Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email:
idelberavelar arroba gmail ponto com

No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro







selinho_idelba.jpg


Movable Type 3.36
« Crônica de uma visita à Coreia do Sul :: Pag. Principal :: Consenso no topo, divergência na base: Os primeiros 60 dias de Dilma Rousseff (1ª parte) »

quarta-feira, 23 de fevereiro 2011

Na Revista Fórum: A escalada da ultradireita nos EUA

Se lições podem ser tiradas dos dois primeiros anos da presidência de Barack Obama, uma das principais terá que ser esta: é impossível dialogar com um surto psicótico coletivo. Obama tem pago um altíssimo preço político por se eleger e governar baseado num projeto de diálogo com esse surto, estratégia que se ancora na tentativa de um debate racional e razoável (ao modo sonhado pela “ética comunicativa”, do pensador liberal Jürgen Habermas) com um interlocutor imaginário, sujeito político que não quer ser interlocutor, mas inimigo encarregado de aniquilar, eliminar, destruir o adversário. Os 8 anos de governo de extrema-direita, a manipulação midiática dos ataques de 11 de setembro de 2001, a violenta crise econômica que explodiu em 2008 e a irrupção, mais forte que nunca, do racismo e da xenofobia contribuíram para a configuração de um quadro político verdadeiramente assustador nos Estados Unidos de hoje, do qual não há saída imediata à vista. O ataque terrorista no Arizona, em que seis pessoas foram assassinadas e a deputada democrata Gabrielle Giffords saiu ferida na cabeça, foi o mais recente capítulo dessa macabra narrativa.

Até mesmo o leitor da Fórum deve ter se surpreendido com meu uso do termo “terrorista” na frase anterior. Apesar de consistente com o sentido que a palavra classicamente teve —matança indiscriminada, por motivos políticos, de uma população civil desarmada, com o objetivo de disseminar o medo —, o uso do termo “terrorista”, para designar eventos como os de Tucson, tenderá a provocar estupefação hoje em dia, por um motivo dos mais simples e prosaicos. A manipulação a que foi submetido esse termo nos EUA ao longo da última década nos levou a uma situação em que a violência de extrema-direita, tão estadunidense como a torta de maçã, já não cabe sob a alcunha do terrorismo. Esta se encontra definitivamente reservada para o “outro” — em especial para o outro árabe.

Enquanto isso, uma retórica delirante se fortalece em setores dos meios de comunicação de massas e no Partido Republicano. A partir das assembleias populares (town hall meetings), propostas por Obama para a discussão da reforma do sistema de Saúde, em 2009, a retórica de extrema-direita encontrou terreno fértil. A caracterização de Obama como nazista, bolchevique e islamista — para ficarmos em três definições obviamente contraditórias entre si — já é parte da paisagem, do discurso político aceito como normal e razoável nos EUA. Os questionamentos ao patriotismo de Obama, nos quais um visível racismo não deixa de cumprir seu papel, também são matéria cotidiana na TV e no rádio dos EUA. O discurso do ódio ao diferente, tão típico dos impérios em declínio, pavimenta o caminho para tragédias como a de Tucson.


Continue lendo "A escalada da ultradireita nos EUA" no site da Revista Fórum e volte aqui caso queira papear sobre o texto.



  Escrito por Idelber às 14:26 | link para este post | Comentários (24)


Comentários

#1

Ótimo texto, e que me fez retomar uma questão que surgiu quando li sobre a história dos neoconservadores num livro do David Harvey, Idelber vc que está aí nos EUA e que deve ter visto um pouco de toda a campanha das legislativas, os democratas perderam muitos postos pq os eleitores cansados de votarem em representante que representam apenas as grandes corporações estão tão desencantados com a política que decidiram nem ir votar para não se desencantar mais???

João Vicente em fevereiro 23, 2011 2:49 PM


#2

João, simplificando um pouco um quadro que tem lá suas complexidades, eu diria o seguinte: a derrota acachapante dos Democratas nas legislativas de 2010 tem a ver com

1) o fato de que a crise herdada da era Bush foi tão violenta e tão profunda que ela continuou, claro, a produzir efeitos durante a era Obama. Ela passou a ser uma "crise do Obama". Com isso, boa parte dos independentes que votaram Democrata nas eleições de 2008 penderam de novo para os Republicanos. Apesar de que Obama tomou algumas medidas para conter a crise, com algum sucesso, segundo muitos economistas--no sentido de que essas medidas impediram a disseminação de efeitos ainda mais agudos do que os realmente experimentados em 2009 e 2010--, ninguém sabe realmente o que teria acontecido ("quão piores" teriam sido as coisas) caso as políticas anteriores tivessem continuado.

