Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email:
idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro







selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« Aviso: Twitcam hoje, às 21:30 :: Pag. Principal :: Lançamento brasileiro de Em Estado de Memória, de Tununa Mercado »

terça-feira, 02 de novembro 2010

A vitória de Dilma e a falsa tese do “país dividido”

Nem bem contada estava a maior parte dos 55.752.529 votos recebidos por Dilma Rousseff e um insidioso meme começava a circular pelos meios de comunicação brasileiros, especialmente pela Rede Globo de Televisão. Parece que não entendiam, ou se recusavam a entender, o momento histórico que vivíamos. Trata-se da cantilena do “país dividido”, reforçada por um enganoso mapa em que o Brasil aparecia separado entre estados azuis e vermelhos. Acompanhado por uma série de bizarras declarações de figuras como W. Waack (“a imprensa criou o mito de Lula e ele se voltou contra ela, ingrato”) ou do inacreditável Merval Pereira (“Dilma deve saber que a oposição teve uma votação muito alta”), o mapa cumpriu o papel de sugerir uma divisão que absolutamente não existe: Dilma venceu com larga margem (12%), que em qualquer democracia presidencialista qualificaria como um sacode-Iaiá. Basta lembrar que na categórica vitória de Obama sobre McCain a diferença foi 52,9% a 45,7%, pouco mais da metade, portanto, da diferença imposta por Dilma a Serra.

Como apontou Alexandre Nodari no seu Twitter, a divisão por estados peca por impor ao Brasil um modelo que é essencialmente estadunidense, baseado no princípio de que o candidato vencedor num determinado estado leva todos os seus votos a um Colégio Eleitoral, numa eleição que é, para todos os efeitos, indireta. No Brasil, como se sabe, o presidente é eleito por sufrágio universal, e nele a ideia de estados “vermelhos” e “azuis” não faz o menor sentido. O mapa do Estadão, colorido por municípios e com várias gradações de azul e vermelho, esse sim, serve a um estudo sério, já iniciado pelo Fabricio Vasselai.

A ideia dos estados azuis e vermelhos faz menos sentido ainda depois de estudado o mapa eleitoral do pleito de 2010. A grande maioria dos estados que aparecem em azul no “país dividido” da TV Globo são unidades da federação em que Serra venceu por mínima diferença: Goiás (50,7%), Rio Grande do Sul (50,9%), Espírito Santo (50,8%), Mato Grosso (51,1%). Não se encontra, na coluna azul, nem rastro de um estado em que a vantagem se compare com a conquistada por Dilma em lugares como Amazonas (80%), Maranhão (79%), Ceará (77%), Pernambuco (75%), Bahia (70%), Piauí (69%) e vários outros. Num país com eleição por sufrágio universal e uma diferença tão acachapante entre os estados “dilmistas” e os “serristas”, só com muita desonestidade intelectual você colore alguns estados de azul e outros de vermelho, sem variação no tom das cores, para apresentar um país “dividido”.

Se a tese do país dividido não tem fundamento, menos ainda o tem a tese do país dividido entre Sul / Sudeste, por um lado, e o Norte / Nordeste, por outro. Não custa lembrar, mas essa divisão grita em desacordo com os fatos: Dilma enfiou goleadas acachapantes em Serra no Rio de Janeiro (60,5% x 39,5%) e Minas Gerais (58,5 x 41,5), além conquistar um empate no Rio Grande do Sul. Não custa lembrar aos jornalistas da Globo: Dilma Rousseff venceu as eleições no Sudeste, caso o fato tenha passado despercebido no Jardim Botânico.

Já na segunda-feira, a mídia brasileira havia conseguido insuflar uma onda divisionista que não demorou em encontrar solo fértil no nosso bom e velho racismo latente. No Twitter, proliferava o discurso do ódio aos nordestinos, desinformado até do básico dado de que Dilma teria ganho eleição mesmo se o Brasil não incluísse o Nordeste. Aludindo de forma desonesta ao “fato” que ela mesma havia ajudado a criar, a Globo relatava que havia um “embate” entre regiões do Brasil nas redes sociais, quando na verdade o único embate se deu entre a sanidade e uma minoria racista e ressentida. Começa mal, muito mal a Vênus Platinada, talvez como consequência do que aconteceu nesta eleição histórica: Dilma venceu o pleito com o debate da Band, desmontou a última armação com um vídeo do SBT e concedeu sua primeira entrevista à Record.

Sinais dos tempos.

PS: Enquanto isso, no Roda-Viva, Augusto Nunes passava por uma das maiores vergonhas da vida.

PS 2: Está ótimo o texto do Alê Porto sobre os próximos passos de Dilma.



  Escrito por Idelber às 06:14 | link para este post | Comentários (113)


Comentários

#1

Como os tucanos ficam desesperados longe do ninho do poder. Oposição, para eles, significa caluniar, mentir, atacar deliberadamente, dividir, causar o conflito e a discórdia. Prova de que não têm um projeto nem interesse no progresso do país.

Alyhell em novembro 2, 2010 6:45 AM


#2

Meu grande consolo é que, nas próximas eleições, e muito em breve, já estarei aposentado, vivendo num recanto já escolhido do litoral sul da Bahia, bem longe de shoppings, condomínios, televisão, brancos, bancos, evangélicos, carros, cristãos e coisas similares, tendo somente o sol, o mar e a brisa marinha, ogum e todas as potestades do candomblé, - essa mágica entidade pagã- como companhia. Não precisam me desejar sorte. Não tem como não ser feliz.

A Lesma Lerda em novembro 2, 2010 6:45 AM


#3

Ah, se o Brizola tivesse sido eleito presidente e tivesse acabado com esses conglomerados que detém o oligopólio da mídia no Brasil!!!!

Ñ se trata de pregar censura ou guerra contra a imprensa. Imprensa é uma coisa, oligopólio da mídia é outra bem diferente.

A manchete do globo de hoje "Lula não quer Palocci" não é jornalismo...é no mínimo mimimi de derrotado, no máximo panfleto de oposição mentirosa e caluniadora.

Desafio os jornalistas que por aqui aparecem a mostrar cadê o jornalismo desta manchete.

Já que Brizola não teve a oportunidade de desfazer esse poderio midiático, vamos ter que lutar para desfazê-lo nós mesmos, os cidadãos. Como disse nossa Presidenta ontem: basta usar o controle remoto e o direito de comprar apenas aquilo que acreditamos ter qualidade!

A internet nos provê toda informação necessária, basta procurar um pouquinho.

Qt ao mapa, achei muito legal esse também (do facebook do jornalista e filósofo Danilo Fraga,no Animot, via @babslops):

http://bit.ly/9cGAJd

aiaiai em novembro 2, 2010 6:55 AM


#4

Deu no La Republica do Uruguai a melhor manchete sobre as eleições daqui:

Ni la derecha, ni los médios. Ni El Papa pudieram com com La candidata Del PT. Venció de 56% a 44%.

Genital Lacerda em novembro 2, 2010 6:56 AM


#5

Putz, análise sensata como sempre...

Os exemplos de movimentos xenófobos que dominaram a política recente são o Nazifascismo, a Guerra dos Balcãs e as guerras africanas, bem como o apartheid (na áfrica do Sul e nos isteites), nenhum se trata de um bom exemplo...
A irresponsabilidade dos que fizeram emergir a questão merece sanção exemplar

Giovanni Gouveia em novembro 2, 2010 7:07 AM


#6

Augusto Nunes não sabe o que é um processo legal, nem presunção de inocência. Como a imprensa considera um réu culpado (e essa é a critica do Dirceu), ele assume que o Ministro do Supremo ao aceitar a denuncia considera o sujeito culpado. A ânsia por atribuir determinadas ideias a outrem deturpa até o entendimento desses jornalistas a respeito de fatos incontestáveis.

Renata em novembro 2, 2010 7:19 AM


#7

Os barões da Imprensa são apenas uma metralhadora cheia de mágoas .

Gostei do post do Lesma Lerda.

marconi em novembro 2, 2010 7:29 AM


#8

Acho o Dirceu uma figura controversa, mas ADOREI quando ele disse [mais ou menos com essas palavras, quando questionado sobre suas atividades profissionais]: 'só devo satisfações à Receita Federal; não devo nada a nenhum de vocês'. Toma, cambada!

cris em novembro 2, 2010 7:32 AM


#9

Idelber,

Concordo com todo o texto. Mas acho que de fato foi criada uma forma de divisão no país, mas ideológica.

A campanha difamatória do Serra, apoiada pela mídia e por figuras importantes da Igreja como Silas Malafaia e Paschoal Piragine polarizou antigas questões como direito dos homossexuais e aborto. Os que rejeitam Dilma a rejeitam apaixonadamente, repetindo argumentos da mais extrema direita para desmerecê-la, adjetivando-a de "terrorista" e "abortista", espalhando boatos sobre a sexualidade da presidente e do satanismo de seu vice.

No plano pessoal, posso dizer que perdi amigos durante as eleições. Pessoas que sempre tive uma relação de tolerância passaram a não permitir uma convivência de ideologias suportável, tamanha a polarização. Com a disseminação de boatos e exaltação do preconceito, se tornou impossível manter diálogos civilizados com o "outro lado" durante as eleições. Infelizmente, acredito que o dano causado pela campanha do Serra demorará alguns anos para esvaziar seus efeitos.

bendidle em novembro 2, 2010 7:49 AM


#10

Idelber,
Como sempre, na veia.
Proponho na tal divisão apregoada (sim, eles ficavam apontando o mapa, dizendo, olha só!) pelo PIG, usem o mapa do estadão, ou outro qualquer que mostra um Brasil bem mais rosinha do que eles gostariam.
Em tempo1: adorei Minas ter ficado no "nordeste". Em Chácara, Dilma venceu! Em JF, também! (ufa!).
Em tempo2: E o que você achou do discurso de derrota do coiso? Eu acho que ele podia tomar umas aulas com o McCain.

Maria Andréia em novembro 2, 2010 7:52 AM


#11

Uma questão que está passando despercebida dos analistas nessa eleição é a divisão que ocorreu no eleitorado entre as classes A e B de um lado, e D e E do outro.

A classe C rachou. Baseado no mapa eleitoral do Estado do RJ constato que nas regiões mais ricas do interior (região dos lagos e serrana) o Serra levou a maior parte dos municípios enquato que na baixada fluminense a Dilma ganhou com folga.

Minha interpretação: a classe C mais antiga, residente no interior mais abastado fechou com Serra enquanto que a classe C mais recente que ascendeu nos últimos anos cravou Dilma. Essa análise se fortalece com o fato de que a região sul acabou dando mais votos ao Serra, o mesmo acontecendo no tradicional e abastado interior de São Paulo.

Só que isso traz um dado inquietante. O voto da classe C ascsndente foi um voto de gratidão pela ascensão social que dificilmente se repetirá nos próximos pleitos. E essa classe tende a partilhar valores conservadores da classe C mais antiga. Ou seja, ou a Dilma faz um governo excepcional ou a tendencia é a esquerda perder viabilidade eleitoral a partir de agora. Por mais que a vantagem tenha sido grande, o fato de um presidente com 80% de popularidade ter transferido somente metade disso para sua candidata deve ser motivo de alerta amarelo.

Daniel Malaguti em novembro 2, 2010 7:59 AM


#12

Idelber e amigos

acho que uma análise interessante seria também a estratificação dos votos por faixa etária, geral e regionalizada

estou procurando, ainda sem sucesso

alguém viu alguma coisa nessa linha?

rabbit em novembro 2, 2010 8:01 AM


#13

Desde a confirmação de que Dilma estava eleita, os grandes portais de internet insistem em desinformar a falsa idéia de que a oposição não ficou seriamente enfraquecida na esfera federal. O PSDB conseguiu mais governos estaduais, cuja oposição tende a ser moderada, porque sua interferência no cotidiano federal se dá por meio da imprensa.

No meu entender, caso os governadores oposicionistas conduzam políticas com o intuito de enfraquecer o governo federal, não terão sucesso. As pessoas estão tendo acesso às verdades por intermédio da mídia alternativa e, se tudo correr bem, a expansão da banda larga dissolverá as mentiras que serão propagadas pela velha mídia nos próximos quatro anos.

Tiago Gregório em novembro 2, 2010 8:21 AM


#14

Excelente texto! Temos muita luta pela frente, enfrentar toda essa mídia que adora manipular o povo não é fácil. E é isso tipo de oposição que essa tucanada faz, cheia de mentiras e falso moralismo.

