuns.

Além, obviamente, das pautas, sempre atentas ao que é mais relevante. Eu espero que ela volte a escrever; é sempre uma perda, nesse mundo de escritas objetivas e descuidadas, deixar de contar com escritores desse naipe.

Leonardo Bernardes em junho 6, 2009 8:52 AM


#2

Idelber... desculpe minha ignorância, mas preciso de ajuda pra entender isso... o universalismo da moral. Porque ao meu humilde ver, a moral não seria "universal". Seria bem relativa às culturas e nações, etc. Katarina escreveu este paragrafo que não consegui decifrar:

"Tenho aprendido muito com Spinoza, para quem as coisas da moral são universais ao passo que as da política, não. Irredutivelmente não o são. Mais do que um remédio anti-ideológico, a universalidade dos reclames morais não requer legislação externa alguma, segundo Spinoza. Não requer a bobajada kantiana da máxima que orienta minha ação, tralálá, etc. Mas Kant diz uma coisa forte: o fim do homem é o homem. Mas diabos, de onde vem que se precise de um fim, de uma finalidade? Que fantasia é essa?"

Entendo que ela diz que não necessariamente precisamos - ou o mundo necessite - de um fim às coisas, e que a universalidade dos valores morais não precise de uma "legislação"... mas é ai que o no' na minha cabeça se forma... se não existe uma legislação (que universaliza? a) moral, por que seria a moral universal? A moral, neste contexto, seria uma regra de conduta de respeito e ética humanas universal? I need your help...

Abraços!!

Ananda em junho 6, 2009 10:29 AM


#3

Puxa Idelber, que bela homenagem --- e bem no dia do feliz e esperado monumental e inesquecível evento do casamento de Kata & Marco !

Cesar S. em junho 6, 2009 12:21 PM


#4

Olá Idelber,

Seguindo sua recomendação fui dar uma checada no Palestina do espetáculo triunfante. MUito bom, li todos os posts referentes a Piauí. De fato, uma revista feita pela burguesia leblonense com o nome de um dos estados mais pobres do mundo, nunca me atraiu. Ainda mais sabendo que ela é a coqueluche do meu patrão...
Piauí não tem muito pé nem cabeça e posso te dizer: não vende muito (só vende por lá mesmo, quer dizer, lá mesmo no leblon).
Sobre Chavez, a Katarina foi precisa e certeira, tanto no aspecto democrático que é o governo Chavez, quanto na sua insistência caudilhesca.
Na minha modesta opinião, a geração de novos quadros é um problema sinequanon entre aqueles que estão nas balanças mais desfavoráveis nas relações de poder, pois as frentes de combate são amplas e consistentes (imprensa, empresariado corrupto, relações internacionais atreladas...)
Vou continuar vindo por aqui e pegar suas dicas de leitura.

Flavio Corrêa de Mello em junho 6, 2009 12:37 PM


#5

Puxa, Cesar, Kata e Marco se casam hoje! Que coincidência mais incrível ... Eu não sabia da festa, não :-)

Idelber em junho 6, 2009 1:06 PM


#6

A Katarina e o Marco casam hoje oficialmente com uma baita festa para todos nós amigos. Proponho um movimento "Volta Kata"... escreve teus longos textos. Nos dê a alegria te compartilhar contigo teus pensamentos. Justa homenagem do biscoito nesse dia tão bacana.

Adriana Franciosi em junho 6, 2009 1:54 PM


#7

Ananda, não é muito difícil. Vamos lá. É evidente que falo só em meu nome. Diferentes sociedades inventam, sim, diferentes preceitos morais. A questão é que não existe moral sem anelo de universalidade.

Tomemos Kant e o imperativo categórico: aja sempre de tal forma que sua ação possa ser transformada em lei universal. Não teria o menor sentido uma máxima moral que servisse para mim e para você, mas não para nosso vizinho. Ora, isso não seria moral, mas uma regra de conveniência.

Já a política pressupõe a cisão do corpo social. Num mundo em que essa cisão não existisse, a política estaria automaticamente abolida. É o daninho e perigoso sonho de todos aqueles que querem abolir a política.

Essa diferença entre moral e política é irredutível. Abraços.

Idelber em junho 6, 2009 1:56 PM


#8

Nada a acrescentar. Quer dizer, tenho sim: "não tome este post como um pedido para que volte a blogar" - tá ao contrário. Ela deveria voltar a blogar sim; o fim do Palestina do Espetáculo Triunfante deixa um vazio na blogosfera impossível de preencher. Não há nada nem parecido por aí. Abraços e felicidades a Katarina

Alexandre Nodari em junho 6, 2009 2:13 PM


#9

Adriana e Alexandre: eu não vou puxar, mas se aparecer por aí um movimento "Volta Kata", me avisem...

