Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email:
idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro







selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« José Serra, o privatista :: Pag. Principal :: O ambientalismo e o segundo turno das eleições »

quarta-feira, 13 de outubro 2010

O anti-Foucault, por Pedro Meira Monteiro

Meu amigo Pedro Meira Monteiro, de Princeton University, um dos grandes intelectuais brasileiros da nova geração, acaba de escrever este texto como reação a uma palestra de Mario Vargas Llosa em sua universidade. Pedi permissão para publicá-lo aqui no Biscoito.

**********

O anti-Foucault

Uma das muitas virtudes do pensamento conservador é lembrar, aos que temos a veleidade de afirmar-nos imunes à cantilena da conservação, que o nosso discurso é sempre guiado por fantasmas. De fato, não há voz que se sustente sem espectros. Quando falamos, a potência muitas vezes inconfessável que nos move é aquela que trabalha por materializar, diante de nós mesmos e dos que nos ouvem ou leem, um fantasma.

Anteontem, em Princeton, Mario Vargas Llosa, recém-laureado com o Prêmio Nobel de Literatura, proferiu uma palestra intitulada “Breve discurso sobre la cultura”. Em sua fala, o alvo era, sem nenhum pejo ou temor, a figura “sofística” de Michel Foucault.

Incomoda profundamente, a Vargas Llosa, que a figura da Autoridade tenha sido profanada pela geração de 68, a qual, iludida, teria feito tábula rasa da “cultura” (que ele cuidadosamente utiliza no singular). Até aí, nada de propriamente surpreendente, já que a postura conservadora do escritor peruano é bastante conhecida. O que me surpreendeu foi ver um módulo do pensamento conservador, que eu tive a oportunidade de estudar em detalhe em outro momento, reaparecer, quase intacto, diante dos meus olhos incrédulos.

Quando escrevi sobre o visconde de Cairu – um economista do início do século XIX no Brasil – , flagrei-lhe, em meio ao mais empedernido conservadorismo, algo que então considerei quase genial: a capacidade de apaixonar-se quando expende seus argumentos contra um alvo. A questão é menos simples do que parece: é que um conservador existe siderado pela necessidade de reagir à soltura dos instintos e dos corpos. (Por isso, em geral, o conservador é aquele que sabe, com razoável ou inquebrantável segurança, o que é a “barbárie”.) No caso de Cairu, a soltura dos corpos se revelava plenamente na loucura da massa torpe e ignara (a Revolução Francesa), e nos avanços subsequentes do “dragão corso” (Napoleão Bonaparte) pela Europa. Eis o paradoxo: o autor, que cautelosamente reage aos indivíduos que se deixam tomar pelas paixões, deixa-se ele mesmo tomar pela paixão do discurso, lançando-se aos mais incríveis golpes de efeito poético, comparando, por exemplo, as revoltas provinciais no Brasil imperial a uma “explosão” de vontades mal concertadas, mais perdidas e enfurecidas que “os átomos de Epicuro” soltos no espaço. O velho ranzinza (o frei Caneca chamava-lhe “rabugento sabujo”) deixava-se tomar pelas mesmas paixões que pretendia controlar, e era pela soltura de sua imaginação, e de seus demônios, que vinham à página seus melhores momentos como escritor. O problema é que Cairu nunca foi um bom escritor.

Guardadas as diferenças e as proporções (Vargas Llosa é, naturalmente, um bom escritor), o autor peruano tem também o seu dragão, que não é corso, mas é ainda francês. Sua ira mal contida, derramada anteontem contra Foucault, chegou a momentos de incrível ousadia, como quando o espírito “sofístico” do filósofo de maio de 68 é lembrado em paralelo à degradação de seu corpo. É que Foucault, sendo o emblema mesmo da geração de 68, e herói-intelectual daquela aventura tresloucada, entregou-se também aos desvios do corpo e da alma. Foi com pasmo que ouvi Vargas Llosa evocar as famosas e já folclóricas excursões do filósofo francês pelas saunas e bares gay de San Francisco, até o ponto de que sua morte com AIDS (referida também na palestra) ficasse no ar, como uma espécie de justiça poética e maldita, que recai sobre aquele que tragicamente negou o aspecto dissoluto de sua vida moral.