Thayz em novembro 2, 2010 8:36 AM


#15

A pergunta que não quer calar:
Já vi todo tipo de analise do voto nestas eleições: a questão de classe social; a questão regional (são Paulo-SUL- x nordeste), até a questão racial freqüenta os debates. Mas ninguém disse nada, NADA VEZES NADA, curiosíssima questão do gênero; sendo nosso país reconhecidamente machista porque o voto na futura presidente é, estatisticamente, matematicamente um voto masculino???? Na proporção de 53% a 48%, com as mulheres como maioria do colégio eleitoral. Ou não se pode falar do machismo como dado essencial da cultura..feminina? Ou não se pode falar do gritante reacionarismo e direitismo da mulher brasileira??? Isso ainda é tabu? pq?????Alguém pode me dizer?????

Genital Lacerda em novembro 2, 2010 8:41 AM


#16

Vi um ótimo mapa eleitoral (não me lembro onde vi), durante a noite de domingo - não estou conseguindo encontrar agora para mandar o link.

A vantagem do mapa é que, além do azul e do vermelho, ele colocava os estados em que a vitória de um dos candidatos foi menor do que 8% em cinza - o Brasil saia deste mapa muito mais neutro e unido do que o mapa simples do 'ganhou, levou todos os votos' utilizado pelo Estadão.

Não lembro se vi o mapa no IG, ou no Globo Online, mas já não o acho mais em lugar algum.

Radical Livre em novembro 2, 2010 8:42 AM


#17

Excelente texto!

Sobre o Roda Viva: o mais inacreditável foram as considerações finais: o tal Nunes disse ter gostado mais das perguntas do que das respostas do Dirceu, e que isso se explicava pelas diferenças de opinião entre eles.
Esta observação revela a imensa arrogância de tal "entrevistador" e nos faz ter muitas saudades do programa Roda Viva: o que aí está é mera caricatura do que já foi....
O que foi aquela histeria de Maria Gabriela tentando organizar e sistematizar as perguntas sobre o ganha pão atual de Dirceu?

Saudades...

Ana Paraná em novembro 2, 2010 9:01 AM


#18

O país pode não estar dividido em estados vermelhos ou azuis, mas em termos de classes sociais a divisão é nítida. Aqui no Rio Serra ganhou e ganhou bem em todos os bairros com predominância de classe média e média alta, nos bairros populares e na Baixada a vitória de Dilma foi acachapante.

marola em novembro 2, 2010 9:36 AM


#19

Boa análise do mapa eleitoral de um leitor do Nassif, o Gunter Zibell:

http://www.brasilianas.org/blog/luisnassif/regionalizacao-preconceitos-politicos

Segundo ele, a diferença de votos entre Lula e Dilma nos 'Estados azuis' foi menor do que nos 'Estados Vermelhos'. É uma boa e surpreendente análise dos números, vale a pena ler.

Radical Livre em novembro 2, 2010 9:44 AM


#20

Lógico que a mídia entreguista e neoliberal neste momento está tentando soprar para saber se pode mesmo continuar mordendo como fez impunemente no governo Lula. O tempo dedicado a Dilma no Jornal Nacional, no dia 1º de novembro, mesmo sendo de segunda mão, já que a primeira entrevista da Presidente foi à TV Record momentos antes, mostra esse fato. Até o asqueroso Jabour, hoje, deu palpites sem atacar a Dilma, sugerindo até espectativas positivas. Está ficando claro que há orientação para segurar a barra desses jornalistas cretinos. Outro aspecto que registro é a posição expressa por Alexandre Nordari: Votou na marina no primeiro turno. Como dois de meus filhos, todos foram irresponsáveis ao ponto de arriscarem eleger o Serra, para marcar uma posição pseudamente de esquerda, que só beneficiou a direita. É duro conviver com uma esquerda dessas. Ainda bem que o povão não é de esquerda nem de direita, escolhendo sempre o que é bom para si e a maioria, deixando para lá protestos tolos que só aparecem para fortalecer o inimigo.

Hildermes José Medeiros em novembro 2, 2010 9:56 AM


#21

Dia 31 de outubro foi derrotada a ideologia de paulistas, de origem ou por afinidades, que valorizam os assassinos Bandeirantes e os valores plutocratas de 1932. S. Paulo do trabalho e da luta votou com Dilma (mais de 40% dos votos válidos). Quem fala é um paulista que repudia Bandeirantes e 1932.

Armando do Prado em novembro 2, 2010 10:00 AM


#22

O pior é ver o Agripino, que é senador pelo Rio Grande do Norte — sim, aquele mesmo que levou um sacode-iaiá da Dilma sobre o que seja democracia —, referendar esse tipo de discurso em nome da sua sobrevivência política. No twitter o cara vem com esse tipo de conversa sobre o espaço da oposição e ainda piora as coisas, afirmando que "mais da metade do eleitorado" não quis a Dilma http://twitter.com/#!/joseagripino/status/29390102386
As contas que ele faz são ótimas. A levá-lo a sério, um presidente só teria legitimidade se fosse eleito, sei lá, com uns 90% dos votos, incluindo brancos e nulos. É um beócio que chora a derrota do seu candidato.

Ricardo Cabral em novembro 2, 2010 10:04 AM


#23

Idelber, mais feia ainda é a tentativa de apropriação indevida dos votos nulos, brancos e abstenções para si. Os defensores das teses oposicionistas na imprensa contam esses votos CONTRA Dilma, e não CONTRA o PSDB, ridículos. Se Dilma não tem legitimidade para comandar o Brasil, quem tem? O Serra? O Ratzinger? Ou serão os Marinhos, associados ao Civita, com o R.A. de ministro da justiça?

Sérgio Troncoso em novembro 2, 2010 10:04 AM


#24

Lógico que a mídia entreguista e neoliberal neste momento está tentando soprar para saber se pode mesmo continuar mordendo como fez impunemente no governo Lula. O tempo dedicado a Dilma no Jornal Nacional, no dia 1º de novembro, mesmo sendo de segunda mão, já que a primeira entrevista da Presidente foi à TV Record momentos antes, mostra esse fato. Até o asqueroso Jabour, hoje, deu palpites sem atacar a Dilma, sugerindo até espectativas positivas. Está ficando claro que há orientação para segurar a barra desses jornalistas cretinos. Outro aspecto que registro é a posição expressa por Alexandre Nordari: Votou na marina no primeiro turno. Como dois de meus filhos, todos foram irresponsáveis ao ponto de arriscarem eleger o Serra, para marcar uma posição pseudamente de esquerda, que só beneficiou a direita. É duro conviver com uma esquerda dessas. Ainda bem que o povão não é de esquerda nem de direita, escolhendo sempre o que é bom para si e a maioria, deixando para lá protestos tolos que só aparecem para fortalecer o inimigo.

Hildermes José Medeiros em novembro 2, 2010 10:05 AM


#25

IMPRENSA INQUISITORIAL

Segundo os dicionários, inquisição é o ato de inquirir, indagar, investigar, interrogar judicialmente. O termo está umbilicalmente ligado à Santa Inquisição, também conhecida como Santo Ofício, que foi um tribunal eclesiástico criado com a finalidade oficial de investigar e punir os crimes contra a fé católica. Nela, uma simples acusação equivalia a ser inexoravelmente considerado culpado e condenado por heresia, pois nenhuma pessoa acusada ganhava a causa, provando sua inocência e permanecendo livre. Os inquisidores que tinham a autoridade outorgada pelo papa, bem como os informantes, eram todos muito bem pagos. Já, aqueles que testemunhassem contra uma pessoa considerada herege, recebiam uma parte de suas propriedades e riquezas caso a vítima fosse condenada, o que nos conduz à conclusão de que se tratava de um negócio bastante lucrativo.
O processo de acusação, julgamento e execução era rápido, sem formalidades e sem qualquer direito à defesa. Ao inquisidor cabia o papel de acusar e julgar e, ao réu, a única alternativa era confessar e retratar-se, renunciando sua fé e aceitando o domínio e a autoridade da Igreja Católica, pois os direitos de defesa, de liberdade e de livre escolha não eram respeitados. Os acusados eram submetidos à tortura e obrigados a confessarem sua condição de hereges, sendo posteriormente executados em praça pública sob os olhos de todos os moradores, eis que tal publicidade era uma forma de coagir e intimidar a população. Como consequência da condenação, a vítima podia ser enforcada, decapitada, ou, na maioria das vezes, queimada.
E qual é o segmento de nossa sociedade que age de maneira semelhante hoje em dia? É justamente uma parcela desprezível da imprensa. Parece-me que a exigência do mercado está fazendo com que as nossas instituições de ensino, não formem mais jornalistas preocupados com a responsabilidade pelas informações transmitidas, mas sim, meros caçadores de escândalos, tudo com vistas a vender um produto que se chama notícia. E ela naturalmente, deve vir recheada de sangue e de escândalos, ainda que ao custo da devassa da privacidade, intimidade, imagem e a honra de outras pessoas.
Basta a mais leve insinuação a respeito de um fato desabonatório a respeito de uma pessoa e pronto; esse tipo de imprensa nefasta não tarda em destroçar sua vida e jogar sobre ela pesadas acusações, deixando-lhe marcas que nem mesmo uma futura absolvição em juízo irão apagar. A pessoa ficará destruída diante de sua família, de seu círculo social e da comunidade como um todo.
Não é raro lermos manchetes como “absolvido o assassino de fulano de tal”. Ora, se o réu foi absolvido, ele naturalmente não poderá mais ser considerado o assassino, ao menos daquela vítima sobre a qual a manchete se refere. Afinal, o poder que tem a função de dizer o direito em última instância no caso concreto, é o judiciário e não a imprensa. Chamou-nos a atenção também aquela notória notícia de que um determinado “candidato ficha-suja” foi liberado pela justiça eleitoral para concorrer às eleições que se aproximam. É evidente que, se ao candidato foi permitido concorrer, ele não pode mais ser chamado de ficha-suja, eis que o órgão competente do poder judiciário deixou de assim considerá-lo.
A única diferença é que na santa inquisição, o objetivo principal era impor ao acusado um sofrimento físico em sua expressão máxima. Já, na imprensa inquisitorial, as acusações e condenações sumárias atingem as pessoas em seus bens imateriais bem mais caros, como a dignidade, o nome, a imagem, a honra e a integridade psíquica. Tudo em um plano da mais perfeita e conveniente assepsia como exigem os novos tempos.

Jorge André Irion Jobim. Advogado de Santa Maria, RS
http://jobhim.blogspot.com/

Jorge André Irion Jobim em novembro 2, 2010 10:58 AM


#26

Idelber,

Essa era uma eleição muito complicada para Serra e para qualquer candidato oposicionista. Para um tucano vencer por vias limpas, isso demandava um mea-culpa em relação aos erros dos anos 90, um novo programa para o partido e uma campanha propositiva e leal, que se não resultasse em vitória, gabaritaria o partido para se manter forte como oposição - coisa que não foi nesses últimos anos. ´

É claro que isso não aconteceu e dificilmente aconteceria. Não há condições junto aos financiadores, junto aos setores que apóiam o PSDB e, tampouco, dentro do próprio partido. Disso resulta uma construção discursiva obscurantista, inacreditável e irracional que opera em dois pólos: [i] o acirramento do desconforto da velha "classe média" - aqui no sentido de pequena-burguesia mesmo - frente ao novo alinhamento social com o desaparecimento do lúmpem-proletariado e o fortalecimento da classe trabalhadora; [ii] o uso de superstições e preconceitos dentro da própria classe trabalhadora como forma de atacar o projeto petista para, no fim das contas, tirar direitos da própria classe trabalhadora; a questão aqui não é debate sobre direitos individuais e da irresponsabilidade de seu uso eleitoreiro pelo PSDB, mas sim algo bem pior, de como isso foi utilizado para minar o apoio dos trabalhadores ao PT para retirar direitos...dos trabalhadores...

É evidente que houve um ampliação extensiva da consciência política durante os anos Lula, mas isso não se operou intensivamente. Eu quero dizer que a consciência política, em especial, uma embrionária consciência de classe foi expandida pelo Brasil adentro, mas isso não se aprofundou - e esse aprofundamento depende não só de medidas macro em educação e comunicações como a própria intervenção do PT junto às comunidades e não apenas às instituições. Do contrário, passaremos mais quatro anos com o PSDB brincando com questões morais no Nordeste - aborto, casamento gay - e com o preconceito contra nordestinos no Sul-Sudeste com alguma efetividade. Isso não significa doutrinação política, mas o PT tem de cumprir sua função histórica de modernizar o país - de baixo para cima.

