Meu Perfil
Um blog de esquerda sobre política, literatura, música e cultura em geral, com algum arquivo sobre futebol. Estamos na rede desde 28/10/2004.



Email:
idelberavelar arroba gmail ponto com
No Twitter No Facebook No Formspring No GoogleReader RSS/Assine o Feed do Blog

O autor
Curriculum Vitae
 Página pessoal em Tulane


Histórico
 setembro 2015
 dezembro 2014
 outubro 2014
 maio 2014
 abril 2014
 maio 2011
 março 2011
 fevereiro 2011
 janeiro 2011
 dezembro 2010
 novembro 2010
 outubro 2010
 setembro 2010
 agosto 2010
 agosto 2009
 julho 2009
 junho 2009
 maio 2009
 abril 2009
 março 2009
 fevereiro 2009
 janeiro 2009
 dezembro 2008
 novembro 2008
 outubro 2008
 setembro 2008
 agosto 2008
 julho 2008
 junho 2008
 maio 2008
 abril 2008
 março 2008
 fevereiro 2008
 janeiro 2008
 dezembro 2007
 novembro 2007
 outubro 2007
 setembro 2007
 agosto 2007
 julho 2007
 junho 2007
 maio 2007
 abril 2007
 março 2007
 fevereiro 2007
 janeiro 2007
 novembro 2006
 outubro 2006
 setembro 2006
 agosto 2006
 julho 2006
 junho 2006
 maio 2006
 abril 2006
 março 2006
 janeiro 2006
 dezembro 2005
 novembro 2005
 outubro 2005
 setembro 2005
 agosto 2005
 julho 2005
 junho 2005
 maio 2005
 abril 2005
 março 2005
 fevereiro 2005
 janeiro 2005
 dezembro 2004
 novembro 2004
 outubro 2004


Assuntos
 A eleição de Dilma
 A eleição de Obama
 Clube de leituras
 Direito e Justiça
 Fenomenologia da Fumaça
 Filosofia
 Futebol e redondezas
 Gênero
 Junho-2013
 Literatura
 Metablogagem
 Música
 New Orleans
 Palestina Ocupada
 Polí­tica
 Primeira Pessoa



Indispensáveis
 Agência Carta Maior
 Ágora com dazibao no meio
 Amálgama
 Amiano Marcelino
 Os amigos do Presidente Lula
 Animot
 Ao mirante, Nelson! (in memoriam)
 Ao mirante, Nelson! Reloaded
 Blog do Favre
 Blog do Planalto
 Blog do Rovai
 Blog do Sakamoto
 Blogueiras feministas
 Brasília, eu vi
 Cloaca News
 Consenso, só no paredão
 Cynthia Semíramis
 Desculpe a Nossa Falha
 Descurvo
 Diálogico
 Diário gauche
 ¡Drops da Fal!
 Futebol política e cachaça
 Guaciara
 Histórias brasileiras
 Impedimento
/  O Ingovernável
 Já matei por menos
 João Villaverde
 Uma Malla pelo mundo
 Marjorie Rodrigues
 Mary W
 Milton Ribeiro
 Mundo-Abrigo
 NaMaria News
 Na prática a teoria é outra
 Opera Mundi
 O palco e o mundo
 Palestina do espetáculo triunfante
 Pedro Alexandre Sanches
 O pensador selvagem
 Pensar enlouquece
 Politika etc.
 Quem o machismo matou hoje?
 Rafael Galvão
 Recordar repetir elaborar
 Rede Brasil Atual
 Rede Castor Photo
 Revista Fórum
 RS urgente
 Sergio Leo
 Sexismo na política
 Sociologia do Absurdo
 Sul 21
 Tiago Dória
 Tijolaço
 Todos os fogos o fogo
 Túlio Vianna
 Urbanamente
 Wikileaks: Natalia Viana



Visito também
 Abobrinhas psicodélicas
 Ademonista
 Alcinéa Cavalcante
 Além do jogo
 Alessandra Alves
 Alfarrábio
 Alguém testou
 Altino Machado
 Amante profissional
 Ambiente e Percepção
 Arlesophia
 Bala perdida
 Balípodo
 Biajoni!
 Bicho Preguiça
 Bidê Brasil
 Blah Blah Blah
 Blog do Alon
 Blog do Juarez
 Blog do Juca
 Blog do Miro
 Blog da Kika Castro
 Blog do Marcio Tavares
 Blog do Mello
 Blog dos Perrusi
 Blog do Protógenes
 Blog do Tsavkko, Angry Brazilian
 Blogafora
 blowg
 Borboletas nos olhos
 Boteco do Edu
 Botequim do Bruno
 Branco Leone
 Bratislava
 Brontossauros em meu jardim
 A bundacanalha
 Cabaret da Juju
 O caderno de Patrick
 Café velho
 Caldos de tipos
 Cão uivador
 Caquis caídos
 O carapuceiro
 Carla Rodrigues
 Carnet de notes
 Carreira solo
 Carta da Itália
 Casa da tolerância
 Casa de paragens
 Catarro Verde
 Catatau
 Cinema e outras artes
 Cintaliga
 Com fé e limão
 Conejillo de Indias
 Contemporânea
 Contra Capa
 Controvérsia
 Controvérsias econômicas
 Conversa de bar
 Cria Minha
 Cris Dias
 Cyn City
 Dançar a vidao
 Daniel Aurélio
 Daniel Lopes
 de-grau
 De olho no fato
 De primeira
 Déborah Rajão
 Desimpensável/b>
 Diário de Bordo
 Diario de trabajo
 Didascália e ..
 Diplomacia bossa nova
 Direito e internet
 Direitos fundamentais
 Disparada
 Dispersões, delírios e divagações
 Dissidência
 Dito assim parece à toa
 Doidivana
 Dossiê Alex Primo
 Um drible nas certezas
 Duas Fridas
 É bom pra quem gosta
 eblog
 Ecologia Digital
 Educar para o mundo
 Efemérides baianas
 O escrevinhador
 Escrúpulos Precários
 Escudinhos
 Estado anarquista
 Eu sei que vivo em louca utopia
 Eu sou a graúna
 Eugenia in the meadow
 Fabricio Carpinejar
 Faca de fogo
 Faça sua parte
 Favoritos
 Ferréz
 Fiapo de jaca
 Foi feito pra isso
 Fósforo
 A flor da pele
 Fogo nas entranhas
 Fotógrafos brasileiros
 Frankamente
 Fundo do poço
 Gabinete dentário
 Galo é amor
'  Garota coca-cola
 O gato pré-cambriano
 Geografias suburbanas
 Groselha news
 Googalayon
 Guerrilheiro do entardecer
 Hargentina
 Hedonismos
 Hipopótamo Zeno
 História em projetos
 Homem do plano
 Horas de confusão
 Idéias mutantes
 Impostor
 Incautos do ontem
 O incrível exército Blogoleone
 Inquietudine
 Inside
 Interney
 Ius communicatio
 jAGauDArTE
 Jean Scharlau
 Jornalismo B
 Kit básico da mulher moderna
 Lady Rasta
 Lembrança eterna de uma mente sem brilho
 A Lenda
 Limpinho e cheiroso
 Limpo no lance
 Língua de Fel
 Linkillo
 Lixomania
 Luz de Luma
 Mac's daily miscellany
 O malfazejo
 Malvados
 Mar de mármore
 Mara Pastor
 Márcia Bechara
 Marconi Leal
 Maria Frô
 Marmota
 Mineiras, uai!
 Modos de fazer mundos
 Mox in the sky with diamonds
 Mundo de K
 Na Transversal do Tempo
 Nación apache
 Nalu
 Nei Lopes
 Neosaldina Chick
 Nóvoa em folha
 Nunca disse que faria sentido
 Onde anda Su?
 Ontem e hoje
 Ou Barbárie
 Outras levezas
 Overmundo
 Pálido ponto branco
 Panóptico
 Para ler sem olhar
 Parede de meia
 Paulodaluzmoreira
 Pecus Bilis
 A pequena Matrioska
 Peneira do rato
 Pictura Pixel
 O pífano e o escaninho
 Pirão sem dono
 políticAética
 Política & políticas
 Política Justiça
 Politicando
 Ponto e contraponto
 Ponto media
 Por um punhado de pixels
 Porão abaixo
 Porco-espinho e as uvas
 Posthegemony
 Prás cabeças
 Professor Hariovaldo
 Prosa caótica
 Quadrado dos Loucos
 Quarentena
 Que cazzo
 Quelque chose
 Quintarola
 Quitanda
 Radioescuta Hi-Fi
 A Realidade, Maria, é Louca
 O Reduto
 Reinventando o Presente
 Reinventando Santa Maria
 Retrato do artista quando tolo
 Roda de ciência
 Samurai no Outono
 Sardas
 Sérgio Telles
 Serbão
 Sergio Amadeu
 Sérgio blog 2.3
 Sete Faces
 Sexismo e Misoginia
 Silenzio, no hay banda
 Síndrome de Estocolmo
 O sinistro
 Sob(re) a pálpebra da página
 Somos andando
 A Sopa no exílio
 Sorriso de medusa
 Sovaco de cobra
 Sub rosa v.2
 SublimeSucubuS
 Superfície reflexiva
 Tá pensando que é bagunça
 Talqualmente
 Taxitramas
 Terapia Zero
 A terceira margem do Sena
 Tiago Pereira
 TupiWire
 Tom Zé
 Tordesilhas
 Torre de marfim
 Trabalho sujo
 Um túnel no fim da luz
 Ultimas de Babel
 Um que toque
 Vanessa Lampert
 Vê de vegano
 Viajando nas palavras
 La vieja bruja
 Viomundo
 Viraminas
 Virunduns
 Vistos e escritos
 Viva mulher
 A volta dos que não foram
 Zema Ribeiro




link-graphic-01-120x60.gif

 Decalogo do Blogueiro



selinho_idelba.jpg

Movable Type 3.36

terça-feira, 10 de maio 2011

Novo endereço

Aviso: o Biscoito fechou as portas, mas eu continuo em atividade, agora mais intensa e frequente, na Revista Fórum, tanto no meu blog pessoal aberto no site da Revista, como nas matérias de capa, às quais passo a contribuir com textos, entrevistas e traduções. Apareçam por lá.



  Escrito por Idelber às 15:23 | link para este post



segunda-feira, 14 de março 2011

Este blog encerrou suas atividades

Seis anos depois de publicar o Decálogo dos Direitos do Blogueiro, que marca a inauguração desta URL, e seis anos e meio após sua primeira postagem no UOL, O Biscoito Fino e a Massa encerra suas atividades, agora em definitivo. Os arquivos continuarão aqui. Da mesma forma como, na hibernação de 2009-10, eu já imaginava que o blog voltaria durante as eleições, agora tenho a convicção de que é a hora de fechar a bodega e voltar para o trabalho de pesquisa. Desse front, a quem interessar possa, aí vão as notícias: o Brazilian Popular Music and Citizenship sai nas próximas duas semanas, a minha tradução de Tununa Mercado já saiu e o Figuras da violência será lançado pela Editora UFMG no segundo semestre deste ano. Mas produzir outro livro vai mesmo exigir dedicação em tempo integral. Meus Twitter, FormSpring e Google Buzz também serão fechados hoje.

Despeço-me mencionando e linkando alguns dos blogueiros que me brindaram com sua amizade e interlocução nestes quase sete anos. Incentivo os leitores a que sigam os links.

Agradeço a Fábio Sampaio, que cuidou da nossa retaguarda e hospedagem. Nemo Nox desenhou o layout do blog. Alexandre Nodari, Flávia Cera, Hugo Albuquerque e Ana Paula Medeiros, entre outros, já testemunharam que sua participação aqui deu algum impulso para que eles abrissem seus próprios blogs. Isso me orgulha muito, porque os considero quatro dos melhores blogueiros do Brasil. O próprio Alexandre, a Cynthia Semíramis, a Marjorie Rodrigues e o Paulo Candido abrilhantaram o blog como colunistas convidados, e a eles vai um agradecimento especial.

Com muita gente que conheci em blogolândia ao longo destes anos, os laços de amizade passaram também a incluir o mundo chamado real.

Rafael Galvão e Mônica me proporcionaram uma estadia inesquecível em Sergipe.

Na megalópole maior, há uma lista enorme de agradecimentos pela hospitalidade e/ou interlocução, em casas, restaurantes e bares: a Lauro Mesquita, Tiago Mesquita e Joaquim Toledo, do blog Guaciara, a Lucia Malla que, viajante contumaz, anda agora pelo Havaí, mas a quem conheci em São Paulo; Luiz Biajoni, Renato Rovai, Glauco Faria e Frédi do Futepoca, Fal Azevedo, Alessandra Alves, Pandini, Camila Pavanelli, Alexandre Inagaki, Mary W, Kellen Guiterres, Bibi, Franka, Klein, Ivana Arruda Leite, Marcos Matamoros, Andrea del Fuego, Marcos Donizetti, Tuca Hernandes, Marconi Leal, Fabiana Motroni, Branco Leone, Pedro Dória, o Pax, Márcia Bechara, Alê Félix, Iraldo, André Marmota, André Kenji e NaMaria, além do Hugo e da Marjorie, citados acima. Com todos eles passei momentos memoráveis.

No Rio de Janeiro, contei com a hospitalidade e/ou interlocução de Ricardo Cabral, Monix e Helê do Duas Fridas, Alex Castro, Marina W, Marcos Vasconcelos, Christiana Nóvoa, Silvia Chueiri, Renata Maneschy, Viva e Yvonne do já extinto “Nós por Nós”, Bruno Freitas, Maurício Santoro, Lucas Abreu, Miguel do Rosário, César Kiraly, Luiz Antonio Simas, Eduardo Goldenberg, o Marechal, o Nababu e o tuiteiro e amigo militante Bernardo Cotrim.

As visitas à minha cidade, Belo Horizonte, têm sido ocasiões para reuniões blogueiras com muita gente especial: além da Cynthia, já citada, Túlio Vianna, as pioneiras Laura Guimarães e Juliana Sampaio, Cláudio Costa, Ana Letícia, Carlos Magalhães (o Guto), a Mônica, do extinto Monicômio, Jorge Rocha, Guilherme Scotti, Fernanda Castro, Fernando Lara, Daniel Fernandes, Letícia Marteleto, Luiza Voll, Nalu, Cibbele Carvalho, Érika Pretes, Leandro Oliveira e Déborah Rajão já são amigos de vida real, junto com a carioca Carla Rodrigues, os gaúchos Alex Primo e Gabriela Zago, e o paulista Sérgio Amadeu, todos eles conhecidos em BH. Também em BH, Fernando Serboncini me proporcionou uma tarde muito especial no Google.

Em Porto Alegre, sou muito grato especialmente ao Marco Aurélio Weissheimer e à Katarina Peixoto, que me hospedaram em sua casa, e ao Milton Ribeiro e à Claudia Antonini, que me receberam na sua. Tive também o prazer de conhecer o Tiagón, do extinto e saudoso Bereteando, o Daniel Cassol e Douglas Ceconello, do Impedimento, o Senhor Cloaca, Cláudia Cardoso e Eugênio Neves, do Dialógico, César Schirmer, Rachel Duarte e a Elenara Lelex, além da tuiteira Clarissa Pont, que outro dia me transportou no túnel do tempo, me lembrando da época em que eu militava com o seu pai, o Deputado Raul Pont (PT-RS). Ainda não conheci pessoalmente o Cristóvão Feil, mas não faltará oportunidade. O Diário Gauche tem sido leitura diária minha há anos.

Em Brasília, o Sérgio Leo me recebeu com mais carinho e generosidade do que eu mereceria, dadas as minhas invectivas raivosas contra o jornalismo. É uma amizade que ficará para sempre, tenho certeza. Na Coreia do Sul, contei com as dicas e a hospitalidade da Denise Arcoverde. Na Califórnia, usufruí da hospitalidade da Leila Couceiro, do extinto "Stuck in Sac".

Com certeza deixei de mencionar muita gente, por esquecimento ou porque os links já não estão na rede. Agora vocês imaginem: eu conheci todas essas pessoas por causa deste blog. De todas elas eu guardo pelo menos uma memória especial.

Além daqueles a quem conheci pessoalmente, quero mencionar alguns dos colegas com quem ainda não cruzei no mundo chamado real. Daniel Lopes montou o fantástico Amálgama, que é nosso interlocutor há tempos. De Nelson Moraes e Cynthia Feitosa me lembrarei sempre. Os blogs de Moysés Pinto Neto e Pádua Fernandes continuarão a fazer parte das minhas leituras diárias, com certeza. Praticamente toda a turma congregada no portal OPS tem dialogado com este blog ao longo dos anos, e deixo na despedida, além dos já citados, menção e link a André Egg, Lelec, Serbão, Diego Viana, Ulisses Adirt, Gugala , Felipe de Amorim, Fabiano Camilo e Rodrigo Cássio, este último já um amigo no mundo chamado real.

Seria impossível citar as centenas de blogs com os quais mantivemos diálogo ao longo destes anos, mas deixo um alô de despedida também a Alexandre Porto, João Villaverde, Pedro Alexandre Sanches, Celso de Barros (já hibernando), Paula Góes, Lola Aronovich, Paula Lee, Raphael Neves, Gato Precambriano, Menina Eva, Mauricio Caleiro, Victor da Rosa, João Guilherme, Bruno Cava, Lady Rasta, Rafael Fortes, Deisy Ventura, Catatau, Érico Cordeiro, Niara de Oliveira, Len, Suzana Gutierrez, Alcinéa Cavalcanti, Allan Patrick, Meg Guimarães, Marcos Doniseti, Bianca Cardoso, Bruno Ribeiro, Leonardo Sakamoto, Marcelo Manzano, Lino Bocchini, Luciana Nepomuceno, Leonardo Bernardes, Patrícia Fornitani, Marcelo "Muta" Ramos, Fred Coelho, Vanessa Lampert, Allan Robert, Altino Machado, Maria Frô, Gilson Moura Jr., Paulo Bicarato, José Murilo Jr., o Luiz lá no Ceará e aos importantíssimos projetos Machismo Mata, Blogueiras Feministas e Rede Brasil Atual.

Este blog recebeu alguns milhões de visitas e algumas dezenas de milhares de comentários. Que todos os leitores não blogueiros se sintam contemplados no meu agradecimento a Renata Lins, Jair Fonseca e Paulo SPS. Que vocês representem todos os sem-URL.

Além de tudo isso, este blog me permitiu conhecer o meu amor, que nunca mais terá que ouvir peraí que estou terminando um post. Valeu a pena ou não valeu?

Ao sambista mais novo, está entregue o bastão.



  Escrito por Idelber às 02:56 | link para este post | Comentários (176)



sábado, 19 de fevereiro 2011

Um blog aos sábados: Pensar Enlouquece, Pense Nisso

Está de volta no Biscoito a série “Um blog aos sábados”. Ela tenta colocar em prática um dos princípios que norteiam o blog desde sua inauguração: circular links, recomendar outros textos na rede, levar os leitores a ampliarem o seu leque de referências na internet. Esta série já homenageou Uma Malla pelo Mundo, Rafael Galvão, Drops da Fal, Palestina do Espetáculo Triunfante e Ao Mirante, Nelson! O homenageado de hoje é Alexandre Inagaki, do Pensar Enlouquece, Pense Nisso.


pensar-enlouquece.gif



Quando se escreva a história da internet brasileira, caberá um lugar de destaque a Alexandre Inagaki. Pioneiro que transita por várias áreas, o jornalista, poeta bissexto, leonino, japaraguaio, air drummer e cínico cênico—algumas de suas autodescrições—é o signatário do blog Pensar Enlouquece, Pense Nisso. É referência incontornável na internet. Autor de texto fino, sempre escrito em português escorreito, Ina tem algumas características que são verdadeiras marcas registradas: a apuração rigorosa de tudo o que diz, o olhar levemente irônico, mas nunca sarcástico ou agressivo, a generosidade ao linkar de forma profusa e constante, a multiplicidade de interesses, o assombroso domínio de referências da cultura pop e o incrível talento para desenterrar coisas insólitas na internet, como os piores cantores do mundo, os hilários virunduns ou as danças mais bizarras do YouTube. Quando este blog abriu suas portas, em outubro de 2004, Ina já era mito. Nós nos conhecemos pessoalmente em agosto de 2005 e eu me orgulho de tê-lo como amigo há quase seis anos.

Fazer uma antologia dos textos de Inagaki na internet é como escolher os gols mais belos de Reinaldo ou os melhores poemas de Drummond. A profusão é estonteante. Se, por alguma misteriosa conjunção dos astros, você não sabe quem é Alexandre Inagaki, minha sugestão é que você siga o link ao blog e faça um passeio tranquilo e demorado pelos arquivos. Já tradicionais, por exemplo, são os seus balanços telegráficos de fim de ano. Delicie-se com os flashbacks de 2004, 2006, 2007 e 2008.

Romântico contumaz, Inagaki é também responsável por uma série de inovações formais na blogosfera. Generoso, Ina mantém à direita da página uma lista de “blogs da semana”, na qual ele recomenda blogs de qualidade, mas ainda pouco conhecidos. O blogroll do Biscoito inclui vários sites com os quais tomei contato, pela primeira vez, através do Pensar Enlouquece. Quando vejo referências à história da blogosfera brasileira como se ela tivesse começado anteontem, me lembro dessa cronologia escrita por Ina, que se remonta ao ano de 1998, além dos vários outros posts de historiografia de blogolândia que ele já publicou. É importante reconhecer quem veio antes de nós. É importante dar o crédito. São duas lições do Pensar Enlouquece às quais tenho tentado fazer jus ao longo dos anos.


DSC00281.JPG
Inagaki, em pé, de preto, no centro do grupo de blogueiros que se reuniu em agosto de 2005 no debate sobre blogs promovido pelo Salão do Livro de Belo Horizonte.

A música popular, o cinema, os quadrinhos e a literatura são presenças constantes no blog desse torcedor do Guarani de Campinas. Mais além das óbvias polêmicas possíveis, os textos de Ina esbanjam erudição, mas sempre de forma simples, sem exibicionismos ou carteiradas. Invariavalmente, eles demonstram seu talento de frasista, como na célebre "Amar é decretar uma chacina de neurônios". Quando algum acontecimento abala o mundo da cultura popular, é alta a probabilidade de que Ina faça um dos melhores balanços do tema, como foi o caso na morte de Michael Jackson.

A primeira visita de Ina ao Biscoito—feita quando o PE, PN já era uma referência para mim—me encheu de orgulho na época, e vinha expressar uma discordância sobre García Márquez, escritor que não está meu panteão, mas por quem Ina tem muito apreço. De lá pra cá, votamos em candidatos diferentes, tivemos opiniões discordantes sobre uma infinidade de assuntos e polemizamos um par de vezes. Continuamos amigos.

Nos últimos dias, por razões que não vêm ao caso, tenho me lembrado muito do mantra estampado por Ina em seu blog: A vida é bela e cheia de possibilidades. A vida é bela e cheia de possibilidades.

Pensar Enlouquece, Pense Nisso. Valeu, Ina.



  Escrito por Idelber às 08:09 | link para este post | Comentários (21)



quinta-feira, 20 de janeiro 2011

Links da semana

Aí vão os links para o que de mais interessante andei lendo na internet na última semana:

Acabou não repercutindo muito no Brasil a importantíssima Revolução Tunisiana que está em curso. Seleciono alguns textos: o Amiano Marcelino, que já esteve no país magrebino, escreveu post. João Villaverde também comentou. Na Vila Vudu, há várias traduções que valem a pena a conferida: uma entrevista com o editor de política da Al-Jazeera, Marwan Bishara, A Primeira Revolução Wikileaks?, texto de Elizabeth Dickinson para a Foreign Policy, e Que a fagulha tunisiana abrase todo o mundo árabe, por Mohamed Belaali. Leia também, no El País, matéria sobre a participação das mulheres na revolução.

*********

Aliás, se ligue no excelente trabalho de tradução feito pelo Coletivo da Vila Vudu. Textos relevantes, atuais e bem traduzidos. Estão prestando um serviço belíssimo à língua portuguesa.

**********

O blog da Kika Castro publicou dois ótimos textos sobre algo que me interessa bastante desde que os aeroportos—no mundo todo—começaram a se transformar em lugares cada vez mais desagradáveis e inóspitos: viajar de avião ou de ônibus? Um lado, depois, o outro lado. Ainda no blog da Kika, você pode ler um pouco mais sobre esse desastre que é a prefeitura demo-tucano-socialisto-petista de Márcio Lacerda em Belo Horizonte.

**********

Sobre um assunto ultra-polêmico, a construção da usina de Belo Monte, eu acompanho com interesse o que dizem todos aqueles que sabem do que falam, em ambos lados do debate. Anteontem, o Alexandre Porto publicou um post muito bem argumentado, defendendo a construção da usina. Uma perspectiva diferente pode ser encontrada no blog do Leonardo Sakamoto. Aqui neste link você tem todos os textos do Leo em que se menciona a usina.

*********

Na Revista Fórum deste mês, há muita coisa boa para ser lida. Recomendo especialmente Racismo, ninguém sente, ninguém vê, ninguém sabe o que é, por Ana Maria Gonçalves; Cotas da igualdade, por Túlio Vianna; Homofobia em branco e preto, por Glauco Faria e Thalita Pires.

**********

Natalia Viana manda avisar que nesta sexta-feira tem entrevista exclusiva para brasileiros com o Julian Assange. A Natalia está recebendo perguntas dos internautas e selecionará algumas para o evento.

**********

Um blog que tenho lido com gosto e proveito cada vez maiores é O Palco e o Mundo, de Pádua Fernandes. Recomendo especialmente o post sobre os desaparecidos da ditadura militar no contexto do governo Dilma Rousseff.

**********

Pra não dizer que não falamos do esporte bretão, recomendo Considerações sobre as transmissões de futebol no Brasil, por Rodrigo Cardia, no Jornalismo B. Rodrigo é o titular do blog Cão Uivador.

**********

Há vários blogs recém inaugurados ou que recentemente entraram para o meu radar. Já está no ar, desde outubro de 2010, o coletivo Blogueiras Feministas. Novo na área é o Quem mandou nascer mulher?, escrito por Ana Araújo, Maria Júlia e Paula Penteado, estudantes de Letras na USP. Um velho amigo e interlocutor deste blog, Carlos Magalhães, o Guto, inaugurou um novo espaço: Sociologia do Absurdo, com proposta bem interessante. Valem a conferida.

**********

Já faz algum tempo, mas eu só li recentemente e quero recomendar: meu amigo César Kiraly escreveu um post bem polêmico: O Verde é conservador? Não deixe de conferir.

**********

Meu também amigo Ricardo Cabral escreveu mais um de seus textos de rara sensibilidade, daqueles com os quais tanta gente poderia aprender muito: O Outro.

**********

Também vai atrasada a recomendação, mas trata-se de texto indispensável, e bem curtinho. A Juliana Cunha escreveu um parágrafo definitivo sobre jornalismo.

**********

Aproveitando o ensejo: todos os leitores deste blog já devem saber do caso, mas vai o link assim mesmo. Justamente quando eu me preparava para amaciar um pouco minhas diatribes contra o jornalismo brasileiro, eis que a mídia tupiniquim inventa uma falsa história de cachorro tomando conta de túmulo. Menos mal que ainda temos Sergio Leo, fazendo suas magníficas entrevistas.


Feliz navegação.



  Escrito por Idelber às 01:07 | link para este post | Comentários (17)



segunda-feira, 20 de dezembro 2010

Sobre comentários, novos colunistas, links, blogroll e interação na rede

Já há algum tempo o blog precisa atualizar umas pautas de publicação, linkagem e organização do espaço, porque algumas coisas mudaram por aqui e muitos leitores novos chegaram. Este post é para esclarecer os critérios que organizam essas pautas.

1. O Biscoito Fino e a Massa é um blog de esquerda que fala de outros assuntos como literatura, música e, a incrível sequência de desgraças do Galo dando um respiro ocasional, de futebol. Fala também da rede e agrupa esses posts sob a tag Metablogagem. A inauguração no UOL aconteceu em outubro de 2004 e a abertura desta casa própria se deu em março de 2005, com um post intitulado Decálogo dos Direitos do Blogueiro.

2. O Biscoito publica só textos inéditos ou traduções de textos não existentes em português ou no máximo uma nota de emergência que precisa de disseminação imediata, como a resposta de um sindicato a uma matéria caluniosa na imprensa. Fora isso, você não encontrará reprodução na íntegra de coisas publicadas em outros lugares. Quando houver menção ou citação de texto publicado em outro lugar, haverá sempre um link a ele. Não importa quanto eu discorde, haverá o link. Para blogueiros de portais como o Noblat ou Reinaldo Azevedo, que nunca linkam ninguém a não ser suas empresas, o link será acompanhado da tag “rel=nofollow”, que te levará, leitor, a esses textos do mesmo jeito, mas não ajudará no ranking de Google das figuras.

3. Até bem recentemente, todos os textos eram de minha autoria, excetuando-se convites ocasionais a que figuras como Marjorie Rodrigues, Ana Maria Gonçalves, Pedro Meira Monteiro e Katarina Peixoto escrevessem aqui. De agora em diante, o blog tem três colunistas que escreverão em periodicidade pelo menos quinzenal: Alexandre Nodari, Cynthia Semíramis, Paulo Candido. Alex e Cynthia têm seus próprios blogs e farão crossposts. Para que os frequentamos o Google Reader do Paulo Candido, é conhecido o velho clamor para que ele virasse blogueiro. Estou orgulhoso de ter o passe. Meu acordo com os colunistas é simples: eles têm a chave da plataforma e publicam o que quiserem quando quiserem. É óbvio que eu não te garanto, leitor, que concordarei com 100% do que eles dizem. Mas te garanto que, na minha opinião, serão textos que valerão a pena serem lidos. Os três primeiros mostraram isso. Estou em negociações com uma quarta colunista, que seria realmente um luxo. Ela não é blogueira no momento.

4. Comentários: apesar dos números altos de visitação e do seu tratamento frequente de temas polêmicos, o Biscoito funciona com a caixa de comentários aberta. Clicou, entrou. Em ocasionais viagens minhas, quando estou fora da rede durante longos períodos, ou em pontuais momentos, por exemplo, de tensão pré-eleitoral, instala-se a moderação. Eu diria que funcionamos até aqui em 98% do tempo com a caixa aberta. Raríssimas vezes há problemas. O critério para eliminar comentários da caixa é o velho bom senso: insultos, calúnias, racismo explícito etc. são apagados quando acontecem, e eu eliminei daqui, eu diria, algumas dezenas de comentários, entre os mais de 42.000 já publicados. Sobre a Palestina Ocupada, aqui neste espaço, escrevo eu, e as caixas ficam fechadas. Quem acompanha o tema entenderá as razões, mesmo que não concorde com elas. Fora isso, o blog fomenta a discussão, e quem leu posts como o do ateísmo ou da histeria da direita com Ahmadinejad sabe que o titular do blog às vezes apanha na caixa de comentários mesmo. É parte do jogo. Em nenhuma hipótese, no Biscoito, os posts que debatem algo incluirão recursos como a publicação de endereços ou informações confidenciais de outrem, de emails pessoais sem a autorização de quem os escreveu ou de textos escritos por outros sem link para a fonte. O blog entende que os textos publicados alhures na net estão lá para serem debatidos mesmo. Neste balaio, entram tanto interlocutores de direita com quem o blog conversa como interlocutores de esquerda que sabem que serem de esquerda não significa que eu não possa expressar com eles uma discordância ocasional. Isso é feito sempre abertamente, com links, e é uma prática em parte responsável, acredito eu, pelo fato de o Biscoito ser lido por gente que odeia políticos, que dá gargalhada da política ou está à direita do centro, mas em diálogo de ideias com o blog. Nem minha ojeriza ao projeto da direita para o país significa que eu não reconheça interlocutores de valor à direita do centro nem o meu compromisso com um ideário de esquerda implica que eu me abstenha de criticar textos escritos por interlocutores de esquerda quando acho que tenho algo a dizer. O blog funciona assim desde que existe.

5. Blogroll: como a rede com a qual o Biscoito dialoga é grande e como houve uma mudança na forma como os organizo aqui à esquerda, faltava uma explicação sobre isso também. Para deixar mais claras minhas recomendações aos leitores que chegam, organizei uma lista de “Indispensáveis”, que são os blogs que leio com mais interesse ou há mais tempo. A composição do blogroll é sempre variável e acompanha a minha experiência de leitura. A tentativa aqui é de transparência com o leitor: linkados estão os blogs que realmente leio. Periodicamente, elimino os links para os blogs que já não estão mais ativos. Não deslinko um blog a não ser por isso ou por perder completamente o interesse nele ao ponto de não mais lê-lo. Noblat já esteve linkado aqui, por exemplo. Não está mais porque já não o leio. Não é prática deste espaço retirar o link para o seu blog porque você escreveu algo do qual discordo.

Eram estes alguns dos esclarecimentos que, já desde algum tempo, eu devia aos leitores, posto que muito mudou por aqui, da autoria dos posts até o blogroll.

Dito isto, sugiro—peço--aos leitores que, ao comentarem, se atenham ao tema do post, que são os princípios gerais que uso e apresentei aqui (e que servem só para mim, claro, e não como regra para ninguém), ou os que possam ter faltado, deixando passadas polêmicas rolarem e se extinguirem, como é próprio das polêmicas, na sua própria dinâmica e lá nos espaços onde estão acontecendo. De mais, o blog renova sua profissão de fé já expressa no post de estreia: entender-se-á a blogagem sobretudo como um direito à coexistência bizarra, insólita e feliz de diferenças na internet.



  Escrito por Idelber às 04:44 | link para este post | Comentários (65)



quarta-feira, 08 de dezembro 2010

Aviso

Está instalada a moderação de comentários no blog, enquanto eu me preparo para um mês com extensos períodos offline na pátria amada.

Aos amigos de BH, PoA e RJ: entrarei em contato. Amanhã, quinta-feira, de 11:30 h às 19 h, bebo cerveja com Guaciaras no aeroporto de Guarulhos. Se algum leitor do blog quiser encarar esse bizarro (e um pouco caro) programa, é bem-vindo. É só nos achar num bar por lá ou checar meu Twitter.

Cynthia Semíramis e dois novos colunistas continuarão a publicar, pelo menos de forma quinzenal. Estou em negociações com a 4ª convidada, esperançoso de conseguir o passe dela. Eu continuarei escrevendo aqui no blog, mas só de vez em quando.

Os leitores podem usar esta caixa para linques ou sugestões de pauta. Mas a aprovação do comentário vai demorar um tiquim.

Até breve, pois.



  Escrito por Idelber às 19:32 | link para este post | Comentários (6)




Wikileaks: O 1º preso político global da internet e a Intifada eletrônica

Julian Assange é o primeiro geek caçado globalmente: pela superpotência militar, por seus estados satélite e pelas principais polícias do mundo. É um australiano cuja atividade na internet catupultou-o de volta à vida real com outra cidadania, a de uma espécie de palestino sem passaporte ou entrada em nenhum lugar. Ele não é o primeiro a ser caçado pelo poder por suas atividades na rede, mas é o primeiro a sofrê-lo de um jeito tentacular, planetário e inescapável. Enquanto que os blogueiros censurados do Irã seriam recebidos como heróis nos EUA para o inevitável espetáculo de propaganda, Assange teve todos os seus direitos mais elementares suspensos globalmente, de tal forma que tornou-se o sujeito mundialmente inospedável, o primeiro, salvo engano, a experimentar essa condição só por ter feito algo na internet. Acrescenta mais ironia, note-se, o fato de que ele fez o mais simples que se pode fazer na rede: publicar arquivos .txt, palavras, puro texto, telegramas que ele não obteve, lembremos, de forma ilegal.

Assange é o criminoso sem crime. Ao longo dos dias que antecederam sua entrega à polícia britânica, os aparatos estatal-político-militar-jurídico dos EUA e estados satélite batiam cabeças, procurando algo de que Assange pudesse ser acusado. Se os telegramas foram vazados por outrem, se tudo o que faz o Wikileaks é publicar, se está garantido o sigilo da fonte e se os documentos são de evidente interesse público, a única punição passível, por traição, espionagem ou coisa mais leve que fosse, caberia exclusivamente a quem vazou. O Wikileaks só publica. Ele se apropria do que a digitalização torna possível, a reprodutibilidade infinita dos arquivos, e do que a internet torna possível, a circulação global da hospedagem dessas reproduções. Atuando de forma estritamente legal, ele testa o limite da liberdade de expressão da democracia moderna com a publicação de segredos desconfortáveis para o poder. Nesse teste, os EUA (Departamento de Estado, Justiça, Democratas, Republicanos, grande mídia, senso comum) deixaram claro: não se aplica a Primeira Emenda, liberdade de expressão ou coisa que o valha. Uniram-se todos, como em 2003 contra as “armas de destruição em massa” do Iraque. Foi cerco e caça geral a Assange, implacável.

Wikileaks é um relato de inédita hibridez, para o qual ainda não há gênero. Leva algo de todos: épica, ficção científica, policial, novela bizantina, tragédia, farsa e comédia, pelo menos. Quem vem acompanhando a história saberá da pitada de cada uma dessas formas literárias na sua composição. O que me chama a atenção no relato é que lhe falta a característica essencial de um desses gêneros: é um policial sem crime, uma ficção científica sem tecnologia futura, uma novela bizantina sem peregrinação, comédia sem final feliz, tragédia sem herói de estatura trágica, épica sem batalha, farsa sem a mínima graça. Kafka e Orwell, tão diferentes entre si, talvez sejam os dois melhores modelos literários para entender o Wikileaks.

Como em Kafka, o crime de Assange não é uma entidade com existência positiva, para a qual você possa apontar. Assange é um personagem que vem direto d'O Processo, romance no qual K. será sempre culpado por uma razão das mais simples: seu crime é não lembrar-se de qual foi seu crime. Essa é a fórmula genial que encontra Kafka para instalar a culpa de K. como inescapável: o processo se instala contra a memória.

O Advogado-Geral da União do governo Obama, que aceitou não levar à Justiça um núcleo que planejou ilegalmente bombardeios a populações de milhões, levou à morte centenas de milhares, torturou milhares, esse mesmo Advogado-Geral que topou esquecer-se desses singelos crimes e não processá-los, peregrinava pateticamente nos últimos dias em busca de uma lei, um farrapo de artigo em algum lugar que lhe permitisse processar Julian Assange. O melhor que conseguiram foi um apelo ao Ato de Espionagem de 1917, feito em época de guerra global declarada (coisa em que os EUA, evidentemente, não estão) e já detonado várias vezes—mais ilustremente no caso Watergate—pela Suprema Corte.


guardian-07122115-1.jpg


À semelhança do 1984 de Orwell, o caso Wikileaks gira em torno da vigilância global mas, como notou Umberto Eco num belo texto, ela foi transformada em rua de mão dupla. O Grande Irmão estatal o vigia, mas um geek com boas conexões nas embaixadas também pode vigiar o Grande Irmão. Essa vigilância em mão dupla é ao mesmo tempo uma demonstração do poder da internet e um lembrete amargo de quais são os seus limites. Assange segue preso, com pedido de fiança negado (embora o relato seja que o Juiz se interessou pela quantidade de gente disposta a interceder por ele e vai ouvir apelo) e, salvo segunda ordem, está retido no Reino Unido até o dia 14/12. A acusação que formalmente permitiu a captura é o componente farsesco do caso, numa história que vai de camisinhas furadas em sexo consensual à possíveis contatos das personagens com a CIA.

No campo dos cinco "escolhidos" para repercutir a rede anônima, não resta a menor dúvida: cabeça e tronco acima dos demais está o Guardian, que tem tomado posição, feito jornalismo de verdade, e mantém banco de dados com o texto dos telegramas. Brigando pelo segundo lugar, El país e Spiegel, com o Le Monde seguindo atrás. Acocorado abaixo de todos os demais, rastejante em dignidade e decência, o New York Times, que se acovardou outra vez quando mais era de se esperar jornalismo minimamente íntegro. A área principal da página web do jornal, na noite de 07/12, não incluía uma linha sequer sobre a captura que mobilizou as atenções de ninguém menos que o Departamento de Estado:


NYT-07-12-2117.jpg

Enquanto isso, a entrevista coletiva de Obama acontecia com perguntas sobre o toma-lá-dá-cá das emendas entre Republicanos e Democratas, e silêncio sepulcral sobre o maior escândalo diplomático moderno dos EUA. Nada como a imprensa livre.

A publicação dos telegramas não para, evidentemente, no que é outra originalidade do caso: a não ser que você acredite que a acusação sexual na Suécia foi a razão real pela qual o aparato policial do planeta foi mobilizado para prender Assange, cabe notar que o “crime” que motivou a prisão continuará sendo praticado mesmo com o “criminoso” já capturado. O caso Wikileaks inaugura o crime que continua acontecendo já com o acusado atrás das grades: delito disseminado como entidade anônima e multitudinária na Internet. 100.000 pessoas têm os arquivos do Cablegate, proliferam sites espelho com os telegramas já tornados públicos. E a Intifada está declarada na rede, com convocatórias a ataques contra os sites que boicotaram o Wikileaks.

Atualização: e os EUA estão mesmo tentando com os britânicos e suecos a extradição de Assange para processá-lo por ... espionagem!

Atualização II: No Diário Gauche, há um belo vídeo com entrevista de Assange em Oxford, com legendas e tudo.



  Escrito por Idelber às 02:37 | link para este post | Comentários (52)



quarta-feira, 17 de novembro 2010

Aviso (2)

Por incrível que pareça, terei que me desculpar de novo: imprevistos por aqui, e o raio do fuso horário desta época do ano (4 horas entre Nova Orleans e Brasília), me impediram de produzir o texto para o Clube de Leituras a tempo. Se for para começar à tarde, melhor começar no dia seguinte. Continue, pois, navegando pela maravilha. Lá está "As Academias de Sião". Você já pode consultar o texto do Milton Ribeiro e, se quiser se aprofundar mesmo, o segundo capítulo da tese da Marta Cavalcanti de Barros, que é sobre "Academias" (sugestão do leitor Frank).

Amanhã eu volto de verdade.



  Escrito por Idelber às 04:58 | link para este post | Comentários (6)



domingo, 14 de novembro 2010

Links de domingo

Aí vão alguns links dominicais para seu prazer navegador:

Alguém no PCdoB deveria bater um papo com o Deputado Aldo Rebelo. Está ficando vexaminoso. Depois de traficar informação falsa sobre a não existente “censura” a Monteiro Lobato, o deputado escreveu um artigo para a Folha em que, movido pelo salutar desejo de combater a xenofobia anti-Nordeste, mistifica a história do Brasil com expressões do tipo "heróis nacionais como Caxias" e "a elite ilustrada paulista jamais renegou a origem indígena". Prestes deve estar se revirando no túmulo, com um comunista louvando Caxias, Raposo Tavares e Pedro de Toledo. Um poço de mistificação, o artigo.

*********

O blog da Companhia das Letras publicou um texto de Lygia Fagundes Telles sobre Monteiro Lobato precedido de um cabeçalho da editora do blog, Marta Garcia, em que se dizia que o Conselho Nacional de Educação havia recomendado que Caçadas de Pedrinho “ não fosse distribuído pelo governo nas escolas públicas brasileiras”. Alertado por inúmeros leitores, entre eles este membro da ala atleticana do trotskismo, de que a informação era falsa, o blog da Companhia teve a nobreza de se retratar e incluir uma correção. Parabéns à Companhia das Letras. Na Veja, a Lya Luft também traficou a patacoada de que Lobato foi "banido". Dessa aí, evidentemente, não há que se esperar nenhuma retratação.

*********

Por falar em editoras: ainda não sei se escreverei um post completo sobre isso mas, no meu modo de ver, a Editora Record está pagando um mico federal ao armar esse escândalo pela premiação do Jabuti a Leite Derramado, de Chico Buarque. O chororô se dá por causa da derrota de um livro, Se eu fechar os olhos agora (do jornalista da Globo Edney Silvestre), que não tem absolutamente nada de muito especial. Na modesta opinião deste blogueiro, o melhor romance do ano passado não foi nenhum dos dois. Foi O Filho da Mãe, de Bernardo Carvalho. A história das mesquinharias envolvendo prêmios literários foi narrada de forma definitiva por Borges no conto “O Aleph”. Mas a queixa da Editora Record-- de que houve vitória de seu candidato numa categoria e derrota dele para o segundo colocado da categoria no prêmio geral -- já aconteceu várias vezes no Jabuti, inclusive com a Record sendo beneficiada. Minha querida Luciana, não entre nessa. Conversem com o Cristóvão Tezza. Com certeza ele terá palavras sensatas sobre o caso. Como contribuição, deixo o PDF de um longo (longuíssimo) artigo meu sobre o valor literário, que sai publicado no próximo número da Revista Brasileira de Literatura Comparada. De qualquer forma, é ridículo dizer que, num confronto entre Leite Derramado e Se eu fechar os olhos agora, o segundo perdeu porque "foi roubado". Trata-se de um romance infinitamente mais convencional e formulaico (e eu gosto do Edney, pessoa gentil e afável, que se prepara muito bem para seus programas). Mas me desculpem: escritor que é escritor escreve e ponto. Não fica chorando por prêmio. Escreva: o reconhecimento vem por acréscimo.

*********

No NaMaria News, mais um post indispensável (dizer "um post indispensável do NaMaria News", claro, é o maior pleonasmo blogueiro que há) mostrando uma das mil razões pelas quais Gabriel Chalita não deve, não pode ser Ministro da Educação. Há outras. Revelá-las-emos aqui.

*********

No Viomundo, o Professor Miguel Nicolelis, da minha querida Duke University, detonou os palpiteiros da mídia com requintes de crueldade numa entrevista sobre o ENEM. Parabéns mais uma vez ao Azenha, sempre atinado.

*********

A Carta Capital desta semana veio com chumbo grosso de Leandro Fortes sobre as maracutaias de Gilmar Mendes em Diamantino. Entre elas, a incrível história do prefeito de oposição, derrubado três vezes pelas oligarquias de Mendes. Parabéns ao Leandro pela matéria e parabéns a ele e ao querido Bob Fernandes pela volta do Baêa à primeira divisão, seu lugar de direito.

*********

O Partido Socialismo e Liberdade tomou uma ótima iniciativa: entrou com ação pedindo que STF declare a omissão do Congresso em regulamentar o direito de resposta. Isso já tinha sido tentado pela Fenaj que, pelo que parece, não tinha competência legal para fazê-lo. Vejamos agora.

*********

Nos próximos dois dias, visite a Brasiliana e leia “As Academias de Sião”, de Machado de Assis. Bateremos um papo sobre o conto aqui, na terça-feira, como parte do Clube de Leituras trotsko-atleticano.

*********

Para você que gosta de futebol americano, o Blog do Alê traz um sensacional vídeo mostrando que o jeitinho brasileiro também já deu as caras no esporte.

*********

Neste fim de semana, aconteceu maratona mundial de protesto contra o muro israelense do Apartheid. No Brasil, o Ciranda.net tem se destacado na luta.



  Escrito por Idelber às 08:49 | link para este post | Comentários (41)



quinta-feira, 28 de outubro 2010

Seis anos de Biscoito Fino e a Massa

Eis que este blog, iniciado em 28 de outubro de 2004, completa seis anos -- ou cinco, dependendo de como você faça a conta. Ficamos parados de agosto de 2009 a agosto de 2010. Este é só um minúsculo post para não deixar a data passar em branco, um pouco como aquelas festas de aniversário só com um bolinho e algumas cervejas e refrigerantes. Algo muito mais importante que o aniversário de um blog vai acontecer no próximo domingo.

A quantidade de gente que eu teria que agradecer é tão grande que só de pensar eu desisto. Mas não posso deixar de mencionar Fábio Sampaio, responsável pela nossa poderosa retaguarda, Alexandre Nodari, a quem importuno quase diariamente, já há tempos, com pedidos de ajuda dos mais variados tipos, Nemo Nox, que desenhou a arte do blog, e Rafael Galvão, que me ajudou em inúmeros fronts quando eu ainda engatinhava na blogagem. À minha outra casinha virtual, a Revista Fórum, fica o agradecimento pela parceria e pela infinita paciência com meus frequentes atrasos nos artigos. À primeira leitora deste blog, Cipy Lopes, deixo o agradecimento também. Obrigado ao meu amor, que tem paciência infinita com as postagens da madrugada, blogueira pioneira que foi.

Há muitos leitores novos chegando, então não custa dar a dica já óbvia para os leitores históricos: à esquerda, você encontrará sempre os links que lhe permitem navegar por assuntos ou por datas. O histórico do blog está todo aí. O Biscoito nunca apagou um post (a não ser as recentes transmissões de comícios, que acionam um filminho automaticamente uma vez que o comício termina). Todas as correções a posts já publicados, a não ser as insignificantes, como as ortográficas, são feitas com a rasura, de forma que o leitor saiba que o erro estava lá originalmente.

Já passei da fase de divulgar números de visitação, mas digamos o seguinte: este blog é acessado por um número de leitores que eu jamais imaginei possível quando inaugurei a bodega. Aos leitores que me acompanham desde o começo, muito obrigado. A você que chegou em algum momento posterior do percurso, obrigado. Aos comentaristas habituais: obrigadíssimo, vocês são a pulsação da coisa. Aos comentaristas que vêm regularmente para discordar de forma civilizada e apresentar outro ponto de vista, muito obrigado. Aos trolls, obrigado também, porque vocês me divertem.

Talvez uma boa maneira de comemorar seja pedir aos leitores que deixem na caixa de comentários o link ao seu post favorito (um link por comentário, senão ele fica preso como junk). Isso seria uma boa orientação para os novos, que acabam de chegar com as eleições. Se você lê o blog e nunca comentou, este é um bom momento para se apresentar.

Chego a Nova Orleans nesta sexta-feira à tarde, de volta do Chile e, a partir daí, entraremos em ritmo bem acelerado de cobertura da reta final das eleições. Penso fazer, inclusive, uma cobertura multimídia, com alguns vídeos com a minha cara barbuda dizendo trotskagens atleticanas.

É isso, então. Tim-tim. Parabéns pra nós. Seis anos nesta tranqueira, com postagens quase diárias, não é todo dia que se comemora.



  Escrito por Idelber às 19:12 | link para este post | Comentários (103)



sexta-feira, 15 de outubro 2010

Seminário Mindlin: confirmando o convite

Este post é simplesmente para reforçar o convite aos paulistanos: acontece hoje, sexta-feira, na Casa de Cultura Japonesa (Av. Prof. Lineu Prestes, 159, no campus da USP), uma mesa-redonda com a minha presença e as de Roberto Taddei e Maria Clara Paixão de Sousa, sobre o tema "Novos olhares: Leitores na Biblioteca Digital". Ela é parte do Seminário Mindlin, organizado pelo maravilhoso projeto Brasiliana USP.

O evento começa às 14 h e a minha ideia é falar um pouco da experiência da leitura de blogs. Alguns leitores me perguntaram sobre a possibilidade de transmissão pela internet. O colóquio está sendo transmitido pelo IPTV-USP mas, pelo que entendo, a coisa só rola em Windows Media Player. Em todo caso, se você está em São Paulo e tem interesse no tema, o mais seguro é aparecer por lá mesmo.

Como eu estarei em trânsito no fim de semana, esta caixa está fechada e a moderação de comentários está instalada para os outros posts. Eu devo voltar ao blog no domingo à noite, com observações sobre o debate presidencial Folha/Rede TV!. Entramos, pois, em breve recesso de 72 horas.

Deixo meu agradecimento a todos os que me acolheram, hospitaleiros, aqui em São Paulo, muito especialmente ao Guaciara. Valeu, Sampa.



  Escrito por Idelber às 02:59 | link para este post



terça-feira, 12 de outubro 2010

Convite aos paulistanos: Seminário Mindlin 2010

Acontece nos dias 13, 14 e 15 deste mês, a partir de amanhã, portanto, o Seminário Mindlin 2010, sobre o tema "O Futuro das Bibliotecas". O seminário é organizado pela Brasiliana USP, um projeto da Reitoria da Universidade de São Paulo, concebido e inicialmente coordenado pelo Prof. István Jancsó. Como você pode comprovar seguindo o link, a Brasiliana Digital é uma das maiores e mais belas bibliotecas online da contemporaneidade.

A equipe USP reunirá, na Casa de Cultura Japonesa (Av. Prof. Lineu Prestes, 159, Cidade Universitária), um grupo de pesquisadores para discutir temas que vão desde a arquitetura das bibliotecas até os e-livros e as políticas públicas para a preservação de acervos digitais.

Convido todos os leitores paulistanos do blog ao evento, cuja programação vai copiada abaixo:

13/10 Quarta-feira

19:30
Sessão de abertura
Homenagem a José Mindlin
Homenagem a István Jancsó
Lançamento da Brasiliana Digital
Versão 2.0

14/10 Quinta-feira

14:00
Novas Casas:
Arquitetura das Bibliotecas
. Ana Paula Megiani — Coordenação
. Angelo Bucci
. Eduardo de Almeida
. Rodrigo Loeb

16:30
Novas Formas:
e-livros
. Edson Gomi — Coordenação
. Matinas Suzuki
. Diego Andrade de Mello
. Susanna Florissi

15/10 Sexta-feira

14:00
Novos Olhares:
Leitores nas Bibliotecas Digitais
. Esmeralda Vailati Negrão — Coordenação
. Idelber Avelar
. Roberto Taddei
. Maria Clara Paixão de Sousa

16:30
Novos Marcos:
Políticas Públicas para Acervos Digitais
. Sueli Mara Soares Pinto Ferreira — Coordenação
. Manuel J. Pereira dos Santos
. Samuel Barichello
. Marcos Wachowicz



  Escrito por Idelber às 15:06 | link para este post | Comentários (8)



quinta-feira, 19 de agosto 2010

Diálogos no Formspring

Num dia em que as duas grandes notícias foram o protesto de Elba Ramalho pela falsificação de sua voz no programa de Serra e a fuga desesperada de Serra, com estudantes ao seu encalço, depois do debate no Tuca, não há muito mais que comentar sobre a campanha. O que é da ordem da informação imediata eu tenho compartilhado lá no Twitter.

Dando pausa nos textos sobre a campanha, então, aproveito para copiar e colar aqui a sequência de algumas conversas que tive com leitores lá no Formspring. Como saberá a maioria, o Formspring é um serviço que lhe permite fazer perguntas anonimamente a pessoas cadastradas lá. Nos últimos dias, recebi aproximadamente 200 e, destas, respondi 123. Se você é autor de uma das que sobraram, minhas desculpas. Aos outros leitores, espero que a montagem que segue faça sentido. Ela junta, para facilitar a leitura, perguntas que lá na página do Formspring estão dispersas, mas que são momentos de uma mesma conversa. Aí vão, separadas por tema. A caixa está aberta para a conversa sobre qualquer um deles, ou sobre outras perguntas já respondidas lá no Formspring.

