Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email:
idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro







selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« Israel nunca conseguirá um acordo melhor que o que rejeitou, por Gideon Levy :: Pag. Principal :: Por que temer o espírito revolucionário árabe?, por Slavoj Žižek »

terça-feira, 01 de fevereiro 2011

Luta antimanicomial denuncia: Mortes nos leitos psiquiátricos de Sorocaba

Já na segunda semana do mês de dezembro eu recebera a denúncia do Fórum da Luta Antimanicomial de Sorocaba (Flamas), depois de mais duas mortes em hospitais psiquiátricos da cidade. Tornou-se rotina. A média de mortos nos manicômios de Sorocaba é altíssima e a região possui o maior número de leitos do país. Os 1.289 leitos psiquiátricos do SUS na cidade de Sorocaba só não são mais numerosos que os do Rio de Janeiro.

Ancorados em dados do Ministério da Saúde, o Fórum apresentou estudo que chegou a números assustadores: são duzentas e trinta e três mortes em manicômios entre 2006 e 2009 só em Sorocaba. O professor Marcos Garcia, da UFSCar-Sorocaba e membro do Flamas, apontou a média de idade precoce das mortes, 48 a 49 anos. Até um quarto dos óbitos é de pacientes entre 17 a 29 anos de idade. Há um enorme número de mortes por causas evitáveis. É um estado de calamidade, urgente.

A luta antimanicomial na região de Sorocaba enfrenta também um bloqueio de mídia e o próprio secretário de saúde do município é dono de três manicômios. No final de janeiro, finalmente saiu uma matéria na mídia local, que repercutiu a denúncia do Flamas. A matéria também incluía a resposta do Dr. Eduardo Zacharias, diretor de um dos manicômios da cidade, que levantava suspeita sobre se os números seriam “muito ou pouco” e argumentava que faltava “metodologia científica” ao estudo.

À evasiva resposta, os profissionais do Flamas escreveram contundente retruque, mostrando não só que a média de mortes é altíssima, como também que a faixa etária é precoce e que alto número de óbitos acontece por causas evitáveis. Como exemplo irrefutável, o texto do Flamas lembra as 13 mortes por pneumonia no intervalo de dois meses e meio, no Hospital Vera Cruz, entre 07/05 e 18/07 de 2008.

A luta antimanicomial é uma das causas que mais merecedoras de atenção de quem quer um mundo um pouco mais humano e justo. Tudo indica que os profissionais do Flamas estão denunciando um estado de coisas desesperante e muito grave. A denúncia tem o meu endosso.



  Escrito por Idelber às 06:17 | link para este post | Comentários (7)


Comentários

#1

O grupo em defesa dos manicômios ainda é muito forte. Aqui em Anápolis-GO temos enfrentado uma enorme dificuldade na expansão dos CAPS e Centros de Convivência em razão da resistência oferecida por um grande Hospital Psiquiátrico. E curiosamente, nessa última noite, houve um óbito por suicídio dentro das instalações nesse hospital.

Roberson Guimaraes em fevereiro 1, 2011 8:09 AM


#2

Depois de Foucault, ou seja, após “A História da Loucura”, a denúncia contida nesse post deixa claro que, dentro desse doente mundo contemporâneo, os oriundos da miséria e incapazes à geração de mais-valia - isto é, os infantes, os loucos, os desempregados, os drogados e os velhos - não passam de lixo humano.

O que fazer? Eu, sobrevivente duma enfermidade mental mas, historicamente, um professor, um trabalhador capaz de gerar mais-valia, serei até o instante de minha morte um possível porta-voz dentro do impossível deles…


A VISITA
by Ramiro Conceição


Quem é este que reaparece
sem convite, sem confetes,
sempre com sobejos, mas não de beijos,
sim, com migalhas duma alegria na mala?
Parece que o reconheço de algum lugar,
de alguma história perdida na memória.
Ah, sim, é claro:
- Bem-vindo, senhor medo!


PS: disse-me, certa vez, um amigo esquizofrênico:
“Não faça apologia da loucura: ela é uma doença!

Ramiro Conceição em fevereiro 1, 2011 4:38 PM


#3

A LENDA
by Ramiro Conceição


Diz uma lenda que, certa vez,
Deus e um poeta se falaram:

— E, aí, poeta, algum plano imediato?
— No momento, subir a escada, entrar no quarto,
abrir as janelas, pensar-sentir… E encantá-Lo.

(Diz a lenda que Deus chorou...).


SERES DO SER
by Ramiro Conceição


Além das flores, quem és?
- Sou as cores.