2) o fato de que a "esquerda", principalmente os eleitorados jovem e negro, ficaram em casa em altíssima porcentagem, ao contrário de 2008, quando compareceram em massa. Ficaram em casa porque, basicamente, se desiludiram com o excesso de concessões de Obama.

Resumindo, acho que foi isso aí.

Idelber em fevereiro 23, 2011 3:04 PM


#3

Sobre as derrotas legislativas, tem um componente estatístico aí, se podemos chamar assim.
Diante da maioria democrata anterior, com certeza iriam perder cadeiras. E pelo que parece, historicamente o turnout é menor nas intermediárias, não?

Manoel Galdino em fevereiro 23, 2011 3:45 PM


#4

Verdade verdadeira, Manoel, que nas legislativas o comparecimento é menor. Aqui tem uma tabelinha. Mas dados os enormes números de registros de novos eleitores em 2008, especialmente jovens votando pela primeira vez, seria de se esperar que em 2010 uma proporção maior aparecesse para votar. Eu não tenho números de 2010 à mão, mas como evidência anedótica posso lhe contar que muita gente jovem que conheço ficou em casa, desiludida. Eu mesmo não fui votar (não que eu seja lá tão jovem, claro...).

Idelber em fevereiro 23, 2011 3:51 PM


#5

Muito bom texto. Mas o que se viu foi que a parte que mais perdeu dos democratas foram os centristas... e a ala direita (blue collars) foi dizimada.

Talvez isso tenha contribuído para a queda. Os deputados mais combativos conseguiram mobilizar os eleitores à esquerda, os centristas não.

Marcus Pessoa em fevereiro 23, 2011 4:43 PM


#6

Pois é. São esotéricos os motivos que levam as esquerdas no poder a quererem dialogar com as crias da pior espécie de reacionarismo. Passam a se comportar como se devessem cumprir as promessas que não fizeram, enquanto os seus próprios eleitores as vezes ficam estupefatos com certas posições. Não se trata, logicamente, de adentrar no terreno das bravatas, mas assumir uma postura, sim, de confronto de ideologias, quando necessário. Não é sempre disso que se trata? Um embate de visões de mundo? Pois se nós ganhamos o recado é que queremos ver um mundo governado por princípios de esquerda. Queremos, sim, que a direita, da forma como a entendemos, xenófoba, primitiva, fanática, beligerante, seja apagada, ou reduzida ao folclore, com seus personagens até certo ponto hilários. Como vc bem o disse, não se dialoga com loucos, nem com malandros. O caso Obama é um ótimo exemplo para que Dilma não caia na tentação e seja seqüestrada pela ideologia que derrotamos.

Cajueiro em fevereiro 23, 2011 8:41 PM


#7

Obama perdendo cada vez mais peças nesse xadrez político pode acabar inviabilizando seu governo, o que espero não implique a volta da extrema-direita ao poder.

Ainda assim, acredito ser importante a facultatividade do voto. As suas consequências negativas podem são grandes, principalmente em razão de abstenções, mas permite à sociedade e ao governo perceberem seus ganhos e perdas de uma forma mais concreta. É o que me parece.

Daniel Caceres em fevereiro 23, 2011 9:49 PM


#8

Simples. OS democratas tentaram aprovar uma reforma da saúde complexa e incompreensível na marra, que mexia(Ou supostamente mexeria) com beneficios aos idosos, que votam com maior frequencia com a média, deixando a questão da economia em segundo plano.

André Kenji em fevereiro 24, 2011 1:50 AM


#9

André, eu concordo com você que a reforma era complexa, mas não sei se "na marra" seria a expressão que eu usaria aqui. Os Democratas cederam as unhas, depois os aneis, depois os dedos, depois os braços...

Daniel! Caramba, pré-história da blogosfera voltando com tudo! Seja benvindo.