**************

Conversas sobre moral e política:

Você pode explicar um pouco melhor o que é "moralização da política"?
"Moralização da política" é uma expressão que eu, pelo menos, sempre uso precedida do termo "discurso" ou "retórica". Ou seja, não é uma realidade existente, é um papo. É aquele papo de que "tem que acabar com a safadeza destes políticos que estão aí". É o discurso preferido dos sonegadores de impostos e subornadores de guardas de trânsito em lugares como o Leblon, Barra da Tijuca, Higienópolis e Mangabeiras.

O que seria "reduzir a politica à moral"? Isso é ruim? Por quê?
Ver a resposta abaixo sobre ser "nietzscheano em moral", para ver por que eu considero reduzir a política à moral um desastre escabroso.

Vc é marxista?
Em política, sim. Em psicologia sou freudiano, em ética espinosista, em moral nietzscheano, e em visão de mundo "geral", Weltanschauung, sou atleticano.

O que significa ser nietzscheano em moral e espinosista em ética? Obrigado.
Bem, acho que a Genealogia da Moral é um livro que deixa mais ou menos claro o que é ser nietzscheano em moral: é não acreditar que ela exista como fenômeno fundante e/ ou eterno. É não acreditar que existam essências como "o bem", "o mal" ou "o justo" em si mesmas. Para Nietzsche, primeiro há uma guerra, uma pancadaria, uma luta. Na origem, sangue. 

Depois dessa luta de caráter político, os vencedores estabelecem o que é "o bem" ou "o justo". A política funda a moral, não o contrário. Entender isso é ser nietzscheano em moral. 

Não vou me estender sobre o que é ser espinosista em ética mais além de sublinhar: a ética de Espinosa é uma ética radical (vai à raiz, é imanente, não precisa de nenhuma "muleta" transcendental) que privilegia a potência e a liberdade. Nisso, para além de toda a polêmica acerca do que é "Deus" em Espinosa, ela é uma ética radicalmente ateia.

***************

Sobre Trótski:

Por que Trotsky como referência?
1. Porque Trótski foi acima de tudo um cosmopolita. 

2. Porque Trótski foi, ao mesmo tempo que militante, escritor e polemista. Aliás o único, eu diria, em toda a tradição marxista, que foi escritor de verdade. 

3. Porque ele nunca traiu, da forma grosseira que outros traíram. Pode ter errado pra cacete, mas foram atos de ordem diferente. 

4. Porque foi o cara que encarnou a tradição dos vencidos, pensou o problema da derrota, que é um problema central para todos os que se consideraram revolucionários no século XX. E viveu a vida coerentemente com isso, como um derrotado. 

5. Finalmente, porque foi quem se manteve relevante. Você lê os livros doutrinários de Plekhanov e cia. hoje e não se aproveita nada. Mesmo Lênin (seus livros, não sua história) é algo irrelevante hoje. Você lê os livros de Trótski e há ali pensamento vibrante, é algo que te força a matutar. Minha Vida é uma das autobiografias mais reflexivas do século XX, sem dúvida. 

É nesse sentido que eu me digo "trotskista", claro. Não no sentido de que eu ache que a Quarta Internacional tem a verdade sobre a luta de classes, ou algo do tipo.


Na sua resposta à pergunta sobre Trotsky como referência, você diz "pode ter errado pra cacete, mas foram atos de ordem diferente.". Em que você acha que Trotsky errou?

Errou em 1921, mandando abater os marinheiros grevistas "como perdizes". Foram erros que favoreceram a burocratização. Pode ter errado também ao se isolar demais na época da IV Internacional, mas em meio a tantas desgraças não dá pra esperar que o sujeito seja o melhor estrategista.

Mas Trotsky estava certo no que se refere ao modelo de Estado que queria criar e aos rumos que queria para a Revolução?
Ninguém pode estar "certo" ou "errado" no que se refere a um modelo que o sujeito esperava realizar, mas não realizou. Como julgar o que o passado sonhou para o futuro se o sonho passou bem longe do que efetivamente aconteceu? Estar "certo" ou "errado" se aplica a algo que o sujeito histórico efetivamente fez, não ao que ele declarou como esperança para o futuro. 

Enquanto pôde "fazer", enquanto esteve ao leme (1917-1924), acho que Trótski acertou. Mas também acho que "acertar" e "errar" não se aplicam ao que ele imaginou depois que seria o comunismo quando realizado. Isso aí é algo que cumpre o papel de ficção constitutiva pro cara, não é algo ao qual se aplique "acertar" ou "errar": é o horizonte que torna possível o pão com manteiga da política cotidiana. Jefferson, Napoleão ou Robespierre também não "acertaram" no que sonharam para o futuro. O que não tira de nenhum desses sonhos o seu valor. 

É como eu vejo a coisa.

Porque alguns ex-trotskistas se tornam direitistas de "destaque" (R.A., Magnoli, Neocons)? Há algo no próprio trotskismo que permita "explicar" essa passagem?
Rapá, é dos mistérios mais complexos que existem. Teria que se fazer um estudo. Por um lado, acho que é porque os trotsquistas costumam ser muito hábeis com a palavra, bons polemistas, mas ao mesmo tempo figuras muito minoritárias. Se você juntar a isso a arrogância de que está treinado para achar que tem a verdade sobre a luta de classes, a potencialidade de endoidar pro outro lado é grande .

Mas reconheço que essa é uma análise simplista e muito mais coisa teria que ser dita.

*****************

Sobre a famosa metáfora do Fla x Flu:

Você acha mesmo que não há nada de bom no PSDB? Ninguém? A política no Brasil não anda muito chata com este Galo x Cruzeiro?
Não existe nenhum Galo x Cruzeiro. O PT tem a preferência de 26% dos eleitores brasileiros e a soma de todos os outros partidos não chega a isso. O PSDB não passa de 5%. Não existe nenhum Galo x Cruzeiro ou Fla x Flu. Existe um Inter de Milão x Madureira. Trate de adequar suas metáforas à realidade, minimamente. Para isso estão os números do IBGE.

Há alguém bom no Madureira? Ou só na Inter de Milão? rs
Existem jogadores de caráter no Madureira. Mas não é isso que importa. O que importa é o que o time, como um todo, fez em campo. E o que esses caras fizeram em campo entre 1995 e 2002 foi um desastre.

Torço para o Madureira. Mas acho você um cara correto. Acho que há gente boa e ruim de todo lado. Abraços e parabéns pelo espírito democrático. Abs.
Concordo que há gente boa e ruim de todo lado! Mas também acho que esse fato não pode obscurecer a observação tática de como o time está jogando, o que ele quer no jogo. Forte abraço.

******************

A mesma pergunta pessoal, feita em dois tons diferentes (e, portanto, respondida de formas diferentes):


Li que está nos Eua ha cerca de 20 anos. Pq não lecionar e desenvolver pesquisa aqui no Brasil?
Teria sido um prazer e uma honra começar a carreira numa universidade federal brasileira e essa era minha expectativa quando comecei a pós-graduação aqui nos EUA. Em 1996, quando terminei o doutorado, as federais brasileiras simplesmente não estavam contratando. Sabe como é? Era aquela época em que se falava de "desmontar a Petrobras osso por osso". 

Aí tive ofertas para ficar aqui e agora, com condições excepcionais de trabalho nos EUA (que me permitem inclusive passar quase a metade do meu tempo no Brasil), não me interessa voltar, no momento. Mas desejo encerrar a carreira no Brasil, dentro de década e meia, por aí.

Não é meio hipócrita ser marxista e ir trabalhar...nos EUA? Por q vc não vai pra China, Cuba, Coreia do Norte...?
Ora, por uma razão muito simples! Há muitos mais marxistas nos EUA que em Cuba, China ou Coreias! Falo sério mesmo: se você se interessa por debates interiores à teoria marxista, não há melhor lugar para se estar hoje que os EUA. E lembre-se que os EUA tomaram medidas dignas de Estados Unidos Soviéticos da América em pleno governo ... . Bush!

É óbvio que moro nos EUA porque aqui tenho melhores condições de trabalho, graças ao fenomenal sistema universitário deles. Lei da oferta e da procura, manja? Aquela coisa que os liberais anticomunistas adoram evocar. 

Mas não se avexe: graças às políticas do governo Lula (e à crise dos EUA), a greta entre os salários e condições oferecidos no sistema universitário americano e no brasileiro está encurtando muito. E o Brasil está começando a repatriar os seus cérebros, muitos de seus doutores perdidos durante a era FHC: eu sou um deles. 

E quanto até trotsquistas barbudos que são professores titulares em universidades de elite americanas (com direito a 1/3 do tempo no Brasil de graça!) começarem a ter motivos estritamente egoístas, econômicos pra voltar ao Brasil, pessoas como você vão ficar sem discurso, porque se nutrem de um rancor bobo, de Guerra Fria, que as afasta completamente de Jesus.



  Escrito por Idelber às 06:25 | link para este post | Comentários (31)



terça-feira, 10 de agosto 2010

Reinauguração

Este espaço afasta as teias de aranha e reabre as portas amanhã, quarta-feira, 11 de agosto. Obrigado pelas muitas manifestações de apreço pelo blog oferecidas no último ano. Como as postagens foram interrompidas para o trabalho acadêmico, suponho que seja de bom tom dar notícias sobre o que rendeu este último ano. Há dois livros meus no prelo, já entregues às editoras, que serão publicados no ano de 2011 (sim, para quem se acostumou à temporalidade da internet, dizer que o ritmo das editoras universitárias é lento compete com o eufemismo do século).

Brazilian Popular Music and Globalization Citizenship, volume que co-organizei com Christopher Dunn, sai no começo do ano que vem por Duke Press, reúne ensaios de 18 pesquisadores (metade brasileiros, metade norte-americanos) sobre as relações entre vários momentos da música brasileira e a produção, ou o cerceio, da cidadania. Não há lançamento brasileiro previsto, mas o livro sai em capa mole e deve ter bom preço da Amazon. Convido desde já aos que leem inglês a que deem uma conferida, no primeiro semestre de 2011.

Figuras da Violência: Ensaios sobre ética, narrativa e música popular sai pela Editora UFMG, também em 2011. É um livro diferente e bem mais longo que aquele que saiu em inglês, embora dele aproveite alguns ensaios. Gostei do resultado final e quero estar no Brasil para lançá-lo ano que vem.

Também está no prelo um livrinho meu sobre a Palestina Ocupada, pequena brochura paradidática de 200 páginas feita para a Editora Publisher. Aproximadamente 2/3 do livro estão escritos e a Publisher, sim, será rápida na produção, de forma que é possível que ele saia este ano ainda.

Começo a preparar agora um livro sobre masculinidade na literatura, que deve demorar um par de anos para tomar corpo, pelo menos.

Fora disso, estive publicando uns artigos sobre o escritor argentino Gustavo Ferreyra em livros nos EUA e na Europa, sobre direitos humanos ali (texto disponível na íntegra) e alhures, sobre cânone literário em revistas chilena (texto disponível na íntegra) e mato-grossense-do-sul, estive palestrando em lugares interessantes como Incheon e Seul, na Coreia, e li pra cacete, além, claro, de escrever uma coluna mensal na Fórum, que uma parte dos leitores deste blog acompanhou. Foi um ano produtivo.

Dado o contexto do Brasil de hoje, o blog vai tratar pesadamente de política, mas promete pelo menos uma dose de literatura / cultura / música / filosofia por semana. É muito difícil que eu volte a falar de futebol nesta bodega, mas essa promessa já foi feita e quebrada antes. Os velhos posts em que eu compartilhava links de outros blogs desaparecerão, pois isso agora se faz no Twitter. Abri também uma conta no Formspring, serviço que permite que você faça perguntas de forma anônima.

Haverá ajuda para que eu libere os comentários rapidamente.

Nesta madrugada entra o primeiro texto desta segunda reencarnação do Biscoito.



  Escrito por Idelber às 17:59 | link para este post | Comentários (137)



segunda-feira, 10 de agosto 2009

Este blog está em hibernação por tempo indeterminado

Caros leitores:

É hora de dar-lhes uma satisfação sobre os rumos do blog. Depois de muito pensar e examinar alternativas, decidi colocar o Biscoito em regime de hibernação por tempo indeterminado. Achei que conseguiria chegar ao quinto aniversário do blog, em outubro deste ano, no regime de postagens quase diário com o qual os leitores já se acostumaram. Mas não vai dar. Ficou impossível conciliar meu intenso envolvimento com a internet e o trabalho acadêmico que pretendo fazer nos próximos meses, que inclui três contratos de livros.

Claro que pensei na alternativa de manter o blog ativo e reduzir a frequência dos posts, o que teoricamente me permitiria dedicar mais tempo à pesquisa e à escrita acadêmica. No entanto, como sabe qualquer internauta viciado, as coisas não são tão simples. A vida online suga bastante e a minha, em particular, tem tido forte componente compulsivo. É mais ou menos como parar de fumar. No meu caso, “reduzir” não era uma opção.

Também pensei na possibilidade de convidar alguns dos muitos comentaristas do blog para postarem textos aqui a cada semana, transformando o Biscoito numa espécie de revista. Mas, além de que isso me manteria ligado na caixa de comentários, a ideia não tem muito sentido, visto que praticamente todos os colaboradores em quem pensei têm os seus próprios blogs.

Vou manter minha conta no Twitter mas também por lá devo dar uma reduzida. Sigo colaborando com a Revista Fórum, em cujo site você poderá ler, mensalmente, meus artigos, que não pretendo continuar postando aqui.

Nestes dez dias sem blogar, redescobri um pouco do intenso prazer de ler a produção acadêmica recente em crítica literária, filosofia e estudos culturais: ler coisas com capa, desenvolvendo um longo, complexo argumento em centenas de páginas, produto de pesquisa e reflexão feita ao longo de anos. É uma experiência que, pelo menos para mim, a internet não substitui. Claro que continuo um entusiasta dos blogs, das redes sociais, das novas mídias. Claro que é possível conciliar as duas coisas, viver simultaneamente nos dois mundos. Este blog provou isso nos últimos cinco anos, em que minha produção acadêmica se manteve mais ou menos constante. Mas o fato é que não conheço, pelo menos em português, um blog de penetração e frequência de postagens comparáveis às do Biscoito que seja escrito por um acadêmico ativo, com produção constante. Dá um trabalho do cacete. Meu amigo Michael Bérubé teve um blog comparável durante alguns anos. Precisou parar. Ainda não voltou. Minha suspeita é que vou acabar voltando antes dele mas, agora, impõe-se uma pausa para respirar e recarregar as baterias do intelecto.

Fica aqui o convite para que você escarafunche os arquivos do blog sobre política, Direito, literatura, Filosofia, música, esportes, New Orleans e metablogagem. Há bastante material sobre a Palestina ocupada. Há uma tag sob a qual está agrupada toda a cobertura da eleição de Obama. Para aqueles que se interessam pelos possíveis usos da internet na pesquisa sobre literatura, o Clube de Leituras talvez possa oferecer algumas ideias.

Peço a compreensão de vocês por trancar a caixa de comentários deste post, mas é uma decisão que facilita a minha transição de volta à vida acadêmica em tempo integral.

Há uma teoria que reza que não existe ex-blogueiro e, como dito acima, pretendo voltar em algum momento. Encontrarei formas de avisar-lhes. Deixo o agradecimento a todos os leitores e comentaristas. Agradeço muito a todos os blogs que lincaram textos do Biscoito ao longo destes anos. Obrigado, de verdade. Valeu.



  Escrito por Idelber às 15:58 | link para este post



sábado, 01 de agosto 2009

Drops

Os primeiros cinco links dos drops de hoje vêm do último número da Revista Fórum, que está muito bom:

Sergio Amadeu dá uma entrevista sobre a ética que animou o surgimento da internet, o conflito inevitável entre a lei de direitos autorais e o coletivismo internético e fala, como sempre, com autoridade, sobre o AI-5 Digital.

*****

Você sabe, caro leitor, quais são os três estados brasileiros onde não existem Defensorias Públicas? Você leu na Fórum, via Biscoito, primeiro: Santa Catarina, Paraná e Goiás. Três dos grandes – se não os três maiores – bastiões do anti-lulismo. O artigo de Cinthia Rodrigues é uma reflexão breve, mas informativa, incisiva, sobre o triste estado das nossas Defensorias. AC, AP, DF, MS, PB e RR tem 100% de suas comarcas atendidas por Defensorias. Só 47% das comarcas mineiras são atendidas por Defensorias. O estado de São Paulo? Quinto pior índice do Brasil, 7,1%. No artigo de Cinthia Rodrigues.

*****

Renato Rovai e Adriana Delorenzo fizeram interessante entrevista com Valter Wladimir Pomar (obrigado pela correção, André e Biajoni), talvez o maior especialista brasileiro em China, ainda que com uma versão forçada, oficial e ortodoxa sobre o massacre na Praça Tianamen.

******

Amanda Rossi escreve sobre a medida provisória que prevê a regularização de 67,4 milhões de hectares na Amazônia.

*****

Camila Souza Ramos escreve muito bem sobre a contagem regressiva do kirchnerismo e faz ótima entrevista com o historiador Osvaldo Coggliola.


*****

Foi punida só com uma censura a piradíssima psicóloga evangélica que se propõe a “curar” gays e lésbicas. Mas ainda está viva a possibilidade de que seu registro seja cassado, o que é o correto segundo resolução já aprovada pelo Conselho Federal de Psicologia, que proíbe esse tipo de maluquice.

*****

O artigo de Paulo Renó sobre cotas e falácias lógicas foi um dos melhores textos que li sobre o assunto ultimamente.

*****

Sempre é bom lembrar que foi Leonardo Sakamoto, e não a grande imprensa, quem noticiou que uma escola pública de São Paulo virou alojamento de escravos.

*****

Eu ando seguindo, sim, a linda série do Urbanamente sobre cidades literárias.

*****

Análise sensata e bem informada, sempre, é o que se tem com Sergio Leo escrevendo sobre a América Latina. Com o Paraguai não é diferente.

******

Está no blog do Alon Feuerwerker o belo documentário feito pela TV Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul em comemoração aos 30 anos da reconstrução da UNE. Parabéns ao Alon e a toda a geração da reconstrução.

*****

Alguém aí sabe quanto dinheiro público irrigou as Organizações Globo durante os 21 anos do regime militar? Existe alguma pesquisa minimamente fundamentada sobre esse mastodôntico número? Será que algum dos funcionários dos Marinho, ao falar de dinheiro público indo para isso ou aquilo, pensa em fazer essa pesquisa?

*****

Não sei se repararam, mas Michelle Bachelet deu a volta por cima.

*****
Excelente o texto de Alan Badiou sobre a arte, publicado em português no último número do Sopro, revista editada por Alexandre Nodari e Flávia Cera, que andam fazendo a peregrinação da capital mundial dos botecos.

*****

E, nas palavras de Túlio Vianna, Gilmar Mendes indeferiu (pdf) a liminar do DEM contra as cotas, mas preparou o terreno para votar com eles na questão de mérito.



  Escrito por Idelber às 07:16 | link para este post | Comentários (72)



sábado, 25 de julho 2009

Um blog aos sábados: Uma Malla pelo Mundo

Lucia Malla é das pessoas mais queridas da blogosfera brasileira. Cientista de mão cheia, viajante contumaz, estudiosa atenta da questão ambiental, Lucia é conhecida, principalmente, pela extrema gentileza com que trata a todos: uma daquelas pessoas cuja verdadeira ponderação e respeito pelo interlocutor são mesmo incomuns, irradiam compreensão e diálogo por onde passam. Orgulho-me de ser seu amigo e o seu blog é um de meus favoritos de todos os tempos. Se você anda estressado e cedendo à tentação de bater boca, a sugestão é que dê uma passada no blog da Lucia, mergulhe nos arquivos e tome um banho de alto astral, saber científico-viajante e alegria de viver. Lu integra meu blogroll desde o minuto 1, contemporâneos que somos.

Em Indústria Farmacêutica 1 e Indústria Farmacêutica 2 está o cruzamento entre Lucia cientista e Lucia ativista-blogueira-popularizadora de sua ciência. É uma fundamental leitura de nosso tempo. Mas o blog dela é muito mais. Característica que me faz gostar muito é a série Pequenas anotações de viagens virtuais, em que ela linka generosamente, sempre, os blogs que lê. Trata-se de uma arte essencial que Lu sempre exerceu com maestria.

Além do grande conteúdo, o blog de Lu é dos visualmente mais lindos, registro que é das viagens de dois grandes biólogos pelo mundo. As imagens são assinadas por Andre, marido e fotográfo, além de profissional da biologia. Aqui, Lu com um tubarão, uma de suas especialidades:

lu-malla-1.jpg


Mas é, acima de tudo, como blog de viagem que Lu deixou uma marca inesquecível na internet. Ela testemunhou Fernando de Noronha, Havaí, Everest, Seattle, Arquipélago de São Pedro e São Paulo, Ilhas Marshall, Hong Kong e tantos outros lugares que nunca nem sonhei visitar.

Companheira de ateísmo e de cosmopolitismo, cientista, atenta às questões do seu tempo, Lu já enfrentou obstáculos mil para viajar com os bichos que ama -- mas arrancou, de saldo, incríveis histórias.

Bióloga brasileira já citada por revistas de ponta da ciência internacional, Lu foi a encarregada de dar uma lula a Lula quando o Presidente visitou a Coreia. Além de testemunhar mais de quatro cantos do mundo, ensinar-nos muito sobre a conservação do planeta, esbanjar sabedoria e alto astral, Lu imortalizou uma frase na internet brasileira:

Tudo de bom, sempre.

Obrigado, Lu.



  Escrito por Idelber às 22:43 | link para este post | Comentários (27)



segunda-feira, 20 de julho 2009

Respostas a algumas perguntas frequentes

Aí vai um post que explica alguns dos princípios que regem a relação deste espaço com seus leitores e com outros blogs. Senti a necessidade de escrevê-lo depois de receber dois emails de pessoas que haviam aberto blogs e me procuraram pedindo a tal fatídica “parceria de links”. Como sabe quem bloga há algum tempo, não há nada que tire um blogueiro do sério como esse pedido. O que era diferente nesses casos é que os dois blogs em questão eram promissores. Mas o pedido é muito brochante. Aí pensei que valeria a pena aproveitar e esclarecer algumas coisas.

1.Podemos fazer uma parceria de links? Mô fio, não peça isso a um blogueiro jamais. Você queima seu filme antes de entrar na roda. “Parceria de links”, pelo menos aqui, não existe. Quando vejo um blog de que gosto, divulgo-o sem pedir nada em troca. Qual a melhor forma de trazer leitores ao seu blog então? Ora, ir armando uma rede de contatos e fazer comentários nos posts sobre os quais você tem algo relevante a dizer. Eu, pelo menos, nunca recebo aqui um comentário de blogueiro ainda não conhecido sem que eu dê uma clicadinha para visitá-lo. Se gosto do que vejo, copio o link para o meu Google Reader. Se começo a lê-lo regularmente, ele passa ao blogroll aí à esquerda. Quando vejo algum post que acho que pode ser do interesse de quem me lê, dou o link aqui no corpo dos textos. O Biscoito linka muito e com frequência há anos. Não leio religiosamente todos os blogs linkados aí à esquerda, mas não há blog em língua portuguesa que eu leia com regularidade que não esteja listado aí. Cada um faz isso de uma forma: existe gente que é completamente pautada por blogs ausentes de seu blogroll. Eu prefiro usar meu blogroll para dizer com clareza ao leitor a quem eu leio. Se não está aí, é porque não leio ou, pelo menos, não passei a ler regularmente ainda.

2.Você não respondeu meu comentário: Sempre foi minha prática responder os comentários. Ficou impossível, como qualquer pessoa razoável pode atestar visitando as caixas do Biscoito. Mas tenha certeza de que seu comentário foi lido com atenção e de que sou grato pela visita. Não tem sentido ficar entupindo a caixa com “obrigados” e “volte sempre”, mas espero que a apreciação esteja implícita. Responder ou não a um comentário é, na maioria dos casos, produto de fatores aleatórios: tempo, disposição, ter ou não ter algo que acrescentar, ter ou não ter chegado a tempo de respondê-lo antes que um monte de outros comentários tenham sido feitos etc. Se respondi ao comentário de outro leitor que não você, não pense que aquele foi mais apreciado que o seu. Na verdade, boa parte dos meus comentários favoritos aqui ficou sem resposta.

3.Você ignorou meu email / meu twitt / minha chamada no MSN / Gtalk / Facebook: Sempre foi minha prática responder os emails que recebo, mas já está ficando impossível. Se você precisa de algum link ou informação, envie um breve email ao endereço disponível aí à esquerda, e as chances são de praticamente 100% de que você receberá uma resposta. Se você me enviar um email de 17 parágrafos debatendo algum tema do blog, as chances são de praticamente 100% que ele ficará sem resposta. Não vejo muito sentido em discutir opiniões por email. Para isso está a caixa de comentários. Quanto ao MSN / Gtalk / Facebook: eu não bloqueio ninguém nessas ferramentas de comunicação instantânea. Eu praticamente não as uso.

4.Você está interessado em uma parceria para avaliar o produto tal e escrever sobre ele? Terminantemente não. O Biscoito não faz propaganda de nada a não ser do que leio e gosto, ouço e gosto, vejo e gosto. Não estou interessado em conversar com nenhuma empresa sobre nenhum produto.

5.Gostaria de enviar-lhe o meu livro ou ensaio. Receberei com todo prazer e muito provavelmente lerei. É só enviar um email e pedir o endereço. Você com certeza receberá o agradecimento pelo envio. No entanto, lembremos Derrida: o dom deixa de ser dom no momento em que se inscreve numa expectativa de economia de troca. Se você quer me dar algo, eu aceito, se for dádiva mesmo. Não me cobre nada. Eu posso fazer uma resenha ou não. Isso depende não só de eu ter gostado, mas também de eu sentir que tenho algo a dizer sobre a obra. Recebi vários livros de que gostei muito e que ainda não foram resenhados aqui – em parte por falta de tempo mesmo. Casa das feras, de Márcia Bechara, Transparência pública, opacidade privada, de Túlio Vianna, Segurança Pública, Direitos Humanos e Violência, de Rafael Fortes e Visita às casas de Freud e outras viagens, de Sérgio Telles são quatro magníficas obras que já li e gostaria de resenhar. Pode ser que role ou não. Portanto, a ausência de comentário sobre o seu envio não quer dizer nada. A certeza que você pode ter é que, se você for um jovem contista, me enviar o seu livro e eu achar que ele é uma porcaria, eu não farei uma resenha dizendo isso. Não tenho o menor interesse em detonar um jovem escritor.

6.Estamos concorrendo no concurso de blogs tal e qual, você pode ajudar? Já fiz isso muito mas, sinceramente, acho que já deu. Os concursos de blogs cumprem lá o seu papel, sempre é bacana a divulgação extra que eles trazem, mas me cansei um pouco deles. Acho, inclusive, que a grande maioria dos leitores não está muito interessada se você ganhou o selinho do concurso tal. Isso vale tanto para outros blogs como para mim. Com certeza o Biscoito voltará a ser indicado para concursos, mas eu não planejo voltar a divulgar nenhum deles aqui.

7.Estou cursando a disciplina tal e quero fazer uma entrevista com você. Sim, estou à disposição, desde que seja algo que eu não tenha respondido antes. Portanto, se você é estudante universitário e gostaria de fazer uma entrevista comigo, eu sugeriria que você desse uma olhada nas mais de dez que fiz por aí na web. Se as perguntas forem qual é o potencial dos blogs e das novas mídias? ou você acha que os blogs vão substituir a grande imprensa?, aí não, porque eu já respondi isso umas trinta vezes. Se as perguntas forem novas, em geral dá.

8.Se posso aproveitar para fazer uma sugestão, aí vai: o silêncio do outro, na internet, raramente significa o que achamos que ele significa. Trata-se de um mundo superpovoado de signos e, na ausência deles, é melhor não interpretar muito. Eu tenho visto ao longo dos anos que essa é uma boa técnica para manter a sanidade mental.

Se algum blogueiro quiser completar com algo que vem da sua experiência, fique à vontade. Se algum leitor quiser usar o espaço para saber algo mais, fique à vontade também. Sei que este é um post que em alguns momentos pareceu meio rabugento, mas eu tinha a necessidade de escrevê-lo, inclusive para ter o link na próxima vez que eu receber alguma dessas perguntas, o que vem acontecendo quase diariamente. Boa semana para todos.

PS: O blogroll dá as boas vindas a dois blogs que comecei a ler com muito gosto e proveito: Ademonista e Tiago Pereira.

PS 2: Quem esteve aqui em Minas este fim de semana e me encarou bravamente numa maratona de Originais foi a turma que escreve o excelente blog do Guaciara.



  Escrito por Idelber às 07:15 | link para este post | Comentários (55)



sábado, 11 de julho 2009

Um blog aos sábados: Rafael Galvão

Rafael Galvão é, antes de tudo, um preguiçoso. Ele é a prova definitiva de que a natureza faz as coisas direitinho. Com a erudição e o talento absurdos que possui, já teria dominado o mundo, caso se empenhasse. Tal como está, ele é só o autor de um dos melhores blogs já escritos em qualquer língua. Sem o menor respeito pelas mais elementares etiquetas do politicamente correto, implicando com cidades, com o orgulho local, com o que ele chama de pseudo-feministas, sem mover uma palha para responder aos seus comentaristas e sem comentar em lugar nenhum, ele é uma lenda viva entre os que presenciamos a pré-história dos blogs brasileiros.

Se você nunca ouviu a expressão As alegrias que o Google me dá (atenção: no fim da página há um link para a continuação da festa), você está perdendo o que de mais divertido – e ao mesmo tempo revelador – já foi feito nos blogs. As respostas do Rafael às expressões que lhe trazem leitores pelo motor de busca são um achado sensacional, não só pelas pérolas de humor que ele extrai da coisa, mas porque o “Alegrias que o Google me dá” é um verdadeiro retrato da miséria humana, inconcebível antes da internet. O Google ocupa hoje, claro, a posição que Jacques Lacan chamava de sujeito suposto saber. Ele é o Grande Outro ante o qual não só projetamos o não-saber, mas vivemos a ilusão de fazê-lo privadamente. Eu daria tudo para ver a cara de um sujeito que reencontrasse um dos seus termos de busca (penes piqueno) no interior de uma sátira do Paraíba.

Eu não teria nenhum motivo para gostar do Rafael Galvão: o cabra é stalinista, flamenguista, fã de Paul McCartney e redige melhor que eu. O texto é sempre escrito naquele português escorreito, límpido. Não há nem sombra das estrovengas barrocas que eu enfio no meio das frases. Sobre os Beatles, eu, lennonmaníaco, não seria louco de polemizar com o Paraíba. Eu sairia machucado. Ele é, provavelmente, a pessoa que mais conhece Beatles no Brasil.

Para aqueles leitores que às vezes se deixam influenciar pela paupérrima retórica indignada da República Morumbi-Leblon, eu recomendo fortemente o blog do Paraíba. Ali você aprende um pouco sobre o que é a política na realidade, vista sem hipocrisia, longe da vociferação que sobre ela nos oferecem aqueles que a odeiam. Leia Meu presidente, Sobre o Bolsa Família, A UDN vestida de azul e amarelo, Orgulho de ser brasileiro, Petrobras e política, Neo-nazistas, agora do outro lado e Os que defendem o genocídio palestino. Para começar. Quando se cansar da política, leia o Manual do Bem Foder e a Pequena eulogia a um gênio da raça que desgraçou a si e ao seu mister. Rafael também é mestre na arte de fazer previsões, entrar em polêmicas e transformar comentários de leitores imbecis em posts geniais.

Eu tenho a honra de ser co-autor de um post no blog do Paraíba. Ainda acho que é o melhor post que já escrevi, e é quase tão bom como os posts dele. Antes de oferecer o link, faz-se necessária uma explicação. Lá nos primórdios, quando ainda blogávamos com a inocência de quem faz uma traquinagem de moleque, eu cometi a irresponsabilidade de fazer uma brincadeira. No meio de um chat organizado pelo Alex, onde se reuniram vários blogueiros, apareceu uma figura de codinome Solitária 4.2, que ninguém conhecia. Depois de trocar com ela uns flertes virtuais – eu era solteiro --, inventei a história de que alguém havia sequestrado meu perfil para dar as cantadas. Depois, fui ao blog e inventei a história de que o blog também havia sido sequestrado. Exagerei tudo deliberadamente, para que os leitores percebessem a brincadeira. Ali eu aprendi que, na internet, não se brinca com a credulidade humana.

Foi um fuzuê. Alguns leitores entenderam e se divertiram. Outros, não. Comecei a receber telefonemas de amigos e familiares em pânico. Era a véspera de uma palestra minha em Northwestern University, em Chicago, e um professor de lá, leitor do blog, resolveu entrar na brincadeira. Deu-me a ideia de anunciar que um impostor havia aparecido, passando-se por mim, e que ele havia sido recebido com a seguinte pergunta: se você é mesmo o Idelber, diga lá: quem foi o artilheiro do Campeonato Brasileiro de 1977, em que ano se publicou o primeiro poema gauchesco argentino e onde nasceu Raul Seixas? A história que se seguiu foi narrada por Rafael numa inesquecível entrevista.

Homenagear o Paraíba é uma forma de me lembrar do porquê de eu escrever aqui: porque, sim, cumpre algum papel político, constrói redes sociais, compartilha conhecimento, et cetera e tal. Mas, acima de tudo, porque é divertido. Quando deixar de ser, a gente fecha a bodega.

Obrigado, Paraíba.



  Escrito por Idelber às 08:09 | link para este post | Comentários (36)



sábado, 04 de julho 2009

Um blog aos sábados: Drops da Fal!

drops.jpg

Fal Azevedo inventa, na internet brasileira, todo um sentido de comunidade através dos blogs -- isso, mes amis, bem antes que o Biscoito sonhasse existir. Longe das discussões políticas, dos geeks, das pendengas sobre jornalismo, uma enorme comunidade de leitores – muito especialmente de leitoras – se reúne em torno da Fal com carinho e devoção que, para mim, são comoventes. Se você não conhece o Drops da Fal e já fez na vida alguma afirmação sobre “blogs”, desculpe-me, mas você tem que voltar lá atrás e começar tudo de novo.

A escrita da Fal não se parece com nada que você conheça. Algum crítico literário mais apressado poderia dizer que é uma “reprodução da oralidade”, mas é muito mais que isso. Às vezes, é como se a dicção registrasse os movimentos do corpo. Tente imitar aquilo e você passa vergonha. É inimitável. Eu brinquei uma vez com a ideia de que os blogs inventavam outra forma de narrar a experiência. Aquela banalidade bruta, do cotidiano -- vizinhos, programas da madrugada, o policiamento do prazer -- pode de repente exalar uma cintilação inaudita no momento em que se transforma em matéria narrável. É com isso que Fal nos brinda todos os dias. Tradutora de mão cheia, ela inventa uma língua. Nada menos.

Houve duas ocasiões em que Fal deixou o Biscoito Fino e a Massa no chinelo. A primeira foi na cobertura do mensalão. No fogo cruzado que caracterizou os idos de 2005, com a direita exultante e a esquerda atônita, faltava uma língua para falar daquilo. O Biscoito tentou e aí estão os arquivos. Mas foi na cobertura ao vivo da Fal que o absurdo de todas as partes envolvidas se revelava. Eu aprendi mais sobre política com a cobertura da CPI feita pela Fal que com qualquer tratado de sociologia.

A segunda foi na época em que resolvi seguir uma novela, Páginas da Vida. A novela era boa, havia muito que se comentar. Mas era impossível não repetir os apelidos que Fal criava para os personagens. O meu pobre post sobre a novela acabou sendo um plágio descarado da festa orgiástica que Fal armava com seus leitores.

Em agosto de 2007, a morte de Alexandre foi, para mim, a confirmação definitiva de que qualquer ideia de justiça neste mundo é um conto da carochinha. Alexandre ainda é o autor do email mais belo que já recebi na vida, uma missiva em que ele encomendava cuidados, preocupado que estava com a vinda de Fal a Belo Horizonte. Ali se via, fariseus, o que é o amor em estado puro.

Roland Barthes sabia das coisas: a honra pode ser imerecida, mas a alegria nunca o é, disse ele em algum de seus livros. Espero que Fal não se importe com a minha revelação pública de que tenho a alegria – a honra, com certeza, eu não mereço – de ser o herdeiro do último objeto que Alexandre tocou em vida. Das minhas mãos ele só sairá para as de meus filhos.

O Drops da Fal é uma história da internet brasileira. É também um lugar para se renovar, diariamente, a alegria de viver. Apesar de tudo.

Obrigado, Fal.



  Escrito por Idelber às 07:33 | link para este post | Comentários (46)



domingo, 21 de junho 2009

Aviso aos navegantes

Depois de alguns dias de viagem no geladíssimo Sul de Minas, passo brevemente por BH amanhã e logo em seguida embarco para o Mato Grosso do Sul, onde abro um congresso internacional de literatura na Universidade Federal da Grande Dourados.

O blog entra em breve pausa durante esta semana, enquanto eu viajo. Pingando algum comentário aqui ou nos posts anteriores, eu libero na volta.

Até breve.



  Escrito por Idelber às 23:41 | link para este post | Comentários (25)



domingo, 14 de junho 2009

Links de domingo

O que vem acontecendo na República do Peru é algo que raia o inominável. Há um bom post em português sobre o assunto, no blog Cinema e outras artes: Peru, o massacre anunciado.

*****

Sobre as eleições iranianas, para além do achismo, vale a pena ler: o breve post de Juan Cole e, sugerindo mais ou menos o oposto, a análise / testemunho de Abbas Barzegar no Guardian. Em português, leia A reeleição de Ahmadinejad e a hipocrisia de Israel, no Amálgama.

*****

A ausência de notícias sobre a Palestina Ocupada na mídia ocidental só significa, claro, que os palestinos continuam sendo vítimas de terrorismo de estado sem reações violentas que atinjam israelenses. Veja o que é tentar visitar alguém na Ramallah ocupada. As humilhações sofridas pelos escritores que organizaram o Festival Literário da Palestina está documentada no YouTube. A escritora brasileira Christina Baum esteve presente e escreveu: Foi uma experiência incrível passar uma semana viajando pela Palestina com escritores, jornalistas e cineastas. Só agora entendo a gravidade da situação. É realmente muito, muito triste.

*****

No terreno das boas notícias: pela primeira vez na história, um presidente americano reuniu-se como uma associação de ateus.

*****

Um bizarríssimo estudo mostra qual foi a grande contribuição de George W. Bush à ciência.

*****

Leandro Fortes, jornalista investigativo de verdade, que incomoda os poderosos e é vítima de processo até do Presidente do STF, não tem medo do blog da Petrobras.

*****

Acaba de sair um livro importante para o movimento em defesa dos direitos de gays e lésbicas. É a nova publicação da Fundação Perseu Abramo, Na trilha do arco-íris: Do movimento homossexual ao LGBT, de Júlio Assis Simões e Regina Facchini.

*****

Não posso deixar de registrar que recebi email da Associação Brasileira de Psiquiatria em apoio ao post sobre a homofobia. Quem conhece a história da psiquiatria sabe como isso é significativo. A ABP lançou um projeto de estudos sobre os efeitos da discriminação.

*****

Bem-vinda à blogosfera, Deputada Manuela. Colocando aí um blogroll, um email de contato e uma licença Creative Commons, a coisa fica mais bonita ainda!

*****

O Biscoito praticamente já não escreve sobre futebol, mas ajudo a divulgar esse interessante espaço para os viciados em ludopédio: Esquemas táticos.

*****

Foi memorável a reunião blogueira na Cobal do Humaitá. Registro, correndo o terrível risco de me esquecer de alguém, as presenças dos blogueiros de: Ágora com Dazibao no Meio, Liberal Libertário Libertino, Recordar Repetir Elaborar, Torre de Marfim, Urbanamente, Duas Fridas, Pirão sem Dono, Pseudoplatitudes, Parede de Meia, Blogafora e mais um monte gente sem blog. Valeu.



  Escrito por Idelber às 04:57 | link para este post | Comentários (48)



terça-feira, 09 de junho 2009

Links, rumo ao Rio

O post de hoje traz links sobre vários temas e, no final, duas notinhas de interesse para os cariocas.

Em primeiro lugar, música:

blake-1.jpg Esta dica você leu aqui primeiro: conheça o dirty samba soul de meu amigo e extraordinário músico Blake Amos, que acaba de lançar seu primeiro CD, The Manifesto. Blake é artista formado por uma combinação que não pode dar errado: New Orleans + Bahia + São Paulo + Nova York + Bangkok. É o gringo mais brasileiro que conheço. Se você está em Nova York, não perca os shows de Blake. Se está no Brasil, fique atento para as constantes vindas do artista pra cá. No site de Blake dá pra ouvir um bom naco do CD. Para comprá-lo, clique aqui. Confira a faixa “Check the Sound”, canção que vi nascer. Puro suingue.


**********

Passei a noite ouvindo Balangandãs, o belíssimo CD que acaba de lançar uma de minhas cantoras favoritas de todos os tempos, Ná Ozzetti. Ela resolveu revisitar clássicos do samba com arranjos clean, mas sem as diluições “de bom gosto” que às vezes se vê em releituras do gênero. No repertório, pérolas que todo mundo conhece: “Tico-tico no fubá”, “Touradas em Madri”, “Camisa listada”, “A preta do acarajé”. O ponto alto do disco, pra mim, é “Na batucada da vida” (Ary Barroso/ Luiz Peixoto), em que a voz de Ná e o violoncelo de Mário Manga dão um show todo especial. Disco recomendadíssimo pelo Biscoito.

**********

O Samurai simplesmente matou qualquer chance de eu escrever acerca do documentário sobre Wilson Simonal. Está tudo dito ali. O post é coisa fina, de quem conhece a matéria. Não há nada que acrescentar ao texto do Samura.

**********
Futebol:

Este blog continua rigorosamente silencioso sobre o ludopédio. Pra não dar azar.

**********
Cultura:

Saiu o último número da revista argentina Todavía. Há uma coisinha minha sobre heavy metal, que o leitorado do blog já conhece, mas que ainda não havia circulado no mundo hispânico, onde o Sepultura tem enorme público.

Recomendo com muita ênfase, nesse número, o artigo do escritor argentino Aníbal Jarkowski sobre a leitura. Gosto de quem discute as condições atuais do ensino de literatura sem moralismos, sem pânico com as novas tecnologias, sem a bobagem apocalíptica de que hoje as pessoas leem menos. Vale lembrar que Jarkowski é autor de um grande romance, El trabajo.

Ainda no número 21 da Todavía, os profissionais do Direito apreciarão, acredito, o artigo de Roberto Gargarella, Professor de Direito Constitucional da UBA, sobre as novas constituições da América Latina.

Sei que muitos não gostam quando exagero na argentinofilia, mas se existe alguma revista brasileira comparável à Todavía, me avisem, porque eu não conheço. Perto dela, as Cults e Bravos! da vida ficam parecendo redação de vestibulando. O paralelo que encontrei outro dia com meus amigos blogueiros belo-horizontinos foi: comparar a cultura letrada argentina com a cultura letrada brasileira é mais ou menos como comparar a percussão brasileira com a percussão argentina. E tenho dito.

**********
Política:

A ideia era não falar da dita cuja hoje, mas não posso deixar de linkar o petardo que enviaram Cláudia Cardoso e Eugênio Neves à ANJ. Pronto. Falei.

**********

Academia:

O blogueiro zarpa amanhã para a Maravilhosa Inigualável. Começa na quinta-feira, na PUC-RJ, o congresso internacional da Latin American Studies Association. Se você mora no Rio, tem horários livres durante o dia e interesses intelectuais de qualquer tipo, em qualquer disciplina – da agronomia à crítica de arte --, não deixe de passar lá na PUC. Seguindo o link, dá pra ver a imensidão que é o programa. O trotskista atleticano que assina este blog apresenta dois trabalhos. O primeiro é numa mesa-redonda que organizei a pedido da própria LASA (e que inclui o blogueiro Mauricio Santoro), sobre o diálogo entre o Brasil e o Cone Sul. Ela acontece na quinta-feira, às 17:00, na L-454, Leme. O segundo é na mesa “The Art of Human Rights in Latin America”, onde apresento na sexta, às 17:00, na K-103, Kennedy (você não encontrará meu nome nessa mesa, mas estou lá; é que atrasei a anuidade). Falo em português em ambas mesas, evidentemente. A primeira é bilíngue português / espanhol. A segunda é bilíngue português / inglês. Acontece tudo lá na PUC.

**********

Pensei em convidar os leitores do blog e os amigos blogueiros cariocas para um chope na quinta-feira à noite. Que tal? Digamos, lá pelas 21:30. Teria que ser, claro, num lugar grande (a Cobal do Humaitá?). Pode ser que apareçam os 10 ou 15 amigos do peito que tenho no Rio, e pode ser que apareça muito mais gente, já que estou anunciando no blog. Decidam aí onde é melhor. No momento em que decidirem, eu atualizo o post confirmando.

Atualização: Está confirmado o chope para às 21:00 na Cobal do Humaitá, nesta quinta.



  Escrito por Idelber às 06:16 | link para este post | Comentários (42)



sábado, 06 de junho 2009

Um blog aos sábados: Palestina do Espetáculo Triunfante

Uma das regrinhas que organizam o blogroll d'O Biscoito Fino e a Massa é a eliminação dos links a blogs não atualizados há, digamos, três meses. É uma forma de manter as recomendações em dia e abrir espaço para novos interlocutores que chegam. Essa regra possui uma única exceção, um blog atualizado pela última vez em junho de 2008 e que aqui continuará para sempre: Palestina do Espetáculo Triunfante. A exceção se apóia num motivo bem simples. Eu considero Katarina Peixoto a inteligência mais fulminante que já blogou em língua portuguesa.

maiomeiaoito.jpg



Poesia e filosofia mantêm, sabemos desde Platão, um vínculo difícil e acidentado. Nos textos de Katarina, jóias raras, acontece essa coexistência entre o aríete poético e o pensamento mais rigoroso. Trata-se de um acontecer, mesmo, cintilante. Se você cochila, passa batido.

É verdade que os textos de Katarina não são para todos. Não porque você tenha que ser Mestre em Filosofia como ela, ou conhecer em minúcias a tradição que vai de Heráclito a Nietzsche, como ela, ou manter disposição de luta por justiça social comparável à dela – pouquíssimos seres humanos se comparam a Katarina nesse quesito. Os textos não são para todos porque eles pressupõem que o leitor se entregue à intempérie da linguagem; que esteja disposto a revirar até a última gota cristalizada de medíocre senso comum que nos habita.

Nada do que fiz aqui na cobertura da eleição de Obama se compara às poucas linhas que escreveu Katarina na noite histórica: Porque hoje, nesta noite, os profetas do apocalipse e das variantes deterministas rastaquera estão mudos. Devem estar. Porque os charlatães internacionais e os trapaceiros de balcão – engordurado – de falsas idéias e palavras de aluguel estão sem audiência [...] Porque quando a possibilidade soa como um átimo, esse átimo merece eternidade. Se não se entende, com essas palavras, a significação histórica da eleição de Barack Obama, desculpe-me, mas eu não saberia explicar melhor. Talvez outra frase de Katarina ajude: a gramática da possibilidade pode ser um acaso feliz na história, mas é preciso saber cavá-lo, nem que seja no céu, ou na ponta de um iceberg.

A Palestina é, sobretudo, um blog corajoso, escrevendo sobre Chávez, usando a fábula para a análise política, fazendo crítica cinematográfica ou literária. Leia O Piauí da Revista não existe. Leia a defesa das cotas. Leia esse extraordinário texto sobre o sertão. Leia O dia em que descobri que sou suda. Leia a reflexão sobre o Fórum Social Mundial. Trata-se do oposto daquele jornalismo filistino pretensamente neutro, que quer sair-se bem com todo mundo, manter-se equidistante entre as escolhas políticas, só conseguindo, no final, ficar equidistante entre a barbárie e os que a resistem – sendo cúmplice útil daquela, portanto. Não. No texto de Katarina, você encontrará, em bom português, a tradicional “cara a tapa”, a coragem de dizer: A abertura do inventário de Maio 68 constitui fraude porque seu atestado de óbito insiste, por incrível que pareça, em não existir.


paraibavaledosdinossauros.jpg


Leitora de Spinoza, Katarina sabe que a moral é universalizável, mas a política nunca o é. Diferença tão simples não exigiria, supõe-se, tanta tinta e tantos bytes, mas não há confusão mais daninha para o Brasil de hoje. É essa a confusão que permite que zumbis do espetáculo triunfante como Regina Duarte e Ana Maria Braga possam traficar cantilena moralizadora como se fosse alternativa política.

Katarina deixou de blogar, mas continua traduzindo dezenas de textos para a Agência Carta Maior, do inglês, do francês, do espanhol. Uma busca com seu nome retorna 129 ensaios. Pura generosidade de quem coloca seu vasto saber a serviço dos demais. Como sabemos, tradutores só são lembrados quando erram. E Katarina, como tradutora, não erra nunca. Mas, aqui, esse seu trabalho também não foi esquecido. Obrigado.

Amiga, não tome este post como um pedido para que volte a blogar. Você sabe o que faz. Aqui, neste cantinho da internet, a Palestina estará para sempre. Como você disse uma vez, nenhum continente nos separa.


Atualização: Eis que chega via César, do Animot, a notícia de que é hoje o casamento de meus amigos Katarina Peixoto e Marco Aurélio Weissheimer. Esse encontro foi uma vez definido por Katarina com uma expressão que, acredito eu, até ele gostaria de ter inventado para definir seu encontro com ela: um tiro certeiro na lua. Tim-tim e felicidades. Vocês merecem.



  Escrito por Idelber às 06:01 | link para este post | Comentários (23)



segunda-feira, 01 de junho 2009

É hoje!

Extraordinariamente, o Biscoito não publica hoje o seu já tradicional texto longo, reflexivo e / ou incendiário das segundas-feiras. Um valor mais alto se alevanta:


AI_5_FINAL-2.jpg

Conto com os belo-horizontinos lá na Rua da Bahia hoje à noite. Neste fim de semana, suspendi até mesmo meu trabalho acadêmico para estudar a sandice. Para destrinchar os danos desse projeto, continua valendo a impecável análise de Túlio Vianna e o acompanhamento do Xô Censura. O áudio do debate em que Túlio dá um baile no Senador Azeredo – mesmo dispondo somente de 15 minutos, contra 40 do Senador – está disponível aqui (o arquivo é pesado e a qualidade do áudio, nas falas de Azeredo, muito ruim).

Para quem quiser acompanhar a tramitação da geringonça no horrível site do Senado brasileiro (uma verdadeira caixa-preta), desde o PLS de 2000, o link é este aqui. O resumão feito pela Agência Senado está em franca contradição com a letra do projeto. Leia, por exemplo, o artigo 285-B. Depois, leia a definição de “dispositivo de comunicação” oferecida no artigo 16. Em seguida, veja se você se convence com a massagem tranquilizante oferecida pelo site do Senado. Não convenceu a mim nem aos dois juízes que consultei.

Por incrível que possa parecer, há profissionais do Direito que acham que esse projeto de lei não é draconiano o suficiente. Se você quiser um bom exemplo de como a mídia -- neste caso, a Rádio Inconfidência -- dissemina pânico em torno do tema da criminalidade na internet, ouça esta entrevista. Reparem na intonação da voz que introduz o programa. Notem o completo delírio que é a estatística citada: a de que nos próximos 10 anos, 90% dos crimes do mundo ocorrerão na internet.

Sempre é bom lembrar, quando alguém tirar da cartola a ladainha sobre pedofilia, que ela é um crime que acontece no mundo real, em ruas, estradas e igrejas brasileiras. A pornografia infantil na internet já é objeto penalizado. Trata-se da lei 11.829, de 25/11/2008.

Como veem, estou preparado. Com o trabalho acadêmico atrasadíssimo, mas convicto de que meu tempo está sendo bem utilizado e que minha carreira pode esperar mais uns meses ou anos por outro livro de crítica literária. Belo-horizontino, aguardo-o na Rua da Bahia, 1341, às 19:30. Sua liberdade de navegação está em jogo, meu chapa.



  Escrito por Idelber às 05:56 | link para este post | Comentários (18)



sábado, 30 de maio 2009

Um blog aos sábados: Ao Mirante, Nelson!

Para benefício das levas de leitores novos que vão chegando, o Biscoito inicia uma série: "um blog aos sábados". É uma homenagem a blogs que já fizeram história na internet, uma espécie de modesta contribuição à memória blogueira.

aomirante.gif




Nelson Moraes talvez seja o único blogueiro brasileiro a ter inventado um gênero. O que você lê em Ao Mirante, Nelson! não é microconto, não é poema em prosa, não é fait divers. É um gênero próprio, burilado ali, algo para o qual ainda não há nome e que poderíamos chamar de post elevado à condição de arte.

No final de 2004, logo depois de abrir o Biscoito, ainda sem saber onde aterrizara, saturado de ler porcarias – ou uns poucos blogs bem escritos que, no entanto, não me diziam muito --, já meio rendido à tese de que tudo na blogosfera era ruim, eu cheguei a um post. Foi, ao mesmo tempo, lição de humildade e fonte de gargalhadas que insistiam em se repetir cada vez que eu revisitava o texto. Eu nunca havia visto aquilo: um diálogo de meia página que combinava uma erudição assombrosa com um domínio perfeito de todos os tiques da linguagem tecnológica daquele momento. Trata-se daquele que eu ainda considero o post mais perfeito já produzido em lusitana língua: Se os diálogos de Platão fossem pelo MSN. Se você nunca leu, siga o link e fique por lá. Volte aqui só no domingo.

A obra de Nelson Moraes – sim, de uma obra se trata – tem essa característica, a de agarrar um momento da tecnologia, da política ou do cotidiano, extrair-lhe a essência mais hilária e, ao mesmo tempo, confrontar-nos com o seu vazio. No caso da tecnologia, o mais recente exemplo é o emblemático Jornal x Blog x Twitter: a série, que diz mais que todas as nossas verborrágicas discussões sobre o futuro das mídias. Os próprios blogs são temas constantes, como nesta paródia aos comentaristas ou nesta sátira à republicação de posts. Não custa lembrar, Nelson é o responsável pela tese de que não existe ex-blogueiro.


aomirante-2.jpg



Ninguém se lembra o que realmente foi roubado do MASP em 2007, mas para muitos de nós, aquele desimportante acontecimento jamais será esquecido. Foi, afinal de contas, quando Nelson escreveu Ladrões arrombam o MASP e se recusam a furtar inúmeras obras de arte. A criminalização da bebida para motoristas já vai caindo no olvido, como sói acontecer com as leis brasileiras, mas duvido que eu me esqueça de Lei seca ameaça piadas de bêbado. “Leem” e “voo” já me saem naturalmente sem acento (e eu não conheço tema de discussão mais chato que a Reforma Ortográfica). Mas muito depois que tenhamos nos esquecido que “heroi” "heroico"* um dia teve acento, lá estará um clássico: Após o acordo ortográfico, entra em vigor agora o acordo aritmético.