Houve outros momentos de pasmo para mim, como quando sua ira se estendeu a toda uma tradição do pensamento crítico no pós-68, e quando, dos teóricos pós-estruturalistas (De Man, Derrida), ouvimos as piores coisas, pelo menos até que, num estranho golpe de misericórdia, se dissesse que o que tal pensamento produziu não é muitas vezes mais que uma inútil e aparatosa “masturbação” (sic).

Eu respeito o pensamento conservador, e respeito especialmente aqueles que, como Vargas Llosa, têm a coragem de defendê-lo e de, ao mesmo tempo, sustentar publicamente sua voz, cultivando, ademais, a forma do diálogo. Há, contudo, pelo menos um equívoco grande naquilo que disse ontem o ganhador do prêmio Nobel deste ano: em dado momento, ele reproduziu a já usada e cansada gracinha de que, diante de um texto de Derrida, nada ou pouco se compreende. Foi aí que pulei da cadeira, e vi meu próprio demônio diante de mim: não é verdade que ele nada tenha compreendido dos textos de Derrida! Que não compreendeu os textos em si, o seu “breve discurso” deixa claro. Mas ele compreendeu – e como conservador, compreendeu perfeitamente – que o gesto de desconfiança em relação ao sentido, que está no coração da aventura desconstrucionista, é o mais perigoso dos gestos, porque comporta a aposta no desejo e a possibilidade mesma do desvio. Mas desvio de quê? Rumo a quê? À cultura? Ou estamos todos perigosamente fugindo da cultura? Cultura de quem? Para quem?

Vargas Llosa não crê que, transviados, cheguemos à cultura. Por isso, o seu é um discurso de retenção, de contenção, e de recalque em relação aos poderes dissolventes do corpo, ou do Corpo.

É de fato uma enorme questão, que o “Breve discurso sobre la cultura” tem o mérito de trazer de novo à baila. Como acontece com quase todo conservador, o mais importante talvez não seja o que ele propõe, mas sim aquilo de que ele foge.

Princeton, NJ, 13 de outubro de 2010.



  Escrito por Idelber às 17:31 | link para este post | Comentários (42)


Comentários

#1

Só confirmando, a palestra de Llosa foi esse texto aqui?

http://www.letraslibres.com/index.php?art=14755

Cristiano em outubro 13, 2010 6:15 PM


#2

Finíssimo texto!

Cristina em outubro 13, 2010 6:17 PM


#3

Idelber,

que maravilha texto. Obrigada por publicá-lo. Lembrei de quando Ferreira Gullar disse que Hélio Oiticica procurou a própria morte quando subiu a Mangueira. Porque quando o corpo se apresenta ele pode ser insuportavelmente real. E aí não tem como segurar. Vargas Llosa não entendeu o significado do seu prêmio, que só foi dado por essa ausência de fluidos, porque, de certa forma, o seu discurso é limpinho.
Um beijo

Flávia Cera em outubro 13, 2010 6:34 PM


#4

Eu tenho sérias dúvidas sobre a preservação da inteligência de Vargas Llosa. Ela demonstrou problemas em Canudos -- apesar da sensacional narrativa -- e teve morte súbita e irremediável com Mayta.

Esse discurso que teu amigo PMM nos traz é algo que beira o patético (pelo moralismo) e só encontra seu lugar efetivo no cômico (pela pretensão).

Baita post, baita informação, prêmio ridículo.

Milton Ribeiro em outubro 13, 2010 7:03 PM


#5

com certeza Vargas Llosa não é merecedor do Nobel. premio ridículo. merecido mesmo é dar o Nobel pros genios da literatura Marilena Chuí e Emir Sader

adilson em outubro 13, 2010 7:11 PM


#6

Ótimo texto, fundamentado e bem escrito. Vira e mexe, os conservadores caem de pau em Foucault e tudo que ele representa. A frase final ( "Como acontece com quase todo conservador, o mais importante talvez não seja o que ele propõe, mas sim aquilo de que ele foge." é perfeita!