Hugo Albuquerque em novembro 2, 2010 11:22 AM


#27

E, mesmo em São Paulo, a vantagem de Serra foi menor do que a vantagem nacional de Dilma (cerca de 9%). E, no entanto, correm a rotular que SP é dos tucanos (lembrando que Alckmin venceu com 50%, numa eleição eleição em que os outros candidatos, mesmo de direita,com exceção do PV, marcaram forte antagonismo ao PSDB).

Daniela em novembro 2, 2010 11:52 AM


#28

O mapa pode ser lido de diversas maneiras. Claro que os meios de comunicação - e aquela Cristiana Lobo, em especial, que dizia: faltam chegar os votos da zona da mata (expressão essa cunhada no primeiro turno) - prefiriram fazer a leitura do país dividido, reforçando a campanha de Serra...
a leitura que fiz foi a da luta de classes. Mesmo onde Serra ganhou (e nunca com a mesma margem de vantagem da Dilma no quadro nacional), podemos verificar que são os que realmente mudaram suas vidas pelas políticas sociais do governo Lula que votaram em Dilma. Eles, diferentes das classes média e alta, são solidários e querem oferecer ao país as mesmas oportunidades.
A burguesia fede, como já diria Cazuza.

adriana em novembro 2, 2010 1:09 PM


#29

Idelber, vc que é uma pessoa cheia de amigos por esse Brasil, poderia me explicar o que ocorreu no Acre? Como um estado que elegeu um governador do PT no primeiro turno - e pela 3ª vez consecutiva - dá 69% dos votos ao Serra? O PT do Acre não fechou com a Dilma?

Abraços!

David Neto em novembro 2, 2010 1:15 PM


#30

Concordo com o texto, ainda que a Globo, no dia seguinte, tenha voltado atrás e estampado na página do Globo.com que a tese do Brasil dividido não condizia com os fatos (é claro que isso era sumariamente necessário, uma vez que os números estão aí, objetivíssimos).
Agora, essa subreptícia tentativa de redenção do Zé Dirceu foi meio canalha, não?

Luiz em novembro 2, 2010 1:18 PM


#31

Isso por que esse tal de 'racismo' e essa tal de 'xenofobia' não existem em nosso país.

Remeto você Idelber (e a quem mais interessar) às minhas notas mais recentes sobre essa discussão:

http://www.observatoriodaimprensa.com.br/artigos.asp?cod=614JDB011
.
Acredito que você e os frequentadores daqui teriam contribuições importantes.

Arthur Santos em novembro 2, 2010 1:33 PM


#32

Zé Dirceu de show no Roda Viva.

E é impressionante como os jornalistas convidados eram mal preparados, mesmo os dois mais razoáveis, o da Carta Capital e o a Época.

Só tinham a apresentar acusações velhas, sem base, que qualquer pessoa bem informada conseguiria desconstruir facilmente. É como se fossem aquele amigo pentelho leitor da Veja, que nunca resiste a 2 minutos de argumentação.

E aí, Idelber, depois dessa entrevista você tá "desgostando menos" do Dirceu? =P

JG_ em novembro 2, 2010 2:06 PM


#33

Sobre a questão específica dos mapas, se o dos estados não faz sentido algum, mesmo o do Estadão - que é muito melhor, claro - tem lá seus problemas. Explico-me: A população brasileira, pelas razões históricas que bem conhecemos, está distribuída de uma maneira profundamente heterogênea, de modo que existem municípios territorialmente pequenos com muito mais eleitores do que os grandes - por exemplo, na zona noroeste da região metropolitana de São Paulo, o município com mais eleitores é Francisco Morato, embora ele seja o menor município territorialmente, ao contrário de Mairiporã, que é territorialmente maior, apesar de ser o segundo menor em eleitores na região. O impacto visual da vitória em Mairiporã, no entanto, é maior. E por aí vai. É claro que é válido ver a distribuição geográfica do voto, mas ela tem de ser vista com o distanciamento que a irracionalidade da distribuição da nossa população pelo nosso território exige.

Hugo Albuquerque em novembro 2, 2010 2:28 PM


#34

Agora que a mulher ganhou, vocês vão ter como missão defender o Dirceu? Cuidado, pessoal, não vão cair na mesma sensação de onipotência que tiveram antes do primeiro turno. Ajam com inteligência, privando mais pela moderação e sutileza. Lembrem-se do que respondeu o Dirceu quando insistiram com ele ontem para que falasse do que REALMENTE ele vivia (é uma dúvida que todo mundo tem): "eu tentei viver de palestras, mas aí a Veja estampou na capa a minha foto e a manchete OS QUARENTA LADRÕES, e quem iria mais me querer ouvir?"

Foi dito aqui de uma pretensa campanha para o ano que vem para cancelar assinaturas da Veja. A Veja ainda vende um milhão e trezentos mil revistas por semana, e tem o maior leque de patrocinadores do Brasil. Uma pergunta da Marília ontem foi capital: "Dirceu, então vc diz que nada de errado, afinal, aconteceu com o PT. Que todos ali são imaculados?"

Cautela, irmãos!

há de se ficar feliz com a vitória da Dilma, e somente dela. Carreatas, fogos de artifício, o velho povo celebrante celebrando o que?! A continuidade da usúria de uns poucos, a impressão insensata de que está se continuando uma libertação histórica da pobreza do país? Pensemos mais longe, embora dois ou três, ou quiçá um ano, passe na rapidez da alegria disparada pela efeméride: quando estourar a Bolha de Crédito encaçapada sob encomenda com o nome Dilma Rousseff. Hoje, qualquer um dos brasileiros que apresente uma conta de luz pode sair com uma Hilux nova da concessionária, e todos estão fazendo isso. Na cidade onde moro, com população de 40 mil habitantes, todo mundo tem carro zero, professores, funcionários de supermercados. Uma grande frota de carros ditos "finan" e "bode" (que são resgatados pelos bancos dos inadimplentes, e repassados sob as brechas das leis para as concessionárias, que os vendem por um quinto do preço) se espalha por aqui. A economia não vai aguentar. Considerem os outros produtos de menor monta, eletrodomésticos, contas de estocagem de carnes e suprimentos...tudo acumulando sobre o brasileiro "resgatado" da pobreza e enxovalhado na dita "nova classe média". Esperemos, companheiro, a grande bolha que jogará o nome da agora cultuada Dilma Rousseff para que o Lula volte como Dom João VI reencarnado e ungido em glória, o salvador da Pátria.

Parabéns a todos por tornarem os próximos anos, tempos tão interessantes!

vicente em novembro 2, 2010 2:28 PM


#35

Idelber,

Acrescento mais um detalhe: mesmo tirando as votações do NORTE e do NORDESTE, deixando apenas Sudeste, Sul e Centro-Oeste, ainda assim Dilma venceria por cerca de 275 mil votos.
Só o Sudeste dividido, mais Brasília, foram suficientes para ganhar de SP, Sul e Centro-Oeste, onde Serra ganhou por pequenas margens. Norte e Nordeste foram as cerejonas do bolo.
Ou seja, o preconceito contra nordestinos e nortistas não só é um absurdo por si próprio, mas também os preconceituosos não sabem somar 2 e 2...

Gilson em novembro 2, 2010 2:46 PM


#36

Vicente, eu recomendo pra você e seus amigos esse vídeo, como uma análise bastante esclarecedora de como serão os próximos 4 anos de governo: Dilma 2012

=P

JG_ em novembro 2, 2010 2:47 PM


#37

Excelente post, e em muito boa hora. Mas essa questão toda, pra mim, ainda é muito ignorada e desprezada por nós. Isso porque acho que as origens disso tudo ainda não foram exatamente digeridas pela nossa história, pelo contrário, parecemos estar numa constante indigestão quanto à formação de nosso país, quanto ao que é "identidade nacional", quanto a como viramos Brasil e quem queria que ele virasse Brasil. Quando olho pro passado e vejo que quase todos os estados tentaram se separar uma hora ou outra, a impressão que tenho é que fomos todos obrigados a engolir uma idéia de Brasil que não é de ninguém.

Maia em novembro 2, 2010 3:01 PM


#38

Maia, mas aí você remete a velha discussão de se o dito estado-nação agregador de uma etnia traz mais benefícios ou é mais danoso tanto para a tal "etnia fundadora", quanto para as minorias, que de qualquer forma irão aparecer.

Eu sou dos que acha que Israel é absolutamente emblemático quanto aos caminhos desastrosos que esse ideário de estado-nação étnico tende construir. Em alguns aspectos até Índia e China trazem bons referenciais de como esse mito é enganoso.

Tudo bem que nos últimos tempos o chamado multiculturalismo virou alvo de críticas de todos os lados. Mas tampouco esses críticos têm soluções fáceis pra casos de diferenças culturais mais gritantes, como na Bolívia, em que cada passo pra tentar acomodar greco-latinos e pré-colombianos acaba agredindo o Estado de Direito de um ou de outro. Bem, ninguém disse antropologia, sociologia e política eram moleza.

Mas definitivamente "Israel" não é a solução.

JG_ em novembro 2, 2010 3:23 PM


#39

JG_,

Eu tô convencido de que eu não sou representativo de nada (dito isso quero dizer, perdendo ou ganhando o meu voto, nada no cenário eleitoral muda)
Mas é essa desonestidade histórica, esse revisionismo de ocasião (que beija uma vitória incoteste, nas urnas, irrefutável), os quais teimam em aparecer como norma do discurso do Partido, que desanima gente como eu, a votar inconteste no projeto do PT.

A narrativa do mensalão teve political aims? Check.
A VEJA tinha interesses políticos nessa narrativa? Double check.
A tese da Veja de que o PT inaugurou um sistema de corrupção inaudito nos dois mandatos do Lula é falsa e de uso político? Check again.

Agora, esse revisionismo carochinha não dá, né.
Enfim, achei infeliz que o Idelber tenha trazido o Zé Dirceu à discussão da vitória da Dilma, porque dá margem a esse tipo de parênteses meu que de fato não tem nada que ver com a bela vitória da Dilma.

Luiz em novembro 2, 2010 3:44 PM


#40

Hildermes: em quem o Alexandre Nordari votou no primeiro turno, eu não saberia te dizer. O Alexandre Nodari, esse sim, votou na Marina. Uma pena que ele não estivesse do lado do "povão (...) escolhendo sempre o que é bom para si e a maioria", como não estava em 1994 e 1998, quando este tal "povão" escolheu, para si e para a maioria, o neoliberalismo, o desemprego, o arroucho salarial, a fome. "O povo é o mito da burguesia", dizia Glauber. Um pouquinho de dialética básica não faz mal a ninguém.

Alexandre Nodari em novembro 2, 2010 4:09 PM


#41

Gente, que comentário é aquele do Vicente #34?
É por acaso a Mayara Petruso travestida? Ou a "Sonsinha" ainda tendo ataques?
E entre José Dirceu e Tasso Jereissati, por exemplo, eu prefiro mil vezes o primeiro. É inocente, até prova em contrário. E não é grosso, obtuso, comoo o coronel do Ceará (nada contra ess belíssimo estadado).
No mais, Idelber, quando vai começar a campanha pelo boicote a anunciantes de alguns órgãos da velha mídia?

Abraços e estava ótimo o papo no twittcam (é assim que se escreve?) de ontem!

Otto em novembro 2, 2010 4:39 PM


#42

Luiz, você reconhece o papel deplorável da Veja, mas ainda assim introjeta o perfil do Dirceu que a própria Veja construiu.

O Mensalão não é uma mancha na história do Zé Dirceu, é uma mancha na história do PT.

Essa lorota de caixa dois a gente conta pra justiça, porque a ilegalidade foi só essa mesmo.

Mas nós petistas e simpatizantes sabemos muito bem que eticamente falando o que houve foi sim compra de votos. Pagar contas de partidos da base aliada, que só estão na base por causa dessa grana e de uns cargos, é sim comprar o apoio desses partidos, consequentemente comprar votos. Não é porque a compra de votos da reeleição do FHC foi mais explícita que o Mensalão deixa se ser o que foi.

Um petista dizendo o contrário, só está fazendo um esforço intelectual pra se enganar. "Ah, mas esse é o modelo de apoio político viável do Brasil atual mesmo, legitimado pela lei, e todos os partidos fazem". É, mas se você quer ir por aí, não levante o dedo pra falar da reeleição de FHC, porque, realpolitik à parte, os dois são compra de votos e igualmente repugnantes.