Nelson possui uma tremenda erudição literária, cinematográfica, musical e filosófica. No entanto, ao contrário de certo humor pseudoaristocrático que floresceu durante algum tempo em comarcas mais direitosas da blogosfera, a erudição de Nelson não exclui, mas inclui o leitor, mesmo aquele que não domine todo o intertexto do post. Eu, que possuo cultura cinematográfica tão vazia que nela não cabe mais nada, não deixei de gargalhar com Post Noir.

Uma vez vislumbrei uma antologia de posts de Nelson Moraes ilustrada por André Dahmer. Bem promovida, venderia mais que boa parte do catálogo de qualquer editora, mesmo que não se apagasse nada da internet. Talvez, algum dia, apareça um editor lúcido o suficiente para fazê-lo.

Vida longa e infinitas Bohemias para o Almirante.



PS: Fique à vontade você também, leitor, para compartilhar links aos seus momentos favoritos da obra de Nelson -- um link de cada vez, para que você não corra o risco de ir parar na caixa de junk.



  Escrito por Idelber às 04:11 | link para este post | Comentários (49)



sexta-feira, 29 de maio 2009

Links

El Rey Tiagón disse ontem algo muito bacana: o melhor remédio contra a ignorância é lincar. 'Bora lincar, Tiagón.

*****

Para o acompanhamento de um tema em que o Biscoito ficou devendo nos últimos meses, e de outro sobre o qual sei muito pouco, tenho recomendação a fazer: Palestina no Tsavkko e País Basco no Tsavkko.

*****

Também tem se feito presente na cobertura da Palestina, com um texto muito bem cuidado e ampla documentação, o blog Estado Anarquista.

*****

É um privilégio ser amigo da premiada cientista brasileira Lucia Malla. Esta semana, ela deu duas verdadeiras aulas: com vocês, Indústria Farmacêutica 1 e Indústria Farmacêutica 2.

*****

O Biscoito se orgulha de ter tido um papel no surgimento de alguns blogs. Há quatro deles que me são especiais. Visito, cada vez com mais gosto e proveito, Descurvo, Guaciara, Urbanamente e Consenso, só no Paredão. O Hugo é hoje uma das poucas comarcas onde me animo a ler algo sobre futebol, eu que virei um velho chato, rabugento, nostálgico e ressentido em questões ludopédicas. Tiago e Lauro Mesquita passam do cinema à política, da música à crônica com a mesma desenvoltura. O blog da Ana Paula ficou absurdamente lindo -- e o texto tem aquele esmero que convida à leitura mesmo quando o tema não é de meu interesse imediato (como é o caso com a pedagogia). Dispensam quaisquer comentários as agudas inteligência e erudição de Alexandre Nodari, sempre mobilizando de forma rigorosa um vasto leque de referências e produzindo uma leitura do Brasil que vai no avesso do avesso do senso comum.

*****

O Cloaca News continua atazanando os poderosos e revirando a latrina que é o oligopólio de mídia do Sul.

*****

A partir de uma conversa que pipocou no Biscoito, a Aline do Até aqui tudo bem escreveu sobre a estratégia discursiva da luta pró-direito ao aborto. Logo depois, a Lu do É bom para quem gosta escreveu também.

*****

Quem completou o terceiro aniversário foi o Futebol, Política e Cachaça. Parabéns e vida longa.

*****

Luis Nassif esteve em Belo Horizonte e finalmente pudemos nos conhecer. Nassif falou para um auditório abarrotado na UFMG, numa histórica discussão de mais de três horas que também incluiu o brilhante advogado Luciano Ferraz e o Prof. Venício Lima. Infelizmente, Nassif retornou a Sampa sem reservar a noite para o chopinho.

*****

No 15° aniversário da já legendária estreia de Chico Science e Nação Zumbi, Pedro Alexandre Sanches destrincha os caranguejos com cérebro e a parabólica enterrada na lama. Sinto saudades do meu breve mergulho na cena musical de Recife, cidade que ainda considero o mais criativo laboratório de ideias pop do Brasil.

*****
Se você veio a Belo Horizonte e nunca foi ao Pedacinhos do Céu, desculpe-me, mas você perdeu o mais importante. Ontem à noite, mais uma memorável sessão musical sob a batuta de Mestre Ausier Vinicius. Sem dúvida, é uma das três mais antológicas casas de choro de Pindorama.

*****

Ainda na música, a notícia de destaque da semana é o primeiro disco solo de Andreas Kisser, guitarrista de vastos recursos que vão do blues ao metal ao clássico. Dias 04 e 05 de junho tem lançamento em Sampa, aí no SESC Pompeia.

*****

Não sei se repararam, mas a blogosfera de esquerda passa por um momento bom. Consolidam-se de uma série de blogs além daqueles já mais manjados. Tem tido destaque no meu Google Reader o de Altamiro Borges. Veja também a categórica desmontagem lógica (antes que política) de um editorial do Estadão no blog de João Villaverde.

*****

Não avisem ao Sergio Leo, mas já temos o primeiro cadáver de jornalão no país. Requiescat in pace, Gazeta Mercantil.

*****

Imperdível é o relatório sobre o estado da blogosfera hispânica, no clássico Bitácoras. "Playboy" e "fotografia" são as duas palavras mais recorrentes nas buscas que levam a blogs em castelhana língua.

*****

Não custa lembrar que Wladimir Ungaretti ainda está sob censura. Censura mesmo, proibição de falar, não o choramingo do troll ocasional ou dos barões da grande mídia quando são contrariados.

*****

É inacreditável, mas oferecendo em troca o direito (bem limitado) a uma prática à qual cada vez menos leitores recorrem -- o xerox --, e da qual eles sempre usufruiram paralegalmente de qualquer forma, o lobby dos direitos autorais arrancou mais de 3 milhões anuais da Universidade de Buenos Aires que, sem consultar seus excelentes especialistas, assinou um acordo idiota.

*****

"Inacreditável" e "direitos autorais" são expressões que frequentemente vão juntas, mas isso eu nunca havia visto: *a RIAA quer pedir pena de morte para garotos que compartilharam arquivos musicais em Oklahoma* (via Twitter do Túlio). O desespero vai aumentando, na medida em que a RIAA passou a bater em retirada antes do julgamento sempre que aparecem os nomes de advogados que já a derrotaram categoricamente nos tribunais.

****
Independente de sua posição sobre a lei antifumo de Serra, o fato de que um governo estadual estimule o vigilantismo é criminoso. Não há o que dizer depois que Cynthia Feitosa já disse tudo.

*****

Na blogosfera gaúcha, uma conversa urgente sobre a situação inaceitável dos presídios.

*****

Dois sites que merecem o seu apoio, leitor: a União Nacional dos Ateus e a Luta contra a Homofobia.

*****

Sobre a bela indicação feita por Obama, de Sonia Sotomayor para a Suprema Corte, leia o sempre certeiro petardo do Rude Pundit. O Pandagon mandou igualmente bem.

****

Amanhã, a primeira homenagem de sábado a um blog fundamental.


*****

*Sensacional sátira que, dado o estado atual da perseguição às trocas de arquivos, pegou o blogueiro na boa mesmo. Correção feita às 11:12 de Brasília.

Atualização: Uma breve observação sobre o hoax acerca da RIAA. Às 03:05, eu caí na sátira do More Digitaler. Às 09:50, o leitor Murilo me advertiu do hoax. Às 11:12, eu fiz a correção, rasurando a frase, mas mantendo-a lá para que você, leitor, visse que eu cometi o erro. E não é que fazendo uma busca em português eu vejo que o portal UOL caiu no mesmo hoax no dia 21/05, ou seja, oito dias atrás, e não corrigiu até hoje? Tudo isso sem indicar, claro, qual era a fonte da "notícia".



  Escrito por Idelber às 04:05 | link para este post | Comentários (46)



domingo, 10 de maio 2009

Links

Todos os links oferecidos neste post já foram devidamente tuitados:

*****
Finalmente, saiu em português o Livro de Dave, do Will Self. A dica é a da Myriam Kazue.

*****
Papa Bento XVI vai à Jordânia pontificar sobre a "manipulação política da religião". É o prêmio óleo de peroba da semana.

*****
Nas priscas eras de 2005, Milton Ribeiro recebeu Tiagón Casagrande e fez uma bela entrevista. Foi como conheci os dois. Tiagón me fez a gentileza de encontrá-la nos arquivos da internet, pois o Sr. Milton não migrou os posts antigos da Verbeat para O Pensador Selvagem.

*****
O subgênero blogueiro inventado pelo Alexandre Nodari, o "Frases Feitas", recebeu ontem mais um belo acréscimo: Essa palavra, o racismo.

*****
Por falar nele, Henning Markell é um autor que escreve romances policias justamente para tematizar o racismo: Veja a entrevista na Revista Ñ.

*****
No Amálgama, notícias sobre a última etapa de uma canonização: Ratos de Porão, a legendária banda punk paulistana, chega ao cinema.

*****
Troféu Óleo de Peroba, II: Citibank recebe $45 bilhões de dinheiro público no socorro aos bancos, e agora está gastando grana para sabotar o plano de empréstimos estudantis de Obama. Arquive, no Twitter, sob #caradepau.

*****
A filha de Sarah Palin, adolescente mãe, vira garota-propaganda da abstinência (via Piro, que cunhou o termo lapidar: a berlusconização do mundo).

****
Num espaço de dez dias, o Estadão publicou três violentos ataques ao IPEA: um editorial, uma "reportagem" e uma coluna. Todas os três textos repetiam sem provas que os estudos do IPEA são "políticos" e não "técnicos". Ao receber um breve texto com o contraditório, o vetusto jornal paulistano recusou-se a publicá-lo.

*****
Ôxe, e eu não sabia que a China já é o maior comprador de produtos brasileiros. Mundo que muda. Things fall apart / the centre cannot hold, diria o poeta.

****
Bom domingo, mui especialmente para as mães.


Atualização: Aí vai um ótimo exemplo de conversa em rede: o leitor Vinicius veio aqui ao blog me pediu um levantamento de valores comparativos entre fraudes no Bolsa Família e nos programas assistenciais americanos. Eu indiquei o Hermenauta. Vinicius foi lá e recebeu uma resposta que traz dados interessantes.



  Escrito por Idelber às 06:48 | link para este post | Comentários (15)



sábado, 09 de maio 2009

RS Urgente só no Blogspot

Aí vai um aviso para quem não tem Twitter (hoho): o RS Urgente, indispensável fonte de notícias, análises e debates sobre a política do Rio Grande do Sul, está operando só neste endereço do blogspot. O dominío rsurgente.net, apesar de ter sido pago pelo Marco até 2010, está fora do ar desde ontem pela manhã. Ainda não sabemos o que aconteceu.

Não houve perda de conteúdo. Todos os arquivos estão lá no blogspot, voltando a 2008. Os arquivos de 2005 a 2008, que detalham em minúcias o que a Revista Veja descobriu agora, estão na velha casa do blog.


PS: Pedro Alexandre Sanches escreveu um belo texto sobre a Faculdade Zumbi dos Palmares e o Tietê.



  Escrito por Idelber às 16:13 | link para este post | Comentários (8)



quinta-feira, 07 de maio 2009

Esclarecimento aos leitores sobre meu desligamento do Pandorama

Eu comuniquei ao Pedro Doria e ao Pax o meu desligamento do coletivo Pandorama. O desligamento foi como a entrada: conversado entre amigos. Explicar aos leitores deste blog, aos velhos e aos novos, as razões da decisão é o objetivo destas linhas.

Eu não tomei a decisão sozinho. Ao ter a dúvida, chamei duas leitoras e quatro leitores antigos do blog. Debatemos por email e, mesmo eu tendo entrado na conversa achando que ia ficar, terminamos o papo unânimes na opinião de que permanecer no Pandorama não seria de interesse deste blog.

O plano inicial com o qual eu aceitei superar minha ojeriza à ideia de pôr propaganda aqui foi, para citar o convite do Pedro, “um coletivo onde blogarão Antonio Cícero, você, Villas Bôas Corrêa, Alice Ruiz, um coletivo plural”. O Cícero não começou mesmo e parece que não vai começar a blogar, além dos seus (sempre instigantes) textos semanais da Folha. O Villas continua escrevendo em seu blog sem muito envolvimento com o coletivo.

Depois do meu post sobre a visita de Ahmadinejad, fui surpreendido com um post do Pedro que aludia à “polêmica entre Idelber Avelar e Lula Borges” -- o que me causou muita surpresa, porque jamais li nem ouvi falar de ninguém com esse nome. Portanto, não poderia estar polemizando com ele. Quando recebi a notícia dessa “polêmica”, fui conhecer. Não me pareceu que valia a pena terminar de ler nenhum dos parágrafos iniciais dos dois textos que vi.

Aí, lendo o quem somos que foi colocado pelo Pedro no portal, percebi que a ideia era ter uma sorte de ringue com um representante da “esquerda” e outro da “direita”, ante os quais o Pedro exerceria sua voz moderadora. Não acho que seja uma ideia ruim fazer isso, necessariamente. Mas nesse caso era um debate em que os lugares estavam definidos e o meu intelecutor parecia ter sido escolhido de antemão – acontecendo de ser alguém de quem jamais se ouviu falar na blogosfera brasileira.

Pareceu-me (e a esses seis leitores conselheiros também) que tentar encaixar nesse marco do Pandorama a infinitude de debates que já acontecem por aqui há quatro anos e meio traria mais perdas que ganhos. Não critico o Pedro pela forma como conduziu nada nem acho que tenha havido qualquer coisa que não um mal entendido. Esse mal entendido – da ordem daquilo que Oswald, inspirador deste blog, chamava de contribuição milionária de todos os erros – me permitiu ver também que vale a pena seguir o instinto da minha ojeriza à propaganda aqui, neste espaço. Não como regra para ninguém, mas como opção minha.

Nada disso prejudica a longa amizade que já tenho com o Pedro. A passagem pelo Pandorama serviu para solidificar a amizade – ainda só internética – com o Pax, que foi um gentleman. Desejo, de verdade, sucesso ao Pandorama, porque tudo que o Pedro e o Pax conquistarem com seu trabalho será merecido. Pedro e Pax continuam no meu blogroll normalmente.

Cabe um esclarecimento final. Apareceu, na caixa de comentários sobre o Ahmadinejad -- aquela, com 203 comentários publicados, 3 apagados (por ofensas) e ainda assim acusada de não acolher pontos de vista discordantes --, a teoria de que o Pandorama havia trazido trolls. Essa teoria em nenhum momento foi base da nossa decisão. Ela nem mesmo se confirmou, inclusive. Se você é leitor novo, chegado do Pandorama, ou de onde seja, bem vindo. Os motivos da saída são os explicados nos parágrafos acima, não essa teoria, que circulou livremente por aqui, como circula qualquer uma que não esteja recheada de ofensas.

Suponho não ser necessário enfatizar que o Biscoito não está, com isso, abandonando nenhum debate. Sempre que eu vir, no Pandorama ou em qualquer canto da blogosfera, algo que eu queira debater, farei o que sempre faço, linkar e discutir. Sempre que outros blogs virem aqui algo digno de ser debatido, será uma honra receber o link e a interlocução, ou o comentário aqui na caixa. Enfim, a possibilidade de debate não desaparece de forma nenhuma.

Desejo muita sorte ao coletivo, mas o opção é pela carreira solo mesmo.


PS: Saindo de uma coisa, entrando em outra: Durou 14 meses minha promessa de não aderir ao Twitter.



  Escrito por Idelber às 07:10 | link para este post | Comentários (142)



quarta-feira, 06 de maio 2009

Diário Mothern da Gravidez

Depois do blog, do primeiro livro, da histórica comunidade do LV, dos blogs-cria e da bem sucedida série de televisão, chegou a mais recente produção Mothern. Com vocês, senhoras e senhores:

mthern.jpg


O Diário Mothern da Gravidez. Como qualquer produto mothern, é muito recomendado para homens também. Parabéns, Ju Sampaio e Laura Guimarães. Ser amigos de vocês é mesmo um orgulho.



  Escrito por Idelber às 12:24 | link para este post | Comentários (7)



terça-feira, 28 de abril 2009

A estreia do Pandorama

logo.pngA partir de ontem, este blog passou a fazer parte de um coletivo. Não exatamente um portal, mas uma comunidade em rede. Aceitei o convite de Pedro Doria para compor o Pandorama. Dar as boas vindas ao projeto e explicar aos leitores o que muda e o que não muda são os objetivos destas linhas.

Em primeiro lugar, acho que seria elegante agradecer aos portais Verbeat, Interney e Pensador Selvagem que, em diferentes momentos, me convidaram a fazer parte de jovens equipes dentro das quais, com certeza, eu teria me sentido bem à vontade. Sempre preferi continuar blogando solo, basicamente porque estou disposto a me meter em vários balacobacos aos que não gostaria de arrastar ninguém. Não seria legal colocar um portal inteiro em risco porque, por exemplo, decidi cometer desobediência civil-eletrônica e hospedar os materiais censurados do Professor Potel. Esse foi o meu motivo básico para sempre querer manter esta URL. O convite do Pandorama me permite fazer parte de um coletivo e ao mesmo tempo preservar a URL do Biscoito.

Aceito com prazer o convite do Pandorama porque 1) apesar de discordar dele em muito do que se debate em nossos blogs, confio no tino do Pedro para fazer as coisas acontecerem na internet; 2) o Pandorama não é um portal, ou seja, você continuará visitando o mesmo espaço: idelberavelar.com. Nada muda nos feeds tampouco. A diferença é que os posts se reproduzirão lá também; 3) para quem mantém um blog com domínio próprio, de crescimento constante durante anos, como é o Biscoito, vai se formando um círculo vicioso nada agradável: quanto mais o blog cresce, mais você paga. No contexto do Pandorama, serão veiculados aí acima uns anúncios que ajudarão na manutenção do blog e, oxalá, nalguma cerveja.

Eu jamais havia aderido ao AdSense, por exemplo, não por purismo, como algumas bobas discussões entre blogueiros “profissionais” versus “não-profissionais” às vezes sugeriam ser o problema para todo mundo necessariamente. No meu caso, era porque o AdSense embute anúncios a partir de palavras-chave. Você escreve um texto desancando a ocupação israelense da Palestina, vai dormir e acorda com um post seu ilustrado por um banner do Ministério de Turismo israelense. Aí não dá. Nunca topei por isso.

Os anúncios do Pandorama serão diferentes. Cada anúncio será aprovado por cada blogueiro, com sua total independência. Desde já, me comprometo com os leitores a não veicular quaisquer anúncios de: 1) entidade estatal ou privada implicada na ocupação da Palestina; 2) parte dos decadentes impérios dos Civita, dos Marinho, dos Frias; 3) armas; 4) conteúdo racista, homofóbico ou sexista; 5) armazém dos Perrella.

Fora isso, a gente conversa.

O Pandorama já tem um espaço de discussão, ainda em processo de se ajeitar. Além da confiança no Pedro e no formato flexível dos anúncios, meu outro motivo para aceitar o convite foi a qualidade do time. Fazem parte do Pandorama um decano do jornalismo político brasileiro, Villas-Bôas Corrêa, a grande poeta Alice Ruiz e o poeta e pensador Antonio Cícero, entre outros. É um time de que me orgulho fazer parte. Não o unifica absolutamente nada, acredito eu, exceto uma mínima qualidade de texto, que todos têm, sem dúvida. Da turma toda, acho que sou o único inequívoca e claramente associado com a esquerda. Mas me senti bem por lá.

Vamos ver até onde chega. Se ganharmos grana de verdade, reservarei uns 20% para o chope com os leitores.



  Escrito por Idelber às 08:01 | link para este post | Comentários (42)



sábado, 25 de abril 2009

Links de domingo

Veja que baita coleção fotográfica da pré- e da pós-história das sufragistas:

sufra.jpg



e, no mesmo blog, a linda coleção de imagens de Maio 68:

mai.jpg

(diga do Tiagón no Google Reader, onde ele e Ju Sampaio são pastores e nada nos falta).

*****

Também por dica do Tiagón cheguei neste suculento blog sobre carne argentina; caçando algo parecido em português, achei esse post com fotos, nomes e descrições.

*****

Nelson Moraes tem uma peculiaridade: cada momento da tecnologia é registrado em seu blog com um post inesquecível.

****

Tão bom como o post do Nelson foi o texto com a frase mais lapidar que li esta semana nos blogs: saiba quem é o homem que desmoralizou o bigode como símbolo de decência.

*****

Acerca de mais um imbróglio provocado pela truculência do presidente do STF, os textos que mais me tocaram foram reflexões bem pessoais: a Aline sobre a risada do Gilmar e o Thiago sobre uma experiência em sala de aula.

*****

Vale a pena ler o texto do Marcelo Träsel sobre a Lei Rouanet. Temazinho tinhoso, esse.

*****

A última do Marconi: Tô um problema de fulguras, doutor. Crônica da melhor qualidade.


Gostei muito da entrevista com Antoni Domènech publicada pela Agência Carta Maior. Não concordo com tudo, e a caracterização que ele faz das ciências humanas de hoje poderia ter um pouco mais de nuance. Mas é uma bela leitura das encruzilhadas da esquerda hoje em dia.

****

E não é que na lamentável condenação aos garotos do Pirate Bay, o juiz tinha um flagrante conflito de interesses?



  Escrito por Idelber às 04:45 | link para este post | Comentários (34)



segunda-feira, 30 de março 2009

Links

Ainda no terreno jornalistas-processando-e-silenciando blogueiros, atente-se para o caso do Prof. Wladimir Ungaretti, da Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, cujo Ponto de vista satirizava e desmascarava a picaretagem da grande mídia, incluindo-se aí as manipulações de imagem de um jornalista apelidado de Fotonaldo. Eis que Fotonaldo, sem responder nenhuma crítica, consegue a ordem de retirada dos materiais que lhe dizem respeito do site do Prof. Wladimir, que acabou deixando o silêncio em forma de protesto enquanto recorre. Escreve sobre o caso a Ariela Boaventura. Li em primeiro lugar sobre essa lamentável decisão judicial no RS Urgente.

******

O Groselha News está de casa nova.

*****

Guaciara, Urbanamente e Sorriso de Medusa são blogs de velhos amigos deste espaço que passaram a fazer partes dos links aí à esquerda.

*****

O Estado de Minas dá o seu chilique (atentado??) no episódio em que a UFMG ganhou nos tribunais um direito de resposta depois suspenso pelo TRF da primeira região. Para um contraponto, leia Direito de resposta e liberdade de imprensa, de Luis Nassif.

*****

Ainda os tribunais: jogador de futebol ganha indenização de jornalista que o havia chamado de QI de alface. Onde? Em Minas Gerais, evidentemente. Time? Ex-Ipiranga, óbvio.

*****

Sobre a prisão e subsequente liberação de Eliana Tranchesi, ofereço dois links para pontos de vista bem diferentes: Leonardo Sakamoto e Ely Ery Roberto Correa (este via Jayme, que outro dia disse tudo o que penso e nunca escrevi sobre Ferreira Gullar).

*****

Todo mundo já recebeu emails-corrente propondo boicote a isso e aquilo. Só Rafael Galvão, no entanto, é capaz de tomar um deles como mote para fazer arte. Leia também, da lavra do Paraíba, Sobre livros e Pequena eulogia a um gênio da raça que desgraçou a si e ao seu mister. O Paraíba é um blogueiro preguiçoso. Tece posts com a urgência de um Caymmi diante do mar. Às vezes, larga o blog às moscas. Quando volta, reassume seu lugar de direito: um dos melhores prosadores da internet brasileira.


*****

Links em outras línguas:


Entendamos a diferença entre a grande mídia brasileira e a argentina. O Brasil não possui um veículo como o Página 12 que, faz um mês, é o único jornal latinoamericano que leio. Confira o Nuevo diccionario de la derecha criolla.

******

A Sorbonne está em pé de guerra.

*****

Confesso que tenho desenvolvido um certo prazer sádico em ler textos sobre a lenta e inapelável agonia do jornalismo em sua forma, digamos, canônica das últimas décadas. Em inglês, aí vai uma seleção. A algum deles com certeza eu cheguei via Tiago Dória.

Pesquisa do Pew Research mostra que a grande maioria dos americanos não está nem aí para a morte dos jornais regionais.

Na Slate, Jack Shafer põe os pingos nos i's: É hora de jogar fora a idéia de que jornais são essenciais para a democracia. A liberdade de imprensa é essencial para a democracia. Jornalistas que estão agonizando na grande mídia adoram confundi-la, essa liberdade, com a existência de conglomerados mídiaticos na forma que os conhecemos hoje.

No Guardian, Nick Cohen faz um alerta interessante à BBC.

Até John Nichols and Robert W. McChesney no The Nation, quem diria, no meio de uma bela análise da situação, dão essa idéia maluca de criar um imposto para sustentar jornal. Socialista convicto, peço que me incluam fora dessa.

Segurem mais uma: conglomerados de mídia vão ao Google pedir que se manipule a fórmula para que saiam melhor colocados nas buscas. É inacreditável (via Piro).

Finalmente: entrevista com Bill Moyers sobre Jornalismo e democracia.



  Escrito por Idelber às 13:11 | link para este post | Comentários (67)



sexta-feira, 27 de março 2009

Jornalista Felipe Vieira foge do pau e se agarra à vara dos tribunais

Vejam vocês, para usar um termo caro à parte querelada, a dêmencia em grau inaudito:

Se jornalista não processa jornalista era o lema dos funcionários dos grandes grupos de mídia no passado, com a internet e o mínimo trabalho de ombudsman que fazem certos blogs, passamos à fase seguinte da brincadeira. Agora as dondocas da grande mídia correm aos tribunais para processar jornalistas-blogueiros independentes quando estes lhe cobram explicações as mais razoáveis sobre seu trabalho e seus vínculos.

O Sr. Felipe Vieira é âncora de um programa da Bandeirantes RS e signatário de um site “jornalístico” irrelevante com patrocínio de dinheiro público gaúcho. Processa os blogueiros do Nova Corja por um post de quase um ano atrás, dedicado na verdade a outrem (que já processou o NC e perdeu, aliás). Naquele post, o Nova Corja questionava a lógica do patrocínio, apontava a realidade de chapabranquismo no jornalismo gaúcho e dava o link ao site do Sr. Vieira, para que os leitores pudessem julgar por si próprios. No seu site de “jornalismo”, entre dezenas de manchetes, não há uma única que aluda ao atual colapso político, moral, institucional e financeiro do governo Yeda Crusius. Parece um gaúcho escrevendo na Suécia.

O Sr. Vieira, que tem site próprio patrocinado com dinheiro público, tem acesso à Bandeirantes do Rio Grande do Sul, e foi citado uma vez num blog que jamais apaga comentários e que publicaria com destaque e na íntegra a sua resposta, caso enviada, escolhe não encarar o debate e corre para os tribunais. Sobre essa desfaçatez, Marco já disse tudo.

Examinemos o contexto do processo.

Ele é primo de outro, movido por Políbio Braga contra a Nova Corja. Você conhece Políbio Braga? Eu também não, mas ele ficou mais conhecido quando processou o NC e perdeu, sendo condenado pelo Juiz a pagar os custos do litígio e os honorários.

A atual, fútil querela do Sr. Felipe Vieira pode ser lida na íntegra neste pdf. Ela contém pelo menos duas gafes. Em primeiro lugar, confundem-se e processam o Jones Rossi errado. Em segundo lugar, demonstram não saber – ou fingem não saber, dá na mesma – o que significa a palavra “relevância”. Tomam-na como injuriosa, quando ela de fato se refere a realidade mensurável e universalmente conhecida por quem usa a internet.

Como já demonstrou o Leandro Demori, ex-integrante do NC e também interpelado neste processo, “relevância” é categoria objetiva medida por ferramentas como Alexa, Technorati, Google Page Rank. Você pode discutir qual é a melhor. Inegável é o fato de que segundo qualquer uma delas, o site do Sr. Felipe Vieira é irrelevante mesmo. Para dar um exemplo, o site do Sr. Vieira, que aparece na mídia e recebe dinheiro público, tem Google Page Rank 3. Tanto o NC como o Biscoito, artesanais e independentes, têm Page Rank 5.

Através de seus representantes, o Sr. Vieira, com site próprio patrocinado com dinheiro público e acesso à Bandeirantes do Rio Grande do Sul, afirma que o post de um ano atrás do Nova Corja afetou sua “autoestima”. O Biscoito Fino e a Massa sugere que ele pare de gastar dinheiro com advogados – pressupondo que com salário de jornalista ele pague advogados tão caros – e invista na psicanálise. O Biscoito recomenda a freudiana, que não está presa à superstição ego-psicológica de que baixa autoestima se resolve através de uma aliança do analista com a parte saudável do ego.

Confio que qualquer juiz sensato verá que temos aqui uma querela fútil, pouco fundamentada, de potencial daninho à liberdade de expressão e ancorada numa leitura abusiva dos artigos referentes a injúria e difamação.

Atualização: Träsel também falou do assunto, cometendo generosidade de que fomos incapazes, que é dar o link para o Sr. Vieira. O Biscoito teria dado o link caso o Sr. Vieira tivesse discutido o assunto em seu site. Não o fez, não ganha pirulito. Penso em adotar a seguinte regra aqui: trabalha na grande mídia e processou blogueiro por crime de opinião, não ganha pirulito no Biscoito, pelo menos não no corpo do post. O leitor que ache pelo Google.



  Escrito por Idelber às 19:11 | link para este post | Comentários (48)



terça-feira, 17 de fevereiro 2009

Links

Sergio Leo faz um magnífico post perguntando-se o que foi mesmo que o Itamaraty fez de errado no insólito caso da brasileira que alegou ter sido atacada na Suíça.

O Tiago Doria pôs muito bem os pingos nos i's na já cansada discussão sobre a crise dos jornais.

Voltando à imensa vaca fria que é Daniel Dantas, o Leonardo Bernardes escreveu bem: O catalisador da justiça no Brasil.

A cobertura desse inacreditável desgoverno que é o reinado de Yeda Crusius no Rio Grande do Sul encontra-se, como sempre, no RS Urgente.

Uri Avnery faz o balanço implacável, estilão dele, das eleições israelenses: Senhorita Tântalo, publicado pelo Amálgama em tradução de Caia Fittipaldi. Aliás, que dito fique: o trabalho do tradutor é árduo, inglório e só costuma ser lembrado quando alguém vê problemas. Caia Fittipaldi tem prestado um enorme serviço à informação em língua portuguesa com seu labor voluntário. Obrigado, Caia.

Por falar em tradução, o Miguel do Rosário está fazendo um belo trabalho de traduzir textos de Nicolás Casullo: Comecemos a discutir a direita é dos meus favoritos.

O balanço definitivo do pleito de domingo na Venezuela: Cachorros protestam contra Hugo Chávez, do Almirante Nelson Moraes. E o Jurandir mandou bem no É sempre bom lembrar.

Desperdice 3 minutos do seu dia com esse incrível dominó de cervejas:


(via Piro)

Para os cinéfilos, compartilhado pela Luiza Voll no Google Reader: The Trilogy Meter.

A atitude imbecil da Associated Press, de processar o Shepard Fairey, autor da arte dos cartazes de Obama que deram duas voltas na internet, revela uma paupérrima, mesquinha, interesseira e inconsistente compreensão do que deve ser o direito autoral e do que é o universalmente respeitado princípio do fair use. Alex Primo já desobedeceu.

Para se perder durante horas vendo e ouvindo shows de todos os estilos imagináveis: Fabchannel (via Lápis Raro).

Excelente artigo do New York Times
sobre a arte da atualização no Facebook. Eu tenho usado minhas atualizações (sempre em inglês, que é minha língua por lá) como uma espécie de Twitter privado para pensar em voz alta com os amigos. É um gênero com suas especificidades, sem dúvida. Perfil do blogueiro, aqui. Comunidade do Biscoito no Facebook, aqui.

Por falar em Twitter, quem tem sempre publicado material de qualidade sobre o tema é a Gabriela Zago.

A notícia não é nova, mas não sei se todo mundo já viu: a genial photoshopada de Fidel e Cristina.



  Escrito por Idelber às 05:10 | link para este post | Comentários (32)



segunda-feira, 09 de fevereiro 2009

Links

A recente odisséia de Obama tentando aprovar seu pacote de estímulo no Congresso só fez reforçar meu unicameralismo. Continuo achando que Senados são uma perda de tempo e dinheiro. Conheço os argumentos que ditam que eles têm um papel em países enormes, de desenho federativo, tipo EUA e Brasil. Nenhum desses argumentos me convence. Acho que é um aparato anti-democrático de manutenção de privilégios regionais mesmo.

O que seria hoje José Sarney se não existisse o Senado? Nada, uma bostica, uma tutaméia. A máquina que iguala Roraima e São Paulo, Wyoming e Califórnia, vai perpetuando esses fantasmas, essas almas penadas da política.

Aqui nos EUA, fecharam o acordo para uma versão aguada do plano de Obama, cheio de concessões à turma que agora faz oposição à situação em que nos deixou. Como sempre, está valendo acompanhar o Talking Points Memo, pelas notícias, o Rude Pundit, pela poesia e a Digby pelo comentário mordaz.

*****

Sobre o caso Battisti, não deixe de ler o escrito pelo Alexandre Nodari.

*****

Um comentarista querido do Biscoito, jovem de fina prosa, o Hugo Albuquerque, inaugurou seu blog: Descurvo .

*****

Um velho amigo de blogosfera, conterrâneo e sociólogo da mais fina estirpe, que junto com sua esposa Mônica foi das minhas grandes amizades nos primeiros dias de blogueiro, está de volta: Carlos Magalhães, o Guto, agora assina o Imaginação Sociológica. É para se acompanhar.

*****

Foi-me pedido que dissesse algo sobre o Fórum Social Mundial em Belém. Remeto aos balanços que mais gostei entre os que li: Katarina Peixoto e Marco Aurélio Weissheimer.

*****

Se você quer ir sentindo o impacto das cacetadas da crise sobre a universidade americana – que é, certamente, mais mediado que em outras áreas –, é só assinar o feed do Chronicle of Higher Education.

****

Depois de começar os jogos da liga regional com duas derrotas inesperadas, os Tar Heels engatilharam sete vitórias consecutivas e dividem o primeiro lugar. As duas últimas vitórias foram, respectivamente, shows do ataque e da defesa. Um dos tira-teimas com Duke é na próxima quarta. Vale a dica de que o site do ESPN transmite, sob “Espn 360”. É o maior clássico e a maior rivalidade do esporte americano universitário, de longe. Carolina, até agora: 7-2 na liga, 21-2 na temporada toda. Embalando.

*****

Do que li nos cadernos culturais brasileiros no fim de semana, o que mais gostei foi o texto de Luiz Antonio Simas sobre samba e literatura.

*****

Para a meia dúzia de três ou quatro que me leem em New Orleans: nesta quinta, às 5 da tarde, um dos últimos maître penseurs europeus, Étienne Balibar, fala no auditório Freeman: Strangers and Enemies. From Politics to Philosophy. Na sexta, eu e mais seis professores fazemos uma mesa-redonda com a fera, no Newcomb Art Dept., das 10 às 6, com pausa para almoço. Aqui, 0,5% em pdf da produção monumental de Étienne Balibar, um pensador indispensável. Aqui e aqui, Balibar fala sobre a Palestina.



  Escrito por Idelber às 02:54 | link para este post | Comentários (33)



sexta-feira, 30 de janeiro 2009

Em Los Angeles

A convite dessa magnífica instituição, vou passar uns dias em Los Angeles, cidade-véu por excelência que, por incrível que pareça, eu não conheço até hoje. Confiando que quem dirige em BH dirige em qualquer do lugar do mundo, aluguei um carrinho com GPS para o fim de semana na Califórnia. Volto na quarta e até lá o mais provável é que o blog fique meio largado.

Se você está na Costa Oeste dos States e quiser dar um pulo até a palestra, o papo é sobre estudos de masculinidade nas literaturas brasileira e hispanoamericana e acontece na segunda à tarde no Departamento de Espanhol e Português, sem dúvida um dos líderes da disciplina nos EUA.

Até já, pois.



  Escrito por Idelber às 16:41 | link para este post | Comentários (14)



sexta-feira, 09 de janeiro 2009

Best Blogs Brasil 2008

O Biscoito Fino e a Massa está entre os dez finalistas do Best Blogs Brasil na categoria política. Para votar, é só clicar aqui. O cadastro é simples e rápido.

Seria impossível agradecer individualmente a todos os blogs que estão me ajudando na cobertura da matança israelense em Gaza, mas deixo o link da repercussão com o agradecimento a todos.

Logo que eu conseguir algumas horas de sono, publico o segundo verbete do glossário macabro. As palavras e expressões escolhidas são "ponderação", "equilíbrio" e "ver os dois lados".



  Escrito por Idelber às 04:57 | link para este post



segunda-feira, 05 de janeiro 2009

Uma nova tag

O blog reuniu sob uma mesma tag todos os seus posts sobre a Palestina Ocupada, desde 2005.



  Escrito por Idelber às 19:40 | link para este post



sábado, 27 de dezembro 2008

Links

Nos EUA, saiu pesquisa nova da CNN: três de cada quatro americanos se declaram felizes que Bush vai embora. Praticamente um de cada três o considera o pior presidente da história.

*****

Dentro de vinte e quatro dias, os EUA terão um presidente que nomeia, para lidar com questões referentes à ciência, nada menos que um ... cientista! Não é genial?

*****

Em Covina, na Califórnia, ocorreu mais um daqueles massacres que um ou outro profeta do laisser faire ainda não acredita ter nada que ver com a fácil disponibilidade das armas de fogo: um ex-marido vai a uma festa de Natal na casa dos familiares da ex-mulher, vestido de Papai Noel, e abre fogo indiscriminadamente. Foram nove mortos. Dez crianças ficaram órfãs. O cabra ainda explodiu a casa, o que lhe rendeu queimaduras de terceiro grau que parecem ter sido a razão de seu posterior suicídio, já que ele tinha uma passagem de avião para o Canadá na manhã seguinte. Acabei encontrando a cobertura local do massacre: Aqui, o jornal da região. Aqui, uma galeria de fotos. Aqui, o xerife conta a história. Aqui, a terrorífica gravação do telefonema ao 911 feito por uma sobrevivente.

*****

Uma das marcas de 2008 foi a radicalização do movimento estudantil, e ela chegou a uma das veneráveis instituições de ensino superior dos EUA, a New School, em Nova York. O prédio da pós-graduação foi tomado durante três dias e liberado pelos alunos ontem, com algumas conquistas. A reivindicação mais importante, a renúncia do impopular presidente Bob Kerrey, ainda terá que ser negociada. Kerrey já havia recebido um “voto de desconfiança” dos professores, por uma margem de 74 a 2. Em minha carreira de professor, já vi o magistério aprovar votos de desconfiança a administradores. Mas jamais por 74 a 2. Kerrey, no entanto, continua por lá. O movimento dos alunos incluía alas bem radicalizadas (obrigado ao leitor Evandro por me chamar atenção aos acontecimentos na New School).

*****

Depois de abrir mais de 30.000 processos contra usuários de música que compartilham arquivos, parece que a indústria fonográfica descobriu o que até Chico Bento sabia: esses processos não detêm a circulação de mp3 via internet e criam um desastre de relações públicas para a indústria. Pelo menos é o que afirma o Wall Street Journal, noticiando uma decisão que depois ecoou nas universidades, instituições onde essa questão é relevante e premente. A venda daqueles artefatos artificialmente inflacionados, os CDs, continua despencando.

*****

Lá no Bruno Ribeiro, há uma entrevista bacana com Elza Soares.

*****

Gostei demais, muito mesmo, da série pós-apocalíptica da CBS, Jericho, que durou menos de uma temporada e meia. Como podem cancelar aquilo? A série é baixável por aí, com legendas em português, inclusive. Merece um post, em breve.

*****

O Biscoito Fino e a Massa tem comunidade no Facebook. Se você usa o serviço, passe por lá.

*****

Atualização: O brasileiro Raphael Neves é aluno da New School e tem blog com fotos, vídeos e informações sobre a ocupação.



  Escrito por Idelber às 04:54 | link para este post | Comentários (39)



quarta-feira, 24 de dezembro 2008

Um link para o feriado

Junto com os votos de Feliz Natal e Próspero 2009, deixo aos leitores o link de um joguinho (visto na Mary, eu acho) que tem corrido sério risco de me viciar nos últimos dias. Você pensa num personagem -- real, literário, mitológico, não importa -- e o gênio vai fazendo perguntas que você pode responder com sim / não / não sei / provavelmente ou parcialmente / provavelmente não ou não realmente. Depois de uns minutos de interrogatório, o gênio cospe a resposta certa, com foto e tudo.

Até Tia Anastácia ele adivinhou certo. Eu só consegui derrotá-lo com Demócrito, Xangô e o Doutor Protógenes. De Xangô, claro, a máquina perde a pista no momento em que você responde corretamente a pergunta sobre se ele realmente existiu. Também derrotei a máquina com Garrincha e Reinaldo, ex-Galo, mas essas não valeram. O gênio só errou porque eu insisti em dizer que eles eram "parcialmente não brancos". Refazendo o jogo com Garrincha e Reinaldo brancos, ele acerta.

Avise aí se conseguir vencer com alguém mais. Tem que responder tudo certinho, claro, senão não tem graça.

PS: E por falar em futebol, fizeram uma lista dos 20 maiores jogadores de todos os tempos (via Marcus, no Google Reader) na qual não entraram Garrincha, Puskas, Di Stéfano ou Reinaldo. Mas entrou Roberto "meião" Carlos. Perdoai, Senhor. Eles não sabem o que fazem.



  Escrito por Idelber às 14:17 | link para este post | Comentários (69)



sexta-feira, 28 de novembro 2008

Convites e links

Um convite aos paulistanos: O grande blogueiro, músico e nadador soteropolitano Ricardo Cury está lançando o seu livro, Para colorir, neste sábado. Sou velho fã do blog dele e recomendo o evento. Dia 29 de novembro, às 16h, na Livraria Pop, Rua Dr. Virgílio de Carvalho Pinto, 297, Pinheiros, São Paulo.

Um convite aos cariocas
: minha amiga, a jornalista e pesquisadora Carla Rodrigues, tem um artigo no livro organizado por Paulo Cesar Duque-Estrada, Espectros de Derrida, que será lançado no dia 3 de dezembro, quarta-feira, na livraria Argumento, no Leblon, a partir das 19h.

Parabéns ao Cury e à Carla e, quem puder, apareça.

Cardoso convidou e eu também gravei um trecho para o Mil Casmurros, um projeto em parceria com a Rede Globo.

O cartógrafo Thomas Lessman reúne numa só página sua vasta produção de mapas históricos. Aqui, o mapa-mundi de 800 DC, com o Emirado Ummayad ocupando uma enorme maioria do que hoje é a Espanha. Aqui, um outro mapa, do ano 1200, já com os reinos de Castilha e León, que se uniriam depois. Aqui, um belo livro sobre Al-Andalus, a região de controle islâmico na qual judeus, cristãos e muçulmanos viveram em (relativa) paz durante séculos.

Pedro Dória tem boas anotações sobre os ataques em Mumbai, na Índia. Em inglês, há uma cronologia do horror e uma série de links no Juan Cole, que lembra o recente ataque extremista hindu a cristãos no leste da Índia.


Nos EUA, Barbara Walters fez uma baita entrevista com Barack e Michelle:

Na medida em que Obama vai anunciando seu time, eu só consigo me lembrar do final de novembro/ dezembro de 1992, em que Bill Clinton iniciava aquela que seria uma das transições mais caóticas de todos os tempos: uma guerra de facções e interesses “plantava” notícias na mídia como estratégia de conquista de espaço; mulheres, negros, gays, latinos e todas as minorias imagináveis disputavam espaço “proporcional”; havia confusão de porta-vozes; a própria liderança, Bill, não anunciava o time compactamente porque ia usando as vagas para tentar administrar o caos. Um verdadeiro pesadelo para os progressistas, foi o fim de 92/começo de 93. O contraste com o que está sendo a transição de Obama é tão abismal que me excuso de fazê-lo.

Digby não se importa e Josh Marshall tem suas dúvidas. Eu, pelo contrário, achei Chanceler Hillary Clinton uma super escolha, epocal e inteligente (ao contrário do que teria sido escolhê-la para Vice). Hillary tem tudo para desfazer pelo menos parte da lambança dos oito anos de política externa de Bush.

Atualização: E sobre as eleições venezuelanas, quem matou a pau, de novo, foi Mauricio Santoro.



  Escrito por Idelber às 04:23 | link para este post | Comentários (21)



quarta-feira, 26 de novembro 2008

Doações a Santa Catarina

Thiago Berlim e Ricardo Aoki, de Santa Catarina, nos deixam aqui (via Biajoni) os números de contas para doações às vítimas das enchentes.

Contas do Fundo Estadual da Defesa Civil, CNPJ 04.426.883/0001-57:

Banco do Brasil - Agência 3582-3, Conta Corrente 80.000-7
Besc - Agência 068-0, Conta Corrente 80.000-0.
Bradesco - Agência 0348-4, Conta Corrente 160.000-1

São mais de 100 mortos e 60 mil desabrigados no lindíssimo estado barriga-verde. Ajude a divulgar ou deixe lá uma contribuição, se puder.

Atualização: Inagaki, claro, faz o supimpa serviço, inclusive indicando a importante iniciativa do Alles Brau.



  Escrito por Idelber às 12:40 | link para este post | Comentários (13)



sexta-feira, 10 de outubro 2008

Drops

Há algumas citações recentes ao Biscoito que eu gostaria de agradecer. Fomos citados naquele perigoso órgão do comunismo internacional, o Guardian. Fiquei muito lisonjeado. Continuo sonhando com um Brasil que tenha pelo menos um jornal da qualidade do Guardian.

*********

A Revista Bula fez uma pesquisa entre universitários brasileiros e o Biscoito foi um dos dez blogs mais citados. Gracias muy mucho.

*********

Falzuca, a poderosa madrinha, vem arrasando nos lançamentos do seu novo livro e me citou nessa entrevista. Só de ter representado alguma coisa para uma pessoa tão iluminada como a Fal já vale a pena ter tido blog.

*********

Aliás, no dia 28 deste mês o blog completa quatro anos. Três dias depois, no Halloween – ou no dia do Saci-Pererê, segundo o companheiro Aldo Rebelo – o blogueiro completa quarenta...

**********

Salve: Mino Carta está de volta à blogosfera.

*********

Mais uma daquelas ótimas descobertas: um blog só sobre imagens que fracassaram (dica da Daniela Arrais lá no Favoritos).

**********
zizek.jpgAlô, Salvador, Rio de Janeiro e São Paulo. O grande Slavoj Žižek vai ao Brasil, para o lançamento de A visão em Paralaxe. Dia 12, na Boa Terra, às 15 horas, no Instituto Cultural Brasil-Alemanha; dia 13, no Teatro de Arena da UFRJ, campus Praia Vermelha, às 20 horas; dia 14, no Sesc Vila Mariana, às 19:30. Mais detalhes aqui. Se puder, compareça. Só ver o cabra transpirando já é um espetáculo em si.

**********

Aqui nos States, o tema eleitoral da última semana foi a queda completa da campanha de John McCain nas acusações desesperadas a Obama por “associação com terroristas”. Veja este vídeo para ter uma idéia do clima de ódio que anda imperando nos comícios de McCain. A cobertura completa está no TPM. Enquanto isso, eleitores de Nova York recebem cédulas com o nome Osama em vez de Obama. Foi um erro “tipográfico”, afirmaram os responsáveis. Claro que este blog não acredita em teorias da conspiração...

**********

Perdido lá no cantinho do “Painel”, da Folha, está a notícia de que a investigação da Polícia Federal concluiu que não houve grampo nenhum em Gilmar Mendes. Paulo Henrique Amorim pergunta-se, com razão: e se o veredito fosse o contrário? Qual o seria o tamanho da manchete de primeira página? Aliás, a Folha vai continuar fingindo que não foram publicadas denúncias seríssimas contra o homem que ocupou mais de 30 manchetes do Caderno Brasil nos últimos dois meses?

*********

A Folha de São Paulo realmente escondeu uma pesquisa do DataFolha sobre o segundo turno em Belo Horizonte?

*********

Altamiro Borges faz um bom balanço do desempenho da esquerda nas eleições municipais. Concordo com tudo, mas acho que a mesma crítica que se faz ao PT do Rio de Janeiro deve ser feita ao PC do B do Rio Grande do Sul.

**********
Mas foi Mestre Inagaki quem fez o post definitivo sobre as eleições municipais.

**********
Abraços aqui de Rutgers University, em New Brunswick, Nova Jersey, onde o blogueiro palestra neste fim de semana, convidado, desta vez, pelos alunos.



  Escrito por Idelber às 19:29 | link para este post | Comentários (69)



quarta-feira, 08 de outubro 2008

Políbio Braga publica texto alheio sem citar fonte

Cristóvão Feil, do blog Diário Gauche, publicou um texto que demonstra como foi burra a estratégia do PC do B gaúcho ao dividir a Frente Popular e lançar Manuela D'Ávila para a prefeitura de Porto Alegre. Cristóvão mostra como o PPS brittista colocou seus ovos em duas cestas, apoiando formalmente a Manuela mas mantendo quadros – como Cézar Busatto, ex-chefe da Casa Civil da Yeda Crusius (PSDB), ou a esposa de Busatto, Clênia Maranhão – na campanha de Fogaça (PMDB). A tática é conhecida e “chupa” a densidade eleitoral de um partido para ser capitalizada por outro.

O resultado foi um desastre para o PC do B. O PPS teve 842 votos na legenda e elegeu três vereadores para a Câmera. O PC do B? Teve 14.796 votos na legenda e não colocou nenhum vereador na Câmara. Deixo para os gaúchos a tarefa de calcular quantos vereadores o PC do B poderia ter elegido no interior da Frente Popular.

No dia 06 de outubro, segunda-feira, às 13:10, o jornalista Políbio Braga publicou o texto de Cristóvão sem crédito, com o cabeçalho “Opinião dos leitores”, o que evidentemente dá a entender que o texto era de autoria de um leitor seu. Foi publicado assim: sem fonte, sem link, sem nada. Como está documentado no Diário Gauche, ainda na segunda-feira, às 20:22, Políbio foi avisado por email, pela Cláudia Cardoso, que o texto havia sido escrito pelo Cristóvão. À uma hora da manhã desta quarta-feira, mais de vinte e oito horas depois, Políbio ainda mantinha o texto plagiado em seu site, sem qualquer crédito ao devido autor ou reconhecimento do grave erro.

Políbio é jornalista e trabalhou na Zero Hora e na Veja.



  Escrito por Idelber às 00:37 | link para este post | Comentários (20)



segunda-feira, 25 de agosto 2008

Convite aos paulistanos

A Dalva me ligou chorando, aos soluços quase à uma da manhã. Parece que ela mandou uma foto para o namorado da Internet que mora em Salvador. Aí ele ligou para ela dizendo que mesmo vendo a foto ainda queria vir para Sampa conhecê-la. Consolei, fiz barulhinhos de amparo, disse que ela havia entendido mal o significado da frase e desliguei. "Mesmo" vendo a foto? Jesus, onde a gente arranja esses homens? .

Este é um trecho de Crônicas de quase amor, um dos livros de Fal Vitiello de Azevedo Cardoso que guardo aqui com carinho. Fal é tem muita história na blogosfera: fez a melhor cobertura da CPI do mensalão, a melhor cobertura de Páginas da Vida, deu show no Salão do Livro de Belo Horizonte, e muito mais (está tudo lá nos arquivos).

E eis que Falzuca vai lançar mais um livro, desta vez por uma grande editora, a Rocco. Acontece na terça-feira da semana que vem. Aí vai o convite, paulistanos. Não percam.

min-ass.jpg



  Escrito por Idelber às 11:44 | link para este post | Comentários (10)



sexta-feira, 15 de agosto 2008

Momento jabá

Aí vão alguns links para blogs que tenho lido com muito prazer e que ainda não destaquei aqui com o holofote merecido. Alguns já estão no meu radar há bastante tempo. Outros foram descobertos nesta madrugada mesmo. Todos valem a pena:

Eu tava aqui pensando e blá blá blá
: Há muitos anos eu não passava uma madrugada lendo os arquivos de um blog. Aconteceu com esse. Dei muita risada. Não é atualizado com muita regularidade, mas vale o mergulho nos arquivos. O autor é o ex-baterista da banda Formidável Família Musical, de Salvador, que eu não conhecia. Fiquei conhecendo pelo blog. Aliás, a estas alturas já sei até o que cabra come no café da manhã. Muito, muito bom (via Alex).

Todos os fogos, o fogo
. Pouco a pouco, Maurício Santoro vai compondo um dos melhores blogs de política do Brasil, colocando em prática aquele velho princípio: em geral, funcionam os blogs temáticos em que .... hmmm ... bem ... o autor entende do tema. E poucas pessoas conhecem política latino-americana como o Mauricio -- só o Sergio Leo, já bem conhecido dos visitantes desta bodega.

RS Urgente: Vira e mexe volta aquela discussão sobre blogs e imprensa, e somos obrigados a concordar que os blogs jornalísticos brasileiros ainda estão longe de produzir notícia de forma independente. O RS Urgente é uma das poucas exceções. Sua cobertura da política gaúcha bate a grande imprensa de longe. Leitura obrigatória para quem quer acompanhar o cotidiano político do Rio Grande.

Histórias do Brasil: Há tempos quero destacar este blog, que já é parte do meu blogroll mas nunca havia sido recomendado com a ênfase que merece. Os “causos” da época áurea do futebol brasileiro são imperdíveis. Os dois últimos posts são sobre a Batalha de Berna, o famoso Brasil 2 x 4 Hungria da Copa de 1954.

Música popular do Brasil: De Odair José a Diana, de Paulo Sérgio a Roberto Leal, a viagem no tempo que faz este blog é indispensável para qualquer um que queira conhecer, sem preconceitos, a memória da música brasileira.

Blog do Bourdoukan: Um dos blogs brasileiros mais atentos aos massacres diários que sofre o povo palestino, vivendo sob a mais brutal ocupação militar da era moderna. Vale sempre a visita. Via Bourdoukan cheguei a essa excelente entrevista com o sinólogo Diego Salmen Elias Jabbour, sobre o festival de hipocrisias do Ocidente sobre a China (sobre o mesmo tema, não perca esse texto da Mary).