Cláudio Costa em outubro 13, 2010 7:15 PM


#7

O problema dos conservadores é esta necessidade de defender até o fim a cultura e a ideologia de um passado que nunca voltará a ser. Para manter a ilusão de que isso é possível, cometem contorcionismos alógicos em seu discurso, negam o que tentam defender e defendem o que tentam negar.
É triste, mas o que dizer de quem só olha para o passado?

Radical Livre em outubro 13, 2010 7:22 PM


#8

Eu creio que o Nobel, em si, é ridículo. É o tipo da boa intenção que o inferno está cheia. Como hierarquizar saberes e como dizer que fulano ou sicrano é o grande escritor - qual o critério? Vargas Llosa, por sua vez, representa toda uma geração de intelectuais-sabujo da América Latina, que tiveram uma passagem tão translúcida quanto rápida pela esquerda - mas que mantiveram como constante em suas carreiras o desprezo pelo elemento popular de sua gente - para depois se aliar ao mais desumano dos projetos do conservadorismo, aquele que é construído em torno de um simulacro de liberdade que equivale a pior das prisões. É de uma estirpe cujos análogos, no Brasil, se viram violentados pela eleição de Lula por conta do simbolismo de um homem da plebe rude ter chegado ao poder. Essa palestra dele foi o cúmulo.

Hugo Albuquerque em outubro 13, 2010 7:27 PM


#9

Posição libertária essa de respeitar a soltura do(s) corpo(s) do próprio Llosa, que, por sinal tem se manifestado apenas folcloricamente, como um ponto extemporâneo no qual mantemos o olhar para saber, com alguma exatidão, para onde não ir.

Rondinelly em outubro 13, 2010 7:39 PM


#10

Idelber, ainda que na condição de leigo em tudo, me permito dizer o seguinte: que se perde muito tempo nas humanidades com Derrida, se perde. Mas, ao dar-se crédito ao relato do Pedro, o Llosa perdeu uma grande oportunidade de apontar o pior de Derrida: sua incrível ignorância das ciências.

daniel em outubro 13, 2010 7:47 PM


#11

Acho que o Pedro toca o dedo na ferida em seu texto, e é uma pena que alguns comentários não tenham entendido que o problema não é discordar de Derrida ou Foucault mas sim desqualificar por completo o discurso crítico dos dois. A agressividade ressentida com que algumas pessoas se dirigem ao trabalho dos dois nesse ato de desqualificação é prova de duas coisas:
1. O poder provocador dos dois continua intacto; certos setores da intelectualidade, conservadora ou não, não conseguem engolir os dois de jeito nenhum.
2. Essa sanha agressiva não diz tanto sobre os dois autores como diz sobre essas pessoas que querem apagar tudo o que os dois disseram, voltar o relógio para antes de 68. E acho que, no caso extremo de Vargas Llosa, trata-se de voltar o relógio até antes de 1848 e esquecer toda a crítica que se fez sobre o liberalismo clássico, de forma cada vez mais contundente, por todo o século XX.

Paulo Moreira em outubro 13, 2010 8:30 PM


#12

Uma resposta derridiana: Vargas Llosa não pode/quer ler Derrida/Foucault/etc. Il ne pveut pas lire...

Marcelo R. S. Ribeiro em outubro 13, 2010 9:30 PM


#13

É a volta de Jackson Derrida.