Voltando ao Dirceu, ele era só o articulador político de uma estratégia que toda a cúpula do partido conhecia muito bem. Se ele ou o Lula sabiam ou não das fontes do Delúbio só é relevante pro crime de caixa dois, mas não pra compra de votos. Se você quiser condenar o Zé Dirceu por isso, tem que condenar toda a cúpula do partido na época, e não "o líder da quadrilha", como colocava a Veja, querendo destruir a imagem do Dirceu na sucessão, antes de partir pra cima do Lula.

E não pergunte à Veja o porquê de muitos petistas não gostam do Dirceu, pergunte às tendências minoritárias do partido, que têm muitas histórias sobre o estilo rolo-compressor do Zé Dirceu nos congressos e articulações internas do PT. E as tendências mais esquerdosas ainda vão falar mal apontando o Dirceu como um dos artífices da guinada do PT pro centro ao longo da década de 90 - se bem que essa segunda crítica, pra mim, é elogio ao Dirceu, apesar de eu achar que o PT chegou perto demais do centro e tá na hora de dar uma recuada.

Enfim, você pode até não gostar do Zé Dirceu, mas não se baseie na vilanização promovida pela Veja e afins.

JG_ em novembro 2, 2010 4:42 PM


#43

Dilma assumiu compromisso de erradicar a pobreza extrema do Brasil.

É um compromisso ambicioso que concretizado significa derrubar o Apartheid Social construído pela "elite" canalha.

Só que para derrotar o atraso é necessários enfrentar as mentiras de seu porta voz: rede globo, fsp, veja, estadão...

Fabio Passos em novembro 2, 2010 4:46 PM


#44

Eu creio que qualquer debate sobre corrupção no Brasil que comece jogando a culpa do problema no colo de um único partido é não só uma insanidade sem tamanho - como também já está superado.

Hugo Albuquerque em novembro 2, 2010 4:57 PM


#45

David, sobre o Acre há que se ler o Altino Machado, é claro.

Idelber em novembro 2, 2010 5:04 PM


#46

Realmente não dá pra querer dividir o Brasil dessa forma. Acabo de ver uma matéria interessante no Vermelho [http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=140630&id_secao=1], mesmo sem o nordeste Dilma venceria Serra por uma diferença em torno de 1,3 milhões de votos (ou 0,9%). A votação tanto de Dilma nesse ano, quanto de Lula em 2006 merecem ser motivo de pesquisa aprofundada. Pois o que os números mostram não é exatamente um país dividido entre estados tucanos e estados petistas, mas sim o todo dividido entre classe média, teleguiada pela mídia oligopolizada, e classe baixa aliada aos diversos movimentos sociais.

Hudson Luiz em novembro 2, 2010 5:08 PM


#47

Ao que parece, o Tião Viana e o PT colhem o que plantaram no Acre. Mudaram o fuso horário do Estado só pra agradar a Globo. E esta ficou muito agradecida, não?

Eu sei o que é um fuso horário descabido sendo aplicado goela abaixo da população. Várias vezes isso já foi tentado aqui no Nordeste com o horário de verão. É uma violência absurda.

P.S.: como estamos muito perto da linha do Equador, praticamente não há diferença na duração do dia, seja no inverno ou no verão. Não há, portanto, qualquer argumento racional para a adoção do horário de verão.

Patrick em novembro 2, 2010 5:31 PM


#48

Excelente análise. O fato de a vantagem de Serra sobre Dilma em SP ter sido menor do que ele poderia ter (se SP fosse tão tucana assim) também não constou de nenhuma matéria que li.
Enquanto isso, a oposição se ilude. Olha o assessor da Soninha delirando nos números

http://tinyurl.com/2wxoog3

Ele só se esqueceu de que, se Dilma não foi endossada por 59% dos eleitores, a oposição não o foi por 69%!!

Daniel Nascimento em novembro 2, 2010 5:36 PM


#49

JG_,

Obrigado pelo tempo que tirou para a réplica.
Sua leitura então do Mensalão não é muito diferente da minha.
Mas a sua interpretação do escândalo tá longe das pouquíssimas concessões que o Zé Dirceu fez no Roda Viva. (um aparte aqui para dizer para os mal-intencionados de que é claro que eu não esperava nenhuma maior concessão da parte dele).
Mas o seu principal ponto, de que qualificar o caso como um simples episódio de caixa dois é faltar com a verdade, foi justamente o que o Dirceu continuou jurando de pés juntos.
Daí eu não entender o seu "Zé Dirceu deu show no Roda Viva"...
Mas enfim deixa eu reiterar que eu deploraria qualquer tentativa de qualificar o pleito da Dilma com retirências que remetessem ou a um passado poluto ou a um futuro tenebroso. Não compreendo porque o Idelber atrelou o comentário sobre o Zé Dirceu ao primeiro texto propriamente dito do Biscoito sobre a vitória da Dilma. (Me desculpa, mas quem leu aquilo e tem ojeriza pelo revisionismo canalha que nega a existência do mensalão só pode ter interpretado o post scriptum com suspeita)

Luiz em novembro 2, 2010 5:38 PM


#50

Fiz uma tentativa de analisar o mapa, embora a redação merecia ter ficado melhor. Minha avaliação é que infelizmente a surra poderia ser maior, e há vulnerabilidades que precisam ser trabalhadas.

http://www.andrekenji.com.br/weblog/?p=3017#comment-34942

André Kenji em novembro 2, 2010 5:47 PM


#51

Ilude-se quem achou que a vitória de Dilma traria uma trégua política. Eles vêm com tudo, agora jogando no projeto Aécio-2014. A alegria da vitória deve se transformar num ímpeto renovado para a atuação em blogs, no Twitter, em twitcasts e twitcams, ou em qualquer nova tecnologia disponível.

A luta só acabou para quem foi homenageado no dia de hoje.

A narrativa do país (perigosamente) dividido em dois é uma das técnicas safadinhas dessa turma, e também foi tratada num novo blog sujo, Os Piromaníacos da Política, em http://vamosincendiar.wordpress.com/

O Escritor em novembro 2, 2010 6:20 PM


#52

Otto, meu bom. Diante alguém que defende José Dirceu, só me resta concordar. É o que faço diante Testemunhas de Jeová e outros tipos de fundamentalistas fora de órbita, concordo e vou embora.

Abraços, e não vá se decepcionar muito. Dos que simulam pensar, voce faz parte de uma minoria. A seu lado tá a grande massa de iletrados e zé povinhos que compõe a quantidade de vítimas manipuladas pelo jogo politiqueiro. Comparar um blog de mil acessos díarios com veículos de imprensa realmente formadores de opinião como os jornais e revistas brasileiros, e achar que daqui se pode calá-los, bom... se vc passar vendendo revistinhas do templo por minha casa, p.favor, não entre.

vicente em novembro 2, 2010 6:35 PM


#53

JG_ (#42)
O que não são os olhos cansados...
Lendo de novo sua resposta eu percebo que os pontos em comum acordo são menores do que eu avaliei.
Quando tiver mais tempo eu qualifico melhor os pontos pacíficos e as discordâncias.
Mas só pra constar, não concordo que o único delito ante à justiça se deveu ao caixa dois.

Luiz em novembro 2, 2010 6:49 PM


#54

Luis,

eu disse que o Dirceu "deu show no Roda Viva", porque ali, em tudo o que ele foi indagado, ele apresentou bons argumentos. Em TODAS as perguntas, ele deixou os entrevistadores perdidos, sem saber como retrucar.

Sobre o Mensalão, questionaram o tempo todo o viés legal, o crime. E o único crime que houve foi o caixa dois, já que a lei brasileira permite partidos financiarem outros.

Em nenhum momento chegaram ao ponto chave do tema Mensalão, que é a questão ética. Eu não vi ali (e em nenhum outro grande veículo que cobria a crise na época) uma pergunta mais ou menos como: "Pagar pelo apoio de partidos fisiológicos não é o mesmo que compra de votos?". Dirceu não teria como fugir da discussão ética, exceto apontado pro outro, que é dizer que todas as coligações do Brasil fazem isso.

Mas o que se viu na entrevista, como eu disso no primeiro comentário quando elogiei a participação do Dirceu, é que os jornalistas estavam muito mal preparados, quando traziam uma acusação, era mal fundamentada.

Além do que, à parte a questão do Mensalão (que só tomou 1 dos 4 blocos do programa), o Dirceu defendeu a si e o PT muito bem em outros temas, com bons argumentos, diante das agressões patéticas do Augusto Nunes.

Voltando a história de vilanizar o Dirceu, eu insisto, ele não é o único culpado pelo Mensalão, e alguém que não goste dele por isso, não pode gostar também do Lula, ou de qualquer outro dos que compunham o núcleo de articulação política do governo na época.

Eu não gosto lá muito do Dirceu e, como muitos petistas, adorei o fato da Veja tê-lo tirado da linha sucessória do Lula. Mas por outros motivos (seu perfil truculento e centralizador dentro do partido, Dirceu era o Serra do PT), não por achar que ele é o grande culpado pela compra de votos do Mensalão, porque ele não é.


JG_ em novembro 2, 2010 6:55 PM


#55

Luis,

quando eu me refiro ao o único crime ser o de caixa dois (doações a partidos não registradas no TSE), eu não estou negando que juridicamente possam haver outros crimes atrelados, como evasão de divisas, sonegação de impostos ou sei lá mais o quê, não sou jurista, nem conheço muito da área.

Ainda assim, os crimes, a meu ver, estão relacionados à questão do caixa dois. Mas pra mim, o grande problema não foi o caixa dois (apesar de por si só isso já ser grave), mas a compra de votos.

No entanto, infelizmente, compra de votos, nesses termos, não é crime no Brasil. Mas isso não isenta o PT do delito ético. Essa é a questão central.

Se você tem argumentos que apontem pra outros crimes, compartilhe aqui conosco. Gosto de ouvir visões menos mistificadas dessa história, de um lado ou de outro.


========


Legal o texto do André Kenji.

O seu texto é importante, Idelber, desfazendo a tese inicial que alguns veículos propuseram pra se analisar o mapa dessa eleição. Mas eu senti falta da sua análise sobre mapa, Idelber.

Se o PT for achando que a legenda desse mapa é que "a classe média que assiste a grande mídia votou no Serra, mas 'o povo', que melhorou de vida, votou na Dilma", vai ser trucidado pelo Aécio em 2014.

Esse mapa precisa ser analisado muito minunciosamente. O texto do André Kenji é um bom caminho.

JG_ em novembro 2, 2010 7:18 PM


#56

Sim, falta uma análise minha do mapa, JG_, concordo. O mapa é complexo, cheio de nuances, falta muito por destrinchar ainda. Gostei de algumas das observações do André.

Idelber em novembro 2, 2010 8:02 PM


#57

Por tudo isso que você disse muito bem, precisamos ampliar o debate sobre a mídia no Brasil. Qual a comunicação que queremos? Discutir a ampliação das concessões televisivas e criar regras para aumentar a participação digital, valorizar as novas mídias e assim ampliar o poder da voz popular que foi tão importante nesse processo eleitoral e que precisa continuar viva e unida.

Um grande abraço,
Déborah Rajão
www.blogdaderborahrajao.blogspot.com

Déborah Rajão em novembro 2, 2010 8:03 PM


#58

Também acho urgente, Déborah, a regulamentação dos artigos da Constituição Federal que tratam das comunicações. Estão lá, esperando regulamentação até hoje.

Idelber em novembro 2, 2010 8:07 PM


#59

Seguindo a lógica dos estados azuis e vermelhos, já que os estados onde Serra teve mais que 50% dos votos são considerados "azuis", então o Brasil é vermelho, pois Dilma teve 56% dos votos.

Roberto Locatelli em novembro 2, 2010 8:19 PM


#60

JG, parabéns pelo comentário #42.

Foi das leituras mais lúcidas q vi acerca desse episódio.

Frank em novembro 2, 2010 8:50 PM


#61

Torço muito pela escolha de Luiza Erundina para o Ministério das Comunicações.

É a pessoa certa para enfrentar a máquina de propaganda do atraso no Brasil.

Confiram:

"Erundina Comunicação Confecom"
http://www.youtube.com/watch?v=567eyhzZUSU

Fabio Passos em novembro 2, 2010 8:57 PM


victor da rosa em novembro 2, 2010 9:11 PM


#63

Vá com Deus, Vicente (#52). Não vou perder tempo com quem se serve de expressões como "grande massa de iletrados e zé povinhos". Vá conversar com a Mayara Petruso ou alguém da KKK ou da TFP, seitas muito melhor aparelhadas para interpretar o nosso atribulado mundo contemporâneo, onde nordestinos, mulheres e metalúrgicos infelizmente não conhecem mais o seu lugar.