Se estiver descobrindo pérolas por aí, é a hora de deixar o link.



  Escrito por Idelber às 08:20 | link para este post | Comentários (36)



terça-feira, 15 de julho 2008

Prof. Paulo Ghiraldelli Jr. explica o que está errado com a lei Azeredo

São 9:30 minutos de vídeo mas, acreditem, vale a pena.


PS: Soninha, Soninha que prazer te conhecer. Noite memorável em São Paulo. Até o impossível apareceu.



  Escrito por Idelber às 04:17 | link para este post | Comentários (27)



terça-feira, 08 de julho 2008

Ajude a barrar o projeto de Eduardo Azeredo

A abominável monstruosidade parida pelo Senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG) para regular a Internet foi aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado. Numa semana de péssimas notícias para a Internet, começou a mobilização para tentar barrar a aprovação em plenário desse projeto substitutivo, que cria a figura do provedor delator, criminaliza o compartilhamento de arquivos e, absurdo dos absurdos, transforma em criminoso todo aquele que obtiver “dado ou informação disponível em rede de computadores, dispositivo de comunicação ou sistema informatizado, sem autorização do legítimo titular”.

Em outras palavras, o Senador Eduardo Azeredo quer criminalizar basicamente tudo o que fazemos na internet: citar, copiar, colar, compartilhar. Não tenho nada a acrescentar ao que vários colegas blogueiros já disseram sobre o assunto. Limito-me, então, a convidar os leitores a que assinem a excelente petição escrita por Sergio Amadeu e André Lemos. O selinho que segue foi retirado do blog do Sergio Amadeu (veja que fantástico: se aprovado o projeto de Azeredo, eu estaria cometendo um crime ao circular este selinho):

contra.png

É uma vergonha para o estado de Minas Gerais ser representado no Senado por Eduardo Azeredo.



  Escrito por Idelber às 02:41 | link para este post | Comentários (32)



segunda-feira, 02 de junho 2008

Judiciário brasileiro inventa a punição a José pelos atos de João

Repercutiu bastante na internet a atitude do Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro, que intimou Fernando Gabeira e exigiu a retirada dos banners de apoio a ele em vários blogs brasileiros que apóiam a sua candidatura a prefeito. Pedro Dória cumpriu, claro, mas denunciou e logo depois ofereceu algumas reflexões sobre o que se entende por censura. Sem estar comprometido com nenhum candidato a prefeito do Rio, não posso deixar de oferecer a solidariedade ao amigo.

Quando da publicação da inacreditável resolução 22.718 (pdf) do TSE, que regulamenta a campanha eleitoral deste ano, eu cantei a parada e previ o desastre. Alguns advogados me contestaram, afirmando que era alarmismo desnecessário, já que a introdução diz claramente que a resolução dispõe sobre as condutas vedadas aos agentes públicos em campanha eleitoral. Não sendo o blogueiro candidato a nada, não haveria razão para se preocupar. Ouvi calado, não citei os casos que já conhecia e não quis polemizar pois, no fundo, torcia para que eles estivessem certos e eu errado. Mas ora, quantos exemplos ainda são necessários para que se entenda que, com o judiciário brasileiro, sempre há motivo para se preocupar?

O mais estapafúrdio da exigência é que ela contraria um dos princípios básicos do direito: o de que cada um é responsável pelos seus próprios atos. Os indíviduos blogueiros que exibem seus banners de apoio a um candidato tiveram que retirá-los para que esse candidato – que não pediu, nem pagou, nem organizou a manifestação – não fosse impugnado. É o mundo às avessas. É como se eu fosse interpelado judicialmente por ser parte do blogroll de algum blogueiro que cometeu um crime. A ironia não escapou à atenção de um leitor do Pedro: poderíamos começar a exibir banners de apoio a Garotinho e Maluf, impugnando assim suas candidaturas. Que tal?

A censura se apóia na proibição da campanha eleitoral antes do dia 06 de julho. Pode-se discutir se essa proibição é boa coisa. Eu, pessoalmente, acho uma bobagem, pois é sempre subjetivo determinar se um político, ao proferir tal discurso ou inaugurar tal obra, está ou não fazendo “campanha”. Em todo caso, a lei existe. Mas o que chega às raias do absurdo é interpretá-la de forma que abarque não só os candidatos, mas os próprios eleitores. Daí à mordaça é um passo. Nada é mais urgente no Brasil que introduzir nossos juízes ao básico do básico sobre o funcionamento da internet.

É verdade que o Pedro Dória, putíssimo e com razão, pode ter exagerado ao afirmar que a liberdade de expressão é um valor absoluto. Acredito estarem certos os profissionais do direito que lhe lembraram que, na jurisprudência, nenhum valor é absoluto – o direito é, por definição, um sistema, ou seja, um complexo onde o valor de cada elemento é balanceado em relação com os outros. Mas neste caso, não há dúvidas: a liberdade de expressão na internet foi seriamente atingida e o Pedro tem minha total solidariedade.

PS 1: Muita gente escreveu sobre o caso. Comece o percurso pelo Bereteando e pelo Outra política, que fizeram posts recheados de links.

PS 2: Alguém aí é capaz de imaginar uma entrevista como essa num jornal brasileiro?

PS 3: Às vezes, na internet, você lê coisas que tocam e emocionam. Obrigado, Katarina.



  Escrito por Idelber às 02:51 | link para este post | Comentários (15)



terça-feira, 20 de maio 2008

Aviso

Só um rápido aviso para quem perguntou: a minha palestra desta quarta-feira, sobre o romance argentino contemporâneo, acontece na sala 3053 da Faculdade de Letras da UFMG, às 19 horas. Depois tem cervejinha.

Logo que eu terminar os ajustes de chegada aqui em Belo Horizonte, o blog volta ao ritmo normal.



  Escrito por Idelber às 19:10 | link para este post | Comentários (6)



segunda-feira, 05 de maio 2008

Maio de 68 e jabás

Grosso modo, os 40 anos de Maio 68 produziram três reações:

1) “Maio 68 é responsável por todos os males que vivemos hoje: falta de autoridade, relativismo absoluto, crise dos valores”;

2) “Maio 68 é responsável por todas as conquistas das quais o presente pode se gabar: pluralismo, direitos das minorias, laicismo, anti-autoritarismo”;

3) “Maio 68 teve coisas geniais e coisas estúpidas”.

A pior, a mais medíocre, conformista, ignorante e reacionária é obviamente a terceira.


Acompanhei de perto a enxurrada de textos sobre maio de 68 em vários países. Adivinhem onde encontrei o texto mais brilhante. Alan Pauls, mestre como sempre. Leia o texto de Alan e depois confira, no caderno especial (link para assinantes) da Folha de São Paulo, a sucessão de exemplos do que ele chama de “reação medíocre e conformista” ao legado de Maio 68.

*************************************

Jabás vários:

Por iniciativa da extraordinária escritora anglo-egípcia Ahdaf Soueif, e com o apoio de sumidades literárias como Chinua Achebe, John Berger, Mahmoud Darwish, Seamus Heaney e Harold Pinter, inicia-se na quarta-feira, dia 07 de maio, o Festival Literário da Palestina, que levará à Cisjordânia um belo time de escritores. Do material de divulgação do evento: “reconhecendo as dificuldades que os palestinos enfrentam, sob ocupação militar, para viajar em seu próprio país, o festival viajará rumo a seu público, em Jerusalém, Ramallah, Jenin, Belém.” Mais detalhes do site do festival. Salam, Ahdaf.

Você se interessa por quadrinhos? Chegou o blog que vai abafar neste tema. Senhoras e senhores, HQ e Cultura, do meu amigo Afonso Andrade. Bem-vindo à blogosfera, Afonso.

Outro leitor histórico, Alexandre Nodari, também se rendeu à blogagem e inaugura um espaço que merece seu bookmark desde já. Boas vindas também ao Cultura e barbárie Consenso, só no paredão.

Nas minhas andanças por aí, achei mais um blog que me impressionou muito pela qualidade do texto. Bookmark também no Histórias do Brasil. O post sobre a Copa de 1974 é um primor.

Já é de conhecimento da comunidade blogueira musical, mas talvez algum leitor do Biscoito ainda não saiba: Mestre Tom Zé anda blogando a mil (acho que cheguei lá pela primeira vez via Animot).

Para se entender o México e a cultura mexicana, tão diferente da nossa, há um livro fundamental: La jaula de la melancolía. Acabei de inteirar-me de que o seu autor, o grande Roger Bartra, já está blogando há oito meses.

E aí vai uma idéia que seria interessante aproveitar no Brasil: Cuento mi libro, o primeiro vídeo blog de escritores latino-americanos (via Oliverio Coelho que, apesar do sobrenome, não é brasileiro, mas argentino).

Boa navegação.



  Escrito por Idelber às 19:22 | link para este post | Comentários (31)



domingo, 20 de abril 2008

Um breve agradecimento e alguns palpites

Se você habita Blogolândia há mais de três anos, provavelmente já ouviu falar daquele que eu apelidei aqui, carinhosamente, de Deus. Convidado a palestrar por esta chiquérrima universidade – que concentra, sem dúvida, o maior número de imberbes de terno e gravata do planeta –, tive a oportunidade de conhecer Deus pessoalmente.

Deus é Fábio Sampaio, o responsável direto pelo fato de que você possa ler e escrever no Biscoito em condições de total conforto, segurança, tranqüilidade e privacidade. Webmaster, ás da tecnologia, um dos maiores conhecedores de Movable Type do mundo, o Fábio há anos cuida dos bastidores do blog e resolve todos os problemas que aparecem com rapidez e competência alucinantes. Por fim, pudemos nos conhecer.

Acabamos indo juntos para a Grande Meca passar o dia. Para os que admiram o trabalho do Fábio, aí vai a notícia: trata-se de um grande cervejeiro! Ales, ambers, lagers, ele traça todas. Com o dia belíssimo e o sol brilhando em Nova York, optamos por uma Summer Ale no Bryant Park, enquanto repassávamos futebol, política, tecnologia e blogs, entre boas risadas. A Summer Ale dos novaiorquinos foi aprovada: ótimas textura, consistência, sabor e aroma. Depois, rodízio brasileiro na Rua 39: alcatra, maminha, lombo, cupim, carneiro, lingüiça, frango, coração e picanha para fazer qualquer vegetariano benzer-se três vezes.

Foi um dia memorável nessa que ainda é a minha cidade favorita, a mãe de todas as urbes. Mais uma vez, lembrei-me do que realmente faz a diferença em Blogolândia: a possibilidade de conhecer gente interessante e divertida. Valeu, Fábio.

PS: Ao falar do Fábio, não posso deixar de agradecer também outro pioneiro que possibilitou a existência deste blog: Nemo Nox, que desenhou o layout original que você vê aqui e me ajudou enquanto eu dava os primeiros passos, em 2004. Minha próxima visita a Nova York será em outubro, e dessa vez arrastaremos também o Nemo, que trabalha em Washington. Sim, este blog já entrou em cena auxiliado por pioneiros da internet brasileira.

PS 2: O juiz era Luiz Carlos da Silva, mas mesmo assim o Galo foi bravo e está nas finais do Campeonato Mineiro.

PS 3: Não poderei assistir os jogos decisivos dos Estaduais aí no Brasil, mas deixo meus palpites: acho que em São Paulo dá Palmeiras e no Rio dá Botafogo. Em São Paulo, o Biscoito torce pela Ponte Preta e celebrou a sua vitória sobre o time-empresa do Guaratinguetá.



  Escrito por Idelber às 04:02 | link para este post | Comentários (21)



sábado, 12 de abril 2008

Perguntinha para passar o tempo

Na saída para o aeroporto, procurando pela nonagésima vez os meus óculos escuros perdidos em algum canto da casa, veio-me de novo a convicção de que eu não posso comprar óculos de qualidade. Eu os perderia em menos de duas semanas e morreria de raiva. Ou seja, se você tem vergonha de amigos que usam óculos escuros de 8 dólares, nunca me convide para um programa diurno. Lembrei-me de um parente, que uma vez me disse: não tenho o menor respeito por quem gasta dinheiro comprando o papel higiênico mais caro do supermercado. Acho isso uma viadagem inominável.

Aí me veio a idéia de um meme idiota para que vocês passem o tempo aqui enquanto eu viajo e me recupero da gripe: qual é o produto com o qual você não aceita gastar mais que o estritamente necessário? No meu caso, as respostas são, pelo mesmo motivo, "óculos escuros" e "guarda-chuva". Papel higiênico de qualidade, para mim, é fundamental. Como sabemos, e parafraseando um saudoso ministro, papel higiênico é "imperdível", posto que "imexível".

Diga lá qual é o produto do qual você sempre leva a opção mais barata.



  Escrito por Idelber às 15:13 | link para este post | Comentários (58)



sexta-feira, 11 de abril 2008

Links vários

Enquanto o blogueiro se recupera de uma daquelas mastodônticas gripes, aí vão alguns links para seu prazer navegador:

1.Qualquer dia desses a Gabriela Zago me convence a aderir ao Twitter. Veja a interessante experiência de leitura que ela descreve.

2.Como sabem, as questões relativas ao direito interessam muito a este não-especialista: e é mais uma conterrânea que chega com um excelente blog nessa área: Direito é legal (cheguei lá via Favoritos).

3.Em definitivo: o Biscoito Fino e a Massa não consegue acompanhar o Febeapá do judiciário.

4.Um inacreditável blog cubano: Generación Y. As caixas, incríveis, alternam entre 2, 3 e 4 mil comentários. O “debate” é meio lixão, mas o texto da moça é bom.

5.A blogosfera futebolística vai melhorando a cada dia: confira o De Primeira.

6.É uma obsessão deste blog: a subserviência da imprensa esportiva. Já vai uma semana que se noticiou que Polícia Federal está investigando os irmãos Perrella, que dirigem o Cruzeiro, por evasão de divisas, sonegação fiscal e lavagem de dinheiro. No “jornal dos mineiros”, nenhuma menção.

7.Alô, alô, cearenses, mais especialmente os torcedores do Fortaleza! O Ministério Público está investigando a tentativa de suborno do Ipatinga a jogadores do Villa Nova, na última partida da fase de classificação do Campeonato Mineiro. O que o Fortaleza tem a ver com isso? Se o Ipatinga perder o lugar na Série A, o Tricolor do Pici, quinto colocado na Série B do ano passado, assume a vaga. Mais uma vez: acontece uma operação criminosa no futebol mineiro e uma busca por “Ipatinga” no Estado de Minas não produz nenhum resultado associado ao escândalo. A imprensa mineira é realmente inacreditável.

8.Por falar em imprensa esportiva: Fabiano Angélico sugere duas boas pautas investigativas para o jornalista esportivo que não quiser ser capacho da cartolagem.

9.Tem post novo, porrada pura, no Palestina do Espetáculo Triunfante.

10.Em redondilhas maiores, o Almirante explica por que Hitler não chegou ao inferno, no Cordel teutônico.

11. Se você é atleticano, tem filho e mora em Belo Horizonte, prestigie o lançamento do livro infantil sobre a história do Galo: Vencer, vencer, vencer - A história do time do meu coração, do jornalista Eduardo de Ávila. Acontece no sábado, às 11 horas, na Feira Tom Jobim (ali perto do Colégio Arnaldo, Brasil com Bernardo Monteiro). O macete na Tom Jobim é chegar de manhã. De tarde a coisa se transforma um fim de festa meio melancólico. Aí vai o cartaz:

capalivreinfantil.jpg

12.Se você está no sudoeste dos EUA, apareça em Albuquerque, Novo México, na segunda-feira, para escutar uma palestra e bater um papo. Aí vai o cartaz feito por essa bela instituição que me convida. Achei que ficou simpático:

NEUROSIS-web.jpg


PS: Ao deixar seu comentário, você verá uma página em branco. Não se avexe. O comentário entrou. Estamos trabalhando para resolver o problema. Deus já resolveu o problema com a caixa de comentários. Tudo normal :-)




  Escrito por Idelber às 02:14 | link para este post | Comentários (22)



terça-feira, 08 de abril 2008

Blogueiros estressados

O New York Times avisa que já tem gente por aí morrendo de tanto blogar. A reportagem relata as histórias de Russell Shaw, que blogava sobre tecnologia, morto aos 60 anos de idade de ataque cardíaco; de Marc Orchant, morto aos 50, da artéria coronária; e de Ohn Malik, que sobreviveu a um ataque cardíaco em dezembro, aos 41 anos de idade. Os outros sintomas de blogagem excessiva listados pelo NYT incluem alteração do peso, dificuldades para dormir e fadiga.

Parece que especialmente no campo da tecnologia, as circunstâncias descritas pelo NYT apontam para uma população estressada e apressada para conseguir notícias, que podem significar alguns cliques e rendimentos a mais na conta do blogueiro.

Mesmo para quem não bloga profissionalmente, às vezes o estresse toma conta. Não é o meu caso, mas confesso que em algumas noites de cansaço extremo já fui incomodado pela auto-cobrança: puxa, milhares de pessoas vão passar lá amanhã; tenho que escrever algo. Quando eu dou um tempo do blog, vocês podem saber que é, em geral, pelo incômodo produzido pela auto-cobrança.

Este Weblog passou por dois ou três longos interregnos em sua existência. Todos eles ocorreram pelo mesmo motivo: pareceram-me necessários para manter o bom humor, o relaxamento e o senso de perspectiva de que o que fazemos tem, sim, a sua importância, mas é, afinal de contas, só um blog.

Open thread do estresse nos blogs. Opine aí.



  Escrito por Idelber às 03:52 | link para este post | Comentários (38)



sexta-feira, 14 de março 2008

Rio Grande na Wikipedia

Vocês se lembram da discussão sobre a Wikipedia aqui no blog, correto? Pois é. Voltando agora do Rio Grande, resolvi dar uma conferida no verbete sobre o estado na dita cuja.

Ali aprendemos que o alemão hunsrückisch conta com pelo menos um ou dois milhões de falantes no Rio Grande do Sul, se não mais, de acordo com as estimativas mais aceitas por especialistas.

Para a Wikipedia, 20% se não mais do Rio Grande do Sul fala alemão. Como estou bem longe de ser especialista em sociolingüística da língua alemã no Brasil, acho que eu deveria acreditar, né?



  Escrito por Idelber às 05:33 | link para este post | Comentários (12)



quinta-feira, 06 de março 2008

Help

OK, minha vez de pedir ajuda aos leitores do blog: alguém aí saberia, por favor, qual é o serviço de internet wi-fi que eu poderia comprar por duas semanas -- e que funcione no Bairro União, em Belo Horizonte?

Eu tinha internet a cabo no meu AP em BH, mas cancelei porque não valia a pena ficar pagando o ano inteiro. Agora preciso estar conectado pelas próximas duas semanas, aí no Brasil (de preferência via um serviço que eu pudesse comprar hoje, online, aqui nos EUA).

Tem que funcionar em Belo Horizonte. Em Porto Alegre vou estar conectado graças a um querido amigo.

Quer tiver uma dica, por favor, deixe aí. A casa agradece :-)



  Escrito por Idelber às 14:29 | link para este post | Comentários (25)



sábado, 16 de fevereiro 2008

Adivinhação

Todos conhecem a história de que os esquimós possuem não sei quantos substantivos diferentes para designar a neve, não é mesmo? Pois bem, quais são as três palavras com mais sinônimos dicionarizados na língua portuguesa falada no Brasil?

Deixe primeiro o seu palpite aqui na caixa de comentários e depois descubra a resposta certa de acordo com esse post do excelente blog Fósforo.

Se acertar, não comemore por enquanto, para não atrapalhar a adivinhação do próximo leitor.



  Escrito por Idelber às 12:51 | link para este post | Comentários (29)



quinta-feira, 14 de fevereiro 2008

Sobre blogs e spam

Pode ser que eu esteja errado, mas acredito que tem chegado a este blog, nos últimos tempos, um tipo diferente de leitor. Trata-se de um leitorado que acompanha blogs hospedados em grandes portais (Globo, Abril, UOL, IG) e que não possui ainda muito traquejo com blogs artesanais, pessoais. São leitores que não estão exatamente inseridos numa conversa entre blogs, mas num Fla x Flu cada vez mais raivoso entre apoiadores e detratores do atual governo brasileiro ou, o que infelizmente dá na mesma, apoiadores e detratores do governo passado. Aos que chegam, um aviso: este blog não é parte desse Fla x Flu.

O Biscoito denunciou o mensalão no primeiro dia, criticou a delubianização do PT e, meses depois, apoiou a campanha da reeleição do presidente Lula. Ridicularizou a xenofobia do deputado Aldo Rebelo e apoiou a série de denúncias que o jornalista Luis Nassif vem arrolando contra a Revista Veja. Morre de rir de blogs que não conseguem enxergar neoliberalismo na América Latina, mas continua lendo-os (e linkando-os) com gosto e proveito. Criticou o oportunismo de José Serra mas, no episódio dos cartões corporativos, concorda integralmente com um colega blogueiro que declarou voto em Serra. As razões para estas posturas estão amplamente explicadas nos arquivos. Se alguém vê nelas uma “contradição”, paciência.

Posso estar errado de novo, mas acho que o caracteriza esse leitorado que vem dos grandes portais e do interior desse Fla x Flu é uma certa sensação de direito adquirido, o que chamamos em inglês sense of entitlement. Explico, então, pela milésima vez o que qualquer blogueiro sabe: num blog pessoal, não existe “censura”. Se eu lhe impedisse de abrir o seu próprio blog, isso sim, configuraria censura. Este blog não é uma democracia. É um espaço editado. Procuro, em geral, responder os comentários, mas também me dou o direito de ignorar o que acho que deve ser ignorado e apagar o que acho que deve ser apagado. A tolerância com comentários discordantes aqui é bem ampla, como podem atestar vários leitores que estão à direita de Médici e que continuam lendo e comentando neste blog inequivocamente esquerdista.

Mas se, por exemplo, num post sobre o Atlético-MG, você ofender a Massa, terá seu comentário apagado. Se, num post sobre a decadência da Fox, você me fizer uma pergunta agressiva que pressupõe incompreensão do que está escrito no post e que parte da incrível premissa de que as cadeias de TV americanas são de “esquerda”, não adianta ficar bravinho por ter seu comentário ignorado. Este aviso vai para uma parte ínfima do público que chega. A todos os demais, boas vindas. Se você chegou via blogs de jornalistas dos grandes portais, ou via alguma menção ao Biscoito num veículo de grande porte, reitero: bem vindo mas, por favor, entenda que este blog tem mais de três anos de história, é parte de uma conversa que se gesta há tempos entre uma rede de blogs e não se pauta pela premissa de que eu tenha a obrigação de responder perguntas agressivamente colocadas, como se o idelberavelar.com fosse uma espécie de cadeia de TV paga com dinheiro público.

Nos últimos dias, comecei a receber spams de uma geringonça chamada “Credibilidade e Ética”. Trata-se de uma colagem de textos os mais estapafúrdios, como por exemplo um inacreditável delírio que acusa FHC de ter recebido, em 1969, dinheiro da CIA via Fundação Ford. Sinceramente, quem confunde a Fundação Ford com a CIA deveria estar se informando melhor, não mandando spams. Esta recomendação vem de alguém que é insuspeito de ter qualquer simpatia por FHC.

Jornalistas de peso não deveriam incentivar seus leitores a mandar spam. Não há nada que irrite mais quem trabalha com a internet do que correspondências massivas e não solicitadas enviadas indiscriminadamente. Isso só corrói a credibilidade de quem manda. É importante que os jornalistas que chegam à internet oriundos dos grandes veículos entendam isso. Este blog está à esquerda de Miguel Rossetto, mas nem por isso vou deixar de denunciar a prática do spam só porque seus autores são pessoas que concordam comigo sobre a Reforma Agrária e as privatizações de FHC.

PS 1: Recentemente, dei uma atualizada no blogroll, incluindo vários blogs novos e eliminando links a blogs que estão fora do ar ou inativos (entendendo-se “inativo” como um blog não atualizado há mais de dois meses). É possível que algum link tenha sido perdido no processo. Se havia um link para o seu blog aqui no Biscoito durante a passagem do ano e esse link sumiu, me avise. A idéia não era deslinkar ninguém, mas manter o blogroll atualizado. As deslinkagens por incompatibilidade, digamos, ética, já foram feitas há muito tempo. Se o seu blog estava inativo e você voltou a blogar, avise também. O blig do Tão, por exemplo, tem cadeira cativa no meu blogroll no minuto em que ele voltar a blogar (por onde andas, Tão?)

PS 2:
A Gabriela Zago continua fazendo um trabalho que já a coloca, na minha opinião, entre os melhores blogs do Brasil.

PS 3: Confirmo que no domingo à noite coloco aqui um texto sobre Ariano Suassuna para preparar a discussão do Clube de Leituras sobre A Pedra do Reino, a se realizar na segunda-feira.

PS 4: Poxa, sai um artigo meu n'O Globo e ninguém me avisa? Alguém aí teria, por favor, um exemplar do jornal de sábado passado que pudesse me enviar? Eu pago, claro, as despesas com o correio. Quem me deu o toque foi a gentilíssima Chris Nóvoa, que anda com o blog temporariamente fora do ar.



  Escrito por Idelber às 07:09 | link para este post | Comentários (50)



sexta-feira, 08 de fevereiro 2008

My enemy's enemy....

Aí vai um post-bobagem, para desintoxicar um pouco da política americana:

1.O volante Bilu, ex-Atlético, é um dos seres humanos mais ruins de bola que já pisou o planeta. Mas de tanto ver a torcida pegar no pé do rapaz, ajudada pela infeliz oxítona do seu nome, eu me sinto tentado a me levantar e gritar o nome do sujeito na arquibancada.

2.Os Clintons traíram todas as bandeiras progressistas que poderiam ter traído nos anos 90. Com eles na Casa Branca, o Partido Democrata passou de 30 governadores em 1992 a 18 governadores em 2000, 258 deputados em 1992 a 212 oito anos depois. Hillary Clinton é a única candidata democrata a ter falado em guerra com o Irã. Mas de tanto presenciar o massacre sexista contra ela na mídia, dá até vontade de apoiá-la.

3.Tenho incontáveis críticas ao governo Lula, na política de alianças e na política econômica. Mas é só escutar os "argumentos" da oposição tucano-pefelê e da blogoseira anaeróbica que dá vontade de reforçar meu apoio.

4.O nível dos blogs literários de jovens escritores no Brasil realmente é muito baixo. Mas é só ouvir “jornalistas literários” -- uma espécie de eufemismo para designar leitores de orelhas de livro – pontificando sobre um suposto cenário apocalíptico na literatura que eu me sinto com vontade de publicar um post por dia louvando cada jovem escritor como o novo Guimarães Rosa.

Continuem vocês aí, leitores. Vale qualquer assunto. Eu não passo memes, mas adoraria, num futuro próximo, ler listas semelhantes dos meus camaradas Alexandre Inagaki e Hermenauta. E já imagino o que o Paraíba seria capaz de fazer com a idéia.

Atualização: O Hermenauta já respondeu, com a verve habitual.

Atualização II: Resposta brilhante do Paraíba.



  Escrito por Idelber às 08:57 | link para este post | Comentários (23)



terça-feira, 22 de janeiro 2008

Hoje, só jabá

De uma unha quebrada à morte de uma pessoa, da perda de um guarda-chuva à perda de um passaporte, parece-me que os enunciados "não era pra ser" e "podia ser pior" dividem a humanidade em dois grandes estilos de consolação. Diga-se logo de cara que, na morte, sobrevém uma terceira corrente consolatória: a dos que dizem que o morto "descansou". Mas, como até para descansar é preciso estar vivo, descartaremos qualquer análise mais profunda desta terceira via, por consistir ela na escolha preferencial daqueles que não têm a mais remota idéia do que dizer nas situações em que nada há a ser dito - saindo-se, então, com afirmações rigorosamente desprovidas de qualquer sentido. "O morto descansou" é afirmação de logicidade comparável a "o morto foi à praia e tomou um sorvete".

Tem mais lá, nesse blog absurdamente bom.


********************************

é um triste destino o dos livros, o de só serem bonitos e perfeitos se não são usados.

Porque quem é rei não perde a majestade.

*******************************
Tem certos dias, quando passo no subúrbio, que vejo a gurizada jogando bola no barro vermelho. Estou eu lá dentro do ônibus, voltando esgualepado e com toda a mortalidade do mundo nas costas, e uns oito ou dez malandros estão correndo atrás de uma bola, já quase escuro. E tudo que eu mais queria era descer do ônibus e me infiltrar no meio do jogo, fingindo que não me envergonhava dos muitos centímetros e quinze anos a mais que meus companheiros de time e adversários

Tocante e bem escrito, no melhor blog do futebol do Brasil (junto com o Balípodo, claro).

******************************

Estou enganado ou Roberto Requião andou incomodando alguns poderosos e agora querem calá-lo? (via Blog do Mello)

*****************************

E nada mais justo que no dia em que eu confirmei minha viagem para Porto Alegre (sim, esta bodega transmitirá dos pampas durante alguns dias em março), Milton Ribeiro, meu generoso anfitrião, disserte sobre Roberto Bolaño. Porque eu e Milton nos conhecemos virtualmente num dia já longínquo em que ele escreveu sobre Bolaño.



  Escrito por Idelber às 02:16 | link para este post | Comentários (6)



sexta-feira, 18 de janeiro 2008

Por que eu não recomendo a Wikipedia

Ontem fiz um post criticando velhos intelectuais não aceitam a internet. Hoje vou falar como um velho intelectual que não aceita a internet. É que devo ao meu amigo Sergio Leo um post sobre meus motivos para jamais – ou raríssimamente – linkar ou recomendar a Wikipedia.

Poucas coisas foram saudadas com tanto triunfalismo como a Wikipedia. É muito sedutora a idéia de uma comunidade aberta, produzindo conhecimento coletivamente, com a possibilidade de permanentes revisões. Cheguei a ver gente inteligente, que eu respeito, dizendo que na Wikipedia qualquer erro se corrigia em questão de minutos. O Pedro Dória colocou uma semente de ceticismo bem fundamentado nessa discussão há uns tempos. Confirmei que ele estava certo. A quantidade de erros é absurda. Nos temas polêmicos – o que significa toda a esfera das ciências humanas e sociais --, vence a versão de quem tem mais tempo, grita mais alto e faz mais lobby. Não vale a pena.

Exemplos? Tomemos um bem anódino: o Campeonato Mineiro de 1956. Segundo a Wikipedia, o campeonato de 1956 foi dividido entre Atlético Mineiro e Cruzeiro. O Atlético escalou um jogador irregular em uma das partidas finais e o Cruzeiro pleiteou os pontos. O caso se arrastou nos tribunais durante dois anos e, finalmente, foi dado ganho de causa ao Cruzeiro. Dada a impossibilidade de se marcar nova partida com os jogadores inscritos à época, a Federação Mineira de Futebol dividiu o título.

Neste verbete, tudo o que é relevante está ausente, tudo o que está presente está errado. Em primero lugar, num campeonato decidido no Tribunal, em geral queremos saber quem ganhou a peleja dentro de campo. O verbete não diz. Pois bem, o Atlético venceu o jogo e sagrou-se pentacampeão. A prova? Está aqui, os campeões com a taça:

DSC03872.JPG


Segundo, o Cruzeiro entrou, sim, na justiça, mas o Tribunal não lhe deu ganho de causa coisa nenhuma. Com a pendenga arrastando-se, a FMF decidiu dividir o título. Você pode, se quiser, ir a Belo Horizonte, ao bairro do Barro Preto, e consultar um cruzeirense das antigas: nenhum deles comemora esse título. Oficialmente, é dividido, sim, mas toda a informação presente no verbete está errada. Nota-se que quem o escreveu 1) era cruzeirense; 2) estava mal informado; 3) redigiu com pretensões de neutralidade. Eu desafio qualquer editor da Wikipedia a me dizer qual foi o jogador irregular que o Atlético escalou na final de 1956, e por que ele estava irregular.

Já sei, futebol não vale. Tomemos outro verbete: Ariano Suassuna. Ali se diz – já na segunda frase, ou seja, ainda no momento em que se está descrevendo quem é o cabra -- que Suassuna é um defensor militante da cultura brasileira. Sinceramente, eu não sei o que é isso. Entendo que alguém se apresente assim, acreditando que a cultura brasileira seja algo que se possa “defender”. Não entendo que uma enciclopédia use essa frase, como se ela tivesse um sentido, um referente claro.

Em casos onde há desacordos e discussões – como na política – a Wikipedia oscila entre duas possibilidades. A primeira é que o grupo mais forte e organizado imponha sua versão, como no caso dos verbetes sobre o Oriente Médio, que são pouco mais que panfletos em defesa de Israel. A segunda é que as várias versões se neutralizem e se produza um monstrengo, onde um trecho contradiz o seguinte. É o caso do verbete sobre a liberdade de expressão em Cuba, onde um parágrafo desdiz o que anterior afirmou.

Não digo que não existam bons textos por lá, especialmente na Wikipedia em inglês. Mas a quantidade de erros e inconsistências é grande demais para que sirva como referência. Não se trata de que eu esteja esperando profundidade de uma tese acadêmica num verbete de enciclopédia. Tampouco se trata de “discordar” do que está escrito. Discordar é outra coisa. Se vou à Torre ou à Corja, sei que não vou concordar com nada, mas a perspectiva deles me enriquece. São textos pessoais, assinados. O irritante na Wikipedia é a pretensão de neutralidade, quando está óbvio que alguém ali ganhou uma batalha entre visões parciais, para depois conquistar o direito de se apresentar como versão objetiva. Neste sentido, ela produz, sim, efeitos daninhos, de uma forma que blogs bobagem não produzem. Jamais gasto bytes aqui criticando blogs que não têm nada a dizer -- ora, eles não me fazem mal nenhum. A Wikipedia é outro caso, porque posa de referência objetiva. Cada vez mais gente cita a Wikipedia como se estivesse citando um estudo sério. Isso sim, há que se combater.

PS: Na “democracia” da Wikipedia, a chefia decidiu que todos os links que saiam de lá para sites externos terão o atributo “nofollow”, mesmo depois da comunidade ter votado contra isso. Argumentaram que era para controlar o spam. É uma das decisões mais cretinas da história da internet. As páginas da Wiki aparecem bem colocadas nas buscas do Google por causa da quantidade de gente que as linka. Recebem seu ranking da comunidade de usuários da internet e se recusam a circulá-lo, devolvê-lo, compartilhá-lo. Eu tô fora. Aliás, em 3 anos e meio de blogagem, nunca houve um assunto sobre o qual eu não achasse uma referência melhor que o verbete da Wiki. Como no caso do Ariano Suassuna, outro dia, em que linkei um textinho modesto, mas sem erros e sem simplificações grosseiras.

PS 2: Se quiser me ajudar e fazer a prova dos nove, dê uma passada por lá, escolha um verbete na sua área de conhecimento, e me diga o que achou.



  Escrito por Idelber às 04:28 | link para este post | Comentários (61)



quinta-feira, 17 de janeiro 2008

Blogofobia tangueira

Enquanto eu estava de férias, o pau comeu na blogosfera argentina. Foi o maior barraco da história. Naturalmente, dele não se teve notícias nos blogs brasileiros. Muro de Tordesilhas véio de guerra. A história já é antiga – coisa de um mês atrás, em blogs, é pré-história. Mas vale a pena acompanhar, porque diz muito sobre a reação dos jornalões às novas plataformas de publicação.

Quando um jornalão brasileiro quer destilar o seu ressentimento pela queda do público leitor e a perda de espaço para as novas mídias, ele contrata a agência Talent, que faz uma campanha comparando blogueiros a macacos. Quando um jornalão argentino – o Clarín – quer fazer o mesmo, quem se encarrega da tarefa é um ensaísta da estatura de Horacio González, diretor da Biblioteca Nacional, que assina, sob o título “Os blogs não tem futuro”, uma incrível, bizarra e barroca diatribe contra os blogs. As reações na blogosfera argentina foram sensacionais e muito bem humoradas. Vamos por partes.

De todas as “eras douradas” que os nostálgicos gostam de dizer que foram destruídas pelos blogs, a escolhida por González é a mais insólita: a época da carta do leitor ao jornal, que aparece em seu artigo como uma espécie de era de ouro da democracia! Sério, é isso: El género de la carta del lector nació con el periodismo mismo y postulaba un ejercicio superior de ciudadanía –la enmienda, la queja, la reescritura, la rectificación, la protesta–, así como exigía del periodismo el trabajo con un incipiente derecho a réplica o con perspicaces elaboraciones de un lector, que si pasaba el cedazo riguroso de la redacción estable de un diario, era una señal de fuerte opinión editorial proveniente de la sociedad civil.

Essa era a idade de ouro, em que a voz dos leitores encontrava o ilustre cantinho do painel das cartas – cuja publicação, evidentemente, ficava e fica a cargo do jornal. A barbárie atual, segundo González? É esta: Cuando en los últimos tiempos se invita a la opinión en el gran "blog" en que se está convirtiendo el mundo digital de la información, se desata una interesante pero al mismo tiempo borrosa disentería de escritos de rigor espontaneísta: Esos escritos quizás prometen una futura revulsión artística en la lengua, pero por ahora la desarticulan con banales juegos de irreverencia y pseudos-vandalismo. O texto de González defende essa estranha tese: os blogs podem, um dia, revolucionar a linguagem. Mas por enquanto então “desarticulando-a” e pondo fim ao exercício democrático do sujeito que ponderadamente enviava missivas ao jornal como um ato de cidadania. Reclamando do mundo em que qualquer um pode escrever, González cita o famoso tango de Discépolo: cualquiera es un bacán, cualquiera es un señor. Se usasse o Google, González saberia que sua citação está errada. O que disse o ilustre tangueiro foi cualquiera es un señor, cualquiera es un ladrón, erro de citação que não deixa de ser uma bela ironia no contexto do artigo.

Estamos na época da disolución del perfil autoral y la responsabilidad del multi-secular sujeto escribiente, lamenta González. Os blogs seriam a disenteria verbal, as rufadas de espontaneísmo, a barbárie da opinologia: quanto mais retorcida a linguagem, mais visível o ressentimento. Lendo uma coisa dessas, assinada por ninguém menos que o diretor da Biblioteca Nacional da República Argentina – instituição que foi dirigida por Jorge Luis Borges, grande precursor da internet –, não dá para deixar de pensar: do que esses intelectuais têm tanto medo?

As reações da blogoseira foram várias: fazendo uma gozação com a retórica de González, La barbarie ofereceu uma tradução do texto, frase por frase; acertando na mosca, Últimas de Babel lembrou que quem fala sobre “os blogs” em geral, é porque não sabe do que se trata; no excelente blog coletivo Nación Apache, Julio Zoppi fez uma análise do ressentimento e do susto que movem essas diatribes; no Lectora Provisoria, que fez seu primeiro aniversário no sábado passado, Juan Villegas pegou pesado; o Hipertextos tomou o mote “os blogs não tem futuro” e colocou-o ao lado de outras previsões furadas do passado; finalmente, o indispensável Tapera demonstrou que a idade de ouro da carta ao jornal não era tão de ouro assim.

Minha opinião? As respostas deles a González deram de 10 x 0 nas nossas respostas ao Estadão. Mais um capítulo, pois, da blogofobia. Vida que segue.



  Escrito por Idelber às 02:58 | link para este post | Comentários (18)



terça-feira, 18 de dezembro 2007

Transpiauí, Uma peregrinação proctológica, de Mr. Manson

tpmm.jpg Acho que a última vez que eu dei tanta risada assim foi quando o goleiro do ex-Ipiranga buscou duas bolas dentro do gol de uma só vez. Acabei de ler – numa sentada – o Transpiauí: Uma Peregrinação Proctológica, o livro que relata a viagem do Mr. Manson, do Cocadaboa, ao Piauí. Publicado em 2004 pela editora Churros e já esgotado há tempos, o livro está disponível na íntegra na internet desde o mês passado (sem as fotos, que respondem por boa parte do escândalo que o livro causou). Recomendo. Mas recomendo mesmo.

Já nem sei como cheguei ao livro. O fato é que depois de dois parágrafos não consegui mais parar: uma odisséia numa “estrada” esburacada, uma incrível pegadinha no meio do deserto, um quebra-pau entre um travesti e as mulheres do ônibus. Daí em adiante a coisa só melhora, ou seja, piora. Há até informações históricas e geográficas sobre o Piauí que você nunca imaginou que fosse aprender.

Parece que, por causa das piadas, o livro despertou a fúria de muitos piauienses. Foi tema de programa de televisão no Piauí e tudo mais. Já até imagino os emails que o Mr. Manson deve ter recebido. Claro que os relatos de viagem, desde que o mundo é mundo, ofendem uma parte dos nativos. É da vida. Ninguém chega com um olhar de fora sem incomodar um pouquinho. Se é um livro de humor, bom, é inevitável. Os ofendidos se ofenderão. Neste caso, a única coisa que posso dizer é: leia o livro inteiro, não os trechinhos pinçados por alguém que tenta pintar o autor como um preconceituoso (puxa, o sujeito encara uma viagem dessas e ainda falam de pré-conceito?). A leitura é coisa de duas horas. Se depois de ler o livro, você ainda estiver ofendido, aí é porque você não tem jeito mesmo.

Parabéns aí, Mr. Manson. Livraço.



  Escrito por Idelber às 05:53 | link para este post | Comentários (11)



terça-feira, 20 de novembro 2007

Links

Hoje, só links:

Os textos jornalísticos sobre o Brasil publicados na Argentina invariavelmente trazem aquela boa dose de idealização. Mas convenhamos, esse do La Nación bateu qualquer recorde.

*************

No seu último comentário a esse seu próprio post, Daniel Link parte com tudo para cima do fascismo anti-tabagista.

*************

Ainda na Argentina: sem dúvida, Mestre Fogwill já teve dias melhores.

************

Adorei conhecer estes dois blogs: hunny.bunny e nerd-o-rama (via mary w).

***********

O texto é velho, mas eu só vi agora: nos anos 80, você era uma pessoa U2 ou uma pessoa REM? Um doce para quem adivinhar em qual tribo eu me encaixava.

*********

Aqui vai mais um triste retrato da impunidade e da violência no campo.

**********

A vantagem de ter má memória é que se goza muitas vezes com as mesmas coisas. Nietzsche e seus aforismos maravilhosos. Tem mais um monte, em espanhol, aqui.

**************

Você aí, já se inteirou do mais recente escândalo do futebol brasileiro?

**************

Festa na blogosfera: Pensar Enlouquece é eleito o melhor blog em português na votação popular da Deutsche Welle. Parabéns, cumpadi.



  Escrito por Idelber às 04:52 | link para este post | Comentários (18)



segunda-feira, 05 de novembro 2007

Liberdade para Ana Virgínia Moraes Sardinha

Paz-gif.gif%27.gif

Este blog se junta aos que pedem justiça para Ana Virgínia Moraes Sardinha, brasileira que passa por verdadeiro inferno em Portugal. A lista dos blogs que participam do esforço de solidariedade à Ana Virgínia está aqui. Ajude a divulgar, se puder.



  Escrito por Idelber às 04:13 | link para este post | Comentários (8)



domingo, 28 de outubro 2007

Momento jabá

Está em curso mais uma edição do prêmio internacional The Bobs, organizado pela agência alemã Deustche Welle para premiar blogs que se destacam no mundo todo. Saíram os dez finalistas ao prêmio de melhor blog em língua portuguesa. Com a licença dos meus amigos bugrino e tricolor, que mui merecidamente estão nas finais, gostaria de convocar os leitores do Biscoito para votarem no Ao Mirante, Nelson! Se você ainda tem dúvidas sobre a genialidade almirântica, leia um post, só um, o meu favorito: Se os diálogos de Platão fossem pelo MSN, um clássico da blogosfera tupinambá.

Depois de deliciar-se, passe lá e vote no Almirante. Quem sabe com os louros da vitória ele não se livra de seu único defeito.



  Escrito por Idelber às 04:55 | link para este post | Comentários (11)



segunda-feira, 22 de outubro 2007

Meme da pag. 161

O Pedro Dória me chamou para o meme da pág. 161, que consiste em abrir nessa página o livro que está ao seu lado e copiar a quinta frase. Voltando de Bogotá, li La ocasión, de um dos maiores escritores do século XX, o argentino Juan José Saer. É o livro que ainda tenho ao lado. Dos anos 60 aos 80, Saer não teve leitores e continuou escrevendo, paciente, sem que isso jamais lhe parecesse um motivo para queixa. Dali até sua morte, em 2005, teceu uma obra ímpar, que se ombreia com a dos maiores. Seus escritos despertam amor e devoção incondicionais ou a indiferença absoluta.

O meu problema com o meme, hohoho, é que as páginas de Saer não costumam chegar a cinco frases, e a 161 de La ocasión não é exceção. Aqui vai, então, a primeira, que descreve a chegada do personagem -- um francês de século XIX que foge da ridicularização de seus contemporâneos positivistas -- à pampa de Santa Fé. Copio em espanhol mesmo:

Adrede, se ha exhibido un poco en los campos desiertos, ha pasado y vuelto a pasar por los mismos lugares, para señalar bien su presencia, su existencia, su realidad y ha recorrido varias veces el perímetro de su tierra para marcar de un modo inequívoco su territorio y hacérselo evidente a los otros, se ha instalado en la llanura para recorrerla desde dentro, tratando de interiorizarla, hacérsela a si mismo connatural, tendiendo a reconstruir en su interior la percepción que tienen de ella los que han hecho su aparición en ella, los que, como Adán con el del Paraíso, están amasados por el barro gris que pisan los cascos de sus caballos, estancieros, peones, indios, arrieros, carreros, ladrones de vacas e incluso prófugos de la justicia y asesinos.

Este é Juan José Saer. Não vou repassar o meme, mas se alguém quiser tomá-lo, é só avisar que eu coloco o link aqui. Não vale escolher o livro, claro.



  Escrito por Idelber às 23:23 | link para este post | Comentários (8)



quarta-feira, 17 de outubro 2007

O novo curso da Fal

A Fal, a mais querida, está aceitando inscrições para seu novo curso de Arte na História. O curso é totalmente virtual e começa no dia 03 de novembro. Informações no email artenahistoria arroba gmail.com. Olhem o programa aí, que beleza.


Aula I
Arte. Que é isso?
Algumas teorias sobre o surgimento da arte.
Pedra lascada, pedra polida.
A vida como nós a conhecemos: as primeiras civilizações
No princípio era o verbo
Dos tijolos sumerianos aos jardins suspensos da Babilônia, passando pelos gatinhos do Egito.
Os números da Maloca
Tantos povos, tantas histórias: persas, minóicos, micênicos, hititas, lídios, medos, dóricos fenícios, cartaginenses e, ufa, hebreus

Aula II
Se oriente rapaz I: China e Índia
As crianças da Grécia
Os geniais etruscos
Roma e a não-arte

Aula III
Balaio de gatos: bárbaros germânicos, arte românica, gótica e a Idade Média
Construindo catedrais com a Ana Paula
Se oriente rapaz II: Japão

Aula IV
Humanismo
Grandes navegações: o mundo diminui
A terra é mui graciosa, tão fértil eu nunca vi
Apertem os cintos, o Papa sumiu

Aula V
O barroco francês, Rembrandt, Bach e outras coisas do século XVII que fazem meu coração sorrir
Bebendo café com o Mauro

Aula VI
Carneirinho, carneirão: o Arcadismo
Born in the USA
Eu sou Napoleão Bonaparte
Linha de montagem

Aula VII
Vizinhos Reais
Noutras palavras, sou muito Romântico
Romantismo Português, ó pá!
Eu te amo, porra! - Romantismo no Brasil
'Sua mãe pode até descender dos macacos, mas a minha não'

Aula VIII
A vida como ela é: O Realismo
A Natureza é tão natural
Simbolismo
Lerê Lerê
República ou morte
Impressionante
Freud, explica!!

Aula IX
Século novo, vida nova
Espartilhos e grandes bigodes: a Primeira Guerra Mundial
Futurismo, cubismo, dadaismo: é ismo que não acaba mais
Modernismo: Brasil e Portugal
Derretendo relógios
Fazendo moda, fazendo arte
Nós cantamos na chuva
A Segunda Grande Guerra
Baby boom
O anjo pornográfico

Aula X
Flower Power, o passaporte pra revolução
As veias abertas da América Latina
Coca-cola é isso aí: a publicidade e o divino, e as malas da Carla San
Moda, cinema, literatura, poesia, arquitetura, teatro, pintura, escultura, publicidade, rádio: stress puro ou seu dinheiro de volta.
O Havaí seja aqui : internet, a nova arte e o diário coletivo
De volta à pintura de paredes: os novos urbanos



  Escrito por Idelber às 09:19 | link para este post | Comentários (4)



terça-feira, 02 de outubro 2007

Momento Lavoisier

O caso já repercutiu à beça na internet, mas não custa acrescentar uma voz ao coro: o Jornal do Brasil publicou, no domingo, um texto assinado por Fausto Wolff que é um plágio, do começo ao fim, desse post publicado pelo Marconi Leal há cinco meses e meio. É só ler os dois textos e confirmar. O Marconi explica o caso aqui e anuncia para hoje mais detalhes.

Enquanto isso, fica a sugestão do Marconi para que os leitores se manifestem ante a editoria do JB sobre o mui descarado plágio. Aliás, o perfil do Wolff na Wikipedia já faz alusão ao caso (dica do Bernabauer).

Atualização: Que triste. Se "viu na internet" ou "recebeu anônimo por email" -- o texto de Wolff não é claro nesse ponto -- faz pouca diferença. É muito simples publicar e dizer: "texto recebido, sem autoria; se alguém conhecer o autor, avise, para que o crédito seja dado na próxima semana". Em menos de 24 horas, Wolff teria feito um amigo e Marconi Leal teria tido a oportunidade de circular um trabalho seu devidamente assinado entre o público do JB (ninguém é obrigado a produzir conteúdo original toda hora, é só transparência que se pede; no es mucho). Agora, vos digo: não posso ter muito respeito por quem -- por uma questão de direita / esquerda -- se recusa a solidarizar-se com o Marconi, ou pior, diz que ele "quer aparecer", ou ainda pior, que há "linchamento" de Wolff. Plágio é plágio, a gente nota e dá o link.

Atualização II: Que lamentável. O último texto no site de Fausto Wolff é um amontoado de falsidades (de que "suspeita" de plágio falas, ó cara-pálida?), ocupações indevidas da posição de vítima, ataques a "blogueiros" não nomeados e algumas frases escritas em sintaxe incompreensível. Acho que esse aí foi o fundo do poço.



  Escrito por Idelber às 04:28 | link para este post | Comentários (19)



quarta-feira, 12 de setembro 2007

Vários

Já está chegando no limite da falta de educação a minha demora em responder a vários memes, menções em lista e recomendações que este blog recebeu por aí, mesmo tendo ficado em hibernação durante boa parte dos últimos meses. Com terrível atraso, aqui vão as respostas com os devidos links:

Onde anda Su?, da gaúcha Suzana Gutierrez, indicou este blog para o prêmio "Blog com tomates" e o também gaúcho Milton Ribeiro nos indicou para o "The Power of Schmooze Award". Obrigado, tchê.

******************

Mesmo em semi-hibernação, o Biscoito apareceu no top 100 do Edney, no top 100 dos mais linkados, no top 50 dos mais lidos por feed e entre os 41 Totosos da Titia! Mas não viramos baralho e nem -- humilhação das humilhações -- entramos na lista dos 50 piores blogs. Sacanagem.

*************

No BlogDay, 31/08, o Redneck, a Daniela , catatau e o Bernabauer indicaram o Biscoito. Thanks!

************
Enquanto os blogueiros do Rio de Janeiro realizam seu Primeiro Encontro (muito bacana, por sinal), os belo-horizontinos realizamos, há duas semanas, o nosso quinquagésimo oitavo, regado a muita cerveja:

DSC03732.JPG

Em pé: Cláudio Costa e Amélia, Ana, eu, Letícia, Fernando. Sentados: Ana Letícia, Fefê e Maurício. Desta vez faltaram as Mothern e o Leandro. Luiza garante que na próxima aparece.

************

Ótima notícia para quem anda descrente da justiça: um certo universalmente detestado garoto-propaganda do (pseudo)jornalismo esportivo foi condenado no processo que lhe moveu Juca Kfouri. Parabéns, Jucão.

**********

Por falar em links, eis uma notícia velha, seguramente já sabida por quem acompanha a internet mais de perto que eu: A Wikipedia passou a colocar o atributo "nofollow" em todos os seus links externos. O que, obviamente, deverá gerar represálias: recusas a linkar a Wikipedia ou links "nofollow" dirigidos a ela também. Alguém anda acompanhando isso? Você, aí, usa links "nofollow"? Em qual circunstância?



  Escrito por Idelber às 22:24 | link para este post | Comentários (18)



segunda-feira, 03 de setembro 2007

Estadão x blogs: Acorda, professor!

Ah, o infinito talento da universidade para dar tiros nos pés! A gente tenta defender a danada, compra até debate com amigos, mas não adianta: ela continua fazendo o possível e o impossível para confirmar a fama de prepotente, arrogante e cega ante o mundo ao seu redor. O último exemplo foi o debate sobre responsabilidade e conteúdo digital promovido pelo Estadão, a raiz da malfadada campanha feita pela agência Talent para o jornal, comparando os blogueiros a macacos. O prof. Gilson Schwartz, da USP (tinha que ser da USP!), pagou um grande mico com sua participação e já deve ter percebido isso. A íntegra do debate está disponível no Estadão, mas o Rodrigo Barba também postou uma versão noYouTube:

Sobre a campanha, já não há muito o que dizer depois da enxurrada de posts que ela gerou: particularmente, acho difícil concordar com os que disseram que o Estadão apostou no velho “falem mal, mas falem de mim” como forma de ganhar publicidade gratuita na internet. Mais próximo da verdade estará o Cris Dias, quando opina que provavelmente um executivo encomendou uma campanha que tentasse reverter a perda de audiência dos jornais para a internet e a Talent mandou essa tremenda bola fora.

Na tentativa de remendar, chamaram três blogueiros para um debate: Carlos Merigo, do Brainstorm # 9, a Bruna, do Sedentário e Hiperativo e o Edney, do Interney, além do Pedro Dória. Completaram a mesa João Livi, diretor de criação da Talent; Marcelo Salles Gomes, diretor do Núcleo Digital do jornal Meio&Mensagem, Osvaldo Barbosa Lima, presidente do IAB Brasil (Interactive Advertising Bureau) e o citado Prof. Schwartz, da ECA (Escola de Comunicação e Artes) da USP.