Além das cores, quem foste?
- Fui amores.

Além de amores, quem serás?
- Serei o que fizeste e fazes.

Além das flores, quem eras?
- Era as cores.

Além das cores, quem foras?
- Fora amores.

Além de amores, quem serias?
- Seria o que fizeras e fazias.

Além das flores, quem sejas?
- Seja as cores.

Além das cores, quem fosses?
- Fosse amores.

Além de amores, quem fores?
- For o que fizesses e faças:

além das flores sê
os seres, sendo, sido,

além dos pecados idos.


Ramiro Conceição em fevereiro 1, 2011 5:24 PM


#4

Olha... Eu fiquei pouco tempo na Psicologia e acho muito bonito mesmo essa ideia de "humanidade" nos tratamentos psiquiátricos. Claro que defendo com ardor os direitos humanos.

Mas vivo na minha família mesmo, aqui em casa, uma história muito triste de como esse modelo atual não ta funcionando pra todo mundo (e portanto, a Constituição não está sendo respeitada, porque o direito à saúde tem que ser universal).

Eu tenho um tio, irmão da minha mãe, que desenvolveu um sofrimento psíquico, em parte por causa do uso intenso de drogas. Depois de várias passagens pela polícia (porte de drogas e roubo, principalmente), ele chegou a ficar várias vezes internado em uma instituição de tratamento da cidade (Divinópolis-MG).

Mas nos últimos anos minha avó (mãe dele) e meus outros tios (irmãos dele) não têm como pagar mais para que ele receba o tratamento na clínica. Nesse lugar ele conseguia ficar calmo e levava uma vida tranquila.

Como ele não tem mais o acompanhamento na clínica, ele ficou sob observação da minha avó e de um tio, advogado, solteiro, que mora com o irmão e a mãe. Minha avó já tem 81 anos. Meu tio é o único encarregado de cuidar das despesas da casa, e sendo um profissional liberal, não tem horários nem recursos estabilizados.

Como resultado, a situação do meu tio doente piorou muito. Agora não se pode mais "controlá-lo" e ele passa os dias pedindo dinheiro e roubando nas ruas, para usar drogas. Descobrimos recentemente que ele jogava fora os remédios que era obrigado a tomar.

Estou escrevendo isso tudo para dizer que, em alguns casos, a internação é necessária e humana. Nem todas as famílias têm os recursos e condições necessárias para cuidar de uma pessoa com sofrimento mental.

É muito bonito defender a reforma antimanicomial, mas precisa-se também ver os casos em que as instituições psiquiátricas são necessárias.

Bárbara em fevereiro 4, 2011 12:33 AM


#5

Bárbara, a reforma psiquiátrica não consiste em fechar manicômios e deixar os usuários sem tratamento, ou exigir que a família simplesmente cuide dos mesmos, como parece estar acontecendo na sua cidade. Fechar hospitais implica em abrir instituições que ofereçam tratamentos alternativos, ou seja, que o paciente seja assistido, mas sem ser excluído - como acontece no modelo manicomial. Pra isso existem os CAPS (Centros de Assistência Psicossocial), as residências terapêuticas, os centros de convivência.

Em muitas cidades o acesso à internação é dificultado sem a implementação de serviços substitutivos - e sem que a população seja informada de que eles existem, gerando revolta contra a luta antimanicomial. Vejo que não é por aí. O modelo hospitalocêntrico não funciona, existem inúmeros estudos a respeito e não é à toa que o movimento antimanicomial não é local, mas uma tendência mundial. Não podemos cair no comodismo de exigir um retrocesso a este sistema falido ao invés de cobrar que a reforma seja feita de fato, dando ao paciente o cuidado que merece, sem excluir.

Lauren em fevereiro 4, 2011 10:12 PM


#6

Lauren,

concordo com você que o modelo é falido, que se deve reformá-lo e humanizar os tratamentos. Mas pelo menos até onde vejo, isso não está acontecendo. O que está gerando problemas mais graves ainda do que os gerados pelo modelo hospitalocêntrico. Você me entende nesse ponto?

Os serviços substitutivos não adiantaram com o meu tio. Não sei como funcionam em outros lugares, mas não o vejo funcionando aqui (na minha cidade tem um chamado Cersam - centro de referência em saúde mental. Meu tio chegou a ser internado durante o dia nesse centro e foi um fracasso, ele piorou e muito durante o tratamento).

Esse é o meu único problema com o movimento antimanicomial...

Bárbara em fevereiro 6, 2011 2:35 AM


#7

coisa de doido...

A Lesma Lerda em fevereiro 7, 2011 9:23 PM