Idelber em junho 6, 2009 2:43 PM


#10

Fazer política é fazer ver, justamente, uma cisão que é "invisível" porque os já contemplados pela política decidem que os de fora não fazem parte da política.

Foi assim, no início da sociedade industrial, que os capitalistas rejeitaram as exigências dos proletários por melhores condições de trabalho. Eles tomavam os pedidos dos trabalhadores como ruídos sem sentido emitidos por pessoas sem noção. Foi assim, também, que os homens negaram o pedido das mulheres por universalidade do sufrágio, tomando o mesmo pelo fruto da ignorância feminina. E é assim, ainda hoje, que os tecnocratas castram a voz da rua, tomando a mesma como opiniões de quem não sabe o que está falando.

Em todos esses casos, a política propriamente dita se deu quando trabalhadores, mulheres e pessoas comuns se fizeram ouvir, e fizeram isso mostrando que o outro lado (capitalistas, homens, tecnocratas) estavam se fazendo de loucos para passar bem, pois entendiam muito bem o que estava sendo requerido, embora afetassem o contrário.

Cesar S. em junho 6, 2009 2:54 PM


#11

Caro Idelber
Parei aqui por causa da foto. Um Dauphine (será um Ondine?) e alguns Peugeot virados. Ainda se vê uns dois Deux Chevaux, um Renault e por aí vai. Foto P&B!

Apesar de não ter lido autores alemães e gregos no original, parti (por desafio) para a leitura do blog por você indicado. Indicado só não, muito recomendado!

Li então o texto sobre Chaves, sobre a revista Piauí, sobre o Maio de 1968 etc... A autora é boa no relato! Referências sobre Recife sempre simpáticas. Pena não ter lido antes.

Mas se um bom relato é uma delícia, opiniões mal embasadas podem (eventualmente) gerar complicações. Para quem como eu começou sua vida letrada nos quadrinhos, e entre eles Os Sobrinhos do Capitão e Mandrake, o texto de Maio de 68 parece transitar perigosamente entre a importância e a desimportância do tempo! E não me entenda mal, entenda carinhosamente Idelber, a tradução do Francês pode provocar derrapadas inesperadas.
É a minha maneira de dizer que gostei.

Paulo Z em junho 6, 2009 4:08 PM


#12

Leonardo, Flavio, Paulo: muito feliz de que tenham gostado.

Sim, Paulo, uma pena você não ter conhecido antes. Eu conheci o blog em 2006, deixei o primeiro comentário lá já em 2008, acho. Foram quase dois anos admirando a prosa em silêncio mesmo.

Em 2008, tive o privilégio de conhecê-la, e ao Marco também.

Idelber em junho 6, 2009 4:26 PM


#13

Conheci o blog por sua indicação e sempre fico com raiva quando vou lá e não tem post novo! Sendo assim, vou aderir desde já ao recém iniciado movimento: Volta Kata!

aiaiai em junho 6, 2009 6:46 PM


#14

Que bom você ter escrito sobre Katarina e seu blog "Palestina do Espetáculo Triunfante".

Tomei conhecimento do "Palestina" por acaso e desde o início tornei-me seu leitor constante. Enviei até um e-mail a KP, escrito quase como se fosse seu amigo íntimo, tal a força da comunicação que senti em seu blog, que ela respondeu de forma muito simpática.

Como tantos, sinto falta do "Palestina", mas se a moça não quer escrevê-lo mais, isso é algo que diz respeito somente a ela. Pior para nós.

A notícia do casamento com Marco Aurélio Weissheimer, de quem já li muita coisa na rede, é a união de duas inteligências combativas, engajadas nas boas causas.

Se o "Palestina" não voltar, sempre podemos aguardar a conclusão do doutorado de Katarina, e dos livros que ela haverá de escrever, que desde já programei como leitura obrigatória e prazerosa.

jairo arco e flexa em junho 6, 2009 10:25 PM


#15

Idelber, obrigada :)

Ananda em junho 7, 2009 12:21 PM


#16

Tudo em ordem, Idelber?

Inspirado por um ótimo texto do Hugo Albuquerque no blog dele, sobre a reintegração de Cuba à OEA, eu escrevi um outro texto sobre a questão cubana, a política dos EUA para com a América Latina e sobre as reformas políticas, econômicas e sociais que governos de Esquerda e de Centro-Esquerda têm levado adiante na região na última década.