Jair Fonseca em outubro 13, 2010 10:14 PM


#14

Textão esse - raios me partam se não foi um prazer decifra-lo. Recomendo a leitura, imediatamente após, do texto publicado no Clarin- espanhol não é alemão, dá pra entender perfeitamente. Agora - me esclarece: publicar esse texto, e a ênfase q vc está dando ao Nobel tem alguma coisa com o momento meio de brochada q estamos vivendo, depois de 3/10? Afinal, VL resolveu cair em cima de um ícone como Foucault, de forma petulante e desrespeitosa. Como, por sinal, a direita é useira e vezeira em fazer. Será q vc está tentando um vislumbre do q será um governo Serra, pelo viés intelectual e científico? Ao ler o texto, sei lá pq, lembrei de FHC ordenando q se esquecesse tudo q ele havia escrito, aquele outro cara (acho q foi o Gianotti) dizendo q tinha "posto no lixo todos os livros de Marx" e o Sérgio Motta chamando o trabalho de Ruth Cardoso (em minha opinião bem mais digna q o marido "príncipe"...) de "masturbação sociológica" - por sinal, não é curioso como conservadores costumam a apelar sempre ao mm vocabulário?.. Bem, provavelmente estou delirando, pra variar...

bitt em outubro 13, 2010 10:15 PM


#15

Belo texto.
MVL ressuscita a "República das Letras" do século XIX na América do Sul. Será esse o siginificado de pós-moderno: a reabilitação do espírito desencarnado? Dicurso limpinho, eugênico, sem dúvida: só falta propor o expurgo da arte contemporânea, a exemplo do que fizeram com o expressionismo alemão, ou com a ocultação de Floriano Peixoto da 1ª República brasileira, e exigir que Derrida, lá das profundas, venha responder a um interrogatório policial.
Nobel com pinta de título nobiliárquico.
Fascismo da hora, não é Foucault?

Simone del Río em outubro 13, 2010 11:38 PM


#16

Eu gostaria de usar a última oração em alguns textos meus. Eles fogem do corpo e do risco que se impõe nas aventuras da esquerda. A esquerda sempre se arrisca. A brochada foi importante em 03/10 porque se seguiu como resposta natural à punhalada pelas costas que Lula levou da Erenice, a imperdoável. Mas são coisas da esquerda isso. A direita não trai, não erra e não peca. Com eles são somente acidentes e ações individuais. Vc BITT disse no seu comentário quase tudo sobre o que nos espera se alguns intelectuais continuarem defendendo a democracia em neutralidade. Tomem posição ora. Aceitem os riscos que a democracia e a esquerda sempre nos apresentara do seu modo torto e avesso. Vou trabalhar para manter a boca do jacaré aberta e olhar a direita e os conservadores fugirem.

Daniel Boeira em outubro 14, 2010 12:34 AM


#17

A Veja e o Estadão concorrem lance a lance para levar Vargas Llosa como colunista, cogitam até colocá-lo como vice de Serra no lugar de Índio da Costa.

Giorgio Gislon em outubro 14, 2010 2:16 AM


#18

Caro Paulo: vou por aí também: o texto toca o ponto onde certa esquerda sem-libido se encontra com a direita raivosa: a negação de 68.

Abraços

Alexandre Nodari em outubro 14, 2010 2:18 AM


#19

Que bom estar acordada às duas da manhã, trabalhando, para ler um texto desses. Pincei duas frases, que me pareceram lapidares, ou tiveram um significado especial para mim:
"um conservador existe siderado pela necessidade de reagir à soltura dos instintos e dos corpos".
Isso me remete tremendamente ao momento fogueira de inquisição que vivemos hoje no debate eleitoral.
E a segunda:
"o gesto de desconfiança em relação ao sentido, que está no coração da aventura desconstrucionista, é o mais perigoso dos gestos, porque comporta a aposta no desejo e a possibilidade mesma do desvio".
Seria petulância minha reivindicar subscrever uma frase dessas, mas eu me emocionei ao lê-la. Vou dormir com ela na cabeça, porque resume tanta coisa na minha vida. E transborda tão lindamente também para a vida pública, que daria panos pra manga pensar mais sobre o assunto.

Ana Paula Medeiros em outubro 14, 2010 3:09 AM


#20

Ah, só pra complementar: esse texto caiu bem no momento em que estou mergulhada na Microfísica do Poder, como parte da bibliografia do meu projeto de tese.