Otto em novembro 2, 2010 9:29 PM


#64

Vai rolar, Otto (#41), deixa passar um pouco a ressaca eleitoral, uns posts sobre literatura e música, e a gente dá início ao processo :=)

Idelber em novembro 2, 2010 9:45 PM


#65

Esse papo de divisao e conversa fiada,a verdade e que a rede globo e associados pig,esta com uma dor de cotovelo pela derrota que nao tem tamanho,primeiro porque acho que a partir de agora as coisas para a rede globo nao ficarao muito boa, algo vira do lado do governo dilma o que eu nao sei,alem do mais todo mundo esta esquecendo que o pig agora nao tem mais o monopolio da comunicaçao e isto ficou provrado nestas eleiçoes com tudo que eles jogaram em cima da dilma nada conseguiram dos seus objetivos de eleger serra.Alem da internet tem agora gente A tambem agora poderosa Rede Record nao foi a toa que a presidente deu sua primeira entrevista exclusiva para a Record e grupo,nao minha gente o pig daqui pra frente nao tera moleza e nem sera facil manipular mais o povo brasileiro.eles podem espernear bufando e fazendo alguma bravatas,mas daqui pra frente acho que eles so irao ladeira abaixo em audencia e credibilidade. Abraços a todos.

Wilson Garcia em novembro 2, 2010 9:46 PM


#66

É importante desconstruir a análise segundo a qual Dilma foi eleita apenas com os votos do Nordeste. É mais importante desconstruir a tese, por trás dessa análise, segundo a qual a eleição de Dilma deveu-se a uma suposta compra dos votos das populações mais pobres do Brasil pelo Bolsa-Família, interpretado não como um dos mais bem-sucedidos programas de transferência de renda do mundo, mas como uma esmola. Acima de tudo, vale ressaltar que a eleição de Dilma seria legítima, se ocorresse apenas com os votos do Nordeste ou apenas pela vontade daqueles que foram beneficiados pelo Bolsa-Família. Ou vão me dizer que "as elites brancas paulistas" não votam por interesse, mas por puro e desinteressado altruísmo?

Odisseu em novembro 2, 2010 10:19 PM


#67

Bem, divisão de votos por região é natural em qualquer democracia. País em que um candidato tem o mesmo percentual de votos país afora não é democrático ou não existe.

E sem pesquisas de boca de urna por estado fica dificil uma análise mais detalhada. Minha impressão pela tabulação por cidades é que Dilma venceu mesmo na Zona Rural do interior do Sudeste, e perdeu nas cidades. Mas posso estar enganado.

Há vulnerabilidades também, infelizmente.

André Kenji em novembro 2, 2010 10:49 PM


#68

É, Idelber, é preciso deixar passar essa ressaca eleitoral, com altos piques de ansiedade, nos quais cheguei a temer pelo futuro de nosso belo e desigual país, que só agora parece sair de sua posição subalterna.
Mas, realmente, pra descontrair, alguns posts de música e literatura vão bem. Aliás, sou professor de literatura na capital mais tucana do Brasil :-)
E bola pra frente que o PIG, nesta aparente calma, está apenas reagrupando forças pra ataques futuros. Aliás, pra evitar desgastes desnecessários do governo, boa parte dessa luta anti-hegemônica deve ser nossa.

Otto em novembro 3, 2010 12:15 AM


#69

É, Idelber, é preciso deixar passar essa ressaca eleitoral, com altos piques de ansiedade, nos quais cheguei a temer pelo futuro de nosso belo e desigual país, que só agora parece sair de sua posição subalterna.
Mas, realmente, pra descontrair, alguns posts de música e literatura vão bem. Aliás, sou professor de literatura na capital mais tucana do Brasil :-)
E bola pra frente que o PIG, nesta aparente calma, está apenas reagrupando forças pra ataques futuros. Aliás, pra evitar desgastes desnecessários do governo, boa parte dessa luta anti-hegemônica deve ser nossa.

Otto em novembro 3, 2010 12:16 AM


#70

Alguém aí tem como entrar em contato com os Portais que colocaram aqueles mapas a exemplo do IG, q irresponsavelmente pinta de Azul algo q é irreal!!!Onde está a parte Vermelha e Azul q cabem a ambos candidatos em todo os Estados? Votos pró-Dilma 2°Turno Sul/Sudeste: RJ/60,4% MG/58,4% ES/49,1% RS/49% SP/45,9% SC/43,3% Alguém tem q denunciar tb tais portais e sua imensa irresponsabilidade, q só fomenta esse tipo de preconceito asqueroso!

@Fernando_YC em novembro 3, 2010 12:18 AM


#71

Pelo jeito, de agora em diante teremos que desmontar teses golpistas como a que foi desmontada nesse post. Por sinal, Idelber, sabe a última daquele nosso ex-amigo que se notabilizou por um blog apócrifo? Ele cometeu um post intitulado "Dilma foi rejeitada pela maioria do eleitorado". Qual a mágica do sujeito? Confrontou os votos de Dilma com a soma de votos Serra mais brancos mais nulos... Enfim, tem gente que não tem medo de passar ridículo!!!

Ricardo Montero em novembro 3, 2010 1:08 AM


#72

O Sr. W. Waack que seria cômico se não fosse um personagem trágico, um corvo, afirmou que a imprensa criou o mito Lula e que ele se voltou contra ela. Desconheceu toda trajetória do Lula, suas lutas sindicais na época da ditadura, a fundação do PT, sua eleição e seu desempenho na Presidência da República como o melhor e mais popular presidente da história etc., desconheceu que na verdade a imprensa não deu contribuição alguma ao mito Lula, muito pelo contrário.

Esse duble de jornalista ainda teve o desplante de afirmar, na mesma ocasião, que "a imprensa existe para controlar o governo" (sic). Quem ele pensa que é? Será que ele acha que jornalistazinhos de terceiro time como ele próprio, A. Nunes, M. Pereira ou outros fiéis servidores do oligopólio midiático patronal da direita excludente teriam alguma condição moral, ética ou preparo para controlar um governo?

Cruzes!

Chico Cerrito em novembro 3, 2010 1:18 AM


#73

Idelber e demais comentaristas,

Todas as análises que tenho lido aqui nos comentários e em outros blogs tem o mesmo problema e, por isso, não merecem minha credibilidade. O que me incomoda é que os analistas partem do resultado ao qual querem chegar para depois articular as estatísticas de modo a confirmar aquilo que queriam dizer desde o início. Isso serve para todos, de direita e esquerda, e tem acontecido durante toda a eleição.

Por isso a gente tem opiniões tão variadas sobre as eleições, 33% baseadas no bate-papo atravessado da esquina, 33% baseadas no que foi lido no facebook do primo da concunhada do irmão do papagaio e outros 34% baseados na opinião do próprio comentarista. Isso considerando apenas os votos válidos.

Idelber, gostei dessa sua análise porque não busca entender a cabeça de todos os eleitores considerando que o Brasil inteiro tem somente um ou dois motivos para escolher um ou outro candidato. A gente está se distanciando cada vez mais da era industrial e da cultura de massa, graças à internet. Isso significa que os comportamentos estão se diversificando. São múltiplas identidades culturais convivendo e milhares de grupos com razões e motivos para ter suas ideologias. Vamos evitar simplificar as coisas.

Um abraço,

Paulo Morais em novembro 3, 2010 2:00 AM


#74

O país realmente está dividido: 97% de um lado, 3% do outro.

marcos nunes em novembro 3, 2010 8:32 AM


#75

JG,

"Enfim, você pode até não gostar do Zé Dirceu, mas não se baseie na vilanização promovida pela Veja e afins."

Realmente, primoroso comentário lá no 42. A demonização é coisa natural em qualquer país, olha aí o que tá havendo nos EUA que culminaram nas eleições de ontem. A questão da Veja é que, apesar do ultradireitismo nojento que ela tem (desprezou o Saramago na morte, com uma notinha de rodapé, e quanto ao Llosa, fez uma matéria cheia dizendo ser ele o "perfeito intelectual" _ nada contra o Llosa, que gosto muito)ela ainda é um veículo do qual podes-e acusar de tudo, mas não de subverter fatos. Subverte opiniões, mas não fatos. Se vc está com o lado da lucidez, JG, se vc é um dos que VIU que o Serra realmente foi agredido mais que por uma bolinha de papel (naquele episódio que mostrou o quanto foi ridícula a campanha do segundo turno), já deve saber disso. Eu leio religiosamente a Veja e a Carta Capital. Essa última às vezes tem artigos prodigiosos _ há um sobre a lei da anistia, publicado há dois anos, que é um dos melhores textos jornalísticos que li na vida, coisa que a Veja não consegue _, mas, em seu partidarismo, é tão repugnante quanto a Veja. Taí que ficou mal defendido pelo Mino a acusação de que estivesse recebendo verba federal. O que esse "afins" do seu comentário. O Dirceu querer colocar cabresto na imprensa e sair dizendo que isso existe na França (!!!)_ logo na França_ e na Inglaterra ? É de rir muito. Já existe regulamento jurídico contra o abuso de poder da imprensa, e é um artigo do código penal contra calúnia e difamação. Por que então o Dirceu não recorreu a ela contra a Veja e afins, já que se viu enredado numa campanha paranóica pérfida de perseguição? Não cola JG.

Otto, a corja sempre existirá, o zé povinho também. Tem a ver com a condição social à medidade que os governos desde FHC destinam apenas 2,5% da verba federal para a educação.

vicente em novembro 3, 2010 8:38 AM


#76

O jornal Gazeto do Povo, de Curitiba traz um mapa que desmonta essa dicotomia Centro-Sul X Norte-Nordeste

Permite muma vizualização bem mais verdadeira das eleições presidenciais

Este é o link
http://www.gazetadopovo.com.br/votoconsciente/dilma/conteudo.phtml?tl=1&id=1063758&tit=Dilma-venceria-sem-o-Nordeste

Luiz Herrmann em novembro 3, 2010 9:55 AM


#77

Assim como eu vi ali em cima gente dizendo que perdeu amigos, eu posso dizer que eu quase perdi meu namorado por causa das eleições.

Ele é tucano convicto (graças aos pais, mais velhos, que injetaram nele a ideologia da classe média da década de 60) e eu sou esquerdosa e totalmente anti-neoliberalismo.

Com a minha semi-militância, primeiro pró-Marina e depois pró-Dilma, meu tucaninho esteve a ponto de explodir de raiva a qualquer momento. Agora, com a vitória da Dilma, ele e a família toda estão praticamente de luto. E não adianta mostrar números, constatações, discurso do meu pai dizendo o quanto ele tem a reclamar de governo do PSDB e elogiar governo do PT, meu namorado não aceita que as coisas melhoraram e iriam retroceder se o Serra ganhasse.

Mas como se diz, os opostos se atraem e eu (estudante de Letras, atleticana e esquerdosa) tinha que ter mesmo essa sina de gostar de um estudante de Engenharia (!), cruzeirense (!) e tucano (!). Tudo aquilo que não se discute...


Digo isso só pra exemplificar como as coisas estão em alguns lugares... Mesmo pessoas muito inteligentes caem na lábia do Serra por coisas pequeninas ou simplesmente por acreditarem na ideologia da classe dominate...

Bárbara em novembro 3, 2010 10:12 AM


#78

Caro Idelber, recomendo a leitura da crítica feita por Carlos Moura ao editorial do jornal O Globo.

http://www.rodrigovianna.com.br/radar-da-midia/carlos-moura-pergunta-pra-que-assinar-o-globo-um-jornal-que-desqualifica-os-eleitores.html

Felipe Machado Cardoso em novembro 3, 2010 10:36 AM


#79

Ih, vicente (#75), sai dessa.

Porque eu tenho críticas ao modelo de coligações brasileiro que favorece o fisiologismo, com PT incluso, isso não me coloca na turma anti-PT.

Eu acho o PT o maior partido país, mais bem fundamentado ideologicamente, com o melhor projeto pro Brasil e com os melhores quadros técnicos e políticos da esquerda. Não é a esquerda que eu queria, mas esquerda o suficiente pra conseguir chegar ao poder sem ressuscitar fantasmas vermelhos nos eleitores, e pra trazer mudanças significativas emquanto está no poder.