Para ler o texto do Hugo e o meu, os links estão logo aí abaixo:

http://descurvo.blogspot.com/2009/06/cuba-e-oea.html#comments


http://guerrilheirodoentardecer.blogspot.com/2009/06/cuba-oea-e-as-forcas-democraticas-e.html

Abraço

Marcos D. em junho 7, 2009 2:04 PM


#17

Sim... Idelber, acho que acabei não escrevendo no e-mail, mas desculpe se estou sendo insistente e não quero que me dê "aulas" de forma alguma... é so' a curiosidade leiga de alguém que se interessa pelo assunto... o objetivo é mesmo de poder acompanhar um pouco mais o debate.
espero que você não se incomode :s
Um abração e até breve!

Ananda em junho 7, 2009 2:10 PM


#18

Suprema deficiência


As estudantes de jornalismo Sacha Brasil e Maria Scodeler, da Universidade de Brasília, fizeram uma tocaia de quase um mês e flagraram os carros oficiais do presidente do STF, ministro Gilmar Mendes, estacionados, várias vezes, nas vagas destinadas a deficientes físicos da UnB. Mendes dá aula de Direito Constitucional na Faculdade de Estudos Sociais Aplicados às segundas e quartas-feiras, das 10 horas às 11h50. Para tal, além do carro oficial com motorista que o conduz, se faz seguir por um outro, com seguranças. São dois Ômegas pretos, de última geração, um luxuoso comboio para que, enfim, o ministro saia às ruas.

De acordo com a matéria do Campus, jornal laboratório da UnB, o desrespeito perpetrado pelos carros de Gilmar Mendes é recorrente. As repórteres que assinam a matéria procuraram a assessoria de imprensa do STF que, primeiro, respondeu informalmente não haver problema algum na infração, haja vista os motoristas ficarem dentro dos carros. Logo, imaginou algum gênio da assessoria, bastaria aos deficientes (inclusive cadeirantes) arranjar um jeito de avisar os caras para saírem da vaga. Isso, é claro, se eles não estiverem em sono profundo ou em animada conversa, enquanto esperam o patrão. Logo depois, veio a resposta oficial: Gilmar Mendes, indignado com a delinqüência de seus motoristas de comboio, mandou abrir um inquérito administrativo. Tanto tempo indo e voltando nos Ômegas do Supremo, nunca tinha reparado o atrevimento dos choferes.

Então, eu pergunto: é legal usar carro oficial do STF, durante horário de expediente, para levar ministros para darem aula? Todos os ministros do Supremo podem e fazem isso? E para quê um carro cheio de seguranças? Do que tem medo Gilmar Mendes?

Minha sugestão às formidáveis repórteres do Campus: acompanhem de perto esse inquérito administrativo, peçam acesso aos depoimentos dos motoristas, exijam saber o resultado. No mínimo, vocês vão se divertir um bocado.

No link ao lado, a íntegra da matéria: http://issuu.com/fac.unb/docs/335

Escrito por Leandro Fortes às 19h02
[(9) desembestaram a falar] [envie esta mensagem]

Aline em junho 7, 2009 2:42 PM


#19

Já que todos aqui se sentem íntimos do querido casal Marco & Katarina, acho que todos ficarão felizes em saber que a celebração do seu casamento foi um festa linda e memorável.

E agora, é torcer para que a recém-casada KP volte a blogar. Me uno ao coro.

Cesar S. em junho 7, 2009 11:12 PM


#20

Sobre absolutamente tudo que se escreve a respeito dos palestinos, sempre se chega a conclusão de que eles são os mestres em perder as oportunidades.

Henrique em junho 8, 2009 12:45 PM


#21

Idelber,

Acompanhei o exato momento em que Katarina terminou de ler o seu post.

Boquiaberta e grata, ela não sabia o que dizer (tocou a primeira trombeta para o apocalypse, em se tratando desta força da natureza em eloquência! :) ).

Foi um presente de casamento maravilhoso, que só a sincronicidade explica.

Parabéns pelo Blog.

Pântano em junho 8, 2009 1:59 PM


#22

Puxa, Pântano, obrigado pelo depoimento. Foi mesmo inacreditável, porque eu não tinha a menor ideia -- juro -- que Kata e Marco se casavam no sábado. A notícia chegou pelo Cesar, já com o post publicado. Chegaram relatos de que o forrobodó foi muito bom. Vontade de estar aí para abraçá-los.

Idelber em junho 8, 2009 4:55 PM


#23

Pois é. A atualização do blog da Katarina faz uma falta!...

Jose em junho 11, 2009 2:56 AM