Ana Paula Medeiros em outubro 14, 2010 3:11 AM


#21

6 pontos percentuais de diferença, e contando...

nelio em outubro 14, 2010 9:59 AM


#22

Algo sério, agora: ao Llosa deve-se dar a justiça de que é um dos poucos romancistas que também se desenvolve com valor no campos do ensaio. Uma das exceções raras, tal qual Coetzee, Saul Bellow, Mann (que já fazia o ensaio no próprio corpo de seus romances), Canetti (que, talvez, seja o inverso: um excepcional ensaísta que cometeu um ótimo romance), Pamuk e não me lembro quem mais. E é sintomático que os modelos de influência do peruano sejam ou autores restringidos à produção romanesca, ou inéptos infelizes que sempre se davam mal quando saíam da prosa (o primeiro time: seu festejado Flaubert; o segundo time: Faulkner, Hemingway e Sartre).

Considerando o acima, devemos interpretar o discurso de Llosa como vido de um narrador potente, e não de um filósofo profissional. O romancista tem a vantagem de não fazer parte de nenhum corpo de ofício do pensamento, sendo livre para misturar erudição com a vox populi. E foi o que fez Llosa ao analisar Foulcalt. Suas palavras são as do opinador que se agarra legitimamente à sua condição de leigo extremamente versátil. Foucalt é uma sumidade entre os catedráticos, mas, por mais que seja influente, não o é entre os leitores, mesmo os profissionais. O fato novelesco de ter exposto a contaminação do HIV que sabia-lhe incubado, aos seus amantes eventuais, pode ser um detalhe plástico que não conspurca sua obra intelectual, mas para um romancista, que encarna a consciência de uma moral social e de uma ética espiritual, é algo condenável. Llosa, num ensaio da juventude, repetiu a moral de que por detrás de um escritor há que se ter um homem. Baseado nesse princípio que ele proferiu esse ataque (?) a Derrida e aos filósofos profissionais. Fez sua tarefa de adstringir o meio muitas vezes frio e i-numano que prevalece no pensamento profissional, mostrando que os moldes bem solidificados, petrificam.

nelio em outubro 14, 2010 10:25 AM


#23

Esse ataque mesmo não tem nada de novo. Nada de novo debaixo do sol. Repetição do covarde ataque a Foucault em Oublier Foucault do Baudrillard e que ele repete, com requinte de cafajestia (referência a AIDS, a simetria entre o corpo que se desfaz ante ao vírus e o intelectual que se desconstrói em 84), em Cool Memories. Ad Hominem é um esporte interessante quando não se chuta bellow waist. Mais um motivo para desprezar Llosa?

Luiz em outubro 14, 2010 11:16 AM


#24

Nelio,

Essa história de que o Foucault saiu em uma alucinada missão nas noites de São Francisco infectando homens inocentes em saunas e joints S/M é conversa pra boi dormir que o Miller inventou, almost out of thin air, de algo que o Daniel Defert nunca disse. Todo o mundo sério ignora o "Passion of Michel Foucault". Não é só uma biografia ruim. É um exercício explícito de descanonização. Tainted por esse objetivo de fazer o Foucault descer do pedestal. Entre outras bobagens que ele disse (além da que você citou) ele afirma que as aventuras S/M do Foucault tomaram como que um misticismo, uma estética mística, para o intelectual. Atirar pedra no intelectual (e homem) Foucault virou esporte depois da sua morte. Mas vamos com calma, né.
(Em tempo, a quem interessa, há biografias sérias por aí, como a de David Macey)