Mas, vamos lá, você quer converçar, vamos converçar. Vamos ver no que eu concordo e no que eu discordo de você:

-Não, não acho que a Carta Capital e a Veja estejam nem perto de ter o mesmo perfil, só que de sinais trocados. A Carta Capital é infinatamente superior à Veja. A Veja subverte as regras mais básicas de um jornalismo ético: checar pautas a fundo; não distorcer o depoimento dos entrvistados; entrevistar o acusado nas matérias; não publicar acusações de uma única fonte e com interesses no caso. Enfim, lá no corredor de jornalismo da faculdade, a Veja é piada pronta do mal jornalismo, mesmo entre os liberais.

-Sim, o Serra foi agredido. E é condenável qualquer agressão que seja a candidatos, seja com bolinha de papel ou fita crepe. O problema é que o próprio Serra se fez de vilão quando era a vítima. Fez um papel patético, ao dizer que passou mal mesmo tendo caminhado tranquliamente por uns 20 minutos mesmo depois do tal segundo momento, da fita crepe (tendo existido ou não), e fez ainda pior ao fazer 2 tomografias e alardear na imprensa, mesmo não tendo nenhum ferimento na cabeça, ematoma, arranhão, coisa alguma. Enfim, a ridcularização do Serra foi mais do que merecida, apesar que o fato de se jogar bolinha de papel ou o que quer seja em qualquer candidato seja algo condenável.


-Não, o PT não quer "amordação a imprensa". Se você viu a entrevista do Dirceu, deve ter reparado quando ele deixou bem claro que regulamentar a área não tem nada a ver com controle de conteúdo. Sou totalmente a favor da regulamentação dos artigos da constituição sobre comunicação, da proibição da propriedade cruzada, de um teto para a porcentagem de audiência máxima que um único veículo pode ter no rádio e na tv (concessões públicas), um conselho que tenha função de analisar e produzir relatórios de transgressões à lei e aos direitos humanos... Enfim, por em prática a constituição não é controle de conteúdo. E o PT não quer controle de conteúdo.

Agora, eu não devo estar parecendo tão lucido assim, vicente. Não queria decepcioná-lo como baluarte da lucidez, mas eu sou de esquerda, cara, penso como esquerdista.

JG_ em novembro 3, 2010 10:37 AM


#80

Idelber, sou geógrafo e publiquei um artigo no site Página Cultural, em que analiso a distribuição regional dos votos nas últimas eleições:

:http://paginacultural.com.br/artigos/anatomia-do-voto/

Luis Bustamante em novembro 3, 2010 11:44 AM


#81

Só uma perguntinha pra Lesma Lerda - ou seria pro? - sem internet também? Duvido...
Vixe, menino, nós nordestinos estamos com essa bola toda? Eu da minha parte gosto de pensar que sim, nós podemos dar uma lição nessa gente que acha que se acha melhor do que nós. Que nada, temos orgulho de ter contribuído muito pra eleger a presidenta conterrânea do Idelber. Assim como temos orgulho de nosso sotaque, de nossa cor, de nossa cultura. E não é que bem antes dessa história toda o poeta popular já tinha cantado essa separação do Nordeste? Nordeste Independente, do pernambucano Ivanildo Vilanova e do paraibano Bráulio Tavares, com Elba Ramalho.
Só pra colocar leveza neste debate, Imagine o Brasil ser dividido e o Nordeste ficar independente: http://www.youtube.com/watch?v=C8JOf7pwl3A&feature=player_embedded

Socorro em novembro 3, 2010 12:27 PM


#82

Ô Vicente (#75): "a corja sempre existirá, o zé povinho também. Tem a ver com a condição social à medidade que os governos desde FHC destinam apenas 2,5% da verba federal para a educação."
Meu chapa, no ano passado a verba destinada à educação já beira 5% do PIB. No último ano do FHC universidades como UFMG e UFRJ não tinham nem grana para pagar as contas de luz e água. Hoje, em qualquer federal (mais 14 novas!!), abundam recursos, obras, bolsas e concursos (ah, passei num). Sem falar nos instituos federais: meu filho estuda num e sei do que estou falando (onde vc. viu um professor do ensino médio com doutorado e recebendo sete paus?
Quanto a "corja e zé povinho": acho que uma Mayara Petruso e seus congêneres na internet, muitos dos quais com faculdade, não tem uma gota da dignidade, educação e espírito de solidariedade que muita gente boa da periferia!
Aliás, solidariedade é algo que se encontra muito mais entre os pobres que entre os ricos. Visite uma favela, um bairro popular e veja.

Otto em novembro 3, 2010 12:41 PM


#83

E a versão mais completa, com o próprio Ivanildo. Pra quem curte uma cantoria:
http://www.youtube.com/watch?v=8sMbm2EIMg8&feature=player_embedded

Socorro em novembro 3, 2010 12:43 PM


#84

Alguem devia lançar a hashtag osudestefoidedilma

Arthur em novembro 3, 2010 1:21 PM


#85

Otto, também sou funcionário concursado há oito anos. Concluí meu curso de universidade no período do FHC. Havia muito medo e repúdio contra o FHC pelo risco constante de privatização das universidades federais (fui aluno de uma). Porém, nesse período, houve uma grande conversão em massa de professores mestrandos (pelo menos da UFG, onde estudei) para dazerem seus doutorados. Havia salas especiais cheias desses velhos professores, todos entusiasmados pelo doutorando facilitado. Não sei quais são esses professores de ensino médio ganhando sete mil reais, meu chapa, se fores um desses, silêncio para eles não descobrirem o erro nas contas. Abrir universidade não é o mesmo que distribuir qualidade de ensino superior: em meu estado há a UEG, um elefante obeso que paga 650 reais para professores contratados (com mestrado), e 2000 reais para professores concursados. Gostaria de saber onde tirou essa informação de 5% para a educação. O Lula corroborou com a negativa de seu antecessor em não dispor mais que 2,5%. Quer comprovar? ande pelas escolas públicas e veja por si mesmo o grande crime que acontece por lá. O ensino público no Brasil ainda é um dos piores do mundo. Quem precisa de universidades que são erigidas só para se ter o nome de seu beneficiador numa placa? Quantos saiem diplomados para aumentar a fila dos desempregados no Brasil?

JG, a Carta é tão ruim quanto a Veja, meu chapa! O mino bater boca com seus desafetos com aquela truculência toda própria dele, chegando ao cúmulo da monstruosidade em dizer que do Mainard só se pode esperar isso: paralisia cerebral, de quando nasceu o filho do Mainard com paralisia cerebral. Escrever em seu editorial que dali para frente só iria conversar com o Dines através dos tribunais, com a empáfia de um oligarca da mídia que ele pensa que é. Em todos os corredores de universidade só se vai escutar mesmo essa cantilena retrógrada de "esquerdistas" acadêmicos estacionados no tempo, avessos a qualquer abertura para a autocrítica, eternos adolescentes que almejam ser John Reed e que só se tornam mesmo velhos professores agarrados a seus brinquedinhos ideológicos. Na univesidade encontrei muito desses tipos, JG, gente que ainda achava válido o Sartre distribuir panfletos do Mao pelas ruas. Enquanto a intelectualidade de peso européia reavalia a esquerda, a importância de um estado previdenciário desvinculado a paixões partidárias (como na Esacndinávia _ ver Judt, no capítulo sobre socialdemocracia do "Pós Guerra"), o acadêmico brasileiro quer a posura, as doces ideias feitas. Eu também sou de direita, mas a direita do Abex Jr, do Hélio Bicudo e do Frei Beto. Não a do Chico, a do Boff. A única coisa que a universidade como elemento de independência intelectual me proporcionou foi virar as costas para ela e seguir meu rumo, pois tudo que se faz na universiadade brasileira são experimentações com o obsoleto, conversas com a parede.

vicente em novembro 3, 2010 1:47 PM


#86

Errata: de esquerda, a do Frei Beto, patati patata...

vicente em novembro 3, 2010 1:50 PM


#87

Olá, Vicente:

não, não sou funcionário concursado. Apenas passei num concurso dessas novas universidades federais. Por isso eu sei que elas existem verdadeiramente. Passei em quinto, um só foi chamado. Eu era o único não-doutor desses cinco aprovados. Mas não importa, com a Dilma os concursos vão continuar e no começo do próximo ano concluo meu doutorado. No momento, treino como prodessor substituto aqui no Paraná, com um salário de que não dá pra reclamar, e concluo a minha tese.
Quanto aos professores de ensino médio recebendo R$ 7.300,00, em qualquer Instituto Federal é este o salário pro cabra com doutorado. E o "apedeuta" inaugurou 214 desses institutos nos seus oito anos. Mais que todos os presidentes antes dele! Agora, quanto ao ensino fundamental e médio no Brasil, vamos convir, grande parte da responsabilidade pela qualidade sofrível é dos estados e municípios. Não botemos tudo na conta do Governo Federal. Aliás, veja quanto São Paulo, o estado amis rico da federação, paga para seus professores (que ainda ganham de brinde borracha no lombo).
Bom, a UEG é éstadual, não é? E de quem é o governo aí?
Quanto aos 5% do PIB na educação olha aí:
"O gasto público com educação no Brasil, como proporção do Produto Interno Bruto (PIB), cresceu de 4,7% para 5% entre 2008 e 2009, de acordo com levantamento do Ministério da Educação (MEC). O ensino básico registrou o maior aumento nos investimentos, segundo o ministro Fernando Haddad."
E olha o link, segundo nos ensina o mestre Idelber:
http://www.corecon-es.org.br/noticias/3889-investimento-publico-no-ensino-chega-a-5-do-pib-.html
Enfim, quanto a sua frase: "Quantos saiem diplomados para aumentar a fila dos desempregados no Brasil?"
Meu Deus, o desemprego está em 6,2%! (10% nos EUA e 20% na Espanha.) E o Lula pegou isso com 12%.
No mais, você votou no Serra mesmo? Caso sim, você acredita realmente que com ele os serviços públicos estariam melhores?
Abraços, meu chapa!

Otto em novembro 3, 2010 4:20 PM


#88

Rapaz... Imperdível!

Mais uma vez Lula humilha fhc:

"A bola está com a senhora, dona Dilma"
http://www.youtube.com/watch?v=AsD30Ixxkwo


Lula esfrega na fuça desta "elite" caquética que foi superior a fhc como presidente... e será também como ex-presidente.

Lula é um gigante.

fhc um anãzinho que precisa pular para relar nas canelas do Lula.

Impressionante...

Fabio Passos em novembro 3, 2010 5:42 PM


#89

O mal para a incoerência raivosa dos discursos neste blog (eu incluso) é que lá pela réplica as chances dos opositores se tornarem amigos é grande. Assim não há ódio que sobreviva. Anotei seu link, e vou investigar se não são estatísticas oficiais. Não Otto, não votei no Serra. Moro aqui na minha cidade há doze anos e nunca transferi meu título de Goiânia para cá, por isso justifico, ou deixo de votar por todo esse período. Não votei por duas vezes, após descobri que a multa é de apenas 3 reais. Achei a Dilma e o Serra bem ruinzinhos _ uma empurrada como estepe (não vai ficar ofendido com isso, cara, é apenas minha parca opinião pessoal), o outro um atraso sob encomenda. Como não havia alternativa, acho que de toda a forma a menos perniciosa, num primeiro momento, é realmente a Dilma. A alternativa seria a manifestação do desagrado através do voto facultativo, com uma grande abstenção _ o que, na versão possível, acabou acontecendo com os votos de desagravo para a Marina.

Me enerva apenas a acriticidade em torno dos interesses do PT, e isso não faz bem para ninguém. Não há cara mais liso que o Dirceu. Assistindo ao Roda Viva, bebi toda a plenitude do carisma profissional do cara. A começar por aquele sotaque provinciano que ele tem. Lembra a todo mundo um tio avô inexistente mais muito querido. É tão natural que me nego a compactuar a crítica de alguns de que se trata de uma estratégia treinada. Até certo momente eu comecei a ter medo de gostar do cara. Dá vontade de passar a mão no cabelo dele e lutar ferrenhamente contra todos os porcos que inventaram calúnias contar ele. Nisso que tem-se que firmar o pé e pensar com firmeza, e ver que por detrás do cara tem uma profunda história mal contada, velados interesses cartelizantes e pessoais que nada tem a ver com seus discursos revolucionários propagados na infância. O FHC foi de uma integridade desconcertante ao ser o único com coragem entre os homens públicos a dizer "esqueçam o que escrevi". O Dirceu é uma asceta do ego´simo descomedido num grau muito mais prejudicial do que gente como o Fernando.