Idelber em fevereiro 24, 2011 5:18 AM


#10

Gosto de pensar que nao me espanto com mais nada...mas estou sempre me espantando: pessoas inteligentes que ainda acreditam em "politica" a, nessa epoca em que corporações mafiosas financeiras tomou conta de tudo; olha so o Brasil:
Governo, estado, congresso, eleições, democracia; apenas um carnaval televisivo para acalentar as massas e criar ilusão de participação popular.
Os politicos são apenas atores que ganham pelo papel (ridiculo) que fazem...

Lord Jim em fevereiro 24, 2011 3:41 PM


#11

Interresante esses dados postados pelo idelber nos comentários... O comparecimento caiu de 46% pra 38% de 70 pra 74... Culpa do NIXON, né? Justamente quando supostamente o novo consenso conservador americano surgiu (watergate foi só um contratempo) a mobilizaçao politica diminui. ... Dai nem adianta a demografia (a tendencia de crescimento das minorias) ajudar os democratas, se eles não se ajudam né, com esse centrismo conciliador... ... Enfim, os republicanos souberam jogar o jogo, o Obama desmobilizou e desmotivou o movimento que criou em 08 - ainda acho que se relege, porque campanhas presidenciais tem maior comparecimento e a rejeição fala mais alto, se os republicanos botarem mais um caipira louco (palin) se ferram.

Henrique K em fevereiro 24, 2011 4:07 PM


#12

Na mosca, Henrique, esse dado aí sobre a queda do comparecimento de 70 para 74 é chave para se entender a onda conservadora que vem depois. Em todo caso, a taxa de rejeição da Palin é altíssima, mas se os Republicanos vierem com alguém como Pawlenty (governador de Minnesota), não sei não...

Idelber em fevereiro 24, 2011 4:13 PM


#13

Triste constatar que esse movimento não acontece só nos EUA... Ainda não temos um "Tea Party" aqui no Brasil, nem tiroteios contra militantes de centro-esquerda, mas parece que vamos chegar lá...

A rejeição ao governo Dilma já tomando conta das redes sociais com coisas tipo "abaixo o decreto do mínimo", "como assim ela congelou os concursos públicos???!!!", "como assim o governo ta se recusando a dar um bom aumento no mínimo agora, adiando pro ano que vem, com esse aumento de 60% dos parlamentares e funcionários do Executivo???!!!" e por aí vai...

A nossa sorte é que no Brasil não temos uma cultura de guerra, de porte de armas, de tiroteios (são mais raros por aqui do que por lá).

Bárbara em fevereiro 24, 2011 7:24 PM


#14

O golpe sorrateiro que a direita pretende dar no Brasil é a implantação do voto distrital.

O voto distrital suprime a representação da minoria e limita a discussão política às demandas locais, eliminando a possibilidade de grandes transformações estruturais.

O voto distrital é tudo o que os conservadores querem.

Ricardo Petrucci Souto em fevereiro 24, 2011 9:44 PM


#15

"A nossa sorte é que no Brasil não temos uma cultura de guerra, de porte de armas, de tiroteios (são mais raros por aqui do que por lá)"

Cuma????????????? eu li direito????
e os 50.000 assassinados ao ano por toda sorte de arma??? não contam???

A Lesma Lerda em fevereiro 24, 2011 10:49 PM


#16

Idelber

Quem passou a "reforma" foi basicamente Pelosi e Reid, que eram "whips", ou sejam, contavam os votos do seu partido. E eles só o fizeram porque pressionaram e fizeram promessas financeiras a democratas em distritos e estados conservadores(As famosas Lousianas Purchases e o Cornhusker Kickback). Tanto que a reforma passou com um único voto republicano na Casa e nenhum no Senado e as pesquisas passaram a indicar um cenário horrível para muitos desses senadores democratas de estados conservadores. Ben Nelson de Nebraska está bem atrás nas pesquisas para a reeleição em 2012.

O problema dos democratas é que os republicanos sempre souberam usar gente como Lee Atwater, Frank Luntz e Roger Ailes para simplificar e deixar o mais claro possível suas propostas para o povão. Os democratas nunca souberam fazer isso, e o estimulo e a reforma da saúde são exemplos claros.