Luiz em outubro 14, 2010 11:30 AM


#25

Pode-se realmente argumentar que os textos de Derrida soam pouco compreensíveis para nós, habitantes dos primeiros decênios do século XXI (do amanhã não tenho a pretensão de falar). Mas se assim é, que mal eles podem causar? Como podem gerar uma reação direcionada e perigosa por parte de um grupo considerável de pessoas?
Já no que toca a Foucault, alvo principal dos disparos, esta crítica não se aplica de forma alguma, então o bicho pega mais abaixo. Espanta-me que ainda hoje, em pleno 2010, após a humanidade ter lutado tanto para descriminalizar o sexo, alguém que se diz intelectual, ainda utilize a conduta sexual de um escritor como base para criticar suas idéias. Aqui cabe aquela velha expressão popular, o que tem a ver o ...ú com as ...alças?
Já que a vida íntima dos participantes do debate de idéias entrou na pauta, mais adequado seria que o palestrante tivesse exposto a sua, para que os ouvintes pudessem ter algum termo de comparação. Certamente ele pouco ou nunca lançou mão da prática da masturbação, coisa tão ridícula e expúria quanto um pensamento de Derrida.

MCarlos em outubro 14, 2010 11:53 AM


#26

Foucault mesmo é um capítulo de um'A Vida de Homens Difamados.
Pelo visto, sua obra incomoda muitíssimo, até hoje, para se tornar o centro do tal discurso difamatório do Nobel de Literatura.
Quanto ao Nelio, quanta barbaridade! "Ineptos infelizes"?!?! Faulkner, do "segundo time"??!!
Vade retro!

Jair Fonseca em outubro 14, 2010 11:55 AM


#27

Vamos pra campanha, que um cenário de pesadelo se acerca do Brasil!

Jair Fonseca em outubro 14, 2010 12:28 PM


#28

Taí Luiz, não sabia disso. O Miller a que se refere é quem? Henry? Mas acho saudável a desconstrução de mitos. Bernhard fazia isso muito bem. Em O Imitador de Vozes, em poucas e belas palavras de um dos minicontos, desconstroi um dos meus heróis da juventude, Knut Hamsun; em Extinção, faz o impensável: desconstroi a fixação pelo idioma original da obra, afirmando que há traduções que são muito maiores.

Acho importante essa posição de Llosa. É mais que pura provocação. Alguém do cacife dele conhece a fundo Derrida, sabe reconhecer a verdade de quando Adorno disse não haver mérito em ser entendido por completo, que o texto deve ter uma complexidade e uma insolvencia para alcançar níveis concentrados do discurso. Não é bom, agora, julgar Llosa pelo seu posicionamento político. Ele é muito mais coerente em suas ideias e suas críticas ao Estado doente da América latina, do que o já há muito finado Garcia Márquez, que sempre que se dedica a falar sobre política incorre em constrangimento.

nelio em outubro 14, 2010 1:21 PM


#29

Jair, dá um tempo, cara! Isso aqui, apesar de não parecer, pode ajudar a Dilma muito mais do que a saturação constante, que ninguém mais ouve.

Por um momento, é bom dizer: fodam-se a Dilma e o Serra!

nelio em outubro 14, 2010 1:24 PM


#30

Jadir, só agora li seu comentário mais acima. Volta lá no que eu escrevi, cara: não disse que o Faulkner prosador é de segundo time. Faulkner é tão grande quanto Shakespeare, e não exagero. O que disse é que grandes narradores, como Faulkner, Hemingway e Sartre, quando se lançaram a escrever sobre política, eram de dar vexame. "Sempre se davam mal QUANDO SAÍAM DA PROSA". Aprenda a ler!

nelio em outubro 14, 2010 1:28 PM


#31

Nelio, aprenda, você, a escrever, se quiser ser entendido.

Jair Fonseca em outubro 14, 2010 1:33 PM


#32

Tá claro o que eu escrevi, vc que me julgou pelo meu anti-dilmismo.

nelio em outubro 14, 2010 1:38 PM


#33

#28
James Miller, autor da infame "Passion of Michel Foucault", um apanhado de calúnias transvestido de biografia.
O boato de que Foucault sabia ser soro-positivo, e que saiu por aí em meados de 83-84 infectando gente em Toronto e São Francisco começou em Miller.

Luiz em outubro 14, 2010 1:44 PM


#34

Nelio, coisa que não sou é patrulheiro.
Pouco me importa se és tucano ou nazista, em relação à literatura.
Aliás, um dos meus ficcionistas preferidos é Céline, nazista de babar.
Mas como esse crápula escrevia bem sobre o que há de pior na condição humana!