Se vocês procurassem ver com menos participação do partido, procurariam saber que diabos de aceitação da França e da Inglaterra a favor do controle da imprensa é essa que o Dirceu falou. A lei sobre Publicação Obscena de 1959, por exemplo, instituída no Reino Unido, na verdade foi uma arranjo inteligente da oposição para burlar a excessiva censura que tinha-se por lá. Graças a ela, e sua regra básica de toda obra censurada poderia ser liberada se fosse interessante para a ciência, a literatura e as artes, que O Amante de Lady Chaterly foi finalmente liberada após décadas _ um trabalho astucioso da editora Pinguim. A França repetiu essa lei, no final dos anos 60. Ou seja, na perversão do discurso do Dirceu, tais leis foram feitas para regulamentar a imprensa. Na verdade, elas foram um ardil para desregulamentá-la.

vicente em novembro 3, 2010 6:00 PM


#90

Sobre regulamentação da mídia, eu recomendo que leiam os dispositivos constitucionais que tratam de comunicação social antes de falarem qualquer besteira. Questões como a proibição de propriedade cruzada dos meios de comunicação já é assunto pacificado pela Assembleia Nacional Constituinte - constituída por um número verdadeiramente muito pequeno de petistas -, apesar de que tenham deixado a regulamentação da matéria - a Lei Complementar referente - nas gavetas do Congresso. Por isso o jurista Fábio K. Comparato redigiu uma ADIn por omissão contra o Congresso Nacional. Qualquer acusação contra o PT que não passe por uma crítica à sua omissão em relação à regulamentação da matéria é puro cinismo ou ignorância em estado puro. Liberdade de Imprensa não é infinita e está entrelaçado com o direito dos cidadãos de terem informação plural e de qualidade - é isso que está em jogo aqui. Essa conversa mole de "controle da mídia", "censura" e o escambau é conversa fiada para proteger o interesse do oligopólio midiático em ditar a informação - e nada mais.

Outro ponto que me cansa a ponto de provocar enfado é a questão da corrupção. Qualquer debate sério deve passar pela maneira como Estado brasileiro está organizado, como ele se relaciona com a sociedade brasileira e como funciona um tentáculo particularmente importante dele chamado "sistema político-partidário" - imputar unicamente ao PT o problema da corrupção sistêmica do Brasil é oportunismo eleitoreiro, o tipo de fantasma que a oposição levanta com o objetivo claro de erodir o debate e conseguir seu espaço (e desconfio que essa oposição não consiga fazer melhor em se tratando do que ela e a quem ela serve, embora mantenha minha fé inabalável na humanidade).

Hugo Albuquerque em novembro 3, 2010 7:12 PM


#91

1-) Eu acho que o Brasil deveria adotar uma regulação de mídia proxima que aquele país socialista, os Estados Unidos, adotam. E isso incluiria exigência da maior parte da programação regionalizada.

Melhor ainda, syndication. Qualquer um poderia montar um canal sem maiores custos.

2-) Não gosto da Carta Capital, em especial atualmente, mas ela não é Veja. A Veja é uma versão tosca e do mundo bizarro da revista de informação semanal de mainstream(É uma versão histérica e mais pobre das semanais italianas e da Time), já a Carta Capital é a típica revista de opinião de esquerda(Uma New Republic mais pobre).

Na verdade, as semanais brasileiras tendem a ser revistas de informação ruins, mas a Veja é algo ainda mais bizarro.

André Kenji em novembro 3, 2010 9:19 PM


#92

Idelber, comecei a acompanhar seu blog nas eleições, e me empolguei para fazer o meu. Dê uma olhada, promero que vou melhorar a aparência.

http://otenordesempregado.wordpress.com/

thor em novembro 3, 2010 11:44 PM


#93

Pequeno bate-papo com um amigo que está na Suécia estudando..

(11:57:53 PM) Lucio Maciel: http://luciofm.wordpress.com/2010/11/04/e-a-estupidez-humana-e-da-classe-media/
(12:03:24 AM) fulano: boa
(12:03:27 AM) fulano: eu li o anterior
(12:03:56 AM) fulano: eu acho engraçado que o povo reclama do bolsa “esmola”
(12:04:22 AM) fulano: tipo
(12:04:34 AM) fulano: aqui quem não tem emprego é sustentado pelo governo
(12:05:13 AM) Lucio Maciel: claro tche… classe media burra… a gente sustenta eles, como acabar com isso
(12:05:18 AM) Lucio Maciel: 1) matar eles.
(12:05:27 AM) Lucio Maciel: 2) integrar eles a sociedade
(12:05:28 AM) fulano: e, até onde sei, quem recebe muito pouco, ganha grana do governo também
(12:05:55 AM) fulano: além disso, estudantes universitários ganham dinheiro mensal também
(12:05:56 AM) Lucio Maciel: porra, o maximo que uma FAMILIA pode ganhar de bolsa familia eh 200 reais…
(12:06:09 AM) Lucio Maciel: um pai de familia que para de trabalhar por isso, eh pq era escravo antes…
(12:06:11 AM) Lucio Maciel: soh pode
(12:06:22 AM) fulano: verdade
(12:07:05 AM) fulano: olha só
(12:07:46 AM) fulano: só pra estudar, o pessoal aqui ganha 1000 reais por mes
(12:08:10 AM) Lucio Maciel: eh e aqui, uma familia inteira ganha 200 reais por mes pra SOBREVIVER…
(12:08:28 AM) fulano: e ainda pode receber outros 1000 reais mensais de emprestimo com juros mais baixos que a poupança no brasil
(12:27:17 AM) fulano: ah
(12:27:25 AM) fulano: universidade aqui é gratuita
(12:27:31 AM) fulano: todas
(12:27:57 AM) Lucio Maciel: todas???
(12:28:01 AM) fulano: sim
(12:28:02 AM) Lucio Maciel: nenhuma particular?
(12:28:08 AM) Lucio Maciel: e escolas?
(12:28:10 AM) fulano: sim, eu estudo em uma
(12:28:16 AM) fulano: é gratuita
(12:28:19 AM) fulano: escola eu não sei

Lucio Maciel em novembro 4, 2010 12:33 AM


#94

Poise, e quando eu falo coma minha sogra (que tem mentalidade de classe media da decada de 60) que nos EUA nao tem saude publica e que a gente devia agradecer que aqui ainda tem SUS, ela nao acredita.

Se eu nao me engano, ensino basico aqui no Brasil eh responsabilidade dos municipios e ensino medio eh responsabilidade dos estados, enquanto a uniao fica com ensino tecnico e superior. Claro q tem as excecoes: escolas de ensino tecnico tb sao de ensino medio, existem universidades estaduais e por ai vai.

Tambem nao sei como que funciona a questao das verbas, mas eu acho que a verba da escola municipal eh bancada pelo municipio e etc etc.

Entao vc nao pode por a culpa da educacao basica/media na uniao, nao quando os estados e municipios tem uma parcela muito maior na culpa. Claro q o MEC tem culpa em tudo que tem a ver com educacao.

Barbara em novembro 4, 2010 9:30 AM


#95

Idelber Avelar,
Não tenho muita resistência a divisões. Tenho mesmo a minha. Eu divido o Brasil em duas correntes: a getulista (A favor do Estado forte) e a anti-getulista (A favor da sociedade (ou dos empresários forte). Depois divido cada corrente em direita e esquerda. A base fundadora do PT para mim era anti-getulista e de esquerda. Eu disia que o getulismo estava no Rio Grande do Sul, no Rio de Janeiro, em Minas Gerais (Eu simbolizava o getulismo em Minas Gerais por Tancredo Neves) e no Nordeste. E o anti getulismo tinha sua base em São Paulo e em Minas Gerais (E eu simbolizava o anti-getulismo em Minas Gerais por Arthur Bernanrdes). E eu me considerava getulista de esquerda. Para mim uma grande razão para votar em Dilma Rousseff era aproximar o PT do getulismo.
No ano passado e ainda nesse ano eu dizia que Aécio Cunha Neves balançaria o coração dele entre ser getulista como o avó ou ficar no partido do pai dele o Partido Republicano, o partido de Arthur Bernardes que em 1932 disse:
"Quanto a mim, fico com São Paulo pois para lá se transferiu a alma cívica do povo brasileiro"
Lembro ainda que A. Augusto Junho A. é mais de direita do que muitos da direita que votaram nele pudessem sonhar, mas é muito mais getulista no sentido de defensor do Estado forte do que os eleitores dele gostariam de que ele fosse.
Enfim gosto de divisão e uma das críticas que eu fazia a FHC na década de 70 era uma idéia de união nacional que ele procurava divulgar.
Bem, essas considerações servem também para mencionar um artigo de Otavio Frias Filho que saiu na Folha de S. Paulo de quinta-feira, 05/10/2006 com o título "Yankees e Rebeldes". Como é só para assinante colocarei só a parte final do link: fsp/brasil/fc0510200606 em htm.
Para quem interessar há uma boa crítica no Observatório da Imprensa nº 402 de 10/10/2006 feita por Uraniano Mota na mesma data em post com o título "FOLHA & LULA Reflexões de um dono de jornal". Vale à pena ler tanto o artigo como a crítica cujo endereço segue:
http://www.observatoriodaimprensa.com.br/artigos.asp?cod=402FDS001
Lembro ainda que José Dirceu fez um post na época censurando o Otavio Frias Filho. Na verdade, para o PT de São Paulo, onde José Dirceu exerce a atividade política dele, esta divisão não é interessante. Essa divisão, entretanto, interessa ao PSDB que ao conseguir acabar com a divisão de São Paulo que ocorreu em 1989, com 5 candidaturas (Mário Covas, Paulo Maluf, Afif Domingos, Ulysses Guimarães e Lula) e Collor ainda conseguiu espaço) se fortaleceu. Só que, lembrando que "O germe que alimenta é o mesmo que destrói", essa base acaba gerando resistência ao partido pelo resto do país.
Clever Mendes de Oliveira
BH, 04/11/2010

Clever Mendes de Oliveira em novembro 4, 2010 10:49 PM


#96

Idelber Avelar,
Outro link para ler o artigo de Otavio Frias Filho é no blog de Simon Schwartzman que foi postado no mesmo dia do artigo 05/10/2010. O link é:
http://www.schwartzman.org.br/sitesimon/?p=103&lang=pt-br
Embora sem comentar, Simon Schwartzman pede para que se compare com nota dele anterior. Não li não, mas não deve ser coisa boa.
Clever Mendes de Oliveira
BH, 04/11/2010

Clever Mendes de Oliveira em novembro 4, 2010 11:09 PM


#97

Idelber!
Esse seu texto foi reproduzido pelo Tarso Genro, governador eleito do RS, no blog dele (http://www.blogdotarso.com.br/).
=D