Ficou por aí uma sensação de que faltou traquejo aos blogueiros para questionar mais duramente o Estadão e a Talent sobre a questão da credibilidade. Os jornalistas, publicitário e professor pilotavam o debate e depois de assistir o vídeo ficou difícil escapar da sensação de que os blogueiros estavam ali para legitimar uma “limpada” na imagem do Estadão. Edney deu uma bela resposta a um mal-informado comentário de Schwartz sobre a rentabilidade dos blogs mas, no geral, faltou conflito, especialmente considerando-se que o debate ocorria na esteia de um grotesco ataque do Estadão aos blogs.

O Cardoso ficou putíssimo com a forma como os blogueiros foram engolidos dentro do clima de “cordialidade” que ali, claro, só servia ao interesse de limpar a barra do Estadão. Como apontou o Cardoso, o Gilson Schwartz disse que o “Estadão tinha mais era que descer o cacete mesmo”, que a blogosfera era uma “lixolândia” e ninguém reagiu. Nessas horas, há que se mandar a cordialidade às favas. Eu, pessoalmente, não me importo nem um pouco de ganhar desafetos por escrever o que penso (mas, Cardoso, o Schwartz não é “digno representante e admirador da Blogosfera Intelectual”, seja lá o que for isso: ele é representante dos que acham que toda a blogosfera é um lixo, sem ter lido, claro, nenhum blog).

Não compartilho a percepção do meu amigo Pedro Dória sobre a “falta de relevância” da blogosfera brasileira. Comparações com a blogosfera americana não ajudam, pelas assimetrias que todos conhecemos. Faltou alguém que apontasse que no Brasil já há uma considerável história: blogs que descobriram plágio em discursos de senador (descoberta, por sua vez, depois plagiada pela grande mídia), blogs que foram processados por senadores depois de causar considerável impacto na eleição, blogs que viraram referência para os próprios congressistas sentirem o clima político do país, blogs que, infelizmente, conseguiram derrubar e desfinanciar projetos de pesquisa. Claro que falta muito, que se pode crescer mais, etc. Mas não vejo nenhum “problema de relevância”. As coisas crescem no seu ritmo.

Outra coisa que ficou nítida no debate foi a vontade, tanto do moderador como do representante da Talent, de martelar que a “campanha havia sido mal compreendida”, que “não havia ataque aos blogueiros”, que só se tratava de uma chamada de atenção para a qualidade da informação, etc. Poucas coisas me irritam tanto quanto isso: o sujeito escreve A, 40.000 pessoas entendem e criticam A, e o sujeito volta para dizer que foi “mal compreendido”. Reitere o que disse ou retire o que disse, mas pelamor, não finja que o planeta e a torcida do Corinthians o compreenderam mal. Isso aconteceu também, por exemplo, no caso Janine Ribeiro – que teve a oportunidade de reiterar ou retirar, mas prefiriu dizer que a humanidade não o havia compreendido.

O Prof. Schwartz, claro, deu mais uma bela contribuição para que a imagem pública da universidade continue piorando. Mais que no infeliz uso do termo “lixolândia”, mais que na apropriação infeliz da metáfora dos “macacos”, a ignorância do acadêmico sobre o fenômeno que debatia ficou clara quando pontificou sobre o fato de que, supostamente, o problema dos blogs seria que “todo mundo virou emissor”, num recurso a um modelo completamente ultrapassado de comunicação. Não é no terreno dos blogs que “todo mundo é emissor”. Se há um espaço em que “todo mundo é emissor”, é justamente nas revistas acadêmicas, que só são lidas pelos próprios autores. Caramba, rapaziada: será que ninguém teve presença de espírito para dizer uai, professor, eu achava que todo mundo era emissor naquelas revistas que vocês fazem na USP, que só são lidas pelos que nelas escrevem.

PS: Mais sobre a polêmica:

1. Falso debate, de Hernani Dimantas.

2. A Talent tenta limpar a barra, no Blue Bus.

3. Estadão recua, por Guilherme Azevedo.

4. Um bom resumo, no Anderson Costa.

5. Renato Cruz insiste que a "intenção não foi ofender", esquecendo-se do velho e bom ditado sobre quão cheio de boas intenções anda o inferno.

6. O Blogajuda concorda com o Prof. Schwartz, dizendo que faltam "receptores minimamente inteligentes". É a observação da qual eu mais discordo. Se há uma coisa que não deixa de me encantar nos meus três anos de blogagem, é justamente a quantidade de receptores inteligentes que encontrei.

7. Paulo Bicarato faz uma bela observação: quando um sistema emergente aparece, é porque já está mais que consolidado.

8. Enquanto isso, Ivan Lessa dá show de bola.



  Escrito por Idelber às 01:13 | link para este post | Comentários (38)



quinta-feira, 30 de agosto 2007

Alexandre

Morreu Alexandre, o marido e amor da vida da madrinha dos blogueiros brasileiros. Foi na segunda-feira, de parada cardíaca.

A notícia foi um baque para mim. Deu uma raiva danada, sabe? Eu havia aprendido a admirar o carinho e a paixão que os unia. Não conheci o Alexandre pessoalmente, mas tive com ele uma troca de emails que selaram minha admiração para sempre. No Salão do Livro de BH, em 2005, Fal compunha uma mesa redonda comigo e com Inagaki. Os emails em que Alexandre encomendava cuidados com a Fal foram das coisas mais tocantes e lindas que já chegaram à minha caixa de correios – coisa de quem ama de verdade, cuida, se preocupa. Papeamos, como se fôssemos amigos.

Claro que Fal não precisava de ajuda nenhuma. Meu brother bugrino concordará comigo que a minha presença e a dele naquela mesa redonda foram meros complementos para o espetáculo de bom humor e sabedoria dado pela Fal. Mas os cuidados do Alexandre com essa viagem da Fal me marcaram, porque era tudo amoroso demais.

E agora ele está morto. Falzuca, nem sei quando você voltará a ler blogs ou a passar por aqui, mas queria deixar essa recordação. Que você tenha serenidade e tranquilidade para segurar essa barra. Eu e Ana estamos pensando muito em você.

PS: Os comentários do blog passaram a ser moderados. Comente, clique enviar e tenha paciência que a gente libera. Depois comento o porquê da decisão.



  Escrito por Idelber às 00:09 | link para este post | Comentários (12)



segunda-feira, 13 de agosto 2007

Link

Enquanto o Biscoito prolonga só por mais uns dias o preguiçoso recesso, eu não poderia deixar de recomendar o blog do meu amigo e brother Christopher Dunn, que anda bombando lá na Revista Bravo!

Bem vindo à blogosfera, Chris. Mais uns dias e a gente volta.



  Escrito por Idelber às 18:37 | link para este post



sábado, 21 de julho 2007

Recesso

Como no caso de recessos anteriores do blog, o desta semana não foi planejado. Acabou se impondo e continuará por algum tempo, não maior que 10 dias. Enquanto isso, eu viajo com a família e me meto de cabeça numa pilha de tarefas: artigos, cartas, pareceres, revisões de tese.

Em agosto, então, volta o blog.

Bom fim de mês para todo mundo :-)



  Escrito por Idelber às 19:58 | link para este post



sexta-feira, 15 de junho 2007

Plágio

plagio.gifO plágio é o tema da vez em alguns dos blogs pelos quais eu circulo. O Allan, do Carta da Itália, foi plagiado por outro blog. Recentemente, a Ticcia também foi. Ontem, o Rafael Galvão fez um post resumindo o que eu penso sobre o assunto mas, em todo caso, aqui vai um pitaco.

Entendo a raiva de quem encontra um texto seu copiado sem crédito. Eu, pessoalmente, nunca procurei saber se um texto do Biscoito foi plagiado em algum lugar. Recebi uma vez, por email, o meu ensaio sobre o Galo atribuído a Armando Nogueira e só aí me dei conta de que o texto havia dado várias voltas na internet e em caixas de correio com a falsa atribuição (da qual, obviamente, Mestre Armando não tem culpa nenhuma: trata-se de um daqueles fenômenos da cultura digital que a Corinha analisa num belo livro). Depois, vi que um balanço do governo Lula que escrevi a pedido do site InfoBrazil.com havia sido deturpado em alemão (publicado com crédito, mas em tradução parcial e grosseira); daí foi um pulo para alguns mal-entendidos em húngaro.

Vou esquentar a cabeça com isso? Se for, fico louco. Se tenho uma pesquisa em andamento, ainda não publicada em livro, pode ter certeza que ela não virá parar aqui no blog. Depois de publicada, eu, feliz da vida, colocaria a dita cuja por aqui, se não estivesse com isso violando a lei de direitos autorais – a lei mais caduca, decimonônica, atrasada e fora da realidade que existe por aí. Quando Roberto Carlos plagia a canção entregue a ele por uma fã e ganha, com isso, alguns milhões, faz coisa bem distinta – ética e legalmente -- do moleque que copia um texto seu para fazer um perfil no Orkut. Para começar, o ganho econômico com o fruto do plágio torna o caso uma operação bem diferente, pelo menos aos olhos da lei.

Não quero com isso sugerir que a indignação do plagiado não tenha razão de ser, embora eu ache que, muitas vezes, a obsessão com o tema é uma espécie de mecanismo de validação: “veja, já fui plagiado!”. Para quem gosta de falar em processos judiciais, seria interessante investigar se há algum precedente de condenação a alguém por fazer um copy / paste na internet. Suspeito que não. Isso não faz do plagiário um ser mais moral, obviamente, mas talvez ajude o plagiado a matizar um pouco sua indignação. Pessoalmente, acho que a denúncia com o link já é punição suficiente: na grande maioria dos casos, o plagiado tem tráfego infinitamente maior que o plagiador.

De novo: que nenhum plagiado, pelamor, sinta que sua raiva esteja aqui sendo desqualificada. O objetivo do post é só sublinhar a máxima do imortal filósofo Vicente Matheus que é a pauta ética deste blog: quem está na chuva é para se queimar.

Leituras recomendadas:

1.Polêmica argentina (ver os 19 textos linkados à direita) sobre o recente cancelamento do prêmio La Nación-Sudamericana a Bolivia construcciones, romance de Sergio Di Nucci no qual – depois da honraria concedida por um jurado de notáveis escritores – um muchacho de 19 anos descobriu nada menos que 30 páginas copiadas de Nada, romance da década de 1940 escrito pela espanhola Carmen Laforet. Nessas 30 páginas, Di Nucci se limitara a trocar os pronomes femininos pelos masculinos e substituir as palavras ibéricas que soariam inverossímeis no castelhano platense. Vale a pena acompanhar a discussão, bem mais interessante que qualquer uma que eu tenha visto aqui sobre o tema. Atenção especialmente à intervenção de Josefina Ludmer, a extraordinária sátira de Estanislao Figueroa, o duro ataque de Elsa Drucaroff, a resposta de Susana Santos e a cacetada final de Drucaroff.

2.A ideologia da propriedade intelectual (em pdf), notável texto de Túlio Vianna sobre o anacronismo das leis de copyright.



  Escrito por Idelber às 06:21 | link para este post | Comentários (33)



domingo, 03 de junho 2007

Aviso

Na quinta-feira eu pego o avião para Belo Horizonte. Durante os próximos três meses, o Biscoito transmite aí do Brasil, entre BH e Recife (com a exceção de um curto período em que eu estarei no Chile). As atualizações, portanto, devem sofrer um pouco durante esta semana.

No mês de maio, o Biscoito teve 156.560 pageviews, média superior a 5.000 por dia. A casa deixa o agradecimento pela preferência e promete manter, logo que eu estiver instalado em BH, o ritmo mais acelerado de atualizações que tem caracterizado o blog nas últimas duas semanas.

Enquanto isso, deixo com vocês o belíssimo clip da canção “Balada para Robert Johnson”, incluída no novo disco de Flávio Guimarães, Blues Etílicos. A letra é de Bráulio Tavares e a canção é interpretada pelo violeiro e repentista Sebastião da Silva. A dica é de Beth Salgueiro:

PS: o post scriptum de hoje deixa uma declaração de votos de boa sorte ao NoMínimo que, segundo informam os editores, corre o perigo de fechar por falta de patrocínio.



  Escrito por Idelber às 23:21 | link para este post | Comentários (28)



quinta-feira, 31 de maio 2007

Extra!

cigars.jpgshoes.jpg

Dizem por aí que o Alex Castro está fumando charutos em Cuba, mas na verdade ele foi preso em Wisconsin.



  Escrito por Idelber às 18:37 | link para este post | Comentários (7)



quarta-feira, 23 de maio 2007

Copyright perpétuo x liberdade de criação

Em 1998, os EUA aprovaram o Copyright Term Extension Act – também conhecido aqui como Mickey Mouse Protection Act. A essência daquela legislação era estender o copyright – que até então cobria a vida do autor e mais 50 anos, ou 75 anos para criações de corporações – para inacreditáveis “vida do autor mais 70 anos” e 95 anos para corporações. Era a Disney deitando e rolando com seu lobby na Washington D.C. de Clinton, "protegendo" Mickey Mouse e cia. Bons tempos aqueles, os da ameaça de impeachment por uns boquetes. Éramos felizes e não sabíamos.

Mas tergiverso.

Eis que no New York Times (link aberto temporariamente), o Sr. Mark Helprin – vá lá, leitor, ajude-nos a saber quem é – propõe copyright perpétuo sobre bens intelectuais. Sim, isso mesmo é o que a proposta significa: que se daqui a 800 anos você quiser fazer uma adaptação teatral d’ "A Terceira Margem do Rio", terá que negociar pagamento com algum deca-neto maluco de Guimarães Rosa, que sacará do colete uma tabelinha de preços. Isso é o que “copyright perpétuo” significa. Não se trata de nada que tenha a ver com garantir ao autor da obra uma compensação justa por sua criação – que é a idéia da legislação original de copyright –, mas sim algo que aprisiona a posteridade nessa farsa que é a posse sobre bens intelectuais passando de geração a geração.

Sabe do que falo quem acompanha a batalha ingrata que livram os estudiosos da obra de James Joyce com um neto possessivo, maluco, obsessivo e frustrado. A ironia, claro, é que, na obra do avô, essa figura caberia em algo assim como meia linha.

Pois bem, logo depois da publicação da idéia absurda no New York Times, surgiu uma página estilo wiki com argumentação copiosa contra o copyright perpétuo. O primeiro argumento já rebate de cara a analogia proposta por Helprin com a posse dos bens físicos: esta última é um jogo de soma zero. Para que eu compre a casa da Main Street número 50, alguém tem que se desfazer dela. A posse do direito de uso -- citação e transformação -- de bens intelectuais, imateriais, obviamente não implica isso.

Meu direito de usar e citar e transformar Guimarães Rosa não altera o direito de ninguém fazer o mesmo. A posse do direito de uso de bens intelectuais não é uma equação de soma zero.

Este blog é pelo fim total do direito de herança sobre bens intelectuais. Vê lá se não tenho coisa melhor para deixar aos meus filhos que o direito e a tarefa de ficar decidindo quem pode ou não reaproveitar coisas que escrevi em parcos livrinhos. Ora bolas.

Atualização: A partir de hoje, o blog terá duas ou três atualizações diárias, ao invés do tradicional texto semi-diário. Você, que visita as caixas de comentários, acostume-se a descer a barra de rolagem. O site está programado para exibir, na página principal, os posts dos últimos 15 dias. Se, com o novo ritmo, ela ficar pesada, avisem.



  Escrito por Idelber às 17:02 | link para este post | Comentários (23)




Processe-me, Microsoft

linuxorg.gif Isto é história sobre a qual leremos mais, com certeza, no Ecologia Digital, Tiago Dória, Cris Dias, Sérgio, Bica e demais conhecedores do assunto: ante as crescentes ameaças judiciais feitas pela Microsoft contra usuários de software open source, armou-se uma bela página wiki, já com centenas de assinaturas, que oferece um detalhado desafio à Microsoft a que processe mesmo, se for macho!, como diria Xico Sá. Traduzo:

A ameaça da Microsoft com as patentes é outro exemplo do ditado de Franklin Delano Roosevelt de que a única coisa a se temer é o próprio medo. Primeiro, a Microsoft teve sucesso como empresa porque, na maior parte, refinou as inovações nas quais outras companhias foram pioneiras. Portanto a Microsoft tem sérios problemas com defesas de reivindicações de patentes baseadas em “arte prévia” e “obviedade.” Segundo, os criadores do GNU e do Linux foram inspirados pelo Unix, não pelo Windows, e o Unix é bem mais velho que o Windows. De novo, com defesas baseadas em arte prévia e obviedade. Terceiro, a Microsoft já vendeu, inclusive, licenças Unix, chamadas Xenix (que eles licenciaram da SCO), mas a Microsoft depois abandonou o Xenix em favor do Windows NT, o que indicaria (para mim, pelo menos) que as idéias para as patentes da Microsoft relacionadas ao Windows são provavelmente tecnologia bem diferente do Xenix. ... Quinto, e talvez mais importante, Linus Torvalds enviou por email a Charlie Babcock, do InformationWeek, o argumento de que a maioria das inovações que dizem respeito a funções dos sistemas operacionais perderam proteção de patente há muito tempo, já que a maior parte da teoria básica de sistemas operacionais já estava pronta nos anos 1960. A discussão do Slashdot sobre este último tema pode ser encontrada clicando aqui. Sexto, o advogado do IT, Andy Updegrove, já disse que não está impressionado com as reivindicações de patente da Microsoft. A discussão do Slashdot desta história encontra-se clicando aqui.

É o responsável pela página, advogado, embora não do ramo, mandando bala na introdução. Já são quase seiscentas pessoas do mundo todo convidando a Microsoft a processar.



  Escrito por Idelber às 03:46 | link para este post | Comentários (4)



terça-feira, 22 de maio 2007

Thinking blogger award

Bom, eu não ia entrar nesse meme, especialmente depois de ler a matéria do Inagaki, mas já que Biajoni, Marmota e Alessandra deram a este blog a honra da inclusão na lista de cinco que os fazem pensar, vamos lá. Abaixo seguem os links a cinco blogs que atualmente me estimulam o pensamento. Não cito o Ina, Bia, Marmota, Alessandra ou Rafael porque seria chover no molhado.

Favoritos: já citado pelo Ina, não posso deixar de endossar. O blog da Luiza Voll virou minha parada obrigatória diária. Leve, bonito, com achados espetaculares, dele saíram mais bookmarks para meu uso pessoal que de qualquer outro blog. Tem sido ótimo ter o Favoritos agora que a Bibi nos deixou órfãos.

Blog do Alon: comecei a ler na época da campanha eleitoral e não parei mais. Alon combina as vantagens de ter paixão pelo jornalismo político e não ser nem petista nem tucano. Raramente concordo com tudo e quase nunca comento (as regras são bem diferentes das daqui e terminaram me inibindo) mas é certamente um blog que me faz pensar, por mais que às vezes cometa frases que são verdadeiros empecilhos ao pensamento -- como, por exemplo, o debate sobre o aborto é um debate sobre o direito de matar, frase pragmaticamente falsa qualquer que seja sua posição sobre o direito ao aborto, posto que, de ser a frase verdadeira, não existiria debate. Mas o blog é parada diária minha.

Contemporânea: Não deve haver muita gente que conheça o Biscoito e não conheça o blog da Carla, mas ela não poderia faltar na lista. Jornalista, acadêmica, dona de um texto límpido e cristalino, com ótimo tino para encontrar materiais de reflexão por aí, ela assina um dos melhores blogs do Brasil, na minha opinião. Foi muito louvável a decisão de instalar a moderação nos comentários, porque o que acontecia ali (e ainda acontece, mesmo com a moderação) é de desanimar qualquer blogueiro. Já não tenho condições nem tempo de debater em caixa de comentários alheia, mas incentivo os leitores interessados a que passem por lá e participem da discussão, quando possível.

Hermenauta: confesso que achava que ele vivia gastando tinta inútil quando dedicava tantos posts a desmontar Olavo de Carvalho, mas hoje dou o braço a torcer – os sopapos diários de Hermê ao Reinaldo Azevedo são essenciais para questionar a credibilidade dessa verdadeira barricada de extrema-direita intolerante e falastrona hospedada no portal da Veja. Confiram, por exemplo, o post de hoje, desmontando a mentirada de que nas grandes democracias não existe regulação de conteúdo televisivo como o atualmente proposto pelo governo brasileiro.

Ao Mirante, Nelson!: porque pensa melhor quem pensa dando risadas. Os textos do Almirante são clássicos instantâneos de erudição e verve. Se você nunca leu um post chamado Se os diálogos de Platão fossem pelo MSN – encontre lá -- você ainda não conhece a contribuição brasileira aos top 5 da história da galáxia blogueira.

A Feminista (a quem deixo as condolências pela recente perda do pai), o Imprensa Marrom e o mais jovem Catatau também já me fizeram pensar muito. Que ninguém se sinta obrigado a repassar o meme, pelamor.



  Escrito por Idelber às 14:03 | link para este post | Comentários (11)



sexta-feira, 18 de maio 2007

Momento bobagem

Ok, agora que o Rafael Galvão parou de falar de putaria, o Biscoito não poderia deixar de preencher o espaço. Dizem que na véspera da decisão da Copa das Confederações, uma empresa publicitária argentina saiu com a seguinte campanha. Depois dos 4 x 1, uma empresa publicitária brasileira devolveu a gentileza:

brazil_vs_argentina.preview.jpg

Perdoname, Linkillo :-) Mas essa era muito boa. Amanhã voltamos com a programação normal.



  Escrito por Idelber às 06:42 | link para este post | Comentários (15)



sexta-feira, 04 de maio 2007

Lançamento das Mothern em BH

mothern-lançamento.jpg

Depois do show de bola que foi a série no GNT, as pioneríssimas e chiquérrimas Juliana Sampaio e Laura Guimarães lançam mais um livro e prefaciam outro. É sábado, no lindo espaço da Traquitana (Major Lopes, 63, São Pedro, ali pertinho da Contorno) a partir das 10 h.

Lá estaremos em espírito. Você aí em BH, não perca.

São as Mothern rumo ao Nobel :-)



  Escrito por Idelber às 02:58 | link para este post | Comentários (7)



domingo, 22 de abril 2007

O melhor e o pior da tecnologia

Adorei estas duas listas:

Os 50 melhores produtos da tecnologia (desde a invenção do primeiro PC).
Os 10 produtos mais insuportáveis

(ambos links via Corinha).

Diga lá, erudito tecno-leitor: o que sobrou e o que faltou nessas listas?



  Escrito por Idelber às 03:39 | link para este post | Comentários (11)



sexta-feira, 13 de abril 2007

Links

Hoje, só alguns links, para seu prazer navegador:

Um velho leitor do Biscoito e amigo meu, o cientista político Diego Ambrosini (também conhecido como Dra) engrossa o rol dos excelentes blogs acadêmicos com um belo projeto: com vocês, Tentativas de Mitologias.

Eu cheguei a perdê-lo de vista por uns tempos, numa dessas novas dentições pelas quais passam os blogs. Reencontrá-lo foi uma grande alegria; não deixem de visitar Zé Carlos Cipriano, um dos maiores conhecedores da música brasileira, e o seu indispensável Sovaco de Cobra.

Não se trata de blog novo, mas eu acabo de conhecê-lo. O autor é sociólogo, conhecedor do mercado editorial e ainda por cima tem o bom gosto de ser vascaíno. Visitem a Quitanda do Chaves.

Das coisas mais brilhantes e divertidas que li ultimamente na blogofera foi esse texto do Matusca. Não deixem de ler (via Mestre Fábio).

O stalinista já recomendou, mas eu não posso deixar de concordar: o novo projeto de Ricardo Monteiro, Vidas e Imagens, é um olhar brilhante e original sobre o Brasil. Não deixe de passar por lá.

As atualizações não são tão freqüentes como eu gostaria, mas esse é um espaço que você não deve perder de vista: Ecologia Digital.

Poucas vezes vi um blogueiro levar tanta cacetada como Tim O'Reilly na sua última tentativa de elaborar um "código de conduta" blogueira. O problema não é sugerir alguns códigos. O problema é fazê-lo com esse tom de quem quer organizar a internet. A pior parte foi a sugestão de que os blogueiros "assumam responsabilidade" pelo dito pelos leitores, justamente numa época em que se conseguiram algumas vitórias importantes na justiça dos EUA, no sentido de aliviar a responsabilidade jurídica do blogueiro sobre o dito por outrém em seu blog. Via o indispensável Tiago Dória.

Um escândalo do tamanho das gravatas do Henry Sobel num país vizinho: Bryce Echenique, talvez o segundo escritor peruano mais conhecido em sua pátria e no estrangeiro, foi pego no plágio não de um, não de dois, mas de pelo menos oito textos diferentes, copiados de outrém verbatim e publicados em jornais sob sua assinatura. Em sua declaração sobre o assunto, Bryce se justificou remetendo o problema a uma confusão de sua secretária particular. Trata-se de um petardo em cheio que atinge um escritor até então queridíssimo, que praticamente não tinha desafetos. A história completa, com toda a documentação, está no excelente blog Punte aéreo, aqui, , acolá e alhures.

Elas não comentam mas, quando fazem seus posts, põem os pingos nos i's.

PS. Se você estiver próximo a Madison, Wisconsin, no próximo fim de semana, não perca este colóquio (veja o programa completo). A conferência de abertura acontecerá na sexta-feira às 10 da manhã e será dada por este atleticano blogueiro, que deixa o agradecimento à Universidade de Wisconsin em Madison pelo convite.



  Escrito por Idelber às 04:46 | link para este post | Comentários (11)



terça-feira, 03 de abril 2007

Advogada evangélica se recusa a entrar na vara

entrandonavarapt2.jpg

Roubei daqui.



  Escrito por Idelber às 05:24 | link para este post | Comentários (18)



quarta-feira, 28 de fevereiro 2007

Links

* Estreou com pompa, circunstância e destaque nos principais jornais brasileiros o novo portal Interney blogs, onde se hospedam vários amigos desta casa. O Biscoito, que anda em fase ainda baiana e preguiçosa, noticia o fato depois de todo mundo. Em todo caso, melhor tarde do que nunca. Aqui vai o convite a que você visite o Pensar Enlouquece, o Marmota, o Ao Mirante, Nelson, o Enloucrescendo, o Hedonismos, o Discoteca Básica, o Uma dama não comenta e todo o resto do excelente time de lá. Vão também os votos de boa sorte e muito dim-dim no bolso. A proposta do portal é profissional, o Edney tem know-how na coisa e os blogueiros que se reuniram lá têm conteúdo. Ou seja, eles têm tudo para dar certo. Inagaki explica o babado nessa entrevista com o Tiago Dória.

* Para quem se interessa pela situação atual de New Orleans, aqui vai um belo diário de um nova-iorquino aqui no Golfo. Muito bom.

*Está em curso na Argentina o processo de confecção do mito Osvaldo Soriano-o-gordinho-pobre-e-santo- abandonado-pela-academia-malvada. Afinal de contas, dos mortos é possível se fazer qualquer coisa. A novidade aqui é o ódio, a virulência, a agressividade e a misoginia com que, para confeccionar esse mito, Osvaldo Bayer e Guillermo Saccomano saem de porrada em cima de uma intelectual como Beatriz Sarlo, jogando lama, inclusive, sobre o melhor curso de Letras da América Latina, o da Universidade de Buenos Aires. Uma pensadora da estatura de Sarlo não precisa de ninguém para defendê-la, obviamente, mas fica aqui a nota de solidariedade. Veja também, sobre essa seqüência de agressões, o texto de María Moreno e o depoimento de Daniel Link. Como lição do episódio, vai o seguinte: sempre que vir alguém apresentando a si ou a outrem como um coitado silenciado pelo desprezo da academia, desconfie. Muito provavelmente se trata de um demagogo de plantão.

* Hermenauta e Lucia Malla, save us all! Sabem de onde sai a mais militante, apaixonada e carola defesa das religiões contra The God Delusion, o novo livro do cientista (e racionalista de carteirinha) Richard Dawkins? Vem de Terry Eagleton, uma das lideranças do marxismo britânico. Quando os nossos marxistas de plantão se dedicam a voltar suas baterias em defesa das religiões contra o racionalismo ateu é porque a coisa vai mal. Em breve, um comentário sobre essa resenha aqui no Biscoito.



  Escrito por Idelber às 00:13 | link para este post | Comentários (15)



segunda-feira, 06 de novembro 2006

Aviso aos navegantes

Ficou para amanhã a conversa sobre Terras do sem fim, prevista originalmente para hoje. Desculpem a furada.



  Escrito por Idelber às 15:22 | link para este post | Comentários (5)



terça-feira, 31 de outubro 2006

Perguntinha

Qual o seu post favorito neste blog?



  Escrito por Idelber às 02:07 | link para este post | Comentários (46)



quinta-feira, 21 de setembro 2006

Amapá Urgente: Mais notícias das agressões de Sarney contra a jornalista Alcinéa Cavalcante

camisa.jpgAo longo desta campanha eleitoral, José Sarney e seus capangas têm tentado silenciar e censurar o blog da jornalista Alcinéa Cavalcante. Sucessivas ações na justiça eleitoral do Amapá terminaram retirando do ar o blog que Alcinéa tinha no UOL, com vergonhosa cumplicidade do portal. Sarney havia conseguido que o TRE-AP ordenasse a retirada de uma charge que Alcinéa fotografou; o UOL se adiantou e retirou o blog inteiro do ar. A censura desencadeou revolta na blogosfera e gerou uma gigantesca campanha Xô Sarney. A história foi contada aqui no Biscoito e também no Pensar Enlouquece, e recebeu atenção da mídia internacional.

Já com o blog hospedado no Blogspot, ela recebeu, ontem, uma notificação de que Sarney havia ganhado o direito de resposta em seu blog. Isso mesmo: um direito de resposta num blog pessoal, onde Sarney tem o cinismo de assinar uma frase como Alcinea Maria Cavalcante Costa publicou matéria difamatória e caluniosa contra o Senador José Sarney, homem sério, digno, honrado e que tem prestado valiosos e imprescindíveis serviços ao Estado do Amapá nos seus mais de 50 anos de vida pública. O que você acha disso?

Este blog convida lulistas, alckmistas, helenistas, buarquistas e votonulistas a dar uma resposta à grotesca escrevinhação de Sarney no blog de Alcinéa. Além de deixar os seus comentários lá na Alcinéa, o leitor pode também escrever diretamente ao senador, para compartilhar com ele qual sua percepção sobre todo esse processo.

O TRE-AP que vem dando ganho de causa a Sarney e obrigando o blog de Alcinéa a retirar posts do ar, pagar multas e publicar cartas do coronel pode ser contactado neste email ou em algum desses.

A caixa de hoje está fechada, para que todos os comentários se concentrem lá na Alcinéa, especialmente na resposta ao Sarney. Para os que querem continuar debatendo os últimos acontecimentos do imbróglio com o dossiê, a caixa de comentários de ontem está aberta.

Toda a solidariedade à Alcinéa. Não deixe de dar o seu recado lá.

Atualização: por causa da configuração do blogspot, o permalink à resposta de Sarney abre o post na página como se ele não tivesse caixa de comentários. Tem. Por isso atualizei todos os links. Em vez de remeterem ao post específico, remetem agora ao blog de Alcinéa. Para ver a cartinha do coronel, desça até o post das 5:20 do dia 20/09.

Atualização II: Sarney se desespera e troca marqueteiro (gracias, Celinho).



  Escrito por Idelber às 03:20 | link para este post



quinta-feira, 14 de setembro 2006

TRE-Amapá dá a Sarney direito de resposta num blog que já não existe

sarney.JPG

Do blog da Alcinéa Cavalcante:

Fui notificada agora pelo Tribunal Regional Eleitoral do Amapá que foram julgadas procedentes as representações 448, 449, 450, 451, 452 e 453/2006 movidas contra mim por Sarney.

O pleno do TRE deferiu o pedido de resposta feito por Sarney para ser publicado no alcinea.zip.net - que, repito, o UOL já tirou do ar faz tempo - e me aplicou uma multa de R$ 25 mil,

Quem está acompanhando a história sabe: Sarney primeiro conseguiu que o Tribunal Regional Eleitoral do Amapá obrigasse Alcinéa a retirar um post do ar. Antes de que Alcinéa pudesse cumprir a ordem judicial, o UOL, sempre tão solícito com ditadores, retirou o blog inteiro do ar.

Agora Sarney ganhou - pasmem - direito de resposta num blog que já não existe. Isso mesmo: o ditadorzinho bigodudo que controla todos os meios de comunicação de massas do Amapá ganhou direito de resposta num blog pessoal que ele já havia conseguido - graças à cumplicidade do UOL - retirar do ar. Alcinéa no momento já deve R$45.000 em multas.

Sabe o que acho? Que seria um bom exercício de cidadania escrever para o tal tribunal com uma opinião sobre essa decisão. Para você que escreve cartas à moda antiga, o endereço é:

Tribunal Regional Eleitoral do Amapá
Av. Mendonça Júnior, 1502 - Centro
CEP 68900-020 - Macapá-Amapá

Se tem disponibilidade para telefonar, pode ligar para:
(96) 3214-1722 / 1723

Ou pode-se mandar uma correspôndencia para este email ou para algum dos membros da secretaria jurídica do TRE-AP, cujos endereços eletrônicos estão aqui.

Sabe como, não é? Um rápido e cordial email relatando sua opinião sobre decisões como essas, e um pequeno lembrete de que o mundo está de olho nas eleições do Amapá. Algo me diz que os capangas, aprendizes de ditadores, lambe-botas da ditadura, censores de blogs - e seus amigos nos vários poderes constituídos - estão começando a temer a internet.

PS: Enquanto isso, o blog da Alcilene Cavalcante, o Repiquete no Meio do Mundo, que havia desaparecido até do cache do Google desde o último dia 25, misteriosamente voltou ao ar, justo no dia em que Sarney ganhou direito de resposta nele. Curioso, não?



  Escrito por Idelber às 03:32 | link para este post | Comentários (37)



quinta-feira, 31 de agosto 2006

Sentença judicial contra Imprensa Marrom abre perigoso precedente na blogosfera brasileira

Acaba de ser lavrada em São José dos Campos uma sentença judicial que abre um precedente perigosíssimo para a liberdade de expressão na blogosfera brasileira. Para os que acompanham blogs há algum tempo, a história é conhecida. Para benefício dos que por ventura ainda não a conheçam, aqui vai o relato, desde o começo.

Em 2004, um dos sócios de uma empresa de recolocação profissional, cuja reputação pode ser averiguada com uma consulta ao Google, sentiu-se ‘ofendido’ com um comentário publicado no blog Imprensa Marrom, e conseguiu uma liminar que tirou o blog do ar. O Imprensa Marrom logo depois conquistou o direito de voltar ao ar, mas na sua volta já não incluía espaço para comentários. Enquanto isso a ação continuava tramitando. Três detalhes são cruciais para se entender o caso:

1. o comentário havia sido feito por um usuário não identificado num post de mais de seis meses de idade. Ou seja, foi colocado num espaço onde ele dificilmente seria lido, já que é raro que algum leitor de blog leia caixas de comentários tão antigas.

2. a empresa em questão e o sócio que se sentiu ofendido jamais entraram em contato com o Imprensa Marrom pedindo que o comentário fosse apagado.

3. a empresa em questão é a mesma que já havia ameaçado, em termos bem grosseiros, o blogueiro Cris Dias com um processo judicial por causa de comentários publicados em seu blog.

Tudo isso torna o caso extremamente suspeito. O que vocês diriam de uma situação em que um anônimo escreve um comentário ofensivo a alguém num post de seis meses de idade, e quatro dias depois você é surpreendido com uma ação na justiça? Estranho, não? Pois bem, a ação desse senhor contra o Imprensa Marrom foi, na semana passada, parcialmente deferida, com o responsável pelo blog sendo condenado a pagar 10 salários mínimos por danos morais.

O Biscoito Fino e a Massa entende que essa é uma decisão equivocada. Meu argumento não é, obviamente, que se deve possuir o direito de dizer o que quiser sobre os demais nos nossos blogs. Os crimes de calúnia e difamação são previstos no código penal e se aplicam à internet da mesma forma que a outros veículos. No caso em questão, no entanto, parece-nos que a juíza – sem sequer realizar uma audiência – não atentou suficientemente para os fatos de que a ofensa não foi proferida num post do blog, e sim num comentário antigo, e que em nenhum momento foi dada ao blog a oportunidade de apagar o comentário ofensivo. Tive acesso à sentença e, apesar da juíza fazer a ressalva de que a responsabilidade do requerido se mantém, pois que, ao disponibilizar o espaço para divulgação democrática (termo utilizado na contestação) do conteúdo inserido por terceiros, assume o risco sobre as expressões ofensivas veiculadas, não foi dada, neste caso, absolutamente nenhuma chance de que a "ofensa" fosse sanada com um simples apagamento do comentário.

Este blog confia que essa decisão em primeira instância será revertida. Enquanto isso, manifesto total solidariedade ao amigo Gravataí Merengue, responsável pelo Imprensa Marrom. Manifesto também minha compreensão com a recomendação feita pelo Gravataí, de que à luz desta sentença os blogueiros brasileiros retirem ou instalem moderação em suas caixas de comentários. Compreendo a posição dos que optam por essa alternativa, mas o Biscoito continua com sua caixa de comentários aberta, confiante que esse perigoso precedente contra a liberdade de expressão será revertido em segunda instância.

Leituras relacionadas: Aberta a temporada de caça aos blogs, post de Alexandre Inagaki feito na época da liminar que tirou o Imprensa Marrom do ar; Justiça às turras com a Internet, matéria de Alex Castro sobre o imbróglio; Porque os comentários deste blog passarão a ser pré-aprovados antes da publicação, post de hoje de Alexandre Inagaki sobre o episódio; Na mira da justiça, de Rodney Brocanelli; Decálogo dos direitos do blogueiro, cá deste blog.

****************************

PS: E não é que enquanto eu concluía este post fui surpreendido com outra história de lamentável cerceamento à liberdade de expressão na Internet brasileira? Alcinéa Cavalcante, respeitada jornalista e blogueira do Amapá, já recebeu nove representações judiciais do sr. José Sarney, com demandas absurdas como o apagamento de posts do blog e de comentários de leitores, além da aplicação de multas. O "crime" de Alcinéa? Simplesmente o fato de ter fotografado e publicado em seu blog uma charge vista num muro. Pois bem, este blog se junta à enorme rede que decidiu republicar a charge e desafiar o coronel maranhense:

sarney.JPG

Urgente, atualização: nesta sexta-feira as tesouras censoras do coronel Sarney conseguiram, na justiça, uma liminar que ordenava a retirada de seis posts do blog de Alcinéa Cavalcante. Num completo desrespeito aos leitores, o UOL tirou o blog inteiro do ar. Alcinéa se recusa a ser silenciada e já montou um novo blog no blig e outro blog hospedado no exterior. Por favor, ajudem a divulgar.

Atualização 2: O caso Alcinéa já repercutiu no Global Voices Online, com um excelente post de Jose Murilo Junior.



  Escrito por Idelber às 16:34 | link para este post | Comentários (46)



terça-feira, 22 de agosto 2006

Links

Pois, começou o programa das Mothern no GNT. Eu adorei assistir o primeiro episódio, o penúltimo que poderei ver antes do regresso a terras gringas. Foi suficiente para testemunhar que o programa tem fôlego para ir longe: um baita material, roteiro ágil, boas atrizes. Claro que a tendência dos que conhecemos as Mothern pessoalmente é ficar comparando, e aí é covardia: as personagens são ligeiramente “histéricas” quando comparadas à sabedoria zen de Ju e Laura. Mas minha única crítica de fundo é que num sitcom com quatro mães, realmente não havia razão para que todas elas fossem brancas. Fora isso, achei um charme o início da série. E acho que ela vai longe.

E só mesmo as Mothern para me fazerem abandonar por quinze minutos um Roda Viva em que Tariq Ali dava um show de bola nos jornalistas brasileiros para assistir o programa da Hebe Camargo! Lá estavam as poderosas, no sofá da Hebe. Outro show.

Encontros de blogueiros, neste país, são realizados com o único objetivo de que o Biajoni possa depois fazer um relato. Nada a acrescentar.

Do bom blog peruano Puente Aéreo vem um interessante post sobre Grandes Fraudes Literárias.

É bem curioso que entre todos os que se escandalizaram com as reações de suposta “censura” aos cartoons islamofóbicos publicados na Dinamarca, não se haja erguido uma única voz que se escandalize porque militantes socialistas são presos na mesma Dinamarca por usar camisetas pró-Palestina.

A trilha sonora do dia foi Vou tirar você deste lugar: tributo a Odair José, um excelente disco de rock, na verdade, com uma linda versão de “Eu queria ser John Lennon,” pela banda carioca Columbia, que eu não conhecia. Baixado lá no Mercado de Pulgas (dica da Luiza e seu belo Favoritos). O disco ainda conta com Mundo Livre S/A, Paulo Milklos, Mombojó, Pato Fu. Tudo bem feitinho. Demorou, mas Odair é cult. Só senti falta de uma versão de "Pare de tomar a pílula".

Milhares de mineiros saem de Governador Valadares, uma cidade de merda, para viverem numa cidade de Boston. As frases são assim, meio politicamente incorretas. Mas algumas são hilárias. Frases malucas.

Alguns blogs amigos já noticiaram que o Grande Sertão: Veredas foi disponibilizado online. Mas nesse link eu ainda não vi nada, só a capa. Alguém sabe o que está acontecendo?

Tenda do Nilo. Rua Coronel Oscar Porto, 638, Paraíso, Sampa. Ali teve lugar uma das melhores refeições árabes da minha vida, de longe minha melhor refeição em Sampa. Como é de tradição entre famílias árabes, a hospitalidade é algo mais. Recomendo.

O programa imperdível de hoje à noite em São Paulo é a mitológica banda Fellini, que toca no SESC Pompéia. Thomas Pappon está na cidade.

Valeu, Sampa. O próximo post lhes chegará de Belzonte.



  Escrito por Idelber às 04:57 | link para este post | Comentários (27)



segunda-feira, 14 de agosto 2006

"Motherns indicadas para o Prêmio Nobel"

. . . pode ser uma manchete por aí nos próximos anos. Quando for, diga que você leu aqui primeiro. É o que falta para a Ju e a Laura.

mothern2.jpg

Depois de serem capa da Ilustrada, destaque na Fal, entrevistadas na Marília Gabriela (reprise nesta terça 22:30, quarta 4:00 e 15:00 e quinta 10:00), as Mothern foram tema de bela matéria-post no Global Voices Online. O post é imperdível.

Está chique o suficiente ou quer mais? Não acabou. O programa Mothern começa sábado no GNT, 20:30.

Eu poderei dizer, hohoho, "eu era amigo delas quando eram 'só' blogueiras, autoras de um livro e criadoras de uma das comunidades mais inovadoras da Internet brasileira".

Parabéns, Ju e Laura. Leitores: telinha ligada no sábado para a estréia da série. Vale a pena, né?



  Escrito por Idelber às 18:03 | link para este post | Comentários (22)



quarta-feira, 09 de agosto 2006

Uma frase infeliz sobre blogs

No Brasil, todos os blogs importantes estão ligados a instituições de mídia.
(Carlos Haag, no penúltimo parágrafo dessa matéria sobre blogs publicada na Revista da FAPESP).

A matéria até que não está ruim. Mas essa frase foi de lascar. Dêem uma lida na matéria e digam aí o que acharam.

(obrigado a Paulo Fontes pelo link).



  Escrito por Idelber às 01:51 | link para este post | Comentários (29)



domingo, 06 de agosto 2006

Relato do lançamento carioca de Um defeito de Cor

Aqui vai um mini relato do lançamento de Um defeito de cor, da Ana, na quinta-feira passada. Sim, mini, porque só uma câmera nas mãos de Federico Fellini poderia relatar tudo o que foi a festa e, especialmente, a reunião blogueira que se seguiu, no Belmonte do Leblon.

O público foi muito bom. Poderia ter sido melhor, se a Record não tivesse se esquecido de imprimir os 2.000 convites que havíamos encomendado para os congressistas da Abralic. O interesse pelo livro da Ana na universidade já é bem grande, e muitos professores e estudantes que ainda não criaram o salutar hábito de visitar blogs não ficaram sabendo. Mas a casa estava cheia, a Ana passou umas duas horas e meia assinando livros e a grã-sociedade blogueira compareceu em peso.

ana.jpg
Ana assinando um exemplar do romance. Foto: Nababu.

Para mim, o lançamento tinha um ingrediente especial, porque eu iria conhecer uma ídola minha. Conhecer ídolos é sempre um negócio complicado. O grande escritor argentino Alan Pauls tem páginas memoráveis sobre o desastre que foi o encontro com seu ídolo Manuel Puig - que escreveu livros hilários mas que, como pessoa, era ranzinza e cheio de manias. Pauls se preparou mas não adiantou: a cada frase, o desconforto aumentava. Era uma gafe atrás da outra. Pauls saiu dali jurando nunca mais ir conhecer um ídolo ao vivo.

Felizmente, eu acho que escolho melhor os meus ídolos. No quesito ídolos-blogueiros eu estou, como dizem os gringos, three-for-three. Conheci o Inagaki e foi memorável. Conheci a Bibi e foi um barato. Na quinta-feira eu conheceria a terceira ídola, uma das responsáveis involuntárias pela existência deste blog, a Marina W do blowg. Ela tem, junto com a Mary W, a dicção, a respiração de frase que eu mais admiro na blogosfera. Foi, eu acho, o primeiro blog que li de cabo a rabo, junto com o Catarro Verde e o Por um Punhado de Pixels. Se você gosta de visitar o Biscoito, agradeça a ela, porque foi ali naquela leitura que me veio o click. O encontro foi fantástico. Ela é um encanto: fina, discreta. Tem aquele olhar de quem absorve muito mais do que aparenta.

Mas as grandes estrelas da noite foram as Duas Fridas. Eu sinto muita empatia com elas: política, estética, cultural, tudo. Demos tantas risadas juntos que a sensação era de que eu as conhecia há anos. A Monix, divertidíssima e cheia de histórias interessantes de sua viagem a Cuba, é Fluminense. O Luciano - o Diego das Fridas - compartilha minhas simpatias cruz-maltinas. A Helê é inteligente, espirituosa, linda, bem-humorada mas, como todo ser humano, não é perfeita.

O Alex Castro apareceu na UERJ e me deu carona ao Leblon. Dirige bem, nem parece aquele louco do blog. No começo, o único que eu pensava era: se o Alex encher o saco da minha ídola eu tiro esse gordo da mesa a tapas. Mas que nada. Combinaram super bem. Ao seu estilo, Alex ofereceu os materiais de seu inconsciente para deleite geral. A frase favorita foi: ´eu não sinto ciúmes`. Provocou risadas céticas em toda a mesa. Alex também arrancou gargalhadas com uma de suas perguntas irrespondíveis: ´por que de um homem a gente diz que ele está despirocado e de uma mulher dizemos que ela está embucetada? Por que não empirocado ou desbucetada? Alguém aí tem alguma teoria?

E a emoção que foi ver o Bruno? Para quem não sabe, o Bruno foi diagnosticado com câncer. Ao invés de se esconder, não falar no assunto e evitar a palavra, Bruno fez do seu blog um diário da luta contra o tumor. Encarou a quimioterapia. Batalhou, se cuidou e está curado! O cabra está mais forte, sorridente e alto astral que nunca. Lição de vida.

Tomei um susto danado quando apareceu o Gejfin, que eu já conhecia de fotografias. Eu sabia que ele estava no Rio, mas a ficha não havia caído. Dizem que pronunciei certo o nome dele, mas até agora eu não sei o que disse. Conversamos pouquíssimo, porque por mais que tentássemos, não conseguimos arrastá-lo para o bar. Eram 9 da noite e o Internacional de Porto Alegre ia jogar a semifinal da Libertadores. Livros e encontros blogueiros são importantes, claro, mas há coisas que só acontecem de 20 em 20 anos. Ele foi pra casa ver o jogo, perdoado.

O Marcos VP e o João Nababu também passaram por lá. Ambos trabalham na UERJ, vejam só, e eu não sabia. O João nos salvou mais uma vez, porque eu esqueci a máquina fotográfica. As fotos do João estão aqui. Com o Marcos eu estava ligeiramente sem graça, por não ter até hoje terminado de ler o manuscrito que ele me passou na última vez que vim ao Rio. Culpa minha, não do manuscrito.

Também conheci a Telinha, muito rapidamente. Até o Capitão Gravatá passou pela livraria, embora não tenha nos acompanhado ao bar. Tinha mais um monte de gente com quem não conversei. Foi isso.

PS 1: A próxima noite de autógrafos de Um defeito de cor é em Parati, durante a Flip, no sábado à noite. O lançamento em São Paulo acontece 16 de agosto, na Livraria da Vila. Eu e Ana estaremos em Sampa do dia 15 ao dia 22. Amigos blogueiros, reservem a noite do dia 16 para nós, ok?

PS 2: A discussão sobre Grande Sertão: Veredas não acabou, tá? Depois do Rio e antes da viagem a Sampa vou encontrar tempo, em BH, para fazer mais um post sobre o livro. Quero falar um pouco de Riobaldo-Diadorim.

PS 3: Os amigos são-paulinos estão putos da vida com a jornalista Milly Lacombe, que acusou - sem provas - Rogério Ceni de falsificar assinatura com uma proposta do Arsenal. Não vou comentar o assunto porque não vi, mas quem quiser pode falar.

PS 4: Tem blog novo, de qualidade, no meu blogroll: Brincar de viagem. Vão lá.

PS 5: Se há algo mais lindo neste planeta do que o Rio de Janeiro num dia de sol, eu não conheço. E olha que eu tenho mais milhas acumuladas que muito piloto por aí.



  Escrito por Idelber às 04:11 | link para este post | Comentários (31)



segunda-feira, 31 de julho 2006

Revista Época publica a melhor matéria já feita sobre a blogosfera no Brasil

epoca.jpg Das matérias sobre blogs já publicadas na grande imprensa, a da revista Época desta semana me pareceu a melhor. Fez uma análise ponderada do impacto dos blogs nos últimos anos, apresentou uma lista de 8 importantes blogs brasileiros e 10 grandes blogs em inglês, ofereceu algumas estatísticas úteis. Relatou alguns casos históricos da Internet brasileira, como o plágio cometido por Antônio Carlos Magalhães num discurso no Congresso e denunciado pelo Catarro Verde. A revista traz também uma entrevista com John Batelle, fundador da Wired e colaborador do Boing Boing, e até ensina aos internautas mais incautos os primeiros passos para a confecção de um blog. Para concluir, a matéria oferece uma cronologia de alguns momentos chave da blogosfera americana, desde a criação do Links.net, em 1994, até o inédito evento ocorrido em Janeiro de 2006, quando a revista Time pagou para ter o blog de Andrew Sullivan en seu site. Na versão online da matéria, a Época também traz uma excelente cronologia da blogosfera tupiniquim, feita por Alexandre Inagaki.

Se há alguma matéria sobre blogs em língua portuguesa melhor que essa, eu desconheço. Como este blog não tem papas na língua quando se trata de malhar os erros da imprensa, faço questão de deixar meu pitaco: parabéns aos jornalistas Ricardo Amorim e Eduardo Vieira.

Segundo a revista, os critérios usados para a seleção dos blogs foram não apenas a audiência, mas também "o impacto e relevância do conteúdo gerado”. Os 8 blogs selecionados pela Época como “os mais quentes do Brasil” foram: Jesus, me chicoteia, Kibe Loco, Cocadaboa, Interney, Querido Leitor, Pensar Enlouquece, Noblat e Juca Kfouri. É uma lista de respeito, sem dúvida, pelo que esses blogs já realizaram. Só para que conste: são 7 homens e uma mulher.

Esta é minha única crítica à lista: há vários blogs de mulheres (tratando ou não de interesses específicos das mulheres) que já construíram uma história na internet brasileira. A minha lista traria pelo menos um desses blogs: Drops da Fal, Bibi’s Box ou Mothern.

Pela comunidade que criou, pelo estilo que inventou, pela interação que promove com os leitores, acho que a Fal merecia estar na lista. A Fal bloga desde março de 2002. Pelo incrível mapeamento que faz dos recursos da Internet, a Bibi também mereceria um lugar ali, apesar de blogar em inglês. Os arquivos do Bibi’s Box se remontam a maio de 2004.

Mas talvez a proposta mais inovadora e relevante para a vida de seus leitores a ficar fora da lista foi o Mothern, revolucionário blog sobre maternidade (e tudo o que acompanha o tema, ou seja, o universo) criado por Laura Guimarães e Juliana Sampaio. O Mothern já virou livro e no dia 19 de agosto estréia como programa de televisão no canal GNT. O Mothern também é responsável pela criação de um verdadeiro fórum de mulheres que cotidianamente trocam experiências no livro de visitas, independentes das atualizações do blog.

Além das mencionadas, Hernani Dimantas, Cris Dias e Tiago Dória seriam outros nomes que me viriam à memória para uma lista dessas, pela qualidade e consistência do trabalho que têm feito na blogosfera.

Da lista publicada pela Época, quem eu tiraria para pôr as Mothern, a Fal ou a Bibi? Bom, eu tenho infinito respeito pelo trabalho do Juca Kfouri e, sem dúvida, 10 milhões de visitas em menos de um ano é um número impressionante. Mas se o critério é não só “audiência” como também “relevância”, eu me atreveria a dizer que a presença do Juca na lista se deve mais ao (extraordinário) trabalho feito por ele em outros veículos do que ao blog em si – onde dificilmente você verá algo que não sejam resumos de jogos facilmente encontráveis, com mais detalhes, nos portais de esportes.

E você aí? Considerando estes critérios (audiência + conteúdo), de quais outros blogs você sentiu falta na lista feita pela competente matéria da Época? Alguém, entre os que já leram a matéria, teria outras observações?

PS: O Marcos Donizetti também fez um belo post sobre o tema.

PS 2: A conversa minha com o Biajoni sobre a Síndrome da Biblioteca de Babel versus a Síndrome de Robinson Crusoé continua rendendo. Agora Rafex Galvão entrou no papo com um excelente post.



  Escrito por Idelber às 04:07 | link para este post | Comentários (30)



sexta-feira, 28 de julho 2006

A Síndrome da Biblioteca de Babel e a Síndrome de Robinson Crusoé

labyrinth.jpg.jpg
imagem: daqui.

O Biajoni fez um excelente post sobre o que ele chama de Síndrome da Biblioteca de Babel: a desvalorização dos conteúdos que – em velocidade e profusão inauditas – são veiculados na internet. O exemplo do Bia é a música. Ele se lembra de suas experiências (que foram as minhas também) de economizar uma grana suada para comprar um bolachão de vinte e poucos minutos de cada lado e escutá-lo um mês inteiro: a grana para o próximo disco só pingaria no mês seguinte. Desolado, ele compara essa atenção ao artefato cultural com a euforia meio vazia de um amigo seu que hoje celebra ter baixado “48.000 músicas”! Com toda a razão, o Bia se pergunta quantas dessas músicas o amigo ouvirá com um mínimo de atenção.