Jair Fonseca em outubro 14, 2010 2:07 PM


#35

Olha só, não é só nas mesas de bar que caem as dessemelhanças, Jair. Um de meus livros preferidos é Viagem ao Fim da Noite, do Céline, e concordo plenamente contigo. Chego a amar esse crápula que tinha um senso de humanismo invertido, apesar de seus três panfletos em que esquematizava para o partido nazista meios de por fim ao "problema judeu".

nelio em outubro 14, 2010 4:15 PM


#36

Porra, Idelber, você conhece o PQ (apelido dele na faculdade, não me pergunte porque)?. Mande um abraço pra ele.

NPTO em outubro 14, 2010 4:40 PM


#37

Quando escreveu "Viagem ao Fim da Noite", Céline não era fascista ainda. Embora a própria metáfora do "fim da noite" já possa prenunciar algo assim.
"Morte a crédito" e "Norte" são extraordinariamente bem escritos, também. Não tão poéticos quanto o "Viagem", mas igualmente um mergulho desassombrado na abjeção.
Falando nisso, tentei ler "Bagatelas por um massacre" e não deu. São realmente terríveis, devido ao ódio panfletário contra judeus e bolcheviques, principalmente contra judeus bolcheviques! Seria ridículo se não fosse trágico...
Aliás, é incrível esse comprazimento do texto no que é odioso e odiento. De passar mal.

Jair Fonseca em outubro 14, 2010 7:31 PM


#38

"Como acontece com quase todo conservador, o mais importante talvez não seja o que ele propõe, mas sim aquilo de que ele foge."

Que precisão cirúrgica, Idelber. E que condenação dos infernos essa, passar uma vida inteira driblando o medo e, o que é pior, tendo totais condições para enfrentá-lo.

Cláudia em outubro 14, 2010 11:13 PM


#39

Belo texto!

Ele não entendeu também Foucault, para reduzir a obra ao homem e falar como se todos os problemas evocados pelos textos fossem "tresloucados", coisa de aventureiro nos termos acima.

E sem querer acaba fazendo o 'sofista' Foucault se encontrar com Sócrates: não denunciaram os dois sempre essa autoridade travestida de autoria, de "verdade"?

Catatau em outubro 15, 2010 12:49 AM


#40

Jair, li o Viagem e o De Castelo a Castelo, que achei mais impactante ainda que o primeiro. Uma coisa curiosa: o Viagem há uma passagem muitíssima engraçada, quando o narrador, médico e alterego do autor, é deslocado a prestar serviços numa região isolada (preciso reler, faz uns dez anos), e as descrições das torturas morais que sofreu durante o trajeto de navio, temeroso de que a tripulação o matasse, é de matar de rir. Já o De Castelo, que descreve sua fuga junto a exilados nazistas após a guerra, não tem um pingo de humor, mas é uma experiência incomparável.

nelio em outubro 15, 2010 10:32 AM


#41

Nao existe desenvolvimento sustentavel..isso é mais que obvio. Ecologia é conversa mole de pequenos burgueses tolos, fúteis e consumistas querendo purgar sua culpa...só isso.

Tião Medonho em outubro 17, 2010 10:14 AM


#42

Hahaha, estava lendo a Folha, achei que já tinha lido aquele texto e, sim, era o texto do Pedro Meira Monteiro!!!! Neste sábado, dez dias depois de sair no Biscoito.
Você, meu caro, pode comemorar sua precedência sobre a midia tradicional. Eu comemoro o fato de que o professor de Princeton não tem a visão estreita da Marilena Chauí, cedeu o texto ("especial para a Folha" é o que tem no crédito) e com isso disseminou ainda mais o excelente texto que você trouxe com antecedência a seus leitores. Leiotres, aliás, que fizeram o texto render ainda mais, com excelente debate...

SLeo em outubro 23, 2010 11:32 PM