Liz em novembro 5, 2010 5:11 PM


Diego Martins Torres em novembro 5, 2010 8:26 PM


#99

Idelber Avelar,
Li o post a que Simon Schwartzman se refere no post que eu indiquei no meu comentário (#96)de 04/11/2010 às 11:09 PM. Trata-se do post "São PAulo e o Estado Nacional, revisitado" de 02/10/2006 às 11:09 PM. Qualquer dúvida, o link é:
http://www.schwartzman.org.br/sitesimon/?p=102&lang=pt-br
Lendo o post, não o achei tão ruim como antes temera. Também pudera, ele apresenta a mesma divisão que eu já divulgara no meu comentário (#95) de 04/11/2010 às 10:49 PM.
No post, Simon Schwartzman faz um chamado para o livro dele Bases do Autoritarismo Brasileiro indicando uma distinção que eu acreditava só eu teimo em reproduzir até nossos dias. Diz lá Simon Schwartzman
"Quando publiquei este livro em 1973 (revisto e republicado mais tarde como Bases do Autoritarismo Brasileiro), o que mais tinha chamado minha atenção era como a política brasileira passava, historicamente, pelo eixo Rio–Minas–Nordeste–Rio Grande do Sul, deixando de fora justamente o centro mais dinâmico da economia do pais, São Paulo (e também Paraná e Santa Catarina), que no máximo produzia lideranças populistas que não transcendiam o estado, como Ademar de Barros, ou o efêmero Jânio Quadros, que afinal era mato-grossense".
É uma divisão que vai perdendo sua configuração ao longo do tempo. As pessoas que um dia incorporaram essa divisão já morreram. De todo modo acompanhando a política brasileira, eu a percebi ainda repercutindo na década de 70 nas figuras de, por exemplo, Ernesto Geisel, Barbosa Lima Sobrinho, Tancredo Neves, todos eles figuras que ficariam à vontade como continuadores do modelo getulista. Acompanhei a divisão e a incorporei em minha análise de modo um tanto amador, isto é, sem o rigor científico que uma classificação assim demandaria. Não lembro ter lido o livro de Simon Schwartzman (Talve eu tenha lido um ou outro capítulo do livro), entretanto, encontro nele a coincidência de representar a minha divisão só que feita há mais de 35 anos e dentro do rigor da academia. Faço essa divisão desde a década de 80.
De outro lado, atualmente se constata um outro tipo de divisão e penso que é dever do analista mostrar essa divisão do eleitorado. Para o interesse do PT de São Paulo esta divisão não pode existir pois ela enfraquece o PT em São Paulo. Para adoção de uma política nacional o conhecimento dessa divisão é importante.
A divisão getulista e anti-getulista está-se extinguindo. Coincidentemente a atual divisão repete territorialmente a divisão de 1930.
De certo modo, o PT está perdendo o voto da classe média que em muito e durante muito tempo fora mais favorável ao PT. Eu prefiro um PT mais popular, mas não se deve desprezar voto. E quanto mais rico o Brasil se tornar, maior será a classe média. Assim, para o PT é bom saber qual é a causa da perda de votos (Eu penso que tem relação com a corrupção) e avaliar que medidas deve o partido adotar para recuperar os votos da classe média que estão fugindo do PT.
E vale lembrar que o PT que tinha uma forte base paulista era contra o Estado forte entendido como tal um Estado com uma forte arrecadação tributária. A corrente de esquerda que representava o Estado forte era a do PDT de Leonel Brizola. A Dilma Rousseff que serviu ao partido de Leonel Brizola, ganhou a eleição com a ajuda de Lula e dos Estados que na Revolução de 30 ficaram do lado de Getúlio Vargas. Perdeu é verdade no Rio Grande do Sul,
Clever Mendes de Oliveira
BH, 10/11/2010

Clever Mendes de Oliveira em novembro 10, 2010 11:42 PM


#100

Sou de Salvador , Bahia , e vou te dizer :

QUE VERGONHA! Da quase vontade de ir nas favelas porcas e imundas e afogar aqueles burros e estupidos , só um animal acha que o PT esta fazendo algo bom aqui , continua tudo a mesma merda , se liga , temos 1 metro de uma linha que esta sendo construido a 10 anos e ainda não esta pronto! Parece PIADA!

FODAM-SE OS FAVELADOS QUE VOTARAM NA DILMA !

POBRES BURROS! DOIDO PRA SAIR DESSA REGIÃO RIDICULA , ALIAS DESSE PAIS RIDICULO ! QUERO IR PRA UM PAIS SERIO !

Rodrigo Paim em novembro 11, 2010 10:15 PM


#101

Sou de Salvador , Bahia , e vou te dizer :

QUE VERGONHA! Da quase vontade de ir nas favelas porcas e imundas e afogar aqueles burros e estupidos , só um animal acha que o PT esta fazendo algo bom aqui , continua tudo a mesma merda , se liga , temos 1 metro de uma linha que esta sendo construido a 10 anos e ainda não esta pronto! Parece PIADA!

FODAM-SE OS FAVELADOS QUE VOTARAM NA DILMA !

POBRES BURROS! DOIDO PRA SAIR DESSA REGIÃO RIDICULA , ALIAS DESSE PAIS RIDICULO ! QUERO IR PRA UM PAIS SERIO !

Rodrigo Paim em novembro 11, 2010 10:17 PM


#102

Parabenizo o Presidente Lula pelas oportunidades concedidas aos brasileiros que se encontravam na base da pirâmide social e aos grupos mais discriminados históricamente. Antes de ser Presidente foi o primeiro Homem ( na política ), que acreditou,e teve sensibilidade para Valorizar,dar Visibilidade e por consequência escolher uma MULHER para sua sucessão.Como mulher estou mui satisfeita com a Vitória de Dilma e acredito que reamente ela muito nos honrará ( promessa feita),de modos que sua eleição seja um marco para nós.Com todo o respeito aos que também nos respeitam, quero dizer que aos que nos julgam incapazes senão a frente de um fogão que:" Nesta Dilma ACABOU COM O CLUBE DO BOLINHA, dando início ao REINADO DO CLUBE DA LULUZINHA"....Parabéns pra todas as Mulheres que acreditaram nesta que é a que representa a classe Gênero por indicação do nosso inesquecível Presidente Luíz Inácio Lula da Silva.Dilma manter o que está implentado,conseguir minimizar o tripé:EDUCAÇÃO, SAÚDE E SEGURANÇA que tem como desafio,estejam certos: 2014 será a Mulher novamente....acreditem !!!

Mara em novembro 11, 2010 11:36 PM


#103

Meu Deus, quanta besteira consegue falar esse cara !! Aproveita, enquanto não aprovam o famigerado PNDH3. Eu ainda vou rir muito, vendo pseudo jornalistas e colunistas do IG comendo o pão que o diabo amassou. Quem viver verá.

Fioravante em novembro 12, 2010 12:23 AM


#104

Meu Deus, quanta besteira consegue falar esse cara !! Aproveita, enquanto não aprovam o famigerado PNDH3. Eu ainda vou rir muito, vendo pseudo jornalistas e colunistas do IG comendo o pão que o diabo amassou. Quem viver verá.

Fioravante em novembro 12, 2010 12:24 AM


#105

PAra quem votou PT: Primeira promessa de Dilma depois de eleita não dura 24 horas: um dia depois de ela negar a volta da CPMF, Lula defende o imposto;

Quer mais acesse o blog do Reinaldo Azevedo.

Bras em novembro 12, 2010 12:30 AM


#106

Infelizmente, a velha tática do 45, reinou solta mais uma vez nas telinhas brasileiras também na campanha: "TRUCULÊNCIA E MALVADESA" na comunicação; tentativa de inverter entendimentos com acusações ao adversário, daquilo que eram e foram eles próprios os autores; Fazer muito barulho verbal, para confundir as pessoas de menor preparo e entendimento e assim desvirtuar os votos; Bater bastante a mão na água para respingar no olho do outro, para assim roubar-lhe o sabonete. O MAU é sempre mais astuto na comunicação ruidosa, do que aquele que só tem a falar da realidade honesta do momento. Assim se apoderou o PSDB,deixando a impressão "na telinha" de que eles tinham argumentos melhores.... A PARTE BOA é que logo uma parcela do POVO PERCEBEU que a truculência se esvaziava na repetição de velhos chavões e promessas e de oferecimentos de milagres nunca vistos... O Pai-Deus salvou os brasileiros mais uma vez. Que nos tenha no amparo hoje e sempre, pondo essa gente sempre um pouco de lado do poder maior.... Como pode!!?, vermos esboçarem biblias à mão, fingimentos de tanta bondade, SE, SUAS MENTES TRAMAM O ESCARNIO DE POVOS E NAÇÕES com uma crueldade onde seus OLHARES E PELE chegam a desmentí-los incontestes e ao vivo, perdendo a compostura do olhar e deixando-os empalidecidos. Ficam de olhares e pele moribundos de tanto ódio dos menos favorecidos que os contrariam.... Que na próxima eleição tenhamos candidatos "45" mais humanizados, para que não se repita a baixaria desta campanha..... No governo FHC foi o tempo todo assim: Truculência. Venda de entendimentos e novas visões que levassem a embasar tomadas de decisões absurdas, como vendas de nosso patrimonio e oportunidades nacionais à estrangeiros. Ruido na comunicação o tempo todo, PANCADAs na mão do mais fraco e desvio de para o avisinhados.... e assim fomos a vitima desses algozes.... Na saida do homem a miséria estava implantada.... Isso tudo não significa que em qualquer outro governo não possa ter desvios, mas esse geito de se aliar à burguesia estrangeira para locupretar-se chega doer demais....

José em novembro 12, 2010 12:42 AM


#107

Meu amigo, se isso não é divisão é o quê?!

Vitória esmagadora seria 80% conta 20%, por exemplo.
Apenas 12% fizeram a diferença. Isso significa que muita gente não votou no vencedor.

Não sou adepto de nenhum partido, mas o fato da política economica de Lula ser continuidade do governo FHC, isso sim, me revolta. Me revolta pelo fato das pessoas não reconhecerem isso e creditarem o sucesso do gorverno apenas aos que estão aí hoje!

Faça-me o favor!!!!

Francisco Alves em novembro 12, 2010 7:53 AM


#108

Quantas vitórias por 80 x 20 que você conhece na história da democracia mundial, Francisco?

Se uma vitória por 12 milhões de votos não é uma categórica vitória, acho melhor a oposição se preparar para ficar décadas longe do poder, porque com esses contos de carochinha não vão ganhar nunca.

Idelber em novembro 12, 2010 7:59 AM


#109

O nordeste votou por causa das bolsas e Minas por causa do despeito contra a lambança tucana com o Aécio, se Minas tivesse votado no candidato "azul" a historia seria outra.

junior em novembro 12, 2010 9:27 AM


#110

Se Minas, Nordeste, Norte, Rio de Janeiro e Centro-Oeste tivessem votado no candidato da oposição, claro, ele teria sido eleito.

Continuem assim e levam outra surra em 2014.

Estudem, cara, prestem atenção na realidade, aprendam com o povo, abandonem esse discurso preconceituoso de "Nordeste votou por causa das bolsas". Senão vão continuar apanhando de 4 em 4 anos até o fim dos tempos.

Idelber em novembro 12, 2010 9:33 AM


#111

Não votei na candidata eleita, mas quero deixar bem claro os meus votos de sucesso a ela e a sua equipe. Nosso pais sofre de perda de memoria ainda que seletiva ( puliticamente falando ). Nosso patriotismo comparado a de outros paises da america latina beira a vergonha,com opiniões influênciadas pela imprensa global, que deveria informar com imparcialidade e responsabilidade.
Deveriamos estar aplaudindo o pais e pedindo a Deus que continue a nos abençoar.MG.

ringo em novembro 12, 2010 10:31 AM


#112

Concordaria se o objetivo de vocês fosse esclarecer o obscurantismo das notícias e das idéias, mas vejo que vossas senhorias querem estabelecer uma guerra crítica contra a globo. Ora, estou aqui para ler e aprender sobre opiniões e idéias imparciais e honestas. Não para servir de veículo para disseminação de antagonismos de marketing entre empresas. Eu, ainda, não vejo essa redenção toda com a escolha da Dilma. Por quê não seria a mesma coisa com o Serra? O Brasil não deve se apegar a pessoas, mas sim a idéias. As pessoas devem ser veiculadoras de idéias coletivas de bem estar social em todos os sentidos. Vocês se dizem imparciais, mas observem o que estão escrevendo um dos outros; defendendo uns e desmerecendo outros. Acho que a imprensa é o verdadeiro mediador no âmbito público, social e político. Sendo assim, não deve lhe caber nunca o direcionamento das escolhas, e sim o esclarecimento para as melhores escolhas.

Paulo Freire em novembro 12, 2010 10:38 AM


#113

Sou de SP,votei na Dilma e claro!Ja morei no exterior e o nosso pais cresceu muito e conquistou o respeito no mundo.Ainda assim vimos pessoas mal informadas,preconceituosas,arrogantes e que nao sabem perder.A Globo apoia o PSDB e esconde muitas noticias negativas deles.Graças a sua manipulação vamos ter o governo de SP por mais 20 anos com eles.
E fica claro que essas pessoas de Sp que votam neles que se julgam os sabios e inteligentes,ofendendo os nordestinos e jogando mentiras na rede nao estao com nada!Olha SP como esta!Violencia maxima,trasporte uma porcaria,lixos nas ruas,rios poluidos,ruas com buracos,transito infernal,cracolandias crescendo,orgaos publicos uma porcaria de atendimento e serviços prestados,PCC dominando tudo,ninguem tem segurança:pode ser na sua casa,no carro,no onibus,na rua ,enfim eu pergunto para vcs:Quem sao os inteligentes nessa historia?A ja ia me esquecendo o vampiro fez a lei anti fumo(sou contra apartir do momento que existe varios problemas para serem resolvidos emergenciais bem mais importantes que uma fumaça que sempre teve em seculos e ninguem nunca morreu)E mais agora tem um escandalo : Empresas suspeitas de fraude doaram R$ 5,8 mi a campanha de Alckmin.E a Globo nao noticiou,porque sera????

Flavio em novembro 14, 2010 4:27 PM