Os efeitos da síndrome de Biblioteca da Babel são implacáveis e atingem especialmente a circulação de música popular. Baixa-se e apaga-se música de tal maneira que as novas gerações não mantêm nem mesmo a relação com o “disco”: no reino do MP3 as canções existem soltas, fragmentadas – mesmo os arquivos com terminação .rar, que compilam discos inteiros, com freqüência sofrem recortes de cada usuário depois de baixados. O garoto hoje ouve a canção sem saber de que disco ela saiu, o que para os velhos puristas fãs de música popular teria sido uma heresia inaceitável.

O problema é que, no frigir dos ovos, eu prefiro viver num mundo onde se pode baixar 40.000 canções em alguns dias do que num mundo onde eu compre um bolachão de 45 minutos por mês. A relação deste último comprador com o produto que ele adquiria era mais atenta? Sem dúvida. Mas era uma atenção movida pela escassez compulsória. Havia também aquele momento horrível – o Bia se lembrará de exemplos – em que o bolachão comprado com a grana suada era uma porcaria. Na profusão, cabe a cada um nadar ou afogar-se: eu, particularmente, confio no meu tino para organizar o redemoinho de informações. Prefiro, digamos, achar que é possível nadar do que me queixar que há água demais na piscina.

Vejam bem, não digo que o Bia está errado: ele está certíssimo. Mas há um risco – e o post do Bia está atento a esse perigo – de que ao combater a Síndrome da Biblioteca de Babel, caia-se em outra síndrome, que eu chamo Síndrome de Robinson Crusoé: a tendência de achar que em algum momento do passado a relação com a cultura, com a música, com o sexo ou com qualquer outra coisa foi mais pura, autêntica ou verdadeira. Em geral essa percepção é só uma ilusão retrospectiva. No fim dos anos 90, ainda havia gente, dentro do campo de estudos de música popular, que insistia que só se poderia escrever sobre música munido de vinil e um toca-discos de 2.000 dólares. Hoje esses saudosistas já desapareceram, ou estão fazendo luto pela morte do CD. Estão sempre a reboque da história. Levada ao limite, a Síndrome de Robinson Crusoé pode alimentar toda sorte de pessimismos reacionários– desses que insistem que tudo o que é produzido pela contemporaneidade não presta.

Foi uma coincidência ter lido o post do Bia ontem: meus dois iPods (15 GB e 20 GB) lotaram. Tive que apagar arquivos para fazer lugar para a nova música que chegava, bem consciente de que aquilo que fosse apagado ali jamais seria ouvido de novo, mesmo eu tendo os CDs em casa: é que já não me lembro qual foi a última vez que toquei um CD. O que foi apagado? Cortei três sinfonias de Beethoven (na antológica gravação de Karajan) para que coubessem dois discos do Sonic Youth – quem precisa ter as nove sinfonias de Beethoven, não é mesmo, Milton Ribeiro?

Outro mergulho recente meu na Síndrome da Biblioteca de Babel foi finalmente ter organizado meus feeds no bloglines, que andam em 150, entre blogs brasileiros, americanos, argentinos, revistas e jornais do mundo inteiro (para ler o Biscoito em RSS, cole no seu agregador este link para ler só posts ou este link para ler tanto os posts como os comentários). Depois de passar algumas horas lendo artigos que há algum tempo eu teria gastado anos para reunir, terminei me convencendo de vez: é importante, sim, estar atento aos efeitos diluidores da Síndrome da Biblioteca de Babel, mas é mais importante ainda não ceder aos clichês da Síndrome de Robinson Crusoé.

Senão, corre-se o risco de não se encontrar, entre as 48.000 músicas, aquelas pérolas que sempre estarão lá, e pelas quais em outras eras teríamos pago, com gosto, o preço de um vinil importado.



  Escrito por Idelber às 05:19 | link para este post | Comentários (42)



terça-feira, 18 de julho 2006

Novo blog da Ticcia

mme-mean.gif



  Escrito por Idelber às 04:00 | link para este post



sábado, 24 de junho 2006

Parabéns vários

roses.jpg

Blogosfera belzontina em festa :-)

Um dos blogs pioneiros do Brasil, o Mothern, além de ser blog, livro, coluna de revista e "casa de ópio para mães internautas viciadas em guestbooks", como dizem elas, será programa semanal no GNT, com estréia programada para agosto e primeira temporada com 13 episódios.

Parabéns às Mothern, por mais essa vitória e conquista pioneira.

E a Laura, das Mothern, faz aniversário hoje.

E quem também faz aniversário hoje é a Fernanda, do lindo Cria Minha.

Parabéns às cancerianas e tim-tim.



  Escrito por Idelber às 12:15 | link para este post | Comentários (5)



sexta-feira, 16 de junho 2006

Ulisses, de James Joyce: Celebração do Bloomsday

bloomsday.jpg

Pausa na Copa porque um valor mais alto se alevanta.

Hoje é o dia em que, no mundo todo, os leitores do mais radical, inventivo e revolucionário romance jamais escrito celebram (de preferência com uma boa cerveja) a Irlanda, James Joyce e Ulysses, a obra-prima. Na blogosfera brasileira, pelo segundo ano consecutivo, o Odisséia Literária pilota as comemorações, com vários posts espaçados durante as quase 24 horas em que tem lugar a ação do livro.

joyce.jpgA história? Nada mais banal. No dia 16 de junho de 1904, Stephen Dedalus, professor de escola secundária, conversa com seu amigo Buck Mulligan, dá uma aula e passeia no rio; Leopold Bloom, vendedor, atormentado por uma possível traição de Molly, sua mulher, toma café da manhã, recebe uma carta de amor endereçada ao seu alter-ego, vai a um funeral, visita um editor de jornal, lancha num bar, olha um anúncio de jornal na biblioteca (enquanto Dedalus discute Shakespeare com amigos), responde a carta recebida, leva porrada de um anti-semita, masturba-se observando duas garotas, encontra-se com Dedalus num hospital, leva-o a um bordel e convence-o a acompanhá-lo até a sua casa; ambos urinam no jardim, Bloom entra e se deita ao lado de Molly, que fecha o romance com um monólogo cheio de pornografia. Fim da história.

Em cada um dos 18 capítulos, aproximadamente uma hora de ação; em cada um, correspondências cheias de ironia com um episódio da Odisséia, de Homero; em cada um, um sistema detalhado de referências a uma ciência ou ramo do conhecimento; em cada um, uma parte do corpo alçada a símbolo; em cada um, uma infinidade de enigmas, jogos de palavras, paródias, trocadilhos, paranomásias, neologismos, arcaísmos, estrangeirismos e todas as operações com a linguagem que você puder imaginar e mais algumas. Foi o romance que inventou essa coisa que hoje parece tão banal: o monólogo interior.

Publicado em 1922 e proibido como “pornográfico” nos EUA até 1933, Ulisses pode até não ser o maior livro jamais escrito, mas com certeza é a resposta mais produtiva à famosa perguntinha sobre qual livro levar à ilha deserta. “Eu coloquei nele tantos enigmas e quebra-cabeças que ele manterá os professores ocupados durante séculos ” disse Joyce sobre Ulisses. Menos de 100 anos se passaram, mas já se sabe que dará trabalho por muito mais.

Não leu ainda? Se domina bem o inglês, há uma fantástica versão em hiper-texto. Antônio Houaiss fez uma já legendária tradução ao português; agora há uma nova tradução, de Bernardina Pinheiro, que eu ainda não li, mas que vem sendo elogiadíssima como texto mais coloquial e picante que o de Houaiss – e portanto, talvez, mais fiel a Joyce.

Não se deixe levar pela fama de "difícil" do livro: poucas vezes escreveu-se coisa tão engraçada, escandalosa, divertida e sexual como Ulisses. Em cada diálogo, cada cena, cada capítulo, mil sentidos. O treco não acaba nunca.

primeira-pagina-ulysses.gifManuscrito da primeira página de Ulisses.

Todo 16 de junho eu sinto saudades de Haroldo de Campos, que comandava as comemorações aí no Finnegans Pub, em Pinheiros, Sampa. Se você está em São Paulo e quer comemorar o Bloomsday, o point é esse. Em Belo Horizonte, poetas e músicos se reunirão no Teatro Francisco Nunes às 18:30 para celebrar “Bloomsday com Rosa” porque afinal Grande Sertão: Veredas, o mais joyceano dos nossos romances, completa 50 anos de publicação.

Links para curtir o Bloomsday:

Odisséia Literária, que vai estar fervilhando hoje, com sucessivos posts.
Texto completo do Ulisses em inglês.
Ulysses for Dummies (Ulisses para idiotas) com quadrinhos hilários.
Pequeno resumo e informações sobre o legado da obra.
Leitura coletiva da obra no blog português Leitura Partilhada.
Mapas, enigmas e histórias relacionados com Ulisses.

Tim-tim, feliz bloomsday para todo mundo, visitem o Leandro e viva a Irlanda.



  Escrito por Idelber às 02:03 | link para este post | Comentários (17)



terça-feira, 06 de junho 2006

Clube de Leituras e novos blogs

kohan.jpg

Como vai a leitura aí? Gostando?

Confirmo que na quarta-feira à noite eu deixo aqui um pequeno texto com alguns comentários sobre o romance Duas Vezes Junho, de Martín Kohan, e na quinta-feira vocês se encarregam da discussão. Combinado?

E aí, vamos ter fôlego para encarar Grande Sertão: Veredas durante a Copa? Quem vai ler mesmo? De quanto tempo vocês precisam?

******************

Aproveito para recomendar alguns blogs, a maioria novos:

1. O Hermenauta, que me recorda um blog do qual eu gostava muito, não me lembro bem qual.

2. Um novo, excelente blog sobre artes: com vocês, Quintarte.

3. Não tem Folha nem Globo. A melhor cobertura das eleições peruanas quem fez foi o Tordesilhas.

4. Um dos meus colunistas favoritos em todo o jornalismo brasileiro, o Marcelo Coelho, da Folha, inaugurou um blog.

5. Ainda na turma da Folha, o Luis Nassif, que escreve sobre economia e sobre choro (que combinação!), já tem blog. Qualquer dia desses a Folha vira blog.

6. Forma mais original e engraçada de se organizar um blogroll: o argentino Monolingua (vejam que piada o link para o Biscoito).

7. Quem gosta de literatura latino-americana não deve perder este blog: El boomeran(g).

Atualização: Ficou pronta a entrevista com Martín Kohan, que será publicada logo depois da discussão.



  Escrito por Idelber às 02:04 | link para este post | Comentários (19)



segunda-feira, 24 de abril 2006

Links atrasados para o Dia da Terra

Com dois dias de atraso, fica o link e a recomendação de que leia, quem ainda não leu, Dia da Terra, do Mar e do Ar, o belo post da Lucia Malla que puxou neste fim de semana uma blogagem coletiva sobre o 22 de abril, dia da Terra. A lista de blogs participantes está no Nós na Rede.

Katrina1329.jpgcachorro banhado em óleo, nas redondezas de um tanque furado. St. Bernard Parish, New Orleans, 5 setembro de 2005, pós-furacão Katrina. Foto: Times-Picayune.



  Escrito por Idelber às 03:22 | link para este post | Comentários (3)



sexta-feira, 21 de abril 2006

Vamos lá criticá-los!

Dois leitores deste blog, que discordam de mim em tudo e a quem eu quero muito bem, porque já nos proporcionaram excelentes polêmicas aqui (polêmicas de verdade, não baixarias), abriram seus próprios blogs, blogaram, blogaram e não me contaram. Mas eu descobri assim mesmo.

Com vocês, Big Head Strikes Again!, do Kbção, e Fala Aí, do Pablo Villarnovo. Vale a visita.



  Escrito por Idelber às 00:02 | link para este post | Comentários (4)



quarta-feira, 12 de abril 2006

Links

Hoje, só links:

Um dos problemas para quem usa mais de um computador é ter os bookmarks sempre na máquina errada. Há uma bela extensão do Firefox, o Kaboodle, que resolve o problema organizando seus bookmarks online, com a vantagem de que você pode compartilhar seus bookmarks com as pessoas. Com prazer compartilho os meus. Estão bem incompletos ainda. Ah, você usa Internet Explorer? Bom, então, como dizem os gringos, I don't know what to tell you.

*****
Uma revista literário-cultural peruana de altíssima qualidade: Etiqueta Negra.

*****
Quer uma perspectiva interessante sobre Ollanta Humala, o candidato considerado "progressista" nas eleições peruanas? Visite o Puente Aéreo. Atualização: Outro blog com excelente análise do processo eleitoral peruano é o Tordesilhas (dica da Vanessa)

*****
Alvíssaras, meu caro Leandro Oliveira: o tema do próximo Salão do Livro de BH será a literatura do Mercosul. Em tempo.

*****

O assunto lá no Bombordo são as privatizações. O debate lá tem sido muito bom e, com pouquíssimas exceções, de alto nível. Aliás, a prova de que as forças políticas não são idênticas é a completa ausência, entre a direita, de espaços assim, genuinamente abertos. A maioria dos que têm visitado o Bombordo são críticos em relação aos posts. E os autores vão lá se defender, discutir. Acho bonito, bacana. Eu prezo muito os leitores que têm posições políticas diferentes das minhas. Acho chato um lugar onde todo mundo concorda com tudo.

*****

Quem for de oração, por favor, que reze por Telê Santana. O mestre, o maior de todos, está internado em Belo Horizonte, no Hospital Felício Rocho, em situação gravíssima. Amanhã espero voltar com mais notícias.

*****

Para quem ainda não conhece, uma boa contraposição ao noticiário da grande mídia é o Informante.net.

*****

Eu já recebi várias perguntas sobre como andam as coisas em New Orleans. A resposta é: como mandam as tradições da cidade, as coisas andam lentamente. No entanto, ainda mais condignos da tradição, já estamos nos preparando para o French Quarter Festival. Para quem lê inglês, o melhor que se escreveu por aí sobre o tema da "reconstrução" da cidade é esse texto de Mike Davis.

*****

No interregno de dois meses do Biscoito, o Pedro Dória disse coisas muito gentis sobre cá este blogueiro. Nas priscas eras do Biscoito, o Pedro, com dois links, catapultou o leitorado diário deste blog de dois para quatro dígitos. Muito obrigado, Pedro. E parabéns pelo novo livro.

*****

Você lê inglês e quer conhecer um pensador hilário, irreverente, anti-convencional e absolutamente chave para se entender o nosso tempo? Read some Slavoj Zizek. É um maluco que teve tempo, na antiga Iugoslávia, de ler quase tudo o que de relevante foi escrito por aí. Botou tudo no caldeirão de uma impressionante inteligência e saiu com uma filosofia muito original.

*****

Ao ver a notícia sobre o aparentemente legítimo Evangelho de Judas, quem teve a mesma idéia que eu (pensar em Borges) foi o excelente blog argentino Últimas de Babel, do poeta Guillermo Piro.

*****

Quem ainda não conhece tem que ir conhecer e, de preferência, se cadastrar para escrever por lá: Overmundo é um site interativo sobre cultura brasileira, de qualquer canto ou tipo. A proposta é interessantíssima: qualquer um pode escrever dando a dica que quiser. Os textos que recebem mais votos são publicados, e os líderes vão para as páginas de abertura do site. Quem vota? Todos. Idéia bacaníssima do antropólogo Hermano Vianna, uma das cabeças pensantes do país, um acadêmico que não fica dentro dos muros da universidade.

*****

Last but not least: dia 29 de abril eu chego aí em Belo Horizonte. Não, minha passagem não é com a Varig.



  Escrito por Idelber às 03:19 | link para este post | Comentários (19)



quarta-feira, 22 de março 2006

Reabertura do blog

A vida anda se ajeitando, e este blog será reaberto.

No dia primeiro de abril, para não perder a piada.

Até lá.

Atualização: acabo de ver que primeiro de abril é sábado, dia em que o movimento na blogosfera arrefece um mucadinho. Combinemos a reabertura para o dia 31 de março então, o que não deixa de ser um dia da mentira também.



  Escrito por Idelber às 18:59 | link para este post | Comentários (47)



terça-feira, 24 de janeiro 2006

Technorati

Technorati Profile



  Escrito por Idelber às 22:15 | link para este post



segunda-feira, 16 de janeiro 2006

Fechamento do blog

Este blog está fechado por tempo indeterminado, provavelmente em definitivo. Decidi me concentrar nas obrigações profissionais, que são muitas. Obrigado a todos os que passaram por aqui, leram e comentaram. Tudo de bom para vocês.



  Escrito por Idelber às 01:58 | link para este post



sexta-feira, 23 de dezembro 2005

As pessoas morrem, os blogs continuam

Foi o Alex Castro, quem mais poderia ser, que encontrou a história.

Paul Berkley, soldado americano estacionado em Bahrein, residente na Carolina do Norte, 40 e poucos anos, volta para casa para passar o fim de ano. A mulher (uns 20 anos mais nova) tinha um amante adolescente, de 18 anos, que já inclusive morava com ela. A mulher trama o assassinato de Paul. Leva-o até um parque, onde o seu amante e o namorado da filha dele (enteada da mulher) acertam-lhe alguns tiros.

Como disse o Alex, é a história mais antiga do mundo. Um dos nossos maiores escritores, Euclides da Cunha, morreu assim, de um balaço dado pelo amante da mulher.

O que é novo é a repercussão que os blogs dessas pessoas geram. Ler o blog de um corno póstumo é quase terno, quase patético. O cabra se preparou durante semanas para a viagem para casa. Depois de sua morte, seu blog bateu recordes de visitas, e no livro de visitas a revolta é grande.

O blog da assassina virou um mural virtual de insultos. Como não poderia deixar de ser numa história norte-americana, o componente racial esteve no centro da coisa. O fato de que o amante fosse negro gerou toda sorte de insultos raciais no site.

Sabe-se que o amante da mulher e o namorado da filha eram amigos. Não está muito claro qual foi a participação da filha no planejamento do assassinato do pai, mas o blog dela já foi apagado.

Enquanto isso, Monique, a mulher, aguarda, presa, o que provavelmente será uma condenação à morte.



  Escrito por Idelber às 07:45 | link para este post | Comentários (11)



quinta-feira, 15 de dezembro 2005

Links e aniversários

Belo Horizonte 03-.JPG
Dia 12 de dezembro foi o aniversário de Belo Horizonte. Morram de inveja, Rio, Sampa, Recife e Salvador: em Minas todos os fantasmas do passado ficaram no interior. BH, passando pelo melhor momento de sua história, é uma adolescente de 108 anos, sem celulite. A comemoração foi em grande estilo, com Nação Zumbi na Praça da Estação Ferroviária. O maracatu daquele pessoal, minha gente, deveras pesa uma tonelada. Celebrar o aniversário de BH ao som das alfaias pernambucanas foi tudo de bom. Obrigado, Nação.

******************

E por falar em Minas, o blog do conterrâneo e grande atleticano Tristão, o Sarapalha, é o nota 10 do Gravatá esta semana. Parabéns. Linkado no Biscoito desde sempre.

******************

E por falar em Nordeste, veio do meu amigo Ismael Grillo a sugestão do petardo musical mais interessante dos últimos tempos: os paraibanos do Cabruêra, que eletrificam cocos e cirandas, usam as violas e violões do jeito mais incrível, trazem a marca da melhor música de cordas nordestina (a influência ibérico-medieval), misturam uma percussão irresistível. São de Campina Grande. Pelo jeito, circularam até mais lá fora do que aqui, dado o número de sites em inglês sobre eles.

**************

E por falar em Nordeste e em aniversários, 13 de dezembro foi o aniversário de nascimento de Luiz Gonzaga e dia nacional do forró. Salve, salve. (Via BMTH).

**************

Quando surgiu o interessantíssimo projeto de enciclopédia cooperativa online, a Wikipedia, muitas vozes - de pessoas muito inteligentes - saudaram o projeto como uma revolução. À luz de eventos recentes na Wiki, Pedro Dória dá uma relativizada no assunto.

*************
spiegel.jpg
A mais importante revista alemã, a Der Spiegel (não, ela não se parece com a Veja, não) dedicou sua reportagem de capa desta semana às práticas de tortura e prisões clandestinas dos EUA e de seus serviços de inteligência fora do território do país. Se você não lê alemão, mas tem acesso ao UOL, pode ler a reportagem em português aqui.

****************

Nesta quarta-feira, publicou-se entrevista sobre a antropofagia na Folha com meu colega de Tulane (e brother) Christopher Dunn. De novo restrito aos uólicos, o link é este.

***************

No recente caso de irrupção de violência racial contra os jovens de ascendência árabe na Austrália, os blogs de novo mandaram muito bem na cobertura.

****************

Estão hilárias as aventuras gastronômicas do Sergio Leo com o Clóvis Rossi (via Lucia Malla). Ao Clóvis Rossi eu ainda devo um jantar, pois apostei com ele que Kerry ganharia de Bush no estado de Ohio. Terei que pagar na próxima viagem a São Paulo. Eu e meu otimismo esquerdista.

*************

É muito engraçado quando te citam numa língua da qual você não entende bulhufas. Terei que perguntar à Anna Bárbara que raios estão dizendo lá naquele treco que, pelo que suspeito, é húngaro.

************

Por falar em línguas, o Decálogo dos Direitos do Blogueiros, cá deste blog, foi traduzido ao inglês, vejam só. Está boa a tradução. Obrigado.

************

Uma forma linda de falar de políticas e de políticos, que eu adoro, é essa que tem a Marina W, como nesse post de 13/12.

************

O excelente livro de contos do Blog de Papel já esgotou a primeira tiragem. Iuhuuu!! Parabéns aos 14 autores. O meu microscópico prefácio ao livro está disponível online. Já encomendou?

*****************

Belíssima citação do dia lá no Quotations Page: my idea of an agreeable person is a person who agrees with me.

************

Flávio Prada estreou sua nova casa na Verbeat, que vai consolidando seus planos de dominação do mundo. No futuro não haverá direita nem esquerda. Todos serão Verbeat.

***********

Atualização: Eu não quero nem imaginar o que foi dito nas conversas delas, mas 7 blogueiras se juntaram para fazer esse site, e eu topei mandar fotinha. É um presente-brincadeirinha para a mulherada aí no fim de ano. Gostei, claro.



  Escrito por Idelber às 01:30 | link para este post | Comentários (30)



quarta-feira, 30 de novembro 2005

4 coisas que mais me irritavam na internet

Hoje tive uma conversa engraçadíssima com um amigo sobre "as coisas que mais irritam na internet". Percebi, com alegria, elas não me irritam mais. De qualquer forma, meu top 4 seria:

1. spam: calcula-se que de 60% a 80% do tráfego de emails seja spam. Já no final de 2002, a Ferris Research, de San Francisco calculava o prejuízo causado pelo spam a empresas americanas (em perda de produtividade) em 8,9 bilhões de dólares. Neste ano de 2005, o primeiro spammer foi legalmente condenado, mas o estatuto do crime ainda é controverso e os especialistas não parecem acreditar que vejamos diminuição no fluxo de spam tão cedo. Por culpa dos spammers, você não pode mais deixar comentários nas caixas de mais de um mês de idade neste blog. Tive que fechá-las, porque não eu aguentava apagar manualmente uma centena de spams por dia. Na caixa de correio do meu email eu já os vejo como parte da paisagem, nem me incomodam.

2. Pessoas que usam filtro anti-spam: tão ruim como o spammer é o cara que exige que você faça um cadastro para se comunicar com ele por email, como ocorre com os filtros anti-spam do UOL. O pressuposto implícito, claro, é que o tempo dele vale mais que o seu. A maior ironia é que essas pessoas costumam perder justamente as mensagens que mais lhe interessam: outro dia alguém me escreveu pedindo ajuda bibliográfica sobre um tema X. Compilo os dados, escrevo a mensagem e clico "enviar". Sou levado a um site onde aparecem as letras ljgwharhwapwrit, todas distorcidas. Tenho que adivinhá-las e digitá-las corretamente. Tento a primeira. Não funciona. Tento a segunda. Nada. O rapaz fica sem resposta para sua consulta. Dias depois recebo outra missiva, esbravejando que eu sou "estrela que não responde os emails". Ele, claro, nem suspeita do porquê de não ter recebido resposta.

3. Pessoas que mandam emails exigindo retorno de recibo: Confesso que essa ainda consegue me irritar. O que será que as pessoas acham que ganham travando a máquina do outro no momento do download das mensagens para exigir que elas enviem um recibo garantindo que a mensagem lhe chegou? Ora, amigo, se ela não bateu e voltou, é porque chegou. Se não foi respondida ainda, é porque o destinatário não quis. Exigir recibo eletrônico confirmando recebimento de mensagem é, pura e simplesmente, um distúrbio patológico, uma neurose obsessiva (a não ser, claro, em casos onde isso é justificado: situações legais, etc.). Quando recebo dessas, em geral deixo de enviar o recibo, ou envio o recibo e jamais respondo a mensagem.

4. Pessoas que escrevem URGENTE URGENTE URGENTE no título do email: Trata-se de uma adaptação cultural para mim, nestes oito meses de Brasil, porque nos EUA - ou pelo menos no meu círculo - ninguém faz isso. Se há um prazo para as coisas, há um prazo, e você informa seu destinatário no interior da mensagem. Mas em certos círculos aqui há uma verdadeira febre de se escrever urgente em letras maiúsculas. Muitas vezes é um trabalho que, do lado de lá, já se está iniciando atrasado. E o sujeito grita URGENTE no seu ouvido. Eu já cheguei num ponto da vida em que me dou o luxo: qualquer email enviado à minha conta com a palavra urgente em letras maiúsculas no título vai automaticamente para uma pastinha chamada banho-maria, que eu só leio de 15 em 15 dias.

E viva a Bahia.

PS 1: enquanto o site Gardenal.org se recupera do resfriado, o Balípodo atende numa casa provisória.

PS 2: neste mês de dezembro é bem provável que o Biscoito dê uma reduzida na freqüência dos posts. Ando enrolado com um ensaio de 50 páginas, uma encomenda, sobre Machado de Assis.



  Escrito por Idelber às 03:05 | link para este post | Comentários (30)



terça-feira, 22 de novembro 2005

Drops do mundo blog

Rufem os tambores! O blog de Pedro Dória recebeu o prêmio do júri no 2005 Deutsche Welle International Weblog Awards como melhor blog jornalístico em língua portuguesa. Quem conhece o trabalho de Pedro sabe do merecimento desse prêmio: é o mais aguçado faro de internet que há por aí na blogosfera tupinambá, como ele gosta de dizer. Parabéns, Pedro :)

**************

Na categoria língua inglesa, o prêmio ficou com o indispensável Global Voices Online.

**************
banner_bdp.gif.

Notícias das festas de lançamento do livro de contos do Blog de Papel esparramadas por aí: outro relato antológico do Biajoni e relato e fotinhas na Olivia. O próximo lançamento é no Rio, dia 27, às 19 horas, na Travessa de Ipanema. De novo vão os parabéns aos autores e a pergunta: a Belzonte vocês não vêm?

************
Mais um capítulo na relação blogs-academia vem do Chile: o maior sociólogo chileno, José Joaquín Brunner, aderiu (via Global Voices Online).

************

Para quem não viu ainda: estão imperdíveis as várias desmontagens críticas feitas pelo Smart Shade of Blue dos textos recentes do Reinaldo Azevedo na Primeira Leitura.

***********

Fã da revista New Yorker? Que tal ter os 4.109 números, meio milhão de páginas em oito DVDs, por 70 dólares? (via Últimas de Babel).

************

Depois do email, a busca de informações já é a principal atividade dos internautas. É o que diz uma pesquisa do Pew Internet and American Life Project (via o excelente Ponto Media, d'além mar).

***********

Pedro Alexandre Sanches, profundo conhecedor da música brasileira, das gravadoras e das estações de rádio, inicia uma série de textos sobre o jabá.

***********

Para os leitores mineiros: nesta quinta-feira, às 10 da noite, a Rede Minas exibe de novo o especial sobre rock e literatura que inclui uma entrevista comigo e com gente muito mais competente que eu, o poeta / jornalista / professor / performer Marcelo Dolabela e o vocalista / letrista / professor Jair Tadeu da Fonseca, agora da UFSC. Ficou bom o programa.



  Escrito por Idelber às 02:33 | link para este post | Comentários (7)



quarta-feira, 16 de novembro 2005

Piripaco no blog

Justamente quando eu me preparava para fazer o primeiro post desde quinta-feira passada, tive a ultra desagradável surpresa de que desapareceram deste blog todos os posts escritos desde o dia 23 de outubro. Misteriosíssimo. Parece um piripaco geral do idelberavelar.com, porque os emails enviados a partir do dia 23 de outubro ao meu endereço do blog também desapareceram do servidor (ah, se eu tivesse aceito o convite do Tiagón e me juntado à Verbeat...).

Eu lamento nem tanto pelos posts, mas pelos comentários. É como ver amigos apagados de um álbum de fotografias. Enfim, queria avisar isso e dizer que estou tentando recuperá-los. Mais notícias na noite desta quarta, junto com um post de verdade. Axé.



  Escrito por Idelber às 01:30 | link para este post | Comentários (18)



quinta-feira, 27 de outubro 2005

Texto completo da palestra em Pittsburgh

(a pedido de leitores, deixo aqui o texto que eu apresentei sobre blogs no colóquio organizado pela Universidade de Pittsburgh; na verdade a apresentação foi bem mais longa, mas este foi o texto base. Infelizmente, está em inglês. Se alguém tiver dificuldade de entender, pode pedir ajuda na caixa de comentários que com certeza alguma alma tradutora caridosa aparecerá...)

Cultural Studies in the Blogosphere:
Academics meet new Technologies of Online Publication

The following paper will be more a personal report than an exercise in speculative theory, but perhaps it might help us shed light on a debate that lies at the heart of the question of ethics in intellectual work: the possibility and desirability that academics write, on a regular basis, for an audience beyond the university walls. In a recent piece, American literature scholar Michael Bérubé reports on the stigma associated with academics who write for broader audiences, choose to intervene in so-called civil society, and thus break the unspoken pact of adherence to the semi-feudal structure that allows scholars to say just about anything as long as they stay within safe disciplinary boundaries. For junior faculty, of course, the act of stepping outside those boundaries into the terrain of broader cultural discourse may turn out to be deadly, no matter how brilliant, prolific, and accomplished they happen to be in their fields. It’s as if the extra work you do as a public intellectual – let us maintain that notion for the moment, however problematic it is – somehow cancels out, invalidates, or causes suspicion to be raised about your disciplinary work, regardless of how valuable that work has proven to be.

In academia, “journalism” is the name reserved for this beast. The term is used in academic discourse in at least two different senses, in a strictu sensu to designate the set of practices that emerged and consolidated themselves around the institution of the modern newspaper in the 19th century as well as its later offspring in spoken and visual media, but also a lato sensu to signify any and all discourses of knowledge, on any object, that do not conform to the boundaries proper to the modern, departmentally divided research university. “Oh, his work is kind of journalistic” we tend to say with disdain about those who dare overstep these boundaries or speak with a greater degree of clarity to an educated general readership, in an implicit equation between being readable and being superficial. This is not to deny, of course, that there is stuff that passes for scholarship but which is, in fact, journalism in the strict sense – a compilation of already produced knowledge, and that therefore should be called by its name. My point is, however, that more often than not the disqualification of journalism in academia works as a protective barrier, maintaining the separation between academia and its outside. First axiom of this paper, then: In the modern research university very seldom will you be able to put yourself in a position to act as a public intellectual without confronting the charge of being “journalistic.” Undoing the anxiety that belies that charge is itself one of the major tasks of intellectual work.

In a debate promoted by The Nation on that topic in 2001, Jean Bethke Elshtain mused that the problem with public intellectuals is that they tend to become more and more public, less and less intellectual. Not necessarily less respectful academically, but “less reflective, less inclined to question one's own judgments, less likely to embed a conviction in its appropriate context with all the nuance intact”. In finding a comfortable niche for him/herself, in a establishing a voice from which a certain public already knows what to expect, the public intellectual runs the risk, at the limit, of becoming a paid publicist, a spinner, an ideologue. That is not, of course, inevitable. Jean-Paul Sartre and Susan Sontag could be mentioned as two examples of thinkers who maintained their full critical edge and rigor even after a life-time of work in the public sphere. It was only after decades of engagement as a socialist intellectual that Sartre wrote his monumental study of Flaubert, The Idiot of the Family, a work as rigorous as anything he ever wrote. The charge that the public arena creates vices in the intellectual may, then, have some truth to it, but it’s far from being universal. However, for academics hoping to act in that arena, the combination or reconciliation of a broad public discourse with the maintenance of the rigor inherited from academic work is, indeed, a permanent challenge.

The discussion about the existence (or not) of genuine public intellectuals in the United States is itself a topic that has produced a lengthy bibliography. Books on the modern university, such as Bill Readings’ The University in Ruins or Peggy Kamuf’s The Division of Literature have studied the growing process of specialization undergone by the post-Fordist university, where an increasingly corporatized structure forces academics into ever-smaller corners of specialization. In this context, the figure of the intellectual in the European sense – or even in the New York sense in which Edmund Wilson and Irving Howe may count as examples – seem to have been on sharp decline, Susan Sontag’s death representing here a somewhat allegorical endpoint for a whole generational experience. For those of us not simply comfortable with the retreat into the safety of academic specialization, while aware that the conditions are not given for a revival of the public intellectual of the universalist, Sartrean type, what is to be done?

The figure of the politicized intellectual has always been closely connected with the space defined by Habermas as “public sphere” – Öffentlichkeit, the German term, brings with it the idea of openness and an essential relationship with the outside. This is my cue to connect ethics and intellectual work. I would contend that the ethical content of intellectual work today does not have to revolve around the question of political commitment along Sartrean lines – it doesn’t preclude it, mind you, but it should not be reduced to it. If we follow Emmanuel Lévinas on this matter, we’d have to reverse those terms: it’s not the content of the commitment that gives the ethical encounter its meaning, but on the contrary, the encounter itself, the unanticipated arrival of the Other that allows for all commitments, political and otherwise, to take place. The key, for Lévinas, is the irreducibility of the Other and its nature as the fundamentally unknowable agent of an event that cannot be anticipated, an event constitutive of the subject as such. The ethical question par excellence for Lévinas, then, is how to open oneself up to the arrival of the Other. How does one prepare and experience that encounter, however, while intervening in the public sphere in ways that enhance its unfinished nature, its openness to political action.

On the Internet, we always, by definition, speak and write to an other that we don’t really know. That is to say that the Internet radically changes our experience of the public sphere – in fact one could not speak of the public sphere today without considering, particularly, the world’s 60 million blogs have changed politics, journalism, and the practice and study of culture in recent years. I’ll devote my remaining minutes to a few reflections on it, based on my one-year experience as a blogger.

For the benefit of those who may not have run into blogs yet, here goes a short definition: a blog is a personal web page updated daily or semi-daily, or with some frequency, with entries dated and organized in reverse chronological order, so that as you open up the page you will always see the latest entry. These entries, named posts, may be accompanied by a comment thread where readers write in their responses. In the more widely visited blogs, the number and frequency of these responses may cause a true conversation to be formed. On one side of the page the blogger will usually include a blogroll, listing the blogs that s/he visits and with which she is engaged in conversation. Posts may be as short as a word and as long as an academic essay, but their essence is the hyperlink, that better-than-a-footnote resource that allows bloggers to send readers to their sources, be they a piece of news, a post in another blog or just about anything available on the Internet.

The first blogs emerged in the late 1990s, and today in several countries – the US, Brazil, France, and Iran, foremost among them – they have become an integral part of the experience of the Internet. According to Technorati, a site that tracks down links on the Internet, there are currently 60 million blogs worldwide. Every 14 seconds someone creates a blog somewhere. These, of course, can range from a teenage diaries to specialized news blogs, blogs of political or cultural commentary, blogs of or on literature, sports or what have you. In countries like Iran, the blogosphere already is the main source of news available about the country, in a context of severe censorship over traditional media. Something interesting has been happening, in fact, with the journalistic blogs: many of them started simply linking to, repeating, and commenting on news reported by the major media. Today, this movement has been reversed somewhat: using internet resources to reach information, blogs have begun to report news first and more thoroughly than major media, in such a way that major newsgroups are now often echoing pieces of news from the blogosphere. In Brazil all of the major newspapers have devoted teams of reporters to tracking down what goes on in the blogosphere. Hardly a day goes by in the United States without a major piece of news coming out through blogs. Hardly a day goes by without traditional media being forced go after or respond to a piece of news uncovered by blogs: recent cases include that of Jeff Gannon, the male prostitute that gained press passes to the White House, the unveiling of the Bush / Dan Rather forged document episode, not to mention the very candidacy of Howard Dean for the Democratic nomination last year, which was primarily catapulted and financed through blogs.

One of the recent events where this new paradigm for reporting and discussing news became clear in Brazil happened in April, during a soccer game between São Paulo and Quilmes, from Argentina. A black Brazilian player was sent off the field for reacting to a racist insult coming from an Argentine player. The unusual thing about the episode was that Grafite, the Afro-Brazilian player, pressed charges against Desábato, his Argentine colleague for racist injury, which is a federal crime in Brazil. The charges were accepted by the sheriff and a warrant for Desábato’s arrest was issued immediately after the game was over. For the first time in Brazil, and perhaps in the world, an arrest was made on a soccer field on the grounds of a racist insult. Regardless of what one thinks about the decision of the Brazilian justice, this was an absolutely novel event not picked up as such by the media. Sports journalists are not used to discussing matters such as racism, and on the other hand political journalists didn’t really know what to make of the event which had taken place, after all, within a soccer field. Dozens of blogs picked up the issue and wrote on a it with a number of perspectives. Several forums for discussion were created, with positions ranging from one extreme to the other. On the days following that episode, my own blog peaked at 18.000 daily visits. By the time the media picked up on it had become clear that they had missed the singularity of the event. If I can mention myself as an example, during the catastrophe in New Orleans it was through my blog and few others that the Spanish- and Portuguese-speaking community of Tulane was able to exchange news about each other and reassure colleagues that everyone was, if not well, at least alive.

As usual, academics have been slow to respond to this phenomenon, often echoing the nervous response of journalists: since blog posts go through no editorial process, there’s no “guarantee” of the quality or the verifiability of the material you read in a blog. While a few academics have picked up the medium and created excellent blogs, my experience is that I’ve had to explain what a blog is more often when talking to academics than when talking to teenagers. Meanwhile, we continue our discussions of the possible or desirable political impact of academia largely ignoring that such impact can no longer be measured without reference to these new electronic media. In the case of blogs three things in particular are highly relevant for that discussion: first, the sheer size of that readership: more people read my blog daily than have read both of my books in three languages and six years. Second, the instantaneous response of these readers makes of the blog an arena with challenges that one does not usually face in the more secure, walled space of the university, and third, the unpredictable nature of the associations you may establish goes far beyond what we have grown used to seeing in the university. The connection with the outside of university walls should no longer then, be a matter that we discuss in oblivion of this amazingly innovative experience in first-person writing. It is up to us to make full use of it.



  Escrito por Idelber às 05:05 | link para este post | Comentários (25)



sexta-feira, 21 de outubro 2005

Linkania em Pittsburgh

De volta em gringolândia - só por uns quatro dias, numa bela cidade que eu ainda não conhecia: Pittsburgh. Ando por aqui convidado por essa bela universidade para falar hoje num colóquio que promete. São 2 da matina, eu ainda não terminei a palestra e estou blogando. Êta, vício. Já deixo o agradecimento à Prof. Erin Zivin pelo gentil convite a este escriba.

**********

Eu já devo ter entrado e saído deste país umas 50 vezes. Hoje, o oficial de imigração que revisou meu passaporte e green card teve que fazer a pergunta inevitável: "por que está há tantos meses fora?" Começo de resposta minha: "Bom, eu moro em New Orleans e..." Resposta do cabra: eu também. Pela primeira vez, na vida, um contato humano com um oficial de imigração: trocamos figurinhas da desgraça. No avião, outra garota de lá, que perdeu tudo. A memória da minha cidade está por todas partes.

**********

Notícias dos EUA? Nada de novo: corrupção, obstrução de justiça, lavagem de dinheiro. Mais ou menos como no Brasil, com a diferença, claro, que o governo daqui é responsável pela matança de dezenas de milhares de inocentes. E que agora parece haver real esperança de que, nas mãos de um promotor ao que tudo indica ilibado e respeitável, a montanha de provas contra Bush possa levar à queda da corja. Andam bem nervosinhos na Casa Branca, disso não há dúvida. E a Blogosilvânia de Esquerda anda bem confiante que agora a casa cai. Eu? Cético.

**********

Participe da campanha acorde um leitor da Veja: os caras conseguem, ao fazer três afirmações, publicar quatro mentiras. É como diz o Catarro: se a Veja nega, é porque é verdade. Se afirma, é porque é falso. É batata.

**********

O gente finíssima Mauro Amaral, do Carreira Solo, está fazendo um censo para conhecer melhor os leitores. Para participar e ajudar esse excelente projeto a mapear seu público, é só clicar aqui no selinho:
logo_small.gif

**********

O blog que mais tem me feito dar risadas nesse Brasil pós-mensalão completou 400.000 visitas. Congrats, lindas. Leitores, um pulinho lá para dar parabéns às magrelas que elas merecem. Êta, blog alto astral.

**********

E por falar em risadas, essa aqui é imperdível: saga.gif. Se ainda não viu, tem que voltar lá no começo e acompanhar tudinho. É hilário demais.

**********

Contaram-me que, tendo ido assistir pela primeira vez na vida uma partida de futebol - o histórico encontro entre XV de Piracicaba e Paraisópolis - o blogueiro Ludivicus Biajonicus não resistiu à emoção e parece que passou desta para a melhor, logo no dia do seu aniversário. Parece que suas últimas palavras foram: a única coisa que presta nos anos 80 são os Talking Heads, mesmo assim só o disco de raridades e B-sides lançado exclusivamente na Austrália! Relata-se que depois de decretar a falência de toda a música pop, o ilustre blogueiro expirou.



  Escrito por Idelber às 03:12 | link para este post | Comentários (18)



terça-feira, 18 de outubro 2005

Recomendação do dia

Um dos melhores blogs do Brasil: Brasília, eu vi.



  Escrito por Idelber às 01:33 | link para este post | Comentários (9)



sexta-feira, 14 de outubro 2005

Só um link

Vejam que maravilha.



  Escrito por Idelber às 04:14 | link para este post | Comentários (13)



segunda-feira, 03 de outubro 2005

Dia do leitor que nunca comentou!

Eu vou ali na Pampulha pegar um avião para Santiago do Chile e já volto, logo que eu estiver plugado em terras transandinas.

Para os comentaristas regulares, fica o lembrete da discussão abaixo, sobre o desarmamento.

Enquanto isso, uma brincadeirinha, seguindo o exemplo do meu camarada Chris Clarke, que inventou na blogosfera americana o Lurker's Day, ou seja, o dia-do-leitor-que-só-fica-sapeando-e-nunca-comenta.

Se você é leitor deste blog e não costuma comentar, este é o post para que você se apresente, diga de onde lê o blog, do que gosta, do que não gosta, como chegou aqui, etc. Os blogueiros morremos de curiosidade.

É fácil: é só clicar na palavra "comentários" abaixo, escrever seu nome ou nick (o email neste blog não é obrigatório) e deixar o seu recado. Se você lê português, mas não escreve, tudo bem: qualquer língua vale.



  Escrito por Idelber às 05:14 | link para este post | Comentários (52)



sexta-feira, 30 de setembro 2005

Aniversário do blog

Bem, meu aniversário está prestes a tornar-se o Dia Nacional do Saci Pererê.

Em compensação, o blog hoje completa hoje seis meses de casa nova. Nosso primeiro post aqui foi no dia 30 de março. Aí vão alguns números:

Foram 272.808 pageviews.

Curiosamente, eu tenho mais leitores nos Estados Unidos que no Brasil. Foram 153.019 visitas dos EUA e 102.682 do Brasil. Muito curiosamente, o terceiro país que mais nos manda leitores é a Austrália (thanks folks, I love your Fosters!). Leitores de 107 países diferentes estiveram por aqui nestes seis meses, incluindo o Kirguistão, Kazaquistão, Omã e até o Vaticano.

Somente 20,1% dos meus leitores usam Firefox. 70,4% ainda usam a barca furada do Internet Explorer (o que estão esperando, cambada? Baixem o Firefox!). 1,6% usam o Opera e 1,4% usam o Safari.

Somente 4,9% das visitas do Biscoito vêm do Google ou de outros motores de busca, o que é uma indicação de que quase a totalidade dos acessos do blog são de leitores de verdade. 67,3% vêm de bookmarks ou de "direct address" (quando o leitor escreve a URL do site no browser). 27,6% vêm de links de outros sites, quase a totalidade deles outros blogs.

2980 URLs diferentes nos enviaram leitores nesses seis meses (este número é menor do que parece: eliminem aí uns 100 ou 150 sites de spam e considerem que dentro de um mesmo blog pode haver mais de uma URL enviando leitores: por exemplo, a URL do índice e a de um post específico).

Os blogs que mais nos mandaram leitores foram:

Pensar Enlouquece: 1909
Liberal Libertário Libertino: 1396
Rafael Galvão: 1147
Smart Shade of Blue: 973
Stuck in Sac: 757
Pedro Dória: 733
Drops da Fal: 699
Milton Ribeiro: 535
Biajoni: 524
NCC: 517
Prás Cabeças: 430
Nós por Nós: 413
Lixo Tipo Especial: 355
Gravatá: 340
Cora Rónai: 285
Síndrome de Estocolmo: 266
Megeras Magérimas: 219

E umas duas centenas de outros blogs que nos mandaram entre 1 e 200 visitas. Thanks much, indeed.

Neste aniversário eu não poderia deixar de agradecer: Fábio Sampaio, pelo maravilhoso trabalho de instalação e manutenção do blog. Quem tem uma fera como ele ao lado não precisa temer nada. Nemo Nox, pelo layout do blog. Rafael Galvão, pela ajuda com numerosos pepinos.

Love you all, folks
(como sabem, eu não costumo misturar inglês aqui, mas com a eleição do Aldo eu não resisto).

Além das buscas com o meu nome e sobrenome, a frase que mais trouxe leitores ao Biscoito através do Google foi: O que é mensalão? Espero que tenham encontrado a resposta.

Nesta segunda-feira eu pego um avião com ela para Santiago, onde estarei dando um curso na Universidade do Chile durante o mês de outubro. Mas antes disso ainda rolam um ou dois posts. Espero poder blogar normalmente por lá, apesar da voltagem em 220.

Obrigado pelas visitas. Tim-tim.



  Escrito por Idelber às 02:08 | link para este post | Comentários (44)



terça-feira, 27 de setembro 2005

Acadêmicos e blogagem

Nos dias 20 a 23 de outubro eu estarei de volta na terra da "mais perfeita democracia do mundo". Não irei a New Orleans, mas a Pittsburgh, cuja universidade me convidou para um colóquio sobre ética e estudos latino-americanos.

Prometi a eles uma palestra sobre acadêmicos na blogosfera. Tomando o mote da convocatória do colóquio, o resumo que enviei do que eu pretendo apresentar é o seguinte (desculpem, vai em inglês mesmo):

The question of a more “dispersed, fragmented, and (potentially) democratic and liberating practice” in Cultural Studies cannot be properly addressed without reference to the new technologies of online publication that have transformed the internet in recent years. Made possible by user-friendly platforms such as Movable Type, blogs have become an integral part of the internet experience in several countries (US, Brazil, Iran, France).

My paper will be a reflection on my one-year experience as a blogger writing daily on literature, music, and culture for a non-specialized audience much larger than those of academic publications. It will also include an account of the blogger movement amongst literary and art critics, writers, musicians, and filmmakers. Most importantly, the paper will attempt to recast the questions guiding the conference in the light of these new practices: how have academics responded to the challenge of writing to another audience beyond the walls of the university? how has online publication affected the editorial market? How has the internet been used to establish networks and collaborations between academia and its outside? How can we reinterpret the ethical imperatives of intellectual work in the light of these new processes?

Revisando o material que tenho sobre acadêmicos-blogueiros, vi que quase todos eram norte-americanos: para citar somente alguns, Michael Bérubé, PZ Meyers, bitch ph.d. e outros que eu visito com freqüência.

No processo percebi o óbvio: há pouquíssimos acadêmicos blogando no Brasil. Há, é claro, o trabalho pioneiro do André Lemos sobre cibercultura, mas que eu saiba o André não bloga. Conheço as blogueiras-acadêmicas Suzana Gutierrez, que tem um belo trabalho na área, a Elisa Máximo, que acaba de concluir tese de doutorado sobre blogs (obrigado pela correção, Elisa) e a Efêmera, que também está dissertando sobre cibercultura. Tem a Ana Maria Brambilla, que é mestranda na UFRGS e desenvolve um projeto sobre jornalismo open source. Há também o físico Sérgio Lima e o E por falar nisso, da Prof. Iris.

E entre os acadêmicos que trabalham no Brasil, não conheço muito mais.

Alguém aí tem uma observação interessante sobre a relativa ausência dos acadêmicos na blogosfera? Ou outra dica? Ou alguma teoria sobre a ampla maioria feminina entre os acadêmicos-blogueiros? E será que há um montão de gente que eu ainda não achei?

PS: Por falar em ética, o jornalista Juca Kfouri, um dos que mais batalham pela ética no futebol, já tem blog.

PS 2: E por falar em futebol, você se orgulha dos seus conhecimentos futebolísticos? Tente passar pelo teste do Bira. Eu já mandei minhas respostas. Veremos se dei vexame.



  Escrito por Idelber às 02:38 | link para este post | Comentários (19)



quarta-feira, 21 de setembro 2005

Links e Dicas

crônicas.jpg

Está em São Paulo? É nesta sexta-feira a festa de despedida do livro Crônicas de Quase Amor, da Fal Azevedo. Detalhes aí no cartaz. Adorei essa idéia de despedir-se de um livro. Desse - morram de inveja - eu tenho um exemplar com dedicatória :)

***********

Concepção genial: abrir um blog, narrar 73 obsessões e fechá-lo (dica dela).

***********

Enquanto o PT elege seu novo presidente, as baixas no governo continuam, desta vez na área de sofware livre: o sociólogo Sérgio Amadeu cansou de ser sabotado e abandonou a presidência do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação.

**********

Sobre as denúncias de fraudes perpetradas pelo Campo Majoritário nas eleições do PT do Amapá, ver o blog de Alcinéa Cavalcanti.

***********

O blog nota 10 da coluna desta semana do homem que mais celebridades possui na sua parede é o Megeras Magérrimas, um dos meus blogs favoritos desde sempre. Congrats.

***********

Há verdadeiras pérolas no blog de Andrea del Fuego, autora de Minto enquanto posso (de novo, dica dela, que sabe tudo).

***********

O Faker Fakir fez a crítica mais demolidora do filme Os Dois Filhos de Francisco que se viu por aí até agora.

***********

O post já é velho mas eu só vi hoje: O Alexandre Matias ouviu o novo disco da Nação Zumbi (que ainda não chegou às lojas) e aposta nele como o melhor da banda até agora e provável disco do ano. Há um vídeo de uma entrevista com a banda, saindo do estúdio, aqui.

***********

Bem que o Milton Ribeiro falou que ia fazer algo para esquentar as turbinas para o Galo x Colorado deste domingo. Os colorados andam em estado de graça com a liderança do campeonato.

***********

Durante todo o baixo astral pela tragédia em New Orleans, continuei encontrando alegria e paixão pelo insólito no maravilhoso mundo de Bibi's Box. É um pecado não visitar esse blog diariamente.

**********

Chegada é o nome do novo disco de Naná Vasconcelos, que promete. Cheguei lá via Brazilian Music Treasure Hunt, que também é parada diária minha, obrigatória - aliás, eu adoraria saber quem mantém aquela maravilha.

**********

Happy surfing, everyone. Se o Severino renunciar alguém me avise, por favor.



  Escrito por Idelber às 04:04 | link para este post | Comentários (30)



terça-feira, 16 de agosto 2005

Encontro de Blogueiros no Rio

Recado aos blogueiros e leitores cariocas:

Eu chego ao Rio nesta quarta, dou palestra na Escola de Música da UFRJ na quinta-feira às 10 da manhã (em evento organizado pelo laboratório de etnomusicologia da Federal, sobre música e cidadania, todos convidados) e convido os amigos blogueiros para uma cervejada na sexta-feira no

Pizza Park na Cobal do Humaitá às 19 h.
. Quem puder participar, deixe um alô aqui na caixa de comentários ou escreva um email para a Viva, do blog Nós por Nós.


Enquanto isso, a brincadeirinha de hoje é invente uma legenda:

idelbia.jpg

PS: o mais incrível do fim de semana em BH é que o feladaputa do Achcarigudum, que inventou um blog só para xingar a gente, apareceu!! Temos inclusive fotos comprometedoras do sujeito. Mais detalhes em breve.



  Escrito por Idelber às 03:10 | link para este post | Comentários (34)



segunda-feira, 15 de agosto 2005

No Salão do Livro

DSC00242.JPG

Astral muito bom na mesa sobre blogs no Salão do Livro: organização impecável, convidados bem recebidos. O público, se não foi nada que lotasse o mezzanino onde falamos, era bem razoável em quantidade e maravilhoso em qualidade.

Ela veio de Três Corações para o fim de semana e iluminou tudo com sua presença.

Inagaki chegou a tempo de almoçar com a gente e pudemos papear um mucadinho antes do encontro. Falzoca enganou todo mundo dizendo que ficava nervosa, e coisa e tal, e foi a mais aplaudida, amada e divertida de nós três, sem dúvida.

Eu, que queria espremer muita coisa para 15 minutos, recorri a essa muleta preferida dos acadêmicos, ler um texto previamente preparado. Ninguém dormiu, que eu tenha visto :)

Falou-se da experiência dos blogs de cada um: das alegrias, das neuroses, dos objetivos, do alcance dos blogs; do trabalho de alguns escritores de ficção na blogosfera; do impacto dos blogs no jornalismo, na política, na vida pessoal de cada um. Deixo aqui um trechinho do texto que apresentei:

A tese central que eu gostaria de trabalhar com vocês aqui esta noite é que os blogs são uma ferramenta nova de representação da experiência. Se há alguma novidade nos blogs, se há algo de revolucionário na escrita blogueira, a explicação desse caráter renovador deve ser buscada na forma como os blogs dão voz a um novo tipo de escrita da primeira pessoa. Os blogs são a resposta dada pelos usuários das novas tecnologias de publicação online à necessidade de representação da experiência, espremida entre a assepsia da informação dos jornais, cada vez mais repetitivos e previsíveis no espelhamento da miséria do mundo, e o caráter técnico e especializado da literatura, cada vez mais divorciada da vivência cotidiana dos sujeitos. Então a tese básica seria essa: algo ainda não representado na experiência ganha acesso à escrita através dos blogs.