Embora acho que o Obama deveria partir para o modelo híbrido brasileiro ao invés de insistir naquela coisa desconexa.

André Kenji em fevereiro 25, 2011 12:24 AM


#17

A Lesma Lerda,

contar conta. Mas eu escrevi isso pensando no "Columbine", nos atentados... Não pensei na violência urbana, digamos, "ordinária". Claro que ela conta, claro que é uma coisa horrível, mas não era no que eu estava pensando ao escrever meu post.

Bárbara em fevereiro 25, 2011 9:08 PM


#18

Gracias, aqui não temos censura , nem tipinhos como Gustavo Chacra . Lá a censura eh enorme , no jornal que este trabalha . Bem vamos ao assunto. Queremos liberdade de imprensa para o Presidente da Wikileads . A Inglaterra eh pressionada e os juizes ingleses ameaçados pela CIA dos EUA . Querem deportar o Presidente da Wikileads para a Suécia e depois ... para o inferno de Guantânamo . De lá de Guantanamo o Presdiente da Wikileads vai sumir para sempre. Porisso quero fazer uma veemente proposta a todos para defenderem a liberdade de imprensa nos EUA.
Os EUA são covardes e não tem Democracia nem liberdade de imprensa . Lá somente dois Partidos se revezam no poder . Tudo eh proibido até mesmo o Partido Comunista chegar ao poder.
Porisso queremos liberdade de imprensa nos EUA .
Passe para frente . Liberdade para o Presidente da Wikileads.

Albert Chirac em fevereiro 26, 2011 11:46 AM


#19

O Vitiligo da Presidenta
O pessoal que defendia a brancura do Michael Jackson alegava ser decorrência do vitiligo: o mesmo vitiligo que branqueava a pele afinava o nariz e alisava o cabelo.
A submissão da presidenta aos PIGs é a mesma coisa; dizem seus defensores na “esquerda” que é pura estratégia sofisticada e sutil, além da compreensão de mentes estreitas e tacanhas.
-os cortes orçamentários que ela vai fez para agradar os banqueiros também fazem parte dessa estratégia né?
-a miséria do salário mínimo defendida e aprovada pelo governo.
- a penalização dos trabalhadores com limites drásticos em aposentadorias também.
Acho que essa turma sofre de vitiligo mental.

A mosca da sopa em fevereiro 26, 2011 11:58 AM


#20

A mosca foi na mosca...e podia ter lembrado que arranjar justificativas para o injustificavel nao tem nenhuma novidade para certa canhota. O pacto Ribbentrop-Molotov por exemplo, que colocou a Exercito Vermelho e a KGB pra fazer o serviço sujo dos nazistas na Polonia (vide massacre na floresta de Katyn que Gorbachov confessou em 1988) foi explicado como fina estrategia de Stalin para ganhar tempo.

Damastor Dagobé em fevereiro 26, 2011 2:36 PM


#21

Idelber, que tal dois postes com uma opinião de alguem que seja a favor do CL dos 13 e outro que seja a favor dos clubes dissidentes!

Aguardo.

Bosco em fevereiro 26, 2011 8:29 PM


#22

Puxa, o problema seria encontrar alguém a favor dos clubes dissidentes. Nem na torcida dos respectivos a gente anda encontrando. Sugestões?

Idelber em fevereiro 26, 2011 8:30 PM


#23

minha namorada é flamenguista (sou gremista) e apoia os dissidentes (não quis discutir)... katyn não foi bem serviço do stalin pro hitler, né, nem bate cronologicamente. Mas um serviço podre que ele teria feito foi realocar os judeus da polonia depois do famigerado tratado, de tal modo a transforma-los em elementos alienigenas nas novas comunidades facilitando a contribuiçao futura de alguns poloneses nao-judeus nos grupos de exterminio que precederam o holocausto mais ''limpo'' (himmiler teria vomitado vendo os fuzilamentos, fossas coletivas, curiosos indo ver, tinha ate soldado alemao que mandava foto pra esposa ~~eu e o porco judeu~~)

Henrique K em fevereiro 27, 2011 12:21 AM


#24

Buenas!,

Me ha encantado el articulo y me ha encantado volver a leerte, voy a recomendar esta web a todos mis amigos.

Saludos!

Ana | alcoholicos anonimos em março 18, 2011 2:24 PM