Do ponto de vista da literatura, o que de mais notável os blogs acrescentam é essa dinâmica de uma escrita diretamente vinculada à experiência. Mesmo nos blogs menos confessionais, estabelece-se uma relação diferente com o nome próprio das que permeiam outras formas de escrita. Desenha-se com frequência um certo teatro da intimidade, onde não é raro que se interrompa o fluxo de posts sobre os temas principais do blog para uma observação sobre a vida privada: um comentário sobre um desengano amoroso, um lamento por um tragédia pessoal, a convocação de uma festa. Pouco a pouco vai se tecendo um personagem de ficção ali naquele espaço, que os leitores acompanham um pouco como acompanhamos uma telenovela. Com as diferenças que o enredo traz uma relação direta com a experiência de quem escreve e que o final da história não está determinado de antemão. Ele vai se construindo dia a dia, no bojo da interação com os leitores.

O pensador alemão Walter Benjamin, num ensaio intitulado "O Narrador", escrito em 1936, observava que a quantidade de experiências vividas pelo sujeito moderno não havia levado a uma proliferação de relatos pessoais mas, ao contrário, a uma atrofia na capacidade de narrar. Benjamin notava, por exemplo, a incapacidade dos ex-soldados de relatar o que lhes havia ocorrido durante a Primeira Guerra Mundial. Apesar de terem vivido o inédito, voltavam mais vazios de experiência. Esta, para Benjamin, estava sempre vinculada à possibilidade de transformar o vivido em matéria narrável. Para isso, Benjamin se aproveitava da existência de duas palavras para designar a experiência em alemão: Erlebnis, forma substantivada do verbo leben, viver, seria a matéria bruta, a coleção de fatos vividos. Uma outra palavra, Erfahrung, tem uma relação etimológica com Gefahr, perigo, e é o termo reservado por Benjamin para designar a experiência no sentido forte. Transformar Erlebnis em Erfahrung é tomar o vivido, a coleção bruta de banalidades da vida cotidiana, e convertê-la em uma narrativa que lhes dê ordem e coerência . Para Benjamin, é exatamente essa conversão que está atrofiada no mundo moderno. Vivemos experiências automatizadas, num mundo onde já não se contam estórias ao pé da lareira. O declínio da arte de narrar seria a principal razão dessa crise na transmissibilidade da experiência. Já não se transmitem experiências como antigamente. Ao primado da informação no mundo moderno corresponderia uma atrofia na nossa capacidade de narrar. Ao contrário da narrativa, a informação é por definição perecível, segmentada, irrelevante no dia seguinte. Na era da informação, acentua-se o divórcio entre narração e experiência.

Nós, blogueiros, nos indignamos quando alguém confunde blog com diário adolescente – que é apenas um tipo de blog, e nem de longe o mais importante ou mais representativo. Mas é fato que o blog mantém uma relação essencial com a forma diário; a superposição de entradas datadas, o vínculo direto com o tempo, a escrita do eu. Pois mesmo nos blogs mais impessoais – científicos ou jornalísticos – aflora ali sempre uma marca do nome próprio, do sujeito que assina, marcas em geral reprimidas na grande imprensa ou mesmo na literatura de ficção das grandes casas editoriais. Essas marcas aparecem com mais força especialmente nos blogs de mulheres, onde em geral a escrita do nome próprio tende a aflorar sem medo. Nós, blogueiros, temos tido que inventar essa língua, porque os modelos existentes por aí não nos satisfaziam. Daí o fato de que nos blogs você frequentemente encontra uma prosódia, uma retórica, uma sintaxe, que não se encontra em nenhum outro lugar. Nossa aposta é que estaríamos assim reconstruindo um lugar de onde narrar a experiência, renovando a linguagem ali onde as palavras já andavam meio sujas e automatizadas.

O público participou, infelizmente sem falar, mas recorrendo a umas fichinhas para enviar perguntas à mesa. O papo foi bom e fiquei conhecendo pessoalmente gente que eu leio há tempos. Aí vai o registro dos blogueiros que prestigiaram a mesa:
DSC00281.JPG

(em pé, da esquerda para a direita, na fila de trás: Viva, Cynthia, Fefê, Fal, Inagaki, Bruno, Biajoni e Mônica; em pé na frente desses, a leitora Carolina e a Laura das Mothern; agachados, Leandro Oliveira, eu e a Juliana das Mothern.

Acho que quem foi se divertiu. A festa continuou com toda a blogueirada na lendária Cantina do Lucas, no edifício Maleta. No detalhe, eu e as poderosíssimas Mothern:

DSC00285.jpg

Uma trupe de blogueiros sobreviventes armou a terceira parte da festa, no meu AP, da meia-noite às 9 da manhã, incluindo os visitantes Biajoni, Inagaki, Bruno e Viva (valeu a visita, pessoal), os belo-horizontinos Guto e Mônica, além dela, claro, que continuava iluminando tudo, até mesmo as discussões mais bizantinas entre Biajoni e eu sobre quais eram os discos decentes do meu iPod (êta cabra musicalmente intolerante, esse).

Às 9 da manhã, entre mortos e feridos, salvaram-se todos.

O relato da Fal está imperdível, tirando a parte em que ela conta a lorota de que "balbuciou palavras sem sentido". Foi ela quem mais encantou.

O que continua me assombrando nesses encontros blogueiros é a sensação insólita e prazerosa de ser um velho amigo de pessoas que acabo de ver pela primeira vez. É bem melhor do que a sensação - mais comum nas nossas vidas, acho - de que figuras que vemos regularmente há anos são, na verdade, completos estranhos e desconhecidos.



  Escrito por Idelber às 00:54 | link para este post | Comentários (45)



quinta-feira, 11 de agosto 2005

Avulsos

Celular clonado, carro morrendo na marcha lenta, chuveiro pifado e televisão dando piripaco. Tudo num dia só.

Só se eu fosse mágico para fazer um post decente hoje.

Comento a sequência de minitragédias com a progenitora, e ela me sai com essa:

- Pois é, meu filho, lembra que seu pai avisava que esse negócio de ser atleticano não dá certo?

***********

O interrogatório do sócio de Marcos Valério hoje na CPI foi dos espetáculos mais grotescos que pode produzir a miséria humana. Estou com o brilhante pecus: Três ou quatro culpados aos leões, pizza já, e chega de circo.

**********

Melhor frase de ontem na CPI: Vossa Excelência, ainda há 30 inscritos e já está quase no horário da novela!

*********

É amanhã! Reiterando o convite a todos os belo-horizontinos: sexta-feira, às 19:30, na Serraria Souza Pinto, mesa-redonda sobre blogs com Alexandre Inagaki, Fal Azevedo e este escriba. Todos convidados. A serraria fica embaixo do Viaduto de Santa Teresa, imortalizado, como bem lembrou o Leandro Oliveira, no Encontro Marcado de Fernando Sabino. Para os que vêm de fora: caminhem pela Afonso Pena, viu, não caminhem pela Andradas não. O Leandro já deu a dica.

*********

Trocadilho infame da semana: não confundir militante do PT com mil e tanto pro PT.

*********

Preparando o ensaio sobre blogs que vou apresentar no Salão do Livro, revisitei esta maravilha de post de Alê Felix: O blog começa a lhe fazer mal quando..... É ou não é um dos melhores posts da história da blogosfera?

********

Por falar nisso, leiam os pioneiros, môs fios, leiam os pioneiros: Blowg, Subrosa, Catarro Verde, Por um Punhado de Pixels. Crédito a quem crédito merece.

********

Como é que um ser humano pode ser burro o suficiente para seguir conselhos de José Dirceu até hoje, meu Deus?

********

Se o Clube Atlético Mineiro me fizer voltar para a América de Bush amargando um rebaixamento para a segunda divisão, eu não terei outra opção senão fechar esta joça. Se você vê algo de interessante neste blog, vire atleticano por quatro meses e nos ajude na matemática do desespero.

********

Alex Castro embarcou para New Orleans, onde será, sem dúvida, um dos mais brilhantes doutorandos em literatura de Tulane. Que os orixás o acompanhem.



  Escrito por Idelber às 06:15 | link para este post | Comentários (27)



quinta-feira, 04 de agosto 2005

Portal Novo

Para quem gosta de literatura: tem entrevista comigo lá no novo portal Condomínio Brasil. Muito obrigado a Esther Bittencourt pelo papo e boa sorte à turma de lá com o novo site.

***********

Para quem gosta de futebol: alguém sabia que a palavra gandula vem do nome de um lateral argentino que jogava no Vasco da Gama, e que ficou famoso por buscar bolas para todo mundo, até para os adversários? É isso aí, McDonald's também é cultura.

***********

Para quem quer entender o Brasil: estou em Três Corações há três dias e descobri algo curioso; quase todo mundo odeia Pelé na terra em que Pelé nasceu. Êta, mundo. Mais detalhes em breve, inclusive umas fotinhas da Sala Pelé do Museu de Cultura da cidade.

**********

Para quem gosta de música: estou lendo, e está imperdível o Como Dois e Dois são Cinco: Roberto Carlos & Erasmo & Wanderléa, o tour de force do camarada Pedro Alexandre Sanches sobre a jovem guarda, o iê-iê-iê e a black music. Edição de luxo, custa 70 mangos. Mas vale 500. Em breve a gente resenha por aqui.

*********

Para quem gosta de política: o primeiro presidente operário do Brasil busca inspiração no primeiro técnico da Seleção nomeado pelos militares. É a alegoria de hoje.



  Escrito por Idelber às 03:25 | link para este post | Comentários (20)



domingo, 17 de julho 2005

Links

Literatura:
Para quem ainda não viu, vale a pena conferir as belas respostas de Marcelino Freire e Ademir Assunção à grosseira caracterização que fez a Revista Veja do Movimento Literatura Urgente, que pleiteia apoio estatal à produção, circulação e consumo de literatura. É isso aí. Subsídios ao papel (link via Martelada) para que megaconglomerados editoriais multipliquem suas margens de lucro, pode. Apoio à produção de literatura, não pode. É incrível como esse tema mobiliza ressentimentos e polícias do "dinheiro público", justamente por parte de pessoas que não costumam ter a menor preocupação com o bem público. Só para confirmar o óbvio: o Biscoito apóia o Movimento Literatura Urgente.

Política:
1. Relato detalhado das práticas de conchavo, aparelhamento e descaso pela democracia por parte do grupo dominante do PT, durante a última "eleição" da nova Executiva Nacional, encontra-se aqui.

2. É o irmão do dito cujo quem relata: Blogueiro Khalid encarcerado no Iraque. É a ocupação americana e seus frutos "democráticos".

3. Para acompanhar a sucessão de desastres e devastação provocados pela invasão americana ao Iraque, a melhor fonte na blogosfera é o meu colega da Universidade de Michigan, o informadíssimo Juan Cole.

4. De que tipo de projeto de lei o Brasil precisa neste momento? Segundo um ilustre deputado de São Paulo, o que nós precisamos é de abolir a crase na língua portuguesa. Haja paciência.

Música:
Músicos do Rio de Janeiro estão se mobilizando em protesto contra a "eleição" na Ordem dos Músicos do Brasil-RJ. Para quem não sabe, a OMB é uma organização que nada tem a ver - e em nada colabora - com os músicos. Dirigida por verdadeiros ditadores, ela sistematicamente aparece nos shows para exigir crachá e filiação, e dificultar o trabalho dos artistas sem nada fazer em benefício da classe. Está rolando um abaixo-assinado e uma série de outras iniciativas. Se você é músico, considere a possibilidade de juntar-se ao listserve Forum Musical e colaborar com a mobilização da classe.

Blogs:
1. Como se sabe, boa parte da blogagem é eco do que acontece em outros blogs. E, se todos tomaram uma determinada informação de uma mesma fonte, e essa fonte está equivocada, 30.000 blogueiros podem estar errados.

2. Todo mundo já ouviu histórias de gente que foi demitida por causa de um blog. Agora chega a novidade: tem gente sendo contratada por causa de seus blogs.

3. O Homem-Baile às vezes se supera. Sensacional.

4. Acho que este mês eu não disse: eu amo esse blog. A garimpeira do insólito, cada vez melhor.

Esporte:
Alguém aí se lembra de algum Campeonato Brasileiro de Futebol tão ruim como este?



  Escrito por Idelber às 02:49 | link para este post | Comentários (25)



sexta-feira, 15 de julho 2005

Alegrias do Google - Homenagem de aniversário ao blog de Rafael Galvão

Amanhã, 16 de julho, um dos melhores blogs do Brasil, o de Rafael Galvão, completa dois anos. Rafa é responsável por uma das contribuições mais originais do Brasil à blogagem, As Alegrias que o Google me dá, onde ele periodicamente relata as deliciosas buscas que levam leitores ao seu blog.

Sem ter a pretensão nem de chegar aos pés do Rafa neste gênero, achei que já valia a pena compartilhar aqui algumas das pérolas que trouxeram leitores ao Biscoito nestes primeiros 100 dias de blog em domínio próprio. Fica aqui o plágio descarado como homenagem ao Rafa neste segundo aniversário do seu blog:

futebol é considerado um esporte de massa?
Não. Esportes de massa são o golfe e o hipismo. O futebol é um esporte aristocrático inventado por ingleses. Você é brasileiro e não sabia disso?

vai flamengo balança a rede do adversário

Tudo bem, mas não se esqueça de avisar ao Júnior Baiano de que lado fica a rede do adversário.

o governo de lula comparado com os poemas de bertolt brecht
Perde. Perde feio. Não dá nem para a saída. Brecht odiava emendar soneto quebrado.

porco curitibano

É mais limpinho. Pelo menos é o que dizem, né?

previsões 2005 corinthians

Contratará mais dois argentinos, servirá para lavagem de dinheiro iraniano e continuará mais um ano na fila.

putaria suruba
São dois conceitos diferentes, amigo. Muito importante não confundi-los.

relatos de gozo anal
Lá no Biajoni tem sexo anal. Agora, nessas matérias de gozo, cuidado, porque ele finge muito.

fotos tropeiro mineirao

O feijão vem por cima, o lombo do lado esquerdo, a couve do direito, e em cima de tudo um ovo frito. Agora, em quê essa foto vai lhe ajudar eu não sei...

roberto jefferson vascaíno
Ah, está explicado!

pro for kits tata indigo
Tem o Indigo da Tata do Kit, serve?

a massa armando nogueira
(16 buscas)
expliquei. O texto é meu. Meu, certo?

qual a vantagem de escutar mpb
Nenhuma. Seus filhos vão te achar velho, os roqueiros vão te achar careta, os classicistas vão te achar vulgar e os bregas vão te achar pretensioso.

a família ao pé da cruz mineirão

Já tentei, meu amigo. Já tentei figuinha, Santo Antônio, Candomblé, banho de descarrego, trabalhinho na encruzilhada, tudo. Não adianta. Foi praga muito forte lançada por cruzeirense em alguma encarnação anterior.

cinco dias sem fumar
Cinco? E você já está guglando? No chance for you, baby. Vá lá na esquina, compre um maço e deixe de bobagem.

olavo de carvalho demitido globo
Reúna uns dez quilos de desinformação, tempere com algumas pitadas de paranóia de extrema-direita e junte um jornal que ainda respeita seus leitores. Só isso. Qualquer outra coisa é delírio.

ortiz goleiro do atletico mineiro
O cara entrega o campeonato mineiro de 1977 ao ex-Ipiranga e você vem procurá-lo no meu blog? Não sabe que ele é o único argentino que não é bem-vindo neste blog?

frases galvao bueno e argentina

Se encontrá-las, não me mostre. Poupe-nos essa antologia, pelamordedeus.

galvão bueno roque jr
Os dois juntos? Você está pagando promessa? Quantos parentes você matou?

conto sobre maldade das pessoas

Pode começar com a Bíblia. Ou com Dostoiévski. Ou com Machado de Assis. Pensando bem, pode começar em qualquer lugar.



  Escrito por Idelber às 02:07 | link para este post | Comentários (18)



terça-feira, 05 de julho 2005

Pausa para manutenção

Como parece que o blog precisa atualizar o Movable Type - que anda dando pau, quebrando links à caixa de comentários e duplicando posts - vamos fazer umas consultas com o mestre Fábio Sampaio e voltamos a postar dentro de 1-2 dias.

Se esta caixa de comentários estiver funcionando, fiquem à vontade para papear sobre a entrevista de Genoíno e os últimos desdobramentos da "crise" :)

Até já,



  Escrito por Idelber às 03:56 | link para este post | Comentários (10)



terça-feira, 28 de junho 2005

Suruba de Blogs

Hoje tem link prá surfar uns três dias:

Parabéns:

1. A Cora Rónai completou um milhão de visitas. Não é prá qualquer um não. Congrats!

2. A pioneira Meg Guimarães completou mais uma primavera. Happy birthday!

3. O Bereteando, amigo do Biscoito desde a primeira hora, completa o segundo ano de vida. Parabéns, Tiagón!

Recomendo:
1. O excelente blog político de Maurício Santoro, o Conspiradores. Ver também o texto de Maurício no Globo sobre o governo Lula, bem na linha do que eu venho argumentando aqui.

2. O belíssimo blog literário-filósofico argentino Rizomas, influenciado por um dos meus heróis intelectuais, Gilles Deleuze.

3. O melhor fotolog do Brasil, o Escrúpulos Precários. O que eu mais admiro não são nem as fotos fantásticas. É a grande arte do título que tem o Iraldo. Dá para passar horas naquele blog.

Sessão É Imperdível:

achamos que o Ronaldo tem que ser banido da seleção, que o Santos não deve ganhar tudo só porque tem o Robinho, que o Kaká é maloqueiro, que o Denilson é pereba, que o Cafu é arrogante, que o Roberto Carlos é o pior lateral da história, que o Parreira é demagogo, que as torcidas organizadas devem ser liberadas e que o Maracanã deve ser implodido. E vamos com muita tiração de sarro do futebol paranaense, não temos culpa por termos nascido neste lugar!
Gostou? Visite o sensacional de canela!, uma espécie de Jair Beirola do futebol. Putaria com estilo.

4. O blog da minha conterrânea e amiga Cynthia Semíramis, co-autora do clássico Manual de Sobrevivência na Selva de Bits, está de cara nova.

Sessão História da Blogosfera Brasileira:
A palavra linkania circulou por aí, nos primórdios da blogosfera brasileira, para designar os fluxos, encontros, redes que se armam (precisamente o que Gilles Deleuze chamava de rizomas). Ela começou a circular a partir deste belo texto do Marcelo Estraviz, que foi muito discutido na época. Mais coisas do Marcelo aqui. Pouco a pouco eu vou descobrindo a história desta joça. Link, cortesia dela.

Leia blogs e evite vexame:

Se o Zé Dirceu lesse o Catarro Verde, já em 2003 ele teria recebido um recadinho importante.

O Terror:
Queira Deus que o tal Delúbio não tenha ex-mulher! É o assunto no PT. Grande sacada de Tutty Vasques.

Música:
1. Não dá para deixar de recomendar esta matéria sobre a nova safra de cantoras brasileiras. A Mariana Nunes eu já conferi e gostei (via o indispensável BMTH).

2. Mais um belo blog sobre música: Eclectismo Musical.

Vem por aí:
O Burburinho completa quatro anos de existência (parabéns!) e eu fui convidado a contribuir um texto à edição de aniversário. Minha contribuição será, salvo engano, o primeiro texto sobre futebol publicado nessa já clássica revista eletrônica. Obrigado ao Nemo pelo convite.



  Escrito por Idelber às 02:23 | link para este post | Comentários (20)



quinta-feira, 23 de junho 2005

Pérola da Blogosfera Hispânica

Eu sou completamente a favor de que permitamos o casamento entre católicos. Parece-me uma injustiça e um erro tentar impedi-los. O catolicismo não é uma doença. Os católicos, apesar de que muitos não gostem deles ou os achem estranhos, são pessoas normais e devem possuir os mesmos direitos que os outros, como se fossem, por exemplo, programadores ou homossexuais.

Estou consciente de que muitos comportamentos e traços de caráter das pessoas católicas, como sua atitude quase doentia ante o sexo, podem parecer-nos estranhos. Sei que, inclusive, às vezes, poder-se-ia esgrimir argumentos de saúde pública, como sua perigosa e deliberada recusa aos preservativos. Sei também que muitos dos seus costumes, como a exibição pública de imagens de torturados, podem incomodar alguns.

Pronto. Dois parágrafos eu já traduzi. Se quiserem ler o texto completo no original em espanhol, visitem o genial Psicofonías, que me chega via bróde véio Linkillo.

PS: Não consegui ingressos para ver o Tricolor no Morumbi, mas a festa aqui na Vila Romana foi bonita. Parabéns ao São Paulo, pelo primoroso segundo tempo. Agora é só não amarelar em Nuñez.

PS 2: Depois do Santo André ano passado, parabéns ao Paulista de Jundiaí, campeão da Copa do Brasil de 2005. Meu palpite para a Copa do Brasil do ano que vem: Noroeste de Bauru.



  Escrito por Idelber às 03:59 | link para este post | Comentários (23)



segunda-feira, 13 de junho 2005

Chegou!

O gonzoblogueiro - jornalista - escritor - enfant terrible

que elevou à ARTE a inovação CARDOSIANA de modulação de ênfase via MAIÚSCULAS,

comentarista mais AMADO da blogosfera,

enciclopédia do rock e, last but not least,

autor de Sexo Anal,

Luiz Biajoni

tem BLOG!

PS: Tudo confirmado para Sampa, estarei super hospedado na Vila Romana. Vamos ver se esses paulistanos biritam mesmo como dizem.



  Escrito por Idelber às 12:56 | link para este post | Comentários (15)



quinta-feira, 09 de junho 2005

Pátrias, Perguntas e Links

Da Série Felicidade em Estado Puro:
Blogueiro e filha cantarolam: ouviram do Ipiranga as margens plácidas / de um povo heróico o brado retumbante / e o sol da liberdade em raios fúlgidos / brilhou no céu da pátria neste instante / . . . / se em teu formoso céu risonho e límpido / a imagem do Atlético resplandece

Laura: pai, o que é resplandece?
Blogueiro: resplandece é ‘brilha’, minha filha.
Laura: e o que é pátria?
Blogueiro: pátria é o país em que a gente nasce. Por exemplo, o Brasil é nossa pátria . . . hmmm, eerrr, quer dizer (blogueiro lembra-se que a filha nasceu nos EUA), o Brasil é a sua pátria porque você mora no Brasil e é filha de brasileiros, mas os Estados Unidos também são a sua pátria, porque você nasceu lá. Você tem duas pátrias.
Laura: heheheheh. Eu teeeeenho duas pátrias, eu teeeeenho duas pátrias!!

Da Série Blogueiro-Viajante:
Já está disponível o programa do encontro organizado pela UNESP sobre “Desconstrução e Contextos Nacionais”, que acontece em Araraquara nos próximos dias 20-22 e reúne especialistas brasileiros, norte-americanos e africanos na obra de Jacques Derrida. Meu agradecimento à UNESP pela honra deste convite. Meu trabalho já está quase pronto.

No caminho prá lá, de 18 a 20, final da semana que vem, zanzo por Sampa – depois de não sei quantos anos. Para o dia 18 à noite já está combinada uma birita. Pilotam a coisa Luiz Biajoni e Marcos Donizetti. Gostaria de deixar o convite ao Inagaki, à Bibi, ao Marmota, à Fal, ao Pedro e a todos os amigos blogueiros de São Paulo para acompanhar este mineiro que na certa vai estar meio perdido naquele mundaréu de cidade.

Da Série Falaram de Nóis:
Menções bacanas, gentis, divertidas do Biscoito, aqui no Cardoso, lá nas Megeras, ali no Por um Punhado de Pixels, acolá no Marmota, mais ali no Pedro Alexandre Sanches, na fantástica Bibi , no Horvallis e esse absurdo de generosidade da Fal comigo, em dose dupla, em diálogo com Ester no Porca e Parafuso e lá no Focando. Muito obrigado mesmo. A casa agradece.

Da Série blogroll-esticando-I:
Hoje eu faço 54 anos. Olho para a margem esquerda e vejo 8 meses sem fumar, uma crise de abstinência dos infernos, depressão, terapia, dívidas, muitas dívidas. Seu eu soubesse que parar de fumar era isso, jamais teria parado. E o pior é que não dá pra voltar atrás. O vínculo com o cigarro se quebrou e isso é irreversível. Estou no meio do maremoto sem tábua de salvação. Parei de fumar e acabei dando num lugar totalmente outro. O deslocamento e a insatisfação são absolutos. Não era nada disso que eu queria. Eu gostava tanto da vida que eu tinha antes, da pessoa que eu era antes, por que virei essa outra?

Não, não sou eu e minha luta contra o cigarro. É este post de um dos melhores blogs que já descobri, a Doidivana. Obrigado pela lembrança, Ana.

Da Série blogroll-esticando II:
Um dos meus favoritos entre a nova geração de escritores brasileiros, Santiago Nazarian, autor do extraordinário A Morte sem Nome, já tem blog.

Da Série não-era-para-acontecer:
Meu Firefox fechou na minha cara quatro vezes hoje. Que porra é essa?

Da Série gente-que-não-trepa-e-não-quer-que-os-outros-trepem:
Hoje eu vi na televisão um gramático esbravejando que nossas conversas no MSN ameaçam "a integridade da língua portuguesa". Quando escutarem essa bobajada, mandem prá cá para discutir sociolingüística. Gramáticos bolorentos.

Da Série fico-sem-fala:
Há certos posts do Nelson Moraes que são tão sensacionais que eu nem comento.

Da Série sou-só-um-expatriado-perguntando:
Se 11 entre 10 pessoas que entendem de futebol neste país detestam o Galvão Bueno, como é que o homem continua lá, pelamordedeus? Eu juro que eu não ficaria resmungando se a gente tivesse a alternativa de mudar de canal. Mas na terra da "livre iniciativa" e das privatizações que "fazem bem à economia", a transmissão do futebol é monopólio. Então berremos.



  Escrito por Idelber às 23:39 | link para este post | Comentários (29)



terça-feira, 31 de maio 2005

Drops

1. Já é oficial, então posso anunciar: o 6º Salão do Livro de BH, que acontece de 11 a 21 de agosto deste ano, incluirá no dia 12, sexta-feira, uma mesa sobre blogs e literatura (não, não será aquele velho papo de se blog é literatura, não). O Salão, junto com o Biscoito, estenderá o tapete vermelho para receber dois paulistanos muito especiais: Alexandre Inagaki e Fal Azevedo comporão comigo essa mesa no evento. Promete-se transmissão ao vivo e outros babados. Dizem que um certo grande pandeirista aparecerá. Quem é de BH está intimado a aparecer. Quem não é daqui e quiser visitar, é ótima época. Vem Afonso Avila, vem Silviano Santiago, vem Millôr Fernandes, vem muita gente boa.

2. Da série livros maravilhosos que me esperavam aqui em BH: obrigado ao poeta mario cezar coivara pelos dois volumes, coivara e maturi. Poeta extraordinário mesmo, que eu admiro e desde sempre linko no Biscoito. Em maturi, diz coivara:

porque não descansarei
enquanto a doutrina da água
não entregar o prefácio do beijo

Missiva recebida com gratidão, poeta. Em breve, resenha mais detida da poesia de coivara. Enquanto isso, visitem o blog.

b. obrigado à caraqueña Prof. Teresa Cabañas por um livro precioso, A Poética da Inversão: representação e simulacro na poesia concreta (Goiânia, 2000). Desde o ano em que o Coritiba foi campeão brasileiro, a Prof. Teresa é nossa co-cidadã aqui na pátria amada. Pós-graduou-se na Unicamp e hoje é professora da Federal de Sergipe. Honra-nos, estudando e lecionando a nossa literatura. Obrigado pelo livro, Teresa.

c. De Victoria Howitz, da Fundación Antorcha, República Argentina, eu agradeço esse livro alucinante que é a Antologia Bilíngüe Puentes / Pontes (Fondo de Cultura Económica, 2003), de poesia brasileira e argentina contemporânea. Não dá para começar a descrever esse livro. Comprem! 20 brasileiros e 20 argentinos, todos em ambas as línguas. Do Brasil, feras como Cacaso, Ana Cristina César, Leminski, Wally Salomão. Da Argentina feríssimas como Perlongher e Pizarnik. Imperdível. Obrigado, Victoria.

d. falando de Argentina, chegam à BH os livros do visitadíssimo Daniel Link. Linkillo é o blog não-brasileiro que mais manda leitores ao Biscoito. Thanks, bro.

e. de Michael Bérubé chega o pagamento da aposta do torneio universitário de basquete. Maravilhoso livro de Michael sobre a experiência com Jamie, seu filho que tem síndrome de down, e uma bela antologia de ensaios sobre estudos culturais. Thanks for being gracious in defeat, bro.

3. Ajude o Mauro Amaral, gente finíssima do Carreira Solo e designer do selinho do Decálogo dos Direitos do Blogueiro, a ganhar um iPod. É só cadastrar-se nesta promoção do Buscapé.

4. Reforma Universitária: O intenso calendário com meus filhos e com o trabalho acadêmico ainda não me permitiu ler muito mais além do próprio texto do projeto de Reforma Universitária. Ainda há algumas leituras que quero fazer. Mas sabem? eu sou muito amigo e velho compadre de uma das pessoas mais top no referente à educação superior no Brasil hoje, a Reitora da UFMG, Presidente do Conselho de Reitores do Brasil (e membro do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social de Lula) Dra. Ana Lúcia Gazzolla. Ainda não procurei Ana Lúcia por puro respeito ao alucinante horário que ela tem hoje (que inclui regulares aparições no Jornal Nacional, reuniões com o Ministro, e tal). Mas até papear com Ana Lúcia não emitirei opinião sobre a Reforma. Ela tem suas razões para ser contra as cotas, eu tenho minhas razões para ser a favor; e quero escutá-la. Mas pelo que li da Reforma, até agora, ela me parece epidérmica. Nada ali é ruim necessariamente, mas nada altera muita coisa. É uma primeira impressão.

5. Nesta quarta-feira, a partir das 8:30, no Glutões (da Cidade Nova, rua Júlio Otaviano 500 e pouco), vamos nos reunir para a cervejada o Biscoito, o NCC e Monicomio e amigos. Estão convidados todos os blogueiros de Belo Horizonte, viu? Se algum louco quiser dirigir um FIAT de Sampa até aqui para nos ver, maravilha.

6. Patrocinado pela Funarte e pela Petrobrás é o Projeto Pixinguinha, que passeia pelo Brasil divulgando a obra do Maior de Todos com três grandes instrumentistas: Antúlio Madureira, Lia de Itamaracá e Roberto Mendes. A brincadeira viaja pelo Brasil mas começa hoje, em BH, às 21 no Teatro Alterosa. Quem sabe a gente atrasa a cerveja um pouquinho?

7. Está cancelada até segunda ordem a Fenomenologia da Fumaça. Cansei de escrever toda semana sobre isso. Ando segurando a onda razoavelmente bem.

8. Está impagável o post do Cardoso sobre o Miss Universo. Êta blog bom.

9. Neste fim de semana assisti seis partidas do Campeonato Brasileiro. Estou horrorizado. Equipes medíocres, violentas, sem criatividade no meio-de-campo, funcionando na base do chutão e do chuveirinho, inúmeros passes errados, arbitragens horrendas, tudo sem inspiração. Enquanto isso, claro, Ronaldinho Gaúcho e Kaká encantam a Europa.

10. Depois de uns 22 anos lendo a Folha, o meu jornal diário passou a ser o Globo. É uma decisão que vem amadurecendo já há umas semanas. Isso não quer dizer que eu deixe de olhar a Folha (ou o NYT ou o Página 12). Mas o meu jornal de todo dia passou a ser o Globo. Estou curtindo a variada.


PS pós-cervejada: Foi deliciosa a reunião de blogueiros de BH. Batemos papo como se fôssemos velhos amigos. O relato e as fotos do encontro estão lá no Prás Cabeças.



  Escrito por Idelber às 22:13 | link para este post | Comentários (32)



sábado, 21 de maio 2005

Links

Alguns links para vocês:

Assombrosa entrevista com um dos principais jornalistas investigativos do Brasil, Cláudio Tognolli, que conta tudo, desde o preço de tabela para se livrar alguém de um flagrante por maconha no Rio ou em São Paulo até a história de como foi espancado no Haiti.

Boa novidade: a TV Record foi condenada na justiça por alguns de seus muitos insultos contra as religiões afro-brasileiras. Mestre Nei Lopes tem a história aqui e aqui.

Belo texto do Marcos VP sobre o rádio, veículo que mais cresceu nos últimos anos nos EUA.

Muito lúcidas observações de Julio Daio Borges sobre alguns dos melhores blogs do Brasil.

Continua o debate lá no Túlio sobre o direito das empresas lerem o conteúdo dos emails enviados pelos funcionários. Todos os argumentos apresentados em favor dessa prática até agora me parecem fracos. Pode-se perfeitamente monitorar o uso do email com a proibição de certo tipo de attachment, ou com a limitação das mensagens a um certo tamanho, ou medidas semelhantes. Ler conteúdo do email dos outros me parece violação pura e simples de direito constitucional à privacidade. O que é freqüentemente esquecido nessas discussões é que a esmagadora maioria dos usos a que se prestam essas leis, uma vez aprovadas, são usos relacionados à censura política, à chantagem, à intimidação. Essa história de que precisam ler email de funcionário para ver se eles estão trocando foto de mulher pelada na hora do expediente é conversa para boi dormir.

Luma deixou no post de ontem ótimas dicas de convívio eletrônico: alguns parentes e amigos meus fariam bem em visitar aquelas dicas. Eu tenho parentes e amigos íntimos que até hoje enviam spam. Eu já tive um parente que me enviou, como spam, um texto meu com nome de outrém: não é o cúmulo da vergonha? Enviar ao próprio autor o seu texto reprocessado como lixo eletrônico com nome falso. Parentes e amigos queridos: não enviem spam. Não passem para frente o lixo que recebam pela internet. Ninguém que eu conheça que trabalhe online o tempo todo e com um volume grande de emails, ninguém mesmo, gosta de receber joguinho, filminho, animação-zinha, corrente-zinha ou piadinha por email. Os que trabalhamos com email o tempo todo abominamos isso. Parece incrível, mas com o filtro de Tulane eu praticamente estou à salvo do spam - exceto aquele enviado por parentes e amigos bem próximos. Com o tempo que você forwardeia lixo você pode escrever um email pessoal, Fulano, pensei em você, abraço. Será motivo de alegria para quem receba, de uma forma que o lixo em forma de corrente jamais será.

Lá na imprensa argentina andam dizendo que o Pasarella vai processar o goleiro Fábio Costa porque este o teria chamado de "lobo em pele de cordeiro". O blogueiro Guillermo Piro se pergunta: e se tivesse sido "filho da puta"?

Sabe-se que o Irã é um dos países que têm a blogosfera mais ativa. Vale a pena acompanhar este blog coletivo criado a propósito da eleição presidencial que se avizinha.

Enquanto isso, o pântano do império só piora.



  Escrito por Idelber às 03:13 | link para este post | Comentários (6)



sexta-feira, 20 de maio 2005

Links, Email, Viagens

1. Sobre a aniversariante: meus parabéns e muitas felicidades à amiga e conterrânea Mônica. Feliz Aniversário!

2. Uma decisão judicial do TST garantiu à HSBC Seguros o direito de manter a demissão por justa causa de um funcionário que teve sua correspondência eletrônica violada pela empresa. Ou seja, estabeleceu-se um precedente perigoso de violação de privacidade com sanção legal. O Prof. Túlio Vianna conta a história. Aos amigos que acreditam que é justificada essa decisão, há que se recordar uma diferença importante: a conta de email que usa o indivíduo pode ser cedida pela empresa, mas o conteúdo escrito pertence ao indivíduo que escreve e ao destinatário. Se é necessário controlar o abuso pessoal de contas de email profissionais, lembre-se que é perfeitamente possível fazê-lo sem ler conteúdo, como diz o Túlio. Note-se também que sempre que se impõem essas leis, elas terminam invariavelmente sendo usadas para a censura, a chantagem e a intimidação.

3. Eu aderi à campanha contra os CDs anti-cópia. O CD anti-cópia é uma artimanha da indústria fonográfica que viola seus direitos de consumidor, ao impedir até mesmo que você duplique o CD que comprou para, por exemplo, ouvi-lo no carro. Aqui está o selinho da campanha, que eu peguei no Sovaco de Cobra:

anticopia.gif

4. Por falar em selinhos, Gejfin fez o selinho da campanha contra os Garotinhos.

5. Das maravilhas de se ter um blog. Uma pesquisadora de música colonial achou meu ensaio sobre a música popular mineira do Clube da Esquina ao heavy metal e enviou-me um email. Essa pesquisadora, que prefere permanecer anônima, dizia no seu email:

Às vezes fico realmente fascinada com o ótimo nível que alguns blogs têm atingido, o que me faz discordar da velha maldição chinesa e agradecer por viverem tempos tão interessantes. O seu ensaio a que refiro é o "De Mílton ao Metal: Política e Música em Minas", que encontrei "googleando", pesquisando sobre música mineira. Na verdade estava procurando por música mineira do período colonial, a música sacra, sobre a qual estou pesquisando para o próximo livro. Apenas comecei a ler seu artigo e achei que não me interessava. Continuei lendo um pouco mais e comecei a traçar paralelos. Se cabíveis, não sei, mas na época me pareceram muito lógicos. A certa altura você diz: "Do Clube da Esquina ao Sepultura, cifram-senão só relações entre tradições mineiras e códigos da música ocidental, mas também duas formas distintas de vincular a música com a cidadania" E eu anotei que talvez na música colonial também podemos traçar esse mesmo paralelo: música e cidadania. Pois, o que faziam os compositores e músicos mulatos do Setecentos? Buscavam exercer a sua cidadania – mesmo sem o saber, em alguns casos - em um regime escravocrata que os excluiria, de uma forma um pouco mais branda do que no resto do país, por várias razões, se não aceitasse a "necessidade" da sua arte. A música sacra/clássica, de altíssimo nível, era a música popular da época, feita por e para satisfazer as massas, mesmo que não assuma isso. Mais palavras suas: "Em quatro obras-primas lançadas nos anos 70 (Clube da Esquina, Minas, Gerais, Clube da Esquina II), Mílton sintetizaria a toada mineira, a bossa nova, o jazz pós-bop, o rock pós-Beatles, o canto gregoriano, ritmos folclóricos como a Folia deReis e gêneros hispano-americanos como o bolero e a nueva trova." -Tínhamos também essa "salada", com músicos que se valiam de todas as referências que chegavam até eles, amalgamando e criando algo novo e surpreendente, não apenas para o Brasil (...) Sei que pode ser uma ligação um pouco forçada, pelas diferentes condições sociais e políticas das épocas em questão, mas... E olha isso: "O dado é importante porque nos anos 70 a música de Mílton - com a rica textura de suas melodias, a alternância inaudita de contraltos e sopranos de sua voz, a melancólica e corrosiva poesiade Brant, Bastos ou Borges - havia sido referência obrigatória para a MPB "de oposição". Melancolia, poesia, etc., estava tudo lá. Não é nada novo, o Clube da Esquina poderia muito bem ser comparado a uma das muitas irmandades do período colonial, principalmente à de Santa Cecília que, em Minas, teve que mudar os seus centenários estatutos para aceitar os nossos músicos pobre e mulatos. São coisas que me arrepiam! Mudanças que se fizeram por e pela arte, em uma sociedade caótica em várias sentidos. A música sacra mineira daquela época também era de "oposição", se não na "composição", mas na sua essênciae no seu valor, no que ela tinha de desafiante. E provavelmente teria dado em uma nova "Coração de Estudante", um hino à nova república, mineira ou brasileira, a depender do sucesso da Inconfidência.

É uma das maravilhas da internet: em outras épocas, eu continuaria meu trabalho sobre música contemporânea e ela seguiria o dela sobre música colonial sem que jamais nos encontrássemos. Pelo blog, eu tive a sorte de que ela me achasse. Conterrânea, obrigado pelos maravilhosos emails.

6. O pau continua comendo no post sobre o melhor time do Brasil na era pós-Pelé.

7. A frase do dia vem do meu amigo argentino Federico Galende, e já foi compartilhada com os camaradas do blogleft: "Quando insistem com você que apóie algo intolerável para que a direita não volte, pode saber que é porque ela já está no poder". Dizer que há que se aceitar isso ou aquilo para que a direita não volte é, no meu modo de ver, um dos tics que definem a . . . direita!

8. Para ilustrar o ponto anterior: Quem lê os jornais já viu, mas não custa repetir aqui o incrível diálogo entre dois parlamentares petistas anteontem. A minha fonte é a Folha. Aloizio Mercadante (SP) diz: "a crise política é um complô das elites para desestabilizar o governo Lula". Lúcido, o petista Delcídio Amaral (MS) retruca: "ô Mercadante, a elite somos nós".

9. Sobre a CPI dos Correios eu não falo, mas perguntar não ofende: o que fazia o Secretário de Finanças do PT, Delúbio Soares, na reunião da bancada petista no Congresso que debatia a CPI? Desde quando tesoureiro de partido participa de reunião da bancada?

10. Durante mais uma semana, este Biscoito denunciará a confusão de estar sendo produzido em meio a caixas de mudança. Dentro de oito dias, o blog começa a transmitir direto de Belo Horizonte, que será sua morada pelos próximos oito meses, com a exceção do mês de outubro, durante o qual o Biscoito transmitirá direto de Santiago, Chile. Por falar em viagens, qual seria um bom momento para visitar vocês aí em Porto Alegre, hein? Saudade do churrasco.



  Escrito por Idelber às 03:27 | link para este post | Comentários (23)



sábado, 14 de maio 2005

Drops, Links e Minicontos

O gentilíssimo Luiz Gravatá, d’O Globo, me entrevistou. Dizem as más línguas que a entrevista sai na sua coluna de segunda-feira, com foto e tudo. A quem puder guardar um exemplar d’O Globo de segunda para mim aí em Belo Horizonte, eu fico agradecido. Foi fantástica a experiência. Êta baiano fino!

Por falar em Belo Horizonte, parabéns às Motherns pelo sucesso no lançamento do livro Mothern: Manual da Mãe Moderna, tanto em BH como no Rio de Janeiro.

********

Maravilhas que eu acho no Boing Boing: Uma versão do antigo jogo “Banco Imobiliário” para blogueiros. Bibi também gostou. Aliás vocês sabiam que o Boing Boing fatura quarenta mil dólares por mês? Parece inacreditável, né?

*********

O leitor Penalva relata que meu texto sobre o Galo voltou a ser atribuído a Armando Nogueira, desta vez no programa de esportes da TV Alterosa, filiada belo-horizontina do SBT. Qual era mesmo a diferença entre blogs e grande imprensa? Nos blogs escreve-se sem verificabilidade e na imprensa as informações são checadas, não é isso que com freqüência se diz por aí? Um jornalista que se preze jamais repetiria o conteúdo de um spam sem conferir a informação, não é mesmo?


**********

No post de ontem sobre as versões musicais o Biscoito recebeu fantásticos comentários. Vale a pena conferir as preferências de todos. Parei para contar qual era a canção da qual eu possuia mais versões no meu iPod e, por conta de uma pessoa muito especial, acabou sendo o clássico soul “Ain’t no sunshine”, de Bill Withers, que tenho na versão dele e nas de: Barry White, Bob Marley, DJ Envy, Eva Cassidy, Jackson Five, Neville Brothers e Sting. A do Sting é a pior, sem dúvida. Minha favorita é a dos Nevilles, que tem um super arranjo para metais.

Aliás, se você tem um iPod, faça o seguinte: copie este disco de Nana Caymmi. Aí vá no “Extras”, selecione “Alarm Clock”, escolha o horário que você quer acordar no dia seguinte. Ligue o iPod na caixa de som. Desperte ao som de "Acalanto" de Nana Caymmi. Você se renovará como se tivesse passado por dois anos de psicanálise. Você se levantará acreditando na paz no Oriente Médio.

**********

Está no ar a nova fornalha de minicontos d’A Casa das Mil Portas. Agradeço a Nemo Nox pelo convite e pela inclusão dos meus textículos. Como a idéia lá é ler aleatoriamente, como numa roleta russa, coloco aqui os meus para quem quiser dar uma olhada. Comentem, inventem outros. Os que eu cometi foram esses:


Tocou e se deslocou. Recebeu, driblou, limpou e bateu. Na trave.


Ao despertar, Monterroso e a garrafa pareciam estar ali.


Quando clicou “enviar” o arrependimento já havia chegado.


“Água fervendo,” lembrou, já na porta. “Foi Deus?”


Ao adentrar o recinto, já encontrou a morte ali.


Quando voltou do cinema, a família ainda agonizava.


“Engolir, eu não engulo”, disse antes de engasgar.



  Escrito por Idelber às 02:56 | link para este post | Comentários (16)



terça-feira, 10 de maio 2005

Notas de leitura

1. Se você conhece algum corno na região metropolitana de São Paulo cuja esposa possa ter usado o pseudônimo de Verônica para fornicar com este depravado, favor avisar à Tradição, Família e Propriedade. É o LLL de volta a seus dias de glória.

2. O gente finíssima, adorado Luiz Gravatá, chegou bem à gringolândia e se encontra num congresso em São Francisco.

3. Alexandre Inagaki, o maior hub da blogosfera brasileira, ponto de convergência de tanta história, está de template novo inagurado com um post para fechar o meme dos livros.

4. Marmota fez um belo post, e eu dei um pitaco, sobre a relativa ausência de blogs brasileiros que façam o trabalho de imprensa independente.

5. O infindável forno de crônicas de Lucia Carvalho desta vez nos presenteou com uma investigação dos mistérios do entupimento.

6. Aderi aos RSS feeds: já estou cadastrado com mais de 120 feeds, inclusive de uma série de blogs gringos que eu não lia mais. Para quem não sabe, o RSS é Real Simple Syndication, uma “assinatura eletrônica” que agrega para você, num mesmo site, os posts de todos os blogs que assinar. É só abrir uma conta na bloglines e acrescentar o código RSS que você encontrará na maioria dos blogs. O do Biscoito é este aqui. Modéstia às favas, a lista dos que assinam os feeds do Biscoito é de respeito.

7. Na blogosfera feminista gringa: há um debate interessante sobre blogrolls. Shelley do Burningbird e a Lauren do Feministe apagaram os seus (e ao invés deles simplesmente tornaram públicos os seus RSS feeds, como faz, por exemplo, a Bibi). Elas o fizeram em parte para carregar mais rápido mas em parte para acabar com a perene angústia de saber se falta linkar alguém, se alguém está se sentindo excluído por não ter sido linkado e tudo o mais. Bitch Ph.D. discorda e lembra como é importante o blogroll dos blogs maiores para o fluxo de visitas dos menores. Como a Bitch Ph.D., eu acho que jamais abriria mão do meu blogroll. E faço questão de linkar os blogs "menores" dos quais eu gosto. Às vezes demora, mas faz-se.

8. Viagens: queridos amigos porteños, estarei em Buenos Aires de 23 a 27 de agosto para o congresso do ramo latino-americano da IASPM, Associação Internacional para o Estudo da Música Popular. A IASPM é uma organização mundial que existe desde 1980 e reúne musicólogos, historiadores, sociólogos e quem mais seja que se dedique ao estudo da música popular. Tive a honra de falar numa das plenárias do seu congresso do ano passado, no Rio de Janeiro. Agora é Buenos Aires.

9. Uma das maiores escritoras argentinas vivas, Tununa Mercado, amiga querida com a qual eu não falava há anos, guglou o seu nome. Caiu no Biscoito. Gostou e deixou recado. Bendita blogosfera.

10. Parece que o 6º Salão do Livro de Minas Gerais, a realizar-se este ano de 11 a 21 de agosto, incluirá um evento sobre a blogosfera. Mais notícias em breve.

11. Cardoso inaugurou seu blog no UOL. O homem agora tem dois blogs. Axé babá a esse grande escritor na nova casa.

12. Hoje eu começo a fazer uma das coisas mais tristes que pode fazer um ser humano. Encaixotar seus livros.

13. Eu recebi uma cartinha comovedora de um ser humano de 17 anos de idade. Dizia mais ou menos: "Professor, eu li seus textos sobre política, estou indignado com a injustiça no mundo, quero encontrar formas de participar e lutar. O que devo fazer?"

Às vezes, na internet, a gente recebe perguntas cuja resposta é de uma responsabilidade assustadora.



  Escrito por Idelber às 03:03 | link para este post | Comentários (20)



terça-feira, 19 de abril 2005

Blogueiro convidado: Luiz Biajoni

Hoje o Biscoito vai ser ocupado pelo maior blogueiro sem blog do mundo. Com vocês, Bia Jones.
(confira também a participação do Biajoni no Kit Básico da Mulher Moderna)

MINHA CIDADE NUMA CANÇÃO DE VIC CHESNUTT
Luiz Biajoni

A primeira vez que ouvi falar em Vic Chesnutt foi na revista Showbizz. Interessou e encomendei o CD em uma loja de Americana (SP), onde moro - era a pré-história da internet. Voltava para casa depois do trampo, com uma dor de barriga daquelas. Sonhava com um banheiro. O celular tocou e era o cara da loja, dizendo que o disco tinha chegado. A loja estava pra fechar: tinha que decidir entre agüentar um pouco e pegar o disco ou deixar para o dia seguinte. A curiosidade falou mais alto, e passei na loja. Estava verde.

Voei para casa, rasgando o celofane com os dentes. Entrei, liguei o aparelho, coloquei o disco, play, fui tirando a roupa para o banheiro, o digipack na mão... Vic iniciou "Sleeping Man", primeira faixa de "Drunk" - e eu me aliviando...

Foi tipo uma "experiência mística", manja? De cara, gostei. As próximas músicas não me chamaram muito a atenção... Mas a seqüência das faixas 5 a 7 me impressionou demais. São as faixas que mais gosto nesse disco, especialmente "Gluefoot" que passa a angústia, de forma quase telegráfica, de alguém em uma cadeira de rodas. E aqui tenho que falar um pouco sobre Chesnutt.

Ele tocava em bares em Athens, mesma cidade do pessoal do REM. Numa noite sofreu um acidente de carro que o deixou paraplégico - e com outras seqüelas. A recuperação foi lenta e depois de um longo tempo voltou a cantar. Foi aí que Michael Stipe conheceu e se interessou pela poesia do rapaz - vindo a produzir seu primeiro disco, "Little", gravado em 88 e lançado dois anos depois, quase todo apenas com Vic nos violões. Tristíssimo.

Em 92 o mesmo Stipe deu uma força e fizeram "West of Rome", um disco lindo, maravilhoso do começo ao fim, de uma sensibilidade única tanto nos econômicos arranjos como nas letras enigmáticas, poéticas, de imagens dignas de um Dylan. Comparado com este "West of Rome", "Drunk" (que é de 1993) parece um disco ingênuo, feito às pressas. Claro que a "mão" de Stipe deve ter influenciado bastante.

Bem, foi "Drunk" quem me despertou para esse bêbado louco numa cadeira de rodas e eu passei a comprar seus discos por causa DELE. O ano era 95 e saiu "Is The Actor Happy?". Pensei que seria uma continuação de "Drunk", mais lamentações pelo acidente, mais impossibilidade de amor, mais lirismo pop para curar feridas. Bom, tem tudo isso... Mas é um disco forte, de rock, com uma BANDA; muitas guitarras e letras bem mais trabalhadas. "Sad Peter Pan", "Free of Hope" e "Thailand" se destacam... Mas a música que ouvi por muito, muito tempo e se transformou num hino para mim foi "Onion Soup" - um derramar de frases soltas, extremamente bem costuradas, com muito humor e violões rasgados pra lá e pra cá.

Pois bem. Todos os discos de Vic até então traziam um endereço para correspondência. Um dia fiquei pensando se o compositor podia IMAGINAR ter um fã no Brasil. E escrevi para ele. Nem lembro o que escrevi, com meu parco inglês. Foi algo escrito a mão e começava com "I live in a little town called Americana, Brazil"... Nunca recebi resposta. Não no sentido convencional.

Passado um tempo, fico sabendo que Chesnutt é o novo contratado da Capitol Records. Dá aquela alegria triste de fã: era um cara que quase só eu conhecia e agora todo mundo ia conhecer, ele ia aparecer em programas de TV, ia exibir sua cadeira de rodas, iam explorar o sujeito e talvez ele até ganhasse alguns prêmios... E talvez deixe de fazer a grande arte que faz. O disco saiu, "About to Choke" e eu comprei. Tem um texto de Vic na contracapa: "This album is dedicated to all the good folks that sent me letters and never got a single response..." Ora, ora, pensei. Mas meus pêlos ouriçaram em um verso da segunda música, "New Town". Eis a tradução livre da canção, na íntegra, cortesia de Giul Francischângelis:

Cidade nova cheira a serragem
Cidade Nova, pulsam as multidões
Os gatinhos da cidade nova descobrem que pássaros arranham o chão
E até mesmo as mais solitárias velhas senhoras recebem convites sociais
Onde jantam e falam sobre seus salvadores
E o esforço da população simples para o desenvolvimento
Faz eleger um prefeito sorridente

Cidade nova, Americana (!!!)
Cidade nova, polícia inexperiente
Cidade nova, indústrias são requisitadas para empregar os moradores locais
E um bebê muito pequenino desenha um belo e limpo suspiro
Por cima do ombro de sua mãe sorridente
Ele está olhando atentamente para as maravilhas do mundo
Que se espalham até onde sua visão consegue alcançar
Mas ele irá parar de olhar quando ficar mais velho

Imagine meu susto ao ver o nome "Americana" na música! O que fiquei pensando é que Vic provavelmente tivesse reunido algumas das cartas de fãs e tivesse construído um "disco-resposta" - um caso único na história da música. Mas não sabemos se foi assim mesmo...

De qualquer maneira, essa foi a minha contribuição para o cancioneiro americano. ;>)

--------------------------------------------

"Sweet Relief" é o nome de uma fundação que grava discos e promove eventos em favor de músicos com problemas de saúde e sem condições financeiras para tratamentos. Em 96 a entidade reuniu músicos-fãs de Chesnutt para a gravação de um tributo em conjunto com a Sony. O objetivo era levantar uma grana para Chesnutt, que estava com a saúde debilitada.

Garbage, REM, Soul Asylum, Smashing Pumpkins, Sparklehorse, Índigo Girls, Cracker e Madonna são apenas alguns dos nomes que fizeram versões maravilhosas de canções de Vic.

Depois desse, comprei apenas "Merriment", disco feito com um casal de amigos, os Keneipp. Fraco, é um álbum quase alegre. Alegria não combina com o sujeito.

Sei que foi lançada uma coletânea de lados B ou algo assim, logo depois. E me espantei com a cara de um Vic barbeado, asseado, na capa de "Silver Lake", disco que esteve em todas as listas de melhores do ano em 2003. Desanimei de comprar. Mas um pouco foi por estar com as atenções em outras direções e por faltar dinheiro mesmo.

Cultura custa, enfim.

(Para neófitos que possam se interessar, recomendo essa maravilha, parceria de Vic com o Lambchop. É o disco que está na minha lista da Amazon.)



  Escrito por Idelber às 00:00 | link para este post | Comentários (35)



quarta-feira, 13 de abril 2005

Drops

Da-série-vai-uma-palestrinha-aí I? O blogueiro pega pela última vez um avião antes de desmontar a casa e mudar-se por um ano inteiro a Belo Horizonte. A vítima desta vez é o mui chique Williams College, em dose dupla, uma apresentação sobre a obra monumental de Chico Science e outra sobre o tema da violência e seu tratamento na literatura e na filosofia. Entro no avião domingo. Prometo desta vez não fazer beicinho de angústia no blog.

Da-série-vai-uma-palestrinha-aí II? derrida_logo.jpg

A primeira palestra do ano na pátria amada será num colóquio internacional de especialistas na obra de Jacques Derrida. O colóquio é organizado pela UNICAMP e pela UNESP e acontece em Araraquara, dos dias 20 a 22 de junho deste ano. Quem de forma mais lúcida tem escrito em língua portuguesa sobre Derrida e a experiência filosófica conhecida como desconstrução é o meu caro Evando Nascimento, que estará presente no encontro (sobre a relação entre desconstrução e literatura eu falei um pouco neste livro aqui). É provável que este blogueiro dedique sua apresentação à escrita tardia de Jacques Derrida, aquela mais dedicada a uma reflexão filosófico-política sobre as noções de justiça, de hospitalidade, de exílio. Dizem que o grande escritor e blogueiro Biajoni sairá com o seu FIAT lá de São Paulo para nos ver em Araraquara.

Da-série-linkagem: Há sete blogs argentinos linkados neste momento no Biscoito: Linkillo, de Daniel Link, Salón Mati, de Matilde Sánchez, Conejillo de Indias, de Oliverio Coelho, Rizomas, de Cosmodelia, Diario de Trabajo, de Maximiliano Crespi, Existir apenas levemente, de Xenia Norton e Ultimas de Babel, de Guillermo Piro. Não são os únicos blogs argentinos que estou lendo. São os sete que estão linkados/recomendados no meu blogroll aqui à esquerda. Agradeço ao escritor e amigo Sergio Chejfec o toque sobre os três primeiros, que me permitiram achar os outros. Algo do trabalho dos escritores Daniel Link e Matilde Sánchez eu conheço e admiro, depois posso apresentar. Daniel já fez brincadeirinha.

Da-série-caçando-bons-blogs-latino-americanos: Via Alexandre Inagaki, sempre gentil, chegam links ao excelente Elastico e o insólito Hombre que comía diccionarios. Via Alexandre Cruz Almeida chega link ao finíssimo, super-profissional blog Ecuaderno, feito por um hispano-argentino residente na Espanha (correção sobre a localização deste blog, que eu havia suposto ser equatoriano, feita às 12 de Brasília, a partir da comunicação do autor).

Da-série-fanáticos-de-extrema-direita-dedicados-a-caluniar-os-outros:
Vocês sabem quem é Dave Horowitz? Não? É um infeliz apoiador de George Bush, delirantemente pró-Israel e fanaticamente dedicado a atacar e caluniar qualquer um que se oponha à guerra de rapina do império. Pois bem, este senhor se dedica a fazer um website que inventou uma forma nova de calúnia: uma suposta rede (um "network") que une todo mundo que é contra a guerra de Bush, de Roger Ebert (o famoso crítico de cinema) e Barbara Streisend até os terroristas bin Laden e Zarqawi. Ou seja, segundo esse senhor, quem se opõe à guerra está no mesmo barco dos terroristas. Ele tenta, com calúnias, mascarar o fato óbvio de que são guerras como as de Bush que produzem terroristas como bin Laden. O Biscoito acusa: o sr. Horowitz é um caluniador. Se você lê inglês e quer ver o sr. Horowitz sendo esmigalhado por Michael Bérubé, numa das detonadas mais ferozes dos últimos tempos, clique aqui, depois aqui, logo aqui, depois e finalmente o esmagamento final, que forçou o pobre Horowitz a adulterar correspondência, está disponível acolá. Por que Michael se dedica a desmontar tantas vezes um sujeito tão mal-intencionado? Simples: porque os EUA se direitizaram tanto que extremistas como esse sr. estão conseguindo ter influência até em assembléias legislativas e no Congresso. Qual a importância de mencionar esse caluniador neo-fascista gringo aqui no Biscoito? Nenhuma, a não ser lembrar a vocês mais uma vez a direitização enlouquecida dos EUA e o nível abjeto, patético dos heroizinhos intelectuais da migalha de farrapo de pseudo-filósofo que é aquele sr. Olavo de Carvalho, que tem uma coluna no Globo. Em seu triste, infinitamente triste site, o aspirante-a-filósofo sr. Olavo dedica-se a falar de Horowitz como um dos "melhores comentaristas da imprensa conservadora". Pobre imprensa conservadora. Dr. Ho, um caluniador que qualquer dia desses acabará em sérios problemas por difamação, é um dos heróis recomendados pelo farrapozinho-de-pseudo-filósofo-de-quem-ninguém
-do-ramo-no-resto-do-planeta-nunca-ouviu-falar
. Até quando o Globo vai passar a vergonha de ter um sr. tão obviamente extremista, despreparado e picareta nas suas páginas?



  Escrito por Idelber às 02:02 | link para este post | Comentários (49)



sábado, 09 de abril 2005

Post semanal de metablogagem

Eu não poderia começar o post de hoje sem dar uma satisfação a vocês que me deixaram mensagens de encorajamento no momento da angústia da preparação da palestra sobre Julio Cortázar aqui em Rutgers. A palestra correu maravilhosamente. Foi do caralho. Auditório lotadaço. Aperitivos de vídeos com a voz de Cortázar para começar. O grande Tomás Eloy Martínez recordou sua amizade com Cortázar num depoimento comovente. A palestra do blogueiro foi muito bem recebida: gerou perguntas e um debate no qual dirimiu-se completamente o medo de que minha interpretação “crítica” não fosse bem aceita num evento de “homenagem”. A galera basicamente concordou com minha leitura. A discussão continuou durante a tarde, num belo almoço.

Já fui bem tratado em vários lugares, mas este extraordinário departamento de Rutgers passou dos limites. Meu muito obrigado a Marcy Schwartz, que organizou o evento; a Tomás Eloy Martínez, a Graciela Montaldo e a Sergio Chejfec (olho neste escritor, meu caro Ina!), pela recepção amiga. Muito obrigado também a um carinhoso grupo de alunos de pós-graduação (todos do Cone Sul: chilenos ou argentinos) que me levaram para jantar. Sou muito grato a Julieta (que já passou pelo blog), Macarena, Selma, Alfredo, e o casal Felipe e Claudia (e sua filhinha Elisa, bebê tranqüilíssimo). Esta galera já tem onde dormir quando passear em Nova Orleans ou em Belo Horizonte. Eu já falei isso com vocês: se há uma coisa que mineiro não esquece é de quem o recebe bem, com hospitalidade.

Desculpem esses dois parágrafos de rasgação de seda, mas eram necessários. Eu fui tratado bem demais aqui. Na manhã deste sábado saio do hotel mas fico mais um dia em New Jersey. Passo o próximo dia e noite na casa de meus amigos argentinos Graciela e Sergio.

Comecei a achar os sinais de vida inteligente na hispanoblogosfera. É verdade que há muito pouco e que ela não se compara com a nossa. Mas hoje descobri que o editor do suplemento cultural do Página 12, meu caro Daniel Link, de nome bem apropriado, já tem o seu blog. Ainda não escrevi ao Daniel. Podem ir lá assustá-lo com uma enxurrada de visitas. Avisem que falta uma caixa de comentários. Mas o blog é bom.

Por falar em Link, sem trocadilhos, o Biscoito Fino e a Massa linkou hoje sete novos blogs: o belíssimo literário coletivo Focando, o singelo mas potente Bula Bula, o inteligente Rei Açúcar, a nossa amiga teen Menina Prodígio, a minha fiel leitora e blogueira Roberta Febran, o finíssimo Cadernos de Escritura e o sucinto mas constante Cria Minha, o primeiro blog cruzeirense linkado no Biscoito, o que prova nosso compromisso com a tolerância e com o respeito às opiniões divergentes, por mais absurdas que sejam (brincadeirinha, viu Fefê?). Por isso eu não peço nem retribuo link: mantenho o direito de linkar quando já estou lendo e recomendando.

Aqui vai um genuíno parêntesis: todos os novos links, feitos depois da mudança do UOL, aparecem normalmente aqui à esquerda, mas quando estamos dentro do permalink de um post específico, só aparecem listados os blogs já linkados na época da mudança. Alguém saberá por quê? Na certa o grande Fábio ou o grande Rafa terão a resposta, e ela será simples, mas se for muito simples, deixem na caixa de comentários que eu arrumo.

Este blogueiro chegou à preocupante situação de estar lendo 120 blogs regularmente. Se está linkado aqui à esquerda é porque eu visito, em intervalos nunca maiores que três ou quatro dias.

Um par de comentários de ontem, junto com alguns outros do passado, me provocaram a vontade de preparar e prometer para amanhã um novo post: tudo o que você sempre quis saber sobre a Argentina e não tinha blogueiro para perguntar! Se tiver curiosidades sobre história ou cultura ou política argentinas, deixe as perguntas aqui hoje. Obviamente não prometo ter resposta para tudo, mas se não tiver eu procuro. Quero contar-lhes um pouco sobre a história do peronismo, e porque eu acho o momento político argentino tão cheio de transformações reais. Prometo não fazer nenhuma comparação com um certo governo latino-americano do qual se esperava muito.

A caixa de comentários do post de ontem é das melhores da história do Biscoito. Compusemos uma verdadeira coleção de casos de blogueiros conhecendo seus ídolos: Cláudio Simões conta um insólito encontro com Caetano, Felicia narra um lindo encontro com Saramago, Leila nos dá umas das mais belas descrições do presidente Lula e Viva relata uma impressionante visita de Paulinho da Viola. Há muito mais, não deixe de conferir e acrescentar a sua também, se ainda não o fez. Valeu.

PS de atualização, 10 de abril, 19:30 de Brasília: Há uma informação desatualizada neste post, culpa do vício incontrolável por blogs, que já não me deixa tempo para ler jornais com a atenção que deveria. Meu caro Daniel Link me informa que já há nove meses ele não é o editor do caderno literário do Página 12. Minha informação estava uma gravidez atrasada! Fica o agradecimento ao Daniel e a correção.



  Escrito por Idelber às 00:41 | link para este post | Comentários (30)



quarta-feira, 06 de abril 2005

Congratulations, Michael Bérubé

public_cover.gif

O meu blog favorito chegou hoje à incrível marca de 1 milhão de leitores em quinze meses de existência! E não é um blog de mulher pelada, não: é pensamento crítico e, às vezes, sátira, da mais fina.

Michael Bérubé é personagem central dos chamados 'Estudos Culturais', corrente universitária à qual eu também pertenço, e que busca elaborar instrumentos de análise de formas pop (canção, cine, TV, cultura online) que mantenham tanto o compromisso político progressista como o diálogo com a filosofia européia do século XX. Ser seu colega em Illinois foi um grande aprendizado e ter mantido a amizade ao longo dos anos, outra alegria. Michael tem sido uma de nossas principais vozes nas trincheiras que tivemos que armar contra a avalanche cultural da direita nestas últimas duas décadas nos EUA. Uma dessas trincheiras é o livro reproduzido acima, Public Acess. A história dessas várias polêmicas pode ser acompanhada em alguns de seus ensaios.

Quando nasceu seu segundo filho, Jamie, diagnosticado com Síndrome de Down, Michael passou a ler tudo o que havia sobre o tema. Dentro de um par de anos, era uma das maiores autoridades do assunto e havia produzido este cativante livro, Life as we Know it,

life_cover.gif

que conta toda sua relação com o campo dos estudos da deficiência e o seu amor por Jamie, claro. Diga-se de passagem que hoje Jamie é um feliz garotão de 6a série, queridíssimo, com rendimento fantástico na escola e planos de ser biólogo marinho.

Para comemorar esta mui especial ocasião, Michael Bérubé ofereceu de presente ao milionésimo leitor o mais recente livrinho deste escriba, The Letter of Violence. Propagandazinha de graça, hoho.

Agradeço ao Michael esse jabá e parabenizo-lhe pelo milionésimo leitor. O post desta especial ocasião foi Bérubé no melhor estilo, desmontando a mais sofisticada leitura que os conservadores conseguiram produzir do caso Schiavo. Quem quiser, pode passar lá no Michael e dar os parabéns - by the way, ele entende português.



  Escrito por Idelber às 12:56 | link para este post | Comentários (2)



segunda-feira, 04 de abril 2005

Caso Importante na Suprema Corte Americana envolvendo Direito Intelectual

É um caso que vai estabelecer precedentes no tratamento da lei de copyright, portanto é bom acompanhá-lo de perto: a Suprema Corte dos EUA começou a ouvir esta semana os argumentos do processo MGM versus Grokster. Mais uma vez posando de defensor dos criadores intelectuais, o cartel do entretenimento, capitaneado pela MGM, quer fazer o sofware Grokster responder pelas trocas ilegais de arquivos feitas na internet com o programa. Os advogados do Grokster argumentam – logicamente – que o programa foi desenvolvido para usos legais e que os criadores do software não tem controle sobre os usos dele feitos na internet. Impugná-lo porque há usos ilegais do mesmo seria como ter proibido a máquina de xerox quando ela foi inventada.

Há tempos a indústria do entretenimento vem tentando estrangular o compartilhamento de arquivos na internet, fazendo dele um bode expiatório para a severa crise que atravessam as indústrias discográfica e cinematográfica. Lembremos o óbvio: não há nenhuma prova de que haja uma relação causa-e-efeito entre o desenvolvimento de tecnologias de compartilhamento de arquivos online e a paulatina queda das vendas da indústria de discos e de bilheterias na indústria de filmes.

Espera-se uma decisão final no MGM v. Grokster para junho ou julho. O Biscoito, interessado em questões de copyright e direito intelectual, acompanha de perto.

PS de esporte 1: O Biscoito comemora seu primeiro acerto nas previsões para os campeonatos estaduais. Em fevereiro contrariamos os especialistas e previmos corretamente que o caneco iria para o São Paulo, que faturou ontem o título com duas rodadas de antecedência.

PS de esporte 2: O Biscoito saúda Lucia Malla e toda a torcida do Fluminense, pela bela tamancada de ontem no Flamengo. Como é linda essa camisa do Flu com listras verticais verde, grená e branca. Que os amigos flamenguistas não fiquem bravos: pelo time que tinham, sabem que chegaram longe demais.

PS de esporte 3: Eu passei pelo site Colorado Portão 8 e fiz o vestibular da história do Sport Club Internacional. Olha que chique: acertei todas as vinte perguntas, e juro que não "guglei" nenhuma.

PS de esporte 4: A TV a cabo brasileira passa o jogo final do basquete universitário estadunidense? Ele acontece na noite desta segunda, às 8:40, horário da costa americana leste, 11:40, horário de Brasília. Se for passar, eu recomendo mesmo. É muito bom.



  Escrito por Idelber às 02:30 | link para este post | Comentários (20)



quinta-feira, 31 de março 2005

Drops de Agradecimentos e Planos

Vejam a equipe da pesada à qual eu devo gratidão: este blog não estaria celebrando sua mudança se não fosse o trabalho monumental de Fábio Sampaio, que converteu a barafunda uólica (a expressão é do poeta Inagaki) para formato padrão Movable Type. Se estamos aqui hoje, é graças ao Fábio. Agradeço a Nemo Nox pela confecção deste layout (que eu adorei) para o Biscoito e pela ajuda no começo do processo. Sou grato também a Rafael Galvão por incontáveis instâncias de ajuda com a compra de domínio, hospedagem e perguntas eventuais sobre o MT, a Tiagón pela ajuda no começo da trombada com a barafunda uólica, a Alexandre Cruz Almeida por todo o apoio no começo e até hoje, e a Tata pela interlocução sobre cores, desenhos e muito mais. Obrigado de coração.

O Decálogo de ontem rendeu assunto: Mauro Amaral, do Carreira Solo, fez um lindo selinho, para quem quiser colocar em seus blogs. Eu já embuti, no selinho, o permalink ao decálogo. Circulem à vontade:
DECALOGO.jpg

Não passará inomeado Alexandre Lemos Avelar, 8 anos de idade, que ontem operou e pilotou a caixa de comentários de um blog pela primeira vez, sem problemas. Gostou do Movable Type. Laura, de 4 quase 5 anos, também andou lendo o blog, embora ainda não tenha pintado ainda na caixa de comentários.

Os posts mais antigos ainda não estão no formato correto (embora toda a informação esteja lá) e muitos ainda não estão catalogados nestes 8 ou 10 tópicos da esquerda. Pouco a pouco eu vou arrumando. Os comentários, bom, esses pode ser que sejam importáveis, pode ser que não. Como se lembram, o UOL tem um sistema louco, onde não se abre permalink nenhum, e os comentários estão lá num espaço-zinho virtual trancado. Há 2000 comentários lá no UOL, que eu eu adoraria trazer. Se valer a pena importar, a gente importa. Se não, paciência.

Próximos passos do blogueiro: trocar o IE pelo Firefox, fazer a licença da Creative Commons (sugestão aguda de Bibi) e comprar um microfonezinho para começar a podcast!

Um dos temas sobre os quais o Biscoito vai enfocar alguns posts nas próximas semanas é a história da Palestina desde o final da década de 1940. Por enquanto, eu queria deixar com todos os que lêem inglês esta sugestão de relato histórico sobre o assunto.



  Escrito por Idelber às 00:41 | link para este post | Comentários (33)



quarta-feira, 30 de março 2005

Decálogo dos Direitos do Blogueiro

10. Toda blogagem se dará em paz e exercitará a liberdade de expressão inerente a qualquer democracia. A blogagem estará a salvo de perseguição política, religiosa ou doutrinária de qualquer caráter. O blogueiro será livre para dizer o que lhe venha à telha, desde que, obviamente, não cometa com a linguagem crimes de calúnia ou plágio.

9. Todo blogueiro terá o direito de passar um dia sem blogar e não receber mensagens alarmistas, preocupadas ou encheção de saco. Os blogueiros serão poupados de receber emails com gritaria ou esbravejação em letras maiúsculas e, no caso de recebê-los, serão livres para exercitarem o direito de ignorá-los ou apagá-los.

8. Todas as blogueiras terão direito de blogar em próprio nome, em pseudônimo ou em heterônimo como lhes apraza, de forma exclusiva ou simultânea. Assim como todos os outros direitos nomeados aqui preferencialmente no feminino, este também se aplica, evidentemente, aos homens que possam, saibam ou ousem exercitá-lo.

7. Sendo publicitário, funcionário público, palhaço, vendedor de seguro, jogador de futebol, aeromoça, professor universitário, paquita, lixeiro ou desempregado nas horas vagas, o blogueiro tem direito de não ser importunado, agredido, chantageado ou ofendido por sua escolha ou necessidade profissional fora das horas de blogagem.

6. Todas as blogueiras terão direito de livre associação em quaisquer grupos, incluindo-se aí grupos com objetivos e programas contraditórios. Entender-se-á a blogagem sobretudo como um direito à coexistência bizarra, insólita e feliz de diferenças na internet. Na blogosfera haverá paz de se retribuir as visitas ao blogs de cada um na devida temporalidade baiana que deve reger as coisas, sem pressa, sem culpa e sem cobrança. Ao visitar o blog alheio o blogueiro também temperará o natural desejo da recíproca com semelhante tranqüilidade.

5. Toda blogueira estará livre de qualquer responsabilidade sobre afirmações feitas por outras pessoas em seu blog. Nenhuma blogueira poderá ser interpelada, processada ou censurada por ofensas ditas por outrem em seu blog. Caso alguma pessoa se sinta ofendida por algum comentário e reclame, a blogueira terá amplo tempo para decidir qual a atitude correta de anfitriã que exercita seus direitos de cidadã numa democracia onde àqueles correspondem, é claro, deveres também.

4. A todo blogueiro será garantido o direito de promover votações, concursos, citações, retrospectivas, autolinkagem ou reciclagem sem ser acusado de estar ficando sem assunto.

3. Todo blog terá liberdade absoluta de linkar, deslinkar e relinkar como lhe preze, entendendo-se que a linkagem é ato livre, unilateral e jamais significa, por si só, um endosso de conteúdo do site linkado. Todo blogueiro terá paz para ir linkando aqueles que o linkam ou não, na medida em que ele vá viciando-se em blogs.

2. Todo blogueiro terá o direito de exercitar periodicamente o direito de dizer abobrinhas sobre assuntos que não entende, de tal forma que os blogs de futebol serão apoiados quando resolvam falar de música e os blogs de economia contarão com a compreensão geral quando decidam falar sobre a composição do vinho. Mais bobagem que certas revistas semanais blog nenhum conseguirá dizer.

1. Todo blogueiro terá o direito de propor decálogos incompletos – eneálogos, na verdade – e solicitar ser completado, corrigido ou auxiliado pela caixa de comentários. Esqueci de alguma coisa? Sejam bem-vindos.



  Escrito por Idelber às 02:26 | link para este post | Comentários (72)



terça-feira, 29 de março 2005

Considerações sobre UOL, blogs e portais no dia da saída

Eu acho que eu já falei isso com vocês aqui no blog: mineiro não sai chutando a porta. Neste último post aqui queria agradecer a hospitalidade do UOL, apesar de seu enfurecedor e incompreensível verificador anti-spam. Se este blog conseguiu média de 500 comentários por mês com essas letras sob tortura, tudo indica que no novo pontocom temos condições de transformar o blog naquilo que eu gostaria mesmo: um foro de debate, discussão, democracia. Quanto ao UOL, eu continuarei pagando-lhes meus 18 reais mensais, já não para hospedar o blog, mas para acompanhar a Folha, apesar de eu estar lendo cada vez menos jornais e cada vez mais blogs. Sem querer, então, chutar a porta na saída, eu não posso me furtar uma pergunta: como é possível que o maior portal de conteúdo e acesso à Internet na América Latina possa operar hospedando milhares de blogs e ao mesmo tempo não ter a menor noção do que acontece na blogosfera brasileira de vida inteligente?

As dimensões do UOL são impressionantes:

Lançado em abril de 1996, o UOL provê acesso em mais de 2.200 localidades brasileiras e oferece também números locais de conexão em mais de 14 mil cidades no exterior. Tem hoje mais de 1,3 milhão de assinantes pagantes. Desde setembro de 1999, atua também como portal e provedor de acesso na Argentina. O UOL reúne o mais extenso conteúdo em língua portuguesa do mundo. Está organizado em 42 estações temáticas, com mais de mil diferentes canais de notícias, informação, entretenimento e serviços, somando mais de 7 milhões de páginas. Segundo o Ibope NetRatings, o UOL teve média de 7,130 milhões de visitantes únicos domiciliares mensais no Brasil em 2004, número que lhe dá a primeira posição no ranking dos maiores portais de conteúdo do país e representa cerca de 60% de alcance nesse mercado. Isso significa que de cada 10 pessoas que acessam a Internet a partir de casa, 6 visitam o UOL regularmente. Ainda segundo o Ibope, o UOL teve média mensal de 1,094 bilhão de páginas vistas em domicílios no Brasil no ano passado.

No entanto, a página de abertura dos blogs do UOL é uma seqüência de pisca-piscas adolescentes. Ficaram sem resposta todas as minhas tentativas de chamar atenção dos responsáveis pela área de blogs do UOL para alguns dos blogs de qualidade hospedados no portal, como os dos fantásticos poetas Mário Coivara ou Ana Peluso, esta recomeçando seu blog do zero depois de um trágico apagamento. Falo sem nenhum ressentimento: o Biscoito conquistou mais leitores mais rapidamente que eu jamais imaginava. Mas não deixou de me estranhar que muito depois de ser reconhecido por blogs como Por um Punhado de Pixels, Pensar Enlouquece e Liberal Libertário Libertino o Biscoito ainda não aparecia entre os top 100 blogs do UOL! Na mesma semana Alexandre Cruz Almeida havia dado uma entrevista ao Estadão dizendo que o Biscoito era um dos cinco melhores blogs em língua portuguesa. Quando lhe agradeci disse que, sem falsa modéstia, eu achava que ainda não havia chegado lá (top 15 talvez, top 5 não). Mas que algo estava errado com os motorzinhos do UOL se a gente não aparecia entre os cem melhores blogs do portal.

Ao longo da convivência, ficou óbvio para mim que o UOL entende os blogs como fofoca internética e não tem uma boa compreensão do que a blogosfera já realizou em língua portuguesa. Falta compreensão do que se poderia realizar se um portal como o UOL investisse, aperfeiçoasse, assessorasse os blogs nele hospedados, com atenção especial aos blogs de qualidade, onde há pessoas escrevendo com um pouco mais de reflexão, seja poesia, seja jornalismo, seja o que for. Parece que o UOL, mesmo sendo um gigantesco hóspede de blogs, ainda demorará um tempo para perceber o potencial da blogosfera. Fábio Sampaio, super professional responsável por minha transição ao pontocom, explica que o sistema do UOL é um desafio pela quantidade de nonsense colocado nele. Todos os profissionais que conhecem de programação parecem concordar que o sistema é um monstrengo. Falando como blogueiro, posso garantir que é das coisas menos amigáveis com o usuário que já experimentei. Os dados mostram que por mais que a blogosfera haja crescido, ainda há um descompasso: para o maior portal de internet da América Latina, os blogs ainda são uma coleção de banais confissões pisca-pisca. Poderíamos tirar deste fato algumas conclusões?

Contagem regressiva ao ponto com: UM (na manhã desta quarta-feira postaremos aqui o link à nova casa, onde estará lhes esperando um novo post).



  Escrito por Idelber às 02:38 | link para este post | Comentários (4)



sábado, 26 de março 2005

Sobre encontros de blogueiros, subsídios, comentários e esportes

Sobre encontros de blogueiros: dezenas deixaram recados animados com possíveis encontros de blogueiros. Mantenhamos viva a idéia de vários pequenos encontros nas principais cidades brasileiras. Já de antemão, convido meus amigos blogueiros belo-horizontinos a uma cervejinha no Mercado no primeiro fim de semana de junho e os blogueiros paulistanos a uma cervejinha no domingão 19 de junho, quando estarei em Sampa caminho a Araraquara.

Sobre subsídios: como um representante da Prefeitura de Belo Horizonte abertamente nos ofereceu canais de conversação, eu gostaria de esclarecer: 1) eu moro no exterior desde 1990 e não aceito dinheiro público para qualquer tipo de evento e não preciso dele; 2) no Biscoito os blogueiros terão sempre o espaço para se organizarem e planejarem reuniões sem serem importunados por pessoas cuja especialidade é vociferar em blogs contra leis de incentivo à cultura; 3) no Biscoito qualquer representante do poder público – fazendo o seu papel de profissional – que quiser nos oferecer interlocução, ajuda ou esclarecimento sobre como algum possível evento blogueiro pode receber apoio terá a paz para fazê-lo sem ser importunado por pessoas cuja especialidade é vociferar contra as leis de incentivo à cultura. Então só para esclarecer: eu não quero subsídio nenhum. Ganho mais que suficiente. Mas o espaço do Biscoito para que vocês se organizem e apresentem o projeto à prefeitura de Belo Horizonte sem serem importunados continuará aberto. Quaisquer comentários questionando seu direito de fazê-lo, ou obstaculizando-o de qualquer forma, serão sumariamente apagados. Quem quiser vociferar contra o incentivo estatal à cultura, procure outro blog. Quem quiser discutir se ele deve ou não existir, também. Essa discussão é considerada superada pelo Biscoito, porque o blogueiro que o confecciona lê sobre política cultural há tempos e não está disposto a ter discussão tão básica como “deve ou não deve haver apoio estatal à cultura". Há outros blogs para essa discussão pedestre, que ignora o fato de que jamais houve estado digno do nome que não apoiasse ou subsidiasse, de alguma maneira, sua cultura. Discutiremos política cultural no Biscoito, mas não nesse nível.

Sobre os comentários: o apagamento de um comentário que nos atacava por conversar sobre a apresentação de um projeto a uma prefeitura me leva a divulgar-lhes umas estatísticas. O Biscoito existe mesmo desde novembro. Em quatro meses foram deixados aqui 1964 comentários e somente 4 foram apagados. Está bastante razoável. Considerando como as discussões fervem e se defendem posturas polêmicas aqui, estão todos de parabéns pela civilidade.

Sobre o critério que rege a brincadeira: dos 4 comentários apagados ao longo da história do Biscoito, um foi essa agressão recente à iniciativa coletiva, 2 continham calúnias contra mim e o outro foi por uso deselegante das maiúsculas. Das 2 calúnias, uma era a acusação de que eu teria estudado nos EUA com dinheiro público (sempre ele, habitando as fantasias dos ressentidos) e o seu autor se retratou por email. A outra era de que eu criticava o governo porque algum dia teria tentado entrar ao estado por concurso e não teria conseguido (vou lhe contar, tem louco para tudo). Acusação assim, dessas malucas, eu decidi que não aceitaria. Tem que pôr uns limites, não é, meninas? Todos os que tiveram comentários apagados aqui terminaram convertendo-se em leitores regulares, o que prova que a casa não deixa de ser hospitaleira e pedagógica :)

PS, Futebol: o Clube Atlético Mineiro celebra hoje 97 anos. Neste sábado às 16h o Galo enfrenta o ex-Ipiranga, tentando a incrível marca de cinco tamancadas consecutivas.

PS, Basquete: a única época em que o basquete toma a dianteira no meu coração é durante as finais do campeonato estadunidense universitário (nos sonolentos profissionais da NBA não vejo a menor graça). Nesta sexta à noite, a minha alma mater sobreviveu às oitavas-de-final num jogaço.

Contagem regressiva para o pontocom: TRÊS



  Escrito por Idelber às 03:05 | link para este post | Comentários (1)



quarta-feira, 23 de março 2005

Como se organiza um encontro de blogueiros

A viagem para o Brasil me fez pensar na idéia de que seria bacana
participar de um ou vários encontros de blogueiros. Quem topa? Eu já
adianto: não tenho condições de organizar. Mas lanço a idéia e se alguém se dispõe a tomar a dianteira, eu ajudo.

Eu tenho alguma experiência na organização de encontros de acadêmicos
financiados por agências de fomento, mas é óbvio que essa experiência
não me serve: nenhuma dessas agências acadêmicas financiaria um encontro de blogueiros (blogueiros? o que é isso? nos diriam). Mas é claro que se pode fazer uma versão barata e light sem financiamento externo nenhum, só na base da vaquinha e dos gastos pessoais mesmo.

Por mim, o encontro seria no Rio de Janeiro, mas em Sampa também eu
estaria feliz da vida. Pode se fazer dois encontros, claro. A idéia de Biajoni é realizar um encontro de blogueiros num lugar chamado Santana do Jacaré, que fica no meu estado, em Minas Gerais, não me perguntem onde, porque o blogueiro é de BH, não vai ao mato nunca e não se interessa por lugares onde não haja pelos menos 300.000 outros seres humanos ao redor.

Mas talvez seja interessante fazer o encontro no meio do mato, quem
sabe. Eu opinava a Bia e a Rafael Galvão que devia haver acesso à internet sem fio, para que pudéssemos blogar o evento ao vivo – se não serviço “wireless”,pelo menos uma boa seleção de internets café na cidade teria que haver. Atendo-se a um modelo hollywoodiano, Bia preferia “tirar os blogs do ar” durante 3 dias, “fazer suspense” durante o encontro e voltar com novidades.

Eu acho isso abominável. Você que é blogless, leitor, não preferiria um encontro de blogueiros blogado ao vivo? Você ficaria três dias sem blog? Eu já nem me lembro de como era a vida antes de eu ler blogs todos os dias.

No caso de haver encontro, podemos fazer desde uma pequena reunião até um balacobaco coberto pela imprensa grande e alternativa , por que não?. No mínimo, pode ser um espaço para discutir questões que nos afetam a todos, blogueiros e usuarios da internet em geral. Entre os leitores que estão mexendo com blogs há mais tempo que eu, alguém sabe se já se fez algo assim no Brasil? Quem faria uma viagem de carro, ônibus ou avião para participar de um encontro de blogueiros sem temer haver *enlouquecido completamente*?

PS 1: Clico daqui, clico dacolá, chego na página do tal Sr. Olavo de
Carvalho (não, não linko não). A primeira frase do texto cometido por
esse sr. era: Repetidamente um fenômeno tem chamado a atenção de
professores estrangeiros que vêem
[sic] lecionar no Brasil: por que nossas crianças estão entre as mais inteligentes do mundo e nossos universitários entre os mais burros? Quais professores? Ele não diz. Cita alguém? Não. Alguma pesquisa? Não. Quando, onde, como? Tampouco. Quem diz que os universitários brasileiros estão ‘entre os mais burros’? Ele, porque tirou da própria cabeça. Essa criatura já deu aula em alguma universidade de primeiro, de segundo, de terceiro ou de quarto mundo que lhe desse termo de comparação para enlamear os universitários brasileiros? Não. Já escreveu alguma coisa reconhecida fora de wundergrupelhos brasileiros de seguidores de direita? Não. No entanto, o Globo empresta suas páginas para que essa anta insulte os outros a torto e a direito. Um fanático de extrema-direita que não sabe nem mesmo a diferença entre a conjugação do verbo "vir"e a do verbo "ver" se dá o direito de insultar os universitários brasileiros e declarar que Mário de Andrade foi um "importador de novidade cultural". Esse é o infeliz que uma meia dúzia na nossa blogosfera leva a sério. É a última vez que escrevo o nome desse arremedo de intelectual no meu blog. Para lúcidas desmontagens das palhaçadas desse sr., acompanhe o Smart Shade of Blue. Falemos do nosso encontro que dá mais certo.

PS 2: Contagem regressiva para o pontocom: CINCO.

--------



  Escrito por Idelber às 02:21 | link para este post | Comentários (2)



quinta-feira, 17 de março 2005

Atualizadas, I, metablogueiras

metablogueiras*: 1) muito obrigado a todos os que participaram do
bate-papo sobre Clarice Lispector. Foi delicioso ver como a Mônica
[link] passou a ser um nome mencionado
em aula pelos meus alunos, que acompanharam o fio da conversa e tiraram
suas conclusões muito astutamente. Aliás, o grupo de 10 alunos que faz o
seminário de pós-graduação sobre o conto brasileiro é o *melhor grupo*
que eu já tive aqui em Tulane. Maravilha de cabeças, de astral, de
química. A aula também versou sobre Dalton Trevisan, Rubem Fonseca, Ivan
Angelo e Lygia Fagundes Telles.

2) é um dos blogs mais *belos* da nossa internet. É também o mais
*hospitaleiro* com seu leitor. A reconhecida crítica de arte *Sheila
Leirner* delicia o visitante com montagens anacrônicas, uma palavra
divertida e bem-humorada, e acima de tudo uma caixa de comentários onde
conversamos como se fôssemos todos velhos amigos. O *Biscoito *visita e
recomenda Quando, Onde, Como [link] a notícia e o
link da Blogosphere Foundation.
[link] Já dizia Chico Science, "me
organizando eu posso desorganizar, e eu desorganizando posso me
organizar". Blogo-organizemo-nos!

* *

*familiares*: eu tenho blogado pouco sobre meus filhos Laura e Alexandre
por desejo de respeitar sua privacidade, mas eles adoram quando blogo
sobre eles. Têm relação absolutamente tranqüila com o *lá fora*.
Curtiram muito o post sobre o Mineirão. Até riram das desgraças, sinal
de suprema sabedoria. A relação nossa é muito intensa, tanto durante os
4 meses anuais que passo no Brasil como durante os 8 meses em que a
nossa relação é telefônica ou na webcam. Apesar da distância física 2/3
do tempo, fico feliz de que eles estão se criando no Brasil e não nos
EUA. Este ano recebi prêmio maior: um sabático de maio até dezembro
(extendível até agosto/2006) para estar com eles em BH. Em meu AP já
fizeram seu quarto, e a piscina e o campinho de futebol de lá são o
nosso paraíso. De forma que em dois meses o blogueiro já está de volta
ao Brasil, para o reencontro com Alexandre e Laura, também conhecido
como *felicidade em estado puro. *

**

*calendáricas*: o *Biscoito* transmite dos próximos dois meses de Nova
Orleans – que estará no auge da sua temporada de festas (Sunday Indian
Parade, French Quarter Fest, JazzFest). No final de maio eu inicio longa
estadia em Belo Horizonte (Laura faz 6 em junho) e em agosto faço viagem
a Buenos Aires (congresso da Associação Internacional para o Estudo da
Música Popular); depois de *mi Buenos Aires querido *BH de novo e
finalmente durante todo o mês de outubro o *Biscoito *transmitirá do
outro lado da cordilheira dos Andes, de Santiago do Chile
[link],
onde eu vou ditar um curso de estética a convite daquele que é, para
mim, o maior filósofo hispano-americano, *Pablo Oyarzún* (que uma vez
ofereceu a um livro deste escriba, a título de resenha, este poema
[link]). Em
novembro e dezembro dá-lhe felicidade de novo com Alexandre e Laura em
BH (Alexandre faz 9). Dos próximos 9 meses 1 será no Chile, 2 em New
Orleans e uns 5 na gloriosa Belo Horizonte, além de 1 semana pelo menos
em Buenos Aires. Uma viagem rápida ao Rio também tem que rolar, claro.

**



  Escrito por Idelber às 03:04 | link para este post | Comentários (1)



sexta-feira, 11 de março 2005

Faça a sua boa ação de hoje - Explique a um professor universitário do seu bairro o que é um blog

Sobre a diferença entre as escritas acadêmica, jornalística blogueira eu escrevi um post anterior. Hoje quero me perguntar: por que os acadêmicos não entendem bem o que é um blog? Quando digo “acadêmicos”, generalizo grosseiro, claro. Aqui nos EUA há um número de blogs de especialistas acadêmicos falando como especialistas: nas ciências naturais, lutando batalhas duras contra os lunáticos criacionistas, o PZ Myers do Pharyngula; na área de política externa no Oriente Médio, o excelente Juan Cole; em psicologia e saúde, o forte blog Respectful of Otters; em teoria feminista, o Feministe, que acaba de fazer este fantástico post sobre ética da blogagem. Há muitos exemplos.

Há casos de acadêmicos que decidem não blogar como especialistas. Eu sou especialista em literatura, mas não blogo nessa condição. Se fosse fazê-lo, a primeira coisa seria tirar a caixa de comentários. Se vou dissertar sobre o papel da revista Sur na cultura literária argentina do século XX, vou pôr caixa de comentários prá quê? É pôr o texto, as pessoas lêem e pronto. É que o faz o Juan Cole. Seria para mim mais seguro, menos arriscado e muito menos divertido. A questão é que não há muita gente interessada em saber nada sobre Sur, nem sobre o romance brasileiro alegórico dos anos 70. Há uma profunda crise da crítica literária, uma tristeza na disciplina: falta rumos, interlocução com a sociedade, função social. Nada me tira da cabeça que eu pertenço à penúltima geração da disciplina. E na verdade por mim não há problema, pode morrer. Eu já escrevi meus dois livrinhos de crítica literária e estou pronto para aprender outras brincadeiras, crítica musical, crônica futebolística, ciberlibelos, blogagem enlouquecida: outras formas de experimento com a palavra mais relevantes para o nosso tempo.

Boa parte dos acadêmicos, infelizmente, internalizam o isolamento sob a forma de ultra-hermetismo, culto à dificuldade, e um* medo incrível *a um foro público, interativo, arriscado como um blog. Viajando por cidades universitárias americanas (e convivendo com estudiosos da
América Latina – a maioria gringos – há que se dizer) eu fico surpreso até hoje como a maioria não tem *noção* do que é um blog. *Não porque a figura não entenda o conceito de uma página pessoal na internet atualizada diária ou semi-diariamente, com textos, imagens e links, e dotada ou não de área de comentários para os leitores. *Os acadêmicos entendem essa definição de blog. Não é possível que um ser humano alfabetizado não a entenda. O que os acadêmicos não entendem é como alguém pode fazê-lo. Estão acostumados a preparar-se durante semanas antes de deixar que sua voz apareça em público. Movem-se ainda numa temporalidade pré-internética, mesmo quando usam a web para pesquisar. Só aceitam peregrinar pelos assuntos em que são absolutos especialistas, abandonando assim a possibilidade de falar como um bem informado não-especialista, ou seja como um zoon politikon, como um ser político.

Alguns estão sacando que têm que se mover, outros são pioneiros na invenção de um novo discurso. Depois da campanha eleitoral do ano passado nos EUA, os acadêmicos já entenderam que algo muito grandioso pode estar acontecendo por causa dos blogs. Mas como eles (nós) odeiam estar na posição do que *pede explicações, com freqüência ignoram(os) o fenômeno. Se você tiver a oportunidade, *explique a um amigo professor universitário o que é um blog*, envie-lhe um link de sua preferência, cobre-lhe interesse. Os acadêmicos estamos longe, muito longe de ser a “vanguarda” quando o assunto é blog. É importante que bons especialistas em várias disciplinas montem seus blogs em português e comecem a escrever, no pique da blogosfera, comentários bem-informados: intervenções máis ágeis do que a dos “papers” cuja preparação se arrasta por meses ou anos. Quanto mais se combinar a intervenção bem-informada do especialista com a agilidade dos blogs, melhores serão os resultados para uma série de debates públicos e para a própria democracia.

--------



  Escrito por Idelber às 03:02 | link para este post



quinta-feira, 10 de março 2005

DROPS

No esteio da nossa recente eleição discográfica (para a qual, aliás, aceitamos votos até hoje, quinta, à noite): a) Pedro Alexandre Sanches elege os “piores” discos (aspas indicando amor a esses piores); b) Biajoni propõe os piores dos melhores, ou seja o pior disco de Gil, o pior de Tom, etc. c) para quando tivermos tempo, eu proponho: quais artistas deveriam ter feito só uma música? E quais artistas só fizeram uma música?

2) Outro dia eu falei do vício de ler blogs. Ina, gentilmente, me enviou o link a um fantástico texto de dois anos atrás (muito superior ao meu), sobre o mesmo tema. É este super post de Alê Felix.

3) Um dos textos mais hilários de Julio Cortázar é uma divagação sobre a inevitabilidade do “querido/a” ou do “estimado/a” em espanhol da Argentina. Ou você é "querido/a" ou você é “estimado/a”. Não há outro cabeçalho. E se querido nem sempre dá, estimado es un término que rezuma indiferencia, oficina, balance anual, desalojo, ruptura de
relaciones, cuenta del gas, cuota del sastre. Usted piensa
desesperadamente en una alternativa y no la encuentra; en la Argentina somos queridos o estimados y sanseacabó
. Está na linda compilação de crônicas, microcontos e fait divers La vuelta al día en ochenta mundos. Como Cortázar em espanhol, eu também gostaria de ter uma alternativa a prezado ou caro em português (porque ‘querido’ é de uso muito maisrestrito entre nós que em espanhol, lógico). Haverá jogadas
inteligentes, fórmulas criativas para cabeçalhos que não sejam “vossa
excelência” ou “admirado”?

4) Via Nemo cheguei aqui e comprei uma camisa branca, manga longa. Na frente, I am therefore I blog (eu teria preferido I blog therefore I am, mais fiel à fórmula cartesiana original). Atrás: ask me about blogging. Supimpa. Fez sucesso. Os alunos adoraram.

5) Grande notícia do dia, e prova de que dentro em breve até em Uberaba conhecerão o Biscoito: o meu provedor, o UOL, descobriu que a gente existe e colocou-nos na primeira página. Palmas para o UOL! Como é inteligente a administração: três meses depois de ser linkado pelo maior blogueiro do mundo,meses depois de já ser frequentado por blogueiros ilustres, quatro meses depois de eu haver escrito ao próprio UOL dando detalhes sobre o trabalho feito aqui no blog e não ter recebido resposta nenhuma (vendo, enquanto isso, a abertura do UOL povoada de blogs pisca-pisca), eles põe a gente na primeira página! Too late now, folks! Embora, é lógico, seja muito bem-vindo quem chega via UOL.

6) Eu sou mineiro e nunca saio chutando a porta. Mas este blogueiro já
adquiriu e registrou domínio próprio. O blog rodará em Movable Type. O sistema de comentários não terá letrinhas verificadoras que passaram por instrumentos de tortura medieval. A página de comentários terá o formato deste blog aqui, com algumas adaptações colhidas neste blog aqui. Preservará as cores de fundo do Biscoito, que eu gosto, mas talvez não continuemos a linkar em azul. Talvez negro, como bom atleticano, eliminando assim o uso de negrito e guardando /itálicos/ para ênfase sem link? O que vocês acham?

PS: Em breve aqui no Biscoito: Como explicar a um acadêmico, em dez simples passos, o que é um blog.

--------



  Escrito por Idelber às 03:19 | link para este post



terça-feira, 08 de março 2005

Você sabe que está viciado em blogs se você...

1. seguindo-se ao jantar e sobremesa à luz de velas, depois da primeira sessão da brincadeira, maravilhosa, com orgasmos múltiplos e
simultâneos, aproveita a ida do outro ao banheiro só prá dar uma
olhadinha na caixa de comentários
;

2. seguindo-se ao último cigarro da insônia você se levanta e bota para girar sua conexão discada para ver se aquele filho da puta teve a parsimônia de responder;

3. seguindo-se ao despertar, antes da higiene bucal, você liga a máquina, prá deixá-la esquentando e assim, quando sair do banheiro, tê-la pronta;

4. vê a notícia e pensa: o que o meu blog favorito
[link] e o blog mais fundamental
[link] e o blog mais incisivo e elegante
[link] pensariam sobre o assunto?

5. acima de tudo você sabe que está viciado se chegou ao ponto de ler diariamente 70 blogs, ser comentarista regular em mais de 35, e produzir um próprio com 3 posts diários.

Como chegam leitores novos, eu gostaria de pedir vênia aos antigos e
apresentar-me de novo: eu amo a Bahia e o Galo sobre todas as coisas. Sou professor de literatura e profundamente viciado em fumar cigarros e ler blogs. Nas últimas 4 semanas, decidi colocar o segundo vício à serviço da abolição do primeiro. Tenho tido sucesso, com a ajuda de leitores maravilhosos. No entanto, afundei-me dramaticamente no segundo vício e agora começo a lutar contra ele. Este post traz minhas resoluções para tentar controlá-lo.

Decisões tomadas hoje:

1. Sumir por uns tempos das caixas de comentários alheias. Como sabem dezenas de blogueiros, eu faço
palhaçadas no Nelson, brigo com criacionistas no Smart, encanto-me
ante as frases de Milton e os casos de Lucia e lanço palavras por todas as caixas de comentários de blogs que eu tenha gostado de visitar - são sempre sinceras, porque *se não gosto vou embora e não digo nada. Foi linda essa experiência, amigos, mas acabou. Que fique claro: leio e continuo lendo todos os 70 blogs que estão linkados aqui à esquerda, mas estou mergulhado na tentativa de controlar o vício. No momento, tenho que voltar a conseguir ler trabalhos de alunos. Amo os blogs que comento. Será difícil parar de comentar no de Michael Bérubé, onde no sábado fizemos uma fenomenologia da cerveja e nesta segunda uma homenagem às bandas que só deveriam ter gravado uma música.

2. Sumir das minhas próprias caixas de comentários. Não mais poderei registrar a chegada de cada visitante com um alô. É lindo isso, e eu o fiz durante 5 meses. Mas já não dá. Com o crescimento do blog, a caixa de comentários passa a funcionar como várias outras: são espaços onde eu vou evitar escrever. Todo mundo sabe que é bem-vindo. Trata-se de um espaço dos leitores. Usem-no. Batam papo. Vociferem. Despiroquem. Desabafem.

PS: O presentinho que eu vou sortear entre todos os que votarem na
eleição dos melhores discos da música brasileira é uma caixinha de 6
CD-Rs com 120 canções escolhidas por mim e por Cristóforo Dunn, depois de muita briga e discussão, para o nosso seminário daqui. A seleção começa com "Lundu do Baiano", primeiro fonograma gravado em Pindorama (1902) e vai até "Conversa de botas batidas" (2003), pérola pop do último disco do Los Hermanos. Se vocês acharam difícil escolher 10 discos, imaginem escolher 120 canções, debatendo o tempo todo com um caetanóide. Mando por correio prá quem ganhar o sorteio.

Então era isso: a eleição continua, o brinde era esse, eu sigo blogando mas não comentando e o vício bloguístico já tem uma coleção de sintomas. Tem alguém aí viciando em blogs? Observando a sintomatologia?



  Escrito por Idelber às 02:59 | link para este post



quinta-feira, 10 de fevereiro 2005

A Dialética da Ameaça Anônima

O email colocou a última pá de cal na correspondência como gênero
literário. Acabaram-se aqueles romances
[link]
escritos em formas de cartas. Já não há cartas. O email não é uma carta
em forma eletrônica. É outro gênero, com outras regras. Prá começar, não
dura, não se guarda.

Tenho que confessar que o fim das cartas me enche de alegria. Não
suporto ler correspondência de escritor, e quando tenho que ler – por
pesquisa – me entedio e a coisa acaba tirando meu tesão pelo autor, que
ali naqueles textos parece vulgar, sem ficção, sem sonho (aliás: quantos
volumes de cartas de Mário de Andrade ainda falta desenterrar, pelo amor
de Deus?).

As ameaças anônimas têm longa história na ficção. O romance de adultério
e o romance policial, por razões óbvias, foram duas de suas grandes
moradas. Tanto em *Madame Bovary* como em *Ana Karenina*, a tensão
dramática se multiplica quando as protagonistas recebem ameaças anônimas
de que suas escapadas serão reveladas.

Mas o meu romance de adultério favorito foi escrito por uma mulher – a
fantástica Kate Chopin
[link] que, com *The
Awakening* (1899), leva à culminação e à morte esse gênero
essencialmente masculino. Também a protagonista de *The Awakening* sofre
ameaças anônimas.

Para os que acompanhamos a subida meteórica da neo-direita
norte-americana, ameaçazinha que se recebe por email ou em caixa de
comentários é a fichinha da fichinha. Aqueles caras sim, são
profissionais. Sabem que a máquina da mídia pode disseminar calúnias de
tal maneira que – *mesmo depois que a calúnia tenha sido provada falsa*
– ela não perde sua operatividade. Martela-se que Saddam tinha armas de
destruição, que havia albergado gente da Al Qaeda, e depois de tudo
provado falso, 40% da população continua acreditando na calúnia
original. Por quê? O Prof. Stephan Lewandowksy, da Austrália, que
pesquisa o assunto, explica
[link] :
“As pessoas criam um modelo mental para entender o mundo baseado na
informação falsa. Mesmo depois do desmentido elas não conseguem
abandoná-la, porque isso deixaria seu mundo mental em ruínas”.

Ontem eu deixei aqui links para a história do Prof. Ward Churchill. Aqui
vai o resumo. Depois do 11 de setembro, o Prof. Churchill escreveu um
artigo dizendo coisas óbvias: que o ataque era conseqüência direta da
politica de agressão americana ao mundo árabe e que era hipocrisia
exigir do mundo um luto que os EUA nunca dedicaram a suas vítimas. No
meio dessas obviedades, disse uma grande asneira: que os trabalhadores
financeiros mortos das Torres Gêmeas eram ‘pequenos Einchmann’ (o dito
cujo era, claro, um dos arquitetos do nazismo).

O artigo não recebeu atenção durante 3 anos. Na semana passada, quando o
Prof. Churchill se preparava para dar uma palestra em Hamilton College,
alguém descobriu o artigo e pôs a boca no mundo. Imediatamente, a
máquina de calúnias da Fox News começou a trabalhar, lançando ataques
histéricos e exigências de que se cancelasse a palestra. Incitaram os
habitantes do Colorado, onde o professor trabalha, a que escrevessem
emails à universidade exigindo sua demissão. Resultado: a universidade
recebeu mais de 8000 emails com insultos, o Prof. Churchill recebeu mais
de 100 ameaças de morte, seu carro foi objeto de vandalismo e ele teve
que renunciar à direção do Centro de Estudos Étnicos da Universidade do
Colorado. A direção da universidade agora estuda sua demissão, fato que
seria *inaudito* nos EUA. Aqui, depois de conquistar o *tenure*
(estabilidade, que não vem com o emprego, mas é conquistada depois que
sua obra foi reconhecida dentro da disciplina) você só pode ser mandado
embora por crime ou falta grave. O *tenure* existe exatamente para
proteger “crimes” de opinião como esse, porque se sabe que é raro
produzir *novo* conhecimento (obrigação nossa na universidade) sem
desagradar alguns poderosos.

No caso das agressões que sofrem os blogueiros – por email ou nas caixas
de comentários – a mesma tecnologia que permite que o agressor se
mantenha anônimo também permite ao blogueiro proteger-se, bloqueando
IPs, por exemplo. Na maioria dos casos, os agressores não são nada do
tipo Fox News. São pessoas miseráveis, em geral solitárias e invejosas.
Não têm nem idéia de que qualquer agressão, mesmo anônima, pode ser
rastreada ao seu IP e, com um pouquinho mais de trabalho, ao seu
endereço residencial.

Tivemos há pouco a primeira experiência de processar uma pessoa que
enviava emails com ameaças às pessoas envolvidas na causa palestina. Com
o tempo, os próprios blogueiros construiremos formas mais solidárias de
auto-defesa – compartilhamento instantâneo de informação, por exemplo,
de forma que qualquer um que passe do limite do aceitável seja banido
não só no blog onde agrediu, mas numa grande rede de blogs. Como sempre,
a nova tecnologia em si mesma é eticamente neutra.

Cabe à ética ganhar, dentro da tecnologia, a batalha contra a
filhadaputagem.

PS: Por favor, paciência com as ridículas letrinhas tortas do mecanismo
anti-spam da caixa de comentários. Sim, às vezes é foda enxergar. Mas na
segunda ou terceira tentativa vai. E às vezes o número mostrado aqui
fora é menor que o número de comentários realmente existente dentro da
caixa. Paciência, vamos sair daqui em breve. Até Domingo que Nova York
me espera!

--------



  Escrito por Idelber às 15:02 